Manual de redação e estilo
Índice
Apresentação
Prefácio
O estilo
O texto e a edição no jornal
Instruções Gerais
Esclareça ...
Apresentação
Consagrado conjunto de normas da imprensa brasileira, que ultrapassa a
fronteira do papel para o mundo online...
repórteres e redatores, nem impor camisas-de-força aos jornalistas da
empresa. Seu objetivo é claro: definir princípios qu...
também, pela insistência, contribuir para que elas se fixassem melhor na
memória.
Os verbos mais comuns da língua portugue...
Texto e a edição do jornal
Este capítulo do Manual de Redação e Estilo do Estado expõe as
instruções gerais e específicas ...
óbvio, opiniões, ouvir os dois lados, palavras dispensáveis, palavras e locuções
vetadas, palavras estrangeiras, palavras ...
tencionar; voltar é sempre melhor que regressar ou retornar; tribunal é sempre
melhor que corte; passageiro é sempre melho...
16 - O rádio e a televisão podem ter necessidade de palavras de som forte ou
vibrante; o jornal, não. Assim, goleiro é gol...
24 - Você pode ter familiaridade com determinados termos ou situações, mas o
leitor, não. Por isso, seja explícito nas not...
34 - A correção do noticiário responde, ao longo do tempo, pela credibilidade
do jornal. Dessa forma, não dê notícias apre...
44 - Sempre que possível, mencione no texto a fonte da informação. Ela
poderá ser omitida se gozar de absoluta confiança d...
Irrequieto, Carlos Nunzio sugeria chamar-se César e levava no bolso
uma sovela, instrumento pontiagudo usado pelos sapatei...
De sua casa, no elegante bairro de Beverly Hills, o papa da psicologia
esportiva norte-americana, mais de 40 livros public...
Acabar. 1 - Acabar, com maior propriedade, equivale a completar, terminar,
concluir: Já acabaram o serviço. / Pretende aca...
Achar, encontrar. Use achar para definir aquilo que se procura e encontrar para o
que, sem intenção, se apresenta à pessoa...
regulares: adequava, adequou, adequaria, adequasse, etc. Em vez dos inexistentes
"adequa" ou "adeqüe", use, portanto, ajus...
2 (tr. ind.) - Atentar: Custou, mas advertiu naquele detalhe.
3 (tr. dir. e ind.) - Advertir alguém de alguma coisa ou adv...
2 - Como prefixo, exige hífen na constituição de adjetivos pátrios: afro-
asiáticos, afro-brasileiro, afro-lusitano, afro-...
agüemos, aguai, ágüem. Imper. neg.: Não ágües, não ágüe, não agüemos, não
agüeis, não ágüem.
Aids.Inicial minúscula: Aumen...
Alemão-ocidental. Flexões: alemães-ocidentais, alemã-ocidental e alemãs-
ocidentais.
Alemão-oriental. Flexões: alemães-ori...
Alguma coisa de. Concordância. 1 - O adjetivo que vem depois não varia: Ela tem
alguma coisa de bom (e nunca de boa). / A ...
Ambos, ambos os. 1 - Use apenas estas duas formas, uma vez que ambos os dois e
ambos de dois, embora corretas, devem limit...
2 - Como adjetivo, sua forma habitual, anexo deve figurar em frases como:
Envio a carta anexa. / Prédios anexos ao central...
Anti... 1 - É seguido de hífen quando o segundo elemento começa por h, r e s: anti-
histamínico, anti-rábico, anti-séptico...
Apaziguar. Conjuga-se como averiguar .
Apelar para. 1 - O certo é apelar para e não apelar a: Agricultores apelam para o
g...
Aprovar. Governos não aprovam projetos nos Legislativos. Assim, o correto é: O
governo tentará conseguir a aprovação rápid...
Areal, areão, arear. Sem i.
Argüir. Conjugação. Pres. ind.: Arguo, argúis, argúi, argüimos, argüis, argúem. Imp.
ind.: Arg...
3 - Não admite a forma pronominal lhe, que deve ser substituída por a ele, a
ela: O valor do prêmio fez que aspirassem ard...
3 - Com a preposição a, pode ainda equivaler a favorecer, caber (direito ou
razão), caso em que admite também o pronome lh...
Atenuante. Palavra feminina: a atenuante, algumas atenuantes.
Até o, até ao. Use até o, até a, até os e até as, em vez de ...
À uma. Ver uma (crase).
Aumentar. Regência. 1 - Aumentar alguma coisa: As montadoras aumentaram os
preços ontem. / Não par...
Averiguar. Conjugação. Pres. ind.: Averiguo, averiguas, averigua, averiguamos,
averiguais, averiguam. Pret. perf. ind.: Av...
Balança, balanço. Balança comercial, balanço de pagamentos.
"Bâle". Use Basiléia.
Baliza. Com z, assim como balizar ou bal...
Bastante. 1 - É invariável (advérbio) no sentido de muito, suficientemente: Estavam
bastante preocupados. / Todos ficaram ...
Bestialógico. E não "bestialógio".
Bexiga. E não "Bixiga" (São Paulo).
BH. Aceitável, apenas em títulos, para substituir B...
2 - O mesmo ocorre com outras expressões semelhantes. Assim, use: mais boa
vontade (e não melhor vontade), mais má vontade...
Borderô. Desta forma.
Bordéus. Aportuguesamento do nome da cidade francesa Bordeaux.
Bordo. Use a bordo de apenas no senti...
Couber, couberes, couber, coubermos, couberdes, couberem. Não tem imperativo. Os
demais tempos são regulares. (Particípio:...
Cada um. Verbo na terceira pessoa do singular: Cada um deles tem seu quarto. /
Cada um de nós trabalha em empresas diferen...
Camponês. Quando se tratar do Brasil, substitua a palavra por lavrador, agricultor,
trabalhador rural, plantador, cortador...
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Manual redacao estadao
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manual redacao estadao

1.095 visualizações

Publicada em

concurso redação

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.095
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual redacao estadao

  1. 1. Manual de redação e estilo Índice Apresentação Prefácio O estilo O texto e a edição no jornal Instruções Gerais Esclareça as suas dúvidas A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z O uso da crase Os erros Os cem erros mais comuns Os dez erros mais graves Guia de pronúncia Escreva certo A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z Pesos e medidas
  2. 2. Apresentação Consagrado conjunto de normas da imprensa brasileira, que ultrapassa a fronteira do papel para o mundo online, o Manual de redação e Estilo do Estado cumpriu essa trajetória exatamente porque sua utilidade não é restrita às redações de jornais e revistas. O trabalho é um sucesso em livro - cerca de 500 mil exemplares vendidos em todo o Brasil - porque é mais do que uma série de regras para jornalistas: é um verdadeiro guia para qualquer pessoa que escreva, com orientações gerais e específicas e os princípios básicos do nosso idioma. Em um cenário no qual o grande público começa a ter seus primeiros contatos com a Internet, esta segunda versão do Manual para a NetEstado foi produzida por se encaixar no espírito de nosso produto na WWW: um site diversificado, com riqueza e qualidade de conteúdo, para atender justamente a sua demanda. De autoria do jornalista Eduardo Martins, com 40 anos dedicados ao ofício de moldar textos na Redação do Estado, o Manual chega agora à terceira edição impressa. Cada um dos seus verbetes traz a experiência de quem chefiou incontáveis editorias no jornal, foi seu secretário de Redação e já por oito anos auxilia a Direção da Redação no controle de qualidade dos textos publicados. Prefácio Esta terceira edição do Manual de Redação e Estilo apresenta consideráveis alterações em relação à original, de 1990. Assim, centenas de verbetes foram acrescentados ao texto, para corrigir omissões ou incluir assuntos que passaram a ocupar o noticiário nos últimos anos. Simultaneamente o Manual foi acrescido de três capítulos. O primeiro deles destina-se a resolver uma das dificuldades mais angustiantes de quem gosta de escrever: o uso da crase. Mas ele não apenas trata em profundidade da questão, como relaciona centenas de locuções em que o a acentuado está ou não presente. O segundo é uma relação daqueles que se consideraram os cem erros mais comuns do idioma, com uma explicação sucinta sobre a maneira de evitar cada um deles e outros semelhantes. Apesar de, na maioria, eles figurarem no corpo do Manual, com a sua publicação em um único bloco visou-se a fornecer ao leitor um roteiro sobre sua presença cada dia mais constante no idioma. O terceiro esclarece a pronúncia de algumas centenas de palavras sobre as quais costuma haver dúvidas, indicando onde recai o acento e se o som é aberto ou fechado. De qualquer forma, o objetivo deste trabalho continua o mesmo: expor, de modo ordenado e sistemático, as normas editoriais e de estilo adotadas pelo Estado. O Manual não pretende, com isso, tolher a criatividade de editores,
  3. 3. repórteres e redatores, nem impor camisas-de-força aos jornalistas da empresa. Seu objetivo é claro: definir princípios que tornem uniforme a edição do jornal. Ele tem cunho eminentemente jornalístico. Por isso, mesmo os grandes capítulos da gramática foram reproduzidos com essa preocupação. É exemplo o uso do artigo, examinado em profundidade por se tratar de uma das questões mais diretamente relacionadas com a atividade do profissional da imprensa. O mesmo intuito orientou a exposição das normas ortográficas, do emprego do hífen, dos tempos e modos verbais, das instruções de estilo, do que se deve ou não usar. A extensão de alguns verbetes corresponde à importância que o assunto tem para a produção de um bom texto. Embora destinado a jornalistas, o Manual pode também constituir eficiente auxiliar de todos aqueles que precisem escrever com regularidade, estejam se preparando para exames de redação ou queiram conhecer as principais particularidades da língua portuguesa. Os erros mais comuns do idioma mereceram atenção especial e não apenas se alerta o leitor para eles, como se mostra a melhor maneira de evitá-los, sempre que possível por meio de regras práticas. O volume está dividido em cinco partes. A primeira reúne, em ordem alfabética, verbetes que tornam claro o que se entende por um bom texto jornalístico e instruções práticas e teóricas para escrever bem, com correção e elegância. Sem se pretender um tratado de jornalismo, revela igualmente os princípios básicos para a edição do jornal. Ela relaciona ainda as normas internas do Estado, entre elas a maneira de usar negrito ou itálico, maiúsculas e minúsculas, números, formas de tratamento, abreviaturas, siglas, etc., e trata dos grandes capítulos da gramática, como a concordância, regência, formação do plural, normas de acentuação, conjugação verbal e uso do artigo. Finalmente, dá noções de ortografia (incluindo-se o uso do hífen) e estilo (palavras a evitar, boas e más construções da língua, etc.). Este é o capítulo básico do livro, servindo até mesmo de índice remissivo para todo o trabalho, pois contém chamadas para centenas de outros verbetes e para as demais seções do Manual. A segunda, terceira e quarta partes constituem os novos capítulos do volume, já mencionados. A última, Escreva Certo, é um vocabulário, destinado a esclarecer dúvidas a respeito da grafia das palavras. Inclui milhares de nomes comuns, próprios (à exceção dos nomes de pessoas) e geográficos, vocábulos estrangeiros ou já aportuguesados e marcas e nomes de produtos cada vez mais utilizados no noticiário. Nesta edição, a lista foi ampliada em cerca de 2 mil palavras, quase todas termos que surgiram na imprensa nos últimos anos. Na grande maioria, os exemplos constantes do Manual foram extraídos de jornais e revistas, o que lhes dá um caráter de permanente atualidade. Eles são abundantes e têm por objetivo manter o profissional o mais próximo possível das construções com que se defronta no dia-a-dia. As repetições que aparecem ao longo do livro são propositadas. Por isso, casos especiais de concordância podem constar do capítulo geral dedicado ao assunto e de verbetes isolados. O que se pretendeu foi fazer que o consulente nunca deixasse de encontrar as formas procuradas, em um ou outro local. E
  4. 4. também, pela insistência, contribuir para que elas se fixassem melhor na memória. Os verbos mais comuns da língua portuguesa cuja regência possa oferecer dificuldades figuram no manual e se observou o critério do uso geral ou o dos exemplos dos bons autores. Com base na tradição da língua ou nos dicionários do gênero, em muitos casos o Estado optou por uma forma, entre duas ou mais possíveis: à menor dúvida sobre o assunto, nunca deixe de consultar o verbete respectivo, no primeiro capítulo do Manual. Como todo jornal, o Estado adota algumas formas próprias de redação, ortografia ou estilo. Sempre que isso ocorre, no entanto, faz-se a devida ressalva. Um exemplo: os dicionários grafam, em geral, oceano Atlântico, baía de Guanabara, golfo Pérsico, etc. No jornal, a palavra que indica o acidente tem inicial maiúscula: Oceano Atlântico, Baía de Guanabara, Golfo Pérsico, etc. Faz parte ainda deste volume uma relação de palavras vetadas. São termos que a Redação, a seu exclusivo critério, julga antijornalísticos, grosseiros, ultrabatidos ou, ao contrário, rebuscados demais para uso normal no noticiário. À exceção dos vocábulos vulgares (avacalhar ou esculhambar, por exemplo) ou chulos, os demais poderão ser admitidos em artigos ou crônicas de colaboradores externos, mas não em trabalhos idênticos dos profissionais da empresa. Alguns exemplos de palavras e expressões consideradas antijornalísticas ou sofisticadas: primeiro mandário da Nação, burgomestre, transfusionado, soldado do fogo, agilização, necrópole, nosocômio, tantalização, programático, emergencial, alavancagem, a nível de, etc. Na consulta ao Manual, deverão ser obedecidas, entre outras, regras práticas como: a) As locuções, na quase totalidade dos casos, têm como base a sua palavra-chave. Assim, procure à medida que em medida, e não na letra a. Igualmente, de encontro a pode ser localizada em encontro e a nível de, em nível. b) O verbete entre aspas indica que se trata de forma errada ou não usada pelo jornal (exemplo: "congressual"). c) A referência prefira implica a existência de uma ou mais opções. Fica evidente que o Estado se definiu por uma delas, apenas. Para que o consulente não deixe de encontrar o que busca, esta edição do Manual criou centenas de remissões. Em raças e cães, por exemplo, indica- se que a explicação está em animais. Tentou-se também prever a que verbete o leitor iria recorrer para esclarecer determinada questão. Assim, em mim, abrem-se duas chamadas, para as expressões entre mim e ti e para eu fazer. Nas formas parecidas (como seção, secção, sessão e cessão), uma delas registra a diferença entre as palavras e nas outras se aponta em que verbete figura a explicação. Na preparação do Manual, foi muito importante a colaboração do filólogo Celso Cunha e da professora Flávia de Barros Carone, já falecidos. Os dois estudiosos do idioma deram opiniões valiosas a respeito de questões extremamente controvertidas do idioma e assuntos nos quais, pela própria dinâmica da língua, as gramáticas e dicionários ainda são omissos. Em sua memória, o nosso reconhecimento.
