Aula 7 e 8 - Turma 3-ED3

683 visualizações

Publicada em

Aula 7 e 8 - Turma 3-ED3

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 7 e 8 - Turma 3-ED3

  1. 1. 14/9/2015 1 unipacs.com.br Aula 7 AULA 7 e 8 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Tecnologia da Construção unipacs.com.br Aula 7 A vida útil de uma construção é diretamente influenciada pela presença dos sistemas de impermeabilização, que, protegem as estruturas contra a ação nociva da água. Eles cumprem a função de formar uma barreira física que contém a propagação da umidade e evitam infiltrações. Consequentemente, previnem também o aparecimento de manchas de bolor, desplacamento de azulejos, surgimento de goteiras, corrosão de armaduras, entre outros. IMPERMEABILIZAÇÃO PROTEÇÃO → VIDA ÚTIL
  2. 2. 14/9/2015 2 unipacs.com.br Aula 7 Os impermeabilizantes são usados em praticamente todas as partes da construção, como fundações, subsolos, áreas molháveis, lajes, piscinas, reservatórios, paredes de contenção. As soluções disponíveis no mercado são variadas. Os fabricantes estão presentes em todo o Brasil, e seus catálogos técnicos contêm dezenas de produtos para atender a diferentes necessidades na construção. Para tanto, a NBR 9575:2010 - Impermeabilização – Projeto e Seleção estabelece as exigências e recomendações relativas à seleção e projeto de impermeabilização, para que sejam atendidas as condições mínimas de proteção da construção contra a passagem de fluidos, bem como a salubridade, segurança e conforto do usuário, de forma a ser garantida a estanqueidade das partes construtivas que a requeiram. IMPERMEABILIZAÇÃO unipacs.com.br Aula 7 NBR 7200:1982 – Revestimento de paredes e tetos com argamassas – Materiais, preparo, aplicação e manutenção – Procedimento; NBR 7211:2009 – Agregados para concreto - Especificação NBR 8214:1983 – Assentamento de azulejos – Procedimento; NBR 9574:2008 – Execução de Impermeabilização; NBR 9575:2010 – Elaboração de Projetos de Impermeabilização; NBR 9817:1987 – Execução de piso com revestimento cerâmico – Procedimento; NBR 9952:2014 – Manta Asfáltica Para Impermeabilização NBR 13755:1996 – Revestimento de paredes externas e fachadas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante – Procedimento; NBR 13753:1996 – Revestimento de piso interno ou piso externo com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante – Procedimento; NBR 14081:2015 – Argamassa colante industrializada para assentamento de placas de cerâmica – Especificação; NBR 14992:2004 – Argamassa a base de cimento Portland para rejuntamento de placas cerâmicas – Requisitos e métodos de ensaios. IMPERMEABILIZAÇÃO REFERENCIAS NORMATIVAS:
  3. 3. 14/9/2015 3 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Seleção e Projeto unipacs.com.br Aula 7 Rígido A impermeabilização do tipo rígido deve ser de: a) argamassa impermeável com aditivo hidrófugo; b) argamassa modificada com polímero; c) argamassa polimérica; d) cimento cristalizante para pressão negativa; e) cimento modificado com polímero; f) membrana epoxídica. TIPOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2003 Impermeabilização – Projeto e Seleção
  4. 4. 14/9/2015 4 unipacs.com.br Aula 7 Flexível A impermeabilização do tipo flexível deve ser de: a) membrana de asfalto modificado sem adição de polímero; b) membrana de asfalto modificado com adição de polímero elastomérico; c) membrana de emulsão asfáltica; d) membrana de asfalto elastomérico em solução; e) membrana elastomérica de policloropreno e polietileno clorossulfonado; f) membrana elastomérica de poliisobutileno isopreno (I.I.R), em solução; g) membrana elastomérica de estireno-butadieno-estireno (S.B.S.); h) membrana de poliuretano; TIPOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2003 Impermeabilização – Projeto e Seleção unipacs.com.br Aula 7 Flexível i) membrana de poliuréia; j) membrana de poliuretano modificado com asfalto; l) membrana de polímero modificado com cimento; m) membrana acrílica; n) manta asfáltica; o) manta de acetato de etilvinila (E.V.A.); p) manta de policloreto de vinila (P.V.C.); q) manta de polietileno de alta densidade (P.E.A.D.); r) manta elastomérica de etilenopropilenodieno-monômero (E.P.D.M.); s) manta elastomérica de poliisobutileno isopreno (I.I.R). TIPOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2003 Impermeabilização – Projeto e Seleção
