SlideShare uma empresa Scribd logo

Portuguese - Joseph and Asenath by E.W. Brooks.pdf

“And Pharaoh called Joseph's name Zaphnathpaaneah; and he gave him to wife Asenath the daughter of Potipherah priest of On. And Joseph went out over all the land of Egypt.” GENESIS 41:45

1 de 11
Baixar para ler offline
JOSÉ E ASENATE
Asenath é procurada em casamento pelo filho do rei e
muitos outros.
1. No primeiro ano de fartura, no segundo mês, no quinto dia
do mês, Faraó enviou José para percorrer toda a terra do Egito;
e no quarto mês do primeiro ano, no décimo oitavo dia do mês,
José chegou às fronteiras de Heliópolis, e estava colhendo o
milho daquele país como a areia do mar. E havia naquela
cidade um certo homem chamado Pentefres, que era sacerdote
de Heliópolis e sátrapa de Faraó, e chefe de todos os sátrapas
e príncipes de Faraó; e este homem era extremamente rico e
muito sábio e gentil, e ele também era conselheiro de Faraó,
porque era mais prudente do que todos os príncipes de Faraó.
E ele tinha uma filha virgem, chamada Asenath, de dezoito
anos, alta e atraente, e bela de se ver muito além de qualquer
virgem na terra. Ora, a própria Asenath não tinha nenhuma
semelhança com as virgens, as filhas dos egípcios, mas era em
todas as coisas como as filhas dos hebreus, sendo alta como
Sara e graciosa como Rebeca e bela como Raquel; e a fama de
sua beleza se espalhou por toda aquela terra e até os confins
do mundo, de modo que por causa disso todos os filhos dos
príncipes e dos sátrapas desejaram cortejá-la, ou melhor, e os
filhos dos reis também, todos jovens e poderosos, e houve
grande conflito entre eles por causa dela, e eles tentaram lutar
uns contra os outros. E o filho primogênito de Faraó também
ouviu falar dela, e continuou suplicando a seu pai que lhe desse
como esposa e dizendo-lhe: Dê-me, pai, Asenath, filha de
Pentephres, o primeiro homem de Heliópolis, como esposa. E
Faraó, seu pai, disse-lhe: “Por que procuras uma esposa
inferior a ti, quando és rei de toda esta terra? Não, mas eis! a
filha de Joacim, rei de Moabe, está desposada contigo, e ela
mesma é uma rainha e muito bela de se ver. Leve então esta
para você como esposa.
A torre em que Asenath mora é descrita.
2. Mas Asenath desprezou e desprezou todos os homens,
sendo arrogante e arrogante, e nunca um homem a viu, visto
que Pentephres tinha em sua casa uma torre adjacente, grande
e extremamente alta, e acima da torre havia um sótão contendo
dez câmaras. E a primeira câmara era grande e muito bonita e
pavimentada com pedras roxas, e as paredes dela eram
revestidas com pedras preciosas e multicoloridas, e o telhado
também daquela câmara era de ouro. E dentro daquela câmara
deuses dos egípcios, dos quais não havia número, ouro e prata,
foram fixados, e todos aqueles Asenath adoravam, e ela os
temia, e ela realizava sacrifícios para eles todos os dias. E a
segunda câmara também continha todos os adornos e baús de
Asenath, e havia ouro nela, e muita prata e roupas tecidas em
ouro ilimitadas, e pedras escolhidas e de grande preço, e
roupas finas de linho, e todos os adornos de sua virgindade.
estava lá. E a terceira câmara era o armazém de Asenath,
contendo todas as coisas boas da terra. E as sete câmaras
restantes foram ocupadas pelas sete virgens que ministravam
a Asenath, cada uma tendo uma câmara, pois eram da mesma
idade, nascidas na mesma noite com Asenath, e ela as amava
muito; e eles também eram extremamente lindos como as
estrelas do céu, e nunca um homem conversou com eles ou
com uma criança do sexo masculino. Agora, a grande câmara
de Asenath, onde sua virgindade foi cultivada, tinha três
janelas; e a primeira janela era muito grande, dando para o
pátio a leste; e o segundo olhou para o sul, e o terceiro olhou
para a rua. E uma cama dourada ficava na câmara voltada para
o leste; e a cama estava posta de tecido púrpura entrelaçado de
ouro, sendo a cama tecida de tecido escarlate e carmesim e de
linho fino. Nesta cama dormia apenas Asenath, e nunca um
homem ou outra mulher sentou-se nela. E havia também um
grande pátio adjacente à casa em todo o redor, e um muro
muito alto ao redor do pátio, construído com grandes pedras
retangulares; e havia também quatro portões no pátio
revestidos de ferro, e cada um deles era guardado por dezoito
jovens fortes armados; e também foram plantadas ao longo do
muro belas árvores de todos os tipos e todas dando frutos, com
seus frutos maduros, pois era a época da colheita; e havia
também uma rica fonte de água brotando à direita do mesmo
pátio; e abaixo da fonte havia uma grande cisterna que recebia
a água daquela fonte, de onde corria, por assim dizer, um rio
que atravessava o pátio e regava todas as árvores daquele
pátio.
