SlideShare uma empresa Scribd logo
Ideário
Índice


INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................... 3

1.     Identidade do IDF ................................................................................................................................. 4

2.     Objetivos do IDF .................................................................................................................................. 4

3.     Processo Educativo............................................................................................................................... 5

4.     A Comunidade Educativa ..................................................................................................................... 6

5.     Natureza e finalidade do IDF ................................................................................................................ 6
IDF – Ideário

                                            INTRODUÇÃO

      A Lei de Bases do Sistema Educativo (LBSE) refere que "a educação promove o desenvolvimento
do espírito democrático e pluralista, respeitador dos outros e das suas ideias, aberto ao diálogo e à livre
troca de opiniões, formando cidadãos capazes de julgarem com espírito crítico e criativo o meio social em
que se integram e de se empenharem na sua transformação progressiva."

      A Fundação UNIR que tutela o IDF assenta a sua filosofia no espírito que norteia a LBSE,
procurando respeitar em simultâneo o direito inalienável de cada pessoa à educação, entendendo que esta
é tarefa fundamental da família, da Escola e de toda a sociedade.

      Na verdade, só a plena assunção dos direitos e deveres individuais de todos os agentes educativos,
associada à consciência daquilo que cada um tem de contribuir para que o coletivo funcione em bloco,
poderá transformar a escola num espaço agradável, onde todos gostem de estar, aprender, conviver e
participar. Daí que os princípios constantes no ideário e as regras do Regulamento Interno terão que ser
entendidas como instrumentos fundamentais à orientação do processo educativo sendo que a cada
elemento da comunidade educativa caberá um papel específico, para que haja uma melhoria efetiva das
condições de trabalho e de ensino-aprendizagem.

      O IDF – Instituto Diocesano de Formação João Paulo II é um estabelecimento de ensino de
iniciativa privada, santomense, que ministra o currículo português. Para o efeito, conta com as
autorizações do Ministério de Educação de Portugal, através do Paralelismo Pedagógico ao Sistema de
Ensino Português desde o ano 1993/1994, e do Ministério da Educação e Cultura de S. Tomé e Príncipe
cujo reconhecimento lhe foi concedido em janeiro de 2010 com efeitos retroativos a partir da data da sua
criação. Tutelado pela Diocese de S. Tomé e Príncipe até 2009, encontra-se agora sob a tutela da
Fundação UNIR.

      O Ideário do IDF – Instituto Diocesano de Formação João Paulo II tem uma tripla finalidade:

         Apresentar os princípios e valores católicos;

         Servir de instrumento orientador do RI;

         Garantir a igualdade de direitos e deveres a todos os alunos sem discriminação de raça, religião
          e género.

      Neste contexto, todos os alunos têm direito à educação em plena igualdade de oportunidades,
reconhecendo-se aos pais e encarregados de educação o principal papel de educadores que, em parceria
com a escola, contribuem para a formação dos seus educandos.




                                                                                                         3
IDF – Ideário

    1. Identidade do IDF

        1.1. Enquanto Escola o IDF:

           1.1.1.    Tem como primeira preocupação a qualidade do ensino nele ministrado e a formação
                     permanente, em especial dos docentes, sob o ponto de vista profissional e
                     pedagógico;

           1.1.2.    Organiza a sua ação de modo a favorecer o desenvolvimento da personalidade do
                     educando, a auxiliá-lo na descoberta do seu projeto de vida e a torná-lo capaz de
                     responder aos desafios da cultura da sociedade contemporânea;

           1.1.3.    Atua em espírito de família, através de uma atitude de abertura, acolhimento, diálogo
                     e liberdade;

           1.1.4.    Está aberto a todas as pessoas, independentemente da sua classe, sexo e convicções;

           1.1.5.    Afirma-se como ponto de encontro e de irradiação da vivência dos valores cristãos;

           1.1.6.    Promove a formação humana e cristã dos seus educandos.


    2. Objetivos do IDF

      O objetivo primordial do IDF é a formação dos seus alunos, mediante o desenvolvimento
harmonioso das suas capacidades e potencialidades nos planos pessoal, social e religioso.

