AROLDO GAVIOLILÚCIA MARGARETE DOS REIS
 Síntese do Artigo “Pesquisa em, sobre e para  os serviços de saúde: panorama internacional  e questões para a pesquisa e...
Atualmente os serviços esistemas de saúde têm umaparticipação importante nadeterminação dos níveis de saúdee condições de...
Aprofundar e ampliar o conhecimento sobreeles, na perspectiva da acessibilidade,desempenho e impacto dos sistemas, e sobre...
Através da análise da literaturainternacional recente, pretende-se discutiras principais vertentes e característicasdessa ...
 Estruturas organizacionais e técnicas extremamente  diversificadas, indo desde o mais simples, como  unidades básicas at...
 Os  serviços se transformam continuamente no que diz  respeito ao perfil tanto dos profissionais, com uma  ampliação nas...
 Especializaçãode tecnologias e materiais incorporadas e dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos realizados.       ...
 Constata-se sempre    que as suas “portas de entrada”  não se abrem com facilidade e de forma diferenciada  para demanda...
   Na tentativa de reaproximação se deparam na    definição das responsabilidades dos envolvidos na    atenção e na defin...
 Determinante   nas condições de vida e  saúde/doença das populações. Não se identifica os efeitos dos serviços  sobre o...
Articulação            complexa Dimensão                 Dimensão política                 gerencial            Dimensão  ...
 Direito fundamental do cidadão. Crescente cobertura da população. “Complexo médico-industrial”. Estimula o desenvolvi...
 Década  de 50 – Primeiros estudos Dimensão interna: conhecer os processos de  atenção neles desenvolvidos e seus efeito...
 autores importantes no desenvolvimento da  epidemiologia nos anos 50 e 60, como Morris e  Cochrane, tiveram os serviços ...
 1968, Estados Unidos, são     criadas propostas de  atenção pública à saúde para grupos populacionais de  risco social e...
 Expansão quase    explosiva tanto da cobertura  populacional pelos sistemas de saúde. Parte da implantação de políticas...
 Gera  muito rapidamente preocupações quanto à sua  sustentabilidade econômico-financeira e política,bem  como efetividad...
 Preocupações com   os custos e resultados da atenção à saúde, fortalece o discurso de que, além da produção de novos con...
 Enfraquecimento   da concepção dos Estados  nacionais como principais responsáveis pelo bem-  estar da sua população. C...
 Tecnologias   de produtos e processos. Essas últimas, que constituem o grupo de interesse  para a discussão aqui propos...
 Atores: organizações   internacionais oficiais  (OMS, OPAS). Não governamentais diversas (Council on Health  Research a...
 Essas iniciativas buscam melhorar    o seu  desempenho, destacando entre seus objetivos  prioritários (além da efetivida...
 Observa-se  o crescimento nos países desenvolvidos  (mais intenso nos Estados Unidos e Canadá), de  pesquisas e publicaç...
 com características muito diversificadas, que têm em  comum dois aspectos básicos: os serviços de saúde  como objeto pri...
 “A pesquisa em serviços de saúde se interessa pela  qualidade, efetividade e custo-efetividade da atenção à  saúde, bem ...
 Valorização de   bancos de dados  secundários, administrativos e  demográficos/epidemiológicos. Valorização de document...
 Sobre o tema em 1998, foram abordadas as seguintes questões: (a) interpretando as evidências: a escolha entre estudos ra...
 Expansão  do numero de periódicos sobre  diferentes áreas da avaliação em saúde. Várias especialidades das saúde passam...
 Processos de implantação de programas em  serviços de saúde e estudos destes quanto às  dimensões de estrutura e process...
 Políticas sociais e de saúde e suas relações  com o desempenho dos sistemas de serviços  de saúde. Grande variabilidade...
 valorizaçãodo uso de informações administrativas e epidemiológicas existentes para o desenvolvimento de estudos que poss...
 Despertam    sentimento de ameaça nos  serviços estudados. estão freqüentemente condicionados por  conjunturas e horizo...
