Carlos Drummond de Andrade

8.938 visualizações

Publicada em

O Slide apresenta as principais obras do renomado escritor brasileiro Carlos Drummond de Andrade e respectivamente as suas fases.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.938
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
461
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carlos Drummond de Andrade

  1. 1. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
  2. 2. NASCEU EM ITABIRA DO MATO DENTRO - MG, EM 31 DE OUTUBRO DE 1902. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE CONSIDERADO UM DOS MAIORES REPRESENTANTES DA LITERATURA BRASILEIRA DO SÉCULO XX. SUA CARREIRA POÉTICA PODE SER DIVIDIDA EM 4 FASES. CADA UMA DELAS É COMPOSTA POR OBRAS QUE NOS PERMITEM ACOMPANHAR A EVOLUÇÃO DE SEUS TEMAS E SUA VISÃO DE MUNDO.
  3. 3. A 1ª FASE (A FASE GAUCHE) TEM COMO CARACTERÍSTICAS O PESSIMISMO, O ISOLAMENTO, O INDIVIDUALISMO E A REFLEXÃO EXISTENCIAL. NOTA-SE NESTA FASE UM DESENCANTO EM RELAÇÃO AO MUNDO. OBRAS “ALGUMA POESIA” (1930) “BREJO DAS ALMAS” (1934) “SENTIMENTO DO MUNDO” (1940) CARACTERÍSTICAS DESSAS OBRAS: IRONIA, O HUMOR E A LINGUAGEM COLOQUIAL.
  4. 4. LIVRO ALGUMA POESIA NO MEIO DO CAMINHO NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA TINHA UMA PEDRA NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA NUNCA ME ESQUECEREI DESSE ACONTECIMENTO NA VIDA DE MINHAS RETINAS TÃO FATIGADAS. NUNCA ME ESQUECEREI QUE NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA TINHA UMA PEDRA NO MEIO DO CAMINHO NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA.
  5. 5. INFÂNCIA MEU PAI MONTAVA A CAVALO, IA PARA O CAMPO. MINHA MÃE FICAVA SENTADA COSENDO. MEU IRMÃO PEQUENO DORMIA. EU SOZINHO MENINO ENTRE MANGUEIRAS LIA A HISTÓRIA DE ROBINSON CRUSOÉ, COMPRIDA HISTÓRIA QUE NÃO ACABA MAIS. NO MEIO-DIA BRANCO DE LUZ UMA VOZ QUE APRENDEU A NINAR NOS LONGES DA SENZALA - E NUNCA SE ESQUECEU CHAMAVA PARA O CAFÉ. CAFÉ PRETO QUE NEM A PRETA VELHA CAFÉ GOSTOSO CAFÉ BOM. MINHA MÃE FICAVA SENTADA COSENDO OLHANDO PARA MIM: - PSIU... NÃO ACORDE O MENINO. PARA O BERÇO ONDE POUSOU UM MOSQUITO. E DAVA UM SUSPIRO... QUE FUNDO! LÁ LONGE MEU PAI CAMPEAVA NO MATO SEM FIM DA FAZENDA. E EU NÃO SABIA QUE MINHA HISTÓRIA ERA MAIS BONITA QUE A DE ROBINSON CRUSOÉ.
  6. 6. QUADRILHA JOÃO AMAVA TERESA QUE AMAVA RAIMUNDO QUE AMAVA MARIA QUE AMAVA JOAQUIM QUE AMAVA LILI QUE NÃO AMAVA NINGUÉM. JOÃO FOI PARA OS ESTADOS UNIDOS, TERESA PARA O CONVENTO, RAIMUNDO MORREU DE DESASTRE, MARIA FICOU PARA TIA, JOAQUIM SUICIDOU-SE E LILI CASOU COM J. PINTO FERNANDES QUE NÃO TINHA ENTRADO NA HISTÓRIA.
