SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
AROLDO GAVIOLI
LÚCIA MARGARETE DOS REIS
 Síntese do Artigo “Pesquisa em, sobre e para
  os serviços de saúde: panorama internacional
  e questões para a pesquisa em saúde no
  Brasil”
 Hillegonda Maria Dutilh Novaes
Atualmente os serviços e
sistemas de saúde têm uma
participação importante na
determinação dos níveis de saúde
e condições de vida das
populações.
Aprofundar e ampliar o conhecimento sobre
eles, na perspectiva da acessibilidade,
desempenho e impacto dos sistemas, e sobre
as condições e qualidade da atenção
prestada em contextos específicos.
Através da análise da literatura
internacional recente, pretende-se discutir
as principais vertentes e características
dessa produção, bem como algumas das
questões que essa análise coloca para a
pesquisa nessa área temática no Brasil.
 Estruturas organizacionais e técnicas extremamente
  diversificadas, indo desde o mais simples, como
  unidades básicas até hospitais terciários e
  especializados,bem como serviços de apoio diagnóstico
  e terapêutico.
 São espaço onde se localizam os profissionais e as
  tecnologias materiais responsáveis pela realização da
  atenção à saúde da população.
 Os  serviços se transformam continuamente no que diz
  respeito ao perfil tanto dos profissionais, com uma
  ampliação nas categorias inseridas nos processos
  assistenciais.
 Especialização horizontal (tipos de profissionais) e vertical
  (tipos de especialistas nas categorias profissionais),
                                  Especialização
            Enf. obstetra            vertical
                                                         Especialização
   Médico   enfermeiro      psicólogo   fisioterapeuta     horizontal

              Téc. Enf.

             Aux. Enf.
 Especializaçãode tecnologias e materiais
 incorporadas e dos procedimentos diagnósticos e
 terapêuticos realizados.



              Sistemas de atenção à saúde

                                              Dificultam
   Difícil mensurar seus impactos sobre     categorizações
            a saúde da população
 Constata-se sempre    que as suas “portas de entrada”
  não se abrem com facilidade e de forma diferenciada
  para demandantes diversos (Goddard e Smith, 2001).
 Os limites físicos e sua inserção na comunidade
  influenciam seus resultados.
 Historicamente foram distanciados das populações.
   Na tentativa de reaproximação se deparam na
    definição das responsabilidades dos envolvidos na
    atenção e na definição e realização das intervenções
    técnicas.
   A reaproximação para a esfera privada não se
    mostra simples, nem poderia se dar com facilidade
    (Silva e Dalmaso, 2002)
 Determinante   nas condições de vida e
  saúde/doença das populações.
 Não se identifica os efeitos dos serviços
  sobre os pacientes, pois são
  inadequadamente reconhecidos nos
  estudos sobre morbi-mortalidade das
  populações, ou da eficácia e efetividade
  de intervenções em pacientes, nas
  pesquisas desenvolvidas pela clinica e
  epidemiologia.
Articulação
            complexa

 Dimensão                 Dimensão
 política                 gerencial
            Dimensão
            tecnológica

