_____________________________________________________________________________________________________
Rua Rubens Carlos de...
_____________________________________________________________________________________________________
Rua Rubens Carlos de...
_____________________________________________________________________________________________________
Rua Rubens Carlos de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Síndrome do túnel do carpo dr.jose marcelo

2.741 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.741
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Síndrome do túnel do carpo dr.jose marcelo

  1. 1. _____________________________________________________________________________________________________ Rua Rubens Carlos de Jesus 111 Londrina - PR - Fone: (43) 9977-1553 E-mail: drjosemarcelo@uol.com.br - www.doutorjosemarcelo.com.br1 Dr José Marcelo de Oliveira Penteado Médico do Trabalho. Especialista em Doenças Ocupacionais Perito Judicial Membro Titular da Associação Nacional de Medicina do Trabalho Member of International Commission on Occupational Health Membro da Sociedade Brasileira de Perícias Médicas Consultor em Ergonomia LER/DORT Analista Certificado de Occupational Repetitives Actions pela Escola OCRA Internacional Síndrome do Túnel do Carpo CID: G56.0 Dr José Marcelo de Oliveira Penteado – Médico do Trabalho – ANAMT http://www.doutorjosemarcelo.com.br É a síndrome caracterizada pela compressão do nervo mediano em sua passagem no canal ou túnel do carpo. Ocorre em até 15% da população mundial, sendo mais freqüentes em mulheres que em homens. Existe ainda muita discussão se a patologia poderia ou não ser de origem ocupacional. Robert R. Slater Jr, in Carpal Tunnel Syndrome: Current Concepts, Journal of South Orthopaedic Association, 8(3), 1999, relata que “...a etiologia ocupacional e a teoria da sobrecarga funcional do punho, relacionada ao trabalho, na Síndrome do Túnel do Carpo são altamente controversas. Muitos autores relacionaram a síndrome com fatores ocupacionais e trabalho manual pesado, porém, outras escolas científicas afirmam que a Síndrome do Túnel do Carpo não é de etiologia ocupacional” e partilham dessa ultima tese da ausência de origem ocupacional os doutores Phalen e Nathan, os maiores estudiosos da patologia. José Teutônio de Oliveira realizando uma revisão crítica da literatura a respeito das controvérsias do diagnóstico da STC e a relação com o trabalho descreve que a extensão em que o trabalho contribui para o aparecimento e desenvolvimento da síndrome é de grande interesse para prevenção mas a influência dos fatores de trabalho no aparecimento da STC é controverso. Alguns estudos concluem que há pouca evidência que sustente a hipótese de que a STC é causada pelo trabalho enquanto outros propõem que mais da metade dos casos é devida a fatores do trabalho. Feito estas considerações podemos dizer que deve o médico fazer não somente o diagnostico da patologia, mas posteriormente, antes de partir para tratamentos mais agressivos ou prematuramente dizer que a doença é ocupacional, realizar toda a investigação necessária para o diagnóstico da causa da doença. Infelizmente não é isso que vemos na prática médica diária. Causas não ocupacionais: - Idiopática. É aquela que não se sabe a causa, ou é a afecção que tem causa desconhecida e da qual se diz ser gerada por si mesma - doenças endócrinas: diabetes, hipotireoidismo e acromegalia - doenças do tecido conectivo: artrite reumatóide e lupus eritematoso sistêmico - doenças inflamatórias: sarcoidose e amiloidose - doenças infecciosas: tuberculose , artrite séptica do punho - doenças genéticas: neuropatia hereditária com susceptibilidade a paralisias por pressão - túnel do carpo pequeno congênito - tumores: lipoma, cisto sinovial, neurofibroma, shwannoma - trauma: fratura de Colles, hemorragia no punho (principalmente em usuários de anticoagulantes) - medicamentos: uso crônico de corticosteróides ou de estrogênios - insuficiência renal crônica - gestação - obesidade - Menopausa
