SlideShare uma empresa Scribd logo
Polígonos
Da linha poligonal ao polígono Uma  linha poligonal   é formada por segmentos de recta consecutivos, não alinhados . Polígono  é uma superfície plana limitada por uma linha poligonal fechada.
1- Dos exemplos a seguir indica os que são polígonos. Justifica. A, C e E não são polígonos porque os seus lados não são formados apenas segmentos de recta. A B C D E F
Existem polígonos convexos e polígonos côncavos: Polígono convexo Se unires dois quaisquer dos seus pontos, o segmento de recta obtido está sempre contido no polígono. Polígono côncavo Existem sempre pelo menos, dois dos seus pontos que unidos, formam um segmento de recta que não está contido no polígono. 2- Dos polígonos da pergunta anterior indica os que são  convexos e os que são côncavos .
Ângulos internos e externos de um polígono convexo   Ângulo externo Ângulo interno O  ângulo interno  de um polígono é o ângulo formado por dois lados consecutivos. O  ângulo externo  de um polígono é o ângulo formado por um dos seus lados e pelo prolongamento de um dos lados adjacentes. Repara que a soma da amplitude de um ângulo interno com o respectivo ângulo externo é sempre 180º.
Ângulos internos e externos de um polígono Soma das amplitudes dos ângulos internos de um polígono 1 1x180º 5 6 7 10 n 2x180º 3x180º 4x180º 5x180º (10-2)x180º (n-2)x180º 3 4 5 8 n-2 Polígono N.º de lados Exemplo N.º de triângulos em que ficou dividido Soma dos ângulos internos de um polígono Triângulo 3     Quadrilátero 4 2      Pentágono       Hexágono       Heptágono         ... ... ... ... ... Polígono de 10 lados   ...     ... ... ... ... ... Polígono de n lados         ... ... ... ... ...
3- Do preenchimento do quadro podemos concluir que… A soma  S i   das amplitudes dos ângulos internos de um polígono com n lados é dada pela expressão: S i =(n-2)x180º
Soma das amplitudes dos ângulos externos de um polígono Observa o triângulo: 3
Vamos ver o que se passa com o quadrilátero
5-Observando o pentágono da figura e utilizando o raciocínio anterior, calcula a soma das amplitudes dos seus ângulos externos. Vejamos ainda o que acontece com o pentágono:
De uma maneira geral, se o polígono tiver n lados vem: podemos escrever: Como
[object Object],[object Object],Conclusão:
POLÍGONOS INSCRITOS NUMA CIRCUNFERÊNCIA Um  pol í gono est á  inscrito numa circunferência  se todos os  seus v é rtices forem pontos da circunferência. Nestes 3 casos, os pol í gonos estão inscritos nas circunferências. Então, as circunferências dizem-se circunscritas aos pol í gonos.
Qualquer triângulo pode sempre inscrever-se numa circunferência, basta determinar circuncentro (ponto de encontro das mediatrizes - centro da circunferência).  Geogebra (Triângulo e pontos notáveis de um triângulo)
E relativamente aos quadriláteros? Qualquer quadrilátero pode ser inscrito numa circunferência? Não… Geogebra Apenas os quadriláteros cujos ângulos opostos são suplementares.
Num quadrilátero inscrito numa circunferência ,  a soma das amplitudes de dois ângulos opostos é 180º (os ângulos opostos são suplementares).
Polígonos regulares   Um  polígono  diz-se  regular  se tem todos os seus lados com o mesmo comprimento e todos os ângulos com a mesma amplitude. Exemplos: O triângulo equilátero e o quadrado são disso exemplo.
Como inscrever polígonos regulares numa circunferência Inscreve um hexágono regular [ABCDEF] numa circunferência de centro O e raio à tua escolha. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Um polígono regular pode sempre inscrever-se numa circunferência.
A  amplitude do ângulo ao centro  de um  polígono regular  de n  lados é  . A amplitude do  ângulo externo é   , igual à amplitude do ângulo ao centro. A amplitude de cada  ângulo interno é igual  ao quociente entre a soma das amplitudes dos ângulos internos  pelo número de lados do polígono.  .  Polígonos  regulares   Geogebra
A saber… A  amplitude de um ângulo ao centro  é igual  à  amplitude de um ângulo externo.  Em polígonos regulares: é  o número de lados do polígono
O lado de um hexágono regular inscrito numa circunferência é igual ao raio dessa circunferência GEOGEBRA Importante:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sólidos e suas planificações
Sólidos  e suas planificaçõesSólidos  e suas planificações
Sólidos e suas planificações
gomesnelma
 