José anuncia sua vinda a Pentefres.
3. E aconteceu no primeiro ano dos sete anos de fartura, no
quarto mês, o vigésimo oitavo do mês, que José chegou às
fronteiras de Heliópolis coletando o milho daquele distrito. E
quando José se aproximou daquela cidade, ele enviou doze
homens adiante dele a Pentefres, sacerdote de Heliópolis,
dizendo: "Eu irei ter contigo hoje, porque é a hora do meio-dia
e da refeição do meio-dia, e há grande calor do sol, e para que
eu possa me refrescar sob o telhado de tua casa." E Pentephres,
quando ouviu essas coisas, regozijou-se com grande alegria e
disse: "Bendito seja o Senhor Deus de José, porque meu
senhor José me considerou digno." E Pentefres chamou o
superintendente de sua casa e disse-lhe: “Apresse-se e prepare
minha casa, e prepare um grande jantar, porque José, o
poderoso de Deus, vem hoje até nós”. E quando Asenath ouviu
que seu pai e sua mãe tinham vindo da posse de sua herança,
ela se alegrou muito e disse: "Eu irei ver meu pai e minha mãe,
porque eles vieram da posse de nossa herança" (por isso é era
a época da colheita). E Asenath apressou-se em seu quarto
onde estavam suas vestes e vestiu uma túnica de linho fino
feita de tecido carmesim e entrelaçada com ouro, e cingiu-se
com um cinto de ouro e pulseiras em volta de suas mãos; e nos
pés ela colocou coturnos de ouro, e em volta do pescoço ela
lançou um ornamento de grande valor e pedras preciosas, que
foram embelezados por todos os lados, tendo também os
nomes dos deuses dos egípcios gravados em todos os lugares,
ambos nas pulseiras e as pedras; e ela também colocou uma
tiara na cabeça e amarrou um diadema em volta das têmporas
e cobriu a cabeça com um manto.
Pentephres propõe dar Asenath a Joseph em casamento.
4. E então ela se apressou e desceu as escadas de seu sótão e
foi até seu pai e sua mãe e os beijou. E Pentephres e sua esposa
regozijaram-se com sua filha Asenath com grande alegria, pois
a viram adornada e embelezada como a noiva de Deus; e
trouxeram todas as coisas boas que haviam trazido da posse de
sua herança e as deram a sua filha; e Asenath regozijou-se com
todas as coisas boas, com as frutas do final do verão e as uvas
e as tâmaras e com as pombas, e com as amoras e os figos,
porque eram todos belos e agradáveis ao paladar. E Pentephres
disse a sua filha Asenath: “Criança”. E ela disse: “Aqui estou,
meu senhor”. E ele lhe disse: “Sente-se entre nós, e eu te direi
as minhas palavras”. "Eis! José, o poderoso de Deus, vem até
nós hoje, e este homem é governante de toda a terra do Egito;
e o rei Faraó o nomeou governante de toda a nossa terra e rei,
e ele mesmo dá milho a todo este país , e o salva da fome
vindoura; e este José é um homem que adora a Deus, e discreto
e virgem como tu és hoje, e um homem poderoso em sabedoria
e conhecimento, e o espírito de Deus está sobre ele e a graça
de o Senhor está nele. Venha, querido filho, e eu te entregarei
a ele por esposa, e você será para ele por noiva, e ele mesmo
será seu noivo para sempre. E, quando Asenath ouviu essas
palavras de seu pai, um grande suor foi derramado sobre seu
rosto, e ela ficou furiosa com grande raiva, e olhou de soslaio
para seu pai e disse: "Portanto, meu senhor pai , dizes estas
palavras? Queres entregar-me como cativo a um estrangeiro,
a um fugitivo e a um que foi vendido? Não é este o filho do
pastor da terra de Canaã? E ele mesmo foi deixado para trás
por Ele. Não é este aquele que se deitou com sua amante, e seu
senhor o lançou na prisão das trevas, e Faraó o tirou da prisão,
na medida em que ele interpretou seu sonho, como as mulheres
mais velhas dos egípcios também interpretam? mas eu me
casarei com o filho primogênito do rei, porque ele mesmo é rei
de toda a terra”. Quando ele ouviu essas coisas, Pentefres ficou
com vergonha de falar mais com sua filha Asenath sobre José,
pois ela lhe respondeu com arrogância e raiva.
Joseph chega à casa de Pentephres.
