SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
58
5. Derivada
O conceito de derivada está intimamente relacionado à taxa de variação instantânea de uma
função, o qual está presente no cotidiano das pessoas, através, por exemplo, da determinação da
taxa de crescimento de uma certa população, da taxa de crescimento econômico do país, da taxa de
redução da mortalidade infantil, da taxa de variação de temperaturas, da velocidade de corpos ou
objetos em movimento, enfim, poderíamos ilustrar inúmeros exemplos que apresentam uma função
variando e que a medida desta variação se faz necessária em um determinado momento. Para
entendermos como isso se dá, inicialmente vejamos a definição matemática da derivada de uma
função em um ponto:
Definição: Se uma função f é definida em um intervalo aberto contendo x0, então a derivada de f
em x0, denotada por f ’(x0), é dada por:
)(' 0xf =
0
lim
→∆x x
xfxxf
∆
−∆+ )()( 00
,
se este limite existir. Dx representa uma pequena variação em x, próximo de x0, ou seja, tomando
)( 00 xxxxxx −=∆∆+= , a derivada de f em x0 pode também se expressa por
)(' 0xf =
0
lim
xx→
0
0 )()(
xx
xfxf
−
−
.
Notações: 'f ( x0,) ,
0xxdx
df
=
, )( 0x
dx
df
.
Interpretação física: a derivada de uma função f em um ponto x0 fornece taxa de variação
instantânea de f em x0. Vejamos como isso ocorre:
Suponha que y seja uma função de x, ou seja, y = f(x). Se x variar de um valor x0 até um valor
x1, representaremos esta variação de x, que também é chamada de incremento de x, por Dx = x1 - x0,
e a variação de y é dada por Dy = f(x1)- f (x0), o que é ilustrado na figura a seguir:
59
O quociente das diferenças, dado por
01
01 )()(
xx
xfxf
x
y
−
−
=
∆
∆
, é dito taxa de variação média de y em
relação a x, no intervalo [x0, x1 ]. O limite destas taxas médias de variação, quando Dx Ø 0, é
chamado de taxa de variação instantânea de y em relação a x, em x = x0. Assim, temos:
Taxa de variação instantânea =
x
xfxxf
xx
xfxf
xxx ∆
−∆+
=
−
−
→∆→
)()(
lim
)()(
lim 00
0
01
01
01
.
Porém, )('
)()(
lim 0
00
0
xf
x
xfxxf
x
=
∆
−∆+
→∆
.
Portanto, a taxa de variação instantânea de uma função em um ponto é dada pela sua derivada neste
ponto.
Exemplos:
1) Suponha que a posição de uma partícula em movimento sobre uma reta r seja dada por
p(t) = t2
- 6t, onde p(t) é medida em pés e t em segundos.
a) Determine a velocidade em um instante t = a qualquer.
b) Determine a velocidade da partícula em t = 0 e t = 4.
c) Determine os intervalos de tempo durante os quais a partícula se move no sentido positivo e
negativo sobre r.
d) Em que instante a velocidade é nula?
Solução:
a) A velocidade instantânea é o limite da velocidade média, quando consideramos um intervalo de
tempo tendendo a zero, o que é fornecido pela derivada da função posição, no instante desejado.
Portanto, temos:
x0 x1 x
y = f (x)
f (x0)
f (x1)
Dx
Dy
60
Velocidade média da partícula no intervalo de tempo ∆t:
Vm=
t
aptap
∆
−∆+ )()(
t
aatata
∆
−−∆+−∆+
=
)]6()(6)][( 22
2
222
6662
t
aatattaa
∆
+−∆−−∆∆+
=
t
ttta
∆
∆−∆+∆
=
62 2
62 −∆+= ta
Velocidade instantânea =
62)62(lim
)()(
lim)(
00
−=−∆+=
∆
−∆+
=
→∆→∆
ata
t
aptap
aV
tt
b) t = 0 ⇒ V(0) = 2.(0) – 6 = - 6 pés/s
t = 4 ⇒ V(4) = 2.(4) – 6 = 2 pés/s
c) P se move para a direita quando a velocidade é positiva.
P se move para a esquerda quando a velocidade é negativa.
Assim:
2a – 6 < 0 ⇔ a < 3 ( velocidade negativa)
2a – 6 > 0 ⇔ a > 3 ( velocidade positiva)
Portanto o objeto:
- se movimenta para a esquerda se t ∈ (-∞ , 3)
- se movimenta para a direita se t ∈ (3 ,+∞).
d) V(a) = 0 quando 2a – 6 = 0, o que ocorre quando a = 3, ou seja, após 3 segundos, a velocidade é
nula (o objeto está parado).
2) No decorrer de uma experiência, derrama-se um líquido sobre uma superfície plana de vidro. Se
o líquido vertido recobre uma região circular e o raio desta região aumenta uniformemente, qual
será a taxa de crescimento da área ocupada pelo líquido, em relação à variação do raio, quando o
raio for igual a 5 cm ?
61
Solução:
A taxa de crescimento da área é a sua taxa de variação. Como a área varia com o raio, seja A(r) =
πr2
a área de um círculo de raio r. A sua taxa de crescimento será portanto, dada por A’(r).
Considerando um raio r qualquer, teremos:
[ ]=
∆
−∆+∆+
=
∆
−∆+
=
∆
−∆+
=
→∆→∆→∆ r
rrrrr
r
rrr
r
rArrA
rA
rrr
222
0
22
00
)(2
lim
)(
lim
)()(
lim)('
πππ
=
[ ] [ ] .22lim
)(2
lim
0
2
0
rrr
r
rrr
rr
ππ
π
=∆+=
∆
∆+∆
→∆→∆
Quando r = 5, então A’(5) = 10π, ou seja, a área aumenta 10π cm2
para cada cm de aumento no raio,
quando o raio mede 5 cm. Em outras palavras, a taxa de crescimento da área é de 10π cm2
/r.
Interpretação Geométrica: a derivada de uma função f em um ponto a fornece o coeficiente
angular (inclinação) da reta tangente ao gráfico de f no ponto (a, f(a)). Vejamos:
