O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Alex Sandro Gomes @alexodrosgomes
PISA 2015 key findings
for Brazil - OECD
• The mean score in science performance is
one of the lowest among PISA-participa...
“Seguimos como sonâmbulos e
estamos indo rumo ao desastre.”
Edgar Morin
Hoje explorados, amanhã
irrelevantes!
“Visto que a Inteligência Artificial toma melhores
decisões do que nós sobre carreir...
The World in 2050: Four
Forces Shaping Civilization's
Northern Future
Combinando as lições de geografia e história
com pro...
De moderno e
contemporâneo
da Informática
na Educação no
Brasil
I. Da Ciência moderna à
pós-moderna
II. Pesquisa Brasileir...
Parte I. Da Ciência moderna à pós-
moderna
Ciência Moderna
O sentido da expressão 'Ciência Moderna'
está associada à epistemologia que consistia
em articular métodos...
Limites do
modernismo
Parecia difícil integrar os resultados esparsos
em soluções sistêmicas e complexas que
davam conta m...
FOTO:VIOLETTAMARKELOU
Complexidade à brasileira
Mundano e digital
O paradigma pós-moderno permite entender o mundano e o digital como uno e em evolução.
Singularity: The point of no
return of human evolution
Chegará um momento em que não
entenderemos as escolhas das inteligê...
Pós-modernismo
O pós-modernismo é uma postura intelectual
ou um modo de discurso que rejeita a
possibilidade de um conheci...
Podemos falar de um pós-
modernismo científico
brasileiro?
Político: Miguel Arraes
Cientista: Darcy Ribeiro
Área: Ciências...
“Ele não era
cartesiano”, FHC
• Série: Estudos de Antropologia da Civilização:
• O processo civilizatório, As Américas e a...
Clarivate Analytics | Research
in Brazil CCS/CAPES (2018)
• Brazil is the 13th largest producer of
research publications g...
15’
Parte II. Pesquisa Brasileira em IE
SBIE
Fonte: Posada, J.; Buchdid, S.; Baranaukas, M.C. (2016) A Informática na
Educação: o que revelam os trabalhos publica...
WIE
Fonte: Posada, J.; Buchdid, S.; Baranaukas, M.C. (2016) A Informática na
Educação: o que revelam os trabalhos publicad...
RBIE
Fonte: Posada, J.; Buchdid, S.; Baranaukas, M.C. (2016) A Informática na
Educação: o que revelam os trabalhos publica...
/metodologia.ceie-br.org/
input(legend)
BITTENCOURT, Ig Ibert; ISOTANI, Seiji. Evidence-based Computers in
Education: A Manifesto. Brazilian Journal...
O que
fazemos
Criamos e “validamos” conceitos
Manifesto IE, Princípio IV: Menos propostas conceituais,
mais validação cien...
inovaula.com
QUEIROS, Leandro M. et al. Context Analysis of
Teachers’ Learning Design Practice Through
Activity Theory, Distributed Cog...
Observações
Youubi Ferraenta de autoria
Experiência
ubíbua de
aprendizagem
10’
Parte IIIInovação e Design pós
modernos
Paradigmas de
Inovação
E o raciocínio de Design Implicado
Paradigmas de Inovação
ROTHWELL, Roy. Successful industrial innovation: critical
factors for the 1990s. R&d Management, v....
http://openredu.org
Coupling Model:
Terceira Geração de
Inovação
• JOÃO, Mattar. Fóruns de discussão
em educação à distância: Moodle,
Facebook...
“À primeira vista, parece tão lógico pular
rapidamente para soluções; afinal de contas, o
modo linear de resolver problema...
Etnografia digital
• Multiplicity: There is more than one way to
engage with the digital
• Non-digital-centric-ness: The d...
“A guiding model of a large portion of ethnographic work was to provide
understanding of people, practices and systems tha...
m-u-learning
Como pode ser a experiência de aprendizado móvel e ubíqua fazer
sentido para jovens adultos com baixa escolar...
mundano e digital na
educação básica
Que computação faz sentido para
server de apoio à mediação da
aprendizagem na modalid...
digital and self
heritage
education
Que computação faz sentido no
desenvolvimento da cidadania?
Considerações finais
Aprofundar a reflexão
epistemológica da área
Promover a apropriação, a tomada de
consciência e a criativa proposição de mé...
Somos todos
Designers
“This analytic orientation inspires
four key shifts in our approach to
HCI4D efforts: generative mod...
Precisamos
empreender
25º CIAED
Inovação só é inovação quando alguém perceber
valor!
Inter(trans)disciplinaridade
Precisamos introduzir as aspectos da complexidade
dos fenômenos educacionais brasileiros em n...
Manifesto IE
Princípio I: Menos
monólogo, mais diálogo
BITTENCOURT, Ig Ibert; ISOTANI, Seiji. Evidence-based
Computers ...
Ressignificar o formato dos congressos IE
Precisamos de mais espaços para dialogar e receber feedback
Muito
obrigado!
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de apren...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de aprendizagem

Palestra convidada do Congresso Brasileiro de Informática da Educação (CBIE)

