SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
ADRIANNA BARRETO
 ADRIANNE MENDONÇA
MARICELLY MASCIMENTO
    LIDIANE VIEIRA
        SIMONI
   São micronutrientes necessários a varias
    atividades metabólicas do organismo
    humano e, em geral componentes naturais
    dos alimentos.
ETIOLOGIA

       A vitamina A é um álcool insaturado
lipossolúvel, armazenado no organismo sob forma de
éster.
       Na natureza encontram-se sob a forma de
pigmentos (carotenóides) encontrados nos vegetais.
Nos animais encontram-se na forma pré-formada
(ésteres de retinil) .
       Na Desnutrição Protéico-calórica, o transporte
de Retinol é prejudicado pela carência da RBR (retinol
blinding protein), proteína que transporta o retinol no
plasma.
       Ocorre deficiência de vitamina A em pacientes
portadores de Síndromes de mal absorção, doenças
hepáticas e pancreáticas.
RAQUITISMO POR DEFICIÊNCIA DE VITAMINA D
                                              Prof. Antônio Clovis Oliveira
                                                                    UCPel



 O raquitismo é uma afecção do esqueleto em crescimento, que se
caracteriza por uma diminuição da mineralização da matriz proteica
          ossea, tornando-o frágil e facilmente deformável.
ETIOLOGIA

Vitamina D - - vegetal - D2- ( calciferol )
           - - animal - D3- ( colecalciferol )


Pele
        7 deidrocolesterol raios ultravioletas___Vitamina D
Dieta

         A vit. D é absorvida pelos linfáticos na presença de bile,
vai ao fígado onde é hidrolisada ( 25 OH colecalciferol) e
posteriormente no túbulo proximal renal sofre uma segunda
hidroxilação ( 1, 25 diidroxicalciferol)
.
         1, 25 diidroxicalciferol é a forma ativa da vit. D e
promove o transporte intestinal de calcio, aumenta reabsorção
tubular de calcio e tem ação sinérgica com PTH.
Quando o produto Ca X P (mg%) é inferior
a 30 não costuma ocorrer mineralização óssea e
quando superior a 40 ocorre a mineralização.
Observe que isto é dependente da velocidade de
crescimento ósseo.
CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA


a ) Sensível a Vitamina D

b ) Resistente a Vitamina D
QUADRO CLÍNICO

Ë variável e depende de:
         a ) grau de deficiência e atividade do processo
         b ) idade e desenvolvimento motor e esquelético
Incide no período de maior velocidade de crescimento ( primeiros 2
anos de vida)
Atinge mais intensamente aquelas regiões do esqueleto onde
existe crescimento mais rápido.

       Crânio - primeiro semestre
       tórax  - segundo semestre
       membros - após 1 ano de idade
Sintomas gerais:


     irritabilidade
     redução do sono
     sudorese (região cefálica)
     retardo DNPM
Alterações ósseas:
        fechamento retardado da fontanela anterior
        “Caput cuadratum”
        craniotabes
        dentição atrasada e irregular
        rosário raquítico
        sulco de Harrison
        tórax em peito de pombo
        alargamento epifisário
        encurvamento da diáfise
        fraturas (galho verde)
        coluna: pequenos graus de escoliose
        cintura pélvica: pelve pequena e projeção anterior do
promontório e deslocamento sagital da porção caudal do sacro e do
cóccix
        músculos e ligamentos: ligamentos frouxos, débeis e
relaxados. Hipotonia muscular e diminuição de força
        outros órgãos: esplenomegalia e adenomegalias
MANIFESTAÇÕES
         BIOQUÍMICAS

   hipofosfatemia
   cálcio normal ou no limite do
normal
   fosfatase alcalina (AFA)
elevada
   Excreção urinária de fósforo
normal ou elevada
MANIFESTAÇÕES RADIOLÓGICAS

       aumento do espaço interarticular
       alargamento das epífises
       borramento ou perda dos limites ósseos em
relação a metáfise
       osteoporose
       duplo contorno nas diáfises
       encurvamento diafisário
       fraturas em “galho verde”
DIAGNÓSTICO

    clínico: anamnese e exame físico
    dados bioquímicos
    dados radiológicos
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

    Escorbuto
    Osteogenese imperfeita
    Condrodistrofias e disostoses ósseas
    Sífilis
TRATAMENTO

     VITAMINA D –

     5000 - 10000 UI/dia por 4 a 6 semanas com
pausa de 2 semanas, até a cura completa.

