Palestra sebrae o desafio do agronegócio de hortaliças-maio 2010_

10.848 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Esportes, Tecnologia
3 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.848
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
54
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
754
Comentários
3
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra sebrae o desafio do agronegócio de hortaliças-maio 2010_

  1. 1. O desafio da inovação na horticultura Paulo César Tavares de Melo, D.Sc. USP/ESALQ Presidente ABH pctmelo@esalq.usp.br Semana Sebrae do Agronegócio - Brasília, DF, 4 a 6 de maio de 2010
  2. 2. Evolução do agronegócio brasileiro de hortaliças Em 1998 a produção alcançou 11,5 milhões de t e a área colhida foi de 778 mil ha; ha Em 2008 a produção alcançou 19,3 milhões de t e a área colhida foi de 880 mil ha; ha Com acréscimo de apenas 3,8 % na área cultivada, a produção e a produtividade cresceram 68 % e 62 %, respectivamente; A produção de hortaliças respondeu por 12,4 % do PIB do agronegócio brasileiro que foi de R$ 163,5 bilhões em 2009. Fonte: Embrapa Hortaliças Hortaliç
  3. 3. Características da cadeia produtiva de hortaliças – Geração de empregos: • 3 a 6 empregos diretos por ha e igual número indireto • soja e milho = 0,36/ha; algodão = 0,40/ha; – Mercado altamente diversificado: > 100 espécies em cultivo comercial e muito segmentado; – 8 a 10 milhões de pessoas dependem da olericultura; – Ciclo curto de produção; – Maior parte da produção concentrada em apenas cinco espécies batata, tomate, melancia, cebola e cenoura;
  4. 4. Características da cadeia produtiva de hortaliças – Tipo de varejo que precisa do mix de produtos nos pontos de venda todos os dias; – Produtos altamente perecíveis melhor qualidade = momento da colheita; – Setor mostra características contrastantes quanto aos canais de comercialização e de distribuição.
  5. 5. Brasil: Produção, área e valor da safra das principais hortaliças, 2008 Cultura Produção (t) Área (mil ha) Safra (R$) Tomate 3.868.000 61.000 4.215.744.000 Batata 3.677.000 145.000 4.469.649.000 Melancia 1.995.000 89.000 1.775.733.000 Cebola 1.367.000 65.000 1.380.737.000 Cenoura 784.000 26.000 815.610.000 Batata-Doce 548.000 46.000 553.922.000 Melão 340.000 16.000 422.175.000 Alho 92.000 10.000 320.999.000 Fonte: IBGE – Produção Agrícola Municipal, 2009
  6. 6. Setor mostra características contrastantes – Quanto à adoção de insumos e de tecnologia – Quanto à forma de cultivo: • convencional • protegido • hidropônico • orgânico
  7. 7. Produção de hortaliças nas várzeas do Rio Amazonas, Manaus, AM
  8. 8. Mogi das Cruzes (SP) – Cinturão verde de São Paulo 500 ha : 520 produtores
  9. 9. Lavoura de taro, Piedade, SP
  10. 10. Operação de transplantio de mudas de cebola, Canudos, BA
  11. 11. Operação de transplantio de mudas de cebola, São José do Rio Pardo, SP
  12. 12. Produção de hortaliças na Chapada Diamantina, Bahia
  13. 13. Produção orgânica de hortaliças, Fazenda Malunga, Brasília, DF
  14. 14. Lavoura de batata, Chapada Diamantina, BA
  15. 15. Lavoura de cenoura, São Gotardo, MG
  16. 16. Lavoura de tomate industrial, Goianésia, GO
  17. 17. Os tipos de canal de comercialização de hortifrutis Sem intermediação (canal nível zero) Produtor Consumidor Exemplo: feiras-livres de produtos orgânicos
  18. 18. Os tipos de canal de comercialização de hortifrutis Canal de nível 1: varejões e supermercados (pequenos e médios) Varejistas Produtor Consumidores
  19. 19. Os tipos de canal de comercialização de hortifrutis Canal de nível 2: atacadistas estabelecidos nas CEASAS Atacadistas Varejistas Produtor Consumidores
  20. 20. Os tipos de canal de comercialização de hortifrutis Canal de nível 3: maior intermediação CEASAS Atacadista local Consumidor Varejo Produtor
  21. 21. Canais de distribuição de hortaliças • A mudança na estrutura de comercialização tem causado impactos negativos à cadeia de hortaliças exclui produtores incapazes de atender às exigências das centrais de compra das grandes redes varejistas; • Varejo dominado por um reduzido número de grandes redes torna a sobrevivência de pequenos varejistas cada vez mais difícil. Fonte:LOURENZANI & SILVA, 2004
  22. 22. Modernização do Setor de Hortifrutis Faturamento (R$): Supermercados x Produtor Fonte: HortiFruti Brasil/CEPEA
  23. 23. Reinvenção do mercado de hortaliças • As transformações na cadeia de hortaliças têm sido guiadas pelas demandas: – dos consumidores que buscam • qualidade • conveniência SUPREMACIA • alimento seguro = RASTREABILIDADE DO CONSUMIDOR • novidades novas experiências – do mercado redes varejistas e de atacado – dos produtores alto rendimento, desempenho estável, resistência a doenças e a estresses abióticos – da sociedade racionalidade do uso de água, energia, insumos poluentes – inovações tecnológicas
  24. 24. SUPREMACIA DO CONSUMIDOR!!
