A situação atual do crédito no agronegócio marcelo fernandes guimarães

2.915 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.915
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
92
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A situação atual do crédito no agronegócio marcelo fernandes guimarães

  1. 1. A Situação Atual do Crédito no Agronegócio Desafios e Perspectivas do Plano Agrícola e Pecuário 2010/2011 Marcelo Fernandes Guimarães Coordenador Geral de Análises Econômicas Secretaria de Política Agrícola Brasília – DF, 06 de abril de 2010
  2. 2. Estrutura da apresentação 1. Panorama do Agronegócio Brasileiro 2. O Crédito Rural 3. Desafios e Perspectivas do Plano Agrícola e Pecuário 2010/2011
  3. 3. Pa noram a do A grone gócio Bra sileiro
  4. 4. Estimativas do Agronegócio Brasileiro em 2007 25.1% PIB 36.4% Exportações 37% Empregos Fontes: CEPEA-USP/CNA, MAPA and IPEA
  5. 5. PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS BRASILEIROS VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (PREÇOS DE ABRIL 2009) Fonte: CNA
  6. 6. Produção de Grãos – 1991 a 2010 144,1 146,3 GRÃOS 123,2 114,7 131,8 135,2 (milhões de ton) 100,3 122,5 ÁREA (milhões de ha) 81,1 78,4 82,4 57,9 68,3 4 7,7 4 9 ,1 4 7,9 4 7,6 4 3 ,9 4 6 ,2 4 7,4 3 7,9 3 5,6 3 8 ,5 3 6 ,6 3 6 ,9 3 7,8 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 * Fonte: Conab *Abril de 2010
  7. 7. Produção de Carnes – 1994 a 2009 12 + 2,42% 11 10 9 + 0,17% milhões de ton 8 7 Bovina 6 5 Avícola 4 Suína + 2,34% 3 2 1 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009* Fonte: Conab / MAPA _
  8. 8. Produção de Açúcar e Etanol – 1995 a 2009 40 37,1 35 30 28,2 SUGAR m ilhões de ton e m ³ 25 20 15 12,8 10 11,7 ETHANOL 5 0 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09* Fonte: MAPA _ * Estimativa (abril/2009 _ média entre os limites inferior e superior)
  9. 9. Exportações do agronegócio brasileiro Principais produtos 1999 2009 Couro Comp. 1,8% soja Demais Comp. Demais 18,4% Milho 22,7% Soja 37,2% 1,9% 26,6% Suco de laranja 2,5% Café Couro 12,0% 2,9% Fumo 4,6% Fumo Açúcar e álcool Café 4,4% 9,6% 6,6% Carnes Suco de Açúcar e álcool 18,2% laranja Carnes 6,0% 9,5% 15,0% Total: US$ 20,5 bilhões Total: US$ 64,8 bilhões 4 maiores: 49,5 % 4 maiores: 66,4 % Fonte: AgroStat Brasil, a partir de dados da SECEX/ MDIC Fonte: AgroStat Brasil, a partir de dados da SECEX/ MDIC
  10. 10. Exportações do agronegócio brasileiro Principais destinos 1999 2009 Arábia Saudita Uruguai Coréia do 1,5% 1,2% Sul Hong 2,0% Demais Demais Kong Arábia UE 27 20,8% 30,6% 1,5% Saudita 29,3% 2,3% China 1,6% Venezuel UE 27 a Irã 40,9% 2,4% 2,3% Hong Rússia Kong 3,5% 2,6% China 13,8% Argentin EUA Japão a Japão 17,1% 2,8% Índia Rússia EUA 4,7% 5,0% 2,8% 4,3% 7,0% Total: US$ 20,5 bilhões Total: US$ 64,8 bilhões UE + EUA: 58,0 % UE + EUA: 36,3 % Fonte: AgroStat Brasil, a partir de dados da SECEX/ MDIC