  7. 7. LIVRO BREJO DAS ALMAS TEM-SE UM DRUMMOND SURREALISTA, O POETA QUE É ANTILÍRICO E AMARGO AO FALAR DO AMOR. GERMINA AQUI TAMBÉM CERTA PERCEPÇÃO "POLÍTICA”. NECROLÓGIO DOS DESILUDIDOS DO AMOR OS DESILUDIDOS DO AMOR ESTÃO DESFECHANDO TIROS NO PEITO. DO MEU QUARTO OUÇO A FUZILARIA. AS AMADAS TORCEM-SE DE GOZO. OH QUANTA MATÉRIA PARA OS JORNAIS. PUM PUM PUM ADEUS, ENJOADA. EU VOU, TU FICAS, MAS NOS VEREMOS SEJA NO CLARO CÉU OU TURVO INFERNO. OS MÉDICOS ESTÃO FAZENDO A AUTÓPSIA DOS DESILUDIDOS QUE SE MATARAM. QUE GRANDES CORAÇÕES ELES POSSUÍAM. VÍSCERAS IMENSAS, TRIPAS SENTIMENTAIS E UM ESTÔMAGO CHEIO DE POESIA...
  8. 8. HINO NACIONAL [...] PRECISAMOS, PRECISAMOS ESQUECER O BRASIL! TÃO MAJESTOSO, TÃO SEM LIMITES, TÃO DESPROPOSITADO, ELE QUER REPOUSAR DE NOSSOS TERRÍVEIS CARINHOS. O BRASIL NÃO NOS QUER! ESTÁ FARTO DE NÓS! NOSSO BRASIL É NO OUTRO MUNDO. ESTE NÃO É O BRASIL. NENHUM BRASIL EXISTE. E ACASO EXISTIRÃO OS BRASILEIROS?
  9. 9. LIVRO SENTIMENTO DO MUNDO NESTE LIVRO, O POETA ABRAÇA DE VEZ A POESIA DE CUNHO SOCIAL, REFLETINDO O MOMENTO DE INSTABILIDADE E INQUIETAÇÃO DOS ANOS QUE ANTECEDERAM A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL. A TEMÁTICA DO EU CONTINUA OCUPANDO LUGAR DE DESTAQUE EM SENTIMENTO DO MUNDO, MAS DESSA VEZ COM UMA PITADA DE IRONIA E COM UM SENTIDO MAIS UNIVERSAL Elegia 1938 [...] Mas o terrível despertar prova a existência da Grande Máquina e te repõe, pequenino, em face de indecifráveis palmeiras. Caminhas entre mortos e com eles conversas sobre coisas do tempo futuro e negócios do espírito. A literatura estragou tuas melhores horas de amor. Ao telefone perdeste muito, muitíssimo tempo de semear. Coração orgulhoso, tens pressa de confessar tua derrota e adiar para outro século a felicidade coletiva. Aceitas a chuva, a guerra, o desemprego e a injusta distribuição porque não podes, sozinho, dinamitar a ilha de Manhattan
  10. 10. 2ª FASE: EU MENOR QUE O MUNDO — MARCADA PELA POESIA SOCIAL. -O POETA SE SOLIDARIZA COM OS PROBLEMAS DO MUNDO. -A DECEPÇÃO E A FALTA DE PERSPECTIVA DIANTE DA FRAGMENTAÇÃO CAUSADA PELA GUERRA; O SOFRIMENTO E A SOLIDARIEDADE DO SER HUMANO BRASILEIRO E UNIVERSAL. TEMAS ESTES ABORDADOS EM TONS ORA ESPERANÇOSOS, ORA DESESPERANÇOSOS, COM A MESMA IRONIA, HUMOR E SOBRIEDADE. OBRAS CARACTERÍSTICAS DESSA FASE: JOSÉ(1942) E ROSA DO POVO(1945).
