Matriz_energetica_egito

34 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
34
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Matriz_energetica_egito

  1. 1. 2016 Ahmed A. Meguid LATIN AMERICAN GEOPHYSICAL 13/11/2016 MATRIZ ENERGÉTICA DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO
  2. 2. SUMÁRIO ÍNDICE DE FIGURAS--------------------------------------------------------------------------------2 ÍNDICE DE TABELAS--------------------------------------------------------------------------------2 1. VISÃO GERAL ------------------------------------------------------------------------------------3 2. CONSUMO TOTAL DE ENERGIA PRIMÁRIA -----------------------------------------4 3. PETRÓLEO E OUTROS LÍQUIDOS--------------------------------------------------------4 3.1. GESTÃO DO SECTOR PETROLÍFERO-----------------------------------------------------5 3.2. PRODUTOS PETROLÍFEROS REFINADOS ----------------------------------------------6 4. GÁS NATURAL------------------------------------------------------------------------------------7 4.1. ORGANIZAÇÃO DO SETOR --------------------------------------------------------------------8 4.2. EXPORTAÇÕES DE GÁS NATURAL --------------------------------------------------------8 4.3. EXPORTAÇÕES DE GASODUTOS -----------------------------------------------------------9 4.4. GÁS NATURAL LIQUEFEITO (GNL)--------------------------------------------------------9 5. CANAL DE SUEZ / PIPELINE SUMED------------------------------------------------- 10 5.1. CANAL DE SUEZ-----------------------------------------------------------------------------------10 5.2. PIPELINE SUMED---------------------------------------------------------------------------------11 5.3. GÁS NATURAL LIQUEFEITO (GNL)------------------------------------------------------12 6. ELETRICIDADE-------------------------------------------------------------------------------- 13 7. FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS ------------------------------------------------- 15 7.1. HIDROELETRICIDADE-------------------------------------------------------------------------15 7.2. SOLAR--------------------------------------------------------------------------------------------------15 7.3. VENTO -------------------------------------------------------------------------------------------------16 8. NUCLEAR----------------------------------------------------------------------------------------- 16 NOTAS:-------------------------------------------------------------------------------------------------- 17 REFERENCIAS:-------------------------------------------------------------------------------------- 18 ANEXOS:------------------------------------------------------------------------------------------------ 21 ANEXO I: MAPA ADMINISTRATIVO DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO -------21 ANEXO II: DISTRIBUIÇÃO DAS CIDADES DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO POR UNIDADE ADMINISTRATIVA -----------------------------------------------------------------22 ANEXO III: POPULAÇÃO DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO POR UNIDADE ADMINISTRATIVA -----------------------------------------------------------------------------------------23
  3. 3. 1 ANEXO IV: DENSIDADE DEMOGRÁFICA DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO POR UNIDADE ADMINISTRATIVA -----------------------------------------------------------------24 ANEXO V: UNIDADES DO SOLO (PADRÃO FÃO) DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------25
  4. 4. 2 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1. Consumo Total de Energia Primária.______________________________________________ 4 Figura 2. Produção, Consumo e Déficit/Superávit de Petróleo e Outros Líquidos (em mil barris por dia). ____________________________________________________________________________________ 5 Figura 3. Produção, Consumo e Déficit/Superávit de Gás Natural Seco (em Tcf). __________________ 7 Figura 4. SUMID e Canal do Suez._______________________________________________________ 10 Figura 5. Geração, Consumo e Déficit/Superávit de Energia Elétrica (em Bilião de KWH). _________ 13 Figura 6. Geração de Energia Elétrica: Renovável vs. Fóssil (em Bilião de KWH). ________________ 14 Figura 7. Geração de Energia Elétrica Renovável: Hidro- vs. Não-Hidroeletricidade (em Bilião de KWH).______________________________________________________________________________ 15 Figura 8. Não-Hidroeletricidade Vento vs. Solar (em Bilião de KWH). __________________________ 16 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1. Refinarias de Petróleo Bruto do Egito._____________________________________________ 6 Tabela 2. Exportação de Gás Natural do Egito.______________________________________________ 9 Tabela 3. Fluxo de óleo e Gás Natural Liquificado via Canal do Suez e SUMED dutos. ____________ 12
  5. 5. 3 1. VISÃO GERAL O Egito é o maior produtor de petróleo "não-OPEP" da África e o segundo maior produtor de gás natural seco do continente. O país também serve como uma importante rota de trânsito do petróleo embarcado do Golfo Persa para a Europa e para os Estados Unidos. O Egito é o maior produtor de petróleo da África, fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e o segundo maior produtor de gás natural do continente, atrás da Argélia. O Egito desempenha um papel vital nos mercados internacionais de energia através da operação do Canal de Suez e do Pipeline Suez-Mediterrâneo (SUMED). O Canal de Suez é uma importante rota de trânsito de petróleo e gás natural liquefeito (GNL) As embarcações que viajam para o norte do Golfo Persa para a Europa e para a América do Norte e as embarcações que viajam para o sul do Norte de África e países ao longo do Mar Mediterrâneo para a Ásia. O oleoduto SUMED é a única rota alternativa próxima do Canal de Suez para transportar petróleo bruto do Mar Vermelho para o Mar Mediterrâneo, se as embarcações não conseguirem navegar pelo Canal de Suez. As taxas cobradas da operação destes dois pontos de trânsito são fontes significativas de receita para o governo egípcio. O Egito tem a terceira maior população na África, depois da Nigéria e da Etiópia, e a terceira maior renda nacional bruta (RNB), depois da Nigéria e da África do Sul, de acordo com o Banco Mundial (Ref#1) . A economia do Egito sofreu durante e após a revolução de 2011, Experimentou um declínio acentuado nas receitas de turismo e investimento estrangeiro direto, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no Egito caiu de 5,1% em 2010 para 1,8% em 2011 e ainda permanece abaixo do nível pré-revolução, com média de 2,1% em 2013 (Ref#2) . Segundo o FMI, o apoio financeiro de alguns países do Golfo Persa tem ajudado o Egito a satisfazer a sua procura de energia doméstica (Ref#3) . A economia do Egito não se recuperou completamente desde a revolução de 2011. O governo egípcio está implementando (Nota#1) uma reforma dos subsídios energéticos para reduzir os gastos. No ano fiscal de 2013/14 (encerrado em 30 de junho de 2014), o Egito gastou 126,3 bilhões de libras esterlinas (US $ 18,2 bilhões) em subsídios a produtos petrolíferos e 13,3 bilhões de libras esterlinas (US $ 1,8 bilhão) em subsídios à eletricidade. No ano fiscal 2014/2015, o governo egípcio prevê que o custo dos subsídios aos produtos petrolíferos cairá para 70 bilhões de libras esterlinas (US $ 9,2 bilhões) devido à reforma dos subsídios, que levou a um aumento dos preços dos produtos petrolíferos em 2014 e A queda nos preços globais do petróleo desde meados de 2014. Por outro lado, as despesas do Egito com subsídios à eletricidade aumentaram e estão orçamentadas para custar 27,4 bilhões de libras egípcias (US $ 3,6 bilhões) em 2014/2015 (Ref#4) . O alto custo dos subsídios energéticos no Egito tem contribuído para o déficit orçamentário do país e a incapacidade da Corporação Geral Egípcia de Petróleo (EGPC), a companhia petrolífera nacional do país, para pagar suas dívidas aos operadores estrangeiros. A EGPC deve aos operadores estrangeiros de petróleo e gás natural bilhões de dólares, o que levou os operadores estrangeiros a adiar seus investimentos em projetos de petróleo e gás natural existentes e novos (Nota#2) .