     600000 UI em dose única. Pode-se repetir
em 3 a 4 meses.
Intoxicação pela vit. D

              anorexia rebelde
              constipação intestinal
              perda de peso
              sinais de esclerose renal
                     polidipsia
                     poliúria
                     albuminúria
                     cilindrúria
              hipercalcificação óssea
              hipercalciúria
              hipercalcemia
PROFILAXIA

     dieta adequada
     exposição solar
     vit. D - 400 - 800 UI/dia



Leitura recomendada:
Pediatria Básica - Eduardo Marcondes
VITAMINA A
HIPOVITAMINOSE A
      Incide mais freqüentemente nos lactentes e pré-
escolares. É endêmica no nordeste brasileiro.
      Os sinais clínicos da hipovitaminose A estão
quase sempre acompanhados das manifestações de
DESNUTRIÇÃO PROTEICO-CALÓRICA.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

        Pode manifestar-se desde um estado de depleção
das reservas, sem manifestações clínicas ou uma menor
adaptação retinal a luz, até lesões destrutivas da
córnea.
        A alteração mais precoce é a cegueira noturna
(hemeralopia), seguindo pode aparecer a xerose
conjuntival (manchas de BITOT); manchas branco
acinzentadas de aspecto caseoso ou espumoso
parecendo em discreto relevo sobre a superfície
conjuntival da esclerótica.
        A continuidade da carência leva a lesões da
córnea, inicialmente a xerose podendo-se seguir a
formação e úlcera e a perfuração. Na queratomalacia
ocorrem necrose da córnea e extrusão do conteúdo intra-
ocular.
A xerodermia e a hiperqueratose folicular – frinoderma
– mais encontrado na superfície de extensão dos membros
superiores e inferiores – aspecto de “linha grossa”.
       Parada de crescimento
       Retardo mental
       Alterações epiteliais e deficiências de imunidade
celular predispõem à infecções.
       Anemia e hepatoesplenomegalia estão
freqüentemente associadas.
       Os níveis plasmáticos de retinol se acham abaixo
de 20 mcg/dL
PROFILAXIA
         Nos lactentes o Aleitamento Materno supre
totalmente as necessidades de vitamina A..
         1500 a 2000 UI/dia nos casos de aleitamento
artificial.
         2000 a 5000 UI/dia em crianças maiores, o que pode
ser suprido com uma dieta rica em vegetais, frutas,
vísceras animais, ovo etc..
         100000 UI (v.o.) 4 vezes ao ano ás crianças e
mães puérperas em lactação nas zonas endêmicas.
(OMS).
TRATAMENTO

      Casos frustros: Correção dietética.

      Formas leves (cegueira noturna): 100000 UI por
V.O.em dose única tanto na forma oleosa ou hidromiscível.

       Formas graves (acometimento da córnea) : 100000
UI por via IM (forma hidromiscível) por 2 dias consecutivos.
       25000 a 50000 UI/dia (esquema clássico) até a cura
das lesões oculares ou cutâneas.

       Por ser lipossolúvel a vitamina A em doses elevadas
pode se armazenar no organismo levando a um quadro de
intoxicação.
HIPERVITAMINOSE A



A Intoxicação por vitamina A pode manifestar-se de

             forma aguda ou crônica.
Aguda

 Manifesta-se em geral com doses acima de
 300000 UI e ocasiona hipertensão intra-craniana.
(pseudo-tumor cerebral)
Crônica
Manifesta-se em geral com doses superiores a 20000
UI/dia por tempo prolongado e consta de:

      Irritabilidade, insônia, anorexia, hepatomegalia,
queda dos cabelos, descamação cutânea, tumefações
dolorosas dos ossos (hiperostose cortical).
Carotenodermia

 A ingestão excessiva de carotenos não leva à
intoxicação, mas a coloração amarelada da pele, mas
não na esclerótica, sem outros sintomas
SAIS MINERAIS
   O que são Sais Minerais?
       Os minerais são nutrientes que tem função de regular nosso
    organismo, o funcionamento do metabolismo e participando da
          estruturação do organismo (constituindo os ossos) .
Principais Sais Minerais

*Cálcio (Ca)        *Fósforo (P)


*Potássio (K)       *Enxofre (S)


*Sódio (Na)         *Magnésio (Mg)


*Ferro (Fe)         *Cobre (Cu)


*Zinco (Zn)         *Selênio (Se)


*Cromo (Cr)
A divisão dos Sais Minerais é dada por dois grupos: os Macrominerais e os
Microminerais.
Os Macrominerais, são nutrientes que é necessário ingeri-los em grandes quantidades
(100 mg/dia ou mais).
Já os Microminerais, são necessários apenas pequenas quantidades para o nosso
organismo.

