SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Baixar para ler offline
Alessandro Almeida | www.alessandroalmeida.com
Retomando as bases...
Parte essencial do projeto, direcionando as tomadas de decisões,
planejamento, desenvolvimento e manutenção de todo o ciclo de
vida do projeto.
Responsável pelo levantamento de requisitos, ou seja, toda a
documentação do projeto necessária para o entendimento
aprofundado do software a ser desenvolvido.

Fundamental para o desenvolvimento de um software com qualidade. O
desenvolvimento é complexo, envolvendo diversas áreas. Permite
padronizar os processos, reduzindo custo e prazo.
Especificação, desenvolvimento e manutenção
de sistemas de software. Contém melhores
práticas de gerenciamento de projetos, que
visa organização, produtividade e qualidade.
Conjunto de metodologias e boas práticas para arquitetar e
planejar o desenvolvimento de qualquer tipo de software que
atenda uma necessidade específica do cliente.
Padrão para todas as fases de um desenvolvimento de
sistemas, desde o levantamento de requisitos (regras de
negócio) até testes e manutenções.
Sobre as “boas práticas” ou “melhores práticas”
   Cuidado!!!!
     Quem definiu que as práticas são boas ou
      melhores?
     A empresa fez uma avaliação?
     Houve um diagnóstico?
     Os principais stakeholders foram ouvidos?
   Sinal de alerta:
     Consultoria ou um grupo restrito definindo e
     decidindo as “melhores” práticas para a área de TI
Facilita o desenvolvimento de um projeto e define
seus objetivos através de um estudo detalhado.
Define o roteiro de construção do projeto, por meio
de metodologias como ITIL, CMMI, etc.
Como modelo conceitual, possui 3 elementos: Métodos,
procedimentos e ferramentas. Nesses processos são
envolvidos a parte de testes e manutenções,
documentações que são desenvolvidas com custos e
prazos estimados.
Independente do tamanho do projeto e/ou empresa,
a Engenharia de Software está presente na área
de TI, organizando e auxiliando no
desenvolvimento de projetos.
Na maioria das empresas o responsável pelo levantamento de requisitos
recebe toda a especificação dos projetos e alinha de acordo com as
necessidades, utilizando, por exemplo, conceitos de UML. Passa as
informações para a equipe de desenvolvimento, mas sempre
acompanhando para que nada saia fora do que foi combinado.
A Engenharia de Software ajuda na
padronização e criação de processos,
gerando várias documentações que
auxiliam na tomada de decisões.

Na minha empresa, é aplicada quando as
fases de desenvolvimento de um
software são divididas, definindo seus
processos e padrão de qualidade.
Cada empresa utiliza a Engenharia de Software
conforme sua necessidade, onde, de acordo com o
projeto, é estudado o melhor método para utilizar.
Alguns mais complexos e detalhados, outros mais
simples.
Normalmente, a Engenharia de Software é
aplicada nas empresas para que haja melhoria
nos sistemas conforme levantamento dos
requisitos com os usuários/clientes.
Em empresas de grande porte, onde o cliente exige a
qualidade do serviço, as consultorias utilizam todas as etapas
da Engenharia de Software, incluindo recursos como CMMI,
COBIT, entre outros. Mas internamente, nas consultorias e nos
departamentos de uma empresa, o uso da Engenharia de
Software é defasado, devido ao curto espaço de tempo para
resolução de problemas e falta de conhecimento da gerência e
direção.
   Disciplina de engenharia cujo foco está em
    todos os aspectos da produção de software,
    desde os estágios iniciais da especificação do
    sistema até sua manutenção, quando o
    sistema já está sendo usado.
   ...engenharia...
     “construção, criação, execução de algo em que se
     utilize engenho e arte” (Fonte: Dicionário Houaiss)
   ...todos os aspectos da produção de
    software...
     Não apenas processos “técnicos”, mas também as
     atividades de gerenciamento de projeto, por
     exemplo.
Motivação
   Os números apresentados nos próximos slides são
    baseados nas edições 2011 e 2012 do
    Benchmarking em Gerenciamento de Projetos
     Realizado por capítulos nacionais e internacionais
      (Argentina, França e Uruguai) do PMI
     Disponível para download gratuito no endereço
      www.pmsurvey.org
   Setor considerado: Tecnologia da Informação
     Não é possível filtrar por tipo de projeto (por exemplo:
      “Projeto de desenvolvimento ou manutenção de
      software”)
80%