  6. 6. 4 Os dados utilizados neste relatório são atualizados até o dia 2 de junho de 2015. Portanto, resolvemos manter o contexto acompanhando os dados, optando por acrescentar notas numeradas no final do texto para atualizar as informações. 2. CONSUMO TOTAL DE ENERGIA PRIMÁRIA O Egito é o maior consumidor de petróleo e gás natural da África, representando cerca de 20% do consumo de petróleo e outros líquidos e 40% do consumo de gás natural seco em África em 2013. Os subsídios energéticos contribuíram para o aumento da procura de energia e um elevado déficit orçamentário. O consumo total de energia primária no Egito foi de 1,7 milhões de barris por dia (b/d) de equivalente de petróleo em 2013, de acordo com a Revisão Estatística da energia mundial da BP em 2014 (Ref#5) . O gás natural e o petróleo são os principais combustíveis usados para atender às necessidades energéticas do Egito, Para 94% do consumo total de energia do país em 2013 (Figura 1) . O petróleo é usado principalmente no setor de transporte, enquanto o gás natural é utilizado no setor de energia e transporte na forma de gás natural veicular (GNV) em veículos. O Egito é o maior consumidor de petróleo e gás natural da África, representando cerca de 20% do consumo de petróleo e outros líquidos e 40% do consumo de gás natural seco em África em 2013. O rápido crescimento do consumo de petróleo e gás natural nas últimas décadas tem sido impulsionado pelo aumento da produção industrial, crescimento econômico, projetos de gás natural e de extração de petróleo intensivos em energia, crescimento populacional, aumento das vendas de veículos particulares e comerciais e subsídios à energia (Nota#3) . Figura 1. Consumo Total de Energia Primária. 3. PETRÓLEO E OUTROS LÍQUIDOS Um dos desafios do Egito é satisfazer a demanda crescente de petróleo em meio à queda da produção. O consumo total de petróleo cresceu uma média anual de 3% nos últimos 10 anos. O consumo de petróleo do Egito atualmente ultrapassa a produção de petróleo. Segundo o Oil & Gas Journal (OGJ), o Egito mantinha 4,4 bilhões de barris de reservas comprovadas de petróleo em 1º de janeiro de 2015 (Ref#6) . O EGPC coloca a estimativa oficial de reservas de petróleo do Egito de 4 bilhões de barris, dos quais 2,8 bilhões de barris de petróleo bruto e 1,2 Bilhões de barris é condensado (Ref#7) . Novas descobertas de petróleo impulsionaram a estimativa de reservas do Egito nos últimos anos. O Egito manteve um nível sustentado de
  7. 7. 5 atividades de exploração e houve várias descobertas de petróleo e gás natural a cada ano (Ref#8) . Em 2013, 86 descobertas de petróleo foram feitas, segundo a EGPC (Ref#9) e (Nota#4) . Em 2014, a produção de petróleo e outros líquidos do Egito atingiu uma média de 708.000 b/d, média esta que se manteve inalterada em relação ao ano anterior (Figura 2) . Cerca de 50% da produção de petróleo do Egito vem do Deserto Ocidental e o restante vem do Golfo de Suez, do Deserto Oriental, do Sinai, do Mar Mediterrâneo, do Delta do Nilo e do Alto Egito (Ref#10) . A maior parte da produção do Egito é derivada de campos relativamente pequenos conectados por sistemas de produção regionais maiores. Figura 2. Produção, Consumo e Déficit/Superávit de Petróleo e Outros Líquidos (em mil barris por dia). A produção de petróleo do Egito caiu mais de uma década depois de atingir um pico de mais de 900 mil b/d em meados dos anos 90. Em 2008, o aumento da produção do deserto ocidental e das áreas offshore ajudou a aumentar a produção nos próximos anos, mas a produção começou a diminuir novamente pouco depois. O uso de técnicas de otimização de recuperação de óleo (EOR) em campos maduros tem aliviado declínios de produção. A produção de líquidos de plantas de gás natural aumentou na última década como resultado da expansão da produção de gás natural, compensando parcialmente a queda na produção de petróleo bruto. Um dos principais desafios do Egito é satisfazer a crescente demanda interna de petróleo em meio à queda da produção. O consumo total de petróleo cresceu uma média anual de 3% nos últimos 10 anos, com uma média de 775.000 b/d em 2014. O consumo de petróleo do Egito atualmente supera a produção de petróleo. 3.1. GESTÃO DO SECTOR PETROLÍFERO A Egyptian Petroleum Corporation (EGPC), empresa petrolífera nacional, é responsável pela gestão das actividades a montante e a jusante. A subsidiária da EGPC, a General Petroleum Company (GPC), possui várias licenças de exploração no Sinai, no Golfo de Suez e no Deserto Ocidental, de acordo com o Diretório Árabe de Petróleo e Gás (Ref#11) . A EGPC possui e opera grande parte da capacidade de refinação do país também. As companhias petrolíferas internacionais (OICs) também desempenham um papel importante no sector petrolífero a montante do Egito, detendo participações na produção de ativos em parceria com a EGPC, BP,
  8. 8. 6 Eni, BG e Apache são os principais “players” de petróleo e gás natural no Egito, com os três primeiros investindo, principalmente, no mar e Apache no Onshore Western Desert. 3.2. PRODUTOS PETROLÍFEROS REFINADOS O Egito tem a maior capacidade de refino de petróleo em África, apesar de operar bem abaixo da capacidade. A produção de refino do país diminuiu 28% de 2009 para 2013, apesar do crescimento do consumo interno de petróleo. Como resultado, o Egito deve importar produtos petrolíferos para compensar o déficit. As estimativas da capacidade de refinação de petróleo do Egito diferem entre as publicações. O Diretório Árabe de Petróleo e Gás (AOGD) estima que a capacidade de refinação do Egito seja de 704.000 b/d, enquanto o OGJ estima que seja maior de 726.250 b/d (Tabela 1) e (Ref#12) . No entanto, ambas as estimativas ainda qualificam o Egito como o maior detentor de capacidade de refino de petróleo na África. As refinarias do Egito processam principalmente petróleo bruto produzido no país, e os produtos refinados são vendidos principalmente para os mercados locais. As refinarias são operadas pelas filiais da EGPC. A capacidade de refino do Egito deverá aumentar no final de 2015 ou em 2016, quando uma nova refinaria de 85.000 b/d começar a operar (Ref#13) e (Nota#5) A construção da refinaria está em andamento e está sendo