Analise de investimento

4.907 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Analise de investimento

  1. 1. ATRIBUIÇÕES DO ADMINISTRADOR FINANCEIRO DE UMA EMPRESA
  2. 2. Análise de registros e informações contábeis. Aqui fica caracterizado o papel da contabilidade como principal fonte de dados internos para as tarefas a serem desempenhadas pela administração financeira;
  3. 3. Projeção do movimento de fundos. O objetivo nesta atividade é aferir o grau de liquidez da empresa e verificar se a empresa terá condições de manter-se em funcionamento cobrindo os seus compromissos ex-ternos de pagamento e fornecendo os recursos para sustentar o nível previsto de operações.
  4. 4. Aplicação de fundos excedentes, com o maior rendimento possível e com velocidade de resgate suficientemente grande para recuperar o dinheiro, caso surja necessidade. E a política que decorre da situação de liquidez excessiva.
  5. 5. Fornecimento à alta administração de informações sobre as perspectivas financeiras futuras da empresa. Estas informações ajudam a toma-da de decisões de compra, comercialização de produtos ou serviços, fixação de preços, etc Elaboração de planos para fontes e usos de fundos, a curto e a longo prazos, levando-se em conta os custos das fontes e os lucros possibilitados pelas aplicações. Neste caso, a principal diretriz de raciocínio é o conjunto dos objetivos gerais da empresa, fixados pela alta administração.
  6. 6. Objetivos da função financeira A definição anterior deixa bem claro que o objetivo básico implícito nas decisões de administração financeira é a maior rentabilidade possível sobre o investimento efetuado por indivíduos ou instituições caracterizados como proprietários — acionistas ordinários, no caso de uma sociedade anônima.
  7. 7. Avaliação de alternativas de aplicação em ações, segundo os dividendos estimados para o futuro. Empresa A B C 1 0,06 0,10 0,20 2 0,10 0,10 0,08 3 0,14 0,10 0,02 TOTAL 0,30 0,30 0,30 Ano
  8. 8. VISAO GERAL DAS PREOCUPAÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO
  9. 9. Planejamento dos Investimentos de Capital • A atividade de investir em novos ativos, geralmente, é que determina o Orçamento de Capital e envolve o planejamento dos investimentos de capital e a determinação dos financiamentos dessas saídas
  10. 10. DECISÕES DE INVESTIMENTO DE CAPITAL • 1.envolvem o comprometimento de grandes somas de dinheiro; • 2. esse comprometimento é feito por um grande período de tempo e o elemento de incerteza é, por essa razão, muito maior do que no caso de decisões, cujos efeitos estão limitados a um curto período de tempo; • 3. as decisões de investimento, uma vez tomadas, são quase impossíveis de ser revertidas se, por acaso, provarem ter sido tomadas erroneamente;
  11. 11. • 4. existem mesmo ocasiões em que o sucesso ou o fracasso da firma pode depender de uma única decisão. Em todos os casos, entretanto, a lucratividade futura da firma será afetada por essas decisões; e • 5. a política de gastos de capital não é somente de máxima importância para a firma, mas também tem grande significado para o setor, e mesmo para a economia nacional.
  12. 12. TIPOS DE DECISÕES DE INVESTIMENTO DE CAPITAL • 1. aquisição de ativos de longa duração, como imóveis ou maquinários; • 2. investimento em outros fundos, dos quais as receitas serão derivadas; • 3.um projeto especial, que afetará a capacidade futura de ganho da firma, com projetos de pesquisa ou uma campanha promocional; e • 4.ampliação do leque de atividades da firma, que envolva saídas de capital, como uma nova linha de produção ou mesmo um novo produto.
  13. 13. As decisões de investimento de capital englobam dois aspectos da lucratividade de longo prazo: • primeiro, a estimativa do aumento dos fluxos de caixa líquidos ou das economias nas saídas de caixa que resultarão desse investimento e; • segundo, o cálculo do total das saídas de caixa necessárias para efetivar o investimento.