Macronutrientes:
Cálcio, Fósforo, Sódio, Potássio, Cloro, Magnésio e Enxofre.

Micronutrientes:
Ferro, Cobre, Cobalto, Zinco, Manganês, Iodo, Selênio e Flúor.
Diferentemente dos carboidratos, lipídios e proteínas, os sais minerais são
substâncias inorgânicas, ou seja, não podem ser produzidos por seres vivos. Como o
corpo não é capaz de produzir minerais, eles devem ser ingeridos através de uma
alimentação que forneça quantidades adequadas destas substâncias. Caso haja
excesso, este será eliminado através das fezes e da urina.




          Sua maior parte está concentrada nos ossos. Entre os mais conhecidos
estão o cálcio, o fósforo, o potássio, o enxofre, o sódio, o magnésio, o ferro, o
cobre, o zinco, o selênio, o cromo, etc.



                                                           Cálcio é necessário
                                                           para os nossos ossos
Cálcio
Leite e derivados, couve, espinafre e brócolis.


Fósforo
Carnes, ovos, cereais, etc.


Ferro
Carnes em geral, fígado, gema de ovo, aveia, feijão, aspargos, etc.


Iodo
Alface, alho, cebola, cenoura, ervilha, tomate, peixes, etc.
Potássio
Banana, melão, batata, ervilha, tomate, frutas cítricas, etc.


Magnésio
Verduras, maçã, figo, nozes, etc.


Manganês
Cereais integrais, amendoim, nozes, feijão, arroz integral, banana, alface, beterraba,
milho.

Silício
Amora, aveia, escarola, alface, abóbora, azeitona, cebola


Zinco
Carnes em geral, ovos, peixes, castanha do Pará, ervilha, etc.
Flúor
Agrião, alho, aveia, brócolis, beterraba, cebola, couve-flor, maçã, trigo integral

Cobre
Fígado, trigo integral, ervilhas, amendoim, nozes, etc.


Sódio
Sal de cozinha, algas marinhas, etc.


Enxofre
Carnes, peixes, ovos, feijão, repolho, brócolis, cebola, alho, germe de trigo, etc.
Cálcio
Deformações ósseas; enfraquecimento dos dentes.


Fósforo
Maior probabilidade de ocorrência de fraturas; músculos atrofiados; alterações
nervosas; raquitismo.


Ferro
Anemia.


Iodo
Bócio; obesidade, cansaço.
Cloro
É difícil haver carência de cloro, pois existe em quase todos os vegetais; o excesso de
cloro destrói a vitamina E e reduz a produção de iodo.


Potássio
Diminuição da atividade muscular, inclusive a do coração.


Magnésio
Provoca extrema sensibilidade ao frio e ao calor.


Flúor
A necessidade de flúor é muito pequena; ele é recomendado apenas para gestantes
para crianças durante a formação da segunda dentição.


Sódio
Cãibras e retardamento na cicatrização de feridas.
Zinco
Diminui a produção de hormônios masculinos e favorece o diabete.




   Centrum, Suplementos em geral, Calcitran, Calcitin, Farmaton...
Estas substâncias inorgânicas possuem funções muito
importantes no corpo e a falta delas pode gerar desequilíbrios na
saúde. Contudo, há alguns minerais como, por exemplo, o alumínio e o
boro, que podem estar presentes no corpo sem nenhuma função.