5. E eis! um jovem dos servos de Pentephres apareceu e disse-
lhe: "Eis! José está diante das portas de nossa corte." E quando
Asenath ouviu essas palavras, ela fugiu da presença de seu pai
e de sua mãe e subiu para o sótão, e entrou em seu quarto e
ficou na grande janela voltada para o leste para ver José
entrando na casa de seu pai. E Pentefres saiu e sua esposa e
todos os seus parentes e seus servos para encontrar José; e,
quando os portões do átrio que dava para o leste foram abertos,
José entrou sentado na segunda carruagem de Faraó; e havia
quatro cavalos atrelados, brancos como a neve, com pontas de
ouro, e a carruagem era feita toda de ouro puro. E José estava
vestido com uma túnica branca e rara, e o manto que foi jogado
em volta dele era roxo, feito de linho fino entrelaçado com
ouro, e uma coroa de ouro estava sobre sua cabeça, e ao redor
de sua coroa havia doze pedras escolhidas, e acima as pedras
doze raios dourados, e na mão direita um bastão real, que tinha
um ramo de oliveira estendido, e nele havia abundância de
frutos. Quando, então, José entrou no pátio e as portas foram
fechadas, e todos os homens e mulheres estranhos
permaneceram fora do pátio, pois os guardas dos portões se
aproximaram e fecharam as portas, Pentephres veio e sua
esposa e todos seus parentes, exceto sua filha Asenath, e eles
prestaram homenagem a José em suas faces na terra; e José
desceu do seu carro e cumprimentou-os com a mão.
Asenath vê Joseph pela janela.
6. E quando Asenath viu Joseph, ela sentiu uma pontada na
alma e seu coração foi esmagado, e seus joelhos foram frouxos
e todo o seu corpo tremeu e ela temeu com grande medo, e
então ela gemeu e disse em seu coração: "Ai de mim
miserável! para onde irei agora eu, o miserável, ou onde me
esconderei de sua face? ou como me verá José, o filho de Deus,
pois da minha parte falei coisas más sobre ele? Ai de mim
miserável! para onde irei e me esconderei, porque ele mesmo
vê todos os esconderijos e conhece todas as coisas, e nenhuma
coisa escondida lhe escapa por causa da grande luz que há
nele? E agora que o Deus de José tenha misericórdia para mim,
porque em ignorância falei palavras perversas contra ele. O
que devo seguir agora, o miserável? Não disse eu: José, filho
do pastor, vem da terra de Canaã? Agora, pois, ele veio até nós
em sua carruagem como o sol do céu, e ele entrou em nossa
casa hoje e brilha nela como luz sobre a terra. Mas sou tolo e
ousado, porque o desprezei e falei mal dele e não sabia que
José era filho de Deus. Pois quem entre os homens gerará tal
beleza, ou que ventre de mulher dará à luz tal luz? Miserável
e tolo sou eu, porque falei palavras maldosas a meu pai. Agora,
portanto, que meu pai me dê a José como serva e escrava, e
serei escrava dele para sempre”.
Joseph vê Asenath na janela.
7. E José entrou na casa de Pentefres e sentou-se numa cadeira.
E lavaram-lhe os pés, e puseram-lhe uma mesa separada diante
dele, porque José não comia com os egípcios, visto que isto
lhe era abominável. E José olhou para cima e viu Asenath
espiando, e disse a Pentephres: "Quem é aquela mulher que
está parada no sótão perto da janela? Deixe-a sair desta casa."
Pois José temia, dizendo: "Para que ela mesma também não
me aborreça." Pois todas as esposas e filhas dos príncipes e os
sátrapas de toda a terra do Egito costumavam incomodá-lo
para que pudessem deitar-se com ele; mas também muitas
esposas e filhas dos egípcios, todas as que viram José, ficaram
angustiadas por causa de sua beleza; e os enviados que as
mulheres lhe enviaram com ouro, prata e presentes preciosos,
José enviou de volta com ameaças e insultos, dizendo: "Não
pecarei diante do Senhor Deus e diante de meu pai Israel". Pois
José tinha Deus sempre diante de seus olhos e sempre se
lembrava das injunções de seu pai; pois Jacó frequentemente
falava e admoestava seu filho José e todos os seus filhos:
"Mantenham-se, filhos, longe de uma mulher estranha, para
não terem comunhão com ela, pois a comunhão com ela é
ruína e destruição." Portanto José disse: “Deixa essa mulher
sair desta casa”. E Pentefres disse-lhe: “Meu senhor, aquela
mulher que você viu parada no sótão não é uma estranha, mas
é nossa filha, alguém que odeia todos os homens, e nenhum
outro homem jamais a viu, exceto você apenas hoje; e , se
desejar, senhor, ela virá e falará contigo, pois nossa filha é
como sua irmã. E José regozijou-se com grande alegria, pois
Pentefres disse: “Ela é uma virgem que odeia todos os
homens”. E José disse a Pentefres e sua esposa: “Se ela é sua
filha, e é virgem, deixe-a vir, pois ela é minha irmã, e eu a amo
desde hoje como minha irmã”.