        2.1. No âmbito pessoal o aluno deve ser educado de modo a aprender:

           2.1.1.    A saber ser, fazer e agir de uma forma livre, responsável e coerente;

           2.1.2.    A integrar de uma maneira equilibrada, positiva e progressiva a sua inteligência,
                     afetividade e vontade;

           2.1.3.    A desenvolver o espírito analítico, crítico e criativo;

            2.1.4.   A cultivar os valores da honestidade, seriedade, perseverança e simplicidade.

        2.2. No âmbito social e religiosa o aluno é estimulado:

           2.2.1.    A crescer na abertura, respeito e doação ao outro;

           2.2.2.    A saber trabalhar em grupo e a procurar o bem comum;

           2.2.3.    A empenhar-se na construção de um mundo melhor.




                                                                                                           4
IDF – Ideário

3. Processo Educativo

 O IDF orienta o processo educativo para alcançar uma educação integral:

   3.1. Em ordem à dimensão pessoal:

      3.1.1.   O IDF considera primordial a educação personalizada do aluno dentro da
               comunidade, tendo em atenção as capacidades, a motivação e o interesse, o ritmo e as
               dificuldades de aprendizagem, o projeto de vida, as circunstâncias familiares e sociais
               de cada um;

      3.1.2.   O educador dará especial atenção à sua relação pessoal com os alunos,
               acompanhando-os a refletir, tanto individualmente, como em grupo, sobre as suas
               experiências;

      3.1.3.   A educação pessoal processa-se através de métodos ativos, de trabalho em grupo, de
               estudo individual, sob a orientação do educador, pondo em comum conhecimentos e
               atitudes;

      3.1.4.   E porque a educação não se limita à transmissão e aquisição de um conjunto de
               competências previstas nos programas, merecem especial cuidado as atividades
               interdisciplinares e extracurriculares, mediante as quais se completa a educação do
               educando, abrindo-lhe horizontes para uma compreensão global de si mesmo, dos
               outros e da sociedade em que está inserido.

   3.2. A dimensão social e religiosa do processo educativo implica:

      3.2.1.   A promoção do espírito comunitário no âmbito da vida do Instituto, desenvolvendo a
               capacidade de relações pessoais e de trabalho em equipa, atitude de serviço e de
               respeito pelo outro, a participação responsável na ação educativa, a solidariedade com
               a instituição educadora;

      3.2.2.   A necessidade de proporcionar aos alunos os conhecimentos necessários para a
               compreensão global do mundo contemporâneo; de estimular a capacidade de análise
               e reflexão crítica no que diz respeito aos diversos sistemas sociais, culturais,
               económicos e políticos;

      3.2.3.   A formação no sentido da justiça e solidariedade para com os mais pobres e
               desfavorecidos;

      3.2.4.   As aulas de Formação Humana e Cristã, as atividades extracurriculares, os grupos de
               reflexão e ação que venham a ser constituídos e as celebrações liturgias, surgem
               como lugares e momentos privilegiados de reflexão sobre os valores e princípios
               católicos.


                                                                                                    5
IDF – Ideário


4.   A Comunidade Educativa
     4.1. No IDF deve ter prioridade a estrutura comunitária que exige uma especial atenção às
         relações humanas, as quais devem ser particularmente promovidas e aperfeiçoadas.

     4.2. Todos os membros da Comunidade Educativa: educadores, pais e encarregados de educação,
         alunos e pessoal não docente, participam, segundo a própria responsabilidade e competência
         do direito e da obrigação de colaborar na reflexão e realização dos objetivos pedagógicos e
         nos diversos processos de decisão.

     4.3. Os professores intervêm através dos respetivos órgãos e estruturas, na programação e
         elaboração do projeto educativo, bem como na sua avaliação e revisão.

     4.4. Dada a responsabilidade base que os pais e encarregados de educação tem na educação,
         reserva-se-lhes especial participação, sobretudo através da respetiva associação.

     4.5. A participação na vida do Instituto dos alunos e do pessoal não docente, através dos seus
         representantes, bem como dos antigos alunos, deve ser fomentada.

     4.6. Não pode prescindir-se de encontros que sensibilizem toda a comunidade educativa no
         espírito dos princípios que enformam este Ideário.

     4.7. O Instituto deve fomentar os contactos com outras instituições e pessoas, tornando-se cada
         vez mais uma comunidade aberta ao meio em que está inserido num contínuo intercâmbio
         com as realidades exteriores.



5. Natureza e finalidade do IDF

     5.1. O Instituto Diocesano de Formação João Paulo II (IDF), desenvolve a sua ação educativa
         dentro dos princípios e valores católicos.

     5.2. O Instituto é uma instituição de ensino particular, propriedade da Fundação UNIR, de caráter
         não-lucrativo.

     5.3. O Instituto organiza-se como autêntica comunidade, integrada por todas as pessoas que
         contribuem para a sua função educadora: Pais ou Encarregados de Educação, Professores,
         Pessoal Não Docente, Alunos e Antigos Alunos.

