Desenvolvimento Regional Sustentável            Vetor Norte da RMBH                                           Mario Queiro...
PLANO MACROESTRUTURALDO VETOR NORTE DA RMBH2                     01
ORDENAMENTO ECONÔMICO DO VETOR NORTE - ÁREA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS – BRASILPARCEIROS, APOIADORES E...
Área: 210 km²
Plano MacroestruturalImplementação do Corredor Multimodal da RMBHVisãoPlanejar o desenvolvimento da área transformando-a n...
PLANO MACROESTRUTURALDO VETOR NORTE DA RMBHVisãoDesenvolver o local de estudo em umaaerotrópolis progressiva, que sejasust...
Plano EstruturalCorredor Multimodal de Belo Horizonte Os três equipamentos vertebradores do Plano Macroestrutural  Implan...
Plano Macroestrutural do Vetor Norte Corredor Multimodal de Alta Tecnologia da RMBH Projetos em implantação e em desenvolv...
AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES - AITNPERSPECTIVA DOS TERMINAIS 1, JÁ CONCLUÍDO E OS 2 E 3 QUANDO CONCLUÍDOS
O CENÁRIO ECONÔMICO PROPOSTOPARA O CORREDOR MULTIMODAL:                               Valor Econômico do                  ...
Corredor Multimodal de Belo HorizonteApresentação do Plano Estrutural            Rede rodoviária proposta           Transp...
Corredor Multimodal de Belo Horizonte    Planejamento das utilidades                                                    de...
Fronteira do desenvolvimento            Anel metropolitanto            Lagos existentes            Rios/correntes existent...
Complexo Rodoviário - Contornos do AITN e do CCAE ( Centro de   Capacitação Aeroespacial) – Fase 1 Plano Macroestrutural
Centro de Capacitação Aeroespacial - CCAECentro de formação de técnicospara as Indústrias Aeronáutica e de    Centro de lo...
OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS DOSETOR-ALVO DE LOGÍSTICA NO MUNDO, NOBRASIL E EM MINAS GERAIS (1)
OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS DOSETOR-ALVO DE LOGÍSTICA NO MUNDO, NOBRASIL E EM MINAS GERAIS (2)
LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃOE COMÉRCIO ATACADISTA          Materialização      PLATAFORMA       LOGÍSTICA 21
PLATAFORMA LOGÍSTICAMULTIMODAL DA RMBH22                  02
DESAFIOo Relatório de Competitividade Global – Fórum Econômico Mundialo Ranking Brasil 53ºo Pilar infraestrutura: Qualida...
CONCEITO DE PLATAFORMALOGÍSTICA  Zona delimitada, no interior da qual se exercem, por diferentes operadores, todas as ati...
TIPOLOGIA DE CENTROSLOGÍSTICOS Centro de Serviços Centro Logístico Centro Logístico Integrado Plataforma Logística 25
Esquema - Plataforma                Região Metropolitana                  Área Periférica                    Área Central ...
Esquema SEM  PlataformaFornecedores   Varejistas                            27
Esquema COM  Plataforma               Centro de DistribuiçãoFornecedores                            Varejistas            ...
OBJETIVO  Implantar equipamento de fundamental importância   para o aumento da eficiência logística de toda a   cadeia de...
RESULTADOS ESPERADOS Dotar a RMBH de uma importante  infraestrutura capaz de definir  espaços      com     capacidade    ...
FASES DO PROJETO Concepção           Estudos preliminares           Definição da área           Estudos ambientais Mo...
INSTITUCIONAL Experiência em PPP; Interesse do Mercado; Possibilidade de  Procedimento de  Manifestação de Interesse  (...
CONSIDERAÇÕES FINAIS33                       03
CONSIDERAÇÕES FINAIS        Racionalização do ordenamento do território no longo prazo –         desenvolvimento infraest...
CONSIDERAÇÕES FINAIS(continuação):        Melhoria nas trocas em diferentes modos de transportes;         Prestação de s...
Contato                                               Mario Queiroz Guimarães Netomario.guimaraes@desenvolvimento.mg.gov.b...
Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas
Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas
Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas

1.342 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.342
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas

  1. 1. Desenvolvimento Regional Sustentável Vetor Norte da RMBH Mario Queiroz Guimarães Neto Superintendente de Logística Subsecretaria de Investimentos Estratégicos Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico
  2. 2. PLANO MACROESTRUTURALDO VETOR NORTE DA RMBH2 01
  3. 3. ORDENAMENTO ECONÔMICO DO VETOR NORTE - ÁREA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS – BRASILPARCEIROS, APOIADORES E COSULTORESConsultorias Nacionais e Internacionais Acordos e Convênios2004 – Kenan Institute/University of North Carolina 2008 – Cooperação Técnica entre INFRAERO e o Estado de Minas Gerais – Prof. PhD. John Kasarda - EUA 2009 – United States Trade and Development Agency - USTDA (Business2005 – Lufthansa Consulting – Alemanha Plan do Pólo Aeronáutico – CH2MHill)2008 – Jurong Consultants – Cingapura – Banco Mundial (Logística Aérea para escoamento de frutas do projeto Jaíba) – Changi Airports Consultants – Cingapura – Fondo de Estudios de Viabilidad – FEV – Espanha (Estudo de Traçado – Frost & Sullivan – Cingapura do metrô de estação do Vilarinho ao AITN – Plataforma logística de2009– Consórcio BHMais comércio Exterior do AITN)
  4. 4. Área: 210 km²
  5. 5. Plano MacroestruturalImplementação do Corredor Multimodal da RMBHVisãoPlanejar o desenvolvimento da área transformando-a num territóriode excelência usando, progressivamente, o conceito funcional deCIDADE-AEROPORTO : • Ordenamento econômico propositivo, com sustentabilidade; • Reserva e provisão de terra para o desenvolvimento das demandas dos investidores da indústria, do serviço avançado e da construção civil; • Fomento a um crescimento sustentável e a implementação de uma plataforma de infra-estrutura propulsora do desenvolvimento; • Aumento da qualidade de vida.
  6. 6. PLANO MACROESTRUTURALDO VETOR NORTE DA RMBHVisãoDesenvolver o local de estudo em umaaerotrópolis progressiva, que sejasustentável e competitiva, positionando aRegião Metropolitana de Belo Horizonte(RMBH) como parte integral do globo.ObjetivosPlanejar o desenvolvimento físico da RMBHem uma cidade de excelência e em umhub internacional de investimentosatravés de: • Salvaguardar e prover área para desenvolvimento, de forma a atender todas as necessidades. • Encorajar o crescimento econômico sustentável e o desenvolvimento infraestrutural coordenado. • Aprimorar a qualidade de vida. 6
  7. 7. Plano EstruturalCorredor Multimodal de Belo Horizonte Os três equipamentos vertebradores do Plano Macroestrutural  Implantação da Alça Norte do novo Rodoanel Artéria 1 da nova vertebração viária da RMBH;  Transporte sobre trilhos entre o Aeroporto Internacional - AITN à Estação Vilarinho;  Expansão do Aeroporto Internacional Tancredo Neves– AITN
  8. 8. Plano Macroestrutural do Vetor Norte Corredor Multimodal de Alta Tecnologia da RMBH Projetos em implantação e em desenvolvimentoEstudos em desenvolvimento e a serem desenvolvidos em MG Secretaria de Desenvolvimento Econômico Subsecretaria de Investimentos Estratégicos
  9. 9. AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES - AITNPERSPECTIVA DOS TERMINAIS 1, JÁ CONCLUÍDO E OS 2 E 3 QUANDO CONCLUÍDOS
  10. 10. O CENÁRIO ECONÔMICO PROPOSTOPARA O CORREDOR MULTIMODAL: Valor Econômico do Corredor Multimodal Indústria de Ciências Aeroespacial e de Componentes Tecnologia da Pilares da Indústria de Indústria de Eletrônicos Informação Biológicas Economia Indústria Defesa Indústria do Turismo Suportes Indústria da Educação da Economia Indústria da Logística de Distribuição e Comércio Atacadista 10
  11. 11. Corredor Multimodal de Belo HorizonteApresentação do Plano Estrutural Rede rodoviária proposta Transporte público proposto 2015 2020 2025 2030
  12. 12. Corredor Multimodal de Belo Horizonte Planejamento das utilidades de infraestrutura Apresentação do Plano Estrutural Fronteira do desenvolvimento Anel metropolitanto Lagos existentes Rios/correntes existentes Estradas existentes Estradas propostas Fronteiras municipais Área adequada para desenvolvimento (Soft Area) Reservatórios propostos ETA Propostos/ Aprimorados ETA Proposto ETE Proposto Estação de Transferência Proposta Instalação de tratamento de resíduos sólidos proposta Aterro proposto Subestação 138KV proposta Escritório central de telecom proposto
  13. 13. Fronteira do desenvolvimento Anel metropolitanto Lagos existentes Rios/correntes existentes Estradas existentes Estradas propostas Fronteiras municipais Área a ser preservada Área a ser conservada Área de reserva Área urbana Indústria Residencial Infra-estructure ComercialVisão, em 2030, da ocupação do solo do Plano Estrutural