José abençoa Asenath.
8. Então sua mãe subiu ao sótão e trouxe Asenath para José, e
Pentephres disse a ela: "Beije seu irmão, porque ele também é
virgem como você hoje, e odeia toda mulher estranha, assim
como você odeia todo homem estranho. ." E Asenath disse a
Joseph: "Salve, senhor, bendito do Deus Altíssimo." E José
disse a ela: ''Deus que vivifica todas as coisas te abençoará,
donzela." Pentephres disse então a sua filha Asenath: "Venha
e beije seu irmão." Quando Asenath então se aproximou para
beijar Joseph, Joseph estendeu a mão direita mão, e colocou-o
em seu peito entre seus dois peitos (pois seus peitos já estavam
salientes como lindas maçãs), e José disse: "Não é adequado
ao homem que adora a Deus, que abençoa com a boca o Deus
vivo, e come o bendito pão da vida, e bebe o bendito cálice da
imortalidade, e é ungido com a bendita unção da incorrupção,
para beijar uma mulher estranha, que abençoa com a boca
ídolos mortos e surdos e come de sua mesa o pão do
estrangulamento e bebe de sua libação o cálice do engano e é
ungido com a unção da destruição; mas o homem que adora a
Deus beijará sua mãe e a irmã que nasce de sua mãe e a irmã
que nasce de sua tribo e a esposa que compartilha seu leito,
que abençoam com a boca o Deus vivo. Da mesma forma,
também não é adequado para uma mulher que adora a Deus
beijar um homem estranho, pois isso é uma abominação aos
olhos do Senhor Deus." E, quando Asenath ouviu essas
palavras de José, ela ficou muito angustiada e gemeu ; e,
enquanto ela olhava fixamente para José com os olhos abertos,
eles se encheram de lágrimas. E José, quando a viu chorando,
teve muita pena dela, pois ele era brando e misericordioso e
alguém que temia ao Senhor. Então ele levantou a mão direita
acima da cabeça dela e disse: "Senhor Deus de meu pai Israel,
o Altíssimo e o Deus poderoso, que vivifica todas as coisas e
chama das trevas para a luz e do erro para a verdade e da morte
para a vida, abençoa tu também esta virgem, e vivifica-a, e
renova-a com o teu espírito santo, e deixa-a comer o pão da
tua vida e beber o cálice da tua bênção, e conta-la com o teu
povo que escolheste antes de todas as coisas serem feitas, e
deixe-a entrar no teu descanso que preparaste para os teus
eleitos, e deixe-a viver na tua vida eterna para sempre.
Asenath se retira e Joseph se prepara para partir.
9. E Asenath regozijou-se com a bênção de Joseph com grande
alegria. Então ela se apressou e subiu sozinha para seu sótão,
e caiu na cama enferma, pois isso havia em sua alegria, tristeza
e grande medo; e um suor contínuo foi derramado sobre ela
quando ela ouviu essas palavras de José, e quando ele falou
com ela em nome do Deus Altíssimo. Então ela chorou com
grande e amargo choro, e se arrependeu de seus deuses que ela
costumava adorar, e dos ídolos, que ela desprezava, e esperou
que a noite chegasse. Mas José comeu e bebeu; e ele ordenou
aos seus servos que atrelassem os cavalos aos seus carros e
rodeassem toda a terra. E Pentefres disse a José: "Deixe meu
senhor ficar aqui hoje, e pela manhã você irá embora." E José
disse: “Não, mas irei embora hoje, pois este é o dia em que
Deus começou a fazer todas as Suas coisas criadas, e no oitavo
dia também retornarei para você e me hospedarei aqui”.
Asenath rejeita os deuses egípcios e se humilha.
10. E, quando José deixou a casa, Pentephres também e todos
os seus parentes partiram para sua herança, e Asenath foi
deixada sozinha com as sete virgens, apática e chorando até o
pôr do sol; e ela não comeu pão nem bebeu água, mas
enquanto todos dormiam, só ela estava acordada e chorando e
batendo frequentemente no peito com a mão. E depois dessas
coisas, Asenath levantou-se da cama e desceu silenciosamente
as escadas do sótão, e ao chegar ao portão encontrou a porteira
dormindo com seus filhos; e ela se apressou e tirou da porta a
cobertura de couro da cortina e encheu-a de cinzas e levou-a
até o sótão e colocou-a no chão. E então ela fechou a porta
com segurança e prendeu-a com o ferrolho lateral e gemeu
com grande gemido junto com muito, muito grande choro.