     5.4. A finalidade principal deste Instituto é de preparar homens e mulheres que venham a
         desenvolver uma ação imbuída dos valores cristãos na sociedade em que estão inseridos.

     5.5. Este Instituto ministra todos os graus de ensino do 2º e 3º ciclos do Ensino Básico e do Ensino
         Secundário.

     5.6. Este Instituto situa-se no âmbito da legislação do Ensino Particular e Cooperativo, santomense.

                                                                                                            6
IDF – Ideário

        5.7. A frequência, bem como o exercício de qualquer função no Instituto, pelos diversos membros
            da comunidade educativa, pressupõe a aceitação do seu Ideário, Projeto Educativo e
            Regulamento Interno.



S. Tomé, 24 de julho de 2012



     Entidade Titular                                            Diretora do IDF

____________________________                               ________________________
 D. Manuel António Mendes dos Santos                            Isaura Carvalho




                                                                                                     7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2
jairdeoliveirajunior
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
maria152302
 
Caderno ii
Caderno   iiCaderno   ii
Caderno ii
NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
Marco doutrinal1 def
Marco doutrinal1 defMarco doutrinal1 def
Marco doutrinal1 def
Antenor Antenor
 
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteQuadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Eduardo Lopes
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Jesica Hencke
 
Curso Do Er ApresentaçãO Catedral Mod 1 Ue 1
Curso Do Er ApresentaçãO Catedral  Mod 1 Ue 1Curso Do Er ApresentaçãO Catedral  Mod 1 Ue 1
Curso Do Er ApresentaçãO Catedral Mod 1 Ue 1
enineialmeida
 
Universidade federal do ceará UFC
Universidade federal do ceará   UFCUniversidade federal do ceará   UFC
Universidade federal do ceará UFC
César Ribeiro
 
Ce05 grupo b-is-docproposta1
Ce05 grupo b-is-docproposta1Ce05 grupo b-is-docproposta1
Ce05 grupo b-is-docproposta1
Cleangela
 
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência ContextoProjeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
asustecnologia
 
Artigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorArtigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino Superior
VALERIAOLIVEIRAAMORI
 
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckmanDiretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Jesus Borges
 
Importante ppp do campo
Importante   ppp do campoImportante   ppp do campo
Importante ppp do campo
gisianevieiraanana
 
Trabalho de fim de curso final 2014
Trabalho de fim de curso final 2014Trabalho de fim de curso final 2014
Trabalho de fim de curso final 2014
Mariano Liunda
 
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
Jocilaine Moreira
 
A EDUCAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES
A EDUCAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕESA EDUCAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES
A EDUCAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES
Leonardo Barcelos
 
O que é educação, sua importância e finalidade
O que é educação, sua importância e finalidadeO que é educação, sua importância e finalidade
O que é educação, sua importância e finalidade
Marcelo da Fonseca
 
Unidade 1 a construção histórica do conceito de transversalidade
Unidade 1   a construção histórica do conceito de transversalidadeUnidade 1   a construção histórica do conceito de transversalidade
Unidade 1 a construção histórica do conceito de transversalidade
SimoneHelenDrumond
 

Mais procurados (18)

didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2didatica ensino superior 2
didatica ensino superior 2
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
Caderno ii
Caderno   iiCaderno   ii
Caderno ii
 
Marco doutrinal1 def
Marco doutrinal1 defMarco doutrinal1 def
Marco doutrinal1 def
 
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteQuadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
 
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alicePlano de acao_escola_mundo_de_alice
Plano de acao_escola_mundo_de_alice
 
Curso Do Er ApresentaçãO Catedral Mod 1 Ue 1
Curso Do Er ApresentaçãO Catedral  Mod 1 Ue 1Curso Do Er ApresentaçãO Catedral  Mod 1 Ue 1
Curso Do Er ApresentaçãO Catedral Mod 1 Ue 1
 
Universidade federal do ceará UFC
Universidade federal do ceará   UFCUniversidade federal do ceará   UFC
Universidade federal do ceará UFC
 
Ce05 grupo b-is-docproposta1
Ce05 grupo b-is-docproposta1Ce05 grupo b-is-docproposta1
Ce05 grupo b-is-docproposta1
 
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência ContextoProjeto Escola Viva Deficiência Contexto
Projeto Escola Viva Deficiência Contexto
 
Artigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorArtigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino Superior
 
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckmanDiretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
 
Importante ppp do campo
Importante   ppp do campoImportante   ppp do campo
Importante ppp do campo
 
Trabalho de fim de curso final 2014
Trabalho de fim de curso final 2014Trabalho de fim de curso final 2014
Trabalho de fim de curso final 2014
 
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
GESTÃO DEMOCRÁTICA: RESGATANDO OS VALORES HUMANOS DO ENSINO RELIGIOSO NAS ESC...
 
A EDUCAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES
A EDUCAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕESA EDUCAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES
A EDUCAÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES
 
O que é educação, sua importância e finalidade
O que é educação, sua importância e finalidadeO que é educação, sua importância e finalidade
O que é educação, sua importância e finalidade
 
Unidade 1 a construção histórica do conceito de transversalidade
Unidade 1   a construção histórica do conceito de transversalidadeUnidade 1   a construção histórica do conceito de transversalidade
Unidade 1 a construção histórica do conceito de transversalidade
 

Destaque

Informações avaliação sumativa externa - básico
Informações   avaliação sumativa externa - básicoInformações   avaliação sumativa externa - básico
Informações avaliação sumativa externa - básico
André Ferreira Freitas
 
IDF - Projeto Educativo - 2013/2014
IDF - Projeto Educativo - 2013/2014IDF - Projeto Educativo - 2013/2014
IDF - Projeto Educativo - 2013/2014
André Ferreira Freitas
 
Regras idf - stp
Regras   idf - stpRegras   idf - stp
Regras idf - stp
André Ferreira Freitas
 
Soletrar n.º 1 2012 2013
Soletrar n.º 1   2012 2013Soletrar n.º 1   2012 2013
Soletrar n.º 1 2012 2013
André Ferreira Freitas
 
IDF - Regulamento Interno - 2013/2014
IDF - Regulamento Interno - 2013/2014IDF - Regulamento Interno - 2013/2014
IDF - Regulamento Interno - 2013/2014
André Ferreira Freitas
 
Projeto educativo idf - 2012 2013
Projeto educativo   idf - 2012 2013Projeto educativo   idf - 2012 2013
Projeto educativo idf - 2012 2013
André Ferreira Freitas
 
Resolução de problemas em física 1. 1
Resolução de problemas em física 1. 1Resolução de problemas em física 1. 1
Resolução de problemas em física 1. 1
André Ferreira Freitas
 
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
André Ferreira Freitas
 
IDF - Plano Anual de Atividades - 2013/2014
IDF - Plano Anual de Atividades - 2013/2014IDF - Plano Anual de Atividades - 2013/2014
IDF - Plano Anual de Atividades - 2013/2014
André Ferreira Freitas
 
Resumo 10º11º ano
Resumo 10º11º anoResumo 10º11º ano
Resumo 10º11º ano
adelinoqueiroz
 

Destaque (10)

Informações avaliação sumativa externa - básico
Informações   avaliação sumativa externa - básicoInformações   avaliação sumativa externa - básico
Informações avaliação sumativa externa - básico
 
IDF - Projeto Educativo - 2013/2014
IDF - Projeto Educativo - 2013/2014IDF - Projeto Educativo - 2013/2014
IDF - Projeto Educativo - 2013/2014
 
Regras idf - stp
Regras   idf - stpRegras   idf - stp
Regras idf - stp
 
Soletrar n.º 1 2012 2013
Soletrar n.º 1   2012 2013Soletrar n.º 1   2012 2013
Soletrar n.º 1 2012 2013
 
IDF - Regulamento Interno - 2013/2014
IDF - Regulamento Interno - 2013/2014IDF - Regulamento Interno - 2013/2014
IDF - Regulamento Interno - 2013/2014
 
Projeto educativo idf - 2012 2013
Projeto educativo   idf - 2012 2013Projeto educativo   idf - 2012 2013
Projeto educativo idf - 2012 2013
 
Resolução de problemas em física 1. 1
Resolução de problemas em física 1. 1Resolução de problemas em física 1. 1
Resolução de problemas em física 1. 1
 
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
IDF - Critérios de Avaliação - 2013/2014
 
IDF - Plano Anual de Atividades - 2013/2014
IDF - Plano Anual de Atividades - 2013/2014IDF - Plano Anual de Atividades - 2013/2014
IDF - Plano Anual de Atividades - 2013/2014
 
Resumo 10º11º ano
Resumo 10º11º anoResumo 10º11º ano
Resumo 10º11º ano
 

Semelhante a Ideário IDF

Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de OsascoMetodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
lourivalcaburite
 
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curricularesáreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
Ana Manuel Pires Martins
 