  5. 5. Texto e a edição do jornal Este capítulo do Manual de Redação e Estilo do Estado expõe as instruções gerais e específicas indispensáveis à preparação de um bom texto noticioso e agrupa, da maneira mais prática possível, as normas internas, gramaticais, ortográficas e de estilo necessárias a esse trabalho. Por normas internas entenda-se o conjunto de princípios destinado à uniformização do texto do jornal, desde o modo de grafar o próprio nome do Estado até a forma de usar o negrito e o itálico, as maiúsculas e minúsculas, os nomes próprios, as aspas, os sinais de pontuação, etc. Dada a sua óbvia importância para o texto de um jornal como o Estado, as questões gramaticais receberam atenção especial, entre elas as regras de concordância, as normas de acentuação, o emprego dos pronomes, o uso do artigo, a conjugação verbal, o infinitivo, a formação do plural, a utilização do hífen, etc. Dezenas de verbos também figuram neste capítulo, com a sua conjugação e regência. A crase, pela dificuldade que representa para grande número de pessoas, mereceu um capítulo especial deste livro, o 2º. Nele o leitor encontrará também algumas centenas de locuções com ou sem o a acentuado. Da mesma forma, palavras que poderiam oferecer problemas quanto à grafia mereceram transcrição, apesar de o capítulo Escreva Certo incluir grande parte das que o Estado julgou suscetíveis de dúvida. Esta parte do manual trata ainda, com riqueza de detalhes, de todas as questões de estilo consideradas essenciais para a produção de um texto elegante e correto. Ao mesmo tempo alerta para formas pobres ou viciosas de redação, para redundâncias comprometedoras, para modismos absolutamente descartáveis. Na parte jornalística propriamente dita, detalhes dispensáveis sobre leads, títulos, reportagem, etc., foram poupados ao leitor, mas se procurou, em todo o tempo, deixar clara a filosofia editorial do Estado a respeito dessas e de outras questões básicas do jornalismo. E, o que é fundamental, com o máximo possível de exemplos reais, para que o profissional saiba o que deve ou não fazer. Edição - Há uma série de itens deste capítulo que fornecem ao leitor razoável noção de conjunto sobre os conceitos inerentes à edição de um jornal. Por isso, embora cada um deles possa sempre ser consultado individualmente, recomenda-se a sua leitura em bloco, para que eles funcionem como um eficiente roteiro do texto noticioso. Esses verbetes, que consubstanciam os princípios e conceitos jornalísticos, éticos e profissionais do Estado, são: acusações, adjetivação, antinotícia, comparações, cronologia, declarações textuais, denúncias, duplo sentido, encampação, entrevista, erros, ética interna, eufemismo, exageros, explicação, fechamento, fluxo regular, gíria e linguagem coloquial, ilustrações, impessoalidade, impropriedades, indefinidos, intertítulos, jogos de palavras, leads, legendas, localização, lugar-comum, memória, modismo, mortes (como tratar),"muletas", nariz-de-cera, notícia antecipada, notícias em seqüência,
  6. 6. óbvio, opiniões, ouvir os dois lados, palavras dispensáveis, palavras e locuções vetadas, palavras estrangeiras, palavras inexistentes, pauta, pesquisa, pessoas no noticiário, pleonasmo, policial (noticiário), precisão, rebuscamento, regionalismos, remissão, repercussão, repetições, reportagem, ritmo da frase, segundo clichê, sentido incompleto, sentimentos, simplicidade, suíte, tamanho do texto, texto-legenda, títulos e valores absolutos. É indispensável que este capítulo seja lido atentamente, para que você saiba que tipo de informação esperar e obter dele: ele lhe será muito útil no dia-a-dia. Instruções gerais 1 - Seja claro, preciso, direto, objetivo e conciso. Use frases curtas e evite intercalações excessivas ou ordens inversas desnecessárias. Não é justo exigir que o leitor faça complicados exercícios mentais para compreender o texto. 2 - Construa períodos com no máximo duas ou três linhas de 70 toques. Os parágrafos, para facilitar a leitura, deverão ter cinco linhas datilografadas, em média, e no máximo oito. A cada 20 linhas, convém abrir um intertítulo. 3 - A simplicidade é condição essencial do texto jornalístico. Lembre-se de que você escreve para todos os tipos de leitor e todos, sem exceção, têm o direito de entender qualquer texto, seja ele político, econômico, internacional ou urbanístico. 4 - Adote como norma a ordem direta, por ser aquela que conduz mais facilmente o leitor à essência da notícia. Dispense os detalhes irrelevantes e vá diretamente ao que interessa, sem rodeios. 5 - A simplicidade do texto não implica necessariamente repetição de formas e frases desgastadas, uso exagerado de voz passiva (será iniciado, será realizado), pobreza vocabular, etc. Com palavras conhecidas de todos, é possível escrever de maneira original e criativa e produzir frases elegantes, variadas, fluentes e bem alinhavadas. Nunca é demais insistir: fuja, isto sim, dos rebuscamentos, dos pedantismos vocabulares, dos termos técnicos evitáveis e da erudição. 6 - Não comece períodos ou parágrafos seguidos com a mesma palavra, nem use repetidamente a mesma estrutura de frase. 7 - O estilo jornalístico é um meio-termo entre a linguagem literária e a falada. Por isso, evite tanto a retórica e o hermetismo como a gíria, o jargão e o coloquialismo. 8 - Tenha sempre presente: o espaço hoje é precioso; o tempo do leitor, também. Despreze as longas descrições e relate o fato no menor número possível de palavras. E proceda da mesma forma com elas: por que opor veto a em vez de vetar, apenas? 9 - Em qualquer ocasião, prefira a palavra mais simples: votar é sempre melhor que sufragar; pretender é sempre melhor que objetivar, intentar ou
  7. 7. tencionar; voltar é sempre melhor que regressar ou retornar; tribunal é sempre melhor que corte; passageiro é sempre melhor que usuário; eleição é sempre melhor que pleito; entrar é sempre melhor que ingressar. 10 - Só recorra aos termos técnicos absolutamente indispensáveis e nesse caso coloque o seu significado entre parênteses. Você já pensou que até há pouco se escrevia sobre juros sem chamar índices, taxas e níveis de patamares? Que preços eram cobrados e não praticados? Que parâmetros equivaliam a pontos de referência? Que monitorar correspondia a acompanhar ou orientar? Adote como norma: os leitores do jornal, na maioria, são pessoas comuns, quando muito com formação específica em uma área somente. E desfaça mitos. Se o noticiário da Bolsa exige um ou outro termo técnico, uma reportagem sobre abastecimento, por exemplo, os dispensa. 11 - Nunca se esqueça de que o jornalista funciona como intermediário entre o fato ou fonte de informação e o leitor. Você não deve limitar-se a transpor para o papel as declarações do entrevistado, por exemplo; faça-o de modo que qualquer leitor possa apreender o significado das declarações. Se a fonte fala em demanda, você pode usar procura, sem nenhum prejuízo. Da mesma forma traduza patamar por nível, posicionamento por posição, agilizar por dinamizar, conscientização por convencimento, se for o caso, e assim por diante. Abandone a cômoda prática de apenas transcrever: você vai ver que o seu texto passará a ter o mínimo indispensável de aspas e qualquer entrevista, por mais complicada, sempre tenderá a despertar maior interesse no leitor. 12 - Procure banir do texto os modismos e os lugares-comuns. Você sempre pode encontrar uma forma elegante e criativa de dizer a mesma coisa sem incorrer nas fórmulas desgastadas pelo uso excessivo. Veja algumas: a nível de, deixar a desejar, chegar a um denominador comum, transparência, instigante, pano de fundo, estourar como uma bomba, encerrar com chave de ouro, segredo guardado a sete chaves, dar o último adeus. Acrescente as que puder a esta lista. 13 - Dispense igualmente os preciosismos ou expressões que pretendem substituir termos comuns, como: causídico, Edilidade, soldado do fogo, elenco de medidas, data natalícia, primeiro mandatário, chefe do Executivo, precioso líquido, aeronave, campo-santo, necrópole, casa de leis, petardo, fisicultor, Câmara Alta, etc. 14 - Proceda da mesma forma com as palavras e formas empoladas ou rebuscadas, que tentam transmitir ao leitor mera idéia de erudição. O noticiário não tem lugar para termos como tecnologizado, agudização, consubstanciação, execucional, operacionalização, mentalização, transfusional, paragonado, rentabilizar, paradigmático, programático, emblematizar, congressual, instrucional, embasamento, ressociabilização, dialogal, transacionar, parabenizar e outros do gênero. 15 - Não perca de vista o universo vocabular do leitor. Adote esta regra prática: nunca escreva o que você não diria. Assim, alguém rejeita (e não declina de) um convite, protela ou adia (e não procrastina) uma decisão, aproveita (e não usufrui) uma situação. Da mesma forma, prefira demora ou adiamento a delonga; antipatia a idiossincrasia; discórdia ou intriga a cizânia; crítica violenta a diatribe; obscurecer a obnubilar, etc.
  8. 8. 16 - O rádio e a televisão podem ter necessidade de palavras de som forte ou vibrante; o jornal, não. Assim, goleiro é goleiro e não goleirão. Da mesma forma, rejeite invenções como zagueirão, becão, jogão, pelotaço, galera (como torcida) e similares. 17 - Dificilmente os textos noticiosos justificam a inclusão de palavras ou expressões de valor absoluto ou muito enfático, como certos adjetivos (magnífico, maravilhoso, sensacional, espetacular, admirável, esplêndido, genial), os superlativos (engraçadíssimo, deliciosíssimo, competentíssimo, celebérrimo) e verbos fortes como infernizar, enfurecer, maravilhar, assombrar, deslumbrar, etc. 18 - Termos coloquiais ou de gíria deverão ser usados com extrema parcimônia e apenas em casos muito especiais (nos diálogos, por exemplo), para não darem ao leitor a idéia de vulgaridade e principalmente para que não se tornem novos lugares-comuns. Como, por exemplo: a mil, barato, galera, detonar, deitar e rolar, flagrar, com a corda (ou a bola) toda, legal, grana, bacana, etc. 19 - Seja rigoroso na escolha das palavras do texto. Desconfie dos sinônimos perfeitos ou de termos que sirvam para todas as ocasiões. Em geral, há uma palavra para definir uma situação. 20 - Faça textos imparciais e objetivos. Não exponha opiniões, mas fatos, para que o leitor tire deles as próprias conclusões. Em nenhuma hipótese se admitem textos como: Demonstrando mais uma vez seu caráter volúvel, o deputado Antônio de Almeida mudou novamente de partido. Seja direto: O deputado Antônio de Almeida deixou ontem o PMT e entrou para o PXN. É a terceira vez em um ano que muda de partido. O caráter volúvel do deputado ficará claro pela simples menção do que ocorreu. 21 - Lembre-se de que o jornal expõe diariamente suas opiniões nos editoriais, dispensando comentários no material noticioso. As únicas exceções possíveis: textos especiais assinados, em que se permitirá ao autor manifestar seus pontos de vista, e matérias interpretativas, em que o jornalista deverá registrar versões diferentes de um mesmo fato ou conduzir a notícia segundo linhas de raciocínio definidas com base em dados fornecidos por fontes de informação não necessariamente expressas no texto. 22 - Não use formas pessoais nos textos, como: Disse-nos o deputado... / Em conversa com a reportagem do Estado... / Perguntamos ao prefeito... / Chegou à nossa capital... / Temos hoje no Brasil uma situação peculiar. / Não podemos silenciar diante de tal fato. Algumas dessas construções cabem em comentários, crônicas e editoriais, mas jamais no noticiário. 23 - Como norma, coloque sempre em primeiro lugar a designação do cargo ocupado pelas pessoas e não o seu nome: O presidente da República, Fernando Henrique Cardoso... / O primeiro-ministro John Major... / O ministro do Exército, Zenildo de Lucena... É em função do cargo ou atividade que, em geral, elas se tornam notícia. A única exceção é para cargos com nomes muito longos. Exemplo: O engenheiro João da Silva, presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi), garantiu ontem que...