Sólidos geométricos 6º ano
Sólidos geométricos   6º anoSólidos geométricos   6º ano
Sólidos geométricos 6º ano
Rafael Marques
 
Semelhança de triângulos
Semelhança de triângulosSemelhança de triângulos
Semelhança de triângulos
giselelamas
 
Âgulos formados por duas retas paralelas e uma transversal
Âgulos formados por duas retas paralelas e uma transversalÂgulos formados por duas retas paralelas e uma transversal
Âgulos formados por duas retas paralelas e uma transversal
Andréa Thees
 
Círculo e circunferência
Círculo e circunferênciaCírculo e circunferência
Círculo e circunferência
mariacferreira
 

Mais procurados (20)

SÓLIDOS GEOMÉTRICOS
SÓLIDOS GEOMÉTRICOS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS
SÓLIDOS GEOMÉTRICOS
 
Sólidos geométricos
Sólidos geométricosSólidos geométricos
Sólidos geométricos
 
Sólidos e suas planificações
Sólidos  e suas planificaçõesSólidos  e suas planificações
Sólidos e suas planificações
 
Polígonos..
Polígonos..Polígonos..
Polígonos..
 
Sólidos geométricos 6º ano
Sólidos geométricos   6º anoSólidos geométricos   6º ano
Sólidos geométricos 6º ano
 
Solidos Geometricos
Solidos GeometricosSolidos Geometricos
Solidos Geometricos
 
Poligonos
PoligonosPoligonos
Poligonos
 
NO MUNDO DOS TRIÂNGULOS
NO MUNDO DOS TRIÂNGULOSNO MUNDO DOS TRIÂNGULOS
NO MUNDO DOS TRIÂNGULOS
 
Polígonos
PolígonosPolígonos
Polígonos
 
Semelhança de triângulos
Semelhança de triângulosSemelhança de triângulos
Semelhança de triângulos
 
Simetrias: Axial e Rotacional
Simetrias: Axial e RotacionalSimetrias: Axial e Rotacional
Simetrias: Axial e Rotacional
 
Âgulos formados por duas retas paralelas e uma transversal
Âgulos formados por duas retas paralelas e uma transversalÂgulos formados por duas retas paralelas e uma transversal
Âgulos formados por duas retas paralelas e uma transversal
 
Polígonos: triângulos e quadriláteros 6 ano
Polígonos: triângulos e quadriláteros  6 anoPolígonos: triângulos e quadriláteros  6 ano
Polígonos: triângulos e quadriláteros 6 ano
 
Logaritmos
LogaritmosLogaritmos
Logaritmos
 
Cálculo de áreas
Cálculo de áreasCálculo de áreas
Cálculo de áreas
 
Esferas
EsferasEsferas
Esferas
 
Geometria plana
Geometria planaGeometria plana
Geometria plana
 
Área e Volume
Área e VolumeÁrea e Volume
Área e Volume
 
Círculo e circunferência
Círculo e circunferênciaCírculo e circunferência
Círculo e circunferência
 
âNgulos
âNgulosâNgulos
âNgulos
 

Destaque (10)

Oficina de Matemática Vacaria 2011
Oficina de Matemática Vacaria 2011Oficina de Matemática Vacaria 2011
Oficina de Matemática Vacaria 2011
 
Polígonos regulares
Polígonos regularesPolígonos regulares
Polígonos regulares
 
Geometria_polígonos
Geometria_polígonosGeometria_polígonos
Geometria_polígonos
 
Polígonos Regulares
Polígonos RegularesPolígonos Regulares
Polígonos Regulares
 
Poliedros
PoliedrosPoliedros
Poliedros
 
Polígonos regulares inscritos e circunscritos 1
Polígonos regulares inscritos e circunscritos   1Polígonos regulares inscritos e circunscritos   1
Polígonos regulares inscritos e circunscritos 1
 