                           Dimensão
Dimensão
                           econômica
Cultural
 Direito fundamental do cidadão.
 Crescente cobertura da população.
 “Complexo médico-industrial”.
 Estimula o desenvolvimento da Gestão e
  Administração, das Ciências Políticas e
  Sociais, Economia e Ciências Humanas em
  geral.
 Nos estudos destas ciências a atenção a
  saúde acaba sendo pouco problematizada.
 Década  de 50 – Primeiros estudos
 Dimensão interna: conhecer os processos de
  atenção neles desenvolvidos e seus efeitos
  sobre a saúde e a doença dos pacientes
  atendidos.
 Dimensão externa: conhecer o seu
  desempenho e participação na conformação
  dos sistemas de saúde e seu impacto sobre a
  saúde da população.
 autores importantes no desenvolvimento da
  epidemiologia nos anos 50 e 60, como Morris e
  Cochrane, tiveram os serviços de saúde como objeto de
  interesse.
 Perspectivas dos resultados nos pacientes e da
  equidade em saúde.
 1968, Estados Unidos, são     criadas propostas de
  atenção pública à saúde para grupos populacionais de
  risco social e sanitário (idosos e pobres).
 O NIHSR: Pesquisas clínicas, epidemiológicas e
  organizacionais, que tomam os serviços de saúde como
  campo para investigação, sendo também objeto desta.
 Expansão quase    explosiva tanto da cobertura
  populacional pelos sistemas de saúde.
 Parte da implantação de políticas sociais e de saúde.
 Densidade tecnológica, ou seja, dos tipos de
  tecnologias de produto e processo incorporados e
  utilizados nos serviços de saúde.
 Essa expansão se deu de forma mais intensa nos
  países desenvolvidos.
 Gera  muito rapidamente preocupações quanto à sua
  sustentabilidade econômico-financeira e política,bem
  como efetividade técnica e impacto na saúde
  populacional.
 Contribui para o desenvolvimento de áreas diversas de
  avaliação em saúde (tecnológica, econômica, de
  programas, da qualidade em serviços com maior
  destaque) e de gestão e planejamento em saúde.
 Preocupações com   os custos e resultados da atenção à
 saúde, fortalece o discurso de que, além da produção
 de novos conhecimentos sobre os serviços e sistemas
 de saúde e seu desempenho, faz-se necessária uma
 maior integração entre o conhecimento
 clínico, epidemiológico e de planejamento e
 gestão, com sua articulação em sínteses que sejam
 capazes de orientar as ações a serem desenvolvidas.
 Enfraquecimento   da concepção dos Estados
  nacionais como principais responsáveis pelo bem-
  estar da sua população.
 Crises importantes nas políticas sociais e de
  saúde, pela globalização da economia, aumento
  das desigualdades sociais e nacionais e
  transformações nos modelos adotados como
  referência para as análises das relações entre
  ciência-tecnologia-inovação e desenvolvimento
  social e econômico.
 Tecnologias   de produtos e processos.
 Essas últimas, que constituem o grupo de interesse
  para a discussão aqui proposta, diferenciam-
  se, novamente, de acordo com o objeto
  privilegiado, os sistemas de saúde ou os serviços e
  profissionais de saúde.
 Distinguem-se principalmente pelos atores que
  delas participam, pelas alianças políticas
  estabelecidas e tecnologias de intervenção
  privilegiadas
 Atores: organizações   internacionais oficiais
  (OMS, OPAS).
 Não governamentais diversas (Council on Health
  Research and Development, Alliance for Health Policy
  and Systems Research), até organizações públicas
  nacionais, principalmente em países desenvolvidos
  (como, por exemplo, o Centre for Review and
  Dissemination do Serviço Nacional de Saúde britânico).
 Essas iniciativas buscam melhorar    o seu
  desempenho, destacando entre seus objetivos
  prioritários (além da efetividade e eficiência) a
  necessidade de maior inclusão e eqüidade na
  assistência.
 Facilitação do acesso a informação cientifica:
  guidelines, bibliotecas eletronicas e outros.
 Observa-se  o crescimento nos países desenvolvidos
  (mais intenso nos Estados Unidos e Canadá), de
  pesquisas e publicações que se consideram como
  sendo health services research, ou pesquisa em
  serviços de saúde
 Refletem maior apoio por parte de agências
  financiadoras de pesquisas.