                                        71%
70%
                             64%

60%



50%



40%                                                                  2011
                                                                     2012
                    29%
30%                                             27%


20%


                                                                9%
10%


      0%    0%                                         0%
0%
       Sempre    Na maioria das vezes   Poucas vezes        Nunca
80%

                                        71%
70%
                             64%

60%



50%



40%                                                                  2011
                                                                     2012
                    29%
30%                                             27%


20%


                                                                9%
10%


      0%    0%                                         0%
0%
       Sempre    Na maioria das vezes   Poucas vezes        Nunca
Gerente de Projeto
Como assim?!?!




Nós
Consigo terminar
       meus projetos,
        mas sempre
       estoura algo...




Nós
... principalmente
         custo e prazo.




Nós
Além disso, tenho
      uns 3 projetos que
      nunca terminam...




Nós
... pois meu cliente
            não quer
           homologar.




Nós
80%

                                        71%
70%
                             64%

60%



50%



40%                                                                  2011
                                                                     2012
                    29%
30%                                             27%


20%


                                                                9%
10%


      0%    0%                                         0%
0%
       Sempre    Na maioria das vezes   Poucas vezes        Nunca
Como podemos definir
  80%

maioria das vezes e                       71%
  70%
poucas vezes?                  64%

  60%



  50%



  40%                                                                  2011
                                                                       2012
                      29%
  30%                                             27%


  20%


                                                                  9%
  10%


        0%    0%                                         0%
  0%
         Sempre    Na maioria das vezes   Poucas vezes        Nunca
Quem respondeu a
  80%

pesquisa? O gerente do                    71%
  70%
projeto ou o cliente?          64%

  60%



  50%



  40%                                                                  2011
                                                                       2012
                      29%
  30%                                             27%


  20%


                                                                  9%
  10%


        0%    0%                                         0%
   0%
         Sempre    Na maioria das vezes   Poucas vezes        Nunca
Gerente de Projeto
  (na vida real)
50%
                                        47%
                    45%                         45%
45%                          43%


40%


35%


30%


25%                                                                      2011
                                                                         2012
20%


15%


10%         9%

      5%
5%                                                     3%           3%


0%
       Sempre    Na maioria das vezes   Poucas vezes        Nunca
60%
                                        55%     55%


50%




40%

                    34%
                             33%

30%                                                                      2011
                                                                         2012


20%




10%
                                                       7%           7%
            5%
      4%


0%
       Sempre    Na maioria das vezes   Poucas vezes        Nunca
70%
                                        64%
                                                61%
60%



50%



40%

                                                                   2011
                                                                   2012
30%

                    23%      23%

20%

                                                       12%   13%

10%

            3%
      1%
0%
       Sempre    Na maioria das vezes   Poucas vezes     Nunca
80%
                                        74%

                                                69%
70%



60%



50%



40%                                                                2011
                                                                   2012

30%



20%
                    15%      16%
                                                             13%
                                                       11%
10%

            2%
      0%
0%
       Sempre    Na maioria das vezes   Poucas vezes     Nunca
   Não cumprimento dos prazos
   Comunicação
   Escopo não definido adequadamente
   Mudanças de escopo constantes
   Estimativas incorretas
   Entre outros...
Gerente de Projeto
  (na vida real)
   Agora, a principal motivação para pensarmos
    em Engenharia de Software:

     E na minha empresa, como funcionam os
    projetos de desenvolvimento ou manutenção
                    de software?