  9. 9. 24 - Você pode ter familiaridade com determinados termos ou situações, mas o leitor, não. Por isso, seja explícito nas notícias e não deixe nada subentendido. Escreva, então: O delegado titular do 47º Distrito Policial informou ontem..., e não apenas: O delegado titular do 47º informou ontem. 25 - Nas matérias informativas, o primeiro parágrafo deve fornecer a maior parte das respostas às seis perguntas básicas: o que, quem, quando, onde, como e por quê. As que não puderem ser esclarecidas nesse parágrafo deverão figurar, no máximo, no segundo, para que, dessa rápida leitura, já se possa ter uma idéia sumária do que aconteceu. 26 - Não inicie matéria com declaração entre aspas e só o faça se esta tiver importância muito grande (o que é a exceção e não a norma). 27 - Procure dispor as informações em ordem decrescente de importância (princípio da pirâmide invertida), para que, no caso de qualquer necessidade de corte no texto, os últimos parágrafos possam ser suprimidos, de preferência. 28 - Encadeie o lead de maneira suave e harmoniosa com os parágrafos seguintes e faça o mesmo com estes entre si. Nada pior do que um texto em que os parágrafos se sucedem uns aos outros como compartimentos estanques, sem nenhuma fluência: ele não apenas se torna difícil de acompanhar, como faz a atenção do leitor se dispersar no meio da notícia. 29 - Por encadeamento de parágrafos não se entenda o cômodo uso de vícios lingüísticos, como por outro lado, enquanto isso, ao mesmo tempo, não obstante e outros do gênero. Busque formas menos batidas ou simplesmente as dispense: se a seqüência do texto estiver correta, esses recursos se tornarão absolutamente desnecessários. 30 - A falta de tempo do leitor exige que o jornal publique textos cada dia mais curtos (20, 40 ou 60 linhas de 70 toques, em média). Por isso, compete ao redator e ao repórter selecionar com o máximo critério as informações disponíveis, para incluir as essenciais e abrir mão das supérfluas. Nem toda notícia está jornalisticamente tão bem encadeada que possa ser cortada pelo pé sem maiores prejuízos. Quando houver tempo, reescreva o texto: é o mais recomendável. Quando não, vá cortando as frases dispensáveis. 31 - Proceda como se o seu texto seja o definitivo e vá sair tal qual você o entregar. O processo industrial do jornal nem sempre permite que os copies, subeditores ou mesmo editores possam fazer uma revisão completa do original. Assim, depois de pronto, reveja e confira todo o texto, com cuidado. Afinal, é o seu nome que assina a matéria. 32 - O recurso à primeira pessoa só se justifica, em geral, nas crônicas. Existem casos excepcionais, nos quais repórteres, especialmente, poderão descrever os fatos dessa forma, como participantes, testemunhas ou mesmo personagens de coberturas importantes. Fique a ressalva: são sempre casos excepcionais. 33 - Nas notícias em seqüência (suítes), nunca deixe de se referir, mesmo sumariamente, aos antecedentes do caso. Nem todo leitor pode ter tomado conhecimento do fato que deu origem à suíte.
  10. 10. 34 - A correção do noticiário responde, ao longo do tempo, pela credibilidade do jornal. Dessa forma, não dê notícias apressadas ou não confirmadas nem inclua nelas informações sobre as quais você tenha dúvidas. Mesmo que o texto já esteja em processo de composição, sempre haverá condições de retificar algum dado impreciso, antes de o jornal chegar ao leitor. 35 - A correção tem uma variante, a precisão: confira habitualmente os nomes das pessoas, seus cargos, os números incluídos numa notícia, somas, datas, horários, enumerações. Com isso você estará garantindo outra condição essencial do jornal, a confiabilidade. 36 - Nas versões conflitantes, divergentes ou não confirmadas, mencione quais as fontes responsáveis pelas informações ou pelo menos os setores dos quais elas partem (no caso de os informantes não poderem ter os nomes revelados). Toda cautela é pouca e o máximo cuidado nesse sentido evitará que o jornal tenha de fazer desmentidos desagradáveis. 37 - Quando um mesmo assunto aparecer em mais de uma editoria no mesmo dia, deverá haver remissão, em itálico, de uma para outra: Mais informações sobre o assunto na página... / A repercussão do seqüestro no Brasil está na página... / Na página... o prefeito fala de sua candidatura à Presidência. / Veja na página... as reações econômicas ao discurso do presidente. 38 - Se você tem vários originais para reescrever, adote a técnica de marcar as informações mais importantes de cada um deles. Você ganhará tempo e evitará que algum dado relevante fique fora do noticiário. 39 - Nunca deixe de ler até o fim um original que vá ser refeito. Mesmo que você tenha apenas 15 linhas disponíveis para a nota, a linha 50 do texto primitivo poderá conter informações indispensáveis, de referência obrigatória. 40 - Preocupe-se em incluir no texto detalhes adicionais que ajudem o leitor a compreender melhor o fato e a situá-lo: local, ambiente, antecedentes, situações semelhantes, previsões que se confirmem, advertências anteriores, etc. 41 - Informações paralelas a um fato contribuem para enriquecer a sua descrição. Se o presidente dorme durante uma conferência, isso é notícia; idem se ele tira o sapato, se fica conversando enquanto alguém discursa, se faz trejeitos, etc. Trata-se de detalhes que quebram a monotonia de coberturas muito áridas, como as oficiais, especialmente. 42 - Registre no texto as atitudes ou reações das pessoas, desde que significativas: mostre se elas estão nervosas, agitadas, fumando um cigarro atrás do outro ou calmas em excesso, não se deixando abalar por nada. Em matéria de ambiente, essas indicações permitem que o leitor saiba como os personagens se comportavam no momento da entrevista ou do acontecimento. 43 - Trate de forma impessoal o personagem da notícia, por mais popular que ele seja: a apresentadora Xuxa ou Xuxa, apenas (e nunca a Xuxa), Pelé (e não o Pelé), Piquet (e não o Piquet), Ruth Cardoso (e não a Ruth Cardoso), etc.
  11. 11. 44 - Sempre que possível, mencione no texto a fonte da informação. Ela poderá ser omitida se gozar de absoluta confiança do repórter e, por alguma razão, convier que não apareça no noticiário. Recomenda-se, no entanto, que o leitor tenha alguma idéia da procedência da informação, com indicações como: Fontes do Palácio do Planalto... / Fontes do Congresso... / Pelo menos dois ministros garantiram ontem que..., etc. 45 - Na primeira citação, coloque entre parênteses o nome do partido e a sigla do Estado dos senadores e deputados federais: o senador João dos Santos (PSDB-RS), o deputado Francisco de Almeida (PFL-RJ). No caso dos deputados estaduais de São Paulo e dos vereadores paulistanos, mencione entre parênteses apenas a sigla do partido. 46 - O Estado não admite generalizações que possam atingir toda uma classe ou categoria, raças, credos, profissões, instituições, etc. 47 - Um assunto muito sugestivo ou importante resiste até a um mau texto. Não há, porém, assunto mediano ou meramente curioso que atraia a atenção do leitor, se a notícia se limitar a transcrever burocraticamente e sem maior interesse os dados do texto. 48 - Em caso de dúvida, não hesite em consultar dicionários, enciclopédias, almanaques e outros livros de referência. Ou recorrer aos especialistas e aos colegas mais experientes. 49 - Veja alguns exemplos de textos noticiosos objetivos, simples e diretos, constituídos de frases curtas e incisivas (todos eles saíram no Estado como chamadas de primeira página): Os juros passaram a ser fator importante para os consumidores dispostos a fazer compras neste fim de ano. Dos 261 paulistanos ouvidos pelo InformEstado, 82,8% disseram que vão gastar menos no Natal em relação ao ano passado. O alto custo do financiamento das compras foi apontado por 34,5% dos entrevistados como motivo básico para a decisão. O comércio e a indústria reduziram as margens de lucro, o governo atenuou as restrições ao crédito e o mercado oferece produtos mais baratos que no último Natal, mas os juros pesam. A sonda liberada pela nave Galileu mergulhou ontem por cerca de 75 minutos na atmosfera de Júpiter, até ser pulverizada pela pressão dos gases que constituem o planeta. Foi a primeira vez que um equipamento terrestre chegou a um dos grandes planetas distantes do sistema solar. A cápsula enviou informações sobre a temperatura e a composição química de Júpiter. O governo pretende retirar do Congresso o projeto de reforma da Previdência e reapresentá-lo em duas partes. Uma vai incluir os pontos em que existe consenso entre os parlamentares e a outra, só os temas polêmicos, como os que tratam dos servidores públicos, militares e professores. O presidente Fernando Henrique Cardoso passou ao seu vice, Marco Maciel, a tarefa de analisar os efeitos políticos da decisão, depois que o ministro da Previdência foi afastado das negociações.
  12. 12. Irrequieto, Carlos Nunzio sugeria chamar-se César e levava no bolso uma sovela, instrumento pontiagudo usado pelos sapateiros. Logo despertou a suspeita da polícia e foi preso anteontem como o possível "maníaco do estilete", que já atacou sete mulheres na zona Leste. Na delegacia, os policiais o filmaram e exibiram o teipe às vítimas. Mas nenhuma o identificou e Carlos foi libertado ontem à tarde. A tradicional chuva de papel picado que encerra o ano na Bolsa de Valores de São Paulo teve clima de festa para os operadores, mas de melancolia para os aplicadores. Os investimentos em ações acusaram perda real de 16,7% e a comemoração foi dos que optaram pela renda fixa. Os CDBs, em primeiro lugar, renderam 25,89% acima da inflação. As cidades e as praias ganham nova vida com o verão, que começa oficialmente hoje às 6h18. A moda impõe modelos arrojados às mulheres, com ombros e costas de fora. A minissaia também faz parte do visual de São Paulo e outras capitais. No Rio, Santos, Guarujá, Ubatuba, Bertioga e outros pontos preferidos dos veranistas, é tempo de biquíni, saladas, sorvete e alegria. Frank Sinatra, cantor que embalou três gerações, completa 80 anos terça-feira. Apelidado simplesmente de A Voz, imitava Bing Crosby, mas superou o ídolo. Ganhou 1 disco de multiplatina, 1 de platina e 21 de ouro. Fez filmes, venceu um Oscar. Foi amigo de John Kennedy e do gângster Lucky Luciano. Teve mulheres fantásticas. Viveu. My Way é a música que o representa. Sensível às mudanças de ventos, ansiosa e arrogante ao mesmo tempo, a França funciona como um pisca-alerta. Suas crises indicam sempre que as sociedades estão dando alguma virada. As greves monumentais que lançam às ruas do país 1 milhão de manifestantes podem significar uma dolorosa entrada de toda a Europa numa nova etapa da modernidade. Hoje é o dia em que Cannes vai parar. À espera de um olhar. Ou de um sorriso. Não pelo filme, Milagro. Mas pelo diretor, Robert Redford. Um outsider. Na tela, uma Pasionaria: Sônia Braga. Veja, ao contrário, três parágrafos de sete linhas cheias sem nenhum ponto e repletos de intercalações que dificultam a seqüência normal da leitura: O fazendeiro e piloto de aviões Carlos de Almeida Valente, que mora na cidade de Prateados, no extremo norte do País, apontado pela Polícia Federal como um dos reis do contrabando e transportando em seus aviões bimotores e turbinados mais de 70% das mercadorias contrabandeadas dos Estados Unidos e Paraguai para o Brasil, terá seus negócios financeiros investigados pela Receita Federal, que fará completa devassa nas suas empresas. A esperada divulgação, na noite de sexta-feira, do INPC de janeiro, que, pela primeira vez em quase 20 meses, voltou a ser utilizado como parâmetro para a correção de um agente econômico - no caso, os salários - e que apresentou uma variação recorde de 35,48%, veio confirmar o que já se temia: os níveis de recomposição dos salários, que pela fórmula aprovada pelo Congresso Nacional vão variar de apenas 1,51% a 7,48%, não são suficientes sequer para fazer frente à inflação real de fevereiro.
  13. 13. De sua casa, no elegante bairro de Beverly Hills, o papa da psicologia esportiva norte-americana, mais de 40 livros publicados, traduzido até para o russo ainda em plena época da guerra fria, o dr. Briant Cratty, orientador do grupo de psicólogos da equipe olímpica de Tio Sam, levantou da poltrona e, numa ligação para o ginásio onde a seleção do país gastava as últimas energias em jogo que não influiria na sua colocação, mandou chamar o especialista que cuidava do vôlei e foi direto ao assunto. A A. Ver há, a. A (para). A algum lugar e não em. Com verbos de movimento, use a e não em: Fui ao teatro (e não no). / Cheguei à cidade (e não na). / Chamaram-no ao telefone. / Levou os filhos ao circo. / Desceu ao segundo andar. / Voltou ao Brasil. / Saiu à janela. Igualmente: chegada a, ida a, vinda a. Abade. Feminino: abadessa. "Abalo sísmico". Prefira terremoto, tremor de terra ou simplesmente abalo. Abdicar. 1 - Prefira a regência indireta: D. Pedro I abdicou da coroa do Brasil. / Nunca abdicava dos seus princípios. 2 - A forma direta (abdicou o trono, abdicou os seus princípios), menos usada, deve ser admitida somente em artigos ou comentários assinados. 3 - O verbo pode também ser intransitivo (dispensa complemento): D. Pedro I abdicou. / Por já estar muito velho, o rei achou melhor abdicar. Abdome. Prefira esta forma a abdômen. Abençoar. Conjuga-se como magoar . Abolir. Conjugação. Pres. ind.: Aboles, abole, abolimos, abolis, abolem. Pres. subj.: Não existe. Imper. afirm.: Abole, aboli. (Não tem a 1.ª pessoa do pres. ind.) Abreviaturas. Abrir. Alguém abre alguma coisa ou alguma coisa abre-se (de preferência): Prefeito abre centro hoje / Feira abre-se (e não abre) com móveis do futuro Abster-se. Conjugação. Pres. ind.: Abstenho-me, absténs-te, abstém-se, abstemo- nos, abstendes-vos, abstêm-se. Imp. ind.: Abstinha-me, etc. Pret. perf. ind.: Abstive-me, etc. M.-q.-perf. ind.: Abstivera-me, etc. Fut. pres.: Abster-me-ei, etc. Fut. pret.: Abster-me-ia, etc. Pres. subj.: Que me abstenha, etc. Imp. subj.: Se me abstivesse, etc. Fut. subj.: Se me abstiver, etc. Imper. afirm.: Abstém-te, abstenha- se, abstenhamo-nos, abstende-vos, abstenham-se. Ger.: Abstendo-se. Part.: Abstido. Acabamento final. Redundância.