 com características muito diversificadas, que têm em
  comum dois aspectos básicos: os serviços de saúde
  como objeto privilegiado ou destacado e a orientação
  para uma utilidade potencial do conhecimento
  produzido nos processos de decisão nos sistemas e
  serviços.
 “A pesquisa em serviços de saúde se interessa pela
  qualidade, efetividade e custo-efetividade da atenção à
  saúde, bem como pelo acesso à atenção à saúde para
  toda a população americana e pelos aperfeiçoamentos
  na operação do complexo sistema de saúde nacional”
 (AHRQ – http://www.ahrq.gov/child/edlifesc.htm,
  acessado em 11/Mar/2004).
 Valorização de   bancos de dados
  secundários, administrativos e
  demográficos/epidemiológicos.
 Valorização de documentos e da revisão da produção
  científica existente, como reflexo de uma preocupação
  com a sua viabilidade e reprodutibilidade.
 Sobre o tema em 1998, foram abordadas as seguintes
 questões: (a) interpretando as evidências: a escolha
 entre estudos randomizados e não randomizados; (b)
 avaliação de intervenções na saúde por área ou por
 serviços; (c) introdução a métodos “bayesianos” na
 avaliação tecnológica em saúde; (d) lidando com a
 incerteza nas avaliações econômicas de intervenções
 na saúde.
 Expansão  do numero de periódicos sobre
  diferentes áreas da avaliação em saúde.
 Várias especialidades das saúde passam a
  realizar pesquisas.
 Uso de bancos de dados secundários.
 Tais questões deixam evidente a
  pluralidade de abordagens e
  conhecimento da necessidade de
  aperfeiçoar o conhecimento e os dados
  disponíveis.
 Processos de implantação de programas em
  serviços de saúde e estudos destes quanto às
  dimensões de estrutura e processos
  assistenciais e organizacionais.
 Impactos sobre a saúde da clientela ou
  população em geral das tecnologias de
  produto e/ou de processo inseridas nos
  processos de atenção dos serviços de saúde.
 Políticas sociais e de saúde e suas relações
  com o desempenho dos sistemas de serviços
  de saúde.
 Grande variabilidades de temas.
 Dificuldade no estabelecimento de
  classificações de subtemas com limites
  definidos
 valorizaçãodo uso de informações
 administrativas e epidemiológicas existentes
 para o desenvolvimento de estudos que
 possam ser replicados e que sejam capazes
 de produzir conhecimentos que dialogam
 mais proximamente com as áreas executivas
 e operacionais.
 Despertam    sentimento de ameaça nos
  serviços estudados.
 estão freqüentemente condicionados por
  conjunturas e horizontes temporais.
 Questões metodológicas para explicar
  fenômenos: estudo randomizado é
  difícil, efeito Hawthorne, escolha de
  variáveis,
 Pesquisadores:  frustram-se pela baixa
  utilização dos resultados das suas
  pesquisas pelos gestores e gerentes e pela
  pouca valorização científica do
  conhecimento produzido.
 Gerentes/administradores: não
  identificam informações relevantes nas
  pesquisas desenvolvidas e consideram que
  seu financiamento é um desperdício de
  recursos.
 Gestores: preocupam-se com a
  temporalidade das pesquisas – para serem
  úteis precisam estar disponíveis nos
  momentos de decisão.
 Todos os grupos identificam a necessidade
  urgente de articular de forma efetiva
  aqueles que financiam, utilizam e produzem
  as pesquisas em serviços de saúde.
 As pesquisas possuem potencialidades e
  limitações.
 Contribuem para o desenvolvimento de
  fluxos de comunicação oportunos e
  compartilhados entre os interessados
 Poderá contribuir para uma otimização dos
  esforços.
 Observou-se  maior visibilidade das
  pesquisas em serviços de saúde.
 poderá contribuir para o aprimoramento e
  fortalecimento do Sistema Único de
  Saúde.
 Qualidade na atenção nos serviços de
  saúde. integrando-se aos processos
  sociais,econômicos e políticos que
  constroem a saúde atual e futura da
  população brasileira.
 fortalecendo o papel que a ciência e a
  tecnologia podem e devem ter nas
  sociedades contemporâneas.
 NOVAES, Hillegonda Maria Dutilh. Pesquisa
 em, sobre e para os serviços de saúde:
 panorama internacional e questões para a
 pesquisa em saúde no Brasil. Cad. Saúde
 Pública, Rio de Janeiro, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