   Enfrentamos problemas com prazo, custo,
    qualidade, escopo, satisfação do cliente, etc.?
   Agora, a principal motivação para pensarmos
    em Engenharia de Software:

     E na minha empresa, como funcionam os
    projetos de desenvolvimento ou manutenção
                    de software?

   Enfrentamos problemas com prazo, custo,
    qualidade, escopo, satisfação do cliente, etc.?
alessandro.almeida@uol.com.br
www.slideshare.net/alessandroalmeida

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Engenharia de Software: padronização e qualidade em projetos

Engenharia de Software I - Aula 2
Engenharia de Software I - Aula 2Engenharia de Software I - Aula 2
Engenharia de Software I - Aula 2Alessandro Almeida
 
Gestão de Carreira em TI
Gestão de Carreira em TIGestão de Carreira em TI
Gestão de Carreira em TITI Infnet
 
Área de Atuação dos Designers formados pela Ulbra Carazinho
Área de Atuação dos Designers formados pela Ulbra CarazinhoÁrea de Atuação dos Designers formados pela Ulbra Carazinho
Área de Atuação dos Designers formados pela Ulbra CarazinhoOdolir Reginatto dos Santos
 
Como na vida original, ana margarida, barbara e gabriela
Como na vida original, ana margarida, barbara  e gabrielaComo na vida original, ana margarida, barbara  e gabriela
Como na vida original, ana margarida, barbara e gabrielacomonavida7bd
 
Apêndice c.tabelas pernambuco.com
Apêndice c.tabelas pernambuco.comApêndice c.tabelas pernambuco.com
Apêndice c.tabelas pernambuco.comCarly Falcão
 
Pano de negócios #ficadica
Pano de negócios   #ficadicaPano de negócios   #ficadica
Pano de negócios #ficadicaFelipe Russo
 
Calendário Econômico Pine: Menos atividade, menos inflação
Calendário Econômico Pine: Menos atividade, menos inflaçãoCalendário Econômico Pine: Menos atividade, menos inflação
Calendário Econômico Pine: Menos atividade, menos inflaçãoBanco Pine
 
Apresentação ao Conselho Consultivo
Apresentação ao Conselho ConsultivoApresentação ao Conselho Consultivo
Apresentação ao Conselho ConsultivoGabinete CNELPT
 
Palestra Órama ADVFN - Fundos de Ações – Uma Alternativa ao Ibovespa
Palestra Órama ADVFN - Fundos de Ações – Uma Alternativa ao IbovespaPalestra Órama ADVFN - Fundos de Ações – Uma Alternativa ao Ibovespa
Palestra Órama ADVFN - Fundos de Ações – Uma Alternativa ao IbovespaÓrama
 
Apresentação 3 t11
Apresentação 3 t11Apresentação 3 t11
Apresentação 3 t11SiteriCR2
 
CR2 Apresentação - 3T11
CR2   Apresentação - 3T11CR2   Apresentação - 3T11
CR2 Apresentação - 3T11CR2
 
Perspectivas da implantação da fitoterapia no sus
Perspectivas da implantação da fitoterapia no susPerspectivas da implantação da fitoterapia no sus
Perspectivas da implantação da fitoterapia no sushenriquetabosa
 
Apresentação 2 t10
Apresentação 2 t10Apresentação 2 t10
Apresentação 2 t10mmxriweb
 
Apresentação 2 t10
Apresentação 2 t10Apresentação 2 t10
Apresentação 2 t10mmxriweb
 
Repasse Mensal VP (Agosto)
Repasse Mensal VP (Agosto)Repasse Mensal VP (Agosto)
Repasse Mensal VP (Agosto)Gustavo Valverde
 

Semelhante a Engenharia de Software: padronização e qualidade em projetos (20)

Engenharia de Software I - Aula 2
Engenharia de Software I - Aula 2Engenharia de Software I - Aula 2
Engenharia de Software I - Aula 2
 
