SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Professora : ADRIANNE MENDONÇA
 1. Ciência que estuda as
relações entre os seres vivos e o
 meio ambiente (Haeckel, 1866)

        2. Ciência que estuda a
          
  estrutura e funcionamento da
  Natureza, considerando que a
  humanidade é uma parte dela
                       (Odum,
                          1972)
   3. Ciência que estuda a economia
    da natureza (Oíkos + Nomos)
    (Haeckel)

   4. A ecologia é a ciência da
    sinfonia da vida, é a ciência da
    sobrevivência (Lutzenberger)
   5. Ciência que estuda as relações
    entre os seres vivos e o meio
    ambiente em que vivem, bem
    como as suas recíprocas
    influências (Atlas do Meio
    Ambiente do Brasil, 1994)
O QUE É MEIO AMBIENTE ?


Conjunto de condições que afetam
a existência, desenvolvimento e
bem-estar dos seres vivos,
incluindo não apenas o lugar no
espaço, mas todas as condições
físicas, químicas e biológicas
( ambientes naturais e artificiais )

(Atlas do Meio Ambiente do Brasil,
1994)
♦Conjunto de condições físicas, químicas
      e biológicas que cercam o ser vivo,
 resultando num conjunto de limitações e
   possibilidades para uma dada espécie

      ♦O meio ambiente é heterogêneo e
continua variando de um local para outro

     ♦Está sempre mudando e evoluindo
HABITAT - área física/geográfica ( endereço)
  onde se encontra o ser vivo. É o ambiente
      que oferece um conjunto de condições
     favoráveis ao desenvolvimento de suas
       necessidades básicas. No habitat, as
condições ambientais atingem o ponto ótimo
para o desenvolvimento de uma determinada
                                    espécie.


NICHO ECOLÓGICO - conjunto de atividades
 desenvolvidas ( profissão) pelos seres vivos
   para a satisfação das suas necessidades
                                     básicas.
♠ Potencial biótico é a capacidade que
        possuem os organismos de reproduzir-se
                           sob condições ótimas;

   POTENCIAL BIÓTICO X RESISTÊNCIA
    AMBIENTAL



    ♠   Resistência ambiental compreende todos
                     os fatores que se opõem ao
           desenvolvimento do potencial biótico.
♣átomos →moléculas →célula →tecido → órgão
            →aparelho → organismo →POPULAÇÃO
        →COMUNIDADE →ECOSSISTEMA →BIOSFERA

    ♣   POPULAÇÃO - conjunto de indivíduos de uma mesma
                espécie que ocupa uma determinada área;

♣   COMUNIDADE - conjunto de populações que interagem
        de forma organizada, vivendo numa mesma área;

♣   ECOSSISTEMA - conjunto resultante da interação entre
                     a comunidade e o ambiente inerte;

♣   BIOSFERA - sistema que inclui todos os seres vivos da
    Terra, interagindo com o ambiente físico como um todo.
CIÊNCIAS DO AMBIENTE
   “A Terra tem 4,6 bilhões de anos, se condensarmos esse espaço de
    tempo num conceito compreensível, poderíamos comparar a Terra a uma
    pessoa que neste momento estaria completando 46 anos. Nada sabemos
    dos 7 primeiros anos de vida dessa pessoa e mínimas são as
    informações sobre o longo período de sua juventude e maturação.
   Sabemos, no entanto, que foi aos 42 anos que a terra começou a
    florescer. Os dinossauros e os grandes répteis surgiram há um ano,
    quando o planeta tinha 45 anos. Os mamíferos apareceram há apenas
    oito meses e na semana passada os primeiros hominídeos aprenderam a
    caminhar eretos.
   No fim dessa semana a Terra ficou coberta com uma camada de gelo,
    mas abrigou em seu seio as sementes da vida. O homem moderno tem
    apenas quatro horas de existência e faz uma hora que descobriu a
    agricultura. A Revolução Industrial iniciou há um minuto. Durante esses
    sessenta segundos da imensidão do tempo geológico, o homem fez do
    paraíso um depósito de lixo.
   Multiplicou-se como praga, causou a extinção de inúmeras espécies,
    saqueou o planeta para obter combustíveis; armou-se até os dentes para
    travar, com suas armas nucleares inteligentes, a última de todas as
    guerras, que destruirá definitivamente o único oásis da vida no sistema
    solar.
   A evolução natural de 4,6 bilhões de anos seria anulada num segundo
    pela ação do animal inteligente que inventou o conhecer. Será esse o
    nosso destino ?”
                                                      Texto do Greenpeace.
   Região do planeta que contém o
    conjunto dos seres vivos e na qual a vida
    é permanentemente possível.
Condições essenciais
       à vida
 Presença:
     Água
     Fonte de energia
     Elementos químicos em contínua reciclagem
 Ausência:
   variações extremas de temperatura
   radiações ionizantes
   - partículas alfa, partículas beta - elétrons e prótons
   - os raios gama, raios-x e neutrons.
   Litosfera – camada superficial sólida da Terra
    (1/4 da superfície do planeta, condições
    climáticas variáveis, enorme biodiversidade);
   Hidrosfera – representada pelo ambiente
    líquido (3/4 da superfície do planeta,
    condições    climáticas    menos     variáveis,
    salinidade variável, biodiversidade pequena;
   Atmosfera - camada gasosa que envolve as
    demais.
   1. A vida na biosfera