  14. 14. Acabar. 1 - Acabar, com maior propriedade, equivale a completar, terminar, concluir: Já acabaram o serviço. / Pretende acabar o livro esta semana. 2 - Ninguém, no entanto, acaba uma greve, uma assembléia ou um déficit. Use estes equivalentes mais corretos: Acordo põe fim (e não acaba) à greve dos metalúrgicos. / Professores suspendem (e não acabam) a greve. / Bancários encerram (e não acabam) a assembléia. 3 - Intransitivamente, porém, esse uso é correto: Acaba a greve dos portuários. / Acaba a assembléia dos motoristas de táxi. Acabar com. 1 - Significa pôr fim a ou destruir, dar cabo de: A empresa acabou com as mordomias. / Sua força acabou com os adversários. 2 - Por isso, para dizer que alguma coisa se encerra simultaneamente com outra, use termina ou encerra-se: Bienal termina (encerra-se) hoje com promoções (para evitar o duplo sentido presente em acaba hoje com promoções). Acaso, caso. Com se, use acaso: Se acaso você chegasse... / Se acaso você quiser... Caso rejeita o se: Caso você queira... / Caso você chegasse... Acaso pode também aparecer em frases como: Acaso lhe perguntaram alguma coisa? Aceitado, aceito. Com ter e haver, use aceitado; com ser e estar, aceito: Tinha (havia) aceitado, foi (estava) aceito. Acender-se. Alguma coisa se acende e não acende, apenas: A lâmpada acendeu-se. / Seus olhos acenderam-se de emoção. Acendido, aceso. Com ter e haver, use acendido; com ser e estar, aceso: Tinha (havia) acendido, foi (estava) aceso. Acentuação Acerca de, cerca de, há cerca de. 1 - Acerca de. Equivale a sobre, a respeito de: Falou acerca da nomeação, do autor, do governo. / Explique-me tudo acerca do PIS. 2 - A cerca de ou cerca de. Corresponde a perto de, aproximadamente: Os jogadores ficaram a cerca de 20 metros uns dos outros. / Cerca de 100 pessoas estavam ali. / Dizia isso a cerca de 50 alunos. / O exército ficou reduzido a cerca de duas dezenas de homens. / Encontrei-o a cerca de dois quilômetros da casa. 3 - Há cerca de. Usa-se no lugar de faz aproximadamente, desde mais ou menos: Há cerca de dois anos o governo baixou essas medidas. / Partiu há cerca de 15 minutos. Acessar. Use o verbo apenas como sinônimo de acionar ou chamar um arquivo na informática. Mas ele não significa ter acesso a uma rodovia, por exemplo, como nesta frase: A melhor maneira de "acessar" o (de chegar ao, de atingir o) Guarujá no momento é pela balsa.
  15. 15. Achar, encontrar. Use achar para definir aquilo que se procura e encontrar para o que, sem intenção, se apresenta à pessoa: Achou o que procurava. / O menino achou o cão perdido. / Agricultores encontram fóssil em São José do Rio Preto. / Documento raro encontrado no porão da biblioteca. Acidente, incidente. Acidente é um acontecimento imprevisto ou infeliz, desastre: acidente de trânsito, o acidente entre o ônibus e o caminhão, um acidente na estrada, acidente de trabalho, acidente pós-operatório. Incidente designa circunstância casual, episódio, peripécia, atrito: Um incidente entre os dois políticos. / O incidente fez que rompessem a amizade. Aconselhar. Regência. 1 - Aconselhar alguém ou alguma coisa (tr. dir.): Os pais aconselharam o filho. / O líder aconselhou o emprego da persuasão. 2 - Aconselhar alguma coisa a alguém (tr. dir. e ind.): Aconselhou repouso ao doente. / Aconselhou aos sonegadores que pagassem seus débitos. / Todos lhe aconselharam cautela. 3 - Aconselhar alguém a alguma coisa (tr. dir. e ind.): Todos o aconselharam a esperar. / Aconselhei os irmãos a interná-lo. 4 - Aconselhar, apenas (intr.): É um homem que sabe aconselhar. 5 - Aconselhar-se com ou sobre (pron.): Todos se aconselharam com o advogado. / Aconselhou-se sobre o que fazer nesse caso. Acontecer. Acórdão. Plural: acórdãos. Acordar. Use acordar como despertar e equivalentes. No sentido de ajustar, combinar, acertar, resolver de comum acordo, prefira uma destas formas. Acudir. Conjugação. Pres. ind.: Acudo, acodes, acode, acudimos, acudis, acodem. Pres. subj.: Acuda, acudas, acuda, acudamos, acudais, acudam. Imper. afirm.: Acode, acuda, acudamos, acudi, acudam. Acumular. Um prêmio ou alguma coisa acumula-se, e não acumula, apenas: Prêmio da Sena acumula-se (e não acumula) novamente. / Os livros acumulavam-se (e não acumulavam) sobre a mesa. Acusações. "Acusar que". Acusa-se alguém, mas não se acusa que alguém... Adentrar. Não use. Opções: entrar, penetrar, ingressar. Adentro. Uma palavra só: mato adentro, porta adentro, país adentro, noite adentro. Adequar. Conjugação. Pres. ind.: Adequamos, adequais (não tem as outras pessoas). Pres. subj.: Não tem. Imper. afirm.: Adequai vós. Os demais tempos são
  16. 16. regulares: adequava, adequou, adequaria, adequasse, etc. Em vez dos inexistentes "adequa" ou "adeqüe", use, portanto, ajusta, ajuste, adapta, adapte ou equivalente. Aderir. Conjugação. Pres. ind.: Adiro, aderes, adere, aderimos, aderis, aderem. Pres. subj.: Adira, adiras, adira, adiramos, adirais, adiram. Imper. afirm.: Adere, adira, adiramos, aderi, adiram. "Adiar para depois". Redundância. Não use. Só se pode adiar alguma coisa para depois, para outro dia ou para o futuro. Adivinhar, adivinho. Com di. Adjetivação. Adjetivo por advérbio. Administração regional. Em maiúsculas quando especificada: Administração Regional (ou Regional, apenas) da Lapa, Administrações Regionais (ou Regionais) da Sé e Pinheiros. Em minúsculas quando não especificada: a administração regional, essa administração regional, a regional, essa regional, as regionais, as administrações regionais. Administrar. Construções como administrar a situação, administrar o conflito, administrar a vitória, etc., não existem formalmente no idioma e só devem ser usadas em textos muito especiais, mas não no noticiário. Advérbios em mente. 1 - Os advérbios terminados em mente formam-se pelo acréscimo do sufixo à flexão feminina do adjetivo: espertamente, francamente, lindamente. 2 - Se o adjetivo terminar em ês, apenas se adiciona a terminação mente: portuguesmente, burguesmente. 3 - Repare que o acento original do adjetivo desaparece: logicamente (e não lògicamente, como antes), portuguesmente (e não portuguêsmente), somente, etc. 4 - Quando houver mais de um advérbio na frase, use o sufixo apenas no último, deixando os demais adjetivos na forma feminina: Ali estava ela, sóbria e elegantemente trajada. / Dura, mas lealmente disputadas, eram eleições decisivas para o destino do país. 5 - Por uma questão de ênfase, a terminação mente pode ser repetida: Agia sempre ponderadamente e calmamente (no Estado, porém, use a forma reduzida). Advertir (conjugação). Como servir : advirto, advertes; que eu advirta; etc. Advertir (regência). 1 (tr. dir.) - Admoestar, observar, prevenir: O pai advertiu severamente os filhos. / EUA advertem que reagirão aos ataques no Golfo Pérsico. / Só então advertiu que era tarde. / Escapou do perigo porque o advertiram.
  17. 17. 2 (tr. ind.) - Atentar: Custou, mas advertiu naquele detalhe. 3 (tr. dir. e ind.) - Advertir alguém de alguma coisa ou advertir a alguém alguma coisa: O governo adverte o País dos riscos da recessão. / Fazenda adverte o presidente de que a inflação foge ao controle. / Advertiu-o de que se enganava. / As empresas advertiram aos consumidores que iam faltar produtos no mercado. Observação: Com as preposições para, sobre e contra, use alertar. Aedes. Em itálico. Aedes tem inicial maiúscula: Aedes aegypti, Aedes albopictus (tigre asiático). Aero... Liga-se sem hífen ao termo seguinte. O h intermediário desaparece, enquanto o r e o s devem ser dobrados: aeroespacial, aeroclube, aerorraquia, aerossol, aeroterrestre. "Aeródromo". Use apenas aeroporto. Afazer. Conjuga-se como fazer . Afegão. Use esta forma, e não afegane. Flexões: afegã, afegãos, afegãs. Aficionado. Um c só. Afim, afim de, a fim de. 1 - Afim, numa única palavra, corresponde a semelhante ou parente por afinidade: almas afins, vocábulos afins, o sogro é afim (parentesco sem laço sanguíneo) da nora. 2 - A fim de equivale a para: Chegou cedo a fim de terminar o serviço. 3 - Estar a fim de, no sentido de estar com vontade de, só deve figurar em textos coloquiais ou declarações: Está a fim de sair hoje. Afora. Concordância: ver exceto. Afora, a fora. 1 - Afora, numa palavra só, significa à exceção de, além de, para o lado de fora, ao longo (tempo e espaço): Saíram todos, afora (menos, à exceção de) o pai. / Teve sete filhos, afora (além de) alguns bastardos. / Saiu pela porta afora (para o lado de fora). / Andou pelo Brasil afora (ao longo, espaço). / Não estudou pelo ano afora (ao longo, tempo). 2 - A fora, separadamente, existe apenas em oposição a dentro: De dentro a fora. Aforismo. E nunca aforisma. Afro. 1 - Pode ser adjetivo e substantivo, flexionando-se normalmente: os povos afros, ritmos afros, música afra, cabeleiras afras, os afros do centro do continente, etc.
  18. 18. 2 - Como prefixo, exige hífen na constituição de adjetivos pátrios: afro- asiáticos, afro-brasileiro, afro-lusitano, afro-negro. Nos demais compostos, não há hífen: afrolatria, afrogenia, etc. "Agilizar", "agilização". Palavras vetadas. Use dinamizar, tornar mais ágil, acelerar, apressar, estimular ou incentivar, conforme o caso (e os substantivos correspondentes). Agitar. Evite. A palavra cria títulos muito genéricos, como: Greve de jogadores agita Fluminense. / Tiroteio agita favela. / Atentado agita Jerusalém. Greve, tiroteio e atentado fazem bem mais do que agitar um lugar. Agradar. 1 - Use agradar como transitivo indireto (com preposição a) no sentido de satisfazer, contentar: As novas medidas agradaram aos empresários. / Nada lhe agradaria mais. 2 - Como transitivo direto (sem preposição), empregue agradar apenas como equivalente a acariciar, afagar: Agradou o filho. 3 - O verbo pode ainda ser intransitivo: O espetáculo agradou muito. E pronominal: Agradava-se dos amigos. Agradecer. Regência. 1 (tr. dir.) - Mostrar-se grato por: Agradeceu o favor recebido. 2 (tr. ind.) - Demonstrar gratidão: Recebi o livro e ainda não lhe agradeci. 3 (tr. dir. e ind.) Demonstrar gratidão a alguém: Agradeceu a Deus a graça alcançada. / Agradeceu-lhes a gentileza. 4 - (intr.) Ganhou um presente e nem agradeceu. Observações: Como se agradece sempre a alguém, não existe a forma "agradecê-lo", mas apenas agradecer-lhe. Igualmente não se agradece alguém por alguma coisa, como neste exemplo real: Técnico "agradece jogador" pela homenagem. Agravante. Palavra feminina: a agravante, uma agravante. Agredir. Conjugação. Pres. ind.: Agrido, agrides, agride, agredimos, agredis, agridem. Pres. subj.: Agrida, agridas, agrida, agridamos, agridais, agridam. Imper. afirm.: Agride, agrida, agridamos, agredi, agridam. Agreement. Use a forma inglesa, agreement, e não a francesa, agrément. "Agricultável". Prefira cultivável. Agro... Liga-se sem hífen à palavra ou elemento de composição seguinte: agroaçucareiro, agrogeografia, agroindústria, agropecuária, agrovila. Aguar. Verbo regular. Conjugação. Pres. ind.: Águo, águas, água, aguamos, aguais, águam. Pret. perf.: Agüei, aguaste, aguou, aguamos, aguastes, aguaram. Pres. subj.: ágüe, ágües, ágüe, agüemos, agüeis, ágüem. Imper. afirm.: água, ágüe,
  19. 19. agüemos, aguai, ágüem. Imper. neg.: Não ágües, não ágüe, não agüemos, não agüeis, não ágüem. Aids.Inicial minúscula: Aumenta o número de casos de aids. Ajuda de custo. E não de custas. Ajudar. Regência. 1 - Ajudar alguém ou alguma coisa: Ajudou o pai, ajudou os amigos. / Óculos ajudam a leitura. 2 - Ajudar alguém em (antes de substantivo) ou ajudar alguém a (antes de infinitivo): O filho ajuda o pai na loja. / Todos o ajudaram no serviço. / Ele o ajudou a conseguir emprego. / O menino ajudou a mãe a sair. 3 - Ajudar a: Ler ajuda a pensar. 4 - Ajudar a alguém: Eles ajudaram ao amigo. / Não lhe posso ajudar agora. (É regência a evitar, porém.) 5 - Ajudar, apenas: Disse que queria ajudar e não atrapalhar. / Procure alguém para ajudar. 6 - Ajudar-se: Todos se ajudaram. / Se ele não se ajudasse, não teria sarado. ...al. Cuidado, pois o sufixo forma palavras eruditas e às vezes pernósticas: demissional, emergencial, laboratorial, congressual, ficcional, dialogal, situacional, etc. "À la". Use à, apenas, e não à la em frases como: Piloto à Senna (e não à la Senna), decisão à mineira (e não à la mineira). Igualmente, filé à moda (e não à la moda). Alá. Desta forma, e não Allah. Alazão. Flexões: alazã, alazões (prefira) e alazães. Alcaide. Apenas em editoriais ou artigos assinados, como sinônimo de prefeito. Feminino: alcaidessa. Álcool. Plural: álcoois. Alcorão. Use esta forma, e não Corão . Plural: Alcorões (prefira) e Alcorães. Aldeão. Flexões: aldeã, aldeões (prefira), aldeães e aldeãos. Além. Dispensa também e ainda: Além de criticar a oposição, censurou os aliados (e não "também censurou" ou "ainda censurou"). Além... Exige hífen: além-atlântico, além-fronteiras, além-mar, além-túmulo, Além- Paraíba. No entanto: Alentejo, alentejano. Alemão. Flexões: alemã, alemãs e alemães.