Venina palma
Venina palmaVenina palma
Venina palma
pibidbio
 
Projecto Curricular
Projecto CurricularProjecto Curricular
Projecto Curricular
Traquinas em Linha, lda
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
tati mariano
 
Cbc anos finais - ensino religioso
Cbc   anos finais - ensino religiosoCbc   anos finais - ensino religioso
Cbc anos finais - ensino religioso
Antônio Fernandes
 
ModeloUFV.pptx
ModeloUFV.pptxModeloUFV.pptx
ModeloUFV.pptx
LucianoMachado52
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Cesar Eduardo
 
Manual da Família Colégio Cerp
Manual da Família Colégio CerpManual da Família Colégio Cerp
Manual da Família Colégio Cerp
Paulo Grisi
 
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdfcad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
LeonelBeneditoBelata1
 
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLACURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
cefaprodematupa
 
PCN
PCNPCN
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Cenpec
 
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
SimoneHelenDrumond
 
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. AdolfoPPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
heder oliveira silva
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
Ulisses Vakirtzis
 
P ua 03_just_ob
P ua 03_just_obP ua 03_just_ob
P ua 03_just_ob
Edson Mamprin
 
Temário -
Temário - Temário -
Conselho Escolar e Aprendizagem na Escola
Conselho Escolar e Aprendizagem na EscolaConselho Escolar e Aprendizagem na Escola
Conselho Escolar e Aprendizagem na Escola
UBIRAJARA COUTO LIMA
 
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .pptApresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Milene452635
 

Semelhante a Ideário IDF (20)

Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de OsascoMetodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
Metodologia de ensino Colegio Nossa senhora de Osasco
 
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curricularesáreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
 
Venina palma
Venina palmaVenina palma
Venina palma
 
Projecto Curricular
Projecto CurricularProjecto Curricular
Projecto Curricular
 
A didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superiorA didatica para o ensino superior
A didatica para o ensino superior
 
Cbc anos finais - ensino religioso
Cbc   anos finais - ensino religiosoCbc   anos finais - ensino religioso
Cbc anos finais - ensino religioso
 
ModeloUFV.pptx
ModeloUFV.pptxModeloUFV.pptx
ModeloUFV.pptx
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
 
Manual da Família Colégio Cerp
Manual da Família Colégio CerpManual da Família Colégio Cerp
Manual da Família Colégio Cerp
 
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdfcad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
 
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLACURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
 
PCN
PCNPCN
PCN
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
 
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. AdolfoPPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
 
P ua 03_just_ob
P ua 03_just_obP ua 03_just_ob
P ua 03_just_ob
 
Temário -
Temário - Temário -
Temário -
 
Conselho Escolar e Aprendizagem na Escola
Conselho Escolar e Aprendizagem na EscolaConselho Escolar e Aprendizagem na Escola
Conselho Escolar e Aprendizagem na Escola
 
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .pptApresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
Apresentação-OTP13-abril ensino médio .ppt
 

Mais de André Ferreira Freitas

Regulamento interno idf - stp
Regulamento interno   idf - stpRegulamento interno   idf - stp
Regulamento interno idf - stp
André Ferreira Freitas
 
Plano anual de atividades 2012 2013
Plano anual de atividades 2012 2013Plano anual de atividades 2012 2013
Plano anual de atividades 2012 2013
André Ferreira Freitas
 
Critérios de avaliação idf - 2012 2013
Critérios de avaliação   idf - 2012 2013Critérios de avaliação   idf - 2012 2013
Critérios de avaliação idf - 2012 2013
André Ferreira Freitas
 
Automóvel Elétrico
Automóvel ElétricoAutomóvel Elétrico
Automóvel Elétrico
André Ferreira Freitas
 
Livro de resumos - Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiv...
Livro de resumos - Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiv...Livro de resumos - Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiv...
Livro de resumos - Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiv...
André Ferreira Freitas
 
Mapas
MapasMapas
Diário da República - Unidades do Sistema Internacional
Diário da República - Unidades do Sistema InternacionalDiário da República - Unidades do Sistema Internacional
Diário da República - Unidades do Sistema Internacional
André Ferreira Freitas
 
Aula 7 - CFQ 7º ano
Aula 7 - CFQ 7º anoAula 7 - CFQ 7º ano
Aula 7 - CFQ 7º ano
André Ferreira Freitas
 
Aula 4 - CFQ - 7º ano
Aula 4 - CFQ - 7º anoAula 4 - CFQ - 7º ano
Aula 4 - CFQ - 7º ano
André Ferreira Freitas
 