   2. A complexidade

   3. A energia

   4. Os recursos naturais

   5. Atividades humanas e desequilíbrios
HOMEM
   Terra tem 4,6 bilhões de anos;
   Primeiro      ser   vivo           3,5   bilhões
    (bactéria);
   Primeira planta  1,5 bilhões;
   Primeiro      animal              570    milhões
    (esponja);
   Primeiros insetos  250 milhões;
   Primeiros mamíferos  175 milhões;
   O HOMEM  46 milhões.
ONDE QUEREMOS
   CHEGAR?
BIOSFERA

   ECOSFERA

TECNOSFERA?
   Biosfera  Região do planeta que contém o conjunto dos
    seres vivos e na qual a vida é permanentemente possível.
                 - Resultado de fenômenos físicos associados à
    própria atividade biológica;

   Encontra-se em constante modificação (fragilidade);

   Tecnosfera  Abrange as estruturas constituídas pelo
    trabalho humano no espaço da biosfera;

   GAIA = Mãe Terra (William Gilbert, século XVII);

   Hipótese de Gaia: “a Terra seria um superorganismo, de
    certa forma frágil, mas com capacidade de auto-
    recuperação”.
                                          (James Lovelock)
“Os agentes destrutivos hoje são artificiais
     e provocam desgaste em quase todo o
  planeta, ao mesmo tempo. A constituição
      de Gaia seria tão vigorosa a ponto de
reparar naturalmente o desgaste e manter
 o planeta saudável?”



                          (Jonatan Weiner)
 Seres vivos  necessitam de energia para
  manter   sua    constituição     interna, para
  locomover-se, para crescer, etc.;

 Fonte de energia na biosfera  Sol:

      Ilumina e aquece o Planeta;
      Fornece energia para a síntese de alimentos;
      Responsável pela distribuição e reciclagem de elementos
       químicos.
   Radiação Utravioleta (ionizante): formação
    da vitamina D, poder de mutação
    (incidência de câncer/boa parte é absorvida
    pela camada de ozônio);

   Radiação   Visível   (luz):   produção   de
    alimentos;

   Radiação Infravermelha (calor): influência
    sobre os seres vivos, dando origem a
    fenômenos meteorológicos.
   Todo e qualquer fenômeno que ocorre na
    natureza necessita de energia para ocorrer;

   Primeira lei: “a energia do universo é
    constante”;

   Segunda lei: “a entropia no universo tende
    ao máximo”.
   São insumos que a natureza coloca à
    disposição dos seres vivos, para que estes
    possam satisfazer as suas necessidades;

   Relaciona-se com:
        Tecnologia (ex.: magnésio na confecção de ligas
         metálicas para aviões);
        Economia (ex.: álcool depois da crise do petróleo em
         1973);
        Meio ambiente: a exploração, processamento e
         utilização não devem causar danos ao meio ambiente;
Energia solar
          (irradiada à Terra como luz solar)


 Energia luminosa convertida em energia química na
     matéria orgânica (através da fotossíntese)



Energia química que se emprega para produzir trabalho
   nas células do organismo (através da respiração)



                  Energia degradada
     (irradiada para o espaço na forma de calor)
   RENOVÁVEIS - podem ser naturalmente regenerados
    após o seu uso (água, madeira,...);

   NÃO RENOVÁVEIS - não podem ser naturalmente
    regenerados após o seu uso ou o são em tempos
    geológicos     muito extensos (petróleo, argila,
    calcário,...).