  20. 20. Alemão-ocidental. Flexões: alemães-ocidentais, alemã-ocidental e alemãs- ocidentais. Alemão-oriental. Flexões: alemães-orientais, alemã-oriental e alemãs-orientais. Alerta. 1 - Palavra invariável quando interjeição ou advérbio: Alerta! Os inimigos vêm aí. / Os homens vigiavam o farol alerta (alerta = atentamente). 2 - É variável quando adjetivo, com o sentido de atento, ou substantivo, como sinônimo de aviso: Vigiam com cuidado, são homens alertas (= atentos). / Ambos estavam alertas (= atentos). / As sentinelas deram vários alertas. Alertar. Regência. 1 - A regência usual é a direta: O barulho alertou os vigilantes. 2 - Admite-se, modernamente, o verbo como transitivo direto e indireto (alertar alguém de, para, sobre e contra alguma coisa): Alertou-o de que este não era o momento. / Alertou o amigo para (sobre) os riscos da decisão. / O governador alertou os cidadãos contra o radicalismo. 3 - Também pode ser usada a forma alertar para (apenas nos títulos), sem menção à pessoa ou coisa alertada: Médicos alertam para o perigo do uso de pesticidas. / Relator alerta para atraso na votação do projeto. 4 - Não existe a forma alertar que (alerta-se alguém, mas não se alerta que). Alface. Palavra feminina: a alface. Algo de. Concordância: ver alguma coisa de. Alguém. 1 - Deve ser empregado apenas no sentido positivo: Alguém está aí? / Queria ser alguém na vida. / Se alguém perguntar, diga que saímos. 2 - Em frases negativas, use ninguém: Falou o que quis, sem que ninguém (e não alguém) o contestasse. / Não via ninguém (e não alguém) que pudesse ajudá-lo. Algum. 1 - Antes do substantivo, tem valor positivo: É necessário algum (um, certo) esforço para aprender. / Traga algum (qualquer) amigo com você. / Algum dia o País resolverá seus problemas. 2 - Depois do substantivo, equivale a nenhum e deve ser precedido de outra negativa, em geral não, nada, sem ou nem: Não fez esforço algum para aprender. / Chegou ontem, sem trazer amigo algum com ele. / Não aceitava gentilezas nem favor algum. 3 - Quando as expressões de modo, de maneira, de forma, de jeito e equivalentes dão valor negativo à oração, algum dispensa o uso de não, nem, nada e sem: De maneira alguma faremos isso. / De modo algum pude convencê-la.
  21. 21. Alguma coisa de. Concordância. 1 - O adjetivo que vem depois não varia: Ela tem alguma coisa de bom (e nunca de boa). / A moça ocultava alguma coisa de misterioso (e não de misteriosa). 2 - Se não houver preposição, faz-se a concordância normal: Ela tem alguma coisa boa. / A moça ocultava alguma coisa misteriosa. 3 - Seguem a mesma norma nenhuma coisa de, qualquer coisa de, algo de, nada de e tudo de: Ela tem tudo de bom. / A moça não tem nada de misterioso. Algum (alguns) de (dentre). Concordância. 1 - No singular, o verbo concorda com algum: Algum de nós estará presente. / Algum de vós será convidado. / Algum deles concordará conosco. 2 - No plural, o verbo concorda com a palavra, expressão ou pronome que vier depois de alguns de ou alguns dentre: Alguns de nós estaremos presentes. / Alguns dentre vós sereis convidados. / Alguns deles concordarão conosco. 3 - Modernamente, a tendência - já aceita pelos gramáticos - é levar o verbo para a terceira pessoa: Alguns de nós estarão presentes. / Alguns dentre vós serão convidados. / Alguns de nós continuam vivos. 4 - Seguem a mesma regra: diversos de, muitos de, nenhum de, poucos de, qual(is) de, qualquer (quaisquer) de, quantos de, um (uns) de e vários de. Álibi. Aportuguesado, com acento. Plural: álibis. Alternativa. 1 - Não use a forma outra alternativa, uma vez que a alternativa é sempre outra: Não havia alternativa. / Eles não tinham alternativa. 2 - Evite, igualmente, única alternativa: se não há outra possibilidade, não se pode falar em alternativa. Substitua a palavra, neste caso, por saída, opção, recurso, procedimento, possibilidade, etc. Alto-falante. Plural: alto-falantes. E atenção: alto e não "auto-falante". Alto-forno. Plural: altos-fornos. Alto-relevo. Plural: altos-relevos. Alunissar, alunissagem. Use estas duas formas para definir o ato de pousar na Lua ou o próprio pouso. Alvorada. Formas corretas: Palácio da Alvorada, o Alvorada. Amálgama. Palavra proparoxítona. Embora admita os dois gêneros, prefira o masculino: um amálgama, o amálgama. Ambi... Liga-se sem hífen à palavra ou elemento de composição seguinte: ambidestro, ambiesquerdo, ambissinistro, ambivalente.
  22. 22. Ambos, ambos os. 1 - Use apenas estas duas formas, uma vez que ambos os dois e ambos de dois, embora corretas, devem limitar-se às transcrições ou aos textos literários. 2 - A palavra refere-se tanto a pessoas como a coisas, órgãos ou grupos: Ambos chegaram atrasados. / Que livros escolheu? Ambos. / Nesse cenário, ambos, soldados e jagunços, mediam forças. 3 - Quando o substantivo determinado por ambos estiver claro, é obrigatório o uso do artigo: Representava ambas as casas do Congresso. / Consulte ambos os livros. / Segurou o rosto com ambas as mãos. 4 - Escreva, sem receio, pessoas de ambos os sexos: ninguém vai pensar em hermafroditas. A menos de. Ver há menos de. À mesa. Na locução, à dá idéia de proximidade, equivalendo a junto à: Sentou-se à mesa. / Tomou lugar à mesa. Na mesa seria sobre a: Subiu na mesa para trocar a lâmpada. Da mesma forma, ao volante, à máquina (e não na máquina), ao piano, à janela, etc. A meu ver. E não ao meu ver. Amoral, imoral. Amoral equivale a que não tem o senso da moral: Trata-se de um indivíduo amoral. / A arte, para Oscar Wilde, é amoral (e nunca imoral). Imoral designa o que viola os princípios da moral: Trata-se de um indivíduo imoral (isto é, libertino, lascivo). / Este livro é imoral. Amostragem. Use a palavra somente para designar o processo de seleção de uma amostra com fins estatísticos: A amostragem utilizada na pesquisa... Nos demais casos, o que se deve empregar é amostra, simplesmente. Amsterdã. Desta forma. Os naturais da cidade são: amsterdamês, amsterdamesa, amsterdameses e amsterdamesas. Anão. Flexões: anã, anões (prefira) e anãos. Ancião. Flexões: anciã, anciãos (prefira), anciões e anciães. Andaluz. Feminino: andaluza. Aneurisma. Palavra masculina: o aneurisma. Anexado, anexo. Para expressar uma ação, use anexado tanto com ter e haver como com ser e estar: Tinha (havia) anexado, foi (estava) anexado aos autos. Prefira anexo como adjetivo: casa anexa, documentos anexos. Anexo. 1 - Não tem função de advérbio. Dessa maneira, são incorretas as formas: "Anexo" envio a carta. / "Em anexo" envio a carta. / "Anexo" a esta envio a carta.
  23. 23. 2 - Como adjetivo, sua forma habitual, anexo deve figurar em frases como: Envio a carta anexa. / Prédios anexos ao central. / Anexas lhes encaminho as citações. / A certidão está anexa aos autos. Anfitrião. Flexões: anfitriã (prefira), anfitrioa e anfitriões. Anglo... 1 - Hífen na formação de adjetivos pátrios: anglo-americano, anglo-brasileiro, anglo-saxão. Anglo-catolicismo segue a mesma norma. 2 - Nos demais compostos, não há hífen: anglofilia, anglofobia, anglomaníaco. Animais. 1 - Use inicial minúscula para designar as raças de animais: cavalo manga- larga; gado santa gertrudes, holandês, aberdeen, jérsei; cão pastor alemão, fox- terrier, rottweiler, weimaraner; gato siamês; canário roller, etc. Repare que muitos nomes já estão aportuguesados. 2 - Para a formação do feminino, ver macho, fêmea. Aniversário. Como o próprio nome diz, só ocorre uma vez por ano. Assim, como não existe aniversário mensal ou trimestral, use data-base ou vencimento para aplicações: As cadernetas com vencimento (ou data-base) hoje pagarão rendimentos de 5%. Ano. a) Sem ponto: no ano 2000, em 2010, etc. b) Ver ao ano, ao dia, ao mês. "Ano que vem". Prefira as formas no ano que vem ou no próximo ano, mais eufônicas que "ano que vem" ou "ano próximo": O IR mudará no ano que vem (ou no próximo ano). Ansiar. Conjuga-se como odiar : anseio, anseia, anseiam, anseie, anseiem, etc. Antártida. Desta forma. O adjetivo, porém, é antártico: zona glacial antártica, continente antártico, aves antárticas. Ante... Hífen antes de h, r e s: ante-histórico, ante-republicano, ante-sala. Nos demais casos, o hífen não existe: anteato, anteestréia, anteontem, antediluviano. "Antecipar que". Alguém antecipa alguma coisa, mas não antecipa que... Ante o, ante a. Sem preposição ou crase: Sucumbiu ante o perigo (e não ante ao). / O Palmeiras caiu ante a Portuguesa (e não ante à). Antes de, antes que. 1 - Antes de rege palavras: Antes de sair, pediu um favor. / Partiu antes do amanhecer. 2 - Antes que liga orações: Saia antes que eu me irrite. / Seu vulto era visível antes mesmo que acendesse a luz. / Tomei a decisão antes que ele o fizesse. Antever. Conjuga-se como ver : antevejo, antevês; antevia; antevi; que eu anteveja; se eu antevisse; se eu antevir; etc.
  24. 24. Anti... 1 - É seguido de hífen quando o segundo elemento começa por h, r e s: anti- histamínico, anti-rábico, anti-séptico, anti-semita. Nos demais casos: antiaéreo, antiespasmódico, antiinflacionário, antiofídico, anticristo, antimatéria, etc. 2 - Use o prefixo sempre com hífen quando ele se ligar a um nome próprio, substituindo a preposição contra: anti-Brasil, anti-Gorbachev, anti-Clinton, anti- EUA, anti-Rússia, anti-Mirage. 3 - Quando anti se liga a um substantivo comum, o adjetivo resultante não tem plural: carros antitanque (e não antitanques), medicamentos antichoque. Antiguidade. Use sem trema, em qualquer sentido: Loja de antiguidades. / Referências à Antiguidade. Antinotícia. Antropo... Liga-se sem hífen à palavra ou elemento de composição seguinte: antropocêntrico, antropogeografia, antropomagnetismo, antropossociologia. Anuir. 1 - É transitivo indireto e exige as preposições a e em: O juiz anuiu ao desejo do promotor. / Todos anuíram em sair. / Anuíram à proposta, ao pedido, à intenção. 2 - Pode ser intransitivo (sem complemento): Convidou-os a ficar e eles anuíram imediatamente. "Anvers". Use Antuérpia. Ao ano, ao dia, ao mês. 1 - Adote essas formas apenas para taxas e juros. Assim: O banco cobrava juros de 100% ao ano. A poupança crescia 6% ao ano. 2 - Em todos os demais casos, use por ano, por mês, por dia: Os funcionários recebiam 15 salários por ano (e não "ao ano ") / Eram turistas que podiam viajar para o exterior várias vezes por ano / A festa era realizada duas vezes por mês / Andava 10 quilômetros por dia. 3 - Escreva igualmente por semana, por quinzena, por semestre, etc. Ao mês. Ver ao ano, ao dia, ao mês. Aonde, onde. 1 - Aonde usa-se com verbos de movimento: Aonde ele foi? / Aonde essas medidas do governo vão levar? / Aonde nos conduzirão esses desmandos? 2 - Onde indica permanência: Onde ele está? / Encontrou os livros onde lhe indiquei. / Onde passaremos o dia? 3 - Em termos práticos, aonde pode ser substituído por a que lugar, para que lugar, enquanto onde equivale a em que lugar. Apagar-se. Prefira esta forma, e não apagar, apenas: A luz apagou-se. / É preciso evitar que os fornos se apaguem. Aparecida. A cidade é Aparecida, e não "Aparecida do Norte".