 Pesquisadores:  frustram-se pela baixa  utilização dos resultados das suas  pesquisas pelos gestores e gerentes e pela  ...
 Gestores: preocupam-se com a  temporalidade das pesquisas – para serem  úteis precisam estar disponíveis nos  momentos d...
 As pesquisas possuem potencialidades e  limitações. Contribuem para o desenvolvimento de  fluxos de comunicação oportun...
 Observou-se  maior visibilidade das  pesquisas em serviços de saúde. poderá contribuir para o aprimoramento e  fortalec...
 NOVAES, Hillegonda Maria Dutilh. Pesquisa em, sobre e para os serviços de saúde: panorama internacional e questões para ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Perspectiva histórica e referencial teórico da avaliação em saúde

1.395 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.395
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Perspectiva histórica e referencial teórico da avaliação em saúde

  1. 1. AROLDO GAVIOLILÚCIA MARGARETE DOS REIS
  2. 2.  Síntese do Artigo “Pesquisa em, sobre e para os serviços de saúde: panorama internacional e questões para a pesquisa em saúde no Brasil” Hillegonda Maria Dutilh Novaes
  3. 3. Atualmente os serviços esistemas de saúde têm umaparticipação importante nadeterminação dos níveis de saúdee condições de vida daspopulações.
  4. 4. Aprofundar e ampliar o conhecimento sobreeles, na perspectiva da acessibilidade,desempenho e impacto dos sistemas, e sobreas condições e qualidade da atençãoprestada em contextos específicos.
  5. 5. Através da análise da literaturainternacional recente, pretende-se discutiras principais vertentes e característicasdessa produção, bem como algumas dasquestões que essa análise coloca para apesquisa nessa área temática no Brasil.
  6. 6.  Estruturas organizacionais e técnicas extremamente diversificadas, indo desde o mais simples, como unidades básicas até hospitais terciários e especializados,bem como serviços de apoio diagnóstico e terapêutico. São espaço onde se localizam os profissionais e as tecnologias materiais responsáveis pela realização da atenção à saúde da população.
  7. 7.  Os serviços se transformam continuamente no que diz respeito ao perfil tanto dos profissionais, com uma ampliação nas categorias inseridas nos processos assistenciais. Especialização horizontal (tipos de profissionais) e vertical (tipos de especialistas nas categorias profissionais), Especialização Enf. obstetra vertical Especialização Médico enfermeiro psicólogo fisioterapeuta horizontal Téc. Enf. Aux. Enf.
  8. 8.  Especializaçãode tecnologias e materiais incorporadas e dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos realizados. Sistemas de atenção à saúde Dificultam Difícil mensurar seus impactos sobre categorizações a saúde da população
  9. 9.  Constata-se sempre que as suas “portas de entrada” não se abrem com facilidade e de forma diferenciada para demandantes diversos (Goddard e Smith, 2001). Os limites físicos e sua inserção na comunidade influenciam seus resultados. Historicamente foram distanciados das populações.
  10. 10.  Na tentativa de reaproximação se deparam na definição das responsabilidades dos envolvidos na atenção e na definição e realização das intervenções técnicas. A reaproximação para a esfera privada não se mostra simples, nem poderia se dar com facilidade (Silva e Dalmaso, 2002)
  11. 11.  Determinante nas condições de vida e saúde/doença das populações. Não se identifica os efeitos dos serviços sobre os pacientes, pois são inadequadamente reconhecidos nos estudos sobre morbi-mortalidade das populações, ou da eficácia e efetividade de intervenções em pacientes, nas pesquisas desenvolvidas pela clinica e epidemiologia.
  12. 12. Articulação complexa Dimensão Dimensão política gerencial Dimensão tecnológica DimensãoDimensão econômicaCultural
  13. 13.  Direito fundamental do cidadão. Crescente cobertura da população. “Complexo médico-industrial”. Estimula o desenvolvimento da Gestão e Administração, das Ciências Políticas e Sociais, Economia e Ciências Humanas em geral. Nos estudos destas ciências a atenção a saúde acaba sendo pouco problematizada.