  5. 5. 14/9/2015 5 unipacs.com.br Aula 7 Cimentícios a) argamassa com aditivo impermeabilizante; b) argamassa modificada com polímero; c) argamassa polimérica; d) cimento modificado com polímero. TIPOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção unipacs.com.br Aula 7 Asfálticos a) membrana de asfalto modificado sem adição de polímero; b) membrana de asfalto elastomérico; c) membrana de emulsão asfáltica; d) membrana de asfalto elastomérico, em solução; e) manta asfáltica. TIPOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção
  6. 6. 14/9/2015 6 unipacs.com.br Aula 7 Poliméricos a) membrana elastomérica de policloropreno e polietileno clorossulfonado; b) membrana elastomérica de poliisobutileno isopreno (I.l.R), em solução; c) membrana elastomérica de estireno-butadieno-estireno (S.B.S.); d) membrana elastomérica de estireno-butadieno-eçtireno-ruber (S.B.R.); e) membrana de poliuretano; f) membrana de poliuréia; g) membrana de poliuretano modificado com asfalto; TIPOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção unipacs.com.br Aula 7 Poliméricos TIPOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção h) membrana de polímero acrílico com ou sem cimento; i) membrana acrílica para impermeabilização; j) membrana epoxídica; k) manta de acetato de etilvinila (E.V.A.); I) manta de policloreto de vinila (P.V.G.); m) manta de polietileno de alta densidade (P.E.A.D.); n) manta elastomérica de etilenopropilenodieno-monomero (E.P.D.M.); o ) manta elastomérica de poliisobutileno isopreno (1.l.R).
  7. 7. 14/9/2015 7 unipacs.com.br Aula 7 Substrato a ser impermeabilizado O substrato a ser impermeabilizado pode ser, entre outros, os seguintes: a) alvenaria; b) concreto; c) fibrocimento ou fibra sintética; d) gesso acartonado; e) madeira; f) metal; g) plástico; g) solo. NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção IMPERMEABILIZAÇÃO unipacs.com.br Aula 7 Serviços auxiliares Os serviços auxiliares da impermeabilização são classificados segundo a sua função, como: a) preparo do substrato (ver ABNT NBR 9574); b) preenchimento de juntas: - cordão de poliestireno; - cordão de polietileno; - cordão de sisal; - cordão de náilon; - elemento de poliestireno; - elemento de lã de vidro; - elemento de lã de rocha; - lâminas metálicas; - mastiques asfálticos; IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção
  8. 8. 14/9/2015 8 unipacs.com.br Aula 7 Serviços auxiliares c) tratamento estanque de juntas: - faixas de mantas asfáltica; - faixas de mantas elastoméricas de poliisobutileno isopreno (I.I.R.); - faixas de mantas elastoméricas de etilenopropilenodieno-monhro (E.F)D.M.); - perfil de policloropreno; - perfil de policloreto de vinila (PV.G.); - selantes (mastiques); - membrana elastomérica de poliisobutileno isopreno (I.I.R.), em solução, estruturada; d) tratamento por inserção: - injeções de silicatos; - injeções de resinas poliméricas; - bloqueadores hidráulicos para tamponamento IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção unipacs.com.br Aula 7 Serviços complementares a) camada de imprimação: - solução; - emulsão; - cimentícia; b) camada-berço: - adesivo elastomérico; - asfaltico; - geotêxtil de poliéster ou polipropileno; - manta asfáltica; -poliestireno expandido ou extrudado (E.PS.); IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção
  9. 9. 14/9/2015 9 unipacs.com.br Aula 7 Serviços complementares c) camada de amortecimento: - composta por areia, cimento e emulslo asfáltica; - geotêxtil de poliéster ou polipropileno; - emulsão asfhltica com borracha moída; -poliestireno expandido ou extrudado (E.P.S.); d) camada drenante: - geotêxtil; - geocomposto; -polipropileno; e) camada separadora: - filme polietileno; - papel Kraft aplicado sobre camada geotêxtil; -papel Kraft betumado; IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção unipacs.com.br Aula 7 Serviços complementares f) camada de proteção mecânica: - argamassa; - concreto; - geotextil; - metal; - solo; - agregado; IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção g) camada de proteção térmica: - concreto celular; - lá de rocha; - lá de vidro; - mineral expandi - poliestireno; - poliuretano; - solo.