  2. 2. _____________________________________________________________________________________________________ Rua Rubens Carlos de Jesus 111 Londrina - PR - Fone: (43) 9977-1553 E-mail: drjosemarcelo@uol.com.br - www.doutorjosemarcelo.com.br2 Dr José Marcelo de Oliveira Penteado Médico do Trabalho. Especialista em Doenças Ocupacionais Perito Judicial Membro Titular da Associação Nacional de Medicina do Trabalho Member of International Commission on Occupational Health Membro da Sociedade Brasileira de Perícias Médicas Consultor em Ergonomia LER/DORT Analista Certificado de Occupational Repetitives Actions pela Escola OCRA Internacional Causas ocupacionais: Deve-se avaliar se nas atividades laborais existem riscos ergonômicos. O médico deve analisar também se a patologia é uni ou bilateral, e no caso de bilateral se existe risco ergonômico para ambos os membros superiores. Geralmente patologias bilaterais sem risco bilateral são de origem não ocupacional, na maioria das vezes de origem idiopática, obesidade, hipotireoidismo ou hormonal. Temos identificado que os médicos, por questões financeiras, tem pedido eletroneuromiografia unilateral(membro supostamente sintomático), o que, que tem ocasionado erros diagnósticos e procedimentos cirúrgicos desnecessários, com presença de falsos-positivos onde não ocorre melhora dos sintomas mesmos após tratamento cirúrgico, deixando claro que os sintomas apresentados não se relacionavam com a doença. Riscos ergonômicos (Dimers Jr -1986) - manutenção de punho flexionado por longos períodos de tempo leva a compressão do nervo mediano sobre o ligamento transverso do carpo - flexão de articulações metacarpofalangeanas ao carregar peso fazem com que os músculos lumbricais comprimam-se ao nível do túnel do carpo. No caso de extensão das mesmas articulações ocorre compressão do nervo mediano distalmente(atividades como uso de pinça, escrever, usar pequenas ferramentas) -A vibração desenvolve proliferação endotelial dos vasos perineurais, resultando em neuropatia isquêmica. - Posição que exija flexão e extensão do punho(parafusar) levam a um aumento da pressão ao nível do carpo - O uso de ferramentas que envolvem golpes repetidos ou pressão direta na região proximal ou medial da palma da mão levam a uma compressão do nervo mediano - movimentos repetitivos que desenvolvem tenossinovite estabelecem uma relação direta com STC. Questões relativas à digitação - Quando relaciona-se a digitação como causa da STC, não basta apenas o trabalho comum em microcomputadores, que hoje faz parte de maioria das profissões. È necessária a constatação de digitação intensiva em teclados (intensive keyboard use) acompanhada de falta de pausas ou micro-pausas para recuperação tal como ocorre na função de digitadores profissionais. Nesta última, a atividade de digitador implica em atividades repetitivas de digitar no teclado à sua frente, utilizando ambas as mãos, digitando dados alfas numéricos contidos em documentos, não há contato ou interação com clientes e a tarefa consiste em digitar continua e ininterruptamente, sob exigência números de toques por minutos e sem demanda de raciocínio e analise intelectual. Instrução Normativa INSS/DC 98/2003 (Atualização Clinica das LER/DORT) QUADRO I RELAÇÃO EXEMPLIFICATIVA ENTRE O TRABALHO E ALGUMAS ENTIDADES NOSOLÓGICAS LESÕES CAUSAS OCUPACIONAIS EXEMPLOS ALGUNS DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS Síndrome do Túnel do Carpo Movimentos repetitivos de flexão, mas também extensão com o punho, principalmente se acompanhados por realização de força. Digitar, fazer montagens industriais, empacotar Menopausa, trauma, tendinite da gravidez (particularmente se bilateral), lipomas, artrite reumatóide, diabetes, amiloidose, obesidade neurofibromas, insuficiência renal, lupus eritematoso, condrocalcinose do punho
  3. 3. _____________________________________________________________________________________________________ Rua Rubens Carlos de Jesus 111 Londrina - PR - Fone: (43) 9977-1553 E-mail: drjosemarcelo@uol.com.br - www.doutorjosemarcelo.com.br3 Dr José Marcelo de Oliveira Penteado Médico do Trabalho. Especialista em Doenças Ocupacionais Perito Judicial Membro Titular da Associação Nacional de Medicina do Trabalho Member of International Commission on Occupational Health Membro da Sociedade Brasileira de Perícias Médicas Consultor em Ergonomia LER/DORT Analista Certificado de Occupational Repetitives Actions pela Escola OCRA Internacional Quadro Clínico O quadro inicial caracteriza-se por queixas sensitivas: sensação de formigamento (hipoestesia) na mão, à noite, dor e parestesia em área do nervo mediano (polegar, indicador, médio e metade radial do anular), desconforto que pode irradiar-se até os ombros. Exame Físico Teste de Phalen positivo Teste de Tinnel positivo Diagnóstico Eletroneuromiografia bilateral Ultrassonografia de punhos(diagnóstico diferencial) Radiografia de punhos (diagnóstico diferencial) Tratamento Tratamento da causa base no caso de patologias não ocupacionais Afastamento do risco em casos de patologia com risco ocupacional Cirúrgico no caso de não melhora após itens anteriores Autorizada a impressão e reprodução desde que citada a fonte.

×