Auto avaliação da BE

1.053 visualizações

Publicada em

Modelo de Auto-avaliação da BE

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.053
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Maria Alcina Rodrigues Correia
  • Maria Alcina Rodrigues Correia
  • Auto avaliação da BE

    1. 1. AUTO-AVALIAÇÃO DA BE/CRE
    2. 2. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias fundamentais para sermos bem sucedidos na sociedade actual, baseada na informação e no conhecimento. A biblioteca escolar desenvolve nos estudantes competências para a aprendizagem ao longo da vida e desenvolve a imaginação, permitindo-lhes tornarem-se cidadãos responsáveis. (IFLA/Unesco, 1999)
    3. 3. BIBLIOTECAS ESCOLARES O SENTIDO DA AUTO-AVALIAÇÃO A reflexão e a avaliação são a chave para melhorar a eficácia do Centro de Recursos da Biblioteca Escolar. A ideia de medir o sucesso pode inicialmente parecer assustadora, ou até mesmo ameaçadora, e ser vista como mais uma chamada ao tempo já limitado, mas não devemos adiar: muita da informação necessária já está lá, explícita ou implícita, ou pode facilmente ser extrapolada, e esta só deve ser cotejada, avaliada criticamente e transformada em conhecimento sobre os pontos fortes e necessidades de desenvolvimento do CR. (Scott, 2002)
    4. 4. Objectivos da auto-avaliação da BE  Reflectir sobre a missão e objectivos da BE.  Identificar pontos fortes e fracos nos serviços prestados.  Ajustar as práticas às necessidades dos utilizadores.  Fomentar o trabalho cooperativo com docentes e discentes.  Contribuir para a afirmação da BE como espaço de aprendizagens.
    5. 5. Etapas do Processo <ul><li> Selecção do domínio a avaliar (de acordo como Modelo da Auto-avaliação proposto pela RBE), depois de ouvida a equipa e o Conselho Executivo. </li></ul><ul><li> Adaptação do modelo à realidade da escola. </li></ul><ul><li>Calendarização das actividades a levar a cabo. </li></ul><ul><li> Selecção das amostras. </li></ul><ul><li> Divulgação da aplicação aos diferentes órgãos pedagógicos. </li></ul><ul><li> Definição dos instrumentos de recolha de evidências. </li></ul><ul><li> Recolha de evidências e análise dos dados. </li></ul><ul><li> Reflexão sobre os resultados e identificação de acções de melhoria. </li></ul><ul><li> Elaboração do relatório da auto-avaliação. </li></ul><ul><li> Apresntação do relatório ao Conselho pedagógico. </li></ul><ul><li> Divulgação do relatório à comunidade escolar. </li></ul>
    6. 6. Envolvimento dos Utilizadores Toda a comunidade escolar <ul><li>Professor Bibliotecário: </li></ul><ul><li>Motivar a escola para o processo de auto-avaliação. </li></ul><ul><li>- Desenvolvimento do processo de auto-avaliação </li></ul><ul><li>Director </li></ul><ul><li>Acompanhar o processo de auto-avaliação. </li></ul>
    7. 7. Envolvimento dos Utilizadores Toda a comunidade escolar <ul><li>Conselho Pedagógico </li></ul><ul><li>Analisar o relatório e fazer as recomendações que julgue necessárias. </li></ul><ul><li>Alunos/Professores/Encarregados de Educação </li></ul><ul><li>Questionários, entrevistas e grelhas de observação. </li></ul>
    8. 8. Impacto da Auto-avaliação na BE <ul><li>- Permita a construção de plano de actividades que vá de encontro às reais necessidades dos utilizadores. </li></ul><ul><li>Melhore, efectivamente, as práticas da BE. </li></ul><ul><li>Seja, daqui em diante, visto como um procedimento normal e necessário ao bom funcionamento da BE. </li></ul>
    9. 9. Impacto no trabalho dos professores e aprendizagens dos alunos <ul><li>Consciencialização, por parte do corpo docente, para a importância que a BE tem no processo ensino-aprendizagem. </li></ul><ul><li>Optimização dos espaços e recursos da BE, para que as aprendizagens sejam quantitativa e qualitativamente melhores. </li></ul><ul><li>Conjugação de esforços para que o trabalho cooperativo entre a BE e o corpo docente se intensifique e/ou optimize. </li></ul>
    10. 10. Comunicação e integração dos resultados no relatório de avaliação da escola <ul><li>Apresentação ao Conselho Pedagógico do relatório final. </li></ul><ul><li>Divulgação dos resultados aos Departamentos/Grupos Disciplinares. </li></ul><ul><li>Integração, no relatório da avaliação da escola, dos resultados, assim como das acções de melhoria a implementar. </li></ul>
    11. 11. Domínio a avaliar em 2008-09 Leitura e Literacias (Domínio B)
    12. 12. - Estatísticas de: a) requisição/uso de recursos de informação relacionados com a leitura e utilização informal da BE. b) utilização da BE para actividades de leitura programada/articulada com outros docentes. - Registos de projectos desenvolvidos no âmbito da promoção da leitura. - Questionários aos professores (QP2) - Questionários aos alunos (QA2) - Projectos e actividades comuns realizadas neste âmbito - Listagem de materiais de apoio produzidos e editados - Registo de requisição de livros no âmbito do PNL - Questionários aos professores (QP2) - Questionários aos Encarregados de Educação (QEE1) Instrumentos de recolha de evidências B.1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura B.2. Trabalho articulado da BE com departamentos e docentes e com o exterior, no âmbito da leitura