   Transformação de um recurso natural renovável em
    um recurso não-renovável (ex.: campo de pastagem
    comum      utilizado coletivamente   por   vários
    fazendeiros).
   Até meados do século XIX  a atividade humana não
    concorria de forma tão acentuada para provocar
    mudanças drásticas que pudessem alterar a biosfera;

   A partir da revolução industrial e das grandes guerras
    mundiais  transformações com maior intensidade;
   Conforto, bem estar e poder  o homem está
    transformado o meio ambiente, trazendo a poluição e
    provocando tragédias ecológicas;

   Exploração inadequada dos recursos renováveis e
    não-renováveis da natureza.
     20% da população mundial consome 80%
    dos recursos naturais e energia do planeta e
    produz mais de 80% da poluição e da
    degradação dos ecossistemas;

    80% da população mundial fica com apenas
    20% dos recursos naturais;

      Para reduzir essas disparidades sociais,
    seriam necessários, pelo menos, mais dois
    planetas terra.
   Entropia é uma palavra que vem do grego e representa uma grandeza termodinâmica, que
    esta associada a algum grau de desordem. Essa grandeza é quem mede a energia que não foi
    transformada em trabalho.
   Para entender melhor, todos sabemos que a energia do universo tende a ser transformada, ou
    seja, aquela famosa frase: “Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”,
    quando Lavoisier disse isso, ele estava querendo dizer que a energia que não foi utilizada de
    alguma forma (transformada em trabalho), foi transformada em outra (dissipada), sendo essa
    energia dissipada é considerada uma energia desordenada e difícil de ser reutilizada.
   Um exemplo muito simples é de um carro. Quando estamos conduzindo um carro, a gasolina
    armazenada no tanque é convertida em calor, através da combustão e depois em energia
    mecânica no motor do carro. Mas como nenhuma energia é 100% transformada em trabalho,
    uma parte dessa energia será dissipada, devido ao atrito do pistão e a câmara de combustão
    (partes interna do motor onde ocorre a conversão do combustível em trabalho), e entre outros
    componentes, sobre a forma de calor, e essa energia dissipada pelo atrito é quase impossível
    de se reverter naturalmente em energia. Por exemplo, transformar a energia de atrito em
    trabalho para movimentar o carro de forma natural. Portanto concluímos que sempre vamos
    “perder” uma parte da energia que se esta produzindo, pois a mesma será convertida em
    outras formas de energia, a mais comum delas é o atrito.
   Um exemplo mais simples para se entender a entropia. Pegue um jogo de baralhos, jogue-os
    todo para o ar, as cartas caíram todas espalhadas para o chão, pronto, temos ai uma entropia
    que é a completa desordem das cartas pelo chão. E, por um processo natural, ou seja,
    espontâneo, não teremos todas as cartas novamente em nossas mãos do mesmo modo que
    antes (de modo organizado, ou seja, ordenado), a não ser que abaixamos e pegamos, o de
    deixa de ser o um processo espontâneo e necessita a realização de um trabalho para tal.
   Essa energia que foi dissipada, vulgarmente falando, “perdida”, é a entropia. Ela é
    considerada desordenada porque você nunca mais conseguirá reutiliza – lá no processo inverso.
    Portanto, quanto maior a desordem, mais difícil voltar ao estado normal então maior é a
    entropia do sistema.
   Um físico nuclear inventou um sistema que converte a energia dissipada na frenagem do carro
    em energia cinética, o sistema se chama Kers – Kinetic Energy Recovery System (Sistema de
    Recuperação de Energia Cinética). Além de não recuperar 100% da energia dissipada, esse
    ainda é uma situação de entropia, pois a energia térmica gerado na frenagem não foi
    convertida em cinética naturalmente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]Ronaldo Santana
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaRebeca Vale
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoemanuel
 