                              Se ingerirmos em excesso os sais minereis, mais
                     do que normalmente nosso corpo pede por dia, ele acaba
                     saindo por meio da urina ou das fezes.
   Definição: são compostos de uma base nitrogenada, uma
    pentose e um ou mais grupos fosfatos
   Quando na ausência do grupo fosfato, são chamados de
    nucleosídeos
   Importancia:
   Participam de vários processos bioquímicos
   São essenciais para o funcionamento do organismo
   Atuam como precursores dos ácidos desoxirribonucléico
    (DNA) e ácido ribonucléico (RNA)
   Fonte de energia
   Reguladores fisiológicos
   Não são considerados como essenciais
   Nucleotídeos dietéticos:

   São considerados de grande importância para o organismo

   Participam da divisão celular, do crescimento celular e da
    modulação do sistema imunológico

   Ajudam na manutenção da saúde intestinal
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos
Vitaminas sais e nucleotideos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1º ano- Aula Sais minerais
1º ano- Aula Sais minerais1º ano- Aula Sais minerais
1º ano- Aula Sais mineraisAline Tonin
 
002 compostos inorgânicos
002   compostos inorgânicos002   compostos inorgânicos
002 compostos inorgânicosCIN
 
Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1R C
 
1 colegial-3-bimestre-2009
1 colegial-3-bimestre-20091 colegial-3-bimestre-2009
1 colegial-3-bimestre-2009Richele Soares
 
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioCálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioPatricia Nunes
 
Magnésio, sódio e potássio
Magnésio, sódio e potássioMagnésio, sódio e potássio
Magnésio, sódio e potássioMarcelo Costa
 
Alimentos e nutrientes
Alimentos e nutrientesAlimentos e nutrientes
Alimentos e nutrientesanapaulavilas
 
Nh aula 3.3 - minerais
Nh   aula 3.3 - mineraisNh   aula 3.3 - minerais
Nh aula 3.3 - mineraisEric Liberato
 
Alimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientesAlimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientesMaria Pontes
 
Lipídios, proteínas, vitaminas e ácidos nucleicos.
Lipídios, proteínas, vitaminas e ácidos nucleicos.Lipídios, proteínas, vitaminas e ácidos nucleicos.
Lipídios, proteínas, vitaminas e ácidos nucleicos.Alice Amorim
 
Apresentação macro e micro nutrientes e vitaminas
Apresentação macro e micro nutrientes e vitaminasApresentação macro e micro nutrientes e vitaminas
Apresentação macro e micro nutrientes e vitaminasR1odr2igo
 
Sais minerais, carboidratos e lipídeos
Sais minerais, carboidratos e lipídeosSais minerais, carboidratos e lipídeos
Sais minerais, carboidratos e lipídeosAlim Senna
 
QuíM. De Alim. I Minerais
QuíM. De Alim. I   MineraisQuíM. De Alim. I   Minerais
QuíM. De Alim. I MineraisRicardo Stefani
 

Mais procurados (20)

1º ano- Aula Sais minerais
1º ano- Aula Sais minerais1º ano- Aula Sais minerais
1º ano- Aula Sais minerais
 
002 compostos inorgânicos
002   compostos inorgânicos002   compostos inorgânicos
002 compostos inorgânicos
 
Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1Ortomolecular em esteticismo1
Ortomolecular em esteticismo1
 
1 colegial-3-bimestre-2009
1 colegial-3-bimestre-20091 colegial-3-bimestre-2009
1 colegial-3-bimestre-2009
 
Cálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e MagnesioCálcio, Fosforo e Magnesio
Cálcio, Fosforo e Magnesio
 
Módulo 6 – alimentos e nutrientes.alpha.2015
Módulo 6 – alimentos e nutrientes.alpha.2015Módulo 6 – alimentos e nutrientes.alpha.2015
Módulo 6 – alimentos e nutrientes.alpha.2015
 
Slides pss ii alimentos e nutrientes
Slides pss ii alimentos e nutrientesSlides pss ii alimentos e nutrientes
Slides pss ii alimentos e nutrientes
 
Vitamina D
Vitamina DVitamina D
Vitamina D
 
Magnésio, sódio e potássio
Magnésio, sódio e potássioMagnésio, sódio e potássio
Magnésio, sódio e potássio
 
Alimentos e nutrientes
Alimentos e nutrientesAlimentos e nutrientes
Alimentos e nutrientes
 
Nh aula 3.3 - minerais
Nh   aula 3.3 - mineraisNh   aula 3.3 - minerais
Nh aula 3.3 - minerais
 
Alimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientesAlimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientes
 
Lipídios, proteínas, vitaminas e ácidos nucleicos.
Lipídios, proteínas, vitaminas e ácidos nucleicos.Lipídios, proteínas, vitaminas e ácidos nucleicos.
Lipídios, proteínas, vitaminas e ácidos nucleicos.
 
