Incidência e características: cesáreas e partos normaisINCIDÊNCIA E CARACTERÍSTICAS DE CESÁREAS E PARTOS NORMAIS:UM ESTUDO...
Incidência e características: cesáreas e partos normaisRESUMOO estudo objetivou comparar o tipo de parto entre instituiçõe...
Incidência e características: cesáreas e partos normaisNatural Childbirth, Cesarean Section, IncidenceRESUMENEl objeto de ...
Incidência e características: cesáreas e partos normais1INTRODUÇÃOA escolha do tipo de parto, normal ou cesárea é assunto ...
Incidência e características: cesáreas e partos normais2infecções puerperais e acidentes anestésicos2.O parto normal é o m...
Incidência e características: cesáreas e partos normais3qualidade no acompanhamento pré-natal, na assistência ao parto, pó...
Incidência e características: cesáreas e partos normais8MATERIAL E MÉTODOFoi realizado um estudo descritivo do tipo retros...
Incidência e características: cesáreas e partos normais5compreendidas na faixa etária entre 14 e 49 anos, totalizando 1.40...
Incidência e características: cesáreas e partos normais6programa repassa incentivos financeiros a municípios e maternidade...
Incidência e características: cesáreas e partos normais8algumas patologias graves relacionadas à gravidez, que podem exigi...
Incidência e características: cesáreas e partos normais9É instigante que mulheres com menores condições socioeconômicas e ...
Incidência e características: cesáreas e partos normais10REFERÊNCIAS1. Freitas F. Rotinas em obstetrícia. 4ª ed. Porto Ale...
Incidência e características: cesáreas e partos normais1110. Costa NDL, Paes NA, Ramos PCF, et al. Desejo, intenção e comp...
Incidência e características: cesáreas e partos normais1117. Pierre AMMA, Bastos GZG, Oquendo R, et al. Repercussões Mater...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Incidência e características

642 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
642
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Incidência e características

  1. 1. Incidência e características: cesáreas e partos normaisINCIDÊNCIA E CARACTERÍSTICAS DE CESÁREAS E PARTOS NORMAIS:UM ESTUDO COMPARATIVOINCIDENCE AND FEATURES OF CESAREAN SECTION AND NATURALCHILDBIRTH: A COMPARATIVE STUDYINCIDENCIA Y CARACTERÍSTICAS DE CESÁREAS Y PARTOSNORMALES: UN ESTUDIO COMPARATIVOMaria Elda Alves de Lacerda Campos¹Denise Ferreira Alcantara²Luciana Patrícia Brito Lopes Gois3¹ Mestre em vigilância sobre saúde, professora assistente da Universidade dePernambuco, Petrolina-PE, Brasil. eldalcampos@gmail.com.² Enfermeira. denise.f.alcantara@hotmail.com.3Enfermeira.lucipati@bol.com.br
  2. 2. Incidência e características: cesáreas e partos normaisRESUMOO estudo objetivou comparar o tipo de parto entre instituições e descrever as variáveiscomo, faixa etária, escolaridade, natureza jurídica do hospital e indicação para a cesárea.Estudo descritivo do tipo retrospectivo. A população foi constituída por puérperascompreendidas na faixa etária entre 14 e 49 anos, totalizando 1.400 prontuários, nosmunicípios de Juazeiro-BA e Petrolina-PE, respectivamente, independente do seu localde residência. Analisando o tipo de parto entre as instituições, evidenciou- se um altopercentual de cesáreas na instituição privada. Constatou-se que a partir dos 24 anos, háuma elevação gradual no número de cesáreas na instituição privada. Observou-se umgradiente entre a escolaridade da gestante e a proporção de cesáreas. Evidenciou-se queprincipal indicação foi a Desproporção Céfalo Pélvica, em ambos os serviços. O nívelsocioeconômico, faixa etária materna, nível de escolaridade e tipo de instituição podeminfluenciar na escolha do parto cesárea.Palavras-chaveParto Normal, Cesárea, IncidênciaABSTRACTThe study intended to compare the type of parturition between institutions and describethe characteristics