{ Dussault e de souza
{ Dussault e de souza{ Dussault e de souza
{ Dussault e de souzarenatawr1
 
Base cientifica 2
Base cientifica 2Base cientifica 2
Base cientifica 2Jackenfa
 
A relação assimétrica médico paciente
A relação assimétrica médico pacienteA relação assimétrica médico paciente
A relação assimétrica médico pacienteNikarovitch
 
Processo de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde da Família
Processo de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde da FamíliaProcesso de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde da Família
Processo de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde da FamíliaCentro Universitário Ages
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeAroldo Gavioli
 
Divulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúdeDivulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúdecomunidadedepraticas
 
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 

Mais procurados (20)

Caminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saudeCaminhos para analise das politicas de saude
Caminhos para analise das politicas de saude
 
Joana_Grupos_terapeuticos
Joana_Grupos_terapeuticosJoana_Grupos_terapeuticos
Joana_Grupos_terapeuticos
 
CIF - perspectivas para fisioterapia
CIF -   perspectivas para fisioterapiaCIF -   perspectivas para fisioterapia
CIF - perspectivas para fisioterapia
 
{ Dussault e de souza
{ Dussault e de souza{ Dussault e de souza
{ Dussault e de souza
 
Base cientifica 2
Base cientifica 2Base cientifica 2
Base cientifica 2
 
A relação assimétrica médico paciente
A relação assimétrica médico pacienteA relação assimétrica médico paciente
A relação assimétrica médico paciente
 
Homero_Educacao_popular
Homero_Educacao_popularHomero_Educacao_popular
Homero_Educacao_popular
 
Samuel_Modelo_transteórico
Samuel_Modelo_transteóricoSamuel_Modelo_transteórico
Samuel_Modelo_transteórico
 
Homero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saudeHomero_Educacao_permanente_saude
Homero_Educacao_permanente_saude
 
Processo de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde da Família
Processo de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde da FamíliaProcesso de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde da Família
Processo de Trabalho e Planejamento na Estratégia Saúde da Família
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
 
Divulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúdeDivulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúde
 
Joana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenariaJoana_Prevençao_quartenaria
Joana_Prevençao_quartenaria
 
Qualidade em saúde
Qualidade em saúdeQualidade em saúde
Qualidade em saúde
 
Provas
ProvasProvas
Provas
 
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
 
Acolhimento
AcolhimentoAcolhimento
Acolhimento
 
Introdução ao MCC
Introdução ao MCCIntrodução ao MCC
Introdução ao MCC
 
Aula_intervencoes_coletivas
Aula_intervencoes_coletivasAula_intervencoes_coletivas
Aula_intervencoes_coletivas
 

Semelhante a Panorama da pesquisa em serviços de saúde e suas vertentes

790-Texto Artigo-3124-1-10-20160706.pdf
790-Texto Artigo-3124-1-10-20160706.pdf790-Texto Artigo-3124-1-10-20160706.pdf
790-Texto Artigo-3124-1-10-20160706.pdfJosivaldoQueiroz2
 
Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
 Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informaçãoISCSP
 
3 gestao de-saude-e-saude-publica
3 gestao de-saude-e-saude-publica3 gestao de-saude-e-saude-publica
3 gestao de-saude-e-saude-publicaJuliana Braga
 
Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
 Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat... Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...PaulaMelo127834
 
362 rccs 85_mauro_serapioni
362 rccs 85_mauro_serapioni362 rccs 85_mauro_serapioni
362 rccs 85_mauro_serapioniLeandro Ribeiro
 
Capacitação dos profissionais da rede: transformação com as PICs
Capacitação dos profissionais da rede: transformação com as PICsCapacitação dos profissionais da rede: transformação com as PICs
Capacitação dos profissionais da rede: transformação com as PICscomunidadedepraticas
 
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.pptapresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.pptjoselematoscastro
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeferaps
 
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Angelina Lessa
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliadapetsmufrn
 

Semelhante a Panorama da pesquisa em serviços de saúde e suas vertentes (20)

790-Texto Artigo-3124-1-10-20160706.pdf
790-Texto Artigo-3124-1-10-20160706.pdf790-Texto Artigo-3124-1-10-20160706.pdf
790-Texto Artigo-3124-1-10-20160706.pdf
 
Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
 Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
Percepcoes profissionais de saúde sobre fontes informação
 
3 gestao de-saude-e-saude-publica
3 gestao de-saude-e-saude-publica3 gestao de-saude-e-saude-publica
3 gestao de-saude-e-saude-publica
 
Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
 Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat... Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
Fundamentos da Epidemiologia conceito e aplicação da epidemiologia na Estrat...
 