Introdução à Ecologia
Introdução à EcologiaIntrodução à Ecologia
Introdução à Ecologiagracielatonin
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasURCA
 
Níveis de organização
Níveis de organizaçãoNíveis de organização
Níveis de organizaçãounesp
 
Biodiversidade ppt
Biodiversidade pptBiodiversidade ppt
Biodiversidade pptguest7b65ee
 
Dinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesDinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesTurma Olímpica
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completoNelson Costa
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Ilsoflavio
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasSilvana Sanches
 

Mais procurados (20)

Ecossistemas
EcossistemasEcossistemas
Ecossistemas
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
Aula Biologia: Bases da Ecologia [1° Ano do Ensino Médio]
 
V.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologiaV.1 Introdução a ecologia
V.1 Introdução a ecologia
 
Ecologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organizaçãoEcologia - Níveis de organização
Ecologia - Níveis de organização
 
Hábitat e nicho
Hábitat e nichoHábitat e nicho
Hábitat e nicho
 
Aula sobre citologia
Aula sobre    citologiaAula sobre    citologia
Aula sobre citologia
 
Aula introdutória - Conceito de Biologia
Aula introdutória - Conceito de BiologiaAula introdutória - Conceito de Biologia
Aula introdutória - Conceito de Biologia
 
Introdução à Ecologia
Introdução à EcologiaIntrodução à Ecologia
Introdução à Ecologia
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Sucessão ecologica
Sucessão ecologicaSucessão ecologica
Sucessão ecologica
 
Níveis de organização
Níveis de organizaçãoNíveis de organização
Níveis de organização
 
Biodiversidade ppt
Biodiversidade pptBiodiversidade ppt
Biodiversidade ppt
 
Dinâmica de Populações
Dinâmica de PopulaçõesDinâmica de Populações
Dinâmica de Populações
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01Aula de ecologia 01
Aula de ecologia 01
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
 
1ª AULA - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS.ppt
1ª AULA - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS.ppt1ª AULA - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS.ppt
1ª AULA - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS.ppt
 
Ecologia de Populações
Ecologia de PopulaçõesEcologia de Populações
Ecologia de Populações
 

Semelhante a Ecologia geral

LYNN MARGULIS - O que é vida?
LYNN MARGULIS - O que é vida?LYNN MARGULIS - O que é vida?
LYNN MARGULIS - O que é vida?Carlos Burke
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Jade
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Jade
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]RAFAELA BARBOSA
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Jade
 
A biodiversidade no sistema Terra (Banco de imagens).ppt
A biodiversidade no sistema Terra (Banco de imagens).pptA biodiversidade no sistema Terra (Banco de imagens).ppt
A biodiversidade no sistema Terra (Banco de imagens).pptLusMelo20
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Rigo Rodrigues
 
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptxCiências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptxayanakarine1
 
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009RAFAELA BARBOSA
 
Ecologia - Fundamentos
Ecologia - FundamentosEcologia - Fundamentos
Ecologia - Fundamentosclaudionc
 

Semelhante a Ecologia geral (20)

LYNN MARGULIS - O que é vida?
LYNN MARGULIS - O que é vida?LYNN MARGULIS - O que é vida?
LYNN MARGULIS - O que é vida?
 
Do planeta natural ao planeta insustentável série 1
Do planeta natural ao planeta insustentável série 1Do planeta natural ao planeta insustentável série 1
Do planeta natural ao planeta insustentável série 1
 
Aula 3 bio em
Aula 3   bio emAula 3   bio em
Aula 3 bio em
 
Do planeta natural ao planeta insustentável série 1
Do planeta natural ao planeta insustentável série 1Do planeta natural ao planeta insustentável série 1
Do planeta natural ao planeta insustentável série 1
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
 
Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]Plano De Disciplina Ecologia [1]
Plano De Disciplina Ecologia [1]
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
 