  14. 14.  Década de 50 – Primeiros estudos Dimensão interna: conhecer os processos de atenção neles desenvolvidos e seus efeitos sobre a saúde e a doença dos pacientes atendidos. Dimensão externa: conhecer o seu desempenho e participação na conformação dos sistemas de saúde e seu impacto sobre a saúde da população.
  15. 15.  autores importantes no desenvolvimento da epidemiologia nos anos 50 e 60, como Morris e Cochrane, tiveram os serviços de saúde como objeto de interesse. Perspectivas dos resultados nos pacientes e da equidade em saúde.
  16. 16.  1968, Estados Unidos, são criadas propostas de atenção pública à saúde para grupos populacionais de risco social e sanitário (idosos e pobres). O NIHSR: Pesquisas clínicas, epidemiológicas e organizacionais, que tomam os serviços de saúde como campo para investigação, sendo também objeto desta.
  17. 17.  Expansão quase explosiva tanto da cobertura populacional pelos sistemas de saúde. Parte da implantação de políticas sociais e de saúde. Densidade tecnológica, ou seja, dos tipos de tecnologias de produto e processo incorporados e utilizados nos serviços de saúde. Essa expansão se deu de forma mais intensa nos países desenvolvidos.
  18. 18.  Gera muito rapidamente preocupações quanto à sua sustentabilidade econômico-financeira e política,bem como efetividade técnica e impacto na saúde populacional. Contribui para o desenvolvimento de áreas diversas de avaliação em saúde (tecnológica, econômica, de programas, da qualidade em serviços com maior destaque) e de gestão e planejamento em saúde.
  19. 19.  Preocupações com os custos e resultados da atenção à saúde, fortalece o discurso de que, além da produção de novos conhecimentos sobre os serviços e sistemas de saúde e seu desempenho, faz-se necessária uma maior integração entre o conhecimento clínico, epidemiológico e de planejamento e gestão, com sua articulação em sínteses que sejam capazes de orientar as ações a serem desenvolvidas.
  20. 20.  Enfraquecimento da concepção dos Estados nacionais como principais responsáveis pelo bem- estar da sua população. Crises importantes nas políticas sociais e de saúde, pela globalização da economia, aumento das desigualdades sociais e nacionais e transformações nos modelos adotados como referência para as análises das relações entre ciência-tecnologia-inovação e desenvolvimento social e econômico.
  21. 21.  Tecnologias de produtos e processos. Essas últimas, que constituem o grupo de interesse para a discussão aqui proposta, diferenciam- se, novamente, de acordo com o objeto privilegiado, os sistemas de saúde ou os serviços e profissionais de saúde. Distinguem-se principalmente pelos atores que delas participam, pelas alianças políticas estabelecidas e tecnologias de intervenção privilegiadas
  22. 22.  Atores: organizações internacionais oficiais (OMS, OPAS). Não governamentais diversas (Council on Health Research and Development, Alliance for Health Policy and Systems Research), até organizações públicas nacionais, principalmente em países desenvolvidos (como, por exemplo, o Centre for Review and Dissemination do Serviço Nacional de Saúde britânico).
  23. 23.  Essas iniciativas buscam melhorar o seu desempenho, destacando entre seus objetivos prioritários (além da efetividade e eficiência) a necessidade de maior inclusão e eqüidade na assistência. Facilitação do acesso a informação cientifica: guidelines, bibliotecas eletronicas e outros.
  24. 24.  Observa-se o crescimento nos países desenvolvidos (mais intenso nos Estados Unidos e Canadá), de pesquisas e publicações que se consideram como sendo health services research, ou pesquisa em serviços de saúde Refletem maior apoio por parte de agências financiadoras de pesquisas.
  25. 25.  com características muito diversificadas, que têm em comum dois aspectos básicos: os serviços de saúde como objeto privilegiado ou destacado e a orientação para uma utilidade potencial do conhecimento produzido nos processos de decisão nos sistemas e serviços.