Slides turma3
Slides turma3Slides turma3
Slides turma3
 
362 rccs 85_mauro_serapioni
362 rccs 85_mauro_serapioni362 rccs 85_mauro_serapioni
362 rccs 85_mauro_serapioni
 
Capacitação dos profissionais da rede: transformação com as PICs
Capacitação dos profissionais da rede: transformação com as PICsCapacitação dos profissionais da rede: transformação com as PICs
Capacitação dos profissionais da rede: transformação com as PICs
 
O papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à Saúde
O papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à SaúdeO papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à Saúde
O papel da epidemiologia na organização das Redes de Atenção à Saúde
 
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.pptapresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
 
Prontuario
ProntuarioProntuario
Prontuario
 
O futuro da saúde
O futuro da saúdeO futuro da saúde
O futuro da saúde
 
O futuro da saúde
O futuro da saúdeO futuro da saúde
O futuro da saúde
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Luis Fernando Rolim
 
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valorUm sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
 
SAUDE COLETIVA
SAUDE COLETIVASAUDE COLETIVA
SAUDE COLETIVA
 
Trabalho conic
Trabalho conicTrabalho conic
Trabalho conic
 
Artigo bioterra v20_n1_06
Artigo bioterra v20_n1_06Artigo bioterra v20_n1_06
Artigo bioterra v20_n1_06
 
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosAroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosAroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsAroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 