desenvolvida pela Egyptian Refining Corporation (ERC), uma parceria público-privada financiada pela Qalaa Holdings (anteriormente Citadel Capitol) e EGPC. Um segundo projeto de refinaria que tem feito muito menos progresso é uma refinaria proposta 300.000 b/d. A EGPC assinou um memorando de entendimento com um consórcio chinês em Maio de 2010 para desenvolver esta facilidade (Ref#14) . Operadora da Refinaria Locação Capacidade Nominal (Barris/dia) Cairo Petroleum Refining Co. Mostorod (Cairo) 142 Alexandria Petroleum Co. Alexandria (El-Mex) 115 El-Nasr Petroleum Co. El Suez 100 Middle East Oil Refinery Alexandria (Sidi Kerir) 100 Ameriya Petroleum Refining Co. Alexandria 75 Suez Petroleum Processing Co. El Suez 68 Assiut Petroleum Refining Co. Assiut 50 Cairo Petroleum Refining Co. Tanta 54 Total 704 Tabela 1. Refinarias de Petróleo Bruto do Egito. De acordo com dados do Boletim Estatístico Anual da OPEP, a produção de petróleo refinado do Egito atingiu uma média de 445.000 b/d em 2013, sugerindo que a utilização das refinarias era de 63% (Ref#15) . A produção de refino no Egito caiu 28% de 2009 a 2013. A política do Egito que permite aos produtores de petróleo estrangeiros exportar mais petróleo bruto como o reembolso da dívida financeira da EGPC. Como resultado, as exportações de petróleo bruto do Egito não diminuíram nos últimos anos, apesar da queda na produção. Por outro lado, há um menor volume de petróleo disponível para as refinarias domésticas e o Egito deve compensar a diferença com a importação de derivados de petróleo e/ou petróleo bruto (Ref#16) . O Egito importou cerca de 145.000 b/d de produtos petrolíferos em 2014, De acordo com o Global Trade Information Services. O Egito também exportou cerca de 60.000 b/d de produtos petrolíferos nesse mesmo ano (Ref#17) .
  9. 9. 7 4. GÁS NATURAL A produção de gás natural seco no Egito diminuiu 5% de 2012 para 2013. Descobertas substanciais de gás natural no mar Mediterrâneo em águas profundas e em outras áreas foram subdesenvolvidas porque o preço que o governo do Egito estava disposto a pagar aos operadores estrangeiros pelo gás natural era muito baixo, tornando alguns projetos de investimento comercialmente inviáveis. No entanto, nos últimos anos, o Egito assinou acordos para pagar aos operadores estrangeiros um preço mais alto pelo gás natural que produzem (Nota#6) . Segundo estimativas da OGJ a partir de 1º de janeiro de 2015, o Egito detém 77 trilhões de pés cúbicos (Tcf) de reservas comprovadas de gás natural, um aumento em relação à estimativa de 2010 de quase 59 Tcf e o quarto maior em África, depois da Nigéria, Argélia e Moçambique (Ref#18) . Novas descobertas foram feitas quase todos os anos, particularmente no mar Mediterrâneo de águas profundas, no Delta do Nilo e no deserto ocidental (Nota#7) . Apesar das novas descobertas, a produção de gás natural seco no Egito diminuiu 5% de 2012 para 2013 (Figura 3) . O Egito produziu 2,0 Tcf de gás natural seco em 2013, dos quais quase 1,9 Tcf foram consumidos internamente e mais de 0,1 Tcf foram exportados. O Egito tem desviado o fornecimento de gás natural das exportações para o mercado interno para atender a demanda. Consequentemente, as exportações totais de gás natural do Egito diminuíram substancialmente de uma média anual de quase 30% entre 2010 e 2013, uma vez que o aumento da demanda interna, especialmente no setor elétrico, compete com as exportações. Figura 3. Produção, Consumo e Déficit/Superávit de Gás Natural Seco (em Tcf). O Egito começou a importar GNL em 2015 para satisfazer seu consumo de gás natural, que aumentou em média anual de 7% na última década (2004 a 2013). Em maio de 2014, a Companhia Egípcia de Gás Natural (EGAS), empresa nacional de gás do país, assinou uma carta de intenção com a Hoegh LNG da Noruega para usar uma de suas Unidades Flutuantes de Armazenamento e Regasificação (FSRUs) por cinco anos para permitir que o Egito importe GNL. Em abril de 2015, a FSRU chegou à costa do Mar Vermelho no porto de Ain Sukhna, juntamente com sua primeira carga de GNL. Egito assinou acordos para importar cargas de
  10. 10. 8 GNL da Gazprom da Rússia e da Sonatrach da Argélia, também coom as empresas comerciais Trafigura, Vitol e Noble (Ref#19) . Grande parte do gás natural consumido no Egito é usada para o abastecimento de energia elétrica. O governo egípcio incentiva as famílias, as empresas e o setor industrial a considerarem o gás natural como um substituto para os produtos petrolíferos e o carvão. Em janeiro de 2008, o Banco Mundial aprovou empréstimos para o Projeto Conexões de Gás Natural, cujo objetivo é transferir o consumo de gás de petróleo liquefeito (GPL) para gás natural por meio de investimentos em novas conexões e expandir o uso do gás natural em regiões densamente povoadas e de áreas de baixa renda (Ref#20) . A parcela do gás natural consumido no setor de transporte também aumentou após o desenvolvimento da infraestrutura e veículos de gás natural comprimido (GNV). O preço que o Egito pagou normalmente aos operadores estrangeiros pelo gás natural que produzem no Egito foi de 2,65 dólares por milhão de unidades térmicas britânicas (Btu’s). O preço apresentou um grande obstáculo para as operadoras estrangeiras que querem desenvolver projetos de gás natural no Egito, porque fez alguns dos projetos economicamente inviáveis. Como resultado, descobertas substanciais de gás no mar Mediterrâneo em águas profundas e em outras áreas no Egito permaneceram subdesenvolvidas (Ref#21) . No entanto, nos últimos anos, o EGAS assinou acordos para pagar às operadoras estrangeiras um preço mais alto pelo gás natural, variando de US $ 3,95 a US $ 5,88 Por milhão de Btu’s, para atrair mais investidores estrangeiros (Ref#22) . O preço é negociado caso a caso e leva em conta o custo para explorar e desenvolver um projeto. Outro impedimento ao aumento da produção de gás natural é a dívida substancial que o Egito deve a operadores estrangeiros. Alguns desses operadores reduziram a sua atividade de perfuração e atrasaram os investimentos de projetos que poderiam ajudar a inverter a produção em declínio do Egito (Ref#23) e (Nota#8) . 