Poliígonos inscritos exercícios resolvidos
Poliígonos inscritos   exercícios resolvidosPoliígonos inscritos   exercícios resolvidos
Poliígonos inscritos exercícios resolvidos
 
Polígonos regulares inscritos e circunscritos
Polígonos regulares inscritos e circunscritosPolígonos regulares inscritos e circunscritos
Polígonos regulares inscritos e circunscritos
 
Poligonos
PoligonosPoligonos
Poligonos
 
Polígonos
PolígonosPolígonos
Polígonos
 

Semelhante a Polígonos

Ft27 polc3adgonos-c3a2ngulos-internos-e-externos-c3a1reas-e-volumes
Ft27 polc3adgonos-c3a2ngulos-internos-e-externos-c3a1reas-e-volumesFt27 polc3adgonos-c3a2ngulos-internos-e-externos-c3a1reas-e-volumes
Ft27 polc3adgonos-c3a2ngulos-internos-e-externos-c3a1reas-e-volumes
Lúcio Aguiar
 
Teoria polígonos b
Teoria   polígonos bTeoria   polígonos b
Teoria polígonos b
tetsu
 
Circulo trigonométrico
Circulo trigonométricoCirculo trigonométrico
Circulo trigonométrico
António Gomes
 

Semelhante a Polígonos (20)

2060
20602060
2060
 
Ft27 polc3adgonos-c3a2ngulos-internos-e-externos-c3a1reas-e-volumes
Ft27 polc3adgonos-c3a2ngulos-internos-e-externos-c3a1reas-e-volumesFt27 polc3adgonos-c3a2ngulos-internos-e-externos-c3a1reas-e-volumes
Ft27 polc3adgonos-c3a2ngulos-internos-e-externos-c3a1reas-e-volumes
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
Teoria polígonos b
Teoria   polígonos bTeoria   polígonos b
Teoria polígonos b
 
Poligonos 6 ano
Poligonos 6 anoPoligonos 6 ano
Poligonos 6 ano
 
aulas DE APRESENTAÇAO SLIDE poligonos.pptx
aulas DE APRESENTAÇAO SLIDE poligonos.pptxaulas DE APRESENTAÇAO SLIDE poligonos.pptx
aulas DE APRESENTAÇAO SLIDE poligonos.pptx
 
Polígonos Regulares
Polígonos RegularesPolígonos Regulares
Polígonos Regulares
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
Aula 1 quadrilateros trinagulos
Aula 1 quadrilateros trinagulosAula 1 quadrilateros trinagulos
Aula 1 quadrilateros trinagulos
 
Polígonos inscritos em uma circunferência.pptx
Polígonos inscritos em uma circunferência.pptxPolígonos inscritos em uma circunferência.pptx
Polígonos inscritos em uma circunferência.pptx
 
Circulo trigonométrico
Circulo trigonométricoCirculo trigonométrico
Circulo trigonométrico
 
Aula 03 (1)
Aula 03 (1)Aula 03 (1)
Aula 03 (1)
 
Feixe de retas paralelas teorema de tales
Feixe de retas paralelas teorema de talesFeixe de retas paralelas teorema de tales
Feixe de retas paralelas teorema de tales
 
Poligonos inscritos
Poligonos inscritosPoligonos inscritos
Poligonos inscritos
 
3 poigonos soma-dos_angulos_no1
3 poigonos soma-dos_angulos_no13 poigonos soma-dos_angulos_no1
3 poigonos soma-dos_angulos_no1
 
Lista p8-3-bimestre
Lista p8-3-bimestreLista p8-3-bimestre
Lista p8-3-bimestre
 
Grupo 3
Grupo 3Grupo 3
Grupo 3
 
Ângulos 9 ano - teoria
Ângulos 9 ano - teoriaÂngulos 9 ano - teoria
Ângulos 9 ano - teoria
 
Apresentação circulo e circunferência
Apresentação circulo e circunferênciaApresentação circulo e circunferência
Apresentação circulo e circunferência
 

Mais de aldaalves

1.ª chamada 2005
1.ª chamada 20051.ª chamada 2005
1.ª chamada 2005
aldaalves
 
Representações gráficas
Representações gráficasRepresentações gráficas
Representações gráficas
aldaalves
 
Proporcionalidades soluções
Proporcionalidades soluçõesProporcionalidades soluções
Proporcionalidades soluções
aldaalves
 