Panorama da pesquisa em serviços de saúde e suas vertentes

  • 2.  Síntese do Artigo “Pesquisa em, sobre e para os serviços de saúde: panorama internacional e questões para a pesquisa em saúde no Brasil”  Hillegonda Maria Dutilh Novaes
  • 3. Atualmente os serviços e sistemas de saúde têm uma participação importante na determinação dos níveis de saúde e condições de vida das populações.
  • 4. Aprofundar e ampliar o conhecimento sobre eles, na perspectiva da acessibilidade, desempenho e impacto dos sistemas, e sobre as condições e qualidade da atenção prestada em contextos específicos.
  • 5. Através da análise da literatura internacional recente, pretende-se discutir as principais vertentes e características dessa produção, bem como algumas das questões que essa análise coloca para a pesquisa nessa área temática no Brasil.
  • 6.  Estruturas organizacionais e técnicas extremamente diversificadas, indo desde o mais simples, como unidades básicas até hospitais terciários e especializados,bem como serviços de apoio diagnóstico e terapêutico.  São espaço onde se localizam os profissionais e as tecnologias materiais responsáveis pela realização da atenção à saúde da população.
  • 7.  Os serviços se transformam continuamente no que diz respeito ao perfil tanto dos profissionais, com uma ampliação nas categorias inseridas nos processos assistenciais.  Especialização horizontal (tipos de profissionais) e vertical (tipos de especialistas nas categorias profissionais), Especialização Enf. obstetra vertical Especialização Médico enfermeiro psicólogo fisioterapeuta horizontal Téc. Enf. Aux. Enf.
  • 8.  Especializaçãode tecnologias e materiais incorporadas e dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos realizados. Sistemas de atenção à saúde Dificultam Difícil mensurar seus impactos sobre categorizações a saúde da população
  • 9.  Constata-se sempre que as suas “portas de entrada” não se abrem com facilidade e de forma diferenciada para demandantes diversos (Goddard e Smith, 2001).  Os limites físicos e sua inserção na comunidade influenciam seus resultados.  Historicamente foram distanciados das populações.
  • 10. Na tentativa de reaproximação se deparam na definição das responsabilidades dos envolvidos na atenção e na definição e realização das intervenções técnicas.  A reaproximação para a esfera privada não se mostra simples, nem poderia se dar com facilidade (Silva e Dalmaso, 2002)
  • 11.  Determinante nas condições de vida e saúde/doença das populações.  Não se identifica os efeitos dos serviços sobre os pacientes, pois são inadequadamente reconhecidos nos estudos sobre morbi-mortalidade das populações, ou da eficácia e efetividade de intervenções em pacientes, nas pesquisas desenvolvidas pela clinica e epidemiologia.
  • 12. Articulação complexa Dimensão Dimensão política gerencial Dimensão tecnológica Dimensão Dimensão econômica Cultural
  • 13.  Direito fundamental do cidadão.  Crescente cobertura da população.  “Complexo médico-industrial”.  Estimula o desenvolvimento da Gestão e Administração, das Ciências Políticas e Sociais, Economia e Ciências Humanas em geral.  Nos estudos destas ciências a atenção a saúde acaba sendo pouco problematizada.
  • 14.  Década de 50 – Primeiros estudos  Dimensão interna: conhecer os processos de atenção neles desenvolvidos e seus efeitos sobre a saúde e a doença dos pacientes atendidos.  Dimensão externa: conhecer o seu desempenho e participação na conformação dos sistemas de saúde e seu impacto sobre a saúde da população.
  • 15.  autores importantes no desenvolvimento da epidemiologia nos anos 50 e 60, como Morris e Cochrane, tiveram os serviços de saúde como objeto de interesse.  Perspectivas dos resultados nos pacientes e da equidade em saúde.
  • 16.  1968, Estados Unidos, são criadas propostas de atenção pública à saúde para grupos populacionais de risco social e sanitário (idosos e pobres).  O NIHSR: Pesquisas clínicas, epidemiológicas e organizacionais, que tomam os serviços de saúde como campo para investigação, sendo também objeto desta.
  • 17.  Expansão quase explosiva tanto da cobertura populacional pelos sistemas de saúde.  Parte da implantação de políticas sociais e de saúde.  Densidade tecnológica, ou seja, dos tipos de tecnologias de produto e processo incorporados e utilizados nos serviços de saúde.  Essa expansão se deu de forma mais intensa nos países desenvolvidos.
  • 18.  Gera muito rapidamente preocupações quanto à sua sustentabilidade econômico-financeira e política,bem como efetividade técnica e impacto na saúde populacional.  Contribui para o desenvolvimento de áreas diversas de avaliação em saúde (tecnológica, econômica, de programas, da qualidade em serviços com maior destaque) e de gestão e planejamento em saúde.
  • 19.  Preocupações com os custos e resultados da atenção à saúde, fortalece o discurso de que, além da produção de novos conhecimentos sobre os serviços e sistemas de saúde e seu desempenho, faz-se necessária uma maior integração entre o conhecimento clínico, epidemiológico e de planejamento e gestão, com sua articulação em sínteses que sejam capazes de orientar as ações a serem desenvolvidas.
  • 20.  Enfraquecimento da concepção dos Estados nacionais como principais responsáveis pelo bem- estar da sua população.  Crises importantes nas políticas sociais e de saúde, pela globalização da economia, aumento das desigualdades sociais e nacionais e transformações nos modelos adotados como referência para as análises das relações entre ciência-tecnologia-inovação e desenvolvimento social e econômico.