  25. 25. Rastreabilidade
  26. 26. Rastreabilidade • Conjunto de ações, medidas e procedimentos técnicos que permite: – identificar e registrar cada produto desde seu nascimento até o final da cadeia de comercialização; – as informações devem estar disponíveis e atualizadas; – os dados arquivados permitem assegurar o bom estado do alimento e com isso conquistar a confiança dos consumidores; • A rastreabilidade de alimentos se converteu em uma das maiores preocupações dos cidadãos dos países desenvolvidos, daí o compromisso das empresas em manter o máximo de segurança e qualidade dos alimentos que produzem.
  27. 27. Rastreabilidade • A partir de 2 de julho de 2009 entrou em vigor Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal (Instrução Normativa nº 21); • O PNCRC objetiva a ampliação das garantias de inocuidade dos produtos de origem vegetal consumidos no Brasil e exportados; • Serão monitoradas 18 culturas hortifrutícolas não só quanto à presença de resíduos de agrotóxicos bem como de outros contaminantes; • As análises serão realizadas por laboratórios oficiais ou credenciados pelo MAPA.
  28. 28. Inovações na tecnologia de produção
  29. 29. Plantio mecanizado de cenoura em São Gotardo, MG
  30. 30. Inovação de produto
  31. 31. Inovação tecnológica
  32. 32. Inovação tecnológica
  33. 33. Inovação tecnológica
  34. 34. Inovação tecnológica
  35. 35. Mudanças no perfil do consumidor dos produtos hortifrutícolas • Pesquisas com alimentos funcionais em destaque em vários países; • Mudanças demográficas/étnicas têm influenciado a tipologia das hortaliças; • Consumidores estão cada vez mais preocupados com resíduos de agrotóxicos e com aditivos químicos e seus efeitos sobre à saúde; • Consumidores estão dispostos a pagar um preço maior por qualidade e por novidades DIFERENCIAÇÃO
  36. 36. Reinvenção das hortaliças Festival de cor, sabor e saúde Uma das estratégias adotadas para incentivar o consumo de hortifrutis é por meio da excitação dos sentidos: surpreender o consumidor com hortaliças de cor não esperada e com sabor acentuado
  37. 37. Tomate em penca
  38. 38. Arco-íris de cenoura
  39. 39. Cenouras multipigmentadas Purple Haze
  40. 40. Minihortaliças Mini Saladete Mini San Marzano
  41. 41. Tomate Cereja Grape
  42. 42. Minihortaliças
  43. 43. Minimelancia seedless
  44. 44. Cenoura de raiz de globular
  45. 45. Minihortaliças Mini Couve-flor
  46. 46. Minihortaliças Mini abóbora
  47. 47. Minihortaliças Mini chuchu
  48. 48. Baby carrots ou minicenouras
  49. 49. Explorando a rica diversidade de Solanum spp.
  50. 50. Diversificação varietal em melão
  51. 51. Diversidade de hortifrutis minimamente processados
  52. 52. Inovações em marketing e nos canais de comercialização
  53. 53. Aquisição domiciliar de hortaliças e distribuição por região geográfica Região Aquisição geográfica (kg per capita/ano) Norte 18,9 Nordeste 22,3 Centro-oeste 23,4 Sudeste 32,7 Sul 40,2 BRASIL 29,0 Fonte: IBGE/POF, 2002-2003.
  54. 54. Brasil: situação das hortaliças, 2006 Produção Área Produtividade Produção Consumo Hortaliças* (mil t) (mil ha) (t/ha) (%) kg/hab/ano*** Batata 3.125,93 140,80 22,20 17,81 5,27 Tomates** 3.278,07 56,64 57,88 18,68 5,00 Cebola 1.174,75 57,21 20,53 6,69 3,47 Melancia 1.505,13 80,64 18,66 8,58 2,46 Cenoura 750,05 25,55 29,36 4,27 1,75 Batata-Doce 513,65 45,33 11,33 2,93 0,75 Melão 500,02 21,37 23,40 2,85 0,36 Outras 6.701,75 341,77 19,60 38,18 9,94 TOTAL 17.549,34 771,36 22,75 100,00 29,00 * Apenas sete hortaliças respondem por 61,0 % da produção total ** Inclui tomates de mesa e indústria *** POF= Pesquisa orçamento familiar, 2003, IBGE Fontes: IBGE- Produção Agrícola Municipal, 2007; FAO- Faostat Database Results, 2007
  55. 55. Aquisição domiciliar de hortaliças e distribuição por classe de renda no Brasil Renda mensal Aquisição domiciliar Proporção* (R$) (kg/per capita/ano) (%) Até 400 15,7 - 54,1 Mais de 400 a 600 22,4 - 77,2 Mais de 600 a 1000 25,7 - 88,7 Mais de 1000 a 1600 31,2 + 7,6 Mais de 1600 a 3000 36,2 + 24,8 Mais de 3000 42,3 + 45,7 Fonte: IBGE – Pesquisas de Orçamentos Familiares (POF), 2002-2003. *Aquisição média do Brasil = 29,0 kg/per capita/ano.