Aula 3 - CFQ - 7º ANO
Aula 3 - CFQ - 7º ANOAula 3 - CFQ - 7º ANO
Aula 3 - CFQ - 7º ANO
André Ferreira Freitas
 
Aula 1 - CFQ - 7º ano
Aula 1 - CFQ - 7º anoAula 1 - CFQ - 7º ano
Aula 1 - CFQ - 7º ano
André Ferreira Freitas
 
Soletrar N.º 5 - Maio/Junho
Soletrar N.º 5 - Maio/JunhoSoletrar N.º 5 - Maio/Junho
Soletrar N.º 5 - Maio/Junho
André Ferreira Freitas
 
Soletrar N.º 4
Soletrar N.º 4Soletrar N.º 4
Soletrar N.º 4
André Ferreira Freitas
 
Soletrar N.º 3
Soletrar N.º 3Soletrar N.º 3
Soletrar N.º 3
André Ferreira Freitas
 
Soletrar - 2010/2011 - N.º 2
Soletrar - 2010/2011 - N.º 2Soletrar - 2010/2011 - N.º 2
Soletrar - 2010/2011 - N.º 2
André Ferreira Freitas
 
Soletrar - 2010/2011 - N.º 1
Soletrar - 2010/2011 - N.º 1Soletrar - 2010/2011 - N.º 1
Soletrar - 2010/2011 - N.º 1
André Ferreira Freitas
 
Resolução de problemas em física
Resolução de problemas em físicaResolução de problemas em física
Resolução de problemas em física
André Ferreira Freitas
 

Mais de André Ferreira Freitas (17)

Regulamento interno idf - stp
Regulamento interno   idf - stpRegulamento interno   idf - stp
Regulamento interno idf - stp
 
Plano anual de atividades 2012 2013
Plano anual de atividades 2012 2013Plano anual de atividades 2012 2013
Plano anual de atividades 2012 2013
 
Critérios de avaliação idf - 2012 2013
Critérios de avaliação   idf - 2012 2013Critérios de avaliação   idf - 2012 2013
Critérios de avaliação idf - 2012 2013
 
Automóvel Elétrico
Automóvel ElétricoAutomóvel Elétrico
Automóvel Elétrico
 
Livro de resumos - Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiv...
Livro de resumos - Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiv...Livro de resumos - Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiv...
Livro de resumos - Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiv...
 
Mapas
MapasMapas
Mapas
 
Diário da República - Unidades do Sistema Internacional
Diário da República - Unidades do Sistema InternacionalDiário da República - Unidades do Sistema Internacional
Diário da República - Unidades do Sistema Internacional
 
Aula 7 - CFQ 7º ano
Aula 7 - CFQ 7º anoAula 7 - CFQ 7º ano
Aula 7 - CFQ 7º ano
 
Aula 4 - CFQ - 7º ano
Aula 4 - CFQ - 7º anoAula 4 - CFQ - 7º ano
Aula 4 - CFQ - 7º ano
 
Aula 3 - CFQ - 7º ANO
Aula 3 - CFQ - 7º ANOAula 3 - CFQ - 7º ANO
Aula 3 - CFQ - 7º ANO
 
Aula 1 - CFQ - 7º ano
Aula 1 - CFQ - 7º anoAula 1 - CFQ - 7º ano
Aula 1 - CFQ - 7º ano
 
Soletrar N.º 5 - Maio/Junho
Soletrar N.º 5 - Maio/JunhoSoletrar N.º 5 - Maio/Junho
Soletrar N.º 5 - Maio/Junho
 
Soletrar N.º 4
Soletrar N.º 4Soletrar N.º 4
Soletrar N.º 4
 
Soletrar N.º 3
Soletrar N.º 3Soletrar N.º 3
Soletrar N.º 3
 
Soletrar - 2010/2011 - N.º 2
Soletrar - 2010/2011 - N.º 2Soletrar - 2010/2011 - N.º 2
Soletrar - 2010/2011 - N.º 2
 
Soletrar - 2010/2011 - N.º 1
Soletrar - 2010/2011 - N.º 1Soletrar - 2010/2011 - N.º 1
Soletrar - 2010/2011 - N.º 1
 
Resolução de problemas em física
Resolução de problemas em físicaResolução de problemas em física
Resolução de problemas em física
 