like, age group, school, hospital nature juridical and the indication tothe cesarean. Descriptive study of the type retrospective. The population was constitutedfor a women who has just given birth included on age group between 14 and 49 years,totalizing 1400 promptuaries, on the municipalities of Juazeiro-BA and Petrolina-PE,respectively, independently of the their residence place. Analyzing the type ofparturition between institution, verified that above 24 years old, there is a gradualelevation on the cesarean numbers on the private institution. It observed a gradientbetween a woman gestation school and the cesarean proportion. It evidenced that theprincipal indication was the Cephalopelvic Deproportion, in both the services. Thesocioeconomic level, age group mom, school level and type of the institution caninfluence on the choice of the cesarean section.Keywords
  3. 3. Incidência e características: cesáreas e partos normaisNatural Childbirth, Cesarean Section, IncidenceRESUMENEl objeto de estudio fue comparar el tipo de parto entre instituciones y describir lascaracterísticas como faja etaria, escolaridad, naturaleza jurídica del hospital e indicaciónpara el parto cesáreo. Estudio descriptivo del tipo retrospectivo. La población fueconstituida por puérperas comprendidas en la faja etaria entre 14 y 49 años, totalizando1400 prontuarios, en los municipios de Juazeiro-BA y Petrolina-PE, respectivamente,independiente de su local de domicilio. Analizando el tipo de parto entre lasinstituciones, se evidenció un alto porcentual de cesáreas en la institución privada. Seconstató que a partir de los 24 años, hay una elevación gradual en el número de cesáreasen la institución privada. Se observó un gradiente entre la escolaridad de la gestante y laproporción de cesáreas. Se evidenció que la principal indicación fue la DeproporciónCefalopélvica, en ambos los servicios. El nivel socioeconómico, la faja etaria materna,el nivel de escolaridad y el tipo de institución pueden influenciar en la opción del partocesáreo.Palabras claveParto Normal, Cesárea, Incidencia
  4. 4. Incidência e características: cesáreas e partos normais1INTRODUÇÃOA escolha do tipo de parto, normal ou cesárea é assunto atual, complexo epolêmico.A cesárea é uma intervenção cirúrgica que permite que o recém-nascido (RN)seja retirado do útero materno mediante incisão nas paredes abdominais, laparotomia, euterina, histerectomia1.Existem indicações absolutas e relativas para a realização da cesárea, trata-se deum procedimento importante para salvar a vida da mãe e do bebê quando uma delas ouas duas estão em risco. As indicações absolutas mais tradicionais são: desproporçãocéfalo-pélvica, hemorragias no final da gestação, ocorrência de doenças hipertensivas namãe específicas da gravidez, bebê transverso, e sofrimento fetal. A ocorrência dediabete gestacional, amniorrex prematura são consideradas indicações relativas para acesariana2.O Ministério da Saúde acrescentou outra indicação para essa cirurgia, é o casode gestantes portadoras do vírus HIV, a cesariana passou a ser agendada nessassituações porque se descobriu que a hora do parto é o momento de maior trocasanguínea entre a mãe e o bebê. Dessa forma, a cirurgia programada reduz os riscos detransmissão do vírus2.Se a indicação correta de cesáreas traz vantagens, sua indicação indiscriminadaenvolve riscos adicionais às mães e recém-nascidos, estando associada no Brasil e emoutros países, a maior morbimortalidade materna e fetal. A incidência de morte maternaassociada à cesariana é 3,5 vezes maior do que no método natural. As complicaçõesmaternas na cesariana podem variar de eventos menores, como episódios de febre,
