Successfully reported this slideshow.

Redes sociais

415 visualizações

Publicada em

Aula apresentada no Gran Cursos, em Brasília, para comunicadores sobre web 2.0. A aula foi direcionada ao concurso do Senado.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Redes sociais

  1. 1. Redes Sociais onlineAlberto Marques@alberto_marques
  2. 2. Redes sociais¡  Rede social é gente, é interação, é troca social. É um grupo de pessoas, compreendido através de uma metáfora de estrutura, a estrutura de rede. Os nós da rede representam cada indivíduo e suas conexões, os laços sociais que compõem os grupos. Esses laços são ampliados, complexificados e modificados a cada nova pessoa que conhecemos e com a qual interagimos (RECUERO, 2009, p.29)
  3. 3. Mídias sociais¡  As  mídias  sociais  fazem  parte  de  um  grupo  de  aplicações   para  Internet  construídas  com  base  nos  fundamentos   ideológicos  e  tecnológicos  da  web  2.0,  e  que  permitem  a   criação  e  a  troca  de  Conteúdo  Gerado  pelo  Usuário  (CGU)   (Andreas  Kaplan  e  Michael  Haenlein)  
  4. 4. Sites formadoresde redes sociais¡  Sites  de  redes  sociais  são  serviços  web  que  permitem  aos   usuários  construir  um  perfil  público  ou  semipúblico  dentro   de  um  sistema  conectado,  arKcular  uma  lista  de  outros   usuários  com  os  quais  eles  podem  comparKlhar  uma   conexão  e  ver  e  se  mover  pela  sua  lista  de  conexões  e   pelas  dos  outros  usuários  (Danah  Boyd  e  Nocole  Ellison).  
  5. 5. Web 2.0 •  O`Reilly Media e Media Live International •  Web 2.0 Conference 2004 – primeira vez que o termo é citado.–  What is web 2.0. Design Patterns and Business Models for the Next Generation of Software – texto seminal (2005)
  6. 6. Web 2.0O  termo  web  2.0  designa  uma  segunda  geração  de  comunidades  e  serviços,  tendo  como  conceito  a  "web  como  plataforma",  envolvendo  wikis,  aplicaKvos  baseados  em  folksonomia,  redes  sociais  e  Tecnologia  da  Informação.      Embora  o  termo  tenha  uma  conotação  de  uma  nova  versão  para  a  web,  ele  não  se  refere  à  atualização  nas  suas  especificações  técnicas,  mas  a  uma  mudança  na  forma  como  ela  é  encarada  por  usuários  e  desenvolvedores,  ou  seja,  o  ambiente  de  interação  e  parKcipação  que  hoje  engloba  inúmeras  linguagens  e  moKvações.    Fonte:  wikipédia.  
  7. 7. NomenclaturasFolksonomia é uma maneira de indexar informações.Esta expressão foi cunhada por Thomas Vander Wal. Éuma analogia à taxonomia, mas inclui o prefixo folks,palavra da língua inglesa que significa pessoas.Aplicações de Internet Rica (da sigla em inglês RIA -Rich Internet Application) são Aplicações Web quetêm características e funcionalidades de softwarestradicionais do tipo Desktop. RIA típicos transferemtodo o processamento da interface para onavegador da internet, porém mantêm a maiorparte dos dados (como por exemplo, o estado doprograma, dados do banco) no servidor deaplicação.
  8. 8. AutoresWeb 2.0 – sete princípiosAutores 2005)(O`Reilly, Introdução–  Web como plataforma de trabalho–  Fortalecimento da inteligência coletiva–  Gestão de base de dados - competência básica–  Fim do ciclo das atualizações dos softwares–  Simplificação de busca–  Software não limitado a um só dispositivo–  Experiências enriquecedoras dos usuários
  9. 9. Web como plataforma detrabalhoAlterações do modelo de negócioConvergência de modelos = pago/livreWebtop (computação em nuvem)Diferença no armazenamentoComunidades x qualidade
  10. 10. Aproveitamento dainteligência coletiva¡  O’Reilly cita a Wikipedia como “una experiencia radical de confianza, donde cualquier usuario puede aportar la definición de un término y cualquier otro puede corregirlo, transformando al usuario de un mero consumidor a un co- desarrollador en forma productiva para la plataforma” (2005, p. 5) – Revisão entre pares.¡  Agregação de valor nos conteúdos