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
Aulas De Ecologia E Meio Ambiente1[1]
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Resumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º AnoResumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º Ano
 
1 parte ecologia
1 parte ecologia1 parte ecologia
1 parte ecologia
 
Ecologia socorro
Ecologia socorroEcologia socorro
Ecologia socorro
 
A biodiversidade no sistema Terra (Banco de imagens).ppt
A biodiversidade no sistema Terra (Banco de imagens).pptA biodiversidade no sistema Terra (Banco de imagens).ppt
A biodiversidade no sistema Terra (Banco de imagens).ppt
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239Apostila ecologia-pronta.194.239
Apostila ecologia-pronta.194.239
 
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptxCiências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
Ciências do 6° ano - Aula 1 a 4 - Biosfera e Ecossistema.pptx
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
 
Ecologia - Fundamentos
Ecologia - FundamentosEcologia - Fundamentos
Ecologia - Fundamentos
 

Mais de Adrianne Mendonça (20)

Lei de hess
Lei de hessLei de hess
Lei de hess
 
Fissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclearFissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclear
 
Ponto crítico de uma função derivável
Ponto crítico de uma função derivávelPonto crítico de uma função derivável
Ponto crítico de uma função derivável
 
Cálculo (DERIVADAS)
Cálculo (DERIVADAS)Cálculo (DERIVADAS)
Cálculo (DERIVADAS)
 
Alzheimer ppt
Alzheimer pptAlzheimer ppt
Alzheimer ppt
 
Determinação de calcio no leite
Determinação de  calcio no leiteDeterminação de  calcio no leite
Determinação de calcio no leite
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
Cnidários ou celenterados
Cnidários  ou  celenteradosCnidários  ou  celenterados
Cnidários ou celenterados
 
Biologia molecular bioquímica (compostos inorgânicos)
Biologia molecular   bioquímica (compostos inorgânicos)Biologia molecular   bioquímica (compostos inorgânicos)
Biologia molecular bioquímica (compostos inorgânicos)
 
Anagramas
AnagramasAnagramas
Anagramas
 
Produto de solubilidade
Produto de solubilidadeProduto de solubilidade
Produto de solubilidade
 
Reaçoes quimicas
Reaçoes quimicasReaçoes quimicas
Reaçoes quimicas
 
Matemática financeira
Matemática financeiraMatemática financeira
Matemática financeira
 
Tecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdfTecido ósseo pdf
Tecido ósseo pdf
 
Ciclos biogeoquímicos pdf
Ciclos biogeoquímicos pdfCiclos biogeoquímicos pdf
Ciclos biogeoquímicos pdf
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Mruv – exercícios
Mruv – exercíciosMruv – exercícios
Mruv – exercícios
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
 
Química orgânica módulo 2
Química  orgânica módulo 2Química  orgânica módulo 2
Química orgânica módulo 2
 