  14. 14. ANALISE DAS PROPOSTAS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL • Nesta análise, muitos dos fatos importantes são incertos; assim, o primeiro problema é reduzir a área de incerteza antes de a decisão ser tomada. • O segundo problema é assegurar-se de que todos os fatos conhecidos estão corretamente determinados e quantificados.
  15. 15. -Tanto os fatos conhecidos como os incertos são estimados em termos de caixa, e os métodos de estimativa de investimento de capital centram-se nos fluxos de caixa. - A seleção dos projetos de investimento é sempre uma questão de descobrir qual dentre as alternativas que se apresentam é melhor segundo o ponto de vista da firma.
  16. 16. 7.1 - Orçamento de capital 7.2 - Fluxo de caixa 7.3 - Análise de investimentos • Tipos de projetos • Taxa mínima de atratividade • Métodos de avaliação
  17. 17. Orçamento de capital O “orçamento de capital” é o processo de avaliação e seleção de projetos de investimentos de longo prazo.
  18. 18. 7.1 - Orçamento de capital ETAPAS DO ORÇAMENTO DE CAPITAL
  19. 19. Fluxo de caixa VARIÁVEIS DO FLUXO DE CAIXA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTOS Fluxo de caixa residual Entradas de caixa Ano 0 Investimento inicial 1 2 3 4 5
  20. 20. Fluxo de caixa • • • • Exemplo: Empresa: ABC S.A. Projeto Gama Desenvolvimento de um novo produto – Vida útil de 5 anos – Investimento Inicial com a aquisição de uma nova máquina • Valor de aquisição: R$ 150.000,00 • Não haverá venda de ativos antigos • Acréscimo de capital de giro: R$ 30.000,00
  21. 21. Fluxo de caixa Fluxo de caixa do Projeto Gama Ano 0 R$ 25.400 Receita líquida (–) Custos e despesas (=) Lucro antes dos juros e do IR (–) De spesas financeiras (=) Lucro antes do IR (–) Imposto de renda (35%) (=) Lucro após o IR (+) Depreciação (–) Amortização de empréstimos (+) Fluxo de caixa residual (=) ENTRADAS LÍQUIDAS DE CAIXA (1) Custos com a aquisição e instalação (+) Receita líquida de venda de ativos antigos (+) Acréscimo do capital de giro (=) INVESTIMENTO INICIAL (2) (180.000) 43.275 82.600 64.725 Ano 5 R$ 200.000 (162.000) 38.000 0 38.000 (13.300) 24.700 15.000 0 75.000 114.700 25.400 43.275 82.600 64.725 114.700 (150.000) 0 (30.000) (180.000) FLUXO DE CAIXA (3 = 1 + 2) Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 R$ R$ R$ R$ 160.000 210.000 320.000 270.000 (144.000) (166.500) (216.000) (193.500) 16.000 43.500 104.000 76.500 0 0 0 0 16.000 43.500 104.000 76.500 (5.600) (15.225) (36.400) (26.775) 10.400 28.275 67.600 49.725 15.000 15.000 15.000 15.000 0 0 0 0
  22. 22. Análise de investimentos • TIPOS DE PROJETOS – Projetos independentes – Projetos mutuamente excludentes – Projetos contingentes
  23. 23. Análise de investimentos • TAXA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE (TMA) – Compreende a taxa mínima de retorno que cada projeto deve proporcionar para remunerar o capital nele investido. • Corresponde ao custo marginal ponderado de capital (CMgPC) (Custo de capital do projeto).
  24. 24. Análise de investimentos  Em geral, as empresas não dispõem de recursos suficientes para implementar todos os projetos considerados viáveis.  Assim, vários métodos permitem classificar os projetos a fim de auxiliar o processo decisório: • Pay-back • Valor Presente Líquido (VPL) • Taxa Interna de Retorno (TIR)
  25. 25. Análise de investimentos  PAY-BACK  O pay-back ou prazo de retorno representa o tempo necessário (anos, meses e dias) para recuperar o investimento inicial.  Em geral, é fixado um prazo limite, que serve como referência para julgamento de atratividade.