4.1. ORGANIZAÇÃO DO SETOR EGAS supervisiona o desenvolvimento, produção e comercialização de gás natural. O EGAS também é responsável pela organização de rodadas internacionais de licitação de exploração e pela concessão de licenças de exploração de gás natural. EGAS e/ou EGPC participam com empresas internacionais no desenvolvimento e exploração de campos de gás natural. A Companhia Egípcia de Gás Natural (GASCO) opera muitas das fábricas de processamento de gás. As empresas estrangeiras que operam no setor de gás natural do Egito devem direcionar a totalidade ou uma parte de sua produção atual para o mercado interno, e o governo exigiu que novas descobertas fossem destinadas ao mercado interno. Os principais players estrangeiros no setor de gás natural a montante do Egito incluem Eni, BG Group, BP, Shell e Apache. 4.2. EXPORTAÇÕES DE GÁS NATURAL As exportações egípcias de gás natural diminuíram após 2009 devido ao aumento do consumo interno e ao declínio da produção. O governo do Egito tem desviado o fornecimento de gás natural das exportações para o mercado interno. O país começou a importar GNL em 2015. As exportações de gás natural seco, que começaram em 2003, aumentaram rapidamente com a conclusão da primeira fase do Gasoduto Árabe (AGP) que liga o Egito à Jordânia, juntamente com o arranque da produção de GNL em 2004. No entanto, nos últimos anos, As exportações
  11. 11. 9 diminuíram substancialmente, caindo numa média anual de quase 30% entre 2010 e 2013. Em 2011 e 2012, ataques de sabotagem repetidamente interromperam as exportações de gás através do AGP, reduzindo substancialmente a quantidade de gás natural enviado para a Jordânia e Israel. Em 2012, o Egito parou as exportações de gás natural para Israel, cancelando seu contrato de fornecimento de longo prazo a Israel por causa de uma disputa de pagamento (Ref#24) . A medida também sublinhou a necessidade do Egito de desviar o suprimento de gás natural das exportações para atender a demanda. 4.3. EXPORTAÇÕES DE GASODUTOS O gasoduto árabe (AGP) origina-se no Egito e liga-se à Jordânia, Síria e Líbano. Em 2008, uma extensão de perna do AGP foi construída que corre debaixo de água desde o ponto de partida em al-Arish no Egito até Ashkelon em Israel. O AGP tinha sido sabotado mais de uma dúzia de vezes entre 2011 e 2012, o que resultou em interrupções do fornecimento de gás natural para a Jordânia e Israel. As exportações totais através da AGP caíram para 32 bilhões de pés cúbicos (Bcf) em 2012, dos quais a maioria foi enviada para a Jordânia, com uma menor quantidade entregue a Israel antes das exportações foram encerradas. Em 2013, as exportações de gasodutos aumentaram ligeiramente para 42 Bcf, Cedigaz. Este nível é uma diminuição substancial dos volumes de gás natural transportados via AGP antes da revolução, que totalizaram 193 Bcf em 2010 (Tabela 2) e (Ref#25) . Colunas1 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Exportação Total (Bcf) 598 647 535 371 267 172 Exportação GNL (Bcf) 497 452 343 307 235 130 Exportação Dutos (Bcf) 101 194 193 64 32 42 Tabela 2. Exportação de Gás Natural do Egito. 4.4. GÁS NATURAL LIQUEFEITO (GNL) O Egito possui duas usinas de GNL com uma capacidade combinada de 610 Bcf por ano (ou 12,7 milhões de toneladas por ano) (Ref#26) . A fábrica de GNL da Companhia de Gás Espanhol- Egípcio (SEGAS) em Damietta começou a produção no final de 2004. A Usina é detida pela Union Fenosa Gas (80%), uma joint venture entre a Spanish Natural Gas e a italiana Eni, juntamente com as empresas egípcias EGPC e EGAS (10% cada). A usina de GNL tem um trem com capacidade de produção de 254 milhões de barris/dia (5,5 milhões de toneladas por ano) (Ref#27) . A usina de GNL da SEGAS/Damietta não exporta GNL desde 2012 devido à falta de suprimentos de gás natural. O governo egípcio reorientou o fornecimento de gás natural para o mercado interno para mitigar a escassez de combustível e as falhas de energia, principalmente durante os meses de verão (Ref#28) . A Spanish Gas Natural e a Eni entraram com um processo de arbitragem internacional contra o EGAS por não cumprir seu contrato de fornecimento de gás (Ref#29) e (Nota#9) . A segunda usina de GNL do Egito, e a única atualmente em operação, está localizada em Idku e é operada pela Egyptian LNG, uma joint venture entre a BG, a Petronas, a GDF Suez, a EGPC e a EGAS. A planta de Idku tem dois trens, cada um com uma capacidade de 173 Bcf (3,6 milhões de toneladas por ano) (Ref#30) e (Nota#10) .
  12. 12. 10 Em 2013, o Egito exportou 130 Bcf de GNL da unidade de GNL de Idku (Tabela 2) . A maior parte do GNL do Egito foi exportada para a Ásia (79%), sendo a Coreia do Sul o principal destino, seguida pelo Japão, China, Índia e Taiwan, de acordo com a Revisão Estatística da BP 2014 (Ref#31) . A Europa foi o segundo maior destino regional das exportações egípcias de GNL em 2013. A Europa anteriormente era o principal destino das exportações de GNL do Egito, mas as importações de GNL da Europa provenientes do Egito caíram nos últimos anos. Esta queda reflete a diminuição global das importações de GNL da Europa desde 2012 e o aumento da concorrência para o GNL no mercado mundial. 5. CANAL DE SUEZ / PIPELINE SUMED O canal de Suez e os duto linha de SUMED são as rotas estratégicas para envios do óleo e gás natural do Golfo Persa a Europa e a América do Norte. Estas duas rotas combinadas representaram cerca de 9% do comércio mundial de petróleo marítimo em 2014 (Figura 4) . Figura 4. SUMID e Canal do Suez. 5.1. CANAL DE SUEZ O Canal de Suez está localizado no Egito e liga o Mar Vermelho e o Golfo de Suez com o Mar Mediterrâneo. Em 2014, o petróleo (petróleo bruto e produtos refinados) e o GNL representaram 17% e 7% do total de cargas do Suez, respectivamente, medidos pela tonelagem métrica líquida. O Canal de Suez é incapaz de lidar com transportadores de Carga Ultra Grande (ULCC) e petroleiros de petróleo bruto da classe Very Large Crude Carriers (VLCC) totalmente carregados (Nota#11) . O Suezmax foi o maior navio capaz de navegar pelo canal até 2010, quando a Autoridade do Canal de Suez estendeu a profundidade do canal a 66 pés. Esta extensão permitiu que mais de 60% de todos os petroleiros usassem o Canal de Suez, de acordo com a Autoridade do Canal de Suez (Ref#32) .