  11. 11. Ranking 2009: Produção e Exportações Exportações Número de Produtos Produção Exportações destinos milhões de US$ Açúcar 1º 1º 124 8.378 Café em grãos 1º 1º 81 3.762 Suco de laranja 1º 1º 75 1.619 Soja em grãos 2º 2º 46 11.413 Carne bovina 2º 1º 142 4.118 º Tabaco 2 1º 100 2.992 Etanol 2º 1º 48 1.338 º Carne de frango 3º 1 146 5.307 º Milho 4º 3 49 1.259 Carne Suína 4º 4º 81 1.225 Fonte: USDA e AgroStat Brasil
  12. 12. Saldos da Balança Comercial Brasileira Bilhões US$ AGRONEGÓCIO 60 50 40 30 20 TOTAL 10 0 -10 -20 OUTROS -30 -40 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 19 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 Fonte: AgroStat Brasil, a partir de dados da SECEX/MDIC Elaboração: MAPA
  13. 13. Balança Comercial do Agronegócio Fonte: AgroStat Brasil, a partir de dados da SECEX/ MDIC 13
  14. 14. PRODUCER SUPPORT ESTIMATE (PSE) Indicador que mede as transferências dos consumidores e governo para apoiar produtores agrícolas 58% 60% 2002-2004 50% 50% 2005-2007 40% 34% 30% 30% 30% 26% 21% 22% 17% 21% 20% 14% 14% 12% 9% 10% 6% 8% 5% 4% 5% 3% 2% 1% 0% EUA Rússia U.E. OCDE Brasil Austrália China N. Zelândia México Japão Fonte: OCDE Canadá
  15. 15. NOVOS CAMINHOS DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO: CONQUISTANDO A PRODUÇÃO INTERNACIONAL
  16. 16. BEBIDAS 13/07/2008 InBev compra Anheuser-Busch por US$ 50 bilhões Segundo o Wall Street Journal, o conselho da Anheuser-Busch aceitou a proposta da cervejaria belgo-brasileira, que agora se torna a maior do mundo Como a InBev ganhou o mundo Com uma gestão brasileira, a InBev se transformou na maior e mais valiosa cervejaria do mundo 04/09/2008 - 20h45 Cutrale compra fábrica portuguesa de sucos de laranja. A Sucocítrico Cutrale, maior produtora mundial de suco de laranja do mundo, comprou uma fábrica no distrito Silves, no Algarve (sul de Portugal).
  17. 17. Perdigão finaliza compra da Plusfood Valor do negócio foi estimado em cerca de 30 milhões de euros. Empresa adquirida tem fábricas na Holanda, Reino Unido e Romênia. Perdigão quer produzir frango no exterior Hoje, 50% do faturamento da companhia é obtido no exterior. Perdigão já tem escritórios e centros de distribuição fora do Brasil. Sadia e Perdigão confirmam megafusão Companhias criam a maior processadora de carne de frango do mundo
  18. 18. RECEITA LÍQUIDA, EM BILHÕES DE DÓLARES Homel 6,4 Danish Crown 9,4 Nippon Meat 10,4 Brasil Foods* 12 Smithfield 12,4 Vion 12,7 Tyson 12,7 JBS+Bertin+Pilgrim's 28,7 0 5 10 15 20 25 30 35 JBS Friboi anuncia associação com o Bertin e a compra da Pilgrim´s Pride e se torna a maior empresa de processamento de carnes do mundo (16/09/2009) Da Redação JBS já encosta na Vale em faturamento Com compras do Bertin e da Pilgrim's, frigorífico se aproxima de algo que era impensável: tirar da Vale o posto de maior empresa privada do Brasil
  19. 19. Crédito Rural
  20. 20. Fontes de Recursos do Crédito Rural – 1966 a 2008 4,00% 3,66% 8,97% OUTRAS FONTES 4,00% 4,50% 2,95% 13,00% 9,04% 8,89% 1,65% BNDES/FINAME 6,89% 4,87% 5,13% RECURSOS DO FUNCAFÉ 35,00% 26,34% 80,00% 21,64% FUNDOS Orçamento CONSTITUCIONAIS Monetário 0,56% 2,22% RECURSOS LIVRES 26,00% POUPANÇA RURAL 48,23% 44,46% 3,00% RECURSOS DO 5,00% TESOURO 18,00% 12,00% DEP.BANCÁRIOS 1966 a 1985 1990 a 1994 2000 a 2005 2008 Fontes: Coelho, C. N. e Anuário Estatístico do Crédito Rural - BACEN (diversos anos) Elaboração: MAPA/SPA/CGAE