Exercícios de proporcionalidade
Exercícios de proporcionalidadeExercícios de proporcionalidade
Exercícios de proporcionalidade
aldaalves
 
Soluções estatística e probabil.
Soluções estatística e probabil.Soluções estatística e probabil.
Soluções estatística e probabil.
aldaalves
 
Estatística e probabilidades ii
Estatística e probabilidades iiEstatística e probabilidades ii
Estatística e probabilidades ii
aldaalves
 
Estatística e probabilidades i
Estatística e probabilidades iEstatística e probabilidades i
Estatística e probabilidades i
aldaalves
 
Equações do 2.º grau soluções
Equações do 2.º grau  soluçõesEquações do 2.º grau  soluções
Equações do 2.º grau soluções
aldaalves
 
Circunferência e polígonos
Circunferência e polígonosCircunferência e polígonos
Circunferência e polígonos
aldaalves
 
Circunferência e polígonos resolução
Circunferência e polígonos resoluçãoCircunferência e polígonos resolução
Circunferência e polígonos resolução
aldaalves
 
Trigonometria soluções
Trigonometria soluçõesTrigonometria soluções
Trigonometria soluções
aldaalves
 
Espaço volumes-respetiva correção
Espaço volumes-respetiva correçãoEspaço volumes-respetiva correção
Espaço volumes-respetiva correção
aldaalves
 
Números reais e inequações
Números reais e inequaçõesNúmeros reais e inequações
Números reais e inequações
aldaalves
 
Sistemas de equações e respetiva correção
Sistemas de equações e respetiva correçãoSistemas de equações e respetiva correção
Sistemas de equações e respetiva correção
aldaalves
 
Sistemas de equações
Sistemas de equaçõesSistemas de equações
Sistemas de equações
aldaalves
 
Números reais e inequações
Números reais e inequaçõesNúmeros reais e inequações
Números reais e inequações
aldaalves
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
aldaalves
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
aldaalves
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
aldaalves
 
Polinómios e monómios
Polinómios e monómiosPolinómios e monómios
Polinómios e monómios
aldaalves
 

Mais de aldaalves (20)

1.ª chamada 2005
1.ª chamada 20051.ª chamada 2005
1.ª chamada 2005
 
Representações gráficas
Representações gráficasRepresentações gráficas
Representações gráficas
 
Proporcionalidades soluções
Proporcionalidades soluçõesProporcionalidades soluções
Proporcionalidades soluções
 
Exercícios de proporcionalidade
Exercícios de proporcionalidadeExercícios de proporcionalidade
Exercícios de proporcionalidade
 
Soluções estatística e probabil.
Soluções estatística e probabil.Soluções estatística e probabil.
Soluções estatística e probabil.
 
Estatística e probabilidades ii
Estatística e probabilidades iiEstatística e probabilidades ii
Estatística e probabilidades ii
 
Estatística e probabilidades i
Estatística e probabilidades iEstatística e probabilidades i
Estatística e probabilidades i
 
Equações do 2.º grau soluções
Equações do 2.º grau  soluçõesEquações do 2.º grau  soluções
Equações do 2.º grau soluções
 
Circunferência e polígonos
Circunferência e polígonosCircunferência e polígonos
Circunferência e polígonos
 
Circunferência e polígonos resolução
Circunferência e polígonos resoluçãoCircunferência e polígonos resolução
Circunferência e polígonos resolução
 
Trigonometria soluções
Trigonometria soluçõesTrigonometria soluções
Trigonometria soluções
 
Espaço volumes-respetiva correção
Espaço volumes-respetiva correçãoEspaço volumes-respetiva correção
Espaço volumes-respetiva correção
 
Números reais e inequações
Números reais e inequaçõesNúmeros reais e inequações
Números reais e inequações
 
Sistemas de equações e respetiva correção
Sistemas de equações e respetiva correçãoSistemas de equações e respetiva correção
Sistemas de equações e respetiva correção
 
Sistemas de equações
Sistemas de equaçõesSistemas de equações
Sistemas de equações
 
Números reais e inequações
Números reais e inequaçõesNúmeros reais e inequações
Números reais e inequações
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
 
Polinómios e monómios
Polinómios e monómiosPolinómios e monómios
Polinómios e monómios
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Polígonos