  • Entre para ver os comentários

De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil: abordagens situadas da concepção de experiências de aprendizagem

  1. 1. Alex Sandro Gomes @alexodrosgomes
  2. 2. PISA 2015 key findings for Brazil - OECD • The mean score in science performance is one of the lowest among PISA-participating countries and economies. (401 PISA Score, rank 62/69 ) • he mean score in mathematics performance is one of the lowest among PISA- participating countries and economies. (377 PISA Score, rank 64/69 ) • Girls' performance in reading is one of the lowest among PISA-participating countries and economies. (419 PISA Score, rank 61/69)
  3. 3. “Seguimos como sonâmbulos e estamos indo rumo ao desastre.” Edgar Morin
  4. 4. Hoje explorados, amanhã irrelevantes! “Visto que a Inteligência Artificial toma melhores decisões do que nós sobre carreiras e talvez até relacionamentos, nosso conceito de humanidade e de vida terá que mudar”.
  5. 5. The World in 2050: Four Forces Shaping Civilization's Northern Future Combinando as lições de geografia e história com projeções de modelos e dados analíticos de última geração, o colega de Guggenheim, Laurence C. Smith, prevê como as oito nações da Margem Ártica (incluindo os Estados Unidos) se tornarão cada vez mais poderosas enquanto as nações ao redor do equador irão lutar pela sobrevivência. The World em 2050 é tão credível quanto controverso, projetando os iminentes benefícios, bem como os problemas da mudança climática.
  6. 6. De moderno e contemporâneo da Informática na Educação no Brasil I. Da Ciência moderna à pós-moderna II. Pesquisa Brasileira IE III. Inovação e Design pós-modernos
  7. 7. Parte I. Da Ciência moderna à pós- moderna
  8. 8. Ciência Moderna O sentido da expressão 'Ciência Moderna' está associada à epistemologia que consistia em articular métodos de observação e experimentação com o uso de instrumentos técnicos (por exemplo, o telescópio e o microscópio), que começou a se desenvolver, propriamente, na Europa do século XVI (Engelmann, 1962). Evolução que ocorreu durante a Idade Moderna
  9. 9. Limites do modernismo Parecia difícil integrar os resultados esparsos em soluções sistêmicas e complexas que davam conta muito do agravamento dos grandes problemas sociais da vida no início do século XX, por exemplo, os ambientais, os demográficos, a globalização econômica, a saúde, a doença e sociedade, a educação, os problemas de origem ideológica, o suicídio, o alcoolismo, a regulação social do comportamento sexual, o crime e a violência, dentre outros (Castro Maria, 2013).
  10. 10. FOTO:VIOLETTAMARKELOU
  11. 11. Complexidade à brasileira
  12. 12. Mundano e digital O paradigma pós-moderno permite entender o mundano e o digital como uno e em evolução.
  13. 13. Singularity: The point of no return of human evolution Chegará um momento em que não entenderemos as escolhas das inteligências artificiais que teremos criado. E esse momento é conhecido como Singularidade. Os quatro componentes: Internet, Internet das Coisas, Big Data e Inteligência Artificial representam o sistema nervoso, os sentidos, a memória e o cérebro de um super-ser que controlará o planeta no futuro e escapará da compreensão humana. O momento em que isso acontece será chamado de singularidade.
  14. 14. Pós-modernismo O pós-modernismo é uma postura intelectual ou um modo de discurso que rejeita a possibilidade de um conhecimento confiável, nega a existência de uma realidade universal e estável e enquadra a estética e a beleza como arbitrárias e subjetivas.
  15. 15. Podemos falar de um pós- modernismo científico brasileiro? Político: Miguel Arraes Cientista: Darcy Ribeiro Área: Ciências agrárias
  16. 16. “Ele não era cartesiano”, FHC • Série: Estudos de Antropologia da Civilização: • O processo civilizatório, As Américas e a Civilização, O dilema da América Latina, Os Brasileiros: 1. Teoria do Brasil, e Os índios e a Civilização
  17. 17. Clarivate Analytics | Research in Brazil CCS/CAPES (2018) • Brazil is the 13th largest producer of research publications globally (Figure 1) and its research output grows annually • Brazil has low rates of industrial and international collaboration in common with other rapidly developing countries • Overall, industry co-authors only about 1% of Brazilian research papers
  18. 18. 15’
  19. 19. Parte II. Pesquisa Brasileira em IE
  20. 20. SBIE Fonte: Posada, J.; Buchdid, S.; Baranaukas, M.C. (2016) A Informática na Educação: o que revelam os trabalhos publicados no Brasil. Revista Brasileira de Informática na Educação, 24(1). Pp 142—157.
  21. 21. WIE Fonte: Posada, J.; Buchdid, S.; Baranaukas, M.C. (2016) A Informática na Educação: o que revelam os trabalhos publicados no Brasil. Revista Brasileira de Informática na Educação, 24(1). Pp 142--157
  22. 22. RBIE Fonte: Posada, J.; Buchdid, S.; Baranaukas, M.C. (2016) A Informática na Educação: o que revelam os trabalhos publicados no Brasil. Revista Brasileira de Informática na Educação, 24(1). Pp 142—157.