  21. 21. Crédito Rural: Desembolsos da Agricultura 80 Empresarial e Familiar (R$ bilhões) 70 60 50 40 30 20 10 0 99/ 00 00/ 01 0 1/ 0 2 02/ 03 03/ 04 04/ 05 05/ 06 06/ 07 07/ 08 08/ 09 Fonte:Bacen, BB, BASA, BNB, BANCOOB e SICREDI Elab: MAPA/SPA /DEAGRI
  22. 22. Evolução do Desembolso do Crédito Rural (em R$ bilhões) 1999/2000 - 2008/09 70 60 50 40 30 20 10 0 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 Custeio e Comercialização Investimento Agricultura Empresarial Agricultura Familiar FONTE: DEAGRI/SPA/MAPA
  23. 23. FINANCIAMENTO RURAL - PROGRAMAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS - Safras 2007/2008 e 2008/09 - (em R$ milhões) 2007/2008 2008/2009 Fontes de recursos Programação Aplicação Desemb. Programação Aplicação Desemb. ou programas jul/07 a jun/08 jul/07 a jun/08 relativo (%) jul/08 a jun/09 jul/08 a jun/09 relativo (%) (a) (b) (b)/(a) (c) (d) (d)/(c) 1. Custeio e Comercialização 49.100,0 58.415,7 119% 54.800,0 55.491,1 101% 1.1 a Juros controlados 37.850,0 42.105,8 111% 45.053,0 42.506,2 94% 1.2 a Juros livres 11.250,0 16.309,8 145% 9.747,0 12.984,9 133% 2. Investimento 8.900,0 7.451,1 84% 10.200,0 9.425,1 92% 2.1 Programas do BNDES 6.100,0 3.799,8 62% 6.500,0 4.323,7 67% Moderfrota 3.000,0 2.025,7 68% 2.500,0 1.903,3 76% Moderagro 1.850,0 574,2 31% 850,0 512,3 60% Moderinfra 500,0 174,9 31% 500,0 261,7 52% Produsa ( Moderagro Solo e Prolapec) 200,0 403,9 35% 1.000,0 160,9 16% Propflora 100,0 49,1 202% 150,0 81,7 54% Prodecoop 450,0 572,1 49% 1.000,0 939,1 94% Moderfrota Proger (7,5%aa) - - 127% 500,0 464,7 93% 2.2 Demais linhas/programas 2.800,0 3.651,2 130% 3.700,0 5.101,4 138% 3. AGRICULTURA EMPRESARIAL (1+2) 58.000,0 65.866,7 114% 65.000,0 64.916,2 100% 4. Agricultura Familiar (Pronaf) 12.000,0 8.065,8 67% 13.000,0 9.489,0 73% 5. AGRICULTURA TOTAL (3+4) 70.000,0 73.932,6 106% 78.000,0 74.405,2 95% Fonte: SPA-MAPA
  24. 24. Financiamento Rural Total Programação e Aplicação de Recursos Safras 03/04 a 08/09 90.000 80.000 78.000,0 74.090,6 70.000 74.405,2 63.000,0 70.000,0 60.000 56.850,0 57.157,7 M ilh õ e s - R $ 50.000 48.442,9 50.130,8 39.716,1 46.450,0 40.000 30.000 32.550,0 20.000 10.000 0 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 Fonte: MAPA/SPA Programação de recursos Aplicação de recursos
  25. 25. FINANCIAMENTO RURAL - PROGRAMAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS SAFRAS 2008/2009 e 2009/2010 (em R$ milhões) 2008/2009 2009/2010 Compar.de Fonte de recursos Programação Aplicação Desemb. Programação Aplicação Desemb. aplicação ou programas jul/08 a jun/09 jul/08 a mar/09 relativo jul/09 a jun/10 jul/09 a mar/10 relativo Var.