Gestão de Carreira em TI
Gestão de Carreira em TIGestão de Carreira em TI
Gestão de Carreira em TI
 
Área de Atuação dos Designers formados pela Ulbra Carazinho
Área de Atuação dos Designers formados pela Ulbra CarazinhoÁrea de Atuação dos Designers formados pela Ulbra Carazinho
Área de Atuação dos Designers formados pela Ulbra Carazinho
 
Como na vida original, ana margarida, barbara e gabriela
Como na vida original, ana margarida, barbara  e gabrielaComo na vida original, ana margarida, barbara  e gabriela
Como na vida original, ana margarida, barbara e gabriela
 
Apêndice c.tabelas pernambuco.com
Apêndice c.tabelas pernambuco.comApêndice c.tabelas pernambuco.com
Apêndice c.tabelas pernambuco.com
 
Pano de negócios #ficadica
Pano de negócios   #ficadicaPano de negócios   #ficadica
Pano de negócios #ficadica
 
Calendário Econômico Pine: Menos atividade, menos inflação
Calendário Econômico Pine: Menos atividade, menos inflaçãoCalendário Econômico Pine: Menos atividade, menos inflação
Calendário Econômico Pine: Menos atividade, menos inflação
 
Apresentação ao Conselho Consultivo
Apresentação ao Conselho ConsultivoApresentação ao Conselho Consultivo
Apresentação ao Conselho Consultivo
 
Palestra Órama ADVFN - Fundos de Ações – Uma Alternativa ao Ibovespa
Palestra Órama ADVFN - Fundos de Ações – Uma Alternativa ao IbovespaPalestra Órama ADVFN - Fundos de Ações – Uma Alternativa ao Ibovespa
Palestra Órama ADVFN - Fundos de Ações – Uma Alternativa ao Ibovespa
 
Apresentação 3 t11
Apresentação 3 t11Apresentação 3 t11
Apresentação 3 t11
 
CR2 Apresentação - 3T11
CR2   Apresentação - 3T11CR2   Apresentação - 3T11
CR2 Apresentação - 3T11
 
Gerdau
GerdauGerdau
Gerdau
 
Perspectivas da implantação da fitoterapia no sus
Perspectivas da implantação da fitoterapia no susPerspectivas da implantação da fitoterapia no sus
Perspectivas da implantação da fitoterapia no sus
 
Apresentação 2 t10
Apresentação 2 t10Apresentação 2 t10
Apresentação 2 t10
 
Apresentação 2 t10
Apresentação 2 t10Apresentação 2 t10
Apresentação 2 t10
 
Carência de Profissionais no Brasil
Carência de Profissionais no BrasilCarência de Profissionais no Brasil
Carência de Profissionais no Brasil
 
Pesquisa 1
Pesquisa 1Pesquisa 1
Pesquisa 1
 
Repasse Mensal VP (Agosto)
Repasse Mensal VP (Agosto)Repasse Mensal VP (Agosto)
Repasse Mensal VP (Agosto)
 
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
 
Repasse Global (SET)
Repasse Global (SET)Repasse Global (SET)
Repasse Global (SET)
 

Mais de Alessandro Almeida

[ServiceNow] Visão geral da plataforma
[ServiceNow] Visão geral da plataforma[ServiceNow] Visão geral da plataforma
[ServiceNow] Visão geral da plataformaAlessandro Almeida
 
[ServiceNow] Visão geral da plataforma
[ServiceNow] Visão geral da plataforma[ServiceNow] Visão geral da plataforma
[ServiceNow] Visão geral da plataformaAlessandro Almeida
 
Comunicação Não Violenta: Roda de Conversa
Comunicação Não Violenta: Roda de ConversaComunicação Não Violenta: Roda de Conversa
Comunicação Não Violenta: Roda de ConversaAlessandro Almeida
 