Mas a virgem a quem Asenath amava acima de todas as
virgens, tendo ouvido seu gemido, apressou-se e veio até a
porta depois de acordar também as outras virgens e encontrou-
a fechada. E, depois de ouvir os gemidos e o choro de Asenath,
ela disse-lhe, ficando do lado de fora: "O que é isso, minha
senhora, e por que você está triste? E o que é que te incomoda?
Abra para nós e deixe nós te vemos." E Asenath disse a ela,
sendo trancada lá dentro: “Uma dor grande e dolorosa atacou
minha cabeça, e estou descansando em minha cama, e não sou
capaz de me levantar e me abrir para você, por isso estou
enfermo em todos os meus membros. Vá, portanto, cada um
de vocês para o seu quarto e durma, e deixe-me ficar quieto."
E, quando as virgens partiram, cada uma para seu próprio
quarto, Asenath levantou-se e abriu a porta de seu quarto
silenciosamente, e foi para seu segundo quarto, onde estavam
os baús de seu adorno, e ela abriu seu cofre e pegou uma bolsa
preta e preta. túnica sombria que ela vestiu e chorou quando
seu irmão primogênito morreu. Tendo tomado, então, esta
túnica, ela a levou para seu quarto, e novamente fechou a porta
com segurança, e colocou o ferrolho lateralmente. Então,
portanto, Asenath tirou seu manto real, e vestiu a túnica de
luto, e desatou seu cinto de ouro e cingiu-se com uma corda e
tirou a tiara, que é a mitra, de sua cabeça, da mesma forma
também o diadema, e as correntes de suas mãos e pés também
foram colocadas no chão. Então ela pegou seu manto
escolhido e o cinto de ouro e a mitra e seu diadema, e os lançou
pela janela que dava para o norte, para os pobres. E então ela
pegou todos os seus deuses que estavam em sua câmara, os
deuses de ouro e de prata dos quais não havia número, e os
quebrou em fragmentos, e os jogou pela janela para homens
pobres e mendigos. E novamente, Asenath pegou seu jantar
real e os animais cevados e os peixes e a carne de novilha, e
todos os sacrifícios de seus deuses, e os vasos do vinho de
libação, e jogou tudo pela janela que dava para o norte como
alimento para os cães. . 2 E depois destas coisas ela pegou a
capa de couro contendo as cinzas e despejou-as no chão; e
então ela pegou um saco e cingiu os lombos; e ela também
soltou a rede do cabelo da sua cabeça e espalhou cinza sobre a
sua cabeça. E ela espalhou cinzas também no chão, e caiu
sobre as cinzas e continuou batendo no peito constantemente
com as mãos e chorando a noite toda com gemidos até de
manhã. E, quando Asenath se levantou pela manhã e viu, e eis!
as cinzas estavam embaixo dela como o barro de suas
lágrimas, ela novamente caiu com o rosto sobre as cinzas até
o pôr do sol. Assim, Asenath fez isso por sete dias, sem provar
absolutamente nada.
Asenath resolve orar ao Deus dos hebreus.
11. E no oitavo dia, quando chegou o amanhecer e os pássaros
já estavam cantando e os cães latindo para os transeuntes,
Asenath levantou um pouco a cabeça do chão e das cinzas
sobre as quais ela estava sentada, pois estava extremamente
cansada. e havia perdido o poder de seus membros devido à
grande humilhação; pois Asenath estava cansada e desmaiada
e suas forças estavam diminuindo, e então ela se virou em
direção à parede, sentando-se sob a janela que dava para o
leste; e ela deitou a cabeça sobre o peito, entrelaçando os dedos
das mãos sobre o joelho direito; e a sua boca estava fechada, e
ela não a abriu durante os sete dias e durante as sete noites da
sua humilhação. E ela disse em seu coração, sem abrir a boca:
"O que devo fazer, eu a humilde, ou para onde irei? E com
quem novamente encontrarei refúgio daqui em diante? Ou
com quem falarei, a virgem que é órfão e desolado e
abandonado por todos e odiado? Todos agora passaram a me
odiar, e entre estes até mesmo meu pai e minha mãe, por que
rejeitei os deuses com aversão e acabei com eles e os dei aos
pobres para ser destruída pelos homens. Pois meu pai e minha
mãe disseram: "Asenath não é nossa filha." Mas todos os meus
parentes também passaram a me odiar, e a todos os homens,
por ter entregado seus deuses à destruição. E eu odiei todos os
homens e todos os que me cortejaram, e agora nesta minha
humilhação fui odiado por todos e eles se regozijam com a
minha tribulação. Mas o Senhor e Deus do poderoso José
odeia todos os que adoram os ídolos, pois ele é um Deus zeloso
e terrível, como ouvi, contra todos os que adoram deuses