Dada uma curva plana que representa o gráfico de f, se conhecermos um ponto P(a, f(a)),
então a equação da reta tangente r à curva em P é dada por y - f(a) = m (x - a), onde m é o
coeficiente angular da reta. Portanto, basta que conheçamos o coeficiente angular m da reta e um de
seus pontos, para conhecermos a sua equação. Mas como obter m para que r seja tangente à curva
em P?
Consideremos um outro ponto arbitrário sobre a curva, Q, cujas coordenadas são (a + ∆x, f(a+
∆x)). A reta que passa por P e Q que é chamada reta secante à curva.
62
Analisemos agora a variação do coeficiente angular da reta secante fazendo Q se aproximar
de P, ou seja, tomando ∆x cada vez menor.
Tudo indica que quando P está próximo de Q, o coeficiente angular msec da reta secante deve
estar próximo do coeficiente angular m da reta r, ou seja, o coeficiente angular msec tem um limite m
quando Q tende para P, que é o coeficiente angular da reta tangente r.
Indicando-se a abscissa do ponto Q por x = a + ∆x (∆x = x - a) e sabendo-se que a abscissa
de P é expressa por a, então, se Q → P temos que ∆x → 0, o que é equivalente a x→ a. Assim:
m =
a→x
lim mPQ =
x
afxaf
x ∆
−∆+
→∆
)()(
lim
0 ax
afxf
ax −
−
=
→
)()(
lim ,
( se este limite existe), é o coeficiente angular da reta tangente r. Porém,
x
afxaf
x ∆
−∆+
→∆
)()(
lim
0 ax
afxf
ax −
−
=
→
)()(
lim = f’(a).
Logo, m = f’(a), ou seja, a derivada de uma função em um ponto, de fato, fornece o
coeficiente angular da reta tangente ao gráfico desta função, neste ponto.
Exemplo:
Se f(x) = x2
, determine a equação da reta tangente ao gráfico de f , no ponto P(2, 4).
Solução:
msec =
x
fxf
∆
−∆+ )2()2(
x
x
∆
−∆+
=
22
2)2(
=
x
xx
∆
−∆+∆+
=
444 2
x
x
xx
∆+=
∆
∆+∆
= 4
4 2
(se 0≠∆x ).
Portanto, coeficiente angular m da reta tangente, quando x0 = 2, é dado por:
m 4)4(lim
0
=∆+=
→∆
x
x
.
Logo, a equação reduzida para a reta tangente no ponto P(2,4) é dada por:
y – 4 = 4(x –2) ou y = 4x – 4,
a qual é ilustrada na figura a seguir:
63
Observação: O conceito que se conhece na geometria plana de reta tangente a uma circunferência,
o qual estabelece que a reta tangente toca a circunferência em um único ponto, não pode ser
estendido ao conceito de reta tangente a uma curva definida pela função y = f(x). A figura a seguir
ilustra essa afirmação.
Exemplos:
1) Dada a função f(x) = x :
a) Determine a equação da reta tangente ao gráfico de f , no ponto P(4,2).
b) Determine a reta normal ao gráfico de f, no ponto P (4,2).
Observação: A reta normal é a reta perpendicular à reta tangente neste ponto e, portanto, seu
coeficiente angular satisfaz: mn = – 1/ mt.
64
Solução:
a) A equação da reta tangente ao gráfico de f no ponto P é dada por: y – 2 = f ´(4) (x – 4).
Portanto, basta determinar f ´(4):
( )( )
( )=
+∆+
+∆+
∆
−∆+
=
∆
−∆+
=
→∆→∆
44
4444
lim
44
lim)4('
00
x
x
x
x
x
x
f
xx
=
( ) 4
1
44
1
lim
44
44
lim
00
=
+∆+
=
+∆+∆
−∆+
→∆→∆
xxx
x
xx
. (Se Dx ∫ 0)
Logo, a equação da reta tangente ao gráfico de f no ponto P é dada por )4(
4
1
2 −=− xy ou
1
4
+=
x
y cujo gráfico é apresentado abaixo:
b) A reta normal, por sua vez, é dada por y – 2 = – 4 (x – 4) ou y = – 4x +18.
Observação: Uma conseqüência imediata da interpretação geométrica da derivada é que uma
função só é derivável (ou diferenciável) em um ponto de seu domínio se existir uma reta tangente
ao seu gráfico por este ponto, ou seja, o gráfico da função neste ponto não apresenta
comportamento pontiagudo. Estendendo este raciocínio a todos os pontos do domínio da função,
notamos que o gráfico de uma função diferenciável é uma curva suave, sem nenhum pico
“pontudo”. Assim, a função apresentada na da figura abaixo, por exemplo, não é diferenciável em
x0, ou seja, neste ponto não existe a sua derivada, pois por (x0, f(x0) não passa uma única reta
tangente.
65
Como podemos notar, o cálculo da derivada através da sua definição nem sempre é simples,
pois envolve o cálculo de um limite. Para minimizar este problema, utilizamos algumas
propriedades das derivadas, que chamaremos de regras de derivação, as quais não serão
demonstradas neste texto, porém suas demonstrações decorrem da definição de derivada e podem
ser encontradas na maioria dos livros de Cálculo.
Regras de Derivação:
1. Se f é a função constante definida por f(x) = c, c ℜ∈ , então f’(x) = 0.
2. Se f(x) = x, então f’(x) = 1.
3. Se f(x) = xn
, onde *
Rn ∈ , então f ’(x) = n xn - 1
.
4. Se f é diferenciável em x e g(x) = c f(x), então g’(x) = c f ’(x).
5. Se f e g são diferenciáveis em x, então (f ± g)’(x) = f ’(x) ± g’(x).
6. Se f e g são diferenciáveis em x, então (f g)’(x) = f ’(x) g(x) + g’(x) f(x).
7. Se f e g são diferenciáveis em x e g(x) ≠ 0, então
[ ]2
)(
)(')()(')(
)('
xg
xgxfxfxg
x
g
f −
=