  11. 11. JOSÉ E AGORA, JOSÉ? A FESTA ACABOU, A LUZ APAGOU, O POVO SUMIU, A NOITE ESFRIOU, E AGORA, JOSÉ? E AGORA, VOCÊ? VOCÊ QUE É SEM NOME, QUE ZOMBA DOS OUTROS, VOCÊ QUE FAZ VERSOS, QUE AMA, PROTESTA? E AGORA, JOSÉ? ESTÁ SEM MULHER, ESTÁ SEM DISCURSO, ESTÁ SEM CARINHO, JÁ NÃO PODE BEBER, JÁ NÃO PODE FUMAR, CUSPIR JÁ NÃO PODE, A NOITE ESFRIOU, O DIA NÃO VEIO, O BONDE NÃO VEIO, O RISO NÃO VEIO, NÃO VEIO A UTOPIA E TUDO ACABOU E TUDO FUGIU E TUDO MOFOU, E AGORA, JOSÉ? [...] O poema José mostra-se com uma visão pessimista do cotidiano. Seu tema central é a solidão do homem, sua falta de espaço; revela uma profunda angústia pela vida.
  12. 12. A FLOR E A NÁUSEA [...]NÃO, O TEMPO NÃO CHEGOU DE COMPLETA JUSTIÇA. O TEMPO É AINDA DE FEZES, MAUS POEMAS, ALUCINAÇÕES E ESPERA. O TEMPO POBRE, O POETA POBRE FUNDEM-SE NO MESMO IMPASSE. EM VÃO ME TENTO EXPLICAR, OS MUROS SÃO SURDOS. SOB A PELE DAS PALAVRAS HÁ CIFRAS E CÓDIGOS. O SOL CONSOLA OS DOENTES E NÃO OS RENOVA.[...] FAÇAM COMPLETO SILÊNCIO, PARALISEM OS NEGÓCIOS, GARANTO QUE UMA FLOR NASCEU. SUA COR NÃO SE PERCEBE. SUAS PÉTALAS NÃO SE ABREM. SEU NOME NÃO ESTÁ NOS LIVROS. É FEIA. MAS É REALMENTE UMA FLOR. SENTO-ME NO CHÃO DA CAPITAL DO PAÍS ÀS CINCO HORAS DA TARDE E LENTAMENTE PASSO A MÃO NESSA FORMA INSEGURA. DO LADO DAS MONTANHAS, NUVENS MACIÇAS AVOLUMAM-SE. PEQUENOS PONTOS BRANCOS MOVEM-SE NO MAR, GALINHAS EM PÂNICO. É FEIA. MAS É UMA FLOR. FUROU O ASFALTO, O TÉDIO, O NOJO E O ÓDIO. Nota-se no poema um eu lírico mergulhado num mundo sufocante, em que tudo é igualado a mercadoria, tudo é tratado como matéria de consumo. Em meio a essa angústia, a existência corre o risco de se mostrar inútil, insignificante, o que justificaria a náusea, o mal-estar. Tudo se torna baixo, vil, marcado por “fezes, maus poemas, alucinações”.
  13. 13. 3ª FASE: EU IGUAL AO MUNDO — ABRANGE A POESIA METAFÍSICA E A OBJECTUAL. -POESIA METAFÍSICA -POESIA OBJECTUAL -A FASE FINAL
  14. 14. POESIA METAFÍSICA “O MUNDO APRESENTA-SE COMO UM VÁCUO ATORMENTADO, ABOLINDO TODA A CRENÇA E NEGANDO TODA A ESPERANÇA POSSÍVEL.” OBRAS CARACTERÍSTICAS DESSA FASE: NOVOS POEMAS, CLARO ENIGMA, FAZENDEIRO DO AR E A VIDA PASSADA A LIMPO. Claro enigma É sempre nos meus pulos o limite. É sempre nos meus lábios a estampilha. É sempre no meu não aquele trauma. Sempre no meu amor à noite rompe, Sempre dentro de mim meu inimigo. É sempre no meu sempre a mesma ausência.. (O Enterrado Vivo) Então desanimamos . Adeus , tudo A mala pronta, o corpo desprendido, resta a alegria de estar só e mudo. De que se formam nossos poemas? Onde? Que sonho envenenado lhes responde, se o poeta é um ressentido, e o mais são nuvens?