Uma visão prática (e parcial) sobre o Gerenciamento de Projetos, 2ª edição
Uma visão prática (e parcial) sobre o Gerenciamento de Projetos, 2ª ediçãoUma visão prática (e parcial) sobre o Gerenciamento de Projetos, 2ª edição
Uma visão prática (e parcial) sobre o Gerenciamento de Projetos, 2ª ediçãoAlessandro Almeida
 
[ServiceNow] Governança da Plataforma (5ª edição)
[ServiceNow] Governança da Plataforma (5ª edição)[ServiceNow] Governança da Plataforma (5ª edição)
[ServiceNow] Governança da Plataforma (5ª edição)Alessandro Almeida
 
[Projeto de Pesquisa] Psicanálise no processo de elaboração do luto
[Projeto de Pesquisa] Psicanálise no processo de elaboração do luto[Projeto de Pesquisa] Psicanálise no processo de elaboração do luto
[Projeto de Pesquisa] Psicanálise no processo de elaboração do lutoAlessandro Almeida
 
Obediência e conformidade no mundo corporativo: XX ENABRAPSO
Obediência e conformidade no mundo corporativo: XX ENABRAPSOObediência e conformidade no mundo corporativo: XX ENABRAPSO
Obediência e conformidade no mundo corporativo: XX ENABRAPSOAlessandro Almeida
 
[ServiceNow] Governança das Instâncias (4ª edição)
[ServiceNow] Governança das Instâncias (4ª edição)[ServiceNow] Governança das Instâncias (4ª edição)
[ServiceNow] Governança das Instâncias (4ª edição)Alessandro Almeida
 
[ServiceNow] Governança das Instâncias - 3ª versão
[ServiceNow] Governança das Instâncias - 3ª versão[ServiceNow] Governança das Instâncias - 3ª versão
[ServiceNow] Governança das Instâncias - 3ª versãoAlessandro Almeida
 
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]Alessandro Almeida
 
[ServiceNow] Dicas para upgrade de Versão
[ServiceNow] Dicas para upgrade de Versão[ServiceNow] Dicas para upgrade de Versão
[ServiceNow] Dicas para upgrade de VersãoAlessandro Almeida
 
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [2ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [2ª edição]Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [2ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [2ª edição]Alessandro Almeida
 
[ServiceNow] Upgrade de Versão: "Boas" Práticas
[ServiceNow] Upgrade de Versão: "Boas" Práticas[ServiceNow] Upgrade de Versão: "Boas" Práticas
[ServiceNow] Upgrade de Versão: "Boas" PráticasAlessandro Almeida
 
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
[Projeto Integrador] Psicologia ClínicaAlessandro Almeida
 
[ServiceNow] Governança das Instâncias
[ServiceNow] Governança das Instâncias[ServiceNow] Governança das Instâncias
[ServiceNow] Governança das InstânciasAlessandro Almeida
 
Templates: Mapa da Empatia, Canvas da Proposta de Valor, Canvas do Modelo de ...
Templates: Mapa da Empatia, Canvas da Proposta de Valor, Canvas do Modelo de ...Templates: Mapa da Empatia, Canvas da Proposta de Valor, Canvas do Modelo de ...
Templates: Mapa da Empatia, Canvas da Proposta de Valor, Canvas do Modelo de ...Alessandro Almeida
 
Minicurso - Aplicando o Design Thinking para definir a proposta de valor e o ...
Minicurso - Aplicando o Design Thinking para definir a proposta de valor e o ...Minicurso - Aplicando o Design Thinking para definir a proposta de valor e o ...
Minicurso - Aplicando o Design Thinking para definir a proposta de valor e o ...Alessandro Almeida
 
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo RealDesign Thinking: Do Conceito ao Mundo Real
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo RealAlessandro Almeida
 

Mais de Alessandro Almeida (20)

[ServiceNow] Visão geral da plataforma
[ServiceNow] Visão geral da plataforma[ServiceNow] Visão geral da plataforma
[ServiceNow] Visão geral da plataforma
 