 .
8. xxfxxf cos)('sen)( =⇒= .
9. f(x) = cos x => f’(x) = – sen x.
10. xxxx
exfexfaaxfaxf =⇒==⇒= )(')(;ln)(')( .
11.
x
xfxxf
ax
xfxxf
a
1
)('ln)(;
ln
1
)('log)( =⇒==⇒= .
12. f(x) = arc sen(x) ⇒
2
1
1
xdx
df
−
= .
x
f(x)
x0
f(x0)
66
13. f(x) = arc cos(x) ⇒
2
1
1
xdx
df
−
−
= .
14. f(x) = arc tg(x) 2
1
1
xdx
df
+
=⇒ .
15. f(x) = arc cotg(x) => 2
1
1
xdx
df
+
−
=
16. f(x) = arc sec(x) => 1,
1
1
2
>
−
= x
xxdx
df
.
17. f(x) = arc cosec(x) => 1,
1
1
2
>
−
−
= x
xxdx
df
.
18. Derivada da função composta (Regra da Cadeia):
Sejam duas funções diferenciáveis f e u, onde f = f(u) e u = u(x), e tal que
y = f (u(x)). Então,
dx
dy
= f ’(u) u’(x) .
Exemplos:
a) f(x) = sen(2x).
Seja u = 2x. Então f(u) = sen (u) e f ’(x) = f ’(u) u’(x) = cos(u) 2, ou seja, f ’(x) = 2 cos(2x).
b) f(x) = cos(x2
+ 2x –1) – 3sen(x).
Seja u = x2
+ 2x –1 e g(u) = cos(u). Então )22()()(')(cos')(' +−== xusenxuuxg .
Assim, )12()22()(' 2
−++−= xxsenxxg e, portanto,
f ’(x) = )12()22( 2
−++− xxsenx – 3 cos(x).
c) f(x) =(2x – 1)3
Seja u = 2x–1. Então f(u) = u3
e f ’(x) = f ’(u) u’(x) = 3 u2
2. Portanto, f’(x) = 6 (2x-1)2
.
d) f(x) = (2x +5) (3x –1)
f’(x) = 2 (3x – 1) + (2x + 5) 3 ou f’(x) = 12 x + 13.
67
e) f(x) = sen2
x = (sen x)2
Seja u (x) = sen x. Então f(u) = u2
e f’(x) = f’(u) u’(x), ou seja, f’(x) = 2 u cos x.
Portanto, f’(x) = 2 sen x cos x.
Obs.: Neste caso também poderíamos ter usado a regra do produto, fazendo:
f(x) = sen2
x = sen x senx ï f’(x) = cos x sen x + sen x cos x = 2 sen x cos x.
f) f(x) = xcos = ( ) 2/1
cos x
Seja u(x) = cos x . Então )(
2
1
)(')(')(')( 2
1
2/1
senxuxuufxfeuuf −===
−
.
Portanto,
x
senx
xf
cos2
)('
−
= .
g) f(x) = tg x =
x
xsen
cos
( )
x
xx
xsenx
x
xsenxsenxx
xf 2
22
22
2
sec
cos
1
cos
cos
cos
)(coscos
)(' ==
+
=
−−
= .
h) f(x) = log3(x2
- 5)
Seja u (x) = x2
- 5. Então f(u) =
3
logu e f’(x) = f’(u) u’(x), ou seja, f’(x) =
3ln
1
u
2x . Assim,
3ln)5(
2
)2(
3ln)5(
1
)(' 22
−
=
−
=
x
x
x
x
xf .
i) f(x) = ex
lnx