  13. 13. 11 Em 2014, cerca de 3,7 milhões de barris/dia de petróleo (petróleo bruto e produtos refinados) transitaram pelo Canal de Suez nas duas direções, 500 mil b/d a mais que em 2013 e a maior quantidade jamais embarcada pelo Canal de Suez, segundo a Autoridade do Canal de Suez (Tabela 3) e (Ref#33) . O aumento das exportações de petróleo bruto do Iraque para a Europa contribuiu para o aumento do tráfego para o norte, enquanto as exportações de petróleo bruto e produtos petrolíferos (particularmente o óleo combustível destilado) da Rússia para a Ásia contribuíram mais para o tráfego para o sul. A maior parte do petróleo que transita pelo Canal de Suez foi encaminhada para o norte (2,1 milhões b/d) para os mercados europeu e norte-americano, e o restante foi enviado para o sul (1,6 milhões b/d), principalmente para os mercados asiáticos. As exportações de petróleo dos países do Golfo Persa (Arábia Saudita, Iraque, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Irã, Omã, Catar e Bahrein) representaram 83% dos fluxos de petróleo do Canal de Suez no sentido norte. Os maiores importadores de fluxos de petróleo no sentido norte no Canal de Suez em 2014 foram os países europeus (mais de 70%) e os Estados Unidos (17%). As exportações de petróleo dos países europeus representaram mais de 55% dos fluxos de petróleo do sul de Suez, seguidos da Rússia (20%) e do norte da África (a Argélia e a Líbia juntas representaram 11%). Os maiores importadores dos fluxos de petróleo Suez para o sul foram os países asiáticos (75%) (Ref#34) . O tráfego total através do Canal de Suez caiu em 2009, e os fluxos totais de petróleo caíram para 1,8 milhões de barris/dia, o nível mais baixo nos últimos anos. A queda nos fluxos de petróleo durante esse período refletiu o colapso da demanda mundial de petróleo que começou no quarto trimestre de 2008, seguido pelos cortes na produção da OPEP (principalmente do Golfo Persa), que resultaram em uma queda acentuada no comércio regional de petróleo a partir de No início de 2009. A revolução do Egito de 2011 não teve nenhum efeito notável nos fluxos de trânsito de petróleo através do Canal de Suez. Nos últimos anos, os fluxos de petróleo através do Canal de Suez aumentaram substancialmente, recuperando-se de níveis anteriores mais baixos durante a crise econômica global. 5.2. PIPELINE SUMED O Pipeline SUMED de 200 milhas de comprimento, ou Suez-Mediterrâneo Pipeline, transporta petróleo bruto através do Egito do Mar Vermelho para o Mar Mediterrâneo. O petróleo bruto flui através de dois oleodutos paralelos de 42 polegadas de diâmetro, com uma capacidade total de 2,34 milhões de barris / d. O óleo flui norte começando no terminal de Ain Sukhna ao longo da costa do Mar Vermelho a seu ponto final no terminal de Sidi Kerir no mar Mediterrâneo. A SUMED é detida pela Arab Petroleum Pipeline Co., uma joint venture entre a Egyptian Petroleum Corporation (50%), a Saudi Aramco (15%), a Abu Dhabi's International Petroleum Investment Company (15%), várias empresas do Kuwait (15%) e Qatar Petroleum (5%) (Ref#35) . O oleoduto SUMED é a única rota alternativa para o transporte de petróleo bruto do Mar Vermelho para o Mar Mediterrâneo, se os navios não conseguirem navegar pelo Canal de Suez. O fechamento do Canal de Suez e do Pipeline SUMED exigiria o desvio de petroleiros em torno da ponta sul de África (o Cabo da Boa Esperança), acrescentando aproximadamente 2.700 milhas para o trânsito da Arábia Saudita para os Estados Unidos, aumentando tanto os custos quanto o tempo de embarque. O Departamento de Transportes dos EUA (Ref#36) . De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), o transporte marítimo em África acrescentaria 15 dias de trânsito à Europa e 8 a 10 dias para os Estados Unidos (Ref#37) .
