SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde 
Previsão e Provisão de Recursos Materiais
Importância, finalidade e objetivos da Administração de Materiais nas instituições de saúde 
Organização de saúde 
•Bom funcionamento de recursos financeiros, materiais e humanos. 
•Resultado final do processo: assistência à saúde de indivíduos e comunidades 
Administração adequada dos materiais Influencia e sofre influências. 
•Recursos financeiros (podendo através de uma destinação mais racional promover uma diminuição dos custos) e os recursos humanos (pois materiais em quantidade e qualidade adequadas podem produzir na equipe maior grau de satisfação).
Importância dos recursos materiais 
Chegam a representar 75% do capital da empresa. 
Em instituições de saúde significam cerca de 45% das despesas 
Nas instituições de saúde: 
•Administração de Materiais objetiva coordenar as atividades de compra, armazenamento, distribuição e controle, de modo a que se garanta o suprimento de todas as áreas do serviço. 
•Sua interrupção pode ser atribuída a fatores como insuficiência na quantidade ou falta de qualidade dos materiais.
Motivo de preocupação nas instituições de saúde, tanto na rede pública como na privada 
Organizações privadas: 
•Sujeitas às regras de mercado precisam gerenciá-los com preços competitivos em relação ás demais instituições. 
Setor público: 
•Orçamento restrito, precisa de maior controle do consumo e dos custos para que sua escassez não reflita na privação dos funcionários e pacientes ao acesso a esses materiais e consequentemente à uma assistência de qualidade. 
Cenário ideal: Que não haja falta de material que leve ao prejuízo da assistência à saúde, e tão pouco para que não haja excessos que elevem os custos. 
Gerenciamento de materiais: o público x o privado
Planejando o gerenciamento de materiais 
Dessa forma, “a administração de materiais (AM) consiste em ter os materiais necessários na quantidade certa, no local certo e no tempo certo à disposição dos órgãos que compõem o processo produtivo...” 
Contudo, é necessário que se compreenda os conflitantes interesses envolvidos na administração de materiais:
Interesses envolvidos na administração de materiais:
Planejando o gerenciamento de materiais 
Determinar qual a razão do serviço 
Qual demanda deve ser atendida 
Quais resultados são esperados 
Quais especialidades atuam naquele serviço 
Quais procedimentos, terapias, técnicas, manobras, intervenções e exames são realizados. 
As funções do enfermeiro no gerenciamento de recursos materiais são: previsão, provisão, organização e controle.
A enfermagem e a administração dos materiais 
•Transformação do processo saúde doença através da assistência à saúde. 
•Utilizam recursos materiais, cabendo historicamente a eles a responsabilidade pela previsão, provisão, organização e controle desses materiais em suas unidades de trabalho. 
•Participar da implementação de grande parte dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos no hospital. 
•Tais características tem exigido dos enfermeiros o conhecimento e avaliação dos materiais e equipamentos disponíveis no mercado. 
•Afim de colaborar com a manutenção/elevação da qualidade da assistência. 
Objeto de seu trabalho:
Classificação dos materiais 
Os materiais em unidades hospitalares usualmente são classificados segundo a duração sendo agrupados em: materiais de consumo e permanentes 
Materiais permanentes: 
•Não são estocáveis 
•Vida útil = ou > 2 anos 
•Patrimônio da instituição 
•EX: mobiliários, instrumentos, equipamentos e outros 
Materiais de consumo: 
•São estocado e perdem propriedades com o uso 
•Consumíveis (Duração < 2 anos) 
•EX: esparadrapo, seringa e agulha.
Outras classificações: 
Finalidades (unidade de consumo: cateterismo vesical) 
Porte (pequeno, médio, grande) 
Custo (alto custo) 
Matéria-prima (plástico, metal, silicone) 
Função do controle (fico, móvel). 
Função da guarda (perecível, tóxico, inflamável)
Administração de materiais nas unidades de enfermagem
Administração de materiais nas unidades de enfermagem
Administração de materiais nas unidades de enfermagem
Administração de materiais nas unidades de enfermagem
Administração de materiais nas unidades de enfermagem
Exemplo de previsão: consumo de seringa de 3 ml no pronto socorro no Hospital X 
Material 
Unidades mensaisconsumidas 
Abril 
Maio 
Junho 
Seringa3 ml s/ agulha 
200 
250 
180 
CM= CMM + ES 
ES = 10 a 20% do CMM + CTR 
CTR= CMM/30 x N 
Onde: 
CM= cota mensal 
CMM= consumo médio mensal 
ES= estoque de segurança 
CTR= consumo diário durante o tempo de reposição 
N= número de dias de espera para reposição que pode variar de acordo com o sistema de compra do serviço de saúde
Cota mensal 
O estoque de segurança, também chamado de estoque mínimo é calculado acrescentando-se de 10 a 20% do CMM, mais o consumo diário durante o tempo de reposição (CTR). 
No caso exemplificado o cálculo seria o seguinte, considerando o N= 15 dias:
Provisão: reposição do material 
Reposição por quantidade e tempo 
Reposição semanal, quinzenal ou mensal. 
Depende de: 
Almoxarifado, o local de guarda de estoque do almoxarifado, a rotatividade do material de estoque, características do local de guarda de materiais nas unidades. 
Areposiçãoimediata por quantidade é a mais utilizada atualmente nos serviços de atenção às urgências, por ser mais dinâmica, promove reposição mais rápida e eficaz e estoque real diário, além de evitar desvios.
Provisão: organização 
•Comunicação visual -medida de segurança. 
•Disposição do material organizada afim evitar o atropelo de pessoal. 
•Organizados em bandejas ou kits dispostos próximos ao local do uso. 
•Primeiro que entra é o primeiro que sai! 
Identificar locais de guarda de material: 
•Mantê-los agrupados, com identificação em destaque. 
Suprimento de medicamentos: Consulta a equipe médica.
Provisão: controle 
Quantitativo -estoque mínimo e sistema de kits para os procedimentos. 
Checagem diária -discriminado e quantificado. 
Checklist dos itens a serem verificados no início de cada plantão e após cada atendimento. 
EX: funcionamento do ventilador mecânico, do monitor/desfibrilador, do aspirador, da rede de oxigênio, do laringoscópio, do ambú e demais equipamentos. 
Embasar-se em estudos, o “custo-benefício”, ou seja, o menor custo para a instituição, o maior benefício para o cliente interno e externo e à saúde ambiental.
Assim, as atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais são:
Atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais
Atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais
Atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais
Atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais
Manutenção 
Segurança para que opera e para o usuário. 
Preventiva e reparadora. 
Não deixar para constatar na hora do uso!
Formas de aquisição -licitação 
Licitação é “o procedimento administrativo regido por legislação específica, utilizado para aquisição ou alienação de bens e serviços, com os objetivos de garantir a observância do princípio constitucional da isonomia e de selecionar a proposta mais vantajosa para a administração” (Art. 3º da Lei nº 8666/93).
modalidades de licitação constantes na Lei 8.666/93 
Convite -É para no mínimo três interessados que trabalhem com o material requisitado, podendo ser cadastrados ou não, escolhidos pela instituição. Indicada para a compra de valores baixos, estabelecidos pela Lei. 
Tomada de preços É realizada somente entre interessados previamente cadastrados na instituição. Indicada para aquisições de valores médios, estabelecidos pela Lei.
modalidades de licitação constantes na Lei 8.666/93 
Concorrência –É uma modalidade entre quaisquer interessados que, na fase inicial de habilitação preliminar, comprovem possui requisitos mínimos de qualificação exigidos no edital, para aquisição de valores altos. 
Concurso –utilizado entre quaisquer interessados para escolha de trabalho técnico, científico ou artístico.
modalidades de licitação constantes na Lei 8.666/93 
Leilão –utilizada entre quaisquer interessados para venda de bens móveis inservíveis para a administração ou produtos legalmente apreendidos ou penhorados. 
Pregão -Instituída pela Lei 10.520, de 17 julho de 2000. É feita por meio de propostas e lances sucessivos em sessão pública. Vem ganhando espaço na Administração Pública.
Padronização 
Objetivos: 
•A utilização de um material ao maior número possível de aplicações e reduzir as variedades. 
Vantagens: 
•Favorece a diminuição do número de itens em estoque 
•Simplifica o trabalho de estocagem 
•Permite a obtenção de melhores preços 
•Reduz o trabalho de compras 
•Diminui os custos de estocagem 
•Maior rapidez na aquisição e possibilita a economia com consertos e substituições de peças. 
A instituição deve ter um comitê de padronização
Concluindo 
Necessidade do planejamento antecipado. 
Materiais e equipamentos sempre pront0s, testados e colocados de forma a estarem imediatamente disponíveis para garantir a rapidez e eficiência do atendimento. 
Limiar entre a vida e a morte dos pacientes.
Referências 
•AZEVEDO, A. L. C. S.. Gerenciamento do cuidado de enfermagem em unidade de urgência/emergência traumática. 2010. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) -Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP). Ribeirão Preto, 2010. 
•CASTILHO, V.; GONÇALVES, V. L. M. Gerenciamento de recursos materiais. In: KURCGANT, P. (Coord.). Gerenciamento em enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan: 2010. p. 155-167. 
•CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração. 8.ed.Rio de Janeiro, Elsevier, 2011. 
•GRECO, R. M.; DEUS, R. L. Gerenciamento de recursos materiais em enfermagem. Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora -MG, p. http://www.ufjf.br/admenf/files/2013/05/Aula- Gerenciamento-de-Recursos-Materiais-em-Enfermagem.pdf, 2013. Acesso em: 16 de agosto de 2014. 
•DAL SASSO, G. T. M.; DARLI, M. C. B. C., LUCIELI DIAS PEDRESCHI.; ET AL. Cursode EspecializaçãoemLinhasde CuidadoemEnfermagem: MóduloV -Classificaçãode riscoe acolhimentoFlorianópilis-SC: UniversidadeFederal de Santa Catarina–UFSC. Programade Pósgraduaçãoemenfermagem, 2013. 
•SANTOS, J. L. G. A dimensão gerencial do trabalho do enfermeiro em um serviço hospitalar de emergência. 2010, 135p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4Aprova Saúde
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeAroldo Gavioli
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na SaúdeYlla Cohim
 
Organização serviços de saúde
Organização serviços de saúdeOrganização serviços de saúde
Organização serviços de saúdecalinesa
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfCASA
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptValdemilsonVieira
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemDanilo Nunes Anunciação
 
gerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagemgerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagemjosi uchoa
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptxSocorro Carneiro
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeJesiele Spindler
 

Mais procurados (20)

Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
 
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúdeGerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
Gerenciamento de enfermagem: avaliação de serviços de saúde
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Organização serviços de saúde
Organização serviços de saúdeOrganização serviços de saúde
Organização serviços de saúde
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.pptImportância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
Importância do Uso dos Termos Técnicos em Enfermagem.ppt
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
gerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagemgerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagem
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
LIDERANÇA EM ENFERMAGEM
LIDERANÇA EM ENFERMAGEMLIDERANÇA EM ENFERMAGEM
LIDERANÇA EM ENFERMAGEM
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 

Destaque

Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúdeGerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúdejanuarioneto
 
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem Jorge Luiz de Souza Neto
 
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem pptAula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem pptIsmael Costa
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administraçãoEster Santiago
 

Destaque (6)

Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúdeGerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
 
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
Gerenciamento de Custos nos Serviços de Enfermagem
 
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem pptAula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
 
Teorias da administração
Teorias da administraçãoTeorias da administração
Teorias da administração
 
Gerência em Enfermagem
Gerência em EnfermagemGerência em Enfermagem
Gerência em Enfermagem
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 

Semelhante a Administração de materiais em serviços de saúde

PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptxPREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptxraissaorb
 
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosaTrabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosaMariana Freire
 
Aula recursos f+¡sicos
Aula recursos f+¡sicosAula recursos f+¡sicos
Aula recursos f+¡sicos07082001
 
Processo de enfermagem na ateção básica..
Processo de enfermagem na ateção básica..Processo de enfermagem na ateção básica..
Processo de enfermagem na ateção básica..Rodrigo Lima
 
Processo de enfermagem na ateção básica..
Processo de enfermagem na ateção básica..Processo de enfermagem na ateção básica..
Processo de enfermagem na ateção básica..Rodrigo Lima
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e materialLuciane Santana
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaAroldo Gavioli
 
324027968002.pdf
324027968002.pdf324027968002.pdf
324027968002.pdfÉdio Pena
 
S 002 – Management Of Nurse Training.ppt
S 002 – Management Of Nurse Training.pptS 002 – Management Of Nurse Training.ppt
S 002 – Management Of Nurse Training.pptBruceCosta4
 
Ua 3.slides
Ua 3.slidesUa 3.slides
Ua 3.slidesITHPOS
 
Instrumento para coleta de dados em enfermagem
Instrumento para coleta de dados em enfermagemInstrumento para coleta de dados em enfermagem
Instrumento para coleta de dados em enfermagemNayara Kalline
 
HumanizaSUS classificação de risco
HumanizaSUS   classificação de  riscoHumanizaSUS   classificação de  risco
HumanizaSUS classificação de riscoIsmael Costa
 
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA ABAUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA ABEvertonMonteiro19
 
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015General Clean
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoqueElvis Bruno
 

Semelhante a Administração de materiais em serviços de saúde (20)

Gerencia 123
Gerencia 123Gerencia 123
Gerencia 123
 
Gerencia
GerenciaGerencia
Gerencia
 
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptxPREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
 
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosaTrabalho  francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
Trabalho francine gestao_de_materiais_corrigido_marirosa
 
Aula recursos f+¡sicos
Aula recursos f+¡sicosAula recursos f+¡sicos
Aula recursos f+¡sicos
 
Processo de enfermagem na ateção básica..
Processo de enfermagem na ateção básica..Processo de enfermagem na ateção básica..
Processo de enfermagem na ateção básica..
 
Processo de enfermagem na ateção básica..
Processo de enfermagem na ateção básica..Processo de enfermagem na ateção básica..
Processo de enfermagem na ateção básica..
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Scm na Saude
Scm na SaudeScm na Saude
Scm na Saude
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 
Artigos cme
Artigos cmeArtigos cme
Artigos cme
 
324027968002.pdf
324027968002.pdf324027968002.pdf
324027968002.pdf
 
S 002 – Management Of Nurse Training.ppt
S 002 – Management Of Nurse Training.pptS 002 – Management Of Nurse Training.ppt
S 002 – Management Of Nurse Training.ppt
 
Ua 3.slides
Ua 3.slidesUa 3.slides
Ua 3.slides
 
Gestão Clínica
Gestão ClínicaGestão Clínica
Gestão Clínica
 
Instrumento para coleta de dados em enfermagem
Instrumento para coleta de dados em enfermagemInstrumento para coleta de dados em enfermagem
Instrumento para coleta de dados em enfermagem
 
HumanizaSUS classificação de risco
HumanizaSUS   classificação de  riscoHumanizaSUS   classificação de  risco
HumanizaSUS classificação de risco
 
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA ABAUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
AUDITORIA EM SERVIÇO DE SAÚDE PUBLICA AB
 
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoque
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosAroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosAroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 

Administração de materiais em serviços de saúde

  • 1. Instrumentos gerenciais em serviços de saúde Previsão e Provisão de Recursos Materiais
  • 2. Importância, finalidade e objetivos da Administração de Materiais nas instituições de saúde Organização de saúde •Bom funcionamento de recursos financeiros, materiais e humanos. •Resultado final do processo: assistência à saúde de indivíduos e comunidades Administração adequada dos materiais Influencia e sofre influências. •Recursos financeiros (podendo através de uma destinação mais racional promover uma diminuição dos custos) e os recursos humanos (pois materiais em quantidade e qualidade adequadas podem produzir na equipe maior grau de satisfação).
  • 3. Importância dos recursos materiais Chegam a representar 75% do capital da empresa. Em instituições de saúde significam cerca de 45% das despesas Nas instituições de saúde: •Administração de Materiais objetiva coordenar as atividades de compra, armazenamento, distribuição e controle, de modo a que se garanta o suprimento de todas as áreas do serviço. •Sua interrupção pode ser atribuída a fatores como insuficiência na quantidade ou falta de qualidade dos materiais.
  • 4. Motivo de preocupação nas instituições de saúde, tanto na rede pública como na privada Organizações privadas: •Sujeitas às regras de mercado precisam gerenciá-los com preços competitivos em relação ás demais instituições. Setor público: •Orçamento restrito, precisa de maior controle do consumo e dos custos para que sua escassez não reflita na privação dos funcionários e pacientes ao acesso a esses materiais e consequentemente à uma assistência de qualidade. Cenário ideal: Que não haja falta de material que leve ao prejuízo da assistência à saúde, e tão pouco para que não haja excessos que elevem os custos. Gerenciamento de materiais: o público x o privado
  • 5. Planejando o gerenciamento de materiais Dessa forma, “a administração de materiais (AM) consiste em ter os materiais necessários na quantidade certa, no local certo e no tempo certo à disposição dos órgãos que compõem o processo produtivo...” Contudo, é necessário que se compreenda os conflitantes interesses envolvidos na administração de materiais:
  • 6. Interesses envolvidos na administração de materiais:
  • 7. Planejando o gerenciamento de materiais Determinar qual a razão do serviço Qual demanda deve ser atendida Quais resultados são esperados Quais especialidades atuam naquele serviço Quais procedimentos, terapias, técnicas, manobras, intervenções e exames são realizados. As funções do enfermeiro no gerenciamento de recursos materiais são: previsão, provisão, organização e controle.
  • 8. A enfermagem e a administração dos materiais •Transformação do processo saúde doença através da assistência à saúde. •Utilizam recursos materiais, cabendo historicamente a eles a responsabilidade pela previsão, provisão, organização e controle desses materiais em suas unidades de trabalho. •Participar da implementação de grande parte dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos no hospital. •Tais características tem exigido dos enfermeiros o conhecimento e avaliação dos materiais e equipamentos disponíveis no mercado. •Afim de colaborar com a manutenção/elevação da qualidade da assistência. Objeto de seu trabalho:
  • 9. Classificação dos materiais Os materiais em unidades hospitalares usualmente são classificados segundo a duração sendo agrupados em: materiais de consumo e permanentes Materiais permanentes: •Não são estocáveis •Vida útil = ou > 2 anos •Patrimônio da instituição •EX: mobiliários, instrumentos, equipamentos e outros Materiais de consumo: •São estocado e perdem propriedades com o uso •Consumíveis (Duração < 2 anos) •EX: esparadrapo, seringa e agulha.
  • 10. Outras classificações: Finalidades (unidade de consumo: cateterismo vesical) Porte (pequeno, médio, grande) Custo (alto custo) Matéria-prima (plástico, metal, silicone) Função do controle (fico, móvel). Função da guarda (perecível, tóxico, inflamável)
  • 11. Administração de materiais nas unidades de enfermagem
  • 12. Administração de materiais nas unidades de enfermagem
  • 13. Administração de materiais nas unidades de enfermagem
  • 14. Administração de materiais nas unidades de enfermagem
  • 15. Administração de materiais nas unidades de enfermagem
  • 16. Exemplo de previsão: consumo de seringa de 3 ml no pronto socorro no Hospital X Material Unidades mensaisconsumidas Abril Maio Junho Seringa3 ml s/ agulha 200 250 180 CM= CMM + ES ES = 10 a 20% do CMM + CTR CTR= CMM/30 x N Onde: CM= cota mensal CMM= consumo médio mensal ES= estoque de segurança CTR= consumo diário durante o tempo de reposição N= número de dias de espera para reposição que pode variar de acordo com o sistema de compra do serviço de saúde
  • 17. Cota mensal O estoque de segurança, também chamado de estoque mínimo é calculado acrescentando-se de 10 a 20% do CMM, mais o consumo diário durante o tempo de reposição (CTR). No caso exemplificado o cálculo seria o seguinte, considerando o N= 15 dias:
  • 18. Provisão: reposição do material Reposição por quantidade e tempo Reposição semanal, quinzenal ou mensal. Depende de: Almoxarifado, o local de guarda de estoque do almoxarifado, a rotatividade do material de estoque, características do local de guarda de materiais nas unidades. Areposiçãoimediata por quantidade é a mais utilizada atualmente nos serviços de atenção às urgências, por ser mais dinâmica, promove reposição mais rápida e eficaz e estoque real diário, além de evitar desvios.
  • 19. Provisão: organização •Comunicação visual -medida de segurança. •Disposição do material organizada afim evitar o atropelo de pessoal. •Organizados em bandejas ou kits dispostos próximos ao local do uso. •Primeiro que entra é o primeiro que sai! Identificar locais de guarda de material: •Mantê-los agrupados, com identificação em destaque. Suprimento de medicamentos: Consulta a equipe médica.
  • 20. Provisão: controle Quantitativo -estoque mínimo e sistema de kits para os procedimentos. Checagem diária -discriminado e quantificado. Checklist dos itens a serem verificados no início de cada plantão e após cada atendimento. EX: funcionamento do ventilador mecânico, do monitor/desfibrilador, do aspirador, da rede de oxigênio, do laringoscópio, do ambú e demais equipamentos. Embasar-se em estudos, o “custo-benefício”, ou seja, o menor custo para a instituição, o maior benefício para o cliente interno e externo e à saúde ambiental.
  • 21. Assim, as atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais são:
  • 22. Atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais
  • 23. Atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais
  • 24. Atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais
  • 25. Atribuições do enfermeiro no gerenciamento de materiais
  • 26. Manutenção Segurança para que opera e para o usuário. Preventiva e reparadora. Não deixar para constatar na hora do uso!
  • 27. Formas de aquisição -licitação Licitação é “o procedimento administrativo regido por legislação específica, utilizado para aquisição ou alienação de bens e serviços, com os objetivos de garantir a observância do princípio constitucional da isonomia e de selecionar a proposta mais vantajosa para a administração” (Art. 3º da Lei nº 8666/93).
  • 28. modalidades de licitação constantes na Lei 8.666/93 Convite -É para no mínimo três interessados que trabalhem com o material requisitado, podendo ser cadastrados ou não, escolhidos pela instituição. Indicada para a compra de valores baixos, estabelecidos pela Lei. Tomada de preços É realizada somente entre interessados previamente cadastrados na instituição. Indicada para aquisições de valores médios, estabelecidos pela Lei.
  • 29. modalidades de licitação constantes na Lei 8.666/93 Concorrência –É uma modalidade entre quaisquer interessados que, na fase inicial de habilitação preliminar, comprovem possui requisitos mínimos de qualificação exigidos no edital, para aquisição de valores altos. Concurso –utilizado entre quaisquer interessados para escolha de trabalho técnico, científico ou artístico.
  • 30. modalidades de licitação constantes na Lei 8.666/93 Leilão –utilizada entre quaisquer interessados para venda de bens móveis inservíveis para a administração ou produtos legalmente apreendidos ou penhorados. Pregão -Instituída pela Lei 10.520, de 17 julho de 2000. É feita por meio de propostas e lances sucessivos em sessão pública. Vem ganhando espaço na Administração Pública.
  • 31. Padronização Objetivos: •A utilização de um material ao maior número possível de aplicações e reduzir as variedades. Vantagens: •Favorece a diminuição do número de itens em estoque •Simplifica o trabalho de estocagem •Permite a obtenção de melhores preços •Reduz o trabalho de compras •Diminui os custos de estocagem •Maior rapidez na aquisição e possibilita a economia com consertos e substituições de peças. A instituição deve ter um comitê de padronização
  • 32. Concluindo Necessidade do planejamento antecipado. Materiais e equipamentos sempre pront0s, testados e colocados de forma a estarem imediatamente disponíveis para garantir a rapidez e eficiência do atendimento. Limiar entre a vida e a morte dos pacientes.
  • 33. Referências •AZEVEDO, A. L. C. S.. Gerenciamento do cuidado de enfermagem em unidade de urgência/emergência traumática. 2010. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) -Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP). Ribeirão Preto, 2010. •CASTILHO, V.; GONÇALVES, V. L. M. Gerenciamento de recursos materiais. In: KURCGANT, P. (Coord.). Gerenciamento em enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan: 2010. p. 155-167. •CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração. 8.ed.Rio de Janeiro, Elsevier, 2011. •GRECO, R. M.; DEUS, R. L. Gerenciamento de recursos materiais em enfermagem. Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora -MG, p. http://www.ufjf.br/admenf/files/2013/05/Aula- Gerenciamento-de-Recursos-Materiais-em-Enfermagem.pdf, 2013. Acesso em: 16 de agosto de 2014. •DAL SASSO, G. T. M.; DARLI, M. C. B. C., LUCIELI DIAS PEDRESCHI.; ET AL. Cursode EspecializaçãoemLinhasde CuidadoemEnfermagem: MóduloV -Classificaçãode riscoe acolhimentoFlorianópilis-SC: UniversidadeFederal de Santa Catarina–UFSC. Programade Pósgraduaçãoemenfermagem, 2013. •SANTOS, J. L. G. A dimensão gerencial do trabalho do enfermeiro em um serviço hospitalar de emergência. 2010, 135p.