Último

VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Ecologia geral

  • 2.  1. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente (Haeckel, 1866) 2. Ciência que estuda a  estrutura e funcionamento da Natureza, considerando que a humanidade é uma parte dela (Odum, 1972)
  • 3. 3. Ciência que estuda a economia da natureza (Oíkos + Nomos) (Haeckel)  4. A ecologia é a ciência da sinfonia da vida, é a ciência da sobrevivência (Lutzenberger)
  • 4. 5. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente em que vivem, bem como as suas recíprocas influências (Atlas do Meio Ambiente do Brasil, 1994)
  • 5. O QUE É MEIO AMBIENTE ? Conjunto de condições que afetam a existência, desenvolvimento e bem-estar dos seres vivos, incluindo não apenas o lugar no espaço, mas todas as condições físicas, químicas e biológicas ( ambientes naturais e artificiais ) (Atlas do Meio Ambiente do Brasil, 1994)
  • 6. ♦Conjunto de condições físicas, químicas e biológicas que cercam o ser vivo, resultando num conjunto de limitações e possibilidades para uma dada espécie ♦O meio ambiente é heterogêneo e continua variando de um local para outro ♦Está sempre mudando e evoluindo
  • 7. HABITAT - área física/geográfica ( endereço) onde se encontra o ser vivo. É o ambiente que oferece um conjunto de condições favoráveis ao desenvolvimento de suas necessidades básicas. No habitat, as condições ambientais atingem o ponto ótimo para o desenvolvimento de uma determinada espécie. NICHO ECOLÓGICO - conjunto de atividades desenvolvidas ( profissão) pelos seres vivos para a satisfação das suas necessidades básicas.
  • 8. ♠ Potencial biótico é a capacidade que possuem os organismos de reproduzir-se sob condições ótimas;  POTENCIAL BIÓTICO X RESISTÊNCIA AMBIENTAL ♠ Resistência ambiental compreende todos os fatores que se opõem ao desenvolvimento do potencial biótico.
  • 9. ♣átomos →moléculas →célula →tecido → órgão →aparelho → organismo →POPULAÇÃO →COMUNIDADE →ECOSSISTEMA →BIOSFERA ♣ POPULAÇÃO - conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocupa uma determinada área; ♣ COMUNIDADE - conjunto de populações que interagem de forma organizada, vivendo numa mesma área; ♣ ECOSSISTEMA - conjunto resultante da interação entre a comunidade e o ambiente inerte; ♣ BIOSFERA - sistema que inclui todos os seres vivos da Terra, interagindo com o ambiente físico como um todo.
  • 10.
  • 12. “A Terra tem 4,6 bilhões de anos, se condensarmos esse espaço de tempo num conceito compreensível, poderíamos comparar a Terra a uma pessoa que neste momento estaria completando 46 anos. Nada sabemos dos 7 primeiros anos de vida dessa pessoa e mínimas são as informações sobre o longo período de sua juventude e maturação.  Sabemos, no entanto, que foi aos 42 anos que a terra começou a florescer. Os dinossauros e os grandes répteis surgiram há um ano, quando o planeta tinha 45 anos. Os mamíferos apareceram há apenas oito meses e na semana passada os primeiros hominídeos aprenderam a caminhar eretos.  No fim dessa semana a Terra ficou coberta com uma camada de gelo, mas abrigou em seu seio as sementes da vida. O homem moderno tem apenas quatro horas de existência e faz uma hora que descobriu a agricultura. A Revolução Industrial iniciou há um minuto. Durante esses sessenta segundos da imensidão do tempo geológico, o homem fez do paraíso um depósito de lixo.  Multiplicou-se como praga, causou a extinção de inúmeras espécies, saqueou o planeta para obter combustíveis; armou-se até os dentes para travar, com suas armas nucleares inteligentes, a última de todas as guerras, que destruirá definitivamente o único oásis da vida no sistema solar.  A evolução natural de 4,6 bilhões de anos seria anulada num segundo pela ação do animal inteligente que inventou o conhecer. Será esse o nosso destino ?”  Texto do Greenpeace.
  • 13. Região do planeta que contém o conjunto dos seres vivos e na qual a vida é permanentemente possível.
  • 14. Condições essenciais à vida  Presença:  Água  Fonte de energia  Elementos químicos em contínua reciclagem  Ausência:  variações extremas de temperatura  radiações ionizantes - partículas alfa, partículas beta - elétrons e prótons - os raios gama, raios-x e neutrons.
  • 15. Litosfera – camada superficial sólida da Terra (1/4 da superfície do planeta, condições climáticas variáveis, enorme biodiversidade);  Hidrosfera – representada pelo ambiente líquido (3/4 da superfície do planeta, condições climáticas menos variáveis, salinidade variável, biodiversidade pequena;  Atmosfera - camada gasosa que envolve as demais.
  • 16. 1. A vida na biosfera  2. A complexidade  3. A energia  4. Os recursos naturais  5. Atividades humanas e desequilíbrios
  • 17. HOMEM  Terra tem 4,6 bilhões de anos;  Primeiro ser vivo  3,5 bilhões (bactéria);  Primeira planta  1,5 bilhões;  Primeiro animal  570 milhões (esponja);  Primeiros insetos  250 milhões;  Primeiros mamíferos  175 milhões;  O HOMEM  46 milhões.
  • 18. ONDE QUEREMOS CHEGAR?
  • 19. BIOSFERA ECOSFERA TECNOSFERA?
  • 20. Biosfera  Região do planeta que contém o conjunto dos seres vivos e na qual a vida é permanentemente possível. - Resultado de fenômenos físicos associados à própria atividade biológica;  Encontra-se em constante modificação (fragilidade);  Tecnosfera  Abrange as estruturas constituídas pelo trabalho humano no espaço da biosfera;  GAIA = Mãe Terra (William Gilbert, século XVII);  Hipótese de Gaia: “a Terra seria um superorganismo, de certa forma frágil, mas com capacidade de auto- recuperação”. (James Lovelock)