+=+=
x
xe
x
exexf xxx 1
ln
1
ln)(' .
68
EXERCÍCIOS: Calcule a derivada das funções abaixo:
1) f(x) = 6x3
- 5x2
+ x + 9 2) f(x) = sen2
x cos3
x
3) g(x) = (x3
-7)(2x2
+3) 4) f(x) =
xx 2
1
2
+
5) h(r) = r2
(3r4
-7r+2) 6) f(x) = ln (x2
+x+1)
7) f(x) = )sec(cos x 8) f(x) = ln3
x
9) g(z) =
z
zz
92
38 2
−
+−
10) f(x) = ln(x3
)
11) f(t) = t5
+ 




 +
2
1
t
t
12) f(x) = (ln x) (sen x)
13) s(x) = 2x +
x2
1
14) f(x) = ln(senx)
15) p(x) = 1+ 32
111
xxx
++ 16) f(x) = 5
2
3
−+ xe x
17) f(x) = sec2
x 18) f(x) = x3
3x
19) f(x) =
2
xx
ee −
+
20) f(x) = sen3
2x

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

625639 a-teoria-dos-limites-calculo
625639 a-teoria-dos-limites-calculo625639 a-teoria-dos-limites-calculo
625639 a-teoria-dos-limites-calculoMarcos Lira
 
Funcoes de varias variaveis calculo 2
Funcoes de varias variaveis  calculo 2Funcoes de varias variaveis  calculo 2
Funcoes de varias variaveis calculo 2Kassiane Campelo
 
Apostila Calculo 1 - Limites de uma função - Engenharia Civil
Apostila Calculo 1 - Limites de uma função - Engenharia CivilApostila Calculo 1 - Limites de uma função - Engenharia Civil
Apostila Calculo 1 - Limites de uma função - Engenharia CivilAna Carolline Pereira
 
funçoes
funçoesfunçoes
funçoestagma33
 
Funções de varias variáveis calculo 2
Funções de varias variáveis calculo 2Funções de varias variáveis calculo 2
Funções de varias variáveis calculo 2Fábio Kataoka
 
Matematica aplic economia_201101
Matematica  aplic economia_201101Matematica  aplic economia_201101
Matematica aplic economia_201101Acacio Chimenes
 
Função de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagemFunção de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagemIsadora Toledo
 
Cálculo Diferencial em R
Cálculo Diferencial em RCálculo Diferencial em R
Cálculo Diferencial em Rtintintest
 

Mais procurados (20)

Variáveis aleatórias discretas - Estatística II
Variáveis aleatórias discretas - Estatística IIVariáveis aleatórias discretas - Estatística II
Variáveis aleatórias discretas - Estatística II
 
625639 a-teoria-dos-limites-calculo
625639 a-teoria-dos-limites-calculo625639 a-teoria-dos-limites-calculo
625639 a-teoria-dos-limites-calculo
 
Funcoes de varias variaveis calculo 2
Funcoes de varias variaveis  calculo 2Funcoes de varias variaveis  calculo 2
Funcoes de varias variaveis calculo 2
 
Apostila limites
Apostila limitesApostila limites
Apostila limites
 
Ms impresso aula05
Ms impresso aula05Ms impresso aula05
Ms impresso aula05
 
Apostila Calculo 1 - Limites de uma função - Engenharia Civil
Apostila Calculo 1 - Limites de uma função - Engenharia CivilApostila Calculo 1 - Limites de uma função - Engenharia Civil
Apostila Calculo 1 - Limites de uma função - Engenharia Civil
 
funçoes
funçoesfunçoes
funçoes
 
Funções trigonométricas
Funções trigonométricasFunções trigonométricas
Funções trigonométricas
 
Funções de varias variáveis calculo 2
Funções de varias variáveis calculo 2Funções de varias variáveis calculo 2
Funções de varias variáveis calculo 2
 
Matematica aplic economia_201101
Matematica  aplic economia_201101Matematica  aplic economia_201101
Matematica aplic economia_201101
 
Função do 1º grau
Função do 1º grauFunção do 1º grau
Função do 1º grau
 
Cálculo numérico
Cálculo numéricoCálculo numérico
Cálculo numérico
 
Zero de função
Zero de funçãoZero de função
Zero de função
 
Aula 07 derivadas parciais. 3
Aula 07    derivadas parciais. 3Aula 07    derivadas parciais. 3
Aula 07 derivadas parciais. 3
 
Função de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagemFunção de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagem
 
Exercicios resolvidos
Exercicios resolvidosExercicios resolvidos
Exercicios resolvidos
 
Aula 07 derivadas - regras de derivação - parte 1
Aula 07   derivadas - regras de derivação - parte 1Aula 07   derivadas - regras de derivação - parte 1
Aula 07 derivadas - regras de derivação - parte 1
 
Ex algebra (10)
Ex algebra  (10)Ex algebra  (10)
Ex algebra (10)
 
Apostila 3 funções
Apostila 3 funçõesApostila 3 funções
Apostila 3 funções
 
Cálculo Diferencial em R
Cálculo Diferencial em RCálculo Diferencial em R
Cálculo Diferencial em R
 