estranhos; por isso ele também me odiou, porque adorei ídolos
mortos e surdos e os abençoei. Mas agora evitei seu sacrifício,
e minha boca se afastou de sua mesa, e não tenho coragem de
invocar o Senhor Deus do céu, o Altíssimo e poderoso do
poderoso José, pois minha boca está poluída de os sacrifícios
dos ídolos. Mas tenho ouvido muitos dizerem que o Deus dos
hebreus é um Deus verdadeiro, e um Deus vivo, e um Deus
misericordioso, e misericordioso, e longânimo, e cheio de
misericórdia e manso, e aquele que não considera o pecado de
um homem que é humilde, especialmente aquele que peca por
ignorância e não condena as iniqüidades no momento da
aflição de um homem que está aflito; conseqüentemente, eu
também, o humilde, serei ousado e me voltarei para ele e
buscarei refúgio nele e confessarei todos os meus pecados a
ele e derramarei minha petição diante dele, e ele terá
misericórdia de minha miséria. Pois quem sabe se ele verá esta
minha humilhação e a desolação da minha alma e terá pena de
mim, e verá também a orfandade da minha miséria e
virgindade e me defenderá? pois, pelo que ouvi, ele próprio é
pai de órfãos, consolador dos aflitos e ajudador dos
perseguidos. Mas de qualquer forma, eu também, o humilde,
serei ousado e clamarei a ele. Então Asenath levantou-se da
parede onde estava sentada, e levantou-se sobre os joelhos em
direção ao leste e dirigiu os olhos para o céu e abriu a boca e
disse a Deus:
Oração de Asenath
12. A oração e confissão de Asenath: "Senhor Deus dos justos,
que cria os tempos e dá vida a todas as coisas, que deu o fôlego
de vida a toda a tua criação, que trouxe as coisas invisíveis
para a luz, que fez todas as coisas e manifestaste as coisas que
não apareciam, que elevaste o céu e fundaste a terra sobre as
águas, que fixaste as grandes pedras sobre o abismo da água,
que não serão submersas, mas estão até o fim fazendo a tua
vontade, porque tu, Senhor, disseste a palavra e todas as coisas
vieram a existir, e a tua palavra, Senhor, é a vida de todas as
tuas criaturas, para ti eu fujo em busca de refúgio, Senhor meu
Deus, de agora em diante, a ti clamarei, Senhor , e a ti
confessarei meus pecados, a ti derramarei minha petição,
Mestre, e a ti revelarei minhas iniqüidades. Poupe-me, Senhor,
poupe-me, pois cometi muitos pecados contra ti, cometi
iniqüidade e impiedade, falei coisas que não devem ser
proferidas, e que são más aos teus olhos; a minha boca,
Senhor, está contaminada pelos sacrifícios dos ídolos dos
egípcios, e pela mesa dos seus deuses: pequei, Senhor, pequei
em à tua vista, tanto com conhecimento como por ignorância
pratiquei impiedade, adorando ídolos mortos e surdos, e não
sou digno de abrir minha boca para ti, Senhor, eu, a miserável
Asenath, filha de Pentephres, o sacerdote, a virgem e rainha,
que já foi orgulhoso e arrogante e que prosperou com as
riquezas de meu pai acima de todos os homens, mas agora é
órfão, desolado e abandonado por todos os homens. Para ti
fujo, Senhor, e a ti ofereço a minha petição, e a ti clamarei.
Livra-me daqueles que me perseguem. Mestre, antes que eu
seja levado por eles; pois, como uma criança com medo de
alguém foge para seu pai e sua mãe, e seu pai estende as mãos
e o pega contra o peito, assim faça você. Senhor, estenda sobre
mim tuas mãos imaculadas e terríveis, como um pai que ama
os filhos, e afaste-me das mãos do inimigo supersensual. Pois
eis! o leão antigo, selvagem e cruel me persegue, pois ele é o
pai dos deuses dos egípcios, e os deuses dos ídolos maníacos
são seus filhos, e eu passei a odiá-los e acabei com eles, porque
eles são filhos de um leão, e eu expulsei de mim todos os
deuses dos egípcios e os eliminei, e o leão, ou seu pai, o diabo,
em ira contra mim está tentando me engolir. Mas tu, Senhor,
livra-me das suas mãos, e eu serei resgatado da sua boca, para
que ele não me despedace e me lance na chama do fogo, e o
fogo me lance na tempestade, e a tempestade prevaleça sobre
mim nas trevas e lançou-me nas profundezas do mar, e a
grande besta que existe desde a eternidade me engoliu, e eu
pereci para sempre. Livra-me, Senhor, antes que todas estas
coisas aconteçam sobre mim; livra-me, Mestre, o desolado e
indefeso, pois meu pai e minha mãe me negaram e disseram:
'Asenath não é nossa filha', porque eu quebrei seus deuses em
pedaços e acabei com eles, por tê-los odiado completamente.