  25. 25. Apaziguar. Conjuga-se como averiguar . Apelar para. 1 - O certo é apelar para e não apelar a: Agricultores apelam para o governo. / Pais apelam para secretário contra escola. / Não sabiam para quem apelar. 2 - Se a estrutura da frase exigir outro para, use então recorrer em vez de apelar: A propaganda recorre ao nu masculino para atrair o público feminino. 3 - Existe ainda a forma apelar de (interpor recurso): O advogado apelou da sentença. Apelidos. 1 - No caso de ser necessário identificar as pessoas por apelidos, escreva-os em itálico: Zelão, o Gordo, Fumaça, etc. 2 - A norma não vale para os apelidos de domínio público ou de esportistas, que devem ser grafados em corpo normal: Chico Buarque, Zé Ramalho, Juca de Oliveira, Careca, Bebeto, Didi, etc. Apiedar-se. Prefira ter pena de. Se necessário, porém, conjugue o verbo como regular: eu me apiedo, tu te apiedas; que eu me apiede, que tu te apiedes (e não que eu me apiade); etc. "Apoiamento". Não existe. Use compromisso de apoio ou forma semelhante. "Apontar que". Alguém aponta alguma coisa, mas não aponta que... Aportuguesamento. Ver palavras estrangeiras. Após. Usa-se em formas como: Saiu após o pai. / Ano após ano. / Após si. / Falaremos após. / Após o jogo. Após ao, do jargão esportivo, não existe. Sempre que possível, porém, prefira depois de, mais usual. Aposentar-se. Alguém se aposenta e não aposenta, simplesmente: Muitos acham que o brasileiro se aposenta cedo. / Ele já se aposentou. Após mais particípio. Com particípio, use depois de e nunca após: depois de realizado (e não após realizado), depois de promulgada (e não após promulgada), etc. Aposto. Apóstrofo. Aprazer. Conjugação. Pres. ind.: Aprazo, aprazes, apraz, aprazemos, aprazeis, aprazem. Imp. ind.: Aprazia, aprazíamos. Pret. perf. ind.: Aprouve, aprouveste, aprouve. M.-q.-perf. ind.: Aprouvera, aprouveras, aprouvera. Fut. ind.: Aprazerei, aprazerás, aprazerá. Fut. pret.: Aprazeria, aprazerias. Pres. subj.: Apraza, aprazas. Imp. subj.: Aprouvesse, aprouvesses. Fut. subj.: Aprouver, aprouveres. Ger.: Aprazendo. Part.: Aprazido. Aprender. Antes de infinitivo, exige a: Aprendeu finalmente a respeitar os outros.
  26. 26. Aprovar. Governos não aprovam projetos nos Legislativos. Assim, o correto é: O governo tentará conseguir a aprovação rápida das reformas constitucionais. / O governo quer fazer aprovar no Congresso lei que simplifique os processos judiciais. / A Prefeitura quer convencer a Câmara a aprovar (ou quer fazer a Câmara aprovar...) a nova Lei do Zoneamento. E não: O governo quer aprovar no Congresso as reformas constitucionais. / A Prefeitura quer aprovar na Câmara a nova Lei do Zoneamento... "Aprovar que". Alguém aprova alguma coisa, mas nunca se aprova que (alguém tenha feito algo, por exemplo). Aproximadamente. 1 - Indica arredondamento: Aproximadamente cinco pessoas, aproximadamente 20 crianças. Assim, nunca escreva: Aproximadamente três pessoas, aproximadamente 123 crianças, etc. 2 - A concordância é expressa pelo numeral ou equivalente: Perdeu-se aproximadamente 1 tonelada de cereais. / Aproximadamente 20 carros se chocaram. Aproximar-se. Alguém ou alguma coisa aproxima-se de, e não aproxima de apenas: A temperatura aproxima-se (e não aproxima) dos 40 graus. / Este é o exemplo que mais se aproxima do caso citado. Aquele. Ver este, esse, aquele. Àquele, àquela, àquilo. Em vez de a aquele, a aqueles, a aquela, a aquelas e a aquilo, usam-se as formas àquele, àqueles, àquela, àquelas e àquilo: Deu o livro àquele aluno (ou àqueles alunos). / Fez o elogio àquela moça (ou àquelas moças). / Referiu-se àquilo. Aquele de. Concordância no singular: Aquele de nós que irá. / Aquele de vós que fará. / Aquele dentre eles que sairá. No plural: Aqueles de nós que iremos. / Aqueles de vós que fareis. / Aqueles dentre eles que sairão. Modernamente, admite-se também: Aqueles de nós que irão. / Aqueles de vós que farão, etc. Aquele que. Use aquele que, em vez de o que, apenas quando esta construção for de difícil pronúncia. Assim: O livro é aquele a que me referi, em vez de: O livro é o a que me referi. Nos demais casos, prefira o que: Este disco é o que pedi. / Condenou os que não o favoreciam. Aquém... É sempre seguido de hífen: aquém-fronteiras, aquém-mar, aquém-oceano, aquém-pireneus. No entanto: aquentejano. Aqui. Não pode ser usado para substituir São Paulo ou o Brasil em frases como: São Paulo joga hoje aqui. / Sting já está aqui. / Habitação, aqui, é um problema sério. / Ninguém mais quer viver aqui. Aquilo. Ver este, esse, aquele. Ar condicionado, ar-condicionado. Sem hífen, é o próprio ar: O ar condicionado lhe faz mal. Com hífen, designa o aparelho: Comprou um ar-condicionado. Plural: ares- condicionados.
  27. 27. Areal, areão, arear. Sem i. Argüir. Conjugação. Pres. ind.: Arguo, argúis, argúi, argüimos, argüis, argúem. Imp. ind.: Argüia, argüias, etc. Pret. perf. ind.: Argüi, argüiste, argüiu, argüimos, argüistes, argüiram. M.-q.-perf. ind.: Argüira, argüiras, argüira, etc. Pres. subj.: Argua, arguas, etc. Imper. afirm.: Argúi, argua, arguamos, argüi, arguam. Arqui... Exige hífen antes de h, r e s: arqui-hiperbólico, arqui-romântico, arqui- secular. Nos demais casos: arquiavô, arquiesdrúxulo, arquiinimigo, arquidiocese, arquimilionário. Arrear, arriar. Arrear - preparar, enfeitar: Arreou o cavalo. Arriar - baixar: Arriou a bandeira. Ar refrigerado, ar-refrigerado. Sem hífen, é o próprio ar: O ar refrigerado lhe faz mal. Com hífen, é o aparelho: Mandou consertar o ar-refrigerado. Plural: ares- refrigerados. Arreglo. E não "arrego": O lutador pediu arreglo. / Não era homem de arreglos. "Arriscando cair". Use ameaçando cair. Arruinar. Conjugação. Pres. ind.: Arruíno, arruínas, arruína, arruinamos, arruinais, arruínam. Pres. subj.: Arruíne, arruínes, arruíne, arruinemos, arruineis, arruínem. Imper. afirm.: Arruína tu, arruinai vós. Nos demais tempos, o acento cai na terminação e não no i (arruinei, arruinara, etc.). Artesão. Flexões: artesã e artesãos. Artigo definido. Artigo indefinido. Artigos. 1 - Até 10, em ordinais; de 11 em diante, use cardinais: artigo 1.º, artigo 10.º, artigo 18, artigo 42. 2 - No texto corrido, empregue a palavra por extenso. Só adote a forma abreviada na transcrição de documentos em que ela figure dessa maneira. 3 - Abreviatura: art., arts. A seu ver. E não "ao seu ver". Igualmente: a meu ver, a nosso ver,etc. Aspas. Aspirar. Regência. 1 (tr. dir.) - Inalar, respirar, absorver: Aspirou o ar viciado. / Aspiramos o doce perfume. 2 (tr. ind.) - Desejar muito, pretender: Aspirava ao cargo de gerente. / Era tudo a que aspirava.
  28. 28. 3 - Não admite a forma pronominal lhe, que deve ser substituída por a ele, a ela: O valor do prêmio fez que aspirassem ardentemente a ele. Assassinar. Significa matar premeditadamente: Assassinou o adversário. Nos demais casos, use matar: Matou o ladrão. Assassino de. Parricida - do pai; matricida - da mãe; fratricida - do irmão ou da irmã; filicida - do filho; uxoricida - da esposa; mariticida - do marido; infanticida - de uma criança, especialmente de recém-nascido; regicida - de um rei; deicida - de um deus; homicida - de outra pessoa; suicida - de si próprio. Os substantivos correspondentes: parricídio, matricídio, fratricídio, etc. Assentir. Regência. 1 - No sentido de concordar, consentir, prefira a regência assentir em: Assentiram em ficar. / Assentiu em fazer a doação. / Assentiu no pedido. 2 - Como sinônimo de ceder ou aceder, assentir constrói-se melhor com a: Assentiu ao pedido da filha. / Assentiu aos desejos dos colegas. 3 - Pode ainda ser intransitivo (sem complemento): Insistiram tanto que ele assentiu. Assessoria. Use Assessoria de Imprensa, desde que o órgão tenha esse nome formal. A pessoa é assessor de Imprensa. Assim como. Concordância. 1 - No caso de sujeito composto ligado por assim como, o verbo concorda com o primeiro deles: O pai, assim como o filho, sofre de diabete. A razão do singular: há uma idéia de predominância do primeiro elemento sobre o segundo. Proceda da mesma forma com bem como, com, como, da mesma forma que, do mesmo modo que, etc. 2 - O plural se justifica apenas nos casos (raros) em que se queira atribuir a mesma importância aos dois sujeitos: O presidente, assim como (bem como, com, como, da mesma forma que, do mesmo modo que) o primeiro-ministro, compareceram à cerimônia. Assistência. Apenas no basquete. No futebol, use passe. Assistir. 1 - No sentido de presenciar ou comparecer, exige sempre a preposição a: Assisti ao jogo. / A comitiva assistiu à abertura dos trabalhos da Câmara. / Os fiéis assistiram à missa. Observações. Uma vez que não existe voz passiva com verbo transitivo indireto, é errado dizer: O jogo "foi assistido" (o certo: visto, presenciado) por 50 mil pessoas. Ainda sobre um jogo ou espetáculo, não se pode escrever que alguém queria "assisti-lo", mas apenas assistir a ele (pelo fato de o verbo ser indireto, rejeita o o como complemento). 2 - Como sinônimo de prestar assistência a, ajudar, socorrer, o verbo constrói- se em geral com objeto direto: O médico assistiu o doente. / Os governos federal e estadual assistiram os flagelados.
  29. 29. 3 - Com a preposição a, pode ainda equivaler a favorecer, caber (direito ou razão), caso em que admite também o pronome lhe: Não assistia direito algum aos reclamantes. / É claro que lhe assiste razão nesse caso. 4 - À exceção do item 3, assistir rejeita lhe. Assim, para substituir a frase nós assistimos à sessão, só se pode dizer que assistimos a ela e não que "lhe" assistimos. Assumir. 1 - Em inglês é que assumir significa supor, tomar como certo, admitir, considerar. Por isso, use uma destas opções em frases como: "Assumindo" (supondo, considerando) que a idéia seja viável, como executá-la? / Consulado "assume" (admite, reconhece) que há falhas nos vistos. / Médico "assume" (admite) ter abusado de paciente. / "Assumindo" (tendo como certo, admitindo) que ocorresse a fecundação, o desenvolvimento do embrião seria duvidoso. 2 - Não use, portanto, em nenhuma hipótese, a forma assumir que... 3 - No sentido de chamar ou tomar para si, o que se assume é a responsabilidade, o risco, o dever, a autoria, a função, o encargo de alguma coisa, e não essa coisa em si. Veja os exemplos: O grupo assumiu a autoria do atentado (e não o grupo assumiu o atentado). / O funcionário assumiu a responsabilidade pelos erros (e não assumiu os erros). / O Banco Central assumiu o encargo das negociações (e não assumiu as negociações). Asterisco. E não "asterístico". Astro... Liga-se sem hífen ao termo seguinte: astroarqueologia, astronavegação, astrorriza, astrossofia. A tempo. Ver há tempo, a tempo. Até ... não. Use nem e não "até ... não": Nem o presidente ficou alheio às divergências (em vez de: "Até" o presidente "não " ficou alheio às divergências). Atender. 1 - Para pessoas, use a regência direta (atender alguém): O médico atendeu o doente. / O governo atenderá os prefeitos. / O ministro atendeu-os. Empregue também esta forma para telefone, campainha, bairro, cidade, região, etc., porque fica claro que se atendeu quem fez a ligação telefônica ou tocou a campainha e os moradores do bairro, cidade, região, etc.: Atendeu o telefone. / O prefeito e o vice atenderam a Vila Jaguara. / O governador disse que atenderá os municípios do sudeste do Estado. 2 - Para coisas (pedidos, sugestões, intimações, etc.), adote a regência indireta (atender a): Atendeu aos pedidos do pai. / Atenderam aos conselhos, às solicitações, ao requerimento, aos avisos, à intimação. Atentado. Um grupo reivindica ou assume a autoria de um atentado, e não o próprio atentado.