  23. 23. /metodologia.ceie-br.org/
  24. 24. input(legend) BITTENCOURT, Ig Ibert; ISOTANI, Seiji. Evidence-based Computers in Education: A Manifesto. Brazilian Journal of Computers in Education, v. 26, n. 03, p. 108, 2018.
  25. 25. O que fazemos Criamos e “validamos” conceitos Manifesto IE, Princípio IV: Menos propostas conceituais, mais validação científica Avaliamos com poucas variáveis e poucos sujeitos Ignoramos o contexto histórico-cultural O design é ingênuo e gera pouca inovação Manifesto IE, Princípio II: Menos estudos independentes, mais estudos fundamentados no estado da arte (global)
  26. 26. inovaula.com
  27. 27. QUEIROS, Leandro M. et al. Context Analysis of Teachers’ Learning Design Practice Through Activity Theory, Distributed Cognition, and Situated Cognition. In: International Workshop on Learning Technology for Education in Cloud. Springer, Cham, 2019. p. 247-259.
  28. 28. Observações
  29. 29. Youubi Ferraenta de autoria
  30. 30. Experiência ubíbua de aprendizagem
  31. 31. 10’
  32. 32. Parte IIIInovação e Design pós modernos
  33. 33. Paradigmas de Inovação E o raciocínio de Design Implicado
  34. 34. Paradigmas de Inovação ROTHWELL, Roy. Successful industrial innovation: critical factors for the 1990s. R&d Management, v. 22, n. 3, p. 221-240, 1992.
  35. 35. http://openredu.org
  36. 36. Coupling Model: Terceira Geração de Inovação • JOÃO, Mattar. Fóruns de discussão em educação à distância: Moodle, Facebook e Redu. Tecnologia Educacional, p. 6-17, 2013.IEEE • RODRIGUES, Rodrigo Lins et al. Discovery engagement patterns MOOCs through cluster analysis. IEEE Latin America Transactions, v. 14, n. 9, p. 4129-4135, 2016.
  37. 37. “À primeira vista, parece tão lógico pular rapidamente para soluções; afinal de contas, o modo linear de resolver problemas funcionou em muitas situações no passado. Hoje em dia, no entanto, os problemas são mais frequentemente compostos de redes de subsistemas que todos interagem fortemente entre si.” Wanderley, L., & Campos, F. (2019). "B-reathing: how to understand the bigger picture". In Advanced Imagineering. Cheltenham, UK: Edward Elgar Publishing. doi: https://doi.org/10.4337/9781788976244.00018
  38. 38. Etnografia digital • Multiplicity: There is more than one way to engage with the digital • Non-digital-centric-ness: The digital is de-centred in digital ethnography • Reflexivity: Digital ethnography involves reflexive practice • Openness: Digital ethnography is an open event • Unorthodox: Digital ethnography requires attention to alternative forms of communicating
  39. 39. “A guiding model of a large portion of ethnographic work was to provide understanding of people, practices and systems that would reduce probability of failure for an innovation.” (Ken Anderson, 2014)
  40. 40. m-u-learning Como pode ser a experiência de aprendizado móvel e ubíqua fazer sentido para jovens adultos com baixa escolaridade que trabalham?
  41. 41. mundano e digital na educação básica Que computação faz sentido para server de apoio à mediação da aprendizagem na modalidade híbrida com ambientes virtuais na educação básica?
  42. 42. digital and self heritage education Que computação faz sentido no desenvolvimento da cidadania?
  43. 43. Considerações finais
  44. 44. Aprofundar a reflexão epistemológica da área Promover a apropriação, a tomada de consciência e a criativa proposição de métodos adequados para IE no Brasil Marconi e Lakatos (than all) não é sulficiente! Manifesto IE, Princípio III: Menos teorias avulsas, mais compromisso ontológico e epistemológico
  45. 45. Somos todos Designers “This analytic orientation inspires four key shifts in our approach to HCI4D efforts: generative models of culture, development as a historical program, uneven economic relations, and cultural epistemologies.” IRANI, Lilly et al. Postcolonial computing: a lens on design and development. In: Proceedings of the SIGCHI conference on human factors in computing systems. ACM, 2010. p. 1311-1320. Manifesto IE, Princípio VI: Menos purismo acadêmico, mais interface com o ecossistema educacional
  46. 46. Precisamos empreender 25º CIAED Inovação só é inovação quando alguém perceber valor!
  47. 47. Inter(trans)disciplinaridade Precisamos introduzir as aspectos da complexidade dos fenômenos educacionais brasileiros em nossos trabalhos e ninguém está habilitado individualmente a fazê-lo, portanto, precisamos colaborar.
  48. 48. Manifesto IE Princípio I: Menos monólogo, mais diálogo BITTENCOURT, Ig Ibert; ISOTANI, Seiji. Evidence-based Computers in Education: A Manifesto. Brazilian Journal of Computers in Education, v. 26, n. 03, p. 108, 2018. Semaan et al. (2019) analisa a nossa colaboração
  49. 49. Ressignificar o formato dos congressos IE Precisamos de mais espaços para dialogar e receber feedback
  50. 50. Muito obrigado!

×