Destaque

Soluções taxa de variação média e derivada num ponto
Soluções taxa de variação média e derivada num pontoSoluções taxa de variação média e derivada num ponto
Soluções taxa de variação média e derivada num pontosilvia_lfr
 
Calculo limites de funcoes
Calculo limites de funcoesCalculo limites de funcoes
Calculo limites de funcoesGeorge Marinho
 
Taxa de variação média e derivada num ponto
Taxa de variação média e derivada num pontoTaxa de variação média e derivada num ponto
Taxa de variação média e derivada num pontosilvia_lfr
 
Derivada como taxa de vari aca o2
Derivada como taxa de vari aca o2Derivada como taxa de vari aca o2
Derivada como taxa de vari aca o2calculogrupo
 
Material sobre a Derivada
Material sobre a DerivadaMaterial sobre a Derivada
Material sobre a DerivadaEinstein Rafael
 
Aplicação das derivadas
Aplicação das derivadasAplicação das derivadas
Aplicação das derivadasmeirellles
 

Destaque (11)

Soluções taxa de variação média e derivada num ponto
Soluções taxa de variação média e derivada num pontoSoluções taxa de variação média e derivada num ponto
Soluções taxa de variação média e derivada num ponto
 
Calculo limites de funcoes
Calculo limites de funcoesCalculo limites de funcoes
Calculo limites de funcoes
 
Taxa de variação média e derivada num ponto
Taxa de variação média e derivada num pontoTaxa de variação média e derivada num ponto
Taxa de variação média e derivada num ponto
 
Rota derivadas
Rota derivadasRota derivadas
Rota derivadas
 
Derivada como taxa de vari aca o2
Derivada como taxa de vari aca o2Derivada como taxa de vari aca o2
Derivada como taxa de vari aca o2
 
Derivadas2
Derivadas2Derivadas2
Derivadas2
 
Velocidade média
Velocidade médiaVelocidade média
Velocidade média
 
Material sobre a Derivada
Material sobre a DerivadaMaterial sobre a Derivada
Material sobre a Derivada
 
Cáculo 1
Cáculo 1Cáculo 1
Cáculo 1
 
08 derivadas
08 derivadas08 derivadas
08 derivadas
 
Aplicação das derivadas
Aplicação das derivadasAplicação das derivadas
Aplicação das derivadas
 

Semelhante a Derivada: conceito e interpretações

Semelhante a Derivada: conceito e interpretações (20)

Derivada
DerivadaDerivada
Derivada
 
Cálculo usando MatLab
Cálculo usando MatLabCálculo usando MatLab
Cálculo usando MatLab
 
Aula6.pptx
Aula6.pptxAula6.pptx
Aula6.pptx
 
Derivada como taxa de vari aca o
Derivada como taxa de vari aca oDerivada como taxa de vari aca o
Derivada como taxa de vari aca o
 
Apostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadasApostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadas
 
Derivadas - Recuada, Avançada e Centrada
Derivadas - Recuada, Avançada e CentradaDerivadas - Recuada, Avançada e Centrada
Derivadas - Recuada, Avançada e Centrada
 
Lista de exercícios 8
Lista de exercícios 8Lista de exercícios 8
Lista de exercícios 8
 
Derivadas apresent definiç_2016
Derivadas apresent definiç_2016Derivadas apresent definiç_2016
Derivadas apresent definiç_2016
 
1 integr num_simples
1 integr num_simples1 integr num_simples
1 integr num_simples
 
1 integr num_simples
1 integr num_simples1 integr num_simples
1 integr num_simples
 
Cursocalc1ead
Cursocalc1eadCursocalc1ead
Cursocalc1ead
 
Lista de exercícios 2 - Cálculo
Lista de exercícios 2 - CálculoLista de exercícios 2 - Cálculo
Lista de exercícios 2 - Cálculo
 
Derivadas
DerivadasDerivadas
Derivadas
 
Suo
SuoSuo
Suo
 
CUSC.pptx
CUSC.pptxCUSC.pptx
CUSC.pptx
 
Calculo1 aula02
Calculo1 aula02Calculo1 aula02
Calculo1 aula02
 
Calculo1 aula02
Calculo1 aula02Calculo1 aula02
Calculo1 aula02
 
Calculo1 aula02
Calculo1 aula02Calculo1 aula02
Calculo1 aula02
 
Introdução à limites - Teoremas e exercícios
Introdução à limites - Teoremas e exercíciosIntrodução à limites - Teoremas e exercícios
Introdução à limites - Teoremas e exercícios
 
Funções Elementares
Funções ElementaresFunções Elementares
Funções Elementares
 

Último

Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 

Último (20)

Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 

Derivada: conceito e interpretações

  • 1. 58 5. Derivada O conceito de derivada está intimamente relacionado à taxa de variação instantânea de uma função, o qual está presente no cotidiano das pessoas, através, por exemplo, da determinação da taxa de crescimento de uma certa população, da taxa de crescimento econômico do país, da taxa de redução da mortalidade infantil, da taxa de variação de temperaturas, da velocidade de corpos ou objetos em movimento, enfim, poderíamos ilustrar inúmeros exemplos que apresentam uma função variando e que a medida desta variação se faz necessária em um determinado momento. Para entendermos como isso se dá, inicialmente vejamos a definição matemática da derivada de uma função em um ponto: Definição: Se uma função f é definida em um intervalo aberto contendo x0, então a derivada de f em x0, denotada por f ’(x0), é dada por: )(' 0xf = 0 lim →∆x x xfxxf ∆ −∆+ )()( 00 , se este limite existir. Dx representa uma pequena variação em x, próximo de x0, ou seja, tomando )( 00 xxxxxx −=∆∆+= , a derivada de f em x0 pode também se expressa por )(' 0xf = 0 lim xx→ 0 0 )()( xx xfxf − − . Notações: 'f ( x0,) , 0xxdx df = , )( 0x dx df . Interpretação física: a derivada de uma função f em um ponto x0 fornece taxa de variação instantânea de f em x0. Vejamos como isso ocorre: Suponha que y seja uma função de x, ou seja, y = f(x). Se x variar de um valor x0 até um valor x1, representaremos esta variação de x, que também é chamada de incremento de x, por Dx = x1 - x0, e a variação de y é dada por Dy = f(x1)- f (x0), o que é ilustrado na figura a seguir:
  • 2. 59 O quociente das diferenças, dado por 01 01 )()( xx xfxf x y − − = ∆ ∆ , é dito taxa de variação média de y em relação a x, no intervalo [x0, x1 ]. O limite destas taxas médias de variação, quando Dx Ø 0, é chamado de taxa de variação instantânea de y em relação a x, em x = x0. Assim, temos: Taxa de variação instantânea = x xfxxf xx xfxf xxx ∆ −∆+ = − − →∆→ )()( lim )()( lim 00 0 01 01 01 . Porém, )(' )()( lim 0 00 0 xf x xfxxf x = ∆ −∆+ →∆ . Portanto, a taxa de variação instantânea de uma função em um ponto é dada pela sua derivada neste ponto. Exemplos: 1) Suponha que a posição de uma partícula em movimento sobre uma reta r seja dada por p(t) = t2 - 6t, onde p(t) é medida em pés e t em segundos. a) Determine a velocidade em um instante t = a qualquer. b) Determine a velocidade da partícula em t = 0 e t = 4. c) Determine os intervalos de tempo durante os quais a partícula se move no sentido positivo e negativo sobre r. d) Em que instante a velocidade é nula? Solução: a) A velocidade instantânea é o limite da velocidade média, quando consideramos um intervalo de tempo tendendo a zero, o que é fornecido pela derivada da função posição, no instante desejado. Portanto, temos: x0 x1 x y = f (x) f (x0) f (x1) Dx Dy
  • 3. 60 Velocidade média da partícula no intervalo de tempo ∆t: Vm= t aptap ∆ −∆+ )()( t aatata ∆ −−∆+−∆+ = )]6()(6)][( 22 2 222 6662 t aatattaa ∆ +−∆−−∆∆+ = t ttta ∆ ∆−∆+∆ = 62 2 62 −∆+= ta Velocidade instantânea = 62)62(lim )()( lim)( 00 −=−∆+= ∆ −∆+ = →∆→∆ ata t aptap aV tt b) t = 0 ⇒ V(0) = 2.(0) – 6 = - 6 pés/s t = 4 ⇒ V(4) = 2.(4) – 6 = 2 pés/s c) P se move para a direita quando a velocidade é positiva. P se move para a esquerda quando a velocidade é negativa. Assim: 2a – 6 < 0 ⇔ a < 3 ( velocidade negativa) 2a – 6 > 0 ⇔ a > 3 ( velocidade positiva) Portanto o objeto: - se movimenta para a esquerda se t ∈ (-∞ , 3) - se movimenta para a direita se t ∈ (3 ,+∞). d) V(a) = 0 quando 2a – 6 = 0, o que ocorre quando a = 3, ou seja, após 3 segundos, a velocidade é nula (o objeto está parado). 2) No decorrer de uma experiência, derrama-se um líquido sobre uma superfície plana de vidro. Se o líquido vertido recobre uma região circular e o raio desta região aumenta uniformemente, qual será a taxa de crescimento da área ocupada pelo líquido, em relação à variação do raio, quando o raio for igual a 5 cm ?