  15. 15. POESIA OBJECTUAL O POETA AGORA REALIZA É UMA RADICALIZAÇÃO DE PROCESSOS ESTRUTURAIS QUE SEMPRE MARCARAM SEU MODO DE ESCREVER: A PREFERÊNCIA PELO PROSAICO, PELO IRÔNICO, PELO ANTI- RETÓRICO, PELO ANTILIRISMO INTENCIONAL, ACRESCIDO AGORA DE UMA EXPLORAÇÃO DOS ELEMENTOS MATERIAIS DA PALAVRA. OBRA CARACTERÍSTICA DESSA FASE: LIÇÃO DE COISAS. (1962) Destruição Os amantes se amam cruelmente e com se amarem tanto não se veem. Um se beija no outro, refletido. Dois amantes que são? Dois inimigos. Amantes são meninos estragados pelo mimo de amar: e não percebem quanto se pulverizam no enlaçar-se, e como o que era mundo volve a nada. Nada, ninguém. Amor, puro fantasma que os passeia de leve, assim a cobra se imprime na lembrança de seu trilho. E eles quedam mordidos para sempre. Deixaram de existir, mas o existido continua a doer eternamente. Esse poema claramente traz em si uma reflexão sobre o amor. Essa reflexão toma o amor entre dois amantes como aspecto negativo na vida humana, como se nota no título “Destruição”.
  16. 16. A FASE FINAL O POETA REELABORA ALGUNS TEMAS E FORMAS DOS PRIMEIROS LIVROS, MAS TAMBÉM ACRESCENTA ALGUMAS VERTENTES NOVAS: A POESIA DE CIRCUNSTÂNCIA E O EROTISMO. AS OBRAS DESTA FASE (DÉCADA DE 70 E 80), SÃO CHEIAS DE RECORDAÇÕES DO POETA. OS TEMAS INFÂNCIA E FAMÍLIA SÃO RETOMADOS E APROFUNDADOS ALÉM DOS TEMAS UNIVERSAIS JÁ DISCUTIDOS ANTERIORMENTE. OBRAS CARACTERÍSTICAS DESSA FASE: BOITEMPO, A FALTA QUE AMA, MENINO ANTIGO, ESQUECER PARA LEMBRAR, A PAIXÃO MEDIDA, CORPO, AMAR SE APRENDE AMANDO, AMOR NATURAL. Boitempo Entardece na roça de modo diferente. A sombra vem nos cascos, no mugido da vaca separada da cria. O gado é que anoitece e na luz que a vidraça da casa fazendeira derrama no curral surge multiplicada sua estátua de sal, escultura da noite. Os chifres delimitam o sono privativo de cada rês e tecem de curva em curva a ilha do sono universal. No gado é que dormimos e nele que acordamos. Amanhece na roça de modo diferente. A luz chega no leite, morno esguicho das tetas, e o dia é um pasto azul que o gado reconquista.
  17. 17. CABARÉ MINEIRO A DANÇARINA ESPANHOLA DE MONTES CLAROS DANÇA E REDANÇA NA SALA MESTIÇA. CEM OLHOS MORENOS ESTÃO DESPINDO SEU CORPO GORDO PICADO DE MOSQUITO. TEM UM SINAL DE BALA NA COXA DIREITA, O RISO POSTIÇO DE UM DENTE DE OURO, MAS É LINDA, LINDA, GORDA E SATISFEITA. COMO REBOLA AS NÁDEGAS AMARELAS! CEM OLHOS BRASILEIROS ESTÃO SEGUINDO O BALANÇO DOCE E MOLE DE SUAS TETAS.
  18. 18. SUA OBRA, ELABORADA AO LONGO DE MAIS DE SEIS DÉCADAS, COMPREENDE, COMO JÁ VISTO, POESIA E PROSA. APESAR DAS QUALIDADES E DA QUANTIDADE DA PROSA (17 LIVROS DE CRÔNICAS E CONTOS, FORA O QUE FICOU NOS JORNAIS), O NÚCLEO DE SUA PRODUÇÃO É A POESIA. DRUMMOND TAMBÉM ESCREVEU CONTOS E CRÔNICAS: CONTOS DE APRENDIZ, PASSEIOS NA ILHA, CADEIRA DE BALANÇO, OS DIAS LINDOS.

×