E agora sou órfão e desolado, e não tenho outra esperança além
de você. Senhor, nem outro refúgio senão a tua misericórdia,
amigo dos homens, porque só és pai dos órfãos e defensor dos
perseguidos e ajudador dos aflitos. Tem piedade de mim,
Senhor, e mantém-me puro e virgem, o abandonado e o órfão,
pois só tu, Senhor, és um pai doce, bom e gentil. Pois que pai
é doce e bom como tu, Senhor? Pois eis! todas as casas de meu
pai Pentephres, que ele me deu como herança, estão por um
tempo e desaparecendo; mas as casas da tua herança, Senhor,
são incorruptíveis e eternas."
Oração de Asenath (continuação)
13. "Visite, Senhor, minha humilhação e tenha piedade de
minha orfandade e tenha piedade de mim, o aflito. Pois eis!
Eu, Mestre, fugi de tudo e busquei refúgio em ti, o único amigo
dos homens. Eis! Deixei todo o bem coisas da terra e busquei
refúgio em ti. Senhor, em saco e cinzas, nu e solitário. Eis que
agora tirei meu manto real de linho fino e de tecido carmesim
entrelaçado com ouro e vesti uma túnica preta de luto. Eis!
Soltei meu cinto de ouro e lancei-o para longe de mim e cingi-
me com corda e saco. Eis! meu diadema e minha mitra tirei de
minha cabeça e me borrifei com cinzas. Eis! o chão de meu
quarto que foi pavimentado com pedras multicoloridas e
roxas, que antes era umedecido com unguentos e enxugado
com panos de linho brilhante, agora está umedecido com
minhas lágrimas e foi desonrado por estar coberto de cinzas.
Eis! meu Senhor, das cinzas e minhas lágrimas formaram
muito barro em meu quarto como numa estrada larga. Eis, meu
Senhor, meu jantar real e as carnes que dei aos cães. Veja! Eu
também, Mestre, estive jejuando sete dias e sete noites e não
comi pão nem bebi água, e minha boca está seca como uma
roda e minha língua como chifre e meus lábios como um caco
de cerâmica, e meu rosto encolheu e meus olhos falharam em
derramar lágrimas. Mas tu, Senhor meu Deus, livra-me das
minhas muitas ignorâncias, e perdoa-me por isso, sendo
virgem e sem saber, me extraviei. Veja! agora sei que todos os
deuses que antes adorava na ignorância eram ídolos surdos e
mortos, e quebrei-os em pedaços e entreguei-os para serem
pisoteados por todos os homens, e os ladrões os saquearam,
que eram ouro e prata , e contigo busquei refúgio, Senhor
Deus, o único compassivo e amigo dos homens. Perdoe-me,
Senhor, por ter cometido muitos pecados contra ti por
ignorância e por ter falado palavras blasfemas contra meu
senhor José, e não sabia, eu o miserável, que ele é teu filho.
Senhor, já que os homens ímpios, incitados pela inveja, me
disseram: 'José é filho de um pastor da terra de Canaã', e eu, o
miserável, acreditei neles e me desviei, e o desprezei e falei
coisas más sobre ele, sem saber que ele é teu filho. Pois quem
entre os homens gerou ou gerará tal beleza? ou quem mais é
como ele, sábio e poderoso como o todo-belo José? Mas a ti,
Senhor, eu o entrego, porque de minha parte o amo mais do
que a minha alma. Mantenha-o seguro na sabedoria da tua
graça e confie-me a ele como serva e escrava, para que eu
possa lavar seus pés e fazer sua cama e servi-lo e servi-lo, e
serei uma escrava dele para o momentos da minha vida."
O Arcanjo Miguel visita Asenath.
14. E, quando Asenath parou de fazer confissão ao Senhor, eis!
a estrela da manhã também surgiu do céu no leste; e Asenath
viu isso e se alegrou e disse: "O Senhor Deus então ouviu
minha oração? Pois esta estrela é uma mensageira e arauto do
auge do grande dia." E eis! bem perto da estrela da manhã o
céu foi rasgado e uma luz grande e inefável apareceu. E
quando ela viu isso, Asenath caiu com o rosto sobre as cinzas,
e imediatamente veio até ela um homem do céu, emitindo raios
de luz, e ficou acima de sua cabeça. E, enquanto ela estava
deitada de bruços, o anjo divino disse-lhe: "Asenath, levante-
se." E ela disse: “Quem é aquele que me chamou porque a
porta do meu quarto está fechada e a torre é alta, e como então
ele entrou no meu quarto?” E ele ligou para ela novamente
pela segunda vez, dizendo: “Asenath, Asenath”. E ela disse:
“Aqui estou, senhor, diga-me quem és”. E ele disse: “Eu sou
o capitão-mor do Senhor Deus e comandante de todo o
exército do Altíssimo: levanta-te e põe-te de pé, para que eu te
fale as minhas palavras”. E ela levantou o rosto e viu, e eis!
um homem em todas as coisas semelhante a José, com manto,
coroa de flores e cajado real, exceto que seu rosto era como
um relâmpago, e seus olhos como a luz do sol, e os cabelos de
sua cabeça como a chama de fogo de uma tocha acesa , e suas
mãos e seus pés brilhavam como ferro do fogo, pois, por assim
dizer, saíam faíscas tanto de suas mãos como de seus pés.