Vitamina D
Vitamina DVitamina D
Vitamina D
 
Apresentação macro e micro nutrientes e vitaminas
Apresentação macro e micro nutrientes e vitaminasApresentação macro e micro nutrientes e vitaminas
Apresentação macro e micro nutrientes e vitaminas
 
Sais minerais, carboidratos e lipídeos
Sais minerais, carboidratos e lipídeosSais minerais, carboidratos e lipídeos
Sais minerais, carboidratos e lipídeos
 
Cálcio e fósforo
Cálcio e fósforoCálcio e fósforo
Cálcio e fósforo
 
Aula03 bioquimica cont
Aula03 bioquimica contAula03 bioquimica cont
Aula03 bioquimica cont
 
Aula02 bioquimica
Aula02 bioquimicaAula02 bioquimica
Aula02 bioquimica
 
QuíM. De Alim. I Minerais
QuíM. De Alim. I   MineraisQuíM. De Alim. I   Minerais
QuíM. De Alim. I Minerais
 

Semelhante a Vitaminas sais e nucleotideos

Semelhante a Vitaminas sais e nucleotideos (20)

Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
aula vitaminas e minerais.pdf
aula vitaminas e minerais.pdfaula vitaminas e minerais.pdf
aula vitaminas e minerais.pdf
 
Macrominerais na alimentação de Ruminantes
Macrominerais na alimentação de RuminantesMacrominerais na alimentação de Ruminantes
Macrominerais na alimentação de Ruminantes
 
Estudo dirigido gabarito
Estudo dirigido gabaritoEstudo dirigido gabarito
Estudo dirigido gabarito
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Alimentação+equilibrada
Alimentação+equilibradaAlimentação+equilibrada
Alimentação+equilibrada
 
Vitaminas Complexo B, zinco e sódio
Vitaminas Complexo B, zinco e sódioVitaminas Complexo B, zinco e sódio
Vitaminas Complexo B, zinco e sódio
 
Micronutrientes
MicronutrientesMicronutrientes
Micronutrientes
 
Hipovitaminoses
HipovitaminosesHipovitaminoses
Hipovitaminoses
 
Trabalho bioquímica
Trabalho bioquímicaTrabalho bioquímica
Trabalho bioquímica
 
Slides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentação
 
Aula 2.pptx
Aula 2.pptxAula 2.pptx
Aula 2.pptx
 
DISTÚRBIO DE CÁLCIO
DISTÚRBIO DE CÁLCIODISTÚRBIO DE CÁLCIO
DISTÚRBIO DE CÁLCIO
 
Aula 04 - Vitaminas.ppt
Aula 04 - Vitaminas.pptAula 04 - Vitaminas.ppt
Aula 04 - Vitaminas.ppt
 
Oligoelementos
OligoelementosOligoelementos
Oligoelementos
 
A vitad
A vitadA vitad
A vitad
 

Mais de Adrianne Mendonça (20)

Lei de hess
Lei de hessLei de hess
Lei de hess
 
Fissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclearFissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclear
 
Ponto crítico de uma função derivável
Ponto crítico de uma função derivávelPonto crítico de uma função derivável
Ponto crítico de uma função derivável
 
Cálculo (DERIVADAS)
Cálculo (DERIVADAS)Cálculo (DERIVADAS)
Cálculo (DERIVADAS)
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
 
Determinação de calcio no leite
Determinação de  calcio no leiteDeterminação de  calcio no leite
Determinação de calcio no leite
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
Cnidários ou celenterados
Cnidários  ou  celenteradosCnidários  ou  celenterados
Cnidários ou celenterados
 
Biologia molecular bioquímica (compostos inorgânicos)
Biologia molecular   bioquímica (compostos inorgânicos)Biologia molecular   bioquímica (compostos inorgânicos)
Biologia molecular bioquímica (compostos inorgânicos)
 
Anagramas
AnagramasAnagramas
Anagramas
 
Produto de solubilidade
Produto de solubilidadeProduto de solubilidade
Produto de solubilidade
 
Reaçoes quimicas
Reaçoes quimicasReaçoes quimicas
Reaçoes quimicas
 
Matemática financeira
Matemática financeiraMatemática financeira
Matemática financeira
 
Tecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdfTecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdf
 
Ciclos biogeoquímicos pdf
Ciclos biogeoquímicos pdfCiclos biogeoquímicos pdf
Ciclos biogeoquímicos pdf
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Mruv – exercícios
Mruv – exercíciosMruv – exercícios
Mruv – exercícios
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
 