  14. 14. Complexo Rodoviário - Contornos do AITN e do CCAE ( Centro de Capacitação Aeroespacial) – Fase 1 Plano Macroestrutural
  15. 15. Centro de Capacitação Aeroespacial - CCAECentro de formação de técnicospara as Indústrias Aeronáutica e de Centro de logística, formação deMecânica Fina / SENAI ( a confirmar) pilotos e de manutenção da Líder Aviação S/A ( a confirmar) Laboratório de Aviônicos/ CETEC Instalações dos Simuladores de Voo Pórtico de Entrada
  16. 16. OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS DOSETOR-ALVO DE LOGÍSTICA NO MUNDO, NOBRASIL E EM MINAS GERAIS (1)
  17. 17. OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS DOSETOR-ALVO DE LOGÍSTICA NO MUNDO, NOBRASIL E EM MINAS GERAIS (2)
  18. 18. LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃOE COMÉRCIO ATACADISTA Materialização PLATAFORMA LOGÍSTICA 21
  19. 19. PLATAFORMA LOGÍSTICAMULTIMODAL DA RMBH22 02
  20. 20. DESAFIOo Relatório de Competitividade Global – Fórum Econômico Mundialo Ranking Brasil 53ºo Pilar infraestrutura: Qualidade da infraestrutura rodoviária - 118° Qualidade da infraestrutura ferroviária - 91° Qualidade da infraestrutura aeroportuária – 122º Qualidade da infraestrutura portuária - 130° Qualidade da infraestrutura geral - 104°23
  21. 21. CONCEITO DE PLATAFORMALOGÍSTICA  Zona delimitada, no interior da qual se exercem, por diferentes operadores, todas as atividades relativas ao transporte, à logística e à distribuição de mercadorias, tanto para o trânsito nacional, como para o internacional.  Estes operadores podem ser proprietários, arrendatários dos edifícios, equipamentos, instalações (armazéns, áreas de estocagem, oficinas) que estão construídos.  Uma plataforma deve ter um regime de livre concorrência para todas as empresas interessadas por estas atividades e compreender serviços comuns para seus usuários.  É, obrigatoriamente, gerida por uma entidade única, pública ou privada, como também devem estar localizadas próximas de serviços públicos para que se realizem as operações, privilegiando a intermodalidade como estratégia de aumento de competitividade. 24
  22. 22. TIPOLOGIA DE CENTROSLOGÍSTICOS Centro de Serviços Centro Logístico Centro Logístico Integrado Plataforma Logística 25
  23. 23. Esquema - Plataforma Região Metropolitana Área Periférica Área Central Esquema Esquema SEM COM Plataforma Plataforma 26
  24. 24. Esquema SEM PlataformaFornecedores Varejistas 27
  25. 25. Esquema COM Plataforma Centro de DistribuiçãoFornecedores Varejistas 28
  26. 26. OBJETIVO  Implantar equipamento de fundamental importância para o aumento da eficiência logística de toda a cadeia de distribuição e produção da RMBH, privilegiando a intermodalidade como estratégia de aumento de competitividade da economia mineira; 29
  27. 27. RESULTADOS ESPERADOS Dotar a RMBH de uma importante infraestrutura capaz de definir espaços com capacidade de concentração, estocagem de cargas, montagem rápida de produtos e de geração de sinergias superior às zonas industriais convencionais Racionalização do ordenamento do solo 30
  28. 28. FASES DO PROJETO Concepção  Estudos preliminares  Definição da área  Estudos ambientais Modelagem  Análise Econômico-Financeira de Viabilidade  Estudos de Engenharia  Estudos Jurídicos Implantação  Estudos Ambientais  Obras Civis Operação  Contratação do Operador  Captação de Empresas Âncoras 31
  29. 29. INSTITUCIONAL Experiência em PPP; Interesse do Mercado; Possibilidade de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI);32
  30. 30. CONSIDERAÇÕES FINAIS33 03
  31. 31. CONSIDERAÇÕES FINAIS Racionalização do ordenamento do território no longo prazo – desenvolvimento infraestrutural coordenado; Alinhamento de interesses públicos e privados; Melhoria da competitividade da economia mineira; Criação de centralidades; Descongestionamento do tráfego em zonas urbanas e interurbanas; Incentivos ao desenvolvimento sustentável; 34
  32. 32. CONSIDERAÇÕES FINAIS(continuação): Melhoria nas trocas em diferentes modos de transportes; Prestação de serviços adicionais com adicionamento de valor (etiquetagem, empacotamento); Fidelização de fluxos e captação de novos fluxos: otimização dos deslocamentos; Aumento de competitividade das empresas instaladas no território; Incentivos ao desenvolvimento sustentável. 35
  33. 33. Contato Mario Queiroz Guimarães Netomario.guimaraes@desenvolvimento.mg.gov.br Superintendente de Logísticawww.desenvolvimento.mg.gov.br Subsecretaria de Investimentos Estratégicos+(55) 31 3915-3049 Secretaria de Desenvolvimento Econômico 36

×