  11. 11. Base de dadosGestão de bases de dados como competência básica Infoware – software mais dados Lo valioso de las aplicaciones Web 2.0 son los datos, ya que en muchos casos el software es un recurso abierto o de fácil implementación.
  12. 12. BetaFim do ciclo de atualizações dos softwares Software proprietário / software como serviço gratuito na web Alteração do modelo de negócio –  Nuevas aplicaciones Web 2.0 se desarrollan con el objeto de sustituir a estos productos y ganar clientes dispuestos a producir y subir los datos a nuevas plataformas. Por su parte, Google representa - con su motor de búsqueda y todos sus servicios complementarios- el modelo de actualización diaria del software sin costes para el usuario.
  13. 13. Simplificação de interfacesProgramação rápida e buscas simplificadas¡  Simplicidade nas interfaces - substituição dos desenhos ideais de arquitetura da informação, dos metadados e das interfaces gráficas por um protagonismo que promova a simplicidade e a fiabilidade para aplicações não centralizadas. Crescimento de conteúdos / Sindicação / facilidade de leitura Mashups / web híbridas: Como aplicativo na web, mashup corresponde à mistura de dados provenientes de mais de uma fonte. Nas palavras de Tapscott e Williams (2007, p. 233), há um mashup quando “um programador mixa pelo menos dois serviços ou aplicativos de diferentes sites para criar algo novo e que, muitas vezes, é melhor do que a soma das suas partes”. (ZAGO, 2008).
  14. 14. Sete princípiosSoftware não limitado a um só dispositivo –  Dispositivos móveis –  TabletsExperiências enriquecedoras do usuário •  Com o uso, novas funcionalidades são desenvolvidas
  15. 15. Terminologias que seretroalimentam - WEB 2.0–  Software social–  Arquitetura da participação–  Conteúdo gerado pelo usuário–  Etiquetas (tags)–  Sindicação de conteúdos – distribuição de conteúdo, por exemplo, via RSS.
  16. 16. Inteligência ColetivaInteligência coletiva (Levy, 1997)Antecipação da criação de ferramentas que possibilitem a construção cooperativa de conhecimento, sem que exista uma vontade expressa de criar um saber coletivo.Este intelecto colectivo, explica Lévy, es una especie de sociedad anónima a la que cada accionario aporta como capital su conocimiento, sus conversaciones, su capacidad de aprender y enseñar.Conhecimento individual x coletivo
  17. 17. Capital Social¡  Conexões estabelecidas pelos usuários através das redes sociais podem dar a ele acesso ao capital social, conceito metafórico para estudar o conteúdo das interações sociais.¡  Para Coleman (1988 apud ZAGO, 2011), “o capital social, definido por sua função, seria uma estrutura social que facilitaria determinadas ações por parte dos atores dentro dessa estrutura.¡  O capital social engloba os valores que podem ser obtidos pelos indivíduos ao fazer parte de uma rede social, como reputação, visibilidade, autoridade e popularidade(RECUERO, 2009a).
  18. 18. Valores obtidos na rede¡  A possibilidade de estar conectado um ao outro faz com que ocorra a visibilidade social .“A visibilidade é constituída enquanto um valor porque proporciona que os nós sejam mais visíveis na rede. Com isso, um determinado nó pode amplificar os valores que são obtidos – através dessas conexões, tais como o suporte social e as informações” (RECUERO, 2009, p. 108);
  19. 19. Visibilidade¡  A visibilidade decorre, a princípio, da presença do ator na rede. Essa visibilidade dos nós nas redes pode significar, segundo Montardo e Carvalho (2011):¡  1) acesso a informações e apoio de forma proporcional ao número de conexões estabelecidas, o que permite a construção de capital social;¡  2) manutenção de rede social online e off-line;¡  3) gerenciamento dos grupos sociais.¡  Raquel Recuero (2009, p. 44) explica que o conceito de capital social é variado. Entre os estudiosos, há discordância sobre qual vertente seguir. Mas entende-se que o conceito se refere a valores construídos a partir das interações entre as pessoas.