  30. 30. Atenuante. Palavra feminina: a atenuante, algumas atenuantes. Até o, até ao. Use até o, até a, até os e até as, em vez de até ao, até à, até aos e até às: Vou até o fim. / Levou a visita até a porta. / Estendeu suas terras até os limites do Estado. / Até as 8 horas. Até porque. a) Porque em uma palavra só: Não deve se arrepender, até porque deixou o time em boa situação. b) A forma seria por que apenas no caso de substituir por qual, pelo qual: Até por que (por qual) caminho ele foi queriam saber. Aterrissar. 1 - Com dois ss. Use também pousar e descer. 2 - Evite os modismos aterrissar na mesa de alguém, aterrissar no Congresso, aterrissar no Planalto, etc. 3 - Para pouso na Lua, use os termos alunissar e alunissagem. Ateu. Feminino: atéia. Atingir. Sem preposição: As medidas econômicas atingiram principalmente os (e não aos) mais pobres. / As pedras atingiram as crianças (e não às). / O frio atingiu o (e não ao) nível mais intenso. / A inflação atingirá 2% este mês (e não a 2%). À-toa, à toa. 1 - À-toa é adjetivo invariável com o sentido de irrefletido, fácil, desprezível: problema à-toa, serviço à-toa, indivíduo à-toa, pessoas à-toa. 2 - Sem hífen, à toa significa sem destino, irrefletidamente, ao acaso, inutilmente: Fez o sacrifício à toa. / Andava à toa pela cidade. / Brigou com o amigo à toa. Atol. Inicial maiúscula: Atol de Mururoa, Atol das Rocas. Atrair. Conjuga-se como cair. Atrás, atraso, atrasar. Sempre com s. Através de. 1 - Através exige sempre a preposição de. 2 - A locução, no seu sentido correto, equivale a por dentro de, de um lado a outro, ao longo de: Cavalgou através de prados e florestas. / Viajou através de todo o país. / Olhava através da janela. / Foi sempre o mesmo homem honesto através de anos e anos. 3 - Por isso não use através de como por meio de, por intermédio de ou por simplesmente, preferindo uma dessas formas: Soube da notícia pelo (e não "através do") rádio, pela imprensa, pela televisão. / Os mudos se comunicam por meio de gestos. / A notícia chegou por intermédio do porta-voz. / O gol foi marcado por Túlio. / O assunto foi resolvido por meio de decreto. Audio... Liga-se sem hífen ao elemento seguinte: audiofreqüência, audiograma, audiotransformador, audiovisual.
  31. 31. À uma. Ver uma (crase). Aumentar. Regência. 1 - Aumentar alguma coisa: As montadoras aumentaram os preços ontem. / Não parava de aumentar seu patrimônio. / O binóculo aumenta os objetos. / O estado de saúde aumentou sua ansiedade. 2 - Aumentar alguma coisa em: Aumentou o preço em 10%. / Aumentou o preço em 50 reais. / Aumentou em dez metros o comprimento da barreira. 3 - Aumentar em: A cidade não parava de aumentar em população. / O som aumentou em intensidade. 4 - Aumentar de: Aumentou de peso. 5 - Aumentar, apenas: Os problemas do País aumentaram muito. / Os preços aumentam todo dia. Aumentativos. Aumentos. 1 - Ao noticiar aumentos de preços, nunca deixe de mencionar o novo valor, a porcentagem do aumento e o preço anterior. Informe também se é o primeiro, terceiro ou quinto do ano e quanto o resultado acumulado já acusa. Se possível, compare sempre esse total com o índice de inflação até o momento (mostre se o aumento supera o índice ou fica abaixo dele). 2 - No caso dos carros, além de informar a porcentagem do aumento, registre o preço atual e o anterior de alguns dos principais modelos da fábrica. Ausência. No singular em frases como: Com a ausência de Pedrinho e Almeida, o time... / Os presentes criticaram a ausência do governador e do prefeito na solenidade (e nunca "as ausências"). Austro... Liga-se com hífen ao termo seguinte na formação de adjetivos pátrios: austro-alemão, austro-brasileiro, austro-húngaro. Auto... Hífen antes de vogal, h, r e s: auto-afirmação, auto-estrada, auto-indução, auto-ônibus, auto-hipnose, auto-retrato, auto-suficiência. Em outros casos: autodeterminação, autobiografia, autolotação, autovacina. Autobiografia. Alguém escreve a autobiografia, e não a sua autobiografia (redundância). Autópsia. Embora haja restrições à formação desta palavra, use-a livremente. "Avacalhação", "avacalhar". Não use. São vulgaridades. "Avant-première". Prefira pré-estréia. Avaro. Sem acento (pronuncia-se aváro). Avenida. Inicial maiúscula: Avenida Faria Lima.
  32. 32. Averiguar. Conjugação. Pres. ind.: Averiguo, averiguas, averigua, averiguamos, averiguais, averiguam. Pret. perf. ind.: Averigüei, averiguaste, averiguou, etc. Pres. subj.: Averigúe, averigúes, averigúe, averigüemos, averigüeis, averigúem. Imper. afirm.: Averigua, averigúe, averigüemos, averiguai, averigúem. Avestruz. Prefira o masculino: o avestruz. Avisar. Regência. 1 - Avisar alguém: Achou mais prudente avisar os colegas. / Quis avisá-lo logo. 2 - Avisar alguém de (para ou sobre): Avisou os amigos dos (para os, sobre os) riscos que corriam. / Avisou-os da (sobre a) tragédia. / Avisou-a para que evitasse os lugares desertos. 3 - Avisar alguma coisa a alguém (forma condenada por alguns gramáticos): Avisou aos convidados que não queria presentes. / Avisou-lhes que nada pretendia para si. 4 - Avisar de alguma coisa: Avisou dos perigos que corriam. 5 - Avisar, apenas: Quem avisa amigo é. / Ele chegou ontem sem avisar. 6 - Nunca use o verbo com dois objetos diretos, como em: O piloto avisou "os" passageiros "que" o avião ia pousar (o certo: avisou aos passageiros que... ou avisou os passageiros de que...). À vista de. Ver vista. Aziago. Sem acento (a pronúncia correta é aziágo). Azul-marinho. Palavra invariável: gravata azul-marinho, ternos azul-marinho. Marinho segue a mesma regra: gravata marinho, ternos marinho. B Bacanal. Palavra feminina: a bacanal. Bahia. 1 - Com h quando designa o nome do Estado. 2 - O h cai, porém, nos termos derivados: baiano, baianidade, coco-da-baía, laranja-da-baía, etc. Baía. Escreva Baía de Guanabara, de Todos os Santos, de Paranaguá, etc. Bairro. Inicial minúscula: o bairro de Pinheiros. Baixo. Use a baixo em frases como: Olhou-o de alto a baixo Baixo-relevo. Plural: baixos-relevos. Baixo-ventre. Plural: baixos-ventres.
  33. 33. Balança, balanço. Balança comercial, balanço de pagamentos. "Bâle". Use Basiléia. Baliza. Com z, assim como balizar ou balizamento. Bandeira Nacional. Iniciais maiúsculas. Bandeirante(s). 1 - Bandeirante, sem s: o bandeirante (desbravador), população bandeirante (paulista), o bandeirante (o paulista), uma bandeirante (moça adepta do bandeirantismo). Todas essas formas, admitem plural: os bandeirantes (desbravadores e paulistas), homens bandeirantes (paulistas), as bandeirantes (moças). Ainda Bandeirante, sem s, mas como nome próprio: o avião Bandeirante, um Bandeirante, a Casa do Bandeirante, o Bandeirante (de Birigüi). 2 - Bandeirantes, nome próprio, com s: dois Bandeirantes (aviões), Rodovia dos Bandeirantes, Avenida dos Bandeirantes (São Paulo), Palácio dos Bandeirantes, Rede Bandeirantes, Bandeirantes (cidade do Paraná). Bangue-bangue. Desta forma. Banir. Conjuga-se como abolir : Banes, bane; bane tu, bani vós. Não tem a 1.ª pessoa do pres. ind. e todo o pres. subj. Banto. E não "bantu". Barão. Feminino: baronesa. Barato. 1 - Barato já encerra idéia de preço. Dessa forma, preço barato é redundância. Escreva livro barato, produtos baratos. Para preço, use baixo, mínimo, reduzido, insignificante, etc. 2 - Como adjetivo, a palavra varia: Comprou roupas baratas. / Pôs anúncio procurando uma casa barata / Só freqüenta lugares baratos. 3 - Como advérbio, permanece invariável: Comprei barato estas frutas. / Até que saíram barato tamanhos desaforos. / As frutas custam 10% mais barato (e não mais baratas) a partir de amanhã. Barman. Plural: barmen. Barra. Use a barra: 1 - Em formas como km/h, homens/ hora, tonelada/mês, carros/dia. 2 - Para separar um verso do outro, em composição recorrida. 3 - Na alternativa e/ou (Estariam ali os pais e/ou os filhos). 4 - Nas datas: 3/6/90. Basiléia. E não "Basel".
  34. 34. Bastante. 1 - É invariável (advérbio) no sentido de muito, suficientemente: Estavam bastante preocupados. / Todos ficaram bastante satisfeitos. 2 - É variável (adjetivo) quando equivale a suficiente, que basta: Havia provas bastantes do crime. / Somos bastantes (suficientes) para fazer o trabalho. 3 - Não use a palavra como sinônimo de muitos, em grande quantidade, em frases deste gênero: Havia "bastantes" (muitas) pessoas na praça. / "Bastantes" (muitas) escolas aumentaram as mensalidades. Bastar. Concorda regularmente com o sujeito: Bastam estes exemplos. / Três salários mínimos já lhe bastam para viver. Bastião. Plural: bastiões (prefira) e bastiães. Batavo. E nunca "bátavo". Bate-estaca. Um bate-estaca, dois bate-estacas. Bater. Um carro bate ou alguém bate com o carro em algum coisa: O carro bateu no ônibus. / O motorista bateu com o carro em dois ônibus. Mas não: O motorista "bateu o carro" em dois ônibus. Bater (horas). Concordância. Ver horas. Bávaro. Natural da Baviera (e não "da Bavária"). "Beijing". Use Pequim. Bem... Exige hífen antes de palavra que tenha vida autônoma ou quando a pronúncia o justifique: bem-acabado, bem-aventurado, bem-comportado, bem-dormido, bem- educado, bem-fazer, bem-feito, bem-humorado, bem-intencionado, bem-lançado, bem-nascido, bem-posto, bem-querer, bem-sucedido, bem-vindo. Exceções: bendito, benfazejo, benfeitor, benfeitoria, benquerença, benquerente, benquistar, benquisto. (Veja no capítulo Escreva Certo a relação das palavras em que bem se liga com hífen ao termo seguinte.) Bem como. Concordância. Ver assim como. Bem-vindo. Desta forma. Benvindo é nome de homem. Bênção. Plural: bênçãos Bendizer. Conjuga-se como dizer. Beneficência. E nunca "beneficiência". Da mesma forma, beneficente, e não "beneficiente". Beneficiar. O verbo é direto: Seu governo beneficiou os (e não "aos") parentes. / O ábitro beneficiou a (e não "à") equipe da casa. Berbere. Sem acento (pronuncia-se berbére).
  35. 35. Bestialógico. E não "bestialógio". Bexiga. E não "Bixiga" (São Paulo). BH. Aceitável, apenas em títulos, para substituir Belo Horizonte. "Bi". Nunca use, muito menos em títulos, para substituir bilhão ou bilhões. Bi... Liga-se sem hífen ao elemento seguinte, eliminando-se o h intermediário e duplicando-se o r e o s: biatômico, bicampeonato, bielétrico, bigranulado, biebdomadário, biiodeto, bilateral, biovulado, birreator, bissexual, biunívoco. "Bicha". Não use, especialmente para designar homossexual. Se se tratar do verme, prefira lombriga. Bilhão. Atenção: o valor não é o mesmo em todos os países. No Brasil, na França e nos Estados Unidos, o número equivale a mil milhões (1 mais 9 zeros: 1.000.000.000). Na Inglaterra, na Espanha, na Alemanha, em Portugal e em outros países, corresponde a um milhão de milhões, ou um trilhão no Brasil (1 mais 12 zeros: 1.000.000.000.000). b) Concordância. Ver milhão. Bimensal, bimestral. Bimensal - que ocorre ou circula duas vezes por mês, quinzenal: pagamento bimensal, revista bimensal. Bimestral - que ocorre ou circula de dois em dois meses: rodízio bimestral, revista bimestral. Bio... Liga-se sem hífen ao termo seguinte, duplicando-se o r ou s que inicie sílaba: bioastronomia, bioenergia, biobotânico, biomagnético, biorritmo, biossatélite. Biópsia. Prefira biópsia a biopsia, embora ambas as formas sejam corretas. Birigüi. Com trema e sem acento no i. Bisavô, trisavô, tetravô. Bisavô - pai do avô. Trisavô - pai do bisavô. Tetravô - pai do trisavô (variante popular: tataravô). Da mesma forma, bisavó, trisavó e tetravó (tataravó, na forma popular). Dessa forma, tetravô (ou tataravô) não é o pai do bisavô, como se usa habitualmente. Bisneto, trineto, tetraneto. Bisneto - filho do neto. Trineto - filho do bisneto. Tetraneto - filho do trineto (variante popular: tataraneto). Como se vê, o tetraneto (ou tataraneto) não é o filho do bisneto, como se usa habitualmente. Blitz. Existem dois equivalentes em português: incursão (guerra) e batida (policial). Plural: blitze. Boa parte. Concordância no singular: Boa parte das sugestões será aproveitada. / Boa parte das pessoas já passou. Boa vontade. 1 - Boa vontade e má vontade, bom gosto e mau gosto, bom humor e mau humor funcionam como uma única palavra quando precedidos de mais, menos, muito e pouco.