Química orgânica módulo 2
Química  orgânica módulo 2Química  orgânica módulo 2
Química orgânica módulo 2
 

Último

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 

Último (20)

19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 

Vitaminas sais e nucleotideos

  • 1. ADRIANNA BARRETO ADRIANNE MENDONÇA MARICELLY MASCIMENTO LIDIANE VIEIRA SIMONI
  • 2. São micronutrientes necessários a varias atividades metabólicas do organismo humano e, em geral componentes naturais dos alimentos.
  • 3. ETIOLOGIA A vitamina A é um álcool insaturado lipossolúvel, armazenado no organismo sob forma de éster. Na natureza encontram-se sob a forma de pigmentos (carotenóides) encontrados nos vegetais. Nos animais encontram-se na forma pré-formada (ésteres de retinil) . Na Desnutrição Protéico-calórica, o transporte de Retinol é prejudicado pela carência da RBR (retinol blinding protein), proteína que transporta o retinol no plasma. Ocorre deficiência de vitamina A em pacientes portadores de Síndromes de mal absorção, doenças hepáticas e pancreáticas.
  • 4. RAQUITISMO POR DEFICIÊNCIA DE VITAMINA D Prof. Antônio Clovis Oliveira UCPel O raquitismo é uma afecção do esqueleto em crescimento, que se caracteriza por uma diminuição da mineralização da matriz proteica ossea, tornando-o frágil e facilmente deformável.
  • 5. ETIOLOGIA Vitamina D - - vegetal - D2- ( calciferol ) - - animal - D3- ( colecalciferol ) Pele 7 deidrocolesterol raios ultravioletas___Vitamina D
  • 6. Dieta A vit. D é absorvida pelos linfáticos na presença de bile, vai ao fígado onde é hidrolisada ( 25 OH colecalciferol) e posteriormente no túbulo proximal renal sofre uma segunda hidroxilação ( 1, 25 diidroxicalciferol) . 1, 25 diidroxicalciferol é a forma ativa da vit. D e promove o transporte intestinal de calcio, aumenta reabsorção tubular de calcio e tem ação sinérgica com PTH.
  • 7. Quando o produto Ca X P (mg%) é inferior a 30 não costuma ocorrer mineralização óssea e quando superior a 40 ocorre a mineralização. Observe que isto é dependente da velocidade de crescimento ósseo.
  • 8. CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA a ) Sensível a Vitamina D b ) Resistente a Vitamina D
  • 9. QUADRO CLÍNICO Ë variável e depende de: a ) grau de deficiência e atividade do processo b ) idade e desenvolvimento motor e esquelético Incide no período de maior velocidade de crescimento ( primeiros 2 anos de vida) Atinge mais intensamente aquelas regiões do esqueleto onde existe crescimento mais rápido. Crânio - primeiro semestre tórax - segundo semestre membros - após 1 ano de idade
  • 10. Sintomas gerais: irritabilidade redução do sono sudorese (região cefálica) retardo DNPM
  • 11. Alterações ósseas: fechamento retardado da fontanela anterior “Caput cuadratum” craniotabes dentição atrasada e irregular rosário raquítico sulco de Harrison tórax em peito de pombo alargamento epifisário encurvamento da diáfise fraturas (galho verde) coluna: pequenos graus de escoliose cintura pélvica: pelve pequena e projeção anterior do promontório e deslocamento sagital da porção caudal do sacro e do cóccix músculos e ligamentos: ligamentos frouxos, débeis e relaxados. Hipotonia muscular e diminuição de força outros órgãos: esplenomegalia e adenomegalias
  • 12. MANIFESTAÇÕES BIOQUÍMICAS hipofosfatemia cálcio normal ou no limite do normal fosfatase alcalina (AFA) elevada Excreção urinária de fósforo normal ou elevada
  • 13. MANIFESTAÇÕES RADIOLÓGICAS aumento do espaço interarticular alargamento das epífises borramento ou perda dos limites ósseos em relação a metáfise osteoporose duplo contorno nas diáfises encurvamento diafisário fraturas em “galho verde”
  • 14. DIAGNÓSTICO clínico: anamnese e exame físico dados bioquímicos dados radiológicos
  • 15. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Escorbuto Osteogenese imperfeita Condrodistrofias e disostoses ósseas Sífilis