  5. 5. Incidência e características: cesáreas e partos normais2infecções puerperais e acidentes anestésicos2.O parto normal é o método natural de nascer. A sua recuperação é imediata,pois, logo após o nascimento a mulher poderá levantar-se e cuidar de seu filho. Ascomplicações próprias do parto normal são menos graves quando comparadas comaquelas advindas do parto cirúrgico. A amamentação do recém-nascido se torna maisfácil e mais saudável a ele, a infecção hospitalar é muito menos frequente no partonormal3.As vantagens do parto normal se estendem ainda à questão financeira. PeloSistema Único de Saúde (SUS), o método natural custa R$ 291 e a cirurgia cesariana,R$ 402. No caso dos hospitais privados é mais difícil dimensionar essa diferença, umavez que o valor de cada tipo de parto varia de acordo com a diária hospitalar cobrada.Há, ainda, o custo do tratamento das complicações, bem mais frequentes no partooperatório2.Nas últimas décadas tem ocorrido em todo mundo uma crescente incidência deoperações cesáreas. Nos países da América Latina a incidência em 1960 era de 2% a5%, em 2002 era de 30% a 35%4.No Brasil este problema atinge proporções ainda maiores onde em 1994 as taxasde cesáreas eram de 38,98% passando para 47,39% em 2007. Em 2007, no Estado dePernambuco essa taxa foi de 34,20% e na Bahia, 25,80%5.Em 1985 a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabeleceu que a taxamáxima de cesárea fosse de 15%2.Para promover a redução das cesáreas o Ministério da Saúde instituiu oPrograma de Humanização no Pré-natal e Nascimento (PHPN), assegurando acesso e
  6. 6. Incidência e características: cesáreas e partos normais3qualidade no acompanhamento pré-natal, na assistência ao parto, pós-parto e neonatal eassim repassando incentivos financeiros a municípios e maternidades que ofereçam, emsua rede de serviços, atenção ao pré-natal, parto e a possíveis complicações obstétricas6.O aumento das taxas de cesáreas é progressivo e muito mais frequente eminstituições privadas e/ou com planos de saúde, enquanto nos hospitais públicos essesíndices são menores, porém, acima do recomendado pela OMS7.A falta de informações e a deficiência no atendimento durante o pré-natal levama gestante a optar por uma cesariana, onde o mito da dor do parto normal, dadeformação do corpo e influência na vida sexual como a perda do prazer em função dasalterações ocorridas durante o parto são fatores predisponentes para a escolha deste tipode parto8.Quando a gestante tem uma historia de cesárea anterior, e atendida eminstituição privada, o número de cesariana aumenta, fazendo com que a mulher assumauma postura submissa e dependente em relação aos profissionais de saúde, quepassaram a ter pleno domínio das questões ligadas ao nascimento influenciando oaumento das cesarianas, sendo a motivação ao parto normal diminuída. As mulherescom parto vaginal prévio apresentam chances muito menor de optarem por cesariana9.No Brasil as taxas de cesarianas são extremamente elevadas, porém nem sempredemonstram o desejo das mulheres quanto a este tipo de parto. Das gestantes atendidasnas instituições publicas e privadas, há uma preferência pelo parto normal, tendo comojustificativa mais importante à recuperação mais rápida5,10,11.O estudo sobre o aumento do número de cesáreas em relação ao parto normal éde grande importância nacional e inclusive regional, uma vez que constitui umproblema de saúde pública afetando diretamente a morbimortalidade materna eneonatal, assim como, gerando altos custos desnecessários. Estudos relativos àproporção de cesáreas em detrimento ao parto normal são escassos nos municípios deJuazeiro-BA e Petrolina-PE.Com isso, o presente estudo tem como propósito comparar o tipo de parto entreuma instituição pública e uma privada nos municípios de Juazeiro-BA e Petrolina-PE,avaliando o perfil das puérperas segundo a faixa etária, escolaridade, natureza jurídicado hospital e indicação para cesárea.
  7. 7. Incidência e características: cesáreas e partos normais8MATERIAL E MÉTODOFoi realizado um estudo descritivo do tipo retrospectivo, com abordagemquantitativa, em uma instituição pública e uma privada nos municípios de Juazeiro-BAe Petrolina-PE respectivamente, no período de setembro de 2009 a março de 2010.O município de Petrolina localiza-se na mesorregião do São Francisco,semiárido de Pernambuco, extremo Oeste do Estado, com uma população de 293.962habitantes. Juazeiro localiza-se na região norte do Estado da Bahia com uma populaçãode 197.965 habitantes. Em conjunto com o município vizinho de Petrolina, forma omaior aglomerado urbano do semiárido, sendo separadas apenas pelo rio SãoFrancisco12.A instituição pública localiza-se no centro do município, sendo a maternidadede referência do Sistema Único de Saúde (SUS) para o município e cidades baianasvizinhas, a instituição privada encontra-se no centro de Petrolina prestando tambémassistência obstétrica. A população de estudo foi constituída por puérperas,
  8. 8. Incidência e características: cesáreas e partos normais5compreendidas na faixa etária entre 14 e 49 anos, totalizando 1.400 prontuários, sendoque 1.130 na instituição pública e 270 na instituição privada. Os dados foram coletadossegundo as Declarações de Nascidos Vivos (DNV) e prontuários das puérperasatendidas no período do estudo, através da aplicação de um formulário estruturado.Foram estudadas as variáveis - tipo de parto, faixa etária, escolaridade, naturezajurídica do hospital e indicação para a cesárea. Devido a discordância dos dados nasDNV e prontuários as variáveis estado civil e número de consultas pré- natal foramexcluídas.As variáveis selecionadas para o estudo foram organizadas e apresentadas sob aforma de proporções e analisadas no programa Excel 2010, com apresentação detabelas. Este estudo foi aprovado pelo comitê de ética em Pesquisa da Universidade dePernambuco - UPE sob o registro nº 01840097000-10.3 RESULTADOS E DISCUSSÃOA distribuição dos partos entre as instituições está demonstrada na tabela 1.Analisando as participantes segundo o tipo de parto entre as instituições verifica-se maior proporção de cesáreas na instituição privada (96,3%) frente à pública (16%).Esses resultados corroboram com outro estudo13onde na instituição privada o númerode partos por cesárea é maior que na instituição pública que há prevalência da indicaçãoclínica.O uso iatrogênico da cesárea é indicado pelo fato de esta ser mais frequente eminstituição privada, cujas gestantes estão em melhores condições sociais e de saúdeapresentando menor risco gestacional14.Verificando a frequência de cesáreas na instituição pública a mesma aproxima-se do índice recomendado pela OMS. Essa proporção (16%) pode justificar-se pelo fatodesta ser considerada referência obstétrica no município e regiões circunvizinhas,resultado que difere de outro estudo realizado15, onde as prevalências de cesarianasencontradas foram de 61,3%.O Ministério da Saúde instituiu o Programa de Humanização no Pré-natal eNascimento (PHPN), assegurando acesso e qualidade no acompanhamento pré-natal, naassistência ao parto, pós-parto e neonatal e assim promover a redução das cesarianas. O
  9. 9. Incidência e características: cesáreas e partos normais6programa repassa incentivos financeiros a municípios e maternidades que ofereçam, emsua rede de serviços, atenção ao pré-natal, parto e a possíveis complicações obstétricas6.A partir da lei nº 11.108, de abril de 2005 que regulamenta sobre a assistência aoparto e nascimento esta estabeleceu prazos para que os hospitais adaptassem suasinstalações e procedimentos à nova regra. Gestantes atendidas pelo SUS ganharam odireito de escolher, alguém de sua confiança para estar presente na sala de parto etambém no pós-parto6.A distribuição proporcional das puérperas segundo escolaridade e tipo de partoestá demonstrada na tabela 2.Observa-se na tabela 2 que na instituição pública, das mulheres que tiveramparto cesáreo, a maioria possuía de oito a onze anos de estudo, diferindo da instituiçãoprivada onde a maioria tinha doze ou mais anos de estudo.Observou-se um gradiente entre a escolaridade das puérperas e as proporções decesarianas, nesta distribuição quanto maior a escolaridade, maior a proporção decesárea.O aumento proporcional de cesariana verificado na instituição privada entre asmulheres com maior escolaridade pode estar associado a questões de carátersocioeconômico e ligado ao acesso aos serviços de saúde8.A distribuição proporcional das puérperas segundo a faixa etária e tipo de parto estádemonstrada na tabela 3.Pode-se observar na tabela 3 que a distribuição etária não é homogênea entre asinstituições, onde a instituição pública tem uma clientela mais jovem em relação àinstituição privada. Na instituição pública os dados relativos ao parto cesáreo e normalnas mulheres jovens são quase equivalentes, apresentando números bem próximos,sendo que entre 24 e 33 anos houve um pequeno aumento na proporção das cesáreas.A partir dos 24 anos, há uma elevação no número de partos cesáreas nainstituição privada, representando mais de 80%.Em concordância com o estudo8, a distribuição por faixa etária mostrou umaassociação com a cesariana em que o avanço da idade é diretamente proporcional àstaxas de cesarianas.Estudo semelhante afirma que a relação entre as cesáreas e o aumento da idadematerna pode ser esclarecida pelo fato de estas gestantes possuírem maior risco para
  10. 10. Incidência e características: cesáreas e partos normais8algumas patologias graves relacionadas à gravidez, que podem exigir a interrupção dagestação8,15.A distribuição proporcional das puérperas segundo a indicação para cesárea estádemonstrada na tabela 4.Na tabela 4, entre as mais recorrentes indicações para cesariana estão aDesproporção Céfalo Pélvica (DCP), que se equivale entre as duas instituições, sendo aindicação de maior índice, 53% na instituição pública e 34,6% na instituição privada.Amniorrexe prematura também mostra índices próximos 12,2% na instituição pública e11,2% na privada. Após estas equivalências ocorre uma discrepância entre asindicações, onde na pública as proporções se assemelham, porém na privada a cesáreaanterior apresenta o segundo maior tipo de indicação com 17,7%, as outras indicaçõesapresentam resultados semelhantes.No Brasil, estudo encontrou a DCP como principal indicação de cesárea 39,2%,corroborando a teoria que tanto na instituição pública quanto na privada a DCP é fatorcondicionante para a indicação da cesariana, seguindo-se ainda a cesárea anterior16,9%3.Pesquisas realizadas, não observaram a amniorrexe prematura como indicaçãopara cesárea, devendo assim analisar os riscos e benefícios, tanto maternos quanto fetais16,17.Foi observado em estudo18que a cesárea anterior não é fator de risco paracesárea, mas sim a idade materna avançada relacionada a intercorrências clínicas.O alto percentual de cesarianas da instituição privada, permite inferir queprovavelmente alguns motivos da indicação descritos no prontuário não correspondam àrealidade.As desigualdades socioeconômicas, faixa etária materna, nível de escolaridade etipo de instituição podem influenciar na escolha do parto cesáreo. As maiores taxas nosgrupos onde são esperadas melhores condições de saúde materna, menor risco obstétricoe maior exposição à tecnologia médica, sugerem abuso da mesma no atendimento aoparto.No presente estudo, as altas taxas de cesariana e o perfil das desigualdades sociais a elasrelacionadas apontam para uma cultura de uso abusivo, responsável por grande partedas cesarianas, regidas pela conveniência médica e vinculadas ao poder aquisitivo.
  11. 11. Incidência e características: cesáreas e partos normais9É instigante que mulheres com menores condições socioeconômicas e maiorrisco de complicações no parto, tenham menor probabilidade de cesariana do queaquelas com baixo risco obstétrico e alto poder aquisitivo.Consideramos que é preciso desmitificar uma suposta cultura de cesáreas, sendonecessária a conscientização da gestante, uma reflexão acerca da assistência obstétricaprestada durante o pré-natal, pré-parto e parto, e implantação do parto humanizado,entretanto o problema não está centrado exclusivamente na saúde, e sim inserido nosaspectos sociais, culturais e econômicos que envolvem estas gestantes e profissionais desaúde.
  12. 12. Incidência e características: cesáreas e partos normais10REFERÊNCIAS1. Freitas F. Rotinas em obstetrícia. 4ª ed. Porto Alegre (RS): Artmed, 2001.2. Ministério da Saúde (Brasil). Cirurgia cesariana pode trazer mais complicações e umapior recuperação pós-parto. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.3. Queiroz MVO, Silva NSJ, Bessa JMS, et al . Incidência e características de cesáreas ede partos normais: estudo em uma cidade no interior do Ceará. Rev Bras enferm.2005. 58 (6): 687-91.4. Fabri RH, Silva HSL, Lima RV, et al. Estudo comparativo das indicações decesariana entre um hospital público-universitário e um hospital privado. Rev Bras SaúdeMaterno Infantil. 2002. 2 (1): 29-35.5. Dias MAB, Deslandes SF. Cesarianas: percepção de risco e sua indicação peloobstetra em uma maternidade pública no Município do Rio de Janeiro. Cad SaúdePública.2004. 20(1): 109-16.6. Decreto-lei n º 11.108, de 07 abril de 2005. Do subsistema de acompanhamentodurante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato. Diário Oficial [da] RepúblicaFederativa do Brasil. Brasília, DF, 08 abr. 2005 em: 12 maio 2011.7 . Ministério da Saúde (Brasil), Agência Nacional de Saúde Suplementar. Saúdepromove ações para humanização do parto. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.8. Knupp VMAO, Melo ECPM, Oliveira RB. Distribuição do parto vaginal e dacesariana no município do Rio de Janeiro no período de 2001 a 2004. Rev EnfermagemEsc Anna Nery. 2008. 12(1):39-44.9. Faisal-cury A, Menezes PR. Fatores associados à preferência por cesariana. RevSaúde Pública. 2006. 40(2): 226-32.
  13. 13. Incidência e características: cesáreas e partos normais1110. Costa NDL, Paes NA, Ramos PCF, et al. Desejo, intenção e comportamento nasaúde reprodutiva: a prática da cesárea em cidade do Nordeste do Brasil. Rev BrasGinecol Obstet. 2006. 28(7): 388-96.11. Rede Interagêncial de informações para a Saúde. Indicadores de cobertura [Internet].Brasília DF: Ministério da saúde. DATASUS 2010. Acesso em: 03 mar. 2010.Disponível em:<http://portal.saude.gov.br/portal/saúde/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=32343&janela=1>12. IBGE cidades @ [Internet]. Brasília DF: Ministério do Planejamento, Orçamento eGestão. Acesso em: 06 mar. 2010. Disponível em: <http://ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1 >13. Mandarino NR, Chein MBC, Francisco CM Jr, et al. Aspectos relacionados àescolha do tipo de parto: um estudo comparativo entre uma maternidade pública e outraprivada, em São Luís, Maranhão, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009. 25(7): 1587-96.14. Barbosa GP, Giffin K, Ângulo-Tuesta A, et al. Parto cesáreo: quem o deseja? Emquais circunstâncias? Cad Saúde Pública. 2003. 19(6): 1611-20.15. Bonfante TM, Silveira GC, Sakae TM et al. Fatores Associados à preferência pelaoperação cesariana entre puérperas de instituição pública e privada. ArquivosCatarinenses de medicina. 2009. 38(1): 26-32.16. Bezerra LC, Oliveira SMJV, Latorre MRDO. Prevalência e fatores associados àprematuridade entre gestantes submetidas à inibição de trabalho de parto prematuro.Rev Bras. Saúde Matern Infant. 2006. 6(2): 223-29.
  14. 14. Incidência e características: cesáreas e partos normais1117. Pierre AMMA, Bastos GZG, Oquendo R, et al. Repercussões Maternas e Perinataisda Ruptura Prematura das Membranas até a 26ª Semana Gestacional. Rev Bras GinecolObstet. 2003. 25(2): 109-14.18. Cunha AA, Portela MC , Amed AM, et al. Modelo Preditivo para Cesariana comUso de Fatores de Risco. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002. 24 (1): 21-28.

×