Extensivo 
Frente: Biologia Animal 
Prof. Adriano Francis Dorigan
Vírus 
Acelulares 
Parasitas Intracelulares Obrigatórios 
Sem Metabolismo Próprio 
Possuem DNA ou RNA 
VÍRUS EBOLA 
TEM RN...
Doença 
Alteração do estado normal de saúde de um ser, que se ma-nifesta 
por sinais ou sintomas, que podem ser perceptíve...
Endemia 
Doença regional em níveis previsíveis. 
Ex: Dengue, Febre Amarela.
Epidemia 
Elevação inesperada no número de doentes em certa 
região. 
Ex: Dengue, Gripe, Ebola.
Pandemia 
Epidemia transcontinental. 
Ex: Gripe Espanhola, AIDS, Tuberculose, Malária, Gripe 
A. 
Gripe Espanhola (1918-19...
Epidemias e Pandemias do Séc. XX e XXI 
Maior Epidemia de Ebola da História 
Vírus que mata 90% dos 
doentes chegou a Euro...
Peter Piot 
Piot (direita) no laboratório em 1976
Rio Ebola do Congo 
Vírus foi batizado com nome de rio para evitar estigma na comunidade
Ano País Casos Mortes % Casos Fatais 
1976 Congo 318 280 88 
1976 Sudão 284 151 53 
1977 Congo 1 1 100 
1979 Gabão-Zaire 3...
Ebola, África Ocidental – 28/08/2014
Ebola: Taxonomia 
Classificação Científica 
Ordem: Mononegavirales 
Família: Filoviridae 
Gênero: Ebolavírus 
Espécie: Ebo...
Transmissão do Vírus Ebola
Filoviridae 
Grupo de vírus mais misterioso. 
Patogênese mal compreendida. 
Morcegos frutíferos hospedeiro natural. 
Endêm...
Estrutura dos Vírus
Estrutura do Vírus Ebola
Ebola Patogênese 
Entra na Corrente Sanguínea 
Vírus na Célula 
RNA liberado Citoplasma 
Novos Genomas Virais
Ebola Patogênese 
Núcleos Virais – produção membrana celular. 
ssRNA- – Genoma Mutações – Adaptável para fugir 
defesas do...
Alvos Patogênese 
Células endoteliais, hepatócitos e fagócitos. 
Células infectadas possuem glicoproteína (GP) que se 
lig...
Ebola - Patogênese
Como o Vírus Ebola Mata
Progressão da Doença
Sintomas Típicos do Ebola 
Taxa de Mortalidade: 
Vírus Zaire: 90% 
Vírus Sudão: 60%
Sintomas
Diagnóstico 
Sintomas iniciais semelhantes outras doenças. 
Confundida com Malária, Febre Tifoide e Influenza. 
Urina e am...
Tratamento 
Não há tratamento padrão disponível. 
Vacinas em testes. 
Os pacientes recebem terapia suporte. 
Tratamento in...
Imunidade 
Imunidade humoral: 
Anticorpos (imunoglobulinas) no plasma. 
Macrófagos Linfócitos T (T4) Linfócitos B Plasmóci...
ZMapp cura 100% de Macacos com Ebola 
ZMapp curou os 18 macacos, após 5º dia de infecção. 
Humanos: de 7 pacientes, 2 mo...
Medidas de Prevenção
Medidas de Prevenção 
Contato Físico Uso EPIs Sangue e Secreções 
Lavar as mãos Medidas controle Ebola Kit
Medidas de Prevenção 
Incinerar Resíduos Desinfecção Cu Isolamento 
Esterilização Corpo Selado Animais de caça
Medidas de Prevenção 
Profissionais da Saúde 
Uso de máscaras e óculos, botas limpas, luvas e camisa 
de manga comprida.
Medidas de Prevenção 
Termômetro infravermelho detecção de sinais de febre.
Medidas de Prevenção 
Não comer 'carne de caça' e morcegos. 
Queimar roupas da pessoa que morreu de Ébola.
Medidas de Prevenção 
Evitar participar de cerimônias fúnebres com vítimas 
de Ebola.
Ebola no Brasil 
O risco de Ebola no Brasil é muito baixo.
OMS 
US$ 490 milhões para tentar conter os 
contágios.
Ebola: Bioterrorismo
Aula  Vírus Ebola
Aula  Vírus Ebola
Aula  Vírus Ebola
Aula  Vírus Ebola
Aula  Vírus Ebola
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula Vírus Ebola