  • 21. “Os agentes destrutivos hoje são artificiais e provocam desgaste em quase todo o planeta, ao mesmo tempo. A constituição de Gaia seria tão vigorosa a ponto de reparar naturalmente o desgaste e manter o planeta saudável?” (Jonatan Weiner)
  • 22.  Seres vivos  necessitam de energia para manter sua constituição interna, para locomover-se, para crescer, etc.;  Fonte de energia na biosfera  Sol:  Ilumina e aquece o Planeta;  Fornece energia para a síntese de alimentos;  Responsável pela distribuição e reciclagem de elementos químicos.
  • 23.
  • 24. Radiação Utravioleta (ionizante): formação da vitamina D, poder de mutação (incidência de câncer/boa parte é absorvida pela camada de ozônio);  Radiação Visível (luz): produção de alimentos;  Radiação Infravermelha (calor): influência sobre os seres vivos, dando origem a fenômenos meteorológicos.
  • 25. Todo e qualquer fenômeno que ocorre na natureza necessita de energia para ocorrer;  Primeira lei: “a energia do universo é constante”;  Segunda lei: “a entropia no universo tende ao máximo”.
  • 26. São insumos que a natureza coloca à disposição dos seres vivos, para que estes possam satisfazer as suas necessidades;  Relaciona-se com:  Tecnologia (ex.: magnésio na confecção de ligas metálicas para aviões);  Economia (ex.: álcool depois da crise do petróleo em 1973);  Meio ambiente: a exploração, processamento e utilização não devem causar danos ao meio ambiente;
  • 27. Energia solar (irradiada à Terra como luz solar) Energia luminosa convertida em energia química na matéria orgânica (através da fotossíntese) Energia química que se emprega para produzir trabalho nas células do organismo (através da respiração) Energia degradada (irradiada para o espaço na forma de calor)
  • 28. RENOVÁVEIS - podem ser naturalmente regenerados após o seu uso (água, madeira,...);  NÃO RENOVÁVEIS - não podem ser naturalmente regenerados após o seu uso ou o são em tempos geológicos muito extensos (petróleo, argila, calcário,...).  Transformação de um recurso natural renovável em um recurso não-renovável (ex.: campo de pastagem comum utilizado coletivamente por vários fazendeiros).
  • 29. Até meados do século XIX  a atividade humana não concorria de forma tão acentuada para provocar mudanças drásticas que pudessem alterar a biosfera;  A partir da revolução industrial e das grandes guerras mundiais  transformações com maior intensidade;  Conforto, bem estar e poder  o homem está transformado o meio ambiente, trazendo a poluição e provocando tragédias ecológicas;  Exploração inadequada dos recursos renováveis e não-renováveis da natureza.
  • 30. 20% da população mundial consome 80% dos recursos naturais e energia do planeta e produz mais de 80% da poluição e da degradação dos ecossistemas;  80% da população mundial fica com apenas 20% dos recursos naturais;  Para reduzir essas disparidades sociais, seriam necessários, pelo menos, mais dois planetas terra.
  • 31.
  • 32. Entropia é uma palavra que vem do grego e representa uma grandeza termodinâmica, que esta associada a algum grau de desordem. Essa grandeza é quem mede a energia que não foi transformada em trabalho.  Para entender melhor, todos sabemos que a energia do universo tende a ser transformada, ou seja, aquela famosa frase: “Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”, quando Lavoisier disse isso, ele estava querendo dizer que a energia que não foi utilizada de alguma forma (transformada em trabalho), foi transformada em outra (dissipada), sendo essa energia dissipada é considerada uma energia desordenada e difícil de ser reutilizada.  Um exemplo muito simples é de um carro. Quando estamos conduzindo um carro, a gasolina armazenada no tanque é convertida em calor, através da combustão e depois em energia mecânica no motor do carro. Mas como nenhuma energia é 100% transformada em trabalho, uma parte dessa energia será dissipada, devido ao atrito do pistão e a câmara de combustão (partes interna do motor onde ocorre a conversão do combustível em trabalho), e entre outros componentes, sobre a forma de calor, e essa energia dissipada pelo atrito é quase impossível de se reverter naturalmente em energia. Por exemplo, transformar a energia de atrito em trabalho para movimentar o carro de forma natural. Portanto concluímos que sempre vamos “perder” uma parte da energia que se esta produzindo, pois a mesma será convertida em outras formas de energia, a mais comum delas é o atrito.  Um exemplo mais simples para se entender a entropia. Pegue um jogo de baralhos, jogue-os todo para o ar, as cartas caíram todas espalhadas para o chão, pronto, temos ai uma entropia que é a completa desordem das cartas pelo chão. E, por um processo natural, ou seja, espontâneo, não teremos todas as cartas novamente em nossas mãos do mesmo modo que antes (de modo organizado, ou seja, ordenado), a não ser que abaixamos e pegamos, o de deixa de ser o um processo espontâneo e necessita a realização de um trabalho para tal.  Essa energia que foi dissipada, vulgarmente falando, “perdida”, é a entropia. Ela é considerada desordenada porque você nunca mais conseguirá reutiliza – lá no processo inverso. Portanto, quanto maior a desordem, mais difícil voltar ao estado normal então maior é a entropia do sistema.  Um físico nuclear inventou um sistema que converte a energia dissipada na frenagem do carro em energia cinética, o sistema se chama Kers – Kinetic Energy Recovery System (Sistema de Recuperação de Energia Cinética). Além de não recuperar 100% da energia dissipada, esse ainda é uma situação de entropia, pois a energia térmica gerado na frenagem não foi convertida em cinética naturalmente.