( %) (a) (b) (b)/(a) (c) (d) (d)/(c) (d)/(b) 1.Custeio e Comercialização 54.800,0 37.635,9 68,7 66.200,0 44.816,8 67,7 19,1 1.1 a Juros controlados 45.053,0 29.714,6 66,0 54.200,0 35.045,5 64,7 17,9 1.2 a Juros livres 9.747,0 6.059,9 62,2 12.000,0 8.682,9 72,4 43,3 1.3 Fundos Constitucionais - 1.861,4 - 0 1.088,3 - -41,5 2. Investimento 10.200,0 6.952,1 68,2 14.500,0 7.219,1 49,8 3,8 2.1 Programas do BNDES 6.500,0 2.912,0 44,8 10.000 2.657,0 26,6 -8,8 2.2 Demais Fontes/Programas 3.700,0 4.040,1 109,2 4.500 4.562,2 101,4 12,9 3. Linhas Especiais a juros controlados - - - 12.300 4.351,4 35,4 - 4. AGRICULTURA EMPRESARIAL (1+2+3) 65.000,0 44.588,0 68,6 93.000,0 56.387,3 60,6 26,5 - - 5. Agricultura Familiar (Pronaf) 13.000,0 7.343,4 56,5 15.000,0 8.679,3 57,9 18,2 - - 6. AGRICULTURA TOTAL (4+5) 78.000,0 51.931,4 66,6 108.000,0 65.066,6 60,2 25,3 Fonte: RECOR/BACEN, BNDES, BB, BNB, BASA, BANCOOB e SICREDI. Elaboração:MAPA/SPA/DEAGRI Data: 15.04.2010
  26. 26. (Índice Base: Dez de 2001) Evolução do Saldo de Crédito por Setor 450 Comercial Indústria Habitação 400 Rural Outros serviços 350 300 250 200 150 100 50 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Fonte: BACEN _ Elaboração: SPA/DEAGRI/CGAE
  27. 27. Relação Crédito/PIB 80 70 60 50 (%) 40 30 20 10 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Relação Crédito Privado Total/PIB Relação Crédito Rural/PIB Agropecuária Fonte: BACEN _ Elaboração: SPA/DEAGRI/CGAE
  28. 28. DISTRIBUIÇÃO REGIONAL DO CRÉDITO RURAL- 2009 PRODUTORES E COOPERATIVAS 16,4% 8,8% REGIÃO CENTRO- 3,1% REGIÃO OESTE REGIÃO NORTE NORDESTE 33,5% 38,1% REGIÃO SUDESTE REGIÃO SUL Fonte: BACEN _ Elaboração: SPA/DEAGRI/CGAE
  29. 29. CRÉDITO RURAL POR CULTURA CUSTEIO - 2009 Outros Algodão Arroz 14% 3% 6% Café Trigo 11% 5% Cana-de-açucar 10% Feijão Laranja Soja 1% 3% 30% Milho 17% Fonte: BACEN _ Elaboração: SPA/DEAGRI/CGAE
  30. 30. CRÉDITO RURAL POR CULTURA COMERCIALIZAÇÃO - 2009 Outros Algodão 18% 8% Arroz 15% Trigo 14% Café Soja 13% 3% Cana-de-açucar Milho 9% 20% Fonte: BACEN _ Elaboração: SPA/DEAGRI/CGAE
  31. 31. P rogram as de Invest imento n o Âmbito do MAPA/ BNDES
  32. 32. PROGRAMA PROGRAMAS BNDES/MAPA: PRINCIPAIS ATIVIDADES E ITENS FINANCIÁVEIS Implantação ou melhoramento de espécies frutíferas, inclusive projetos de agregação de valor. Moderagro Floricultura, ovinocaprinocultura, aqüicultura, pesca, ranicultura, horticultura, cunicultura,chinchilicultura, apicultura, suinocultura, avicultura, sericicultura, pecuária leiteira e implementação de sistemas de rastreabilidade de bovinos e bubalinos. Agricultura irrigada, instalação e modernização de armazéns nas propriedades rurais. Implantação e Moderinfra recuperação de proteção de pomares contra incidência de granizo. Investimentos na modernização da estrutura produtiva das cooperativas agroindustriais, inclusive capital de giro Prodecoop e integralização de cotas partes vinculadas ao projeto a ser financiado. Plantio e produção de florestas destinadas ao uso industrial, recomposição de reserva legal, Implantação de Propflora projetos agroflorestais e dendezeiros para biodiesel. Pprodução de madeira para queima na secagem de grãos. Tratores agrícolas, implementos associados, colheitadeiras, inclusive usados, e equipamentos para Moderfrota beneficiamento