  26. 26. Análise de investimentos PAY-BACK EXEMPLO: Fluxo de Caixa do Projeto Gama Ano 0 1 2 3 4 5 Fluxo de caixa R$ (180.000) 25.400 43.275 82.600 64.725 114.700 Fluxo acumulado R$ (180.000) (154.600) (111.325) (28.725) 36.000 150.700 O investimento inicial seria recuperado durante o quarto ano. Dividindo o fluxo de caixa do quarto ano por 360 (dias), tem-se a entrada diária (R$ 64.725 / 360 = R$ 179,79167 Dividindo o fluxo de caixa acumulado até o terceiro ano pelas entradas diárias, obtém-se o quociente que representa o número de dias restantes ( - R$ 28.725 / R$ 179,69167 = 160 dias) O pay-pack desse fluxo será de 3 anos, 5 meses e 10 dias.
  27. 27. Análise de investimentos PAY-BACK Restrições 1. Não considera os fluxos de caixa dos projetos após o período de pay-back. 2. Não considera o valor do dinheiro no tempo. a. Alternativamente, pode-se descontar o fluxo de caixa para a data do investimento inicial.
  28. 28. Análise de investimentos VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)  O valor presente líquido é a diferença entre o valor descontado do fluxo de caixa para a data do investimento inicial e o valor do investimento inicial de um projeto. Anos I. I. 0 1 2 3 4 5 6 VP1 VP2 VP3 VP4 VP5 VP6 ΣVP VPL = – I.I. + ΣVP FC1 FC 2 FC 3 FCn VPL = − I .I . + + + + ... + 1 2 3 (1 + k ) (1 + k ) (1 + k ) (1 + k ) n
  29. 29. Análise de investimentos VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)  A princípio, todos os projetos que apresentarem VPL ≥ 0 podem ser aceitos, pois geram retorno igual ou maior que o custo de capital.  Quando um projeto apresenta VPL < 0, seu retorno é inferior a seu custo de capital e ele deixa de ser atrativo.
  30. 30. Análise de investimentos VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)  EXEMPLO: A empresa Rio Grande S.A. decidirá, com base no VPL, entre dois projetos mutuamente excludentes, A e B. O custo de capital para esses projetos é de 18% ao ano. Ano 0 1 2 3 4 5 6 Projeto A PROJETO B Fluxo de Fluxo de caixa caixa R$ R$ (140.000) (180.000) 40.000 50.000 40.000 55.000 45.000 60.000 45.000 65.000 50.000 70.000 60.000 70.000
  31. 31. Análise de investimentos VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) VPL A = − 140.000 + 40.000 40.000 45.000 45.000 50.000 60.000 + + + + + (1 + 0,18)1 (1 + 0,18) 2 (1 + 0,18) 3 (1 + 0,18) 4 (1 + 0,18) 5 (1 + 0,18) 6 = – 140.000 + 157.306 = R$ 17.306,00 VPL B = − 180.000 + 50.000 1 (1 + 0,18) = – 180.000 + 208.445 = R$ 28.445,00 + 55.000 (1 + 0,18) 2 + 60.000 (1 + 0,18) 3 + 65.000 (1 + 0,18) 4 + 70.000 (1 + 0,18) 5 + 70.000 (1 + 0,18) 6
  32. 32. Análise de investimentos TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR)  A Taxa Interna de Retorno é uma taxa de desconto que iguala o valor presente de todas as entradas de caixa ao valor do investimento inicial de um projeto. FC1 FC 2 FC 3 FCn 0 = −I .I . + + + + ... + 1 2 3 (1 + TIR ) (1 + TIR ) (1 + TIR ) (1 + TIR ) n Um projeto somente é atrativo quando sua TIR for maior ou igual a seu custo de capital. Quando um projeto apresenta TIR menor que seu custo de capital, ele deixa de ser atrativo.