[ServiceNow] Visão geral da plataforma
[ServiceNow] Visão geral da plataforma[ServiceNow] Visão geral da plataforma
[ServiceNow] Visão geral da plataforma
 
[ServiceNow] Now Create
[ServiceNow] Now Create[ServiceNow] Now Create
[ServiceNow] Now Create
 
Comunicação Não Violenta: Roda de Conversa
Comunicação Não Violenta: Roda de ConversaComunicação Não Violenta: Roda de Conversa
Comunicação Não Violenta: Roda de Conversa
 
Uma visão prática (e parcial) sobre o Gerenciamento de Projetos, 2ª edição
Uma visão prática (e parcial) sobre o Gerenciamento de Projetos, 2ª ediçãoUma visão prática (e parcial) sobre o Gerenciamento de Projetos, 2ª edição
Uma visão prática (e parcial) sobre o Gerenciamento de Projetos, 2ª edição
 
[ServiceNow] Now Create
[ServiceNow] Now Create[ServiceNow] Now Create
[ServiceNow] Now Create
 
[ServiceNow] Governança da Plataforma (5ª edição)
[ServiceNow] Governança da Plataforma (5ª edição)[ServiceNow] Governança da Plataforma (5ª edição)
[ServiceNow] Governança da Plataforma (5ª edição)
 
[Projeto de Pesquisa] Psicanálise no processo de elaboração do luto
[Projeto de Pesquisa] Psicanálise no processo de elaboração do luto[Projeto de Pesquisa] Psicanálise no processo de elaboração do luto
[Projeto de Pesquisa] Psicanálise no processo de elaboração do luto
 
Obediência e conformidade no mundo corporativo: XX ENABRAPSO
Obediência e conformidade no mundo corporativo: XX ENABRAPSOObediência e conformidade no mundo corporativo: XX ENABRAPSO
Obediência e conformidade no mundo corporativo: XX ENABRAPSO
 
[ServiceNow] Governança das Instâncias (4ª edição)
[ServiceNow] Governança das Instâncias (4ª edição)[ServiceNow] Governança das Instâncias (4ª edição)
[ServiceNow] Governança das Instâncias (4ª edição)
 
[ServiceNow] Governança das Instâncias - 3ª versão
[ServiceNow] Governança das Instâncias - 3ª versão[ServiceNow] Governança das Instâncias - 3ª versão
[ServiceNow] Governança das Instâncias - 3ª versão
 
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
 
[ServiceNow] Dicas para upgrade de Versão
[ServiceNow] Dicas para upgrade de Versão[ServiceNow] Dicas para upgrade de Versão
[ServiceNow] Dicas para upgrade de Versão
 
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [2ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [2ª edição]Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [2ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [2ª edição]
 
[ServiceNow] Upgrade de Versão: "Boas" Práticas
[ServiceNow] Upgrade de Versão: "Boas" Práticas[ServiceNow] Upgrade de Versão: "Boas" Práticas
[ServiceNow] Upgrade de Versão: "Boas" Práticas
 
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
[Projeto Integrador] Psicologia Clínica
 
[ServiceNow] Governança das Instâncias
[ServiceNow] Governança das Instâncias[ServiceNow] Governança das Instâncias
[ServiceNow] Governança das Instâncias
 
Templates: Mapa da Empatia, Canvas da Proposta de Valor, Canvas do Modelo de ...
Templates: Mapa da Empatia, Canvas da Proposta de Valor, Canvas do Modelo de ...Templates: Mapa da Empatia, Canvas da Proposta de Valor, Canvas do Modelo de ...
Templates: Mapa da Empatia, Canvas da Proposta de Valor, Canvas do Modelo de ...
 