de café. Projetos de integração de agricultura com pecuária e silvicultura, inclusive aquisição de animais e custeio no Produsa âmbito do projeto. Correção de solos, adubação verde, agricultura orgânica, conservação de solos, recuperação de pastagens, sistematização de várzeas e adequação ambiental das propriedades rurais. Proger Atividades agrícolas e pecuárias em geral. Investimento Recuperação ou reestruturação da estrutura patrimonial das cooperativas. Integralização de cotas-partes, Procap-agro mediante repasse, para saneamento financeiro, capital de giro e investimento.
  33. 33. Crédito de Investimento – Safra 2009/2010 Volume de recursos e condições (R$ milhões)
  34. 34. DESAF I OS E PECTI VAS DO PERS ÍCOLA P LA N O AGR E PE C UÁRIO 20 10 /2011
  35. 35. Estatísticas do PAP 2010 – 2011 (até 03/05/2010) Ofícios encaminhados a entidades do agronegócio .................................... 483 Respostas recebidas ........................... 104 Sugestões tabuladas ............................ 800 Sugestões avaliadas .............................. 719
  36. 36. ETAPAS Contatos com os agentes econômicos para identificar problemas e sugestões para a política agrícola. Consolidação das propostas recebidas. Reuniões internas do DEAGRI/CGAE para avaliação das sugestões recebidas. Reuniões de Coordenação da SPA para avaliação e definição das propostas. Reunião com a CONAB para avaliação e discussão da proposta de Preços Mínimos. Reuniões com BB, BNDES, BASA, BNB e FEBRABAN
  37. 37. ETAPAS Reuniões e Seminário com o setor produtivo. Reuniões com área econômica do governo (propostas, ajustes, orçamento, preços mínimos, equalização, etc). Reuniões com o Ministro para apresentação e definições. Elaboração de minutas de votos e resoluções e encaminhamento formal ao MF Elaboração de “folders”, cartilhas, “press releases” e disponibilização na Internet Acompanhamento da publicação das normas (Resoluções, Portarias e Circulares
  38. 38. CENÁRIOS PARA A SAFRA 2010/2011 • Forte recuperação da economia brasileira • Tendência de elevação gradual da Selic • Relativa estabilidade da taxa de câmbio, porém, com maior volatilidade • Pequena elevação nos custos de produção • Manutenção dos preços agrícolas em níveis historicamente elevados • Aumento dos depósitos à vista e das exigibilidades • Aumento no saldo da Poupança Rural • Melhoria nas restrições creditícias • Gargalos relacionados à infra-estrutura, basicamente no C/O • Manutenção da área plantada
  39. 39. Desafios e Objetivos do PAP • Aumentar o volume de recursos do SNCR • Apoiar a comercialização • Ampliar a cobertura do Seguro Rural • Reforçar o apoio ao médio produtor rural • Continuar a fortalecer as cooperativas do setor • Incentivar práticas ambientalmente corretas (expandir as áreas de Integração Lavoura, Pecuária, Florestas e sistema de Plantio Direto) • Estimular os investimentos em Armazenagem
  40. 40. MARCELO FERNANDES GUIMARÃES Coordenador Geral de Análises Econômicas Secretaria de Política Agrícola 55 61 3218-2930 marcelo.guimaraes@agricultura.gov.br

×