    13. 13. - Estatísticas de utilização da BE para actividades de leitura - Estatísticas de requisição domiciliária - Grelhas de observação de competências dos alunos neste âmbito - Trabalhos realizados pelos alunos - Questionários aos professores (QP2) - Questionários aos alunos (QA2) Instrumentos de recolha de evidências (cont.) B.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias
    14. 14. Cronograma de aplicação do sistema de auto-avaliação da BE/CRE 1.º Período DATA ACTIVIDADES A DESENVOLVER Setembro/Outubro Selecção do domínio a aplicar, depois de ouvida a equipa e o Conselho Executivo. Preparação do documento para apresentação em Conselho Pedagógico. Novembro 5 - Apresentação, ao Conselho Pedagógico, do documento de avaliação da BE para o ano lectivo 2008-09. 10 a 17 - Selecção das amostras para aplicação dos questionários e grelhas de observação. 18 a 28 - Preparação/adaptação dos instrumentos de recolha de evidências. Dezembro 1 a 18 - Levantamento e tratamento de dados estatísticos referentes ao 1.º período. - Registo de projectos desenvolvidos no âmbito da promoção de leitura e literacias. - Listagem de materiais de apoio produzidos e editados. - Levantamento dos trabalhos realizados pelos alunos. - Registo de requisições de livros no âmbito da PNL.
    15. 15. 2.º Período DATA ACTIVIDADES A DESENVOLVER Janeiro 12 a 16 - 1.ª aplicação das grelhas de observação de competências doa alunos, no âmbito das leituras e literacias (O2). 19 a 30 - 1.ª aplicação dos questionários aos alunos e professores (QA2 e QP2). Fevereiro 2 a 6 - 1.ª aplicação dos questionários aos Encarregados de Educação (QEE1) 9 a 20 - Tratamento dos dados dos questionários e grelhas de observação. Março Ao longo do mês - Levantamento e tratamento de dados estatísticos referentes ao 2.º período. - Registo de projectos desenvolvidos no âmbito da promoção de leitura e literacias. - Listagem de materiais de apoio produzidos e editados. - Levantamento dos trabalhos realizados pelos alunos. - Registo de requisições de livros no âmbito da PNL. Cronograma de aplicação do sistema de auto-avaliação da BE/CRE (cont.)
    16. 16. 3.º Período DATA ACTIVIDADES A DESENVOLVER Abril 14 a 20 - 2.ª aplicação das grelhas de observação de competências dos alunos, no âmbito das leituras e literacias (O2). Maio 18 a 29 - 2.ª aplicação dos questionários aos alunos e professores (QA2 e QP2). - 2.ª aplicação dos questionários aos Encarregados de Educação (QEE1) Junho 1 a 12 - Levantamento e tratamento de dados estatísticos referentes ao 3.º período. - Registo de projectos desenvolvidos no âmbito da promoção de leitura e literacias. - Listagem de materiais de apoio produzidos e editados. - Levantamento dos trabalhos realizados pelos alunos. 15 a 19 - Tratamento dos dados dos questionários e grelhas de observação. - Registo de requisições de livros no âmbito da PNL. Julho Ao longo do mês - Elaboração do relatório de avaliação. - Apresentação dos resultados ao Conselho Pedagógico. - Envio do relatório para a DREC, com a indicação das recomendações feitas pelo Conselho pedagógico. Cronograma de aplicação do sistema de auto-avaliação da BE/CRE (cont.)
    17. 17. Maria Alcina Rodrigues Correia Fontes Consultadas: . Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: Instrumentos de recolha de dados. [em linha]. (consultado em 08/11/2008). Disponível em URL: http://www.rbe.min-edu.pt/np4/?newsId=31&fileName=Modelos_instrumentos.pdf . Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. A Biblioteca Escolar no contexto ensino-aprendizagem para todos: Manifesto da Biblioteca Escolar. [em linha]. (consultado em 07/11/2008). Disponível em URL: http://www.rbe.minedu.pt/np4/?newsId=74&fileName=manifesto_be_unesco.pdf . Johnson, Doug (2005). “Getting the Most from Your School Library Media Program”, Principal . [em linha]. (consultado em 07/11/2008). Jan/Feb 2005. Disponível em URL: <http://www.doug-johnson.com/dougwri/getting-the-most-from-your-school-library-media-program-1.html> . O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da Escola/ Agrupamento -Texto da sessão 7, disponibilizado na plataforma. . Scott, Elspeth (2002). “How good is your school library resource centre? An introduction to performance measurement”. 68th IFLA Council and General Conference August. [em linha]. (consultado em 06/11/2008). Disponível em URL: <http://www.ifla.org/IV/ifla68/papers/028-097e.pdf> Maria Alcina Rodrigues Correia

    ×