  • 16. TRATAMENTO VITAMINA D – 5000 - 10000 UI/dia por 4 a 6 semanas com pausa de 2 semanas, até a cura completa. 600000 UI em dose única. Pode-se repetir em 3 a 4 meses.
  • 17. Intoxicação pela vit. D anorexia rebelde constipação intestinal perda de peso sinais de esclerose renal polidipsia poliúria albuminúria cilindrúria hipercalcificação óssea hipercalciúria hipercalcemia
  • 18. PROFILAXIA dieta adequada exposição solar vit. D - 400 - 800 UI/dia Leitura recomendada: Pediatria Básica - Eduardo Marcondes
  • 20. HIPOVITAMINOSE A Incide mais freqüentemente nos lactentes e pré- escolares. É endêmica no nordeste brasileiro. Os sinais clínicos da hipovitaminose A estão quase sempre acompanhados das manifestações de DESNUTRIÇÃO PROTEICO-CALÓRICA.
  • 21. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS Pode manifestar-se desde um estado de depleção das reservas, sem manifestações clínicas ou uma menor adaptação retinal a luz, até lesões destrutivas da córnea. A alteração mais precoce é a cegueira noturna (hemeralopia), seguindo pode aparecer a xerose conjuntival (manchas de BITOT); manchas branco acinzentadas de aspecto caseoso ou espumoso parecendo em discreto relevo sobre a superfície conjuntival da esclerótica. A continuidade da carência leva a lesões da córnea, inicialmente a xerose podendo-se seguir a formação e úlcera e a perfuração. Na queratomalacia ocorrem necrose da córnea e extrusão do conteúdo intra- ocular.
  • 22. A xerodermia e a hiperqueratose folicular – frinoderma – mais encontrado na superfície de extensão dos membros superiores e inferiores – aspecto de “linha grossa”. Parada de crescimento Retardo mental Alterações epiteliais e deficiências de imunidade celular predispõem à infecções. Anemia e hepatoesplenomegalia estão freqüentemente associadas. Os níveis plasmáticos de retinol se acham abaixo de 20 mcg/dL
  • 23. PROFILAXIA Nos lactentes o Aleitamento Materno supre totalmente as necessidades de vitamina A.. 1500 a 2000 UI/dia nos casos de aleitamento artificial. 2000 a 5000 UI/dia em crianças maiores, o que pode ser suprido com uma dieta rica em vegetais, frutas, vísceras animais, ovo etc.. 100000 UI (v.o.) 4 vezes ao ano ás crianças e mães puérperas em lactação nas zonas endêmicas. (OMS).
  • 24. TRATAMENTO Casos frustros: Correção dietética. Formas leves (cegueira noturna): 100000 UI por V.O.em dose única tanto na forma oleosa ou hidromiscível. Formas graves (acometimento da córnea) : 100000 UI por via IM (forma hidromiscível) por 2 dias consecutivos. 25000 a 50000 UI/dia (esquema clássico) até a cura das lesões oculares ou cutâneas. Por ser lipossolúvel a vitamina A em doses elevadas pode se armazenar no organismo levando a um quadro de intoxicação.
  • 25. HIPERVITAMINOSE A A Intoxicação por vitamina A pode manifestar-se de forma aguda ou crônica.
  • 26. Aguda Manifesta-se em geral com doses acima de 300000 UI e ocasiona hipertensão intra-craniana. (pseudo-tumor cerebral)
  • 27. Crônica Manifesta-se em geral com doses superiores a 20000 UI/dia por tempo prolongado e consta de: Irritabilidade, insônia, anorexia, hepatomegalia, queda dos cabelos, descamação cutânea, tumefações dolorosas dos ossos (hiperostose cortical).
  • 28. Carotenodermia A ingestão excessiva de carotenos não leva à intoxicação, mas a coloração amarelada da pele, mas não na esclerótica, sem outros sintomas
  • 30. O que são Sais Minerais?  Os minerais são nutrientes que tem função de regular nosso organismo, o funcionamento do metabolismo e participando da estruturação do organismo (constituindo os ossos) .
  • 31. Principais Sais Minerais *Cálcio (Ca) *Fósforo (P) *Potássio (K) *Enxofre (S) *Sódio (Na) *Magnésio (Mg) *Ferro (Fe) *Cobre (Cu) *Zinco (Zn) *Selênio (Se) *Cromo (Cr)