  10. 10. 14/9/2015 10 unipacs.com.br Aula 7 Seleção a) imposta pela água de percolação; b) imposta pela água de condensação; c) imposta pela umidade do solo; d) imposta pelo fluido sob pressão unilateral ou bilateral IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção unipacs.com.br Aula 7 Qual o tipo de impermeabilização ideal? O tipo adequado de impermeabilização a ser empregado na construção civil deve ser determinado segundo a solicitação imposta pelo fluido nas partes construtivas que requeiram estanqueidade. Na NBR 9575:2003 o tipo de tratamento dado estão descritos nos itens: 5.1 Impermeabilização contra água de percolação 5.2 Impermeabilização contra água de condensação 5.3 Impermeabilização contra umidade do solo 5.4 Impermeabilização contra fluidos que atuam sob pressão unilateral ou bilateral Todavia essa versão da NBR despreza os novos tratamentos e materiais, essa inovação é tão constante que a NBR 9575:2010 não discrimina mais esses serviços IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção
  11. 11. 14/9/2015 11 unipacs.com.br Aula 7 A impermeabilização deve ser projetada de modo a: a) evitar a passagem de fluidos evapores nas construções, pelas partes que requeiram estanqueidade, podendo ser integrados ou não outros sistemas construtivos, desde que observadas normas específicas de desempenho que proporcionem as mesmas condições de estanqueidade; b) proteger os elementos e componentes construtivos que estejam expostos ao intemperismo, contra a ação de agentes agressivos presentes na atmosfera; c) proteger o meio ambiente de agentes contaminantes por meio da utilização de sistemas de impermeabilização; d) possibilitar sempre que possível acesso a impermeabilização, com o mínimo de intervenção nos revestimentos sobrepostos a ela, de modo a ser evitada, tão logo sejam percebidas falhas do sistema impermeável, a degradação das estruturas e componentes construtivos. IMPERMEABILIZAÇÃO Requisitos de projeto NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção Estudo preliminar: a) relatório contendo a qualificação das áreas; b) planilha contemplando os tipos de impermeabilização aplicáveis ao empreendimento, de acordo com os conceitos do projetista e incorporador contratante. Projeto básico de impermeabilização: a) definição das áreas a serem impermeabilizadas e equacionamento das interferências existentes entre todos os elementos e componentes construtivos; b) definição dos sistemas de impermeabilização; c) planilha de levantamento quantitativo; d) estudo de desempenho; e) estimativa de custos. Requisitos de projeto
  12. 12. 14/9/2015 12 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção Projeto executivo de impermeabilização: a) plantas de localização e identificação das impermeabilizações, bem como dos locais de detalhamento construtivo; b) detalhes específicos e genéricos que descrevam graficamente todas as soluções de impermeabilização; c) detalhes construtivos que descrevam graficamente as soluções adotadas no projeto de arquitetura; d) memorial descritivo de materiais e camadas de impermeabilização; e) memorial descritivo de procedimentos de execução; f) planilha de quantitativos de materiais e serviços. Requisitos de projeto unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção Serviços complementares ao projeto executivo de impermeabilização: a) metodologia para controle e inspeção dos serviços; b) metodologia para controle dos ensaios tecnológicos de produtos especificados; c) diretrizes para elaboração de manual de uso, operação e manutenção. Requisitos de projeto
  13. 13. 14/9/2015 13 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção Características específicas Os sistemas de impermeabilização a serem adotados devem atender a uma ou mais das seguintes exigências: a) resistir as cargas estáticas e dinâmicas atuantes sob e sobre a impermeabilização, b) resistir aos efeitos dos movimentos de dilatação e retração do substrato e revestimentos, ocasionados por variações térmicas, c) resistir a degradação ocasionada por influências climáticas, térmicas, químicas ou biológicas, d) resistir as pressões hidrostáticas, de percolação, coluna d'água e umidade de solo, bem como descolamento ocasionado por perda de aderência; e) apresentar aderência, flexibilidade, resistência e estabilidade físico-mecânica compatíveis com as solicitações previstas nos demais projetos; f) resistir ao ataque e agressão de raízes de plantas ornamentais. unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção 6.4 Detalhes construtivos O projeto executivo de impermeabilização deve atender aos seguintes detalhes construtivos: a) a inclinação do substrato das áreas horizontais deve ser definida após estudos de escoamento, sendo no mínimo de 1% em direção aos coletores de água. Para calhas e áreas internas é permitido o mínimo de 0,5%; b) os coletores devem ter diâmetro que garanta a manutenção da seção nominal dos tubos prevista no projeto hidráulico após a execução da impermeabilização, sendo o diâmetro nominal mínimo 75 mm. Os coletores devem ser rigidamente fixados a estrutura. Este procedimento também deve ser aplicado aos coletores que atravessam vigas invertidas; c) deve ser previsto nos planos verticais encaixe para embutir a impermeabilização, para o sistema que assim o exigir, a uma altura mínima de 20 cm acima do nível do piso acabado ou 19 cm do nível máximo que a água pode atingir;