  • 21.  Tecnologias de produtos e processos.  Essas últimas, que constituem o grupo de interesse para a discussão aqui proposta, diferenciam- se, novamente, de acordo com o objeto privilegiado, os sistemas de saúde ou os serviços e profissionais de saúde.  Distinguem-se principalmente pelos atores que delas participam, pelas alianças políticas estabelecidas e tecnologias de intervenção privilegiadas
  • 22.  Atores: organizações internacionais oficiais (OMS, OPAS).  Não governamentais diversas (Council on Health Research and Development, Alliance for Health Policy and Systems Research), até organizações públicas nacionais, principalmente em países desenvolvidos (como, por exemplo, o Centre for Review and Dissemination do Serviço Nacional de Saúde britânico).
  • 23.  Essas iniciativas buscam melhorar o seu desempenho, destacando entre seus objetivos prioritários (além da efetividade e eficiência) a necessidade de maior inclusão e eqüidade na assistência.  Facilitação do acesso a informação cientifica: guidelines, bibliotecas eletronicas e outros.
  • 24.  Observa-se o crescimento nos países desenvolvidos (mais intenso nos Estados Unidos e Canadá), de pesquisas e publicações que se consideram como sendo health services research, ou pesquisa em serviços de saúde  Refletem maior apoio por parte de agências financiadoras de pesquisas.
  • 25.  com características muito diversificadas, que têm em comum dois aspectos básicos: os serviços de saúde como objeto privilegiado ou destacado e a orientação para uma utilidade potencial do conhecimento produzido nos processos de decisão nos sistemas e serviços.
  • 26.  “A pesquisa em serviços de saúde se interessa pela qualidade, efetividade e custo-efetividade da atenção à saúde, bem como pelo acesso à atenção à saúde para toda a população americana e pelos aperfeiçoamentos na operação do complexo sistema de saúde nacional”  (AHRQ – http://www.ahrq.gov/child/edlifesc.htm, acessado em 11/Mar/2004).
  • 27.  Valorização de bancos de dados secundários, administrativos e demográficos/epidemiológicos.  Valorização de documentos e da revisão da produção científica existente, como reflexo de uma preocupação com a sua viabilidade e reprodutibilidade.
  • 28.  Sobre o tema em 1998, foram abordadas as seguintes questões: (a) interpretando as evidências: a escolha entre estudos randomizados e não randomizados; (b) avaliação de intervenções na saúde por área ou por serviços; (c) introdução a métodos “bayesianos” na avaliação tecnológica em saúde; (d) lidando com a incerteza nas avaliações econômicas de intervenções na saúde.
  • 29.  Expansão do numero de periódicos sobre diferentes áreas da avaliação em saúde.  Várias especialidades das saúde passam a realizar pesquisas.  Uso de bancos de dados secundários.  Tais questões deixam evidente a pluralidade de abordagens e conhecimento da necessidade de aperfeiçoar o conhecimento e os dados disponíveis.
  • 30.  Processos de implantação de programas em serviços de saúde e estudos destes quanto às dimensões de estrutura e processos assistenciais e organizacionais.  Impactos sobre a saúde da clientela ou população em geral das tecnologias de produto e/ou de processo inseridas nos processos de atenção dos serviços de saúde.
  • 31.  Políticas sociais e de saúde e suas relações com o desempenho dos sistemas de serviços de saúde.  Grande variabilidades de temas.  Dificuldade no estabelecimento de classificações de subtemas com limites definidos
  • 32.  valorizaçãodo uso de informações administrativas e epidemiológicas existentes para o desenvolvimento de estudos que possam ser replicados e que sejam capazes de produzir conhecimentos que dialogam mais proximamente com as áreas executivas e operacionais.
  • 33.  Despertam sentimento de ameaça nos serviços estudados.  estão freqüentemente condicionados por conjunturas e horizontes temporais.  Questões metodológicas para explicar fenômenos: estudo randomizado é difícil, efeito Hawthorne, escolha de variáveis,
  • 34.  Pesquisadores: frustram-se pela baixa utilização dos resultados das suas pesquisas pelos gestores e gerentes e pela pouca valorização científica do conhecimento produzido.  Gerentes/administradores: não identificam informações relevantes nas pesquisas desenvolvidas e consideram que seu financiamento é um desperdício de recursos.
  • 35.  Gestores: preocupam-se com a temporalidade das pesquisas – para serem úteis precisam estar disponíveis nos momentos de decisão.  Todos os grupos identificam a necessidade urgente de articular de forma efetiva aqueles que financiam, utilizam e produzem as pesquisas em serviços de saúde.
  • 36.  As pesquisas possuem potencialidades e limitações.  Contribuem para o desenvolvimento de fluxos de comunicação oportunos e compartilhados entre os interessados  Poderá contribuir para uma otimização dos esforços.
  • 37.  Observou-se maior visibilidade das pesquisas em serviços de saúde.  poderá contribuir para o aprimoramento e fortalecimento do Sistema Único de Saúde.  Qualidade na atenção nos serviços de saúde. integrando-se aos processos sociais,econômicos e políticos que constroem a saúde atual e futura da população brasileira.  fortalecendo o papel que a ciência e a tecnologia podem e devem ter nas sociedades contemporâneas.
  • 38.  NOVAES, Hillegonda Maria Dutilh. Pesquisa em, sobre e para os serviços de saúde: panorama internacional e questões para a pesquisa em saúde no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2011.