Notas do Editor

  1. 1. Nicho ecológico é o espaço físico ocupado pelo organismo (nicho espacial), seu desempenho funcional na comunidade ou posição trófica (nicho trófico) e sua posição perante os gradientes ambientais (nicho de hipervolume). Há quem considere nicho ecológico sinônimo de habitat (Carvalho, B. A., 1981. Glossário de Saneamento e Ecologia). 2. Combinação apropriada de condições para uma espécie prosperar (The concise oxford dictionary, 1982). Este conceito é interpretado de várias maneiras pelos ecologistas. Quando o empregamos como sinônimo de habitat, desejamos interpretá-lo como o volume no espaço onde estão reunidas todas as condições ambientais sob as quais uma espécie pode existir e reproduzir-se (Carvalho, B. A., 1980. Ecologia Aplicada ao Saneamento Ambiental). 3. Papel ecológico de uma espécie na comunidade. Os muitos intervalos de variação das condições e qualidades de recursos nos quais o organismo ou a espécie convive. Frequentemente concebido como um espaço multidimensional. Por exemplo, o nicho ecológico da cutia inclui: sua alimentação, seu período de atividade (noturno), seus inimigos naturais, seu hábito de dormir em tocas e as condições abióticas do meio onde vive (Lima-e-Silva, et al. 1999. Dicionário Brasileiro de Ciências Ambientais).
  2. Espécie: Categoria da classificação biológica subordinada imediatamente ao gênero ou subgênero. A menor população natural considerada suficientemente diferente de todas as outras para merecer um nome e da qual se assume ou se prova que permanecerá diferente apesar de eventuais intercruzamentos com espécies aparentadas (Glossário de Saneamento e Ecologia). Unidade básica de classificação da vida compreendendo uma população ou série de populações de organismos similares e intimamente aparentados (Dicionário Brasileiro de Ciências Ambientais). Grupo de seres vivos subordinado à classificação Gênero e que tem membros que podem entrecruzar e que diferem apenas em mínimos detalhes.