O Flâneur, a Cidade e a Vida Pública Virtual<br />
O flâneur tem  sua origem na Paris do início do séc. XIX quando , entre 1800 e 1850, construíram-se  cerca de 30 galerias ...
Por um lado, o flâneur é o preguiçoso ou o desperdiçador; por outro , é o observador ou o detetive, a pessoa suspeita que ...
O flâneur é um tipo importante, porque aponta para a posição central da locomoção na vida social: ele é constantemente inv...
Falar do flâneur, portanto, levanta uma série de questões sobre a natureza da vida pública e sobre a relação entre a exper...
É possível ver a cidade como uma alegoria dos mortos, com os prédios servindo de monumentos com faces vazias a serem preen...
A cidade não gera  apenas a leitura formal do plano, mas também memórias  coletivas e individuais.<br />
O declínio dos espaços públicos impôs limites ao flâneur, assim como a ascenção do tráfego.<br />
O flâneur urbano perambulava, deixando que as impressões da cidade impregnassem seu subconsciente. O flâneur eletrônico po...
Uma das características definidoras dos novos meios eletrônicos é justamente a interatividade: ela estimula a participação...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sociologia

764 visualizações

Publicada em

Mike Featherstone: O flâneur, a cidade e a vida pública eleitoral.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
764
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
109
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociologia

  1. 1. O Flâneur, a Cidade e a Vida Pública Virtual<br />
  2. 2. O flâneur tem sua origem na Paris do início do séc. XIX quando , entre 1800 e 1850, construíram-se cerca de 30 galerias que proporcionavam espaços fechados para caminhar e olhar, gastar tempo e folgar.<br />O flâneur tem sua origem na Paris do início do séc. XIX quando , entre 1800 e 1850, construíram-se cerca de 30 galerias que proporcionavam espaços fechados para caminhar e olhar, gastar tempo e folgar.<br />O flâneur tem sua origem na Paris do início do séc. XIX quando , entre 1800 e 1850, construíram-se cerca de 30 galerias que proporcionavam espaços fechados para caminhar e olhar, gastar tempo e folgar.<br />O flâneur tem sua origem na Paris do início do séc. XIX quando , entre 1800 e 1850, construíram-se cerca de 30 galerias que proporcionavam espaços fechados para caminhar e olhar, gastar tempo e folgar.<br />
  3. 3. Por um lado, o flâneur é o preguiçoso ou o desperdiçador; por outro , é o observador ou o detetive, a pessoa suspeita que está sempre olhando, observando e classificando.<br />
  4. 4. O flâneur é um tipo importante, porque aponta para a posição central da locomoção na vida social: ele é constantemente invadido por ondas de experiências novas e desenvolve novas percepções enquanto cruza a paisagem urbana e as multidões.<br />
  5. 5. Falar do flâneur, portanto, levanta uma série de questões sobre a natureza da vida pública e sobre a relação entre a experiência estética dos espaços e as possibilidades que esses mesmos apresentam para a cidadania.<br />
  6. 6. É possível ver a cidade como uma alegoria dos mortos, com os prédios servindo de monumentos com faces vazias a serem preenchidas por aqueles que viveram.<br />
  7. 7. A cidade não gera apenas a leitura formal do plano, mas também memórias coletivas e individuais.<br />
  8. 8. O declínio dos espaços públicos impôs limites ao flâneur, assim como a ascenção do tráfego.<br />
  9. 9. O flâneur urbano perambulava, deixando que as impressões da cidade impregnassem seu subconsciente. O flâneur eletrônico possui grande mobilidade, seu ritmo não é limitado à capacidade de locomoção do corpo humano; ao contrário, com a mídia eletrônica de um mundo interligado, são possíveis conexões instantâneas que tornam irrelevantes as diferenças físicas espaciais.<br />
  10. 10. Uma das características definidoras dos novos meios eletrônicos é justamente a interatividade: ela estimula a participação e a interação do usuário, em contraste com a comunicação de mão única e a recepção passiva características dos meios de comunicação tradicionais.<br />

×