  • 2. Da linha poligonal ao polígono Uma linha poligonal é formada por segmentos de recta consecutivos, não alinhados . Polígono é uma superfície plana limitada por uma linha poligonal fechada.
  • 3. 1- Dos exemplos a seguir indica os que são polígonos. Justifica. A, C e E não são polígonos porque os seus lados não são formados apenas segmentos de recta. A B C D E F
  • 4. Existem polígonos convexos e polígonos côncavos: Polígono convexo Se unires dois quaisquer dos seus pontos, o segmento de recta obtido está sempre contido no polígono. Polígono côncavo Existem sempre pelo menos, dois dos seus pontos que unidos, formam um segmento de recta que não está contido no polígono. 2- Dos polígonos da pergunta anterior indica os que são convexos e os que são côncavos .
  • 5. Ângulos internos e externos de um polígono convexo Ângulo externo Ângulo interno O ângulo interno de um polígono é o ângulo formado por dois lados consecutivos. O ângulo externo de um polígono é o ângulo formado por um dos seus lados e pelo prolongamento de um dos lados adjacentes. Repara que a soma da amplitude de um ângulo interno com o respectivo ângulo externo é sempre 180º.
  • 6. Ângulos internos e externos de um polígono Soma das amplitudes dos ângulos internos de um polígono 1 1x180º 5 6 7 10 n 2x180º 3x180º 4x180º 5x180º (10-2)x180º (n-2)x180º 3 4 5 8 n-2 Polígono N.º de lados Exemplo N.º de triângulos em que ficou dividido Soma dos ângulos internos de um polígono Triângulo 3     Quadrilátero 4 2     Pentágono       Hexágono       Heptágono         ... ... ... ... ... Polígono de 10 lados   ...     ... ... ... ... ... Polígono de n lados         ... ... ... ... ...
  • 7. 3- Do preenchimento do quadro podemos concluir que… A soma S i das amplitudes dos ângulos internos de um polígono com n lados é dada pela expressão: S i =(n-2)x180º
  • 8. Soma das amplitudes dos ângulos externos de um polígono Observa o triângulo: 3
  • 9. Vamos ver o que se passa com o quadrilátero
  • 10. 5-Observando o pentágono da figura e utilizando o raciocínio anterior, calcula a soma das amplitudes dos seus ângulos externos. Vejamos ainda o que acontece com o pentágono:
  • 11. De uma maneira geral, se o polígono tiver n lados vem: podemos escrever: Como
  • 12.
  • 13. POLÍGONOS INSCRITOS NUMA CIRCUNFERÊNCIA Um pol í gono est á inscrito numa circunferência se todos os seus v é rtices forem pontos da circunferência. Nestes 3 casos, os pol í gonos estão inscritos nas circunferências. Então, as circunferências dizem-se circunscritas aos pol í gonos.
  • 14. Qualquer triângulo pode sempre inscrever-se numa circunferência, basta determinar circuncentro (ponto de encontro das mediatrizes - centro da circunferência). Geogebra (Triângulo e pontos notáveis de um triângulo)
  • 15. E relativamente aos quadriláteros? Qualquer quadrilátero pode ser inscrito numa circunferência? Não… Geogebra Apenas os quadriláteros cujos ângulos opostos são suplementares.
  • 16. Num quadrilátero inscrito numa circunferência , a soma das amplitudes de dois ângulos opostos é 180º (os ângulos opostos são suplementares).
  • 17. Polígonos regulares Um polígono diz-se regular se tem todos os seus lados com o mesmo comprimento e todos os ângulos com a mesma amplitude. Exemplos: O triângulo equilátero e o quadrado são disso exemplo.
  • 18.
  • 19. A amplitude do ângulo ao centro de um polígono regular de n lados é . A amplitude do ângulo externo é , igual à amplitude do ângulo ao centro. A amplitude de cada ângulo interno é igual ao quociente entre a soma das amplitudes dos ângulos internos pelo número de lados do polígono. . Polígonos regulares Geogebra
  • 20. A saber… A amplitude de um ângulo ao centro é igual à amplitude de um ângulo externo. Em polígonos regulares: é o número de lados do polígono
  • 21. O lado de um hexágono regular inscrito numa circunferência é igual ao raio dessa circunferência GEOGEBRA Importante: