Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citros

424 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
424
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Procedimentos legais no transito interestadual de vegetais de citros

  1. 1. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV CURSO PROTEÇÃO DE PLANTAS PROFESSORE: DR. LAÉRCIO ZAMBOLIM PROCEDIMENTOS LEGAIS NO TRÂNSITO INTERESTADUAIS NO TRÂNSITO DE VEGETAIS (CITROS) RAIMUNDO ALESSANDRO DA SILVA CUNHA Viçosa – MG 2014
  2. 2. 2 INTRODUÇÃO Atualmente para se transportar algum produto de origem vegetal é necessário os padrões estaduais e federais de transporte, por exemplo, ter em mãos os seguintes documentos: Permissão de Transito Vegetal (PTV), Nota Fiscal, Termo de Conformidade. Mas, para os órgãos estaduais que atuam na defesa vegetal, o principal documento é a PTV. Somente de posse deste é que se pode transitar entre os estados de forma apropriada. Porém, para obter esse documento que se baseará em um Certificado Fitossanitário de Origem (CFO) o produto de origem vegetal deverá sair de uma Unidade de Produção (UP) livre de Pragas Quarentenárias A2 na qual deve estar cadastrada nos Órgãos de Defesa Sanitária Vegetal (ODSV) do seu estado de origem.
  3. 3. 3 INTRODUÇÃO CIDADE CAPITÃO POÇO DADOS IBGE LARANJA ÁREA: 8.610ha PRODUÇÃO: 146.370t DADOS ADEPARA CITROS ÁREA: 5.294,53ha PRODUÇÃO: 105.891,6t UNIDADE DE PRODUÇÃO (UP): 120
  4. 4. 4 CADASTRO O inicio do processo para o produtor transitar entre os estados se da com o cadastro de sua propriedade no órgão de Defesa do Estado. Para isso o produtor devera levar copias de seus documentos e os documentos da propriedade nos quais são:  Copia RG  Copia do CPF  Titulo da propriedade ou equivalente  Ter um Responsável Técnico (RT) habilitado na propriedade
  5. 5. 5 PRAGAS QUARENTENÁRIAS
  6. 6. 6 LEVANTAMENTO FITOSSANITÁRIO INSPEÇÃO DE CAMPO MONITORAMENTO MOSCA DA CARAMBOLA MOSCA NEGRA OVIPOSIÇÃO NINFA FÊMEA MACHO MCPHAIL JACKSON
  7. 7. 7 HOSPEDEIROS MOSCA NEGRA ABACATE CAJU CITROS MANGA GOIABA MAMÃO PERA ROMÃ GRAVIOLA CARAMBOLA MARACUJA MURTA SAPOTI
  8. 8. 8 HOSPEDEIRO MOSCA DA CARAMBOLA CARAMBO LA MANGA GOIABA LARANJA MAÇARANDU BA JAMBOACEROLAABIU TOMATEPIMENTA TAPEREB A JACA
  9. 9. 9 PROCEDIMENTO PARA TRÂNSITO  Os frutos oriundos de plantios com a praga mosca negra devem passar por lavagem na pós colheita  Os frutos devem ser comercializados sem folhas  Os frutos devem ser transportados em veículos lonados ou em baú. Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4 0 2 4 6 8 10 12 Coluna 1 Coluna 2 Coluna 3
  10. 10. 10 MODELO DE CFO E PTV TRÂNSITO INTERESTADUAL
  11. 11. 11 MODELO DE CFO TRÂNSITO INTERNO
  12. 12. 12 MATERIAIS E METODOS INSPEÇÃO DE CAMPO 12 PROPRIEDADES (10%) INSPEÇÃO EM ZINGUE ZAGUE FOLHAS, FLORES, FRUTOS, RAMOS MONITORAMENTO DA MOSCA DA CARAMBOLA ARMADILHAS JACKON: 18 ARMADILHAS MCPHAIL: 02 TORULA METIL-EUGENOL + MALATION
  13. 13. 13 MATERIAS E MÉTODOS INSPEÇÃO DE CAMPO  12 PROPRIEDADES (10%)  INSPEÇÃO EM ZINGUE ZAGUE  FOLHAS, FLORES, FRUTOS, RAMOS MONITORAMENTO DA MOSCA DA CARAMBOLA  ARMADILHAS JACKON: 18  ARMADILHAS MCPHAIL: 02  TORULA  METIL-EUGENOL  MALATION
  14. 14. 14 MATERIAS E MÉTODOS INSPEÇÃO DE CAMPO  12 PROPRIEDADES (10%)  INSPEÇÃO EM ZINGUE ZAGUE  FOLHAS, FLORES, FRUTOS, RAMOS MONITORAMENTO DA MOSCA DA CARAMBOLA  ARMADILHAS JACKON: 18  ARMADILHAS MCPHAIL: 02  TORULA  METIL-EUGENOL  MALATION
  15. 15. 15 INSPEÇÃO DE CAMPO Linha 1 Linha 2 Linha 3 Linha 4 0 2 4 6 8 10 12 Coluna 1 Coluna 2 Coluna 3 PRAGAS PRO P 1 PRO P 2 PRO P 3 PRO P 4 PRO P 5 PRO P 6 PRO P 7 PRO P 8 PRO P9 PRO P 10 PRO P 11 PRO P 12 TOTAL M. negra 114 61 15 308 226 200 204 296 240 190 445 286 2585 Gomose 90 7 0 0 45 132 0 175 90 76 285 0 900 L.minadora 680 152 225 1320 495 306 240 369 300 495 642 457 5681 Orexia 30 63 30 83 332 225 180 239 45 152 514 57 1950 Podridão floral 38 52 23 0 181 0 0 280 180 114 400 229 1497 Nº de plantas 680 152 225 1320 520 310 240 370 300 571 857 857 6402 Total de planta 6800 1770 748 26400 5200 3050 800 3700 1000 5712 8568 8572 72320 Área (ha) 20 7 1,8 84 15,6 9,2 1,28 5,38 1,6 14,28 21,42 21,43 203,06
  16. 16. 16 MONITORAMENTO MOSCA DA CARAMBOLA
  17. 17. 17 FLUXO DA PRODUÇÃO ANO AM BA CE DF GO MA PA PE PI RN RS SE SP TO TOTAL 2011 1162 3143 19 0 33 14577 478 0 495 0 0 73 2121 489 22590 2012 1130 2437 1582 30 15 20328 5038 30 3052 75 60 0 31 2158 35966 2013 464 6609 1265 65 205 24121 540 407 6283 6283 0 0 199 1681 48122 Fonte ADEPARA NORTE NORDESTE CENTRO OESTE SUDESTE SUL 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 70,00 80,00 90,00 11,85 85,75 0,23 2,12 0,05 FLUXO POR REGIÃO %
  18. 18. 18 ÁREA TAMPÃO
  19. 19. 19 CONCLUSÃO Analisando os dados observados, nota-se o quão é importante a realização de levantamentos fitossanitários para a identificação de pragas em uma determinada área de plantio, pois é com estas inspeções de campo que é o procedimento inicial que se dar ao trânsito de produtos de origem vegetal, sem estas inspeções a propriedade da origem do produto não poderia comercializar nem transportar seu produtos. Sem esse procedimento seria impossível algum produtor sair de estado para outro ou ate mesmo outro país, pois é processo que comprova que o produto está livre de alguma praga quarentenária, propiciando assim o seu livre transito.
  20. 20. 20 OBRIGADO!!
  21. 21. 21 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV CURSO PROTEÇÃO DE PLANTAS PROFESSORE: DR. LAÉRCIO ZAMBOLIM PROCEDIMENTOS LEGAIS NO TRÂNSITO INTERESTADUAIS NO TRÂNSITO DE VEGETAIS (CITROS) Viçosa – MG 2014

×