Minicurso - Aplicando o Design Thinking para definir a proposta de valor e o ...
Minicurso - Aplicando o Design Thinking para definir a proposta de valor e o ...Minicurso - Aplicando o Design Thinking para definir a proposta de valor e o ...
Minicurso - Aplicando o Design Thinking para definir a proposta de valor e o ...
 
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo RealDesign Thinking: Do Conceito ao Mundo Real
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real
 

Engenharia de Software: padronização e qualidade em projetos

  • 1. Alessandro Almeida | www.alessandroalmeida.com
  • 3. Parte essencial do projeto, direcionando as tomadas de decisões, planejamento, desenvolvimento e manutenção de todo o ciclo de vida do projeto. Responsável pelo levantamento de requisitos, ou seja, toda a documentação do projeto necessária para o entendimento aprofundado do software a ser desenvolvido. Fundamental para o desenvolvimento de um software com qualidade. O desenvolvimento é complexo, envolvendo diversas áreas. Permite padronizar os processos, reduzindo custo e prazo.
  • 4. Especificação, desenvolvimento e manutenção de sistemas de software. Contém melhores práticas de gerenciamento de projetos, que visa organização, produtividade e qualidade. Conjunto de metodologias e boas práticas para arquitetar e planejar o desenvolvimento de qualquer tipo de software que atenda uma necessidade específica do cliente. Padrão para todas as fases de um desenvolvimento de sistemas, desde o levantamento de requisitos (regras de negócio) até testes e manutenções.
  • 5. Sobre as “boas práticas” ou “melhores práticas”
  • 6. Cuidado!!!!  Quem definiu que as práticas são boas ou melhores?  A empresa fez uma avaliação?  Houve um diagnóstico?  Os principais stakeholders foram ouvidos?  Sinal de alerta:  Consultoria ou um grupo restrito definindo e decidindo as “melhores” práticas para a área de TI
  • 7. Facilita o desenvolvimento de um projeto e define seus objetivos através de um estudo detalhado. Define o roteiro de construção do projeto, por meio de metodologias como ITIL, CMMI, etc. Como modelo conceitual, possui 3 elementos: Métodos, procedimentos e ferramentas. Nesses processos são envolvidos a parte de testes e manutenções, documentações que são desenvolvidas com custos e prazos estimados.
  • 8. Independente do tamanho do projeto e/ou empresa, a Engenharia de Software está presente na área de TI, organizando e auxiliando no desenvolvimento de projetos. Na maioria das empresas o responsável pelo levantamento de requisitos recebe toda a especificação dos projetos e alinha de acordo com as necessidades, utilizando, por exemplo, conceitos de UML. Passa as informações para a equipe de desenvolvimento, mas sempre acompanhando para que nada saia fora do que foi combinado.
  • 9. A Engenharia de Software ajuda na padronização e criação de processos, gerando várias documentações que auxiliam na tomada de decisões. Na minha empresa, é aplicada quando as fases de desenvolvimento de um software são divididas, definindo seus processos e padrão de qualidade.
  • 10. Cada empresa utiliza a Engenharia de Software conforme sua necessidade, onde, de acordo com o projeto, é estudado o melhor método para utilizar. Alguns mais complexos e detalhados, outros mais simples. Normalmente, a Engenharia de Software é aplicada nas empresas para que haja melhoria nos sistemas conforme levantamento dos requisitos com os usuários/clientes.