  14. 14. 12 VLCCs completamente carregados que vão para o canal de Suez igualmente usam o duto linha de SUMED para diminuir o peso. A diminuição do peso ocorre quando um navio precisa reduzir o seu peso e calado descarregando carga para entrar em um corpo de água restritivo, como um canal. O canal de Suez não é profundo bastante para um VLCC fullyladen e, consequentemente, uma parcela da carga é descarregada no encanamento de SUMED no terminal de Ain Sukhna. O agora parcialmente carregado VLCC passa pelo Canal de Suez e pega o petróleo descarregado na outra extremidade do oleoduto no terminal de Sidi Kerir (Nota#12) . Em 2014, foram transportados 1,5 milhões de barris/dia de petróleo bruto através do duto SUMED para o mar Mediterrâneo, que foi então carregado para navios-tanque para o comércio marítimo (Tabela 3) e (Ref#38) . Os fluxos via SUMED aumentaram 200.000 b/d em comparação com 2013 Devido ao aumento das exportações de petróleo bruto do Golfo Persa para a Europa. Os fluxos totais de petróleo através da SUMED e do Canal de Suez foram de 5,2 milhões b/d em 2014, 700.000 b/d mais elevados em relação a 2013. Os fluxos totais de petróleo através do canal de Suez e do gasoduto SUMED representaram cerca de 9% do total de petróleo comercializado em 2014. 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Total do fluxo de ólep bruto via the Canal do Suez Canal e SUMED dutos (Milhão de Barris por dia) 3 3.1 3.8 4.5 4.5 5.2 Total do fluxo via Canal do Suez Óleo Bruto (Milhão de Barris por dia) 0.6 0.7 0.7 1.4 1.5 1.7 Produtos refinados (Milhão de Barris por dia) 1.3 1.3 1.4 1.6 1.7 2 Total de óleo (Milhão de Barris por dia) 1.9 2 2.1 3 3.2 3.7 GNL (*Tcf por ano) 0.8 1.6 2.1 1.5 1.2 1.2 Canal do Suez na direção Norte Óleo Bruto (Milhão de Barris por dia) 0.3 0.4 0.5 0.9 1.1 1.4 Produtos refinados (Milhão de Barris por dia) 0.7 0.7 0.9 0.8 0.7 0.8 Total de óleo (Milhão de Barris por dia) 1 1.1 1.4 1.7 1.8 2.2 GNL (*Tcf por ano) 0.8 1.5 1.8 1.2 1 0.9 Canal do Suez na direção Sul Óleo Bruto (Milhão de Barris por dia) 0.3 0.3 0.2 0.5 0.4 0.4 Produtos refinados (Milhão de Barris por dia) 0.6 0.5 0.6 0.8 1 1.2 Total de óleo (Milhão de Barris por dia) 0.9 0.8 0.8 1.3 1.4 1.6 GNL (*Tcf por ano) 0.1 0.1 0.2 0.3 0.2 0.3 SUMED Dutos óleo bruto 1.2 1.1 1.7 1.5 1.3 1.5 Tabela 3. Fluxo de óleo e Gás Natural Liquificado via Canal do Suez e SUMED dutos. 5.3. GÁS NATURAL LIQUEFEITO (GNL) Os fluxos de GNL através do Canal de Suez em ambas as direções foram de 1,2 Tcf em 2014, representando cerca de 10% do LNG total comercializado no mundo. O trânsito de GNL na direção sul é originário da Argélia e da Espanha (como reexportação) e destina-se em grande parte aos mercados asiáticos. O trânsito para o Norte é principalmente do Catar, destinado principalmente aos mercados europeus. O rápido crescimento dos fluxos de GNL através do Canal de Suez após 2008 representa o uso de múltiplos comboios de GNL no Catar em 2009- 2010.
  15. 15. 13 Os fluxos de GNL através do Canal de Suez em ambas as direções diminuíram de seu pico de quase 2,1 Tcf em 2011. O declínio reflete principalmente a queda nos fluxos de GNL norte e é consistente com os dados de importação de GNL para os Estados Unidos e Europa, As importações em ambas as áreas diminuíram, em particular do Catar. As importações de GNL do país caíram de 91 bilhões de pés cúbicos em 2011 para zero em 2014. As mudanças refletem a crescente produção nacional de gás natural nos Estados Unidos, uma queda na demanda de GNL em alguns países europeus e a forte concorrência para GNL no mercado global. Como resultado, os fluxos totais de GNL da Suez como parte do total de GNL comercializados no mundo inteiro caíram para 10% em 2014, em comparação com 18% em 2011. 6. ELETRICIDADE O Egito sofre frequentes cortes de energia elétrica devido à crescente demanda, escassez de suprimento de gás natural, envelhecimento da infraestrutura e capacidade inadequada de geração e transmissão. A contínua turbulência política e social no Egito atrasou os planos do governo de expandir a capacidade de geração de energia em 30 giga-watts até 2020 (Figura 5) . Figura 5. Geração, Consumo e Déficit/Superávit de Energia Elétrica (em Bilião de KWH). A capacidade de geração do Egito, a partir de maio de 2015, era de 31,45 giga-watts (GW), ligeiramente superior à demanda de pico esperada em 2015 de 30 GW, de acordo com o MEES (Ref#39). Cerca de 70% da eletricidade do Egito é gerada pelo gás natural, sendo o restante abastecido por petróleo e energia renovável (principalmente hidroeletricidade) (Ref#40). O Egito enfrenta a escassez de gás natural, particularmente durante os meses de verão e normalmente importa óleo combustível e diesel para cobrir o déficit. Aumento da procura de energia, escassez de abastecimento de gás natural, envelhecimento da infraestrutura e capacidade inadequada de geração e transmissão levaram a frequentes apagões no Egito (Figura 6) . Os contínuos descontentamentos políticos e sociais no Egito impediram o plano do governo de expandir a capacidade de geração de energia em 30 GW até 2020. Como resultado, o consumo de eletricidade egípcio está aumentando muito mais rápido do que a expansão da capacidade. Organizações do setor privado e organizações internacionais estão fornecendo fundos para projetos de “brownfield” e “greenfield”. Os novos projetos que estão sendo construídos refletem
  16. 16. 14 o plano do Egito para diversificar sua mistura de geração de energia e incluem usinas que serão alimentadas por carvão, energia solar e energia eólica. Figura 6. Geração de Energia Elétrica: Renovável vs. Fóssil (em Bilião de KWH). O setor de energia renovável do Egito ainda está relativamente subdesenvolvido apesar de seus vastos recursos solares e eólicos. O país tem como alvo um aumento no uso de energia renovável e propôs que as energias renováveis representam 20% de sua capacidade de geração de energia até 2020, dos quais 12% seriam eólica, 6% hídrica e 2% solar (Ref#41) . O governo, também, está prosseguindo os planos para expandir a geração de energia a partir de novas fontes de combustíveis fósseis. O Egito assinou recentemente acordos para a construção de usinas a carvão, que se construídas seria a primeira do país. Uma planta, com uma capacidade de geração de 2.640 mega-watts (MW), está planejada para ser construída na área de Oyoun Moussa, no sul do Sinai. A segunda, com uma capacidade de geração possivelmente até 3.000 MW, está planejada para ser construída perto do Porto de Hamrawein na costa do Mar Vermelho (Ref#42) . O Egito também está planejando expandir sua interconexão de sistemas de energia com países do Oriente Médio e África. O Egito e a Arábia Saudita assinaram um acordo de US $ 1,6 bilhão para conectar os dois países com um cabo de eletricidade de 3.000 MW. Este projeto irá indiretamente expandir a capacidade de cada país de eletricidade, puxando de cada um dos suprimentos durante os períodos de demanda de pico. De acordo com o Business Monitor International (BMI) Research, os tempos de demanda de pico estão em momentos diferentes do dia em cada país. Os tempos de pico de demanda são entre meio-dia e meia-noite na Arábia Saudita e depois do pôr-do-sol no Egito. A conexão proporcionará à Arábia Saudita e ao Egito uma fonte de energia extra para mitigar os déficits de demanda de pico. A construção do projeto deve começar em 2015 com conclusão três anos mais tarde (Nota#13) . A rede de transmissão elétrica do Egito já está conectada à Jordânia, Síria, Iraque, Turquia e Líbia, segundo o BMI. O Egito também faz parte da Iniciativa da Bacia do Nilo e tem planos tentativos de interligar sua rede de transmissão com países africanos próximos dentro da organização (Ref#44) .