  56. 56. Estimativa do consumo de hortaliças em países selecionados* Israel 1022 Itália 824 China 572 Austrália 479 Bélgica 465 Japão 454 Dinamarca 419 Finlândia 381 Estônia 340 Rússia 319 Estados Unidos 288 Argentina 180 Chile 120 * Consumo: g/per capita/dia 130 BRASIL Fonte FAO
  57. 57. Consumo de Hortifrutis • A OMS recomenda o consumo de 400 g/pessoa/dia; • O consumo atual no Brasil é de apenas 132 g/pessoa/dia; • Necessidade de TRIPLICAR o nível atual de consumo; • Aumento do consumo de H&F é considerado o eixo da promoção de saúde e segurança alimentar e nutricional.
  58. 58. Gasto total com alimentação e parte destinada a H & F - 2006 H&F 13 % Renda Domiciliar Mensal = R$ 1.393 Gasto Domiciliar Mensal = R$ 1.369 Gasto Médio Mensal Gasto com Alimentação Gasto Médio Mensal R$ 36,00 R$ 280,00 Fonte: LatinPanel, 2006
  59. 59. Alimentação saudável: oportunidade de negócio Fonte: Revista Hortifruti Brasil, Ano 8, No 89, abril 2010
  60. 60. O segmento de alimentos e bebidas saudáveis passou de US$ 8,5 bilhões em 2004 para US$ 15,5 bilhões, em 2009. Fonte: Estudo “Saúde e bem-estar em alimentos e bebidas saudáveis no Brasil” EUROMONITOR via Folha de SP, 02/05/2010
  61. 61. Fazenda Ituaú, Salto (SP)
  62. 62. Uso de personagens de histórias-de-quadrinho para incentivar o consumo de F & V
  63. 63. Frota de ônibus da Embrapa Hortaliças que transporta seus funcionários em Brasília, DF promovendo o consumo de hortaliças
  64. 64. Rede Hortifruti capixaba inova na propaganda de H&F com o tema: ‘Aqui a natureza é a estrela’
  65. 65. Campanha Hollywood - Hortifruti VT animação - Pimentão Valente/ anúncio O Globo
  66. 66. Faturamento (R$) Variação (%) 2000 116.930.407,00 - 2001 140.616.920,00 20,26% 2002 160.668.403,00 14,26% 2003 200.111.770,00 24,55% 2004 225.348.639,00 12,61% 2005 245.922.151,00 9,13% 2006 267.946.156,00 8,96% 2007 285.885.408,00 6,70% 2008 332.206.646,00 16,20% 2009* 376.372.327,00 13,29% Projeção até dezembro de 2009 Fonte: Hortigil/Hortifruti – IV Congresso Panamericano de F&H, Brasília, DF – setembro de 2009
  67. 67. “La industria alimentaria gasta millones de dólares haciendo marketing de sus productos poco sanos. En todo el mundo, por cada dólar que se gasta en promocionar comida buena, 500 dólares se gastan en promocionar comida chatarra. Es por eso que hoy la “M” de McDonald’s es más reconocida que la cruz cristiana”.
  68. 68. Mudanças nos canais de comercialização Feira-livre do Mercado Central de João Pessoa-PB Feira-livre em Bananeiras-PB
  69. 69. Mudanças nos canais de comercialização Feira-livre do Mercado Central de Campinas-SP Feira-livre do Grajaú-RJ
  70. 70. Mudanças nos canais de comercialização Mercado Central de São Paulo-SP
  71. 71. Mudanças nos canais de comercialização Área de hortifruti de um supermercado Pão-de-Açucar, Campinas-SP
  72. 72. Mudanças nos canais de comercialização Varejão de hortifrutis em São Paulo-SP
  73. 73. Mudanças nos canais de comercialização Loja da Hortifruti em Vitória, ES
  74. 74. Mudanças nos canais de comercialização Supermercados Dalben, Campinas-SP
  75. 75. Mudanças nos canais de comercialização Frutaria Rio das Pedras, Campinas-SP
  76. 76. Supermercado verde Diversidade de produtos orgânicos Indaiatuba-SP
  77. 77. Os grandes desafios para o futuro • Expansão da produção em regiões onde a olericultura é incipiente; • Expandir o cultivo e consumo de hortaliças subutilizadas ou negligenciadas; • Organização do setor produtivo de hortaliças; • Alimento seguro aumento das restrições a resíduos de químicos e a outros insumos poluidores; • Registro de agrotóxicos para as culturas consideradas de suporte fitossanitário insuficiente; • Incremento das exportações de produtos in natura e processados; • Redução das perdas pós-colheita; • Modernização do setor de embalagens; • Desenvolvimento de ações público-privadas visando o aumento do consumo de hortaliças.
  78. 78. Muito obrigado! pctmelo@esalq.usp.br

×