  • 4. 61 Solução: A taxa de crescimento da área é a sua taxa de variação. Como a área varia com o raio, seja A(r) = πr2 a área de um círculo de raio r. A sua taxa de crescimento será portanto, dada por A’(r). Considerando um raio r qualquer, teremos: [ ]= ∆ −∆+∆+ = ∆ −∆+ = ∆ −∆+ = →∆→∆→∆ r rrrrr r rrr r rArrA rA rrr 222 0 22 00 )(2 lim )( lim )()( lim)(' πππ = [ ] [ ] .22lim )(2 lim 0 2 0 rrr r rrr rr ππ π =∆+= ∆ ∆+∆ →∆→∆ Quando r = 5, então A’(5) = 10π, ou seja, a área aumenta 10π cm2 para cada cm de aumento no raio, quando o raio mede 5 cm. Em outras palavras, a taxa de crescimento da área é de 10π cm2 /r. Interpretação Geométrica: a derivada de uma função f em um ponto a fornece o coeficiente angular (inclinação) da reta tangente ao gráfico de f no ponto (a, f(a)). Vejamos: Dada uma curva plana que representa o gráfico de f, se conhecermos um ponto P(a, f(a)), então a equação da reta tangente r à curva em P é dada por y - f(a) = m (x - a), onde m é o coeficiente angular da reta. Portanto, basta que conheçamos o coeficiente angular m da reta e um de seus pontos, para conhecermos a sua equação. Mas como obter m para que r seja tangente à curva em P? Consideremos um outro ponto arbitrário sobre a curva, Q, cujas coordenadas são (a + ∆x, f(a+ ∆x)). A reta que passa por P e Q que é chamada reta secante à curva.
  • 5. 62 Analisemos agora a variação do coeficiente angular da reta secante fazendo Q se aproximar de P, ou seja, tomando ∆x cada vez menor. Tudo indica que quando P está próximo de Q, o coeficiente angular msec da reta secante deve estar próximo do coeficiente angular m da reta r, ou seja, o coeficiente angular msec tem um limite m quando Q tende para P, que é o coeficiente angular da reta tangente r. Indicando-se a abscissa do ponto Q por x = a + ∆x (∆x = x - a) e sabendo-se que a abscissa de P é expressa por a, então, se Q → P temos que ∆x → 0, o que é equivalente a x→ a. Assim: m = a→x lim mPQ = x afxaf x ∆ −∆+ →∆ )()( lim 0 ax afxf ax − − = → )()( lim , ( se este limite existe), é o coeficiente angular da reta tangente r. Porém, x afxaf x ∆ −∆+ →∆ )()( lim 0 ax afxf ax − − = → )()( lim = f’(a). Logo, m = f’(a), ou seja, a derivada de uma função em um ponto, de fato, fornece o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico desta função, neste ponto. Exemplo: Se f(x) = x2 , determine a equação da reta tangente ao gráfico de f , no ponto P(2, 4). Solução: msec = x fxf ∆ −∆+ )2()2( x x ∆ −∆+ = 22 2)2( = x xx ∆ −∆+∆+ = 444 2 x x xx ∆+= ∆ ∆+∆ = 4 4 2 (se 0≠∆x ). Portanto, coeficiente angular m da reta tangente, quando x0 = 2, é dado por: m 4)4(lim 0 =∆+= →∆ x x . Logo, a equação reduzida para a reta tangente no ponto P(2,4) é dada por: y – 4 = 4(x –2) ou y = 4x – 4, a qual é ilustrada na figura a seguir:
  • 6. 63 Observação: O conceito que se conhece na geometria plana de reta tangente a uma circunferência, o qual estabelece que a reta tangente toca a circunferência em um único ponto, não pode ser estendido ao conceito de reta tangente a uma curva definida pela função y = f(x). A figura a seguir ilustra essa afirmação. Exemplos: 1) Dada a função f(x) = x : a) Determine a equação da reta tangente ao gráfico de f , no ponto P(4,2). b) Determine a reta normal ao gráfico de f, no ponto P (4,2). Observação: A reta normal é a reta perpendicular à reta tangente neste ponto e, portanto, seu coeficiente angular satisfaz: mn = – 1/ mt.
  • 7. 64 Solução: a) A equação da reta tangente ao gráfico de f no ponto P é dada por: y – 2 = f ´(4) (x – 4). Portanto, basta determinar f ´(4): ( )( ) ( )= +∆+ +∆+ ∆ −∆+ = ∆ −∆+ = →∆→∆ 44 4444 lim 44 lim)4(' 00 x x x x x x f xx = ( ) 4 1 44 1 lim 44 44 lim 00 = +∆+ = +∆+∆ −∆+ →∆→∆ xxx x xx . (Se Dx ∫ 0) Logo, a equação da reta tangente ao gráfico de f no ponto P é dada por )4( 4 1 2 −=− xy ou 1 4 += x y cujo gráfico é apresentado abaixo: b) A reta normal, por sua vez, é dada por y – 2 = – 4 (x – 4) ou y = – 4x +18. Observação: Uma conseqüência imediata da interpretação geométrica da derivada é que uma função só é derivável (ou diferenciável) em um ponto de seu domínio se existir uma reta tangente ao seu gráfico por este ponto, ou seja, o gráfico da função neste ponto não apresenta comportamento pontiagudo. Estendendo este raciocínio a todos os pontos do domínio da função, notamos que o gráfico de uma função diferenciável é uma curva suave, sem nenhum pico “pontudo”. Assim, a função apresentada na da figura abaixo, por exemplo, não é diferenciável em x0, ou seja, neste ponto não existe a sua derivada, pois por (x0, f(x0) não passa uma única reta tangente.