  17. 17. 15 7. FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS 7.1. HIDROELETRICIDADE A energia hidrelétrica é a terceira maior fonte de energia do Egito, depois do gás natural e do petróleo. Em 2013, o Egito gerou 13,7 bilhões de quilo-watt-hours (KWh) de hidroeletricidade, representando cerca de 9% da geração total de energia do Egito (Ref#45) . A maior parte da hidroeletricidade do país vem da barragem de Aswan (hight-dam) e das barragens ao longo do Rio Nilo. No entanto, a maior parcela do potencial hidroelétrico do Rio Nilo já foi explorada. Como resultado, a Autoridade de Energia Nova e Renovável do Egito (NREA) está ativamente buscando outros tipos de projetos renováveis, principalmente energia solar e eólica, para diversificar a matriz energética do país (Figura 7) . Figura 7. Geração de Energia Elétrica Renovável: Hidro- vs. Não-Hidroeletricidade (em Bilião de KWH). Os planos da Etiópia de construir a barragem do Grande Renascimento de 6.000 MW no Rio Azul do Nilo levaram a preocupações sobre a escassez de água na represa de Aswan, no Egito, além de afetar o abastecimento de água para a agricultura, água potável e outras indústrias dependentes do Rio Nilo como fonte de água No Egito. Em março de 2015, a Etiópia, o Egito e o Sudão assinaram um acordo sobre o Rio Nilo com o entendimento de que a represa planejada da Etiópia não reduziria significativamente o fluxo de água para os dois países. A barragem da Etiópia está planejada para ser construída até 2017, custando mais de US $ 4 bilhões, e será a maior usina hidrelétrica da África (Ref#46) . 7.2. SOLAR A primeira usina termoelétrica do Egito, localizada em Kuraymat, ao sul do Cairo, tem capacidade para gerar 140 MW de energia solar térmica. A planta está operacional desde junho de 2011, de acordo com o Laboratório Nacional de Energia Renovável dos EUA (NREL) (Ref#47) . A usina usa energia solar concentrada (CSP) com geradores de reserva a gás natural. O Banco Mundial e a Agência de Cooperação Internacional do Japão ajudaram a financiar a construção da usina solar térmica. O Egito planeja construir uma usina solar de 140 MW ao longo da costa
  18. 18. 16 do Mar Vermelho e uma usina de 100 MW em Kom Ombo (Ref#48) . O país planeja aumentar a capacidade de geração de energia solar em 3.500 MW até 2027 (Ref#49) (Figura 8) . 7.3. VENTO De acordo com NREA, o Egito tem abundantes recursos de energia eólica, especialmente no Golfo de Suez e Vale do Nilo. O Egito gera energia eólica principalmente a partir do parque eólico de 545 MW Zafarana e do parque eólico Hurghada de 5 MW. O parque eólico Zafarana, o maior projeto não-hidrocarbônico no Egito, está localizado na costa oeste do Golfo de Suez. O parque eólico alberga uma série de projetos eólicos que foram desenvolvidos em várias etapas e financiados em cooperação com bancos de desenvolvimento da Alemanha, Dinamarca, Espanha e Japão. O governo planeja expandir a capacidade de energia eólica nos próximos anos como parte de um plano para aumentar a geração de energia eólica para 7,2 GW até 2020 (Ref#50) (Figura 8) . Figura 8. Não-Hidroeletricidade Vento vs. Solar (em Bilião de KWH). 8. NUCLEAR O Egito não tem, ainda, nenhuma usina nuclear comercial. De acordo com a Nuclear Threat Initiative, o programa nuclear civil do Egito está em fase de pesquisa e desenvolvimento. O país opera dois pequenos reatores de pesquisa, que são muito menos poderosos do que um reator de energia nuclear comercial (Ref#51) . O Egito propôs no passado construir uma usina nuclear em El Dabaa, na costa mediterrânea, a cerca de 100 milhas a oeste de Alexandria, mas O projeto tem sido repetidamente adiado. No início de 2015, a Rússia e o Egito assinaram um acordo preliminar para trabalhar em conjunto para construir a fábrica em El Dabaa. Embora os planos ainda sejam preliminares, a instalação nuclear proposta está programada para ser construída até 2020, com quatro reatores produzindo 1.200 MW cada (Ref#52) .
  19. 19. 17 NOTAS: Nota#1: No dia 3 de novembro de 2016 o Banco Central Egípcio decidiu, dentro do seu plano de recuperação econômica, flutuar a libra egípcia em relação ao cambio internacional. E no dia 11 de novembro o Fundo Monetário Internacional aceitou o plano de recuperação econômica proposto pelo governo egípcio e decidiu financiá-lo por US $12,3 biliões injetados na economia egípcia em período de 8 meses. Nota#2: No dia 3 de março agosto de 2016 foi paga a última parcela da divida somada em US $3,5 biliões. Nota#3: No dia 4 de novembro de 2016 o governo egípcio decidiu remover parcialmente o subsídio sobre combustíveis. Nota#4: No dia 30 de junho de 2016 o Ministério de Petróleo e Recursos Minerais declarou o aumento na reserva comprovada de óleo para 5,3 biliões de barris. Nota#5: No dia 31 de outubro de 2016 o governo egípcio assinou acordo com o governo iraquiano para refinar, a favor do Iraque, total de 120 mil barris/dia com direito a 23% de participação no valor da reexportação. Nota#6: Vide Nota#2. Nota#7: No dia 30 de junho de 2016 o Ministério de Petróleo e Recursos Minerais declarou o aumento na reserva comprovada de gás natural para 128 Tcf. Nota#8: Vide Nota#2 e Nota#6. Nota#9: No dia 29 de janeiro de 2016 as partes envolvidas chegaram a acordo de distribuição da produção e extinguiu-se o processo de arbitragem. Nota#10: A usina de GNL da SEGAS/Damietta voltou a atividade no dia 13 de março de 2016. Nota#11: No dia 6 de agosto de 2015 o presidente egípcio inaugurou o Novo Canal do Suez que representa a duplicação do Canal no sentido norte-sul evitando a espera de 18 horas do comboio sul permitindo também a passagens dos VLCC nos dois sentidos sem necessidade de redução de carga total. O trafego passou a representar 23% e 12% do total do comércio mundial de óleo e gás natural liquificado, respetivamente. Nota#12: No dia 13 de agosto de 2016 o presidente egípcio inaugurou o novo complexo petroquímico na Alexandria, no terminal de Sidi Krir, com capacidade de refino diário de 210 mil barris por dia. Nota#13: O projeto está paralisado devido a discordância política entre os dois países com relação à crise na Síria.