  33. 33. 7.3 - Análise de investimentos TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR)  EXEMPLO: A empresa Rio Grande S.A. decidirá, com base na TIR, entre dois projetos mutuamente excludentes, X e Y. O custo de capital para esses projetos é de 22% ao ano. ANO 0 1 2 3 4 5 PROJETO X PROJETO Y Fluxos de Fluxos de caixa caixa (180.000) (150.000) 50.000 30.000 60.000 50.000 70.000 70.000 80.000 90.000 90.000 110.000
  34. 34. 7.3 - Análise de investimentos TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) O = − 180.000 + 50.000 1 (1 + TIR ) + 60.000 (1 + TIR ) 2 + 70.000 (1 + TIR ) 3 + 80.000 (1 + 0,18) 4 + 90.000 (1 + TIR ) 5 TIRX = 24,14% O = − 150.000 + TIRY = 28,78% 30.000 1 (1 + TIR ) + 50.000 (1 + TIR ) 2 + 70.000 (1 + TIR ) 3 + 90.000 (1 + 0,18) 4 + 110.000 (1 + TIR ) 5
  35. 35. Análise de investimentos VPL ou TIR ?    Quando se trata de projetos independentes, o emprego de um ou outro método leva à mesma decisão tanto para aceitar como para rejeitar projetos. Decisões equivocadas podem ocorrer com projetos mutuamente excludentes, pois um projeto selecionado com a TIR pode ser rejeitado pelo VPL. Exemplo: Projetos R e S Ano 0 1 2 3 Projeto R Fluxo de caixa R$ (110.000) 50.000 50.000 50.000 Projeto S Fluxo de caixa R$ (110.000) 15.000 50.000 95.000
  36. 36. 7.3 - Análise de investimentos VPL ou TIR ? Projeto R TIR VPL Com custo de capital de 12% Com custo de capital de 16% Projeto S Projeto Aprovado 17,27% 16,41% R R$ 10.092,00 R$ 2.294,00 R$ 10.872,00 R$ 952,00 S R
  37. 37. Análise de investimentos PREMISSAS DO VPL E DA TIR  As entradas líquidas de caixa dos projetos representam a recuperação dos investimentos inicialmente efetuados neles. • Assim, podemos considerar que tais valores não serão, necessariamente, reinvestidos nos próprios projetos. • Desse modo, a remuneração do reinvestimento desses recursos poderá ser diferente do custo de capital utilizado para descontar o fluxo de caixa do projeto.  Entretanto, está implícito nos métodos VPL e TIR que os fluxos de caixa dos projetos serão reinvestidos da seguinte forma: • TIR — os fluxos de caixa são reinvestidos pela própria TIR dos projetos • VPL — os fluxos de caixa são reinvestidos pelo custo de capital dos projetos
  38. 38. Análise de investimentos TAXA INTERNA DE RETORNO MODIFICADA (TIRM) O método TIR considera que os fluxos de caixa são reinvestidos na empresa pela própria TIR do projeto e não pelo custo de capital da empresa. A TIR modificada procura corrigir esse problema. Para calcular a TIR modificada, inicialmente, devem ser capitalizados os valores de cada entrada de caixa para a data final do projeto, empregando o custo de capital do projeto. Feito isso, o próximo passo é encontrar a taxa de desconto que iguala esse montante capitalizado, com o valor do investimento inicial.
  39. 39. 7.3 - Análise de investimentos TAXA INTERNA DE RETORNO MODIFICADA (TIRM) EXEMPLO Ano 0 1 2 3 4 5 Projeto P Fluxo de caixa R$ (200.000) 60.000 70.000 80.000 90.000 100.000 60.000 0 1 70.000 80.000 2 -200.000 3 90.000 100.000 4 5 100.000 106.200 111.392 115.012 116.327 200.000 VPL = –200.000 + 200.000 VPL = 0 548.931 A TIRM desse projeto é 22,38%

×