  26. 26.  “A pesquisa em serviços de saúde se interessa pela qualidade, efetividade e custo-efetividade da atenção à saúde, bem como pelo acesso à atenção à saúde para toda a população americana e pelos aperfeiçoamentos na operação do complexo sistema de saúde nacional” (AHRQ – http://www.ahrq.gov/child/edlifesc.htm, acessado em 11/Mar/2004).
  27. 27.  Valorização de bancos de dados secundários, administrativos e demográficos/epidemiológicos. Valorização de documentos e da revisão da produção científica existente, como reflexo de uma preocupação com a sua viabilidade e reprodutibilidade.
  28. 28.  Sobre o tema em 1998, foram abordadas as seguintes questões: (a) interpretando as evidências: a escolha entre estudos randomizados e não randomizados; (b) avaliação de intervenções na saúde por área ou por serviços; (c) introdução a métodos “bayesianos” na avaliação tecnológica em saúde; (d) lidando com a incerteza nas avaliações econômicas de intervenções na saúde.
  29. 29.  Expansão do numero de periódicos sobre diferentes áreas da avaliação em saúde. Várias especialidades das saúde passam a realizar pesquisas. Uso de bancos de dados secundários. Tais questões deixam evidente a pluralidade de abordagens e conhecimento da necessidade de aperfeiçoar o conhecimento e os dados disponíveis.
  30. 30.  Processos de implantação de programas em serviços de saúde e estudos destes quanto às dimensões de estrutura e processos assistenciais e organizacionais. Impactos sobre a saúde da clientela ou população em geral das tecnologias de produto e/ou de processo inseridas nos processos de atenção dos serviços de saúde.
  31. 31.  Políticas sociais e de saúde e suas relações com o desempenho dos sistemas de serviços de saúde. Grande variabilidades de temas. Dificuldade no estabelecimento de classificações de subtemas com limites definidos
  32. 32.  valorizaçãodo uso de informações administrativas e epidemiológicas existentes para o desenvolvimento de estudos que possam ser replicados e que sejam capazes de produzir conhecimentos que dialogam mais proximamente com as áreas executivas e operacionais.
  33. 33.  Despertam sentimento de ameaça nos serviços estudados. estão freqüentemente condicionados por conjunturas e horizontes temporais. Questões metodológicas para explicar fenômenos: estudo randomizado é difícil, efeito Hawthorne, escolha de variáveis,
  34. 34.  Pesquisadores: frustram-se pela baixa utilização dos resultados das suas pesquisas pelos gestores e gerentes e pela pouca valorização científica do conhecimento produzido. Gerentes/administradores: não identificam informações relevantes nas pesquisas desenvolvidas e consideram que seu financiamento é um desperdício de recursos.
  35. 35.  Gestores: preocupam-se com a temporalidade das pesquisas – para serem úteis precisam estar disponíveis nos momentos de decisão. Todos os grupos identificam a necessidade urgente de articular de forma efetiva aqueles que financiam, utilizam e produzem as pesquisas em serviços de saúde.
  36. 36.  As pesquisas possuem potencialidades e limitações. Contribuem para o desenvolvimento de fluxos de comunicação oportunos e compartilhados entre os interessados Poderá contribuir para uma otimização dos esforços.
  37. 37.  Observou-se maior visibilidade das pesquisas em serviços de saúde. poderá contribuir para o aprimoramento e fortalecimento do Sistema Único de Saúde. Qualidade na atenção nos serviços de saúde. integrando-se aos processos sociais,econômicos e políticos que constroem a saúde atual e futura da população brasileira. fortalecendo o papel que a ciência e a tecnologia podem e devem ter nas sociedades contemporâneas.
  38. 38.  NOVAES, Hillegonda Maria Dutilh. Pesquisa em, sobre e para os serviços de saúde: panorama internacional e questões para a pesquisa em saúde no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2011.

×