  14. 14. 14/9/2015 14 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção 6.4 Detalhes construtivos d) nos locais limites entre áreas externas impermeabilizadas e áreas internas, deve haver diferença de cota de no mínimo 6 cm e ser prevista a execução de barreira física no limite da linha interna dos contra-marcos, caixilhos e batentes, para perfeita ancoragem da impermeabilização, com declividade para a área externa. Deve-se observar a execução de arremates adequados ao tipo de impermeabilização adotada e selamentos adicionais nos caixilhos, contra-marcos, batentes e outros elementos de interferência; e) toda instalação que necessite ser fixada na estrutura, no nível da impermeabilização, deve possuir detalhes específicos de arremate e reforços da impermeabilização; f) toda a tubulação que atravesse a impermeabilização deve ser fixada na estrutura e possuir detalhes específicos de arremate e reforços da impermeabilização; unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção 6.4 Detalhes construtivos g) as tubulações hidráulica, elétrica, de gás e outras que passam paralelamente sobre a laje devem ser executadas sobre a impermeabilização e nunca sob ela. Estas tubulações, quando aparentes, devem ser executadas no mínimo 10 cm acima do nível do piso acabado, depois de terminada a impermeabilização e seus complementos; h) quando houver tubulações embutidas na alvenaria, deve ser prevista proteção adequada para a fixação da impermeabilização; i) as tubulações externas às paredes devem ser afastadas entre elas ou dos planos verticais no mínimo 16 cm; j) as tubulações que transpassam as lajes impermeabilizadas devem ser rigidamente fixadas a estrutura;
  15. 15. 14/9/2015 15 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção 6.4 Detalhes construtivos k) quando houver tubulações de água quente embutidas ou sistema de aquecimento de pisos, deve ser prevista isolação térmica adequada destas para execução da impermeabilizações; l) todo encontro entre planos verticais e horizontais deve possuir detalhes específicos da impermeabilização; m) os planos verticais a serem impermeabilizados devem ser executados com elementos rigidamente solidarizados às estruturas, até a cota final de arremate da impermeabilização, prevendo-se os reforços necessários; n) a impermeabilização deve ser executada em todas as áreas sob o enchimento. Recomenda-se também executá-la sobre o enchimento. Devem ser previstos, em ambos os níveis, pontos de escoamento de fluidos; unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção 6.4 Detalhes construtivos o) as arestas e os cantos vivos das áreas a serem impermeabilizadas devem ser arredondados sempre que a impermeabilização assim requerer; p) as proteções mecânicas, bem como os pisos posteriores, devem possuir juntas de retração e trabalho térmico preenchidos com materiais deformáveis, principalmente no encontro de diferentes planos; q) as juntas de dilatação devem ser divisoras de água, com cotas mais elevadas no nivelamento do caimento, bem como deve ser previsto detalhamento específico, principalmente quanto ao rebatimento de sua abertura na proteção mecânica e nos pisos posteriores;
  16. 16. 14/9/2015 16 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9575:2010 Impermeabilização – Projeto e Seleção 6.4 Detalhes construtivos r) todas as áreas onde houver desvio devem receber impermeabilização na laje superior e recomenda-se também na laje inferior; s) nos locais onde a impermeabilização for executada sobre contrapiso, este deve estar perfeitamente aderido ao substrato. unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO
  17. 17. 14/9/2015 17 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9574:2008 Execução de Impermeabilização 5. Condições específicas  O executante das obras de impermeabilização deve obedecer rigorosamente ao projeto, principalmente aos detalhes e às especificações.  As cavidades ou ninhos existentes na superfície devem ser preenchidos com argamassa de cimento e areia traço volumétrico (1:3), com ou sem aditivos.  As trincas e fissuras devem ser tratadas de forma compatível com o sistema de impermeabilização a ser empregado.  As superfícies devem estar suficientemente secas, de acordo com a necessidade do sistema de impermeabilização a ser empregado, cabendo a decisão ao executante. unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9574:2008 Execução de Impermeabilização 5. Condições específicas  O substrato a ser impermeabilizado não deve apresentar cantos e arestas vivos, os quais devem ser arredondados com raio compatível com o sistema de impermeabilização a ser empregado.  As superfícies devem estar limpas de poeiras, óleos ou graxas, isentas de restos de forma, pontas de ferro, partículas soltas, etc.  Toda superfície a ser impermeabilizada e que requeira escoamento d’água deve ter um caimento mínimo de 1,0% em direção aos cloretos.  A superfície a ser impermeabilizada deve ser isenta de protuberâncias e com resistência e textura compatíveis com o sistema de impermeabilização a ser empregado.
  18. 18. 14/9/2015 18 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9574:2008 Execução de Impermeabilização 5. Condições específicas  Caso não sejam atendidos os requisitos das seções 5.7 e/ou 5.8, deve ser executada uma regularização, com argamassa de cimento e areia traço volumétrico (1:3), granulometria de areia de 0 mm a 3 mm sem adição de aditivos impermeabilizantes. A camada de regularização deve estar perfeitamente aderida ao substrato.  Devem ser cuidadosamente executados os detalhes como, juntas, ralos, rodapés, passagem de tubulações, emendas, ancoragem, etc.  Caso o sistema de impermeabilização necessite, deve ser providenciado durante sua execução proteção adequada contra a ação das intempéries. unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9574:2008 Execução de Impermeabilização 5. Condições específicas  Deve ser vedado o trânsito de pessoal, material e equipamento, estranhos ao processo de impermeabilização, durante a sua execução.  Devem ser observadas as normas de segurança quanto ao fogo no caso das impermeabilizações que utilizam materiais asfálticos a quente da mesma forma quando utilizados processos moldados no local, com solventes, cuidados especiais deverão ser tomados em ambientes fechados, no tocante ao fogo, explosão e intoxicação, a que o pessoal estiver sujeito, devendo ser prevista uma ventilação forçada.
  19. 19. 14/9/2015 19 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO NBR 9574:2008 Execução de Impermeabilização 5. Condições específicas  Após a execução da impermeabilização, recomenda-se ser efetuada uma prova de carga com lâmina d’água, com duração mínima de 72 h para verificação da aplicação do sistema empregado.  Caso seja necessário interromper os serviços de impermeabilização, devem ser seguidos os critérios do sistema para uma posterior continuidade destes. unipacs.com.br Aula 7 De maneira geral, na grande maioria das impermeabilizações, salvo casos excepcionais, os serviços/camadas que fazem parte de um sistema de impermeabilização são: • Regularização • Primer • Camadas impermeabilizantes • Proteção mecânica • Camada separadora • Proteção armada/revestimento • Rufo/calha/algeroz IMPERMEABILIZAÇÃO
  20. 20. 14/9/2015 20 unipacs.com.br Aula 7 unipacs.com.br Aula 7
  21. 21. 14/9/2015 21 unipacs.com.br Aula 7 unipacs.com.br Aula 7
  22. 22. 14/9/2015 22 unipacs.com.br Aula 7 unipacs.com.br Aula 7
  23. 23. 14/9/2015 23 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO
  24. 24. 14/9/2015 24 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO
  25. 25. 14/9/2015 25 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO
  26. 26. 14/9/2015 26 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO TIPOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Apesar de que a nova NBR 9575:2010 não discriminar mais a relação solicitação imposta X tipo de serviço, a maioria dos produtos para impermeabilização encontrados no mercado ainda são classificados pelo tipo de impermeabilização: em rígida e flexível. Com base nisso, apresentamos as técnicas mais conhecidas nas lâminas a seguir. unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO TIPOS DE IMPERMEABILIZAÇÃO
  27. 27. 14/9/2015 27 unipacs.com.br Aula 7 São vendidos como:  Argamassas industrializadas,  Produtos bicomponentes ou como  Aditivos químicos para argamassa ou concreto. Esses produtos incorporam-se à estrutura protegida e, com uma cura adequada, apresentam baixa porosidade e grande estanqueidade. Podem ser encontrados, ainda, em forma de pinturas que formam um revestimento impermeável. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES RÍGIDOS unipacs.com.br Aula 7 A especificação do impermeabilizante correto, depende de alguns fatores, como por exemplo: IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES RÍGIDOS  Movimentação estrutural;  Exposição aos fenômenos climáticos;  Existência ou não de trânsito de veículos e pessoas;  Exposição a agentes químicos.
  28. 28. 14/9/2015 28 unipacs.com.br Aula 7 Na impermeabilização rígida, os produtos normalmente incorporam-se às estruturas tratadas (revestimentos de argamassa, pisos de concreto, fundações, etc.), adquirindo suas características. Sua eficácia depende, sobretudo, da integridade do sistema. Até pequenas fissuras podem servir de caminho para infiltrações. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES RÍGIDOS unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES RÍGIDOS
  29. 29. 14/9/2015 29 unipacs.com.br Aula 7 Como os impermeabilizantes rígidos não resistem a movimentações intensas, seu emprego se dá principalmente em elementos enterrados, mais estáveis, como proteção contra a umidade proveniente do solo. Cada produto tem seus próprios métodos de preparo e aplicação. Por isso, é fundamental seguir à risca os procedimentos indicados pelo fabricante e suas especificações sobre o consumo de material, tempo de secagem e necessidade ou não de proteção mecânica. A seguir, os impermeabilizantes mais tradicionais e suas aplicações. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES RÍGIDOS unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO 2 - Reboco com aditivo impermeabilizante 1 - Chapisco com resina sintética 3 - Tinta asfáltica 4 - Tubulação drenante com geomanta 5 - Impermeabilizante polimérico
  30. 30. 14/9/2015 30 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES RÍGIDOS unipacs.com.br Aula 7 São encontrados em forma de mantas pré-fabricadas ou moldadas no local, que, depois de secas, formam uma membrana protetora. Esses produtos garantem a estanqueidade das estruturas ao mesmo tempo que, por serem mais elásticos, se adaptam às movimentações a que elas estão sujeitas. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  31. 31. 14/9/2015 31 unipacs.com.br Aula 7 Um dos materiais mais usados nas impermeabilizações é a manta asfáltica, que é um impermeabilizante flexível. Trata-se de um sistema flexível pré-fabricado, formado por um elemento estruturante central - filamentos de poliéster ou fibra de vidro, que conferem ao produto grande resistência mecânica - recoberto em ambas as faces por um composto asfáltico. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS unipacs.com.br Aula 7 Manta Asfáltica Mantas são aderidas à superfície com asfalto oxidado a quente ou com maçarico a gás IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  32. 32. 14/9/2015 32 unipacs.com.br Aula 7 A manta é indicada para estruturas sujeitas a movimentação e fissuras, e normalmente em dimensões superiores a 50 m2. Pode ser usada em espaços menores, porém, quanto menor a área para aplicar a manta, maior a possibilidade de falhas de execução, devido à necessidade de recortes e emendas. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS unipacs.com.br Aula 7 A norma técnica NBR 9952:2014 - Manta Asfáltica Para Impermeabilização, classifica as mantas em quatro categorias conforme as características de tração, alongamento, flexibilidade e espessura, que vai de 3 mm a 5 mm. As mantas também têm acabamentos diferentes, que variam segundo o tipo de aplicação (maçarico ou asfalto quente) e a exposição ao sol e à chuva. E diferenciam-se com relação ao asfalto usado na fabricação, que pode ser elastomérico ou plastomérico. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  33. 33. 14/9/2015 33 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS unipacs.com.br Aula 7 Primer Manta Asfáltica IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  34. 34. 14/9/2015 34 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS  Manta Asfáltica (Colocação com maçarico a gás) unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS  Manta Asfáltica (Colocação com maçarico a gás)