  • 32. A divisão dos Sais Minerais é dada por dois grupos: os Macrominerais e os Microminerais. Os Macrominerais, são nutrientes que é necessário ingeri-los em grandes quantidades (100 mg/dia ou mais). Já os Microminerais, são necessários apenas pequenas quantidades para o nosso organismo. Macronutrientes: Cálcio, Fósforo, Sódio, Potássio, Cloro, Magnésio e Enxofre. Micronutrientes: Ferro, Cobre, Cobalto, Zinco, Manganês, Iodo, Selênio e Flúor.
  • 33. Diferentemente dos carboidratos, lipídios e proteínas, os sais minerais são substâncias inorgânicas, ou seja, não podem ser produzidos por seres vivos. Como o corpo não é capaz de produzir minerais, eles devem ser ingeridos através de uma alimentação que forneça quantidades adequadas destas substâncias. Caso haja excesso, este será eliminado através das fezes e da urina. Sua maior parte está concentrada nos ossos. Entre os mais conhecidos estão o cálcio, o fósforo, o potássio, o enxofre, o sódio, o magnésio, o ferro, o cobre, o zinco, o selênio, o cromo, etc. Cálcio é necessário para os nossos ossos
  • 34. Cálcio Leite e derivados, couve, espinafre e brócolis. Fósforo Carnes, ovos, cereais, etc. Ferro Carnes em geral, fígado, gema de ovo, aveia, feijão, aspargos, etc. Iodo Alface, alho, cebola, cenoura, ervilha, tomate, peixes, etc.
  • 35. Potássio Banana, melão, batata, ervilha, tomate, frutas cítricas, etc. Magnésio Verduras, maçã, figo, nozes, etc. Manganês Cereais integrais, amendoim, nozes, feijão, arroz integral, banana, alface, beterraba, milho. Silício Amora, aveia, escarola, alface, abóbora, azeitona, cebola Zinco Carnes em geral, ovos, peixes, castanha do Pará, ervilha, etc.
  • 36. Flúor Agrião, alho, aveia, brócolis, beterraba, cebola, couve-flor, maçã, trigo integral Cobre Fígado, trigo integral, ervilhas, amendoim, nozes, etc. Sódio Sal de cozinha, algas marinhas, etc. Enxofre Carnes, peixes, ovos, feijão, repolho, brócolis, cebola, alho, germe de trigo, etc.
  • 37. Cálcio Deformações ósseas; enfraquecimento dos dentes. Fósforo Maior probabilidade de ocorrência de fraturas; músculos atrofiados; alterações nervosas; raquitismo. Ferro Anemia. Iodo Bócio; obesidade, cansaço.
  • 38. Cloro É difícil haver carência de cloro, pois existe em quase todos os vegetais; o excesso de cloro destrói a vitamina E e reduz a produção de iodo. Potássio Diminuição da atividade muscular, inclusive a do coração. Magnésio Provoca extrema sensibilidade ao frio e ao calor. Flúor A necessidade de flúor é muito pequena; ele é recomendado apenas para gestantes para crianças durante a formação da segunda dentição. Sódio Cãibras e retardamento na cicatrização de feridas.
  • 39. Zinco Diminui a produção de hormônios masculinos e favorece o diabete. Centrum, Suplementos em geral, Calcitran, Calcitin, Farmaton...
  • 40. Estas substâncias inorgânicas possuem funções muito importantes no corpo e a falta delas pode gerar desequilíbrios na saúde. Contudo, há alguns minerais como, por exemplo, o alumínio e o boro, que podem estar presentes no corpo sem nenhuma função. Se ingerirmos em excesso os sais minereis, mais do que normalmente nosso corpo pede por dia, ele acaba saindo por meio da urina ou das fezes.
  • 41. Definição: são compostos de uma base nitrogenada, uma pentose e um ou mais grupos fosfatos  Quando na ausência do grupo fosfato, são chamados de nucleosídeos  Importancia:  Participam de vários processos bioquímicos  São essenciais para o funcionamento do organismo  Atuam como precursores dos ácidos desoxirribonucléico (DNA) e ácido ribonucléico (RNA)  Fonte de energia  Reguladores fisiológicos  Não são considerados como essenciais
  • 42. Nucleotídeos dietéticos:  São considerados de grande importância para o organismo  Participam da divisão celular, do crescimento celular e da modulação do sistema imunológico  Ajudam na manutenção da saúde intestinal