3.156 visualizações

Publicada em

Aula de Atualidades Vírus Ebola, ministrada pelo Adriano no Cursinho Diferencial.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.156
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
145
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Os profissionais de saúde têm sido frequentemente expostos ao vírus ao cuidar de pacientes com Ebola na África. Isso acontece quando eles não usam adequadamente equipamentos de proteção individual, como luvas e máscaras. Os profissionais de saúde devem seguir rigorosamente as precauções de controle de infecção recomendados. Além dos cuidados usuais, os trabalhadores de saúde devem aplicar estritamente as medidas de controle de infecção recomendadas para evitar a exposição a sangue infectado, fluidos ou ambientes ou objetos contaminados - como a roupa suja de um paciente ou agulhas usadas:
    devem usar equipamentos de proteção individual, tais como aventais, luvas, máscaras e óculos de proteção ou protetores faciais; não devem reutilizar equipamentos ou roupas de proteção, a menos que tenham sido devidamente desinfectados; devem trocar as luvas ao passar de um paciente para outro. Procedimentos invasivos que podem expor os médicos, enfermeiros e outros à infecção devem ser realizado sob estritas condições de segurança. Os pacientes infectados devem ser mantidos separados dos outros pacientes e pessoas saudáveis​​, tanto quanto possível.
    A dificuldade de manter esses padrões adequados nos serviços de saúde dos países africanos acometidos tem propiciado a infecção em profissionais de saúde.
  • A Organização Mundial da Saúde não recomenda restrições de viagens para os países que apresentam transmissão porque o risco de infecção para os viajantes é muito baixo, já que a transmissão de pessoa a pessoa só se dá com o contato direto com os fluidos corporais ou secreções de um paciente infectado. Além disso, a transmissão ocorre, principalmente, em vilas e povoados de áreas rurais. Pessoas que viajam a trabalho para as capitais ou cidades desses países devem evitar qualquer contato com animais ou com pessoas doentes. Os profissionais de saúde que viajam para as áreas com transmissão, nesses países, devem seguir estritamente as medidas recomendadas pela OMS para o controle da infecção. Os brasileiros que residem nos países onde há transmissão do Ebola (Libéria, Serra Leoa, Guiné e Nigéria) devem evitar deslocamentos para as áreas rurais e vilas onde estão ocorrendo os casos, ficar alerta às informações e recomendações prestadas pelos Ministérios da Saúde desses países e evitar contato com animais ou pessoas doentes.
  • Tradição de se lavar os familiares falecidos com isso a doença se disseminou muito rápido.
  • Aula Vírus Ebola