Vendo essas coisas, Asenath temeu e caiu de cara no chão,
incapaz até mesmo de ficar de pé, pois ficou com muito medo
e todos os seus membros tremeram. E o homem disse a ela:
"Tenha bom ânimo, Asenath, e não tema; mas levante-se e
fique de pé, para que eu possa falar-lhe minhas palavras."
Então Asenath levantou-se e ficou de pé, e o anjo disse-lhe:
"Vá sem impedimento para o seu segundo quarto e deixe de
lado a túnica preta com a qual você está vestida, e tire o pano
de saco dos seus lombos, e sacuda as cinzas da tua cabeça, e
lava o teu rosto e as tuas mãos com água pura e veste um manto
branco intocado e cinge os teus lombos com o cinturão
brilhante da virgindade, o duplo, e volta para mim, e eu te direi
as palavras que te são enviados pelo Senhor." Então Asenath
se apressou e entrou em seu segundo quarto, onde estavam os
baús de seu adorno, e abriu seu cofre e pegou um manto
branco, fino e intocado e o vestiu, tendo primeiro tirado o
manto preto, e desabotoado também a corda e tirou o saco de
seus lombos e cingiu-se com um cinto duplo e brilhante de sua
virgindade, um cinto em volta de seus lombos e outro cinto em
volta de seu peito. E ela sacudiu também as cinzas de sua
cabeça e lavou as mãos e o rosto com água pura, e pegou um
manto muito lindo e fino e cobriu sua cabeça com um véu.
Michael diz a Asenath que ela será a esposa de Joseph.
15. E então ela veio até o capitão-chefe divino e ficou diante
dele, e o anjo do Senhor disse a ela: "Tire agora o manto de
sua cabeça, pois hoje você é uma virgem pura, e sua cabeça é
como de um jovem homem." E Asenath tirou isso da cabeça.
E novamente, o anjo divino disse a ela: "Tem bom ânimo,
Asenath, a virgem e pura, pois eis que o Senhor Deus ouviu
todas as palavras da tua confissão e da tua oração, e ele viu
também a humilhação e a aflição de os sete dias de tua
abstinência, pois de tuas lágrimas muito barro se formou
diante de tua face sobre estas cinzas. Portanto, tenha bom
ânimo, Asenath, a virgem e pura, pois eis que teu nome foi
escrito no livro de vida e não será apagado para sempre; mas
a partir de hoje serás renovado, remodelado e vivificado, e
comerás o abençoado pão da vida e beberás um cálice cheio
de imortalidade e serás ungido com a bendita unção da
incorrupção. de bom ânimo, Asenath, a virgem e pura, eis que
o Senhor Deus te deu hoje a José como noiva, e ele mesmo
será teu noivo para sempre. E daqui em diante não serás mais
chamada Asenath, mas teu nome será sê Cidade de Refúgio,
pois em ti muitas nações buscarão refúgio e se alojarão sob
tuas asas, e muitas nações encontrarão abrigo por teu meio, e
em teus muros aqueles que se apegarem ao Deus Altíssimo por
meio da penitência serão mantidos seguros; pois essa
Penitência é filha do Altíssimo, e ela mesma implora ao Deus
Altíssimo por ti a cada hora e por todos os que se arrependem,
visto que ele é o pai da Penitência, e ela mesma é a conclusão
e superintendente de todas as virgens, amando-te
excessivamente e suplicando ao Altíssimo por você a cada
hora, e para todos os que se arrependem, ela fornecerá um
lugar de descanso nos céus e renova todos os que se
arrependeram. E a penitência é extremamente bela, uma
virgem pura, gentil e branda; e, portanto, o Deus Altíssimo a
ama, e todos os anjos a reverenciam, e eu a amo
excessivamente, pois ela também é minha irmã, e como ela
ama vocês, virgens, eu também amo vocês. E eis! de minha
parte, vou até José e direi a ele todas estas palavras a respeito
de ti, e ele virá até ti hoje e te verá e se regozijará por ti e te
amará e será teu noivo, e tu serás sua amada noiva para
sempre. Portanto, ouça-me, Asenath, e vista uma túnica de
casamento, a antiga e