  • 8. 65 Como podemos notar, o cálculo da derivada através da sua definição nem sempre é simples, pois envolve o cálculo de um limite. Para minimizar este problema, utilizamos algumas propriedades das derivadas, que chamaremos de regras de derivação, as quais não serão demonstradas neste texto, porém suas demonstrações decorrem da definição de derivada e podem ser encontradas na maioria dos livros de Cálculo. Regras de Derivação: 1. Se f é a função constante definida por f(x) = c, c ℜ∈ , então f’(x) = 0. 2. Se f(x) = x, então f’(x) = 1. 3. Se f(x) = xn , onde * Rn ∈ , então f ’(x) = n xn - 1 . 4. Se f é diferenciável em x e g(x) = c f(x), então g’(x) = c f ’(x). 5. Se f e g são diferenciáveis em x, então (f ± g)’(x) = f ’(x) ± g’(x). 6. Se f e g são diferenciáveis em x, então (f g)’(x) = f ’(x) g(x) + g’(x) f(x). 7. Se f e g são diferenciáveis em x e g(x) ≠ 0, então [ ]2 )( )(')()(')( )(' xg xgxfxfxg x g f − =     . 8. xxfxxf cos)('sen)( =⇒= . 9. f(x) = cos x => f’(x) = – sen x. 10. xxxx exfexfaaxfaxf =⇒==⇒= )(')(;ln)(')( . 11. x xfxxf ax xfxxf a 1 )('ln)(; ln 1 )('log)( =⇒==⇒= . 12. f(x) = arc sen(x) ⇒ 2 1 1 xdx df − = . x f(x) x0 f(x0)
  • 9. 66 13. f(x) = arc cos(x) ⇒ 2 1 1 xdx df − − = . 14. f(x) = arc tg(x) 2 1 1 xdx df + =⇒ . 15. f(x) = arc cotg(x) => 2 1 1 xdx df + − = 16. f(x) = arc sec(x) => 1, 1 1 2 > − = x xxdx df . 17. f(x) = arc cosec(x) => 1, 1 1 2 > − − = x xxdx df . 18. Derivada da função composta (Regra da Cadeia): Sejam duas funções diferenciáveis f e u, onde f = f(u) e u = u(x), e tal que y = f (u(x)). Então, dx dy = f ’(u) u’(x) . Exemplos: a) f(x) = sen(2x). Seja u = 2x. Então f(u) = sen (u) e f ’(x) = f ’(u) u’(x) = cos(u) 2, ou seja, f ’(x) = 2 cos(2x). b) f(x) = cos(x2 + 2x –1) – 3sen(x). Seja u = x2 + 2x –1 e g(u) = cos(u). Então )22()()(')(cos')(' +−== xusenxuuxg . Assim, )12()22()(' 2 −++−= xxsenxxg e, portanto, f ’(x) = )12()22( 2 −++− xxsenx – 3 cos(x). c) f(x) =(2x – 1)3 Seja u = 2x–1. Então f(u) = u3 e f ’(x) = f ’(u) u’(x) = 3 u2 2. Portanto, f’(x) = 6 (2x-1)2 . d) f(x) = (2x +5) (3x –1) f’(x) = 2 (3x – 1) + (2x + 5) 3 ou f’(x) = 12 x + 13.
  • 10. 67 e) f(x) = sen2 x = (sen x)2 Seja u (x) = sen x. Então f(u) = u2 e f’(x) = f’(u) u’(x), ou seja, f’(x) = 2 u cos x. Portanto, f’(x) = 2 sen x cos x. Obs.: Neste caso também poderíamos ter usado a regra do produto, fazendo: f(x) = sen2 x = sen x senx ï f’(x) = cos x sen x + sen x cos x = 2 sen x cos x. f) f(x) = xcos = ( ) 2/1 cos x Seja u(x) = cos x . Então )( 2 1 )(')(')(')( 2 1 2/1 senxuxuufxfeuuf −=== − . Portanto, x senx xf cos2 )(' − = . g) f(x) = tg x = x xsen cos ( ) x xx xsenx x xsenxsenxx xf 2 22 22 2 sec cos 1 cos cos cos )(coscos )(' == + = −− = . h) f(x) = log3(x2 - 5) Seja u (x) = x2 - 5. Então f(u) = 3 logu e f’(x) = f’(u) u’(x), ou seja, f’(x) = 3ln 1 u 2x . Assim, 3ln)5( 2 )2( 3ln)5( 1 )(' 22 − = − = x x x x xf . i) f(x) = ex lnx       +=+= x xe x exexf xxx 1 ln 1 ln)(' .
  • 11. 68 EXERCÍCIOS: Calcule a derivada das funções abaixo: 1) f(x) = 6x3 - 5x2 + x + 9 2) f(x) = sen2 x cos3 x 3) g(x) = (x3 -7)(2x2 +3) 4) f(x) = xx 2 1 2 + 5) h(r) = r2 (3r4 -7r+2) 6) f(x) = ln (x2 +x+1) 7) f(x) = )sec(cos x 8) f(x) = ln3 x 9) g(z) = z zz 92 38 2 − +− 10) f(x) = ln(x3 ) 11) f(t) = t5 +       + 2 1 t t 12) f(x) = (ln x) (sen x) 13) s(x) = 2x + x2 1 14) f(x) = ln(senx) 15) p(x) = 1+ 32 111 xxx ++ 16) f(x) = 5 2 3 −+ xe x 17) f(x) = sec2 x 18) f(x) = x3 3x 19) f(x) = 2 xx ee − + 20) f(x) = sen3 2x