    1. 1. Extensivo Frente: Biologia Animal Prof. Adriano Francis Dorigan
    2. 2. Vírus Acelulares Parasitas Intracelulares Obrigatórios Sem Metabolismo Próprio Possuem DNA ou RNA VÍRUS EBOLA TEM RNA
    3. 3. Doença Alteração do estado normal de saúde de um ser, que se ma-nifesta por sinais ou sintomas, que podem ser perceptíveis ou não; enfermidade; mal.
    4. 4. Endemia Doença regional em níveis previsíveis. Ex: Dengue, Febre Amarela.
    5. 5. Epidemia Elevação inesperada no número de doentes em certa região. Ex: Dengue, Gripe, Ebola.
    6. 6. Pandemia Epidemia transcontinental. Ex: Gripe Espanhola, AIDS, Tuberculose, Malária, Gripe A. Gripe Espanhola (1918-1919) Malária no Mundo
    7. 7. Epidemias e Pandemias do Séc. XX e XXI Maior Epidemia de Ebola da História Vírus que mata 90% dos doentes chegou a Europa em garrafas térmicas em 1976. Frasco com amostra de sangue com doença misteriosa foi enviado em voo comercial, vírus foi identificado e batizado por belga. BBC, 23 Julho 2014. http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/07/140721_descobridor_ebola_lab.shtml
    8. 8. Peter Piot Piot (direita) no laboratório em 1976
    9. 9. Rio Ebola do Congo Vírus foi batizado com nome de rio para evitar estigma na comunidade
    10. 10. Ano País Casos Mortes % Casos Fatais 1976 Congo 318 280 88 1976 Sudão 284 151 53 1977 Congo 1 1 100 1979 Gabão-Zaire 34 22 69 1994 Gabão-Zaire 52 31 60 1995 Congo-Zaire 315 254 81 1996 Gabão-Zaire 31 21 68 2000 Uganda-Sudão 425 224 53 2001-2 Gabão-Zaire 65 53 82 2003 Congo-Zaire 202 172 82,2 2005 Congo-Zaire 12 10 83 2007 Congo-Zaire 264 187 71 2008 Congo-Zaire 32 14 44 2012 Uganda-Sudão 24 17 71 2012 Congo-Zaire 57 29 51
    11. 11. Ebola, África Ocidental – 28/08/2014
    12. 12. Ebola: Taxonomia Classificação Científica Ordem: Mononegavirales Família: Filoviridae Gênero: Ebolavírus Espécie: Ebola Subspécies: 5 Tipos - Ebola-Zaire, Ebola-Sudão, Ebola-Costa do Marfim (Doenças em Humanos) - Ebola Reston (Doenças em primatas)
    13. 13. Transmissão do Vírus Ebola
    14. 14. Filoviridae Grupo de vírus mais misterioso. Patogênese mal compreendida. Morcegos frutíferos hospedeiro natural. Endêmico na África. Filamento RNA-
    15. 15. Estrutura dos Vírus
    16. 16. Estrutura do Vírus Ebola
    17. 17. Ebola Patogênese Entra na Corrente Sanguínea Vírus na Célula RNA liberado Citoplasma Novos Genomas Virais
    18. 18. Ebola Patogênese Núcleos Virais – produção membrana celular. ssRNA- – Genoma Mutações – Adaptável para fugir defesas do hospedeiro e mudança ambiental.
    19. 19. Alvos Patogênese Células endoteliais, hepatócitos e fagócitos. Células infectadas possuem glicoproteína (GP) que se ligam a outras células endoteliais PEC, glóbulos brancos entram em colapso provocando liberação de citoquinas.
    20. 20. Ebola - Patogênese
    21. 21. Como o Vírus Ebola Mata
    22. 22. Progressão da Doença
    23. 23. Sintomas Típicos do Ebola Taxa de Mortalidade: Vírus Zaire: 90% Vírus Sudão: 60%
    24. 24. Sintomas
    25. 25. Diagnóstico Sintomas iniciais semelhantes outras doenças. Confundida com Malária, Febre Tifoide e Influenza. Urina e amostras de saliva são amostradas. Teste ELISA.
    26. 26. Tratamento Não há tratamento padrão disponível. Vacinas em testes. Os pacientes recebem terapia suporte. Tratamento infecções. Equilíbrio de fluídos, eletrólitos. Manutenção de O2 e a Pressão Arterial.
    27. 27. Imunidade Imunidade humoral: Anticorpos (imunoglobulinas) no plasma. Macrófagos Linfócitos T (T4) Linfócitos B Plasmócitos Estimula Anticorpos Formação Produção Linfócitos B de memória Anticorpos Imunização Ativa: Artificial: vacina – antígenos atenuados.
    28. 28. ZMapp cura 100% de Macacos com Ebola ZMapp curou os 18 macacos, após 5º dia de infecção. Humanos: de 7 pacientes, 2 morreram. Combinação de 3 anticorpos. http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2014/08/medicamento-experimental-zmapp-cura- 100-de-macacos-com-ebola.html
    29. 29. Medidas de Prevenção
    30. 30. Medidas de Prevenção Contato Físico Uso EPIs Sangue e Secreções Lavar as mãos Medidas controle Ebola Kit
    31. 31. Medidas de Prevenção Incinerar Resíduos Desinfecção Cu Isolamento Esterilização Corpo Selado Animais de caça
    32. 32. Medidas de Prevenção Profissionais da Saúde Uso de máscaras e óculos, botas limpas, luvas e camisa de manga comprida.
    33. 33. Medidas de Prevenção Termômetro infravermelho detecção de sinais de febre.
    34. 34. Medidas de Prevenção Não comer 'carne de caça' e morcegos. Queimar roupas da pessoa que morreu de Ébola.
    35. 35. Medidas de Prevenção Evitar participar de cerimônias fúnebres com vítimas de Ebola.
    36. 36. Ebola no Brasil O risco de Ebola no Brasil é muito baixo.
    37. 37. OMS US$ 490 milhões para tentar conter os contágios.
    38. 38. Ebola: Bioterrorismo

    ×