Último

Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 

Ideário IDF

  • 2. Índice INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................... 3 1. Identidade do IDF ................................................................................................................................. 4 2. Objetivos do IDF .................................................................................................................................. 4 3. Processo Educativo............................................................................................................................... 5 4. A Comunidade Educativa ..................................................................................................................... 6 5. Natureza e finalidade do IDF ................................................................................................................ 6
  • 3. IDF – Ideário INTRODUÇÃO A Lei de Bases do Sistema Educativo (LBSE) refere que "a educação promove o desenvolvimento do espírito democrático e pluralista, respeitador dos outros e das suas ideias, aberto ao diálogo e à livre troca de opiniões, formando cidadãos capazes de julgarem com espírito crítico e criativo o meio social em que se integram e de se empenharem na sua transformação progressiva." A Fundação UNIR que tutela o IDF assenta a sua filosofia no espírito que norteia a LBSE, procurando respeitar em simultâneo o direito inalienável de cada pessoa à educação, entendendo que esta é tarefa fundamental da família, da Escola e de toda a sociedade. Na verdade, só a plena assunção dos direitos e deveres individuais de todos os agentes educativos, associada à consciência daquilo que cada um tem de contribuir para que o coletivo funcione em bloco, poderá transformar a escola num espaço agradável, onde todos gostem de estar, aprender, conviver e participar. Daí que os princípios constantes no ideário e as regras do Regulamento Interno terão que ser entendidas como instrumentos fundamentais à orientação do processo educativo sendo que a cada elemento da comunidade educativa caberá um papel específico, para que haja uma melhoria efetiva das condições de trabalho e de ensino-aprendizagem. O IDF – Instituto Diocesano de Formação João Paulo II é um estabelecimento de ensino de iniciativa privada, santomense, que ministra o currículo português. Para o efeito, conta com as autorizações do Ministério de Educação de Portugal, através do Paralelismo Pedagógico ao Sistema de Ensino Português desde o ano 1993/1994, e do Ministério da Educação e Cultura de S. Tomé e Príncipe cujo reconhecimento lhe foi concedido em janeiro de 2010 com efeitos retroativos a partir da data da sua criação. Tutelado pela Diocese de S. Tomé e Príncipe até 2009, encontra-se agora sob a tutela da Fundação UNIR. O Ideário do IDF – Instituto Diocesano de Formação João Paulo II tem uma tripla finalidade:  Apresentar os princípios e valores católicos;  Servir de instrumento orientador do RI;  Garantir a igualdade de direitos e deveres a todos os alunos sem discriminação de raça, religião e género. Neste contexto, todos os alunos têm direito à educação em plena igualdade de oportunidades, reconhecendo-se aos pais e encarregados de educação o principal papel de educadores que, em parceria com a escola, contribuem para a formação dos seus educandos. 3
  • 4. IDF – Ideário 1. Identidade do IDF 1.1. Enquanto Escola o IDF: 1.1.1. Tem como primeira preocupação a qualidade do ensino nele ministrado e a formação permanente, em especial dos docentes, sob o ponto de vista profissional e pedagógico; 1.1.2. Organiza a sua ação de modo a favorecer o desenvolvimento da personalidade do educando, a auxiliá-lo na descoberta do seu projeto de vida e a torná-lo capaz de responder aos desafios da cultura da sociedade contemporânea; 1.1.3. Atua em espírito de família, através de uma atitude de abertura, acolhimento, diálogo e liberdade; 1.1.4. Está aberto a todas as pessoas, independentemente da sua classe, sexo e convicções; 1.1.5. Afirma-se como ponto de encontro e de irradiação da vivência dos valores cristãos; 1.1.6. Promove a formação humana e cristã dos seus educandos. 2. Objetivos do IDF O objetivo primordial do IDF é a formação dos seus alunos, mediante o desenvolvimento harmonioso das suas capacidades e potencialidades nos planos pessoal, social e religioso. 2.1. No âmbito pessoal o aluno deve ser educado de modo a aprender: 2.1.1. A saber ser, fazer e agir de uma forma livre, responsável e coerente; 2.1.2. A integrar de uma maneira equilibrada, positiva e progressiva a sua inteligência, afetividade e vontade; 2.1.3. A desenvolver o espírito analítico, crítico e criativo; 2.1.4. A cultivar os valores da honestidade, seriedade, perseverança e simplicidade. 2.2. No âmbito social e religiosa o aluno é estimulado: 2.2.1. A crescer na abertura, respeito e doação ao outro; 2.2.2. A saber trabalhar em grupo e a procurar o bem comum; 2.2.3. A empenhar-se na construção de um mundo melhor. 4