  35. 35. 14/9/2015 35 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS  Manta Asfáltica (Teste hidrostático) unipacs.com.br Aula 7  Manta Asfáltica (Teste hidrostático) IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  36. 36. 14/9/2015 36 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS  Manta Asfáltica (Procedimento de instalação) unipacs.com.br Aula 7  Manta Asfáltica (Procedimento de instalação) IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  37. 37. 14/9/2015 37 unipacs.com.br Aula 7  Manta Asfáltica (Detalhamento: Caimento, rodapé e ralo) IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS unipacs.com.br Aula 7  Papel Kraft (Camada separadora entre a manta e a proteção mecânica) IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  38. 38. 14/9/2015 38 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS  Filme de polietileno (Camada separadora entre a manta e a proteção mecânica) unipacs.com.br Aula 7  Tela de galinheiro (Estruturação do reboco) IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  39. 39. 14/9/2015 39 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS  Manta Asfáltica Aluminizada (áreas sem tráfego) unipacs.com.br Aula 7  Manta Asfáltica Aluminizada (áreas sem tráfego) IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  40. 40. 14/9/2015 40 unipacs.com.br Aula 7  Impermeabilizantes moldados in loco A impermeabilização moldada in loco é obtida pela aplicação, a frio ou a quente, de sucessivas demãos de um impermeabilizante líquido na superfície a ser tratada, que forma depois de seco, uma membrana flexível e sem emendas. Os produtos desse sistema variam em relação à flexibilidade, à resistência aos raios solares e aos procedimentos de aplicação, entre outros aspectos. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS unipacs.com.br Aula 7 Asfalto a quente Emulsões e soluções asfálticas IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  41. 41. 14/9/2015 41 unipacs.com.br Aula 7 Membrana de poliuretano Membrana acrílica IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS unipacs.com.br Aula 7 Os sistemas moldados in loco são indicados para espaços menores ou de acesso mais difícil, como áreas molháveis e pequenas lajes, onde o uso de mantas asfálticas é contraindicado. Sobretudo no caso das membranas líquidas aplicadas a frio, é preciso respeitar o consumo do produto indicado na embalagem, assim como o número de demãos, já que a economia nesse serviço pode resultar em uma impermeabilização deficiente. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  42. 42. 14/9/2015 42 unipacs.com.br Aula 7 IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS unipacs.com.br Aula 7 Mantas pré fabricadas As mantas pré-fabricadas à base de diferentes tipos de materiais sintéticos (PEAD, PVC, etc...) também podem ser utilizados nos sistemas impermeabilizantes. Feitas de ligas elásticas e flexíveis, adaptam-se com facilidade a locais sujeitos a movimentações e vibrações. Também são resistentes aos raios ultravioletas e a ataques químicos, dependendo de sua formulação. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  43. 43. 14/9/2015 43 unipacs.com.br Aula 7 Geomembrana PEAD Manta de PVC IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS unipacs.com.br Aula 7 O uso das geomembranas de PEAD são mais indicadas para obras de maior porte, como lagos artificiais, aterros sanitários e tanques. Além de proteger as estruturas, a impermeabilização nesses casos também tem o objetivo de preservar o meio ambiente. Elas criam uma barreira física que evita a contaminação do solo e de lençóis freáticos por material orgânico decomposto, óleos e combustíveis. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS
  44. 44. 14/9/2015 44 unipacs.com.br Aula 7 As mantas de PVC, também são bastante utilizadas em obras de edificações, principalmente na impermeabilização de coberturas. Há produtos disponíveis na cor branca, que, reflete os raios solares e, com isso, ajuda a diminuir a temperatura no interior da edificação e no seu entorno. Atualmente, a procura por essas mantas tem aumentado bastante em função das certificações para edifícios sustentáveis, como os selos Leed e Aqua. IMPERMEABILIZAÇÃO IMPERMEABILIZANTES FLEXÍVEIS unipacs.com.br Aula 7 Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa Dúvidas: eng.alexandrabarbosa@gmail.com Para baixar os arquivos: www.amb-engenharia.blogspot.com As imagens deste trabalho foram todas digitalizadas dos livros de referência ou baixadas da internet , não há nenhuma pretensão em reivindicar sua autoria.

×