  36. 36. 2 - O mesmo ocorre com outras expressões semelhantes. Assim, use: mais boa vontade (e não melhor vontade), mais má vontade (e não pior vontade), mais bom gosto, mais mau gosto, mais bom humor, mais mau humor. 3 - Igualmente, menos boa vontade, menos má vontade, etc. 4 - Muito e pouco concordam com a expressão: muita boa vontade, pouca má vontade. 5 - Com as palavras compostas, a concordância torna-se mais óbvia: mais boa- fé, muita boa-fé, mais má-fé, pouca boa-fé, muitas boas-vindas, poucas boas- festas. 6 - Usam-se essas expressões também com melhor e pior: a melhor boa vontade, o pior mau humor, o melhor bom gosto, a pior má-criação, a pior má- fé, a melhor boa-fé, etc. Boca-a-boca, boca a boca. Quando substantivo, tem hífen (é o próprio processo): O boca-a-boca é a melhor forma de divulgar uma peça teatral. Sem hífen, é mera locução (indica a forma do processo): A notícia correu boca a boca. Bochincho. E não "bochicho" e muito menos "buxixo". Boemia. Já é aceitável o brasileirismo boemia (mía), em vez do erudito boêmia (vida noturna), conforme registram o Aurélio e o Vocabulário Ortográfico, da Academia Brasileira de Letras. Use apenas Boêmia, porém, para designar a região da Europa. Bojo. Evite a expressão "no bojo de ", ruim jornalisticamente. Bola da vez. Modismo. Evite Bolsa de valores. 1 - Inicial maiúscula: a) Para uma ou mais bolsas específicas. Assim: a Bolsa de Valores de São Paulo, a Bolsa de Valores do Rio, a Bolsa de São Paulo, a Bolsa do Rio, a Bolsa de Nova York, as Bolsas de Valores de São Paulo e do Rio, as Bolsas de São Paulo e do Rio. b) Quando a palavra Bolsa estiver substituindo a Bolsa de São Paulo (neste caso ela pode aparecer sem o nome da cidade) ou de outra cidade (mas sempre com o nome desta cidade citado): Estrangeiros fazem Bolsa bater recorde (era a de São Paulo). / Crise derruba Bolsa em São Paulo. / Queda do dólar afeta Bolsa em Nova York. 2 - Inicial minúscula: Quando a palavra for usada genericamente ou para duas ou mais bolsas não especificadas no título. Exemplos: O melhor investimento atualmente é jogar na bolsa. / Crise derruba bolsas. / Exemplo mexicano afeta bolsas da América Latina. / Entrada de dólares anima as bolsas. Bom. Ver em é preciso, a concordância de é bom. Bomba. Liga-se com hífen a outro substantivo: argumento-bomba, carros-bomba. 2 - Evite as locuções cair, estourar e explodir como uma bomba, que são lugares-comuns. Bonachão. Flexões: bonachona e bonachões. Bons motivos para comemorar. Lugar-comum. Não use. Bordel. Plural: bordéis (Bordéus é nome de cidade).
  37. 37. Borderô. Desta forma. Bordéus. Aportuguesamento do nome da cidade francesa Bordeaux. Bordo. Use a bordo de apenas no sentido literal (a bordo do navio, passageiros a bordo) e nunca no figurado, mero modismo (a bordo do mandato, a bordo do marido, a bordo de seus sentimentos, etc.). Borgonha. Aportuguese o nome da região francesa. Bossa nova, bossa-nova. 1 - Sem hífen, designa maneira recente de fazer alguma coisa: a bossa nova (na música). 2 - Com hífen, é o adjetivo correspondente, que não varia no plural: música bossa-nova, teatro bossa-nova, concepções bossa-nova. Botijão. Prefira esta forma a bujão. Branco. Não existe voto "branco", mas apenas em branco. Brandir. Conjugação. Só tem as formas em que ao d se segue e ou i: brande, brandiu, etc. Brás. Com s para designar tanto o bairro como os nomes próprios: Venceslau Brás, Brás Cubas, etc. Brecht. Atenção para o primeiro nome: Bertolt e não Bertold. Bruços. De bruços, no plural. Bucho, buxo. Bucho - estômago; buxo - planta. Bulir. Conjuga-se como acudir : bulo, boles; bulia; que eu bula; bole tu, buli vós; etc. Buquê. Desta forma, tanto para o ramalhete de flores como para o aroma do vinho. Burgomestre. Aceitável apenas em editoriais ou artigos - mas nunca em reportagens ou notícias como sinônimo de prefeito. Button. E nunca "bottom", que significa fundo, traseiro, em inglês, nem "botton". "Buxixo". Não existe. O certo é bochincho. Buzina. Com z. C Cabeleireiro. Atenção para o i. Caber. Conjugação. Pres. ind.: Caibo, cabes, cabe, cabemos, cabeis, cabem. Pret. perf. ind.: Coube, coubeste, coube, coubemos, coubestes, couberam. M.-q.-perf. ind.: Coubera, couberas, coubera, coubéramos, coubéreis, couberam. Imp. subj.: Coubesse, coubesses, coubesse, coubéssemos, coubésseis, coubessem. Fut. subj.:
  38. 38. Couber, couberes, couber, coubermos, couberdes, couberem. Não tem imperativo. Os demais tempos são regulares. (Particípio: cabido.) Cabo. Inicial maiúscula: Cabo da Boa Esperança. Cabo eleitoral. Sem hífen. Cabul. Escreva desta forma o nome da capital do Afeganistão. Cacoete. Significa tique, mania. Por isso, é inadequado escrever que um jogador "não tem cacoete de atacante". Cacófato. É o encontro de sílabas, em palavras diferentes, formando som desagradável ou palavra obscena. Não deve constituir preocupação obsessiva de quem escreve, mas há cacófatos perfeitamente evitáveis, como por razões (por motivos), triunfo da (vitória da), etc. Eis alguns casos que ocorrem com freqüência e, entre parênteses, opções para contorná-los: paraninfo de ou da, bafo de ou da (hálito de ou da), boca dela (sua boca), de então (daí, dessa época), já nela, por rádio (pelo rádio), por radiação (pela radiação), por razões (por motivos), por cada (para cada, por), conforme já, o time já, deu-me já, critica Garcia, Lorca ganha, marca gol, nunca gostou (jamais gostou), confisca gado, critica governador, ela tinha, só linha, etc. Se necessário, mude a estrutura da frase para fugir, pelo menos, aos mais flagrantes. Cada. 1 – Acompanha um substantivo, outro pronome ou numeral e, no uso correto, indica diversidade de ação: Usa cada dia (um dia um, outro dia outro) um terno diferente. / Cada jornalista tem seu estilo. / Cada macaco no seu galho. 2 – Se a ação for a mesma, deve-se usar todo: Faz a barba todo dia (em vez de cada dia)./ Estuda inglês todo dia (e não cada dia). / Muda de casa todo ano (e não cada ano). 3 – Não pode ser usado antes de plural (cada férias, cada óculos, cada núpcias), mas apenas antes de numeral: cada 3 dúzias, cada seis pessoas, cada 30 dias. Concordância, neste caso: Cada 3 dúzias custam... / Cada seis pessoas vão... / Cada 30 dias representam... 4 – Pode combinar-se com qual e um, quando falta o substantivo: Cada qual sabe o que fazer./ Venha cada qual com seu par./ Cada um herdará duas casas. / Veja se cada uma sabe como agir. 5 – Cada um é também a forma correta nas referências a valores expressos anteriormente: As blusas custam 40 reais cada uma (e não 40 reais cada)./ Vendia livros a 30 reais cada um (e não a 30 reais cada). 6 – Não se usa cada um, porém, antes de substantivos que indicam valor ou medida: Cada hora (e não cada uma hora), cada real (e não cada um real), cada quilômetro, cada quilo, cada ano, etc. A razão: cada já encerra a idéia de unidade. Cada qual. Verbo na terceira pessoa do singular quando cada qual resumir uma enumeração: Médico, jornalista, engenheiro, cada qual tem sua ética.
  39. 39. Cada um. Verbo na terceira pessoa do singular: Cada um deles tem seu quarto. / Cada um de nós trabalha em empresas diferentes. / Cada um de vós será chamado a opinar. A concordância é a mesma se cada um resume uma enumeração: Pai, mãe, filho, cada um tinha seu quarto. Cães. Ver animais. "Cafetão". Vulgaridade. Use cáften. Cair. Conjugação. Pres. ind.: Caio, cais, cai, caímos, caís, caem. Imp. ind.: Caía, caías, caía, caíamos, caíeis, caíam. Pret. perf. ind.: Caí, caíste, caiu, caímos, caístes, caíram. M.-q.-perf. ind.: Caíra, caíras, caíra, caíramos, caíreis, caíram. Fut. pres.: Cairei, cairás, cairá, cairemos, caireis, cairão. Fut. pret.: Cairia, cairias, cairia, cairíamos, cairíeis, cairiam. Pres. subj.: Caia, caias, caia, caiamos, caiais, caiam. Imp. subj.: Caísse, caísses, caísse, caíssemos, caísseis, caíssem. Fut. subj.: Cair, caíres, cair, cairmos, cairdes, caírem. "Cair geada". A geada não cai, embora alguns dicionários usem o termo nesse sentido. Ela é produto da condensação das gotas de orvalho na planta. Escreva, por isso, formar-se geada ou gear. Caixa. 1 – A palavra é feminina quando designa seção, repartição ou órgão: Foi até a caixa. / A Caixa Econômica. 2 – Como livro de escrituração, tem o gênero masculino: Registrou as despesas no caixa. 3 – Por fim, se se refere ao funcionário, concorda com o sexo deste: Ele é o novo caixa do banco. / Ela era a caixa da empresa. Caixa de... O outro elemento vai para o plural: caixa de fósforos, caixa de palitos, caixa de sapatos, etc. Calda, cauda. Calda – solução de açúcar: calda de caramelo. Cauda – rabo, apêndice: cauda do macaco, piano de cauda. Câmara. A casa do Congresso chama-se, oficialmente, Câmara dos Deputados (e não "Câmara Federal"). Os vereadores são membros da Câmara Municipal. Pode-se usar Câmara, apenas, desde que fique claro a qual delas o texto se refere. Câmera. Designe desta forma o aparelho fotográfico, de cinema, de vídeo, etc. Escreva, no entanto, música de câmara e não de câmera. Caminhoneiro, caminhonete. Use estas formas em lugar de camioneiro e camioneta. Campeonato. Inicial maiúscula: o Campeonato Brasileiro de Futebol, o Campeonato Paulista, o Campeonato Gaúcho, o Campeonato Espanhol, etc. "Campesinato", campesino. Campesinato não existe em português (use categoria rural ou os trabalhadores rurais) e campesino deve ser substituído por agrícola, rural ou campestre, conforme o caso.
  40. 40. Camponês. Quando se tratar do Brasil, substitua a palavra por lavrador, agricultor, trabalhador rural, plantador, cortador de cana (se for o caso), etc. Campos Elísios. E não "Elíseos". Câmpus. Aportuguesado: o câmpus, os câmpus. Canal. Inicial maiúscula: Canal da Mancha. Candidato a. 1 – Os cargos a que as pessoas se candidatam ficam sempre no singular: candidatos a deputado (e não a deputados), a líder, a vereador, a prefeito, a médico, a fiscal, a datilógrafo, etc. 2 – Se as candidatas forem mulheres, há duas possibilidades: a) O cargo fica no masculino se puder ser ocupado por pessoas de qualquer sexo: Ela foi candidata a prefeito. / Há 50 candidatas a deputado em São Paulo. / Eram 30 candidatas a datilógrafo. b) Se o cargo se destinar apenas a mulheres, fica no feminino: Eram dez candidatas a secretária (presume-se que se exijam mulheres apenas). / Havia muitas candidatas a costureira. 3 – A preposição usada com candidato, candidatura e candidatar-se é a e não para: Candidato a governador, candidatura ao Senado. / Candidatou-se a um ministério. Cânon. Plural: cânones. Cão. Feminino: cadela. Plural: cães. Capelão. Plural: capelães. Capitais brasileiras. Ver Estados. Capital. Inicial minúscula, seja a referência a São Paulo ou a qualquer outra capital do País: A capital. / Chuva causa mortes na capital. / Trânsito pára a capital. / A capital de São Paulo, a capital fluminense, a capital federal, as capitais. Capitão. Flexões: capitã (prefira), capitoa e capitães. Capítulos. Até 10, em ordinais; de 11 em diante, em cardinais. Use algarismos arábicos, e não romanos: capítulo 1º, capítulo 10º, capítulo 25. Capta/capita. Captar, decapitar, per capita, desta forma. Cara. Quando se tratar de pessoas, prefira rosto. Cara-pálida. Com hífen. Plural: caras-pálidas. Cara-pintada. Com hífen. Plural: caras-pintadas. Caráter. Plural: caracteres. Cardio... Liga-se sem hífen à palavra ou elemento seguinte. Exemplos: cardiograma, cardiologia, cardiorrespiratório, cardiovascular.

×