  20. 20. 18 REFERENCIAS: Ref#1: World Bank database, accessed May 2015. Ref#2: Ibid. Ref#3: International Monetary Fund, "Arab Countries in Transition: An Update on Economic Outlook and Key Challenges," (April 9, 2014), page 10. Ref#4: Middle East Economic Survey (MEES), "Egypt Outlines 2015-16 Budget Guidelines," (March 27, 2015), volume 58, issue 13. Ref#5: BP Statistical Review of World Energy, Excel workbook of historical data, 2014. Ref#6: Oil & Gas Journal, Worldwide look at reserves and production, (January 1, 2015). Ref#7: Energy Intelligence Group, "Egypt Makes Aggressive pitch to IOCs to help sustain oil output," (May 20, 2014), page 2. Ref#8: Arab Oil & Gas Directory, www.stratener.com, "Egypt," (2014). Ref#9: Energy Intelligence Group, "Egypt Makes Aggressive pitch to IOCs to help sustain oil output," (May 20, 2014), page 2. Ref#10: Energy Intelligence Group, "Egypt Makes Aggressive pitch to IOCs to help sustain oil output," (May 20, 2014), page 3. Ref#11: Arab Oil & Gas Directory, www.stratener.com, "Egypt," (2014), page 69. Ref#12: Arab Oil & Gas Directory, www.stratener.com, "Egypt," (2014), page 69 and Oil & Gas Journal, Worldwide Refining, (January, 1, 2015). Ref#13: Qalaa Holdings, Energy, accessed May 2015. Ref#14: Arab Oil & Gas Directory, www.stratener.com, "Egypt," (2014), page 84. Ref#15: Organization of the Petroleum Exporting Countries, Annual Statistical Bulletin, 2013, (released 2014), page 46. Ref#16: Facts Global Energy, "Egypt: An Energy Supply Crisis Beyond Control?," MENA Gas Series, (October 21, 2013), issue 8. Ref#17: Global Trade Information Services, Egypt's Central Agency for Public Mobilization and Statistics, accessed May 2015. Ref#18: Oil & Gas Journal, Worldwide look at reserves and production, (January 1, 2015). Ref#19: Reuters, "Egypt to begin LNG imports as floating terminal arrives," (April 2, 2015). Ref#20: World Bank, EG- Natural Gas Connections Projects, accessed May 2015. Ref#21: Energy Intelligence Group, "Egypt Rethinks Pricing," (May 21, 2014), page 1. Ref#22: Middle East Economic Survey (MEES), "Egypt Lays More Foundations for Gas Output Growth," (March 27, 2015), volume 58, issue 13.
  21. 21. 19 Ref#23: Energy Intelligence Group, "Egypt's Gas Output Plunges Further as IOC Debts Mount," (May 15, 2014), page 1. Ref#24: The Guardian, "Egypt Cancels Israel Gas Contracts," (April 23, 2012). Ref#25: Cedigaz, Statistical Database (released in 2014), accessed May 2015; and BP Statistical Review of World Energy, Excel workbook of historical data. Ref#26: Arab Oil & Gas Directory, www.stratener.com, "Egypt," (2014), page 98. Ref#27: Ibid. Ref#28: Reuters, "Update 1 – Damietta LNG plant idled as Egypt keeps it gas at home," (February 7, 2013). Ref#29: Energy intelligence Group, "Egypt: Energy Subsidies Drain Budget, Deter Investment," (April 17, 2014), page 2. Ref#30: Arab Oil & Gas Directory, www.stratener.com, "Egypt," (2014), page 98. Ref#31: BP Statistical Review of World Energy, Excel workbook of historical data, 2014. Ref#32: Suez Canal Authority, Suez Canal Future Plans. Ref#33: Suez Canal Authority, Traffic Statistics: Cargo Ton by Cargo Type, accessed April 2015; and Lloyd's List Intelligence (APEX), accessed April 2015. Ref#34: Suez Canal Authority, Suez Canal Yearly Report, 2014. Ref#35: SUMED Arab Petroleum Pipelines Company, SUMED system: Main Pipelines and Share Holders. Ref#36: U.S. Department of Transportation, Economic Impact of Piracy in the Gulf of Aden on Global Trade, (2010). Ref#37: International Energy Agency, Oil Market Update, (January 31, 2011). Ref#38: Lloyd's List Intelligence (APEX), accessed April 2015. Ref#39: Middle East Economic Survey (MEES), "Egypt adds Power Ship to Short-Term Plan, Lines up Loans for EEHC," (May 8, 2015), volume 58, issue 19. Ref#40: Business Monitor International (BMI) Research, Egypt Power Report Q2 2015, (March 2015), pages 12-15. Ref#41: Egypt New and Renewable Energy Authority, Annual report 2012/2013, page 4. Ref#42: Business Monitor International (BMI) Research, Egypt Power Report Q2 2015, (March 2015), page 18; and Ventures Onsite, "Orascom, IPIC to build 3000 MW coal fired power plant in Egypt, Red Sea coast," (March 17. 2015). Ref#43: Business Monitor International (BMI) Research, Egypt Power Report Q2 2015, (March 2015), pages 7-8 and 17.
  22. 22. 20 Ref#44: Ibid, page 23. Ref#45: Ibid, page 12. Ref#46: Reuters, "Update 2 - Egypt, Ethiopia, Sudan sign agreement on Nile dam," (March 23, 2015); and Aljazeera, "Egypt, Ethiopia and Sudan sign accord on Nile," (March 24, 2015). Ref#47: U.S. National Renewable Energy Laboratory, Concentrating Solar Power Projects, accessed May 2015. Ref#48: Business Monitor International (BMI) Research, Egypt Power Report Q2 2015, (March 2015), page 35. Ref#49: New and Renewable Energy Authority, Annual report 2012/2013, page 4. Ref#50: Ibid, pages 4 and 17-18. Ref#51: Nuclear Threat Initiative, Egypt country profile, accessed May 2015. Ref#52: Business Monitor International (BMI) Research, Egypt Power Report Q2 2015, (March 2015), page 19; and Business Monitor International (BMI) Research, "Company Brief - Russia and Egypt sign nuclear power plant deal," (February 16, 2015).
  23. 23. 21 ANEXOS: ANEXO I: MAPA ADMINISTRATIVO DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO
  24. 24. 22 ANEXO II: DISTRIBUIÇÃO DAS CIDADES DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO POR UNIDADE ADMINISTRATIVA
  25. 25. 23 ANEXO III: POPULAÇÃO DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO POR UNIDADE ADMINISTRATIVA
  26. 26. 24 ANEXO IV: DENSIDADE DEMOGRÁFICA DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO POR UNIDADE ADMINISTRATIVA
  27. 27. 25 ANEXO V: UNIDADES DO SOLO (PADRÃO FÃO) DA REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO

×