1
A “objetividade” do conhecimento na ciência social e na ciência política,
de Max Weber
Metodologia das Ciências Sociais
...
2
O texto A “objetividade” do conhecimento na ciência social e na ciência política (no
original, em alemão, Die „Objektivi...
3
Sem dúvida, é verdade que exatamente aqueles elementos mais íntimos da
“personalidade”, ou seja, os últimos e supremos j...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Metodologia das Ciências Sociais - Cristiane Batista - Unirio

399 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
399
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Metodologia das Ciências Sociais - Cristiane Batista - Unirio

  1. 1. 1 A “objetividade” do conhecimento na ciência social e na ciência política, de Max Weber Metodologia das Ciências Sociais Ciência Política – Unirio Março 2014
  2. 2. 2 O texto A “objetividade” do conhecimento na ciência social e na ciência política (no original, em alemão, Die „Objektivität“ sozialwissenschaftlicher und sozialpolitischer Erkenntnis), de Max Weber, trata da abordagem feita por uma revista científica e as tendências que ela pode vir a seguir. Para o autor, a escolha de a publicação Arquivo para a ciência social e político social (Archiv für Sozialwissenschaft und Sozialpolitik) ser “exclusivamente científica” entra em conflito com “os fatos da vida social, a formação do juízo sobre seus problemas práticos e, com isso, a crítica da práxis sócio-política, inclusive a da legislação”. Ele argumenta que o autor pode tomar juízos de valor como algo legítimo e, assim, precipitar-se ao relacioná-los, mesmo que de forma subjetiva, a projetos práticos. A partir daí, Weber passa a questionar se as questões estão, de fato, no campo de reflexões científicas ou não. Uma pessoa, no entanto, sempre terá os juízos de valor – que não têm como serem retirados para a realização de uma pesquisa científica. Isso ocorre porque, segundo o texto, a escolha de determinado “meio” resulta, consequentemente, em um “fim” pretendido. Sendo assim, a decisão feita pelo homem por “meio” e “fim”, tarefa de caráter pessoal, interferirá diretamente na pesquisa científica. Da mesma forma, toda ação e não-ação resultará num posicionamento a favor ou contra determinados valores. Por isso, Weber aponta a transparência de ideias como ponto primordial em qualquer ciência da vida cultural. Para ele, é preciso não só saber os ideais e os fins pretendidos, mas como avaliá-los criticamente por meio da crítica dialética. Trata-se de uma avaliação lógico-formal do material fundamentada nos juízos de valor e nos ideais e, ainda, de um exame de ideais. E assim, consegue-se tomar consciência dos critérios últimos. Apesar de a ciência empírica não ensinar o que se deve fazer, ela precisa mostrar o que ela quer fazer. Os juízos de valor e os critérios últimos tendem a serem percebidos como “objetivamente válidos”, enquanto eles são pessoais e variam de acordo com a perspectiva do homem.
  3. 3. 3 Sem dúvida, é verdade que exatamente aqueles elementos mais íntimos da “personalidade”, ou seja, os últimos e supremos juízos de valor, que determinam a nossa ação e conferem sentido e significado à nossa vida, são percebidos por nós como sendo objetivamente válidos. (WEBER, Max, Metodologia das Ciências Sociais, Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, p. 111, 1992) Weber, porém, se posiciona contra a determinação de um dominar comum prático para solucionar problemas. Ele lembra que cada problema tem as suas especificidades. A revista de ciências sociais exclusivamente científica deve, portanto, ter como objetivo a verdade, cujo reconhecimento seja feito independentemente dos ideais do leitor. Todos devem saber o “meio” usado para obter o “fim”, assim como os juízos de valor. Em seguida, o autor aborda a imparcialidade científica no momento do julgamento, sucedido por seleções feitas pelos colaboradores da revista. Também relacionada aos ideais está a objetividade, que o sociólogo considera ser importante ser analisada. Weber acrescenta, ainda, que os eventos estão economicamente condicionados, já que eles trazem embutido interpretações, significados culturais etc. O sociólogo alemão pondera que não há análise científica exclusivamente “objetivada” do quotidiano cultural ou dos fatores sociais. Em suma, a isenção não é possível, tendo em vista que, mesmo subjetivamente, juízos de valor e ideias se manifestam e interferem na pesquisa científica. O estudioso deve se concentrar, logo, em compreender a conjuntura, à qual é necessário entender as relações que podem ter levado àquela situação.

×