  • 11. Em empresas de grande porte, onde o cliente exige a qualidade do serviço, as consultorias utilizam todas as etapas da Engenharia de Software, incluindo recursos como CMMI, COBIT, entre outros. Mas internamente, nas consultorias e nos departamentos de uma empresa, o uso da Engenharia de Software é defasado, devido ao curto espaço de tempo para resolução de problemas e falta de conhecimento da gerência e direção.
  • 12.
  • 13. Disciplina de engenharia cujo foco está em todos os aspectos da produção de software, desde os estágios iniciais da especificação do sistema até sua manutenção, quando o sistema já está sendo usado.
  • 14. ...engenharia...  “construção, criação, execução de algo em que se utilize engenho e arte” (Fonte: Dicionário Houaiss)
  • 15. ...todos os aspectos da produção de software...  Não apenas processos “técnicos”, mas também as atividades de gerenciamento de projeto, por exemplo.
  • 17. Os números apresentados nos próximos slides são baseados nas edições 2011 e 2012 do Benchmarking em Gerenciamento de Projetos  Realizado por capítulos nacionais e internacionais (Argentina, França e Uruguai) do PMI  Disponível para download gratuito no endereço www.pmsurvey.org  Setor considerado: Tecnologia da Informação  Não é possível filtrar por tipo de projeto (por exemplo: “Projeto de desenvolvimento ou manutenção de software”)
  • 18. 80% 71% 70% 64% 60% 50% 40% 2011 2012 29% 30% 27% 20% 9% 10% 0% 0% 0% 0% Sempre Na maioria das vezes Poucas vezes Nunca
  • 19. 80% 71% 70% 64% 60% 50% 40% 2011 2012 29% 30% 27% 20% 9% 10% 0% 0% 0% 0% Sempre Na maioria das vezes Poucas vezes Nunca
  • 22. Consigo terminar meus projetos, mas sempre estoura algo... Nós
  • 23. ... principalmente custo e prazo. Nós
  • 24. Além disso, tenho uns 3 projetos que nunca terminam... Nós
  • 25. ... pois meu cliente não quer homologar. Nós
  • 26. 80% 71% 70% 64% 60% 50% 40% 2011 2012 29% 30% 27% 20% 9% 10% 0% 0% 0% 0% Sempre Na maioria das vezes Poucas vezes Nunca
  • 27. Como podemos definir 80% maioria das vezes e 71% 70% poucas vezes? 64% 60% 50% 40% 2011 2012 29% 30% 27% 20% 9% 10% 0% 0% 0% 0% Sempre Na maioria das vezes Poucas vezes Nunca
  • 28. Quem respondeu a 80% pesquisa? O gerente do 71% 70% projeto ou o cliente? 64% 60% 50% 40% 2011 2012 29% 30% 27% 20% 9% 10% 0% 0% 0% 0% Sempre Na maioria das vezes Poucas vezes Nunca
  • 29. Gerente de Projeto (na vida real)
  • 30. 50% 47% 45% 45% 45% 43% 40% 35% 30% 25% 2011 2012 20% 15% 10% 9% 5% 5% 3% 3% 0% Sempre Na maioria das vezes Poucas vezes Nunca
  • 31. 60% 55% 55% 50% 40% 34% 33% 30% 2011 2012 20% 10% 7% 7% 5% 4% 0% Sempre Na maioria das vezes Poucas vezes Nunca
  • 32. 70% 64% 61% 60% 50% 40% 2011 2012 30% 23% 23% 20% 12% 13% 10% 3% 1% 0% Sempre Na maioria das vezes Poucas vezes Nunca
  • 33. 80% 74% 69% 70% 60% 50% 40% 2011 2012 30% 20% 15% 16% 13% 11% 10% 2% 0% 0% Sempre Na maioria das vezes Poucas vezes Nunca
  • 34. Não cumprimento dos prazos  Comunicação  Escopo não definido adequadamente  Mudanças de escopo constantes  Estimativas incorretas  Entre outros...
  • 35. Gerente de Projeto (na vida real)
  • 36. Agora, a principal motivação para pensarmos em Engenharia de Software: E na minha empresa, como funcionam os projetos de desenvolvimento ou manutenção de software?  Enfrentamos problemas com prazo, custo, qualidade, escopo, satisfação do cliente, etc.?
  • 37. Agora, a principal motivação para pensarmos em Engenharia de Software: E na minha empresa, como funcionam os projetos de desenvolvimento ou manutenção de software?  Enfrentamos problemas com prazo, custo, qualidade, escopo, satisfação do cliente, etc.?
  • 38.