  20. 20. Autoridade¡  A autoridade é compreendida como a influência que um ator possui na rede. Recuero entende que a autoridade está relacionada com a reputação: “a autoridade é uma medida de influência, da qual se depreende a reputação” (2009, p. 113). A influência pode ser verificada através das informações publicadas e da posição do ator. “De acordo com o modelo analítico de redes sociais, poder e autoridade em redes derivam de centralidade ou ‘destaque’, a densidade de ligações com outros indivíduos localizados mais ou menos no centro da rede”. (O’NEIL, 2005, p. 1, tradução nossa)
  21. 21. Popularidade¡  popularidade, na acepção de Recuero (2009), está relacionada à estrutura do nó na rede.¡ 
  22. 22. Reputação¡  “O conceito de reputação implica diretamente o fato de que há informações sobre quem somos e o que pensamos, que auxiliam outros a construir, por sua vez, suas impressões sobre nós.” (RECUERO, 2009, p. 109).
  23. 23. Microblogs podem ser considerados como espécies de “blogssimplificados” (Zago, 2008a), na medida em que possuem os recursosinerentes ao formato blog (com publicação de conteúdo em ordem cronológicainversa, e as demais características dos blogs), mas de formasimplificada. A principal diferença diz respeito ao fato de que as atualizaçõespossuem limitações de tamanho, como no caso da ferramenta Twitter, na qualcada atualização não pode ultrapassar o limite máximo de 140 caracteres (queé também o tamanho máximo permitido em uma mensagem de celular).
  24. 24. Características diferenciadas: a mobilidade e a arquitetura aberta deinformações.No Twitter, a dinâmica é diferente das mídias sociais em que os usuários serelacionam apenas com amigos e passam por um critério de aprovação paraacompanhar suas páginas pessoais. Aqui, é possível adicionar qualquerpessoa e ver o que ela escreve. São chamados de seguidores aquelesque acompanham os posts de outra pessoa. (TELLAROLI, 2010)O Twitter está no ar desde julho de 2006. A popularização da ferramenta foi sedar a partir de março de 2007 (Mischaud, 2007).
  25. 25. Usos• Compartilhar experiênciasboas e ruins;• Discutir ideias sobre produtos eprojetos;• Saber mais sobre promoções eofertas exclusivas;• Obter serviço ao cliente.
  26. 26. Usando o TwitterVocabulário e modos de uso:Seguir (Follow) – Alguém se inscrever para receber suas mensagens;Tweet – Uma mensagem individual;Retweet (RT @alberto_marques) – É postar a mesma mensagem deoutra pessoa. No Twitter, serve como dar crédito e, ao mesmo tempo,interagir;Direct Message (DM) – É uma mensagem privada no Twitter.
  27. 27. Usando o TwitterTrending Topics (TT) – São os termos mais discutidos no Twitterem um determinado momento;Lists – as listas te dão a oportunidade de organizar contatos emtorno de um assunto, tema e/ou afinidade;@alberto_marques – é o endereço de uma pessoa. Paraescrever uma mensagem pública para pessoa basta colocar oendereço dessa forma na mensagem;Hashtag – o símbolo # seguido por um termo incluído nos tweets– é um modo de categorizar todos os posts sobre um tópico.
  28. 28. Ferramentas do TwitterTwitter Search – seguir alguém no Twitter significa quevocê se inscreveu para receber seus Tweets. Observar oque as pessoas estão falando a seu respeito éimportante.É a melhor estratégia para ser seguido?Uma lista ajudaria a acompanhar as conversações?Buscas no twitter:www. search.twitter.com
  29. 29. Usando o TwitterEncurtadores de LinksQuando existe a necessidade de colocar um link em umtexto (Tweet), que precisam ter 140 caracteres, alguns sitespossibilitam encurtar a URL de um link. Hoje o twitter járeduz de forma automática.q tinyurl.comq bit.lyq migre.me
  30. 30. “BIO”Você tem 160 caracteres em uma seção chamada “BIO” para explicar quem é você. É um importante fator para SMO (SOCIAL MEDIA OPTIMIZATION). O importante é usar palavras- chave na BIO.
  31. 31. FACEBOOK¡  Lançamento: outrubro de 2008. Um estudante da Universidade de Havard chamado Mark Zuckerberg invadiu um ID de um banco de dados e criou o Facemash, um site que permitia que alunos comparassem suas fotografias de identitade para selecionar a mais atrativa. Para evitar uma ação júridica, o estudante criou o Facebook.

×