  • 5. IDF – Ideário 3. Processo Educativo O IDF orienta o processo educativo para alcançar uma educação integral: 3.1. Em ordem à dimensão pessoal: 3.1.1. O IDF considera primordial a educação personalizada do aluno dentro da comunidade, tendo em atenção as capacidades, a motivação e o interesse, o ritmo e as dificuldades de aprendizagem, o projeto de vida, as circunstâncias familiares e sociais de cada um; 3.1.2. O educador dará especial atenção à sua relação pessoal com os alunos, acompanhando-os a refletir, tanto individualmente, como em grupo, sobre as suas experiências; 3.1.3. A educação pessoal processa-se através de métodos ativos, de trabalho em grupo, de estudo individual, sob a orientação do educador, pondo em comum conhecimentos e atitudes; 3.1.4. E porque a educação não se limita à transmissão e aquisição de um conjunto de competências previstas nos programas, merecem especial cuidado as atividades interdisciplinares e extracurriculares, mediante as quais se completa a educação do educando, abrindo-lhe horizontes para uma compreensão global de si mesmo, dos outros e da sociedade em que está inserido. 3.2. A dimensão social e religiosa do processo educativo implica: 3.2.1. A promoção do espírito comunitário no âmbito da vida do Instituto, desenvolvendo a capacidade de relações pessoais e de trabalho em equipa, atitude de serviço e de respeito pelo outro, a participação responsável na ação educativa, a solidariedade com a instituição educadora; 3.2.2. A necessidade de proporcionar aos alunos os conhecimentos necessários para a compreensão global do mundo contemporâneo; de estimular a capacidade de análise e reflexão crítica no que diz respeito aos diversos sistemas sociais, culturais, económicos e políticos; 3.2.3. A formação no sentido da justiça e solidariedade para com os mais pobres e desfavorecidos; 3.2.4. As aulas de Formação Humana e Cristã, as atividades extracurriculares, os grupos de reflexão e ação que venham a ser constituídos e as celebrações liturgias, surgem como lugares e momentos privilegiados de reflexão sobre os valores e princípios católicos. 5
  • 6. IDF – Ideário 4. A Comunidade Educativa 4.1. No IDF deve ter prioridade a estrutura comunitária que exige uma especial atenção às relações humanas, as quais devem ser particularmente promovidas e aperfeiçoadas. 4.2. Todos os membros da Comunidade Educativa: educadores, pais e encarregados de educação, alunos e pessoal não docente, participam, segundo a própria responsabilidade e competência do direito e da obrigação de colaborar na reflexão e realização dos objetivos pedagógicos e nos diversos processos de decisão. 4.3. Os professores intervêm através dos respetivos órgãos e estruturas, na programação e elaboração do projeto educativo, bem como na sua avaliação e revisão. 4.4. Dada a responsabilidade base que os pais e encarregados de educação tem na educação, reserva-se-lhes especial participação, sobretudo através da respetiva associação. 4.5. A participação na vida do Instituto dos alunos e do pessoal não docente, através dos seus representantes, bem como dos antigos alunos, deve ser fomentada. 4.6. Não pode prescindir-se de encontros que sensibilizem toda a comunidade educativa no espírito dos princípios que enformam este Ideário. 4.7. O Instituto deve fomentar os contactos com outras instituições e pessoas, tornando-se cada vez mais uma comunidade aberta ao meio em que está inserido num contínuo intercâmbio com as realidades exteriores. 5. Natureza e finalidade do IDF 5.1. O Instituto Diocesano de Formação João Paulo II (IDF), desenvolve a sua ação educativa dentro dos princípios e valores católicos. 5.2. O Instituto é uma instituição de ensino particular, propriedade da Fundação UNIR, de caráter não-lucrativo. 5.3. O Instituto organiza-se como autêntica comunidade, integrada por todas as pessoas que contribuem para a sua função educadora: Pais ou Encarregados de Educação, Professores, Pessoal Não Docente, Alunos e Antigos Alunos. 5.4. A finalidade principal deste Instituto é de preparar homens e mulheres que venham a desenvolver uma ação imbuída dos valores cristãos na sociedade em que estão inseridos. 5.5. Este Instituto ministra todos os graus de ensino do 2º e 3º ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário. 5.6. Este Instituto situa-se no âmbito da legislação do Ensino Particular e Cooperativo, santomense. 6
  • 7. IDF – Ideário 5.7. A frequência, bem como o exercício de qualquer função no Instituto, pelos diversos membros da comunidade educativa, pressupõe a aceitação do seu Ideário, Projeto Educativo e Regulamento Interno. S. Tomé, 24 de julho de 2012 Entidade Titular Diretora do IDF ____________________________ ________________________  D. Manuel António Mendes dos Santos Isaura Carvalho 7