Salesianos Funchal 
Colégio 
Trabalho elaborado por: Sofia Sousa, Afonso Nunes e Marta Berjano
1554 
D. João, em 1554, morreu, deixando um filho recém-nascido 
chamado D. Sebastião, ficando só com o avô D. João III e ...
1557 
D. João III faleceu em 1557, deixando o seu neto de três 
anos, D. Sebastião e a sua mulher D. Catarina de Áustria, ...
1568 
Em 1568, ao completar 14 anos, D. Sebastião, assumiu, 
finalmente, a sua função de rei. 
Fig. 4 – D. Sebastião
O Desastre de Alcácer-Quibir 
A 4 de agosto de 1578, os portugueses ficaram perante as forças 
marroquinas, travando assim...
Depois do desaparecimento de D. Sebastião 
Depois do desaparecimento de D. Sebastião, surgiram três 
candidatos ao trono: ...
Os apoiantes dos candidatos e os seus motivos 
D. Filipe II 
Grande parte da nobreza e do clero por ser monarca de 
um dos...
A atitude de D. António 
D. António tentou resistir à progressão dos Espanhóis, mas 
foi derrotado, tendo de fugir para a ...
As promessas de D. Filipe II 
D. Filipe II, rei de Espanha, prometeu: 
Manter os símbolos portugueses (moeda, bandeira, es...
Ataques sofridos 
Espanha estava em guerra com os Ingleses, os Franceses e os 
Holandeses, que por sua vez atacaram-na. 
F...
Revoltas populares 
Por causa dos impostos, surgiram revoltas como o Motim das 
Maçarocas e a Revolta do Manuelinho. 
Fig....
1 de dezembro de 1640 
Dia 1 de dezembro de 1640 foi o dia da Restauração da Independência. 
Fig. 12 – Restauração da Inde...
O que foi a guerra da Restauração? 
A guerra da restauração foi uma guerra que serviu para restaurar a independência de 
P...
A nova dinastia 
A quarta e última dinastia foi a dinastia de Bragança. 
Fig. 14 – Dinastia de Bragança
As alianças de Portugal 
Foi também necessário Portugal formar alianças com outros reinos, como por 
exemplo: França e Ing...
morte de D. sebastião e a sucessão ao trono portugues
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

morte de D. sebastião e a sucessão ao trono portugues

580 visualizações

Publicada em

sobre a nossa historia desde a morte de D. sebastião ao inicio da dinastia de bragança.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Pesquisar foto de Espanha
  • Pesquisar fotos da restauração
  • Pesquisar foto da dinastia de bragança.
  • morte de D. sebastião e a sucessão ao trono portugues

    1. 1. Salesianos Funchal Colégio Trabalho elaborado por: Sofia Sousa, Afonso Nunes e Marta Berjano
    2. 2. 1554 D. João, em 1554, morreu, deixando um filho recém-nascido chamado D. Sebastião, ficando só com o avô D. João III e a avó D. Catarina de Áustria. Fig. 1 – D. João III Fig. 2 – D. Catarina de Áustria
    3. 3. 1557 D. João III faleceu em 1557, deixando o seu neto de três anos, D. Sebastião e a sua mulher D. Catarina de Áustria, ficando assim ela na regência, sendo mais tarde substituída pelo tio-avô de D. Sebastião, o cardeal D. Henrique. Fig. 3 – Cardeal D. Henrique
    4. 4. 1568 Em 1568, ao completar 14 anos, D. Sebastião, assumiu, finalmente, a sua função de rei. Fig. 4 – D. Sebastião
    5. 5. O Desastre de Alcácer-Quibir A 4 de agosto de 1578, os portugueses ficaram perante as forças marroquinas, travando assim, uma batalha, em que os portugueses foram derrotados e D. Sebastião desapareceu. Fig. 5 – Batalha de Alcácer-Quibir
    6. 6. Depois do desaparecimento de D. Sebastião Depois do desaparecimento de D. Sebastião, surgiram três candidatos ao trono: D. Filipe II de Espanha, D. Catarina duquesa de Bragança e D. António prior do Crato. Fig. 6 – D. Filipe II de Espanha Fig. 7 – D. Catarina Fig. 8 – D. António duquesa de Bragança prior do Crato
    7. 7. Os apoiantes dos candidatos e os seus motivos D. Filipe II Grande parte da nobreza e do clero por ser monarca de um dos reinos mais fortes da Europa – Espanha. D. Catarina Pouco apoio da nobreza. D. António Grande apoio popular porque o povo preferia um rei que defendesse a independência de Portugal, mesmo não sendo filho ou neto legítimo de um rei.
    8. 8. A atitude de D. António D. António tentou resistir à progressão dos Espanhóis, mas foi derrotado, tendo de fugir para a ilha Terceira nos Açores. Fig. 9 – Mapa do arquipélago dos Açores
    9. 9. As promessas de D. Filipe II D. Filipe II, rei de Espanha, prometeu: Manter os símbolos portugueses (moeda, bandeira, escudo); Reservar aos Portugueses os cargos mais importantes de nomeação régia em Portugal (no governo, nos tribunais e na igreja); Manter exclusivamente em mãos portuguesas o comércio em África, na Índia e no Brasil.
    10. 10. Ataques sofridos Espanha estava em guerra com os Ingleses, os Franceses e os Holandeses, que por sua vez atacaram-na. Fig. 10 – Bandeira de Espanha
    11. 11. Revoltas populares Por causa dos impostos, surgiram revoltas como o Motim das Maçarocas e a Revolta do Manuelinho. Fig. 11 – Revolta do Manuelinho
    12. 12. 1 de dezembro de 1640 Dia 1 de dezembro de 1640 foi o dia da Restauração da Independência. Fig. 12 – Restauração da Independência
    13. 13. O que foi a guerra da Restauração? A guerra da restauração foi uma guerra que serviu para restaurar a independência de Portugal com o rei de Espanha. Fig. 13 – Guerra da Restauração
    14. 14. A nova dinastia A quarta e última dinastia foi a dinastia de Bragança. Fig. 14 – Dinastia de Bragança
    15. 15. As alianças de Portugal Foi também necessário Portugal formar alianças com outros reinos, como por exemplo: França e Inglaterra. Fig. 15 – Bandeira de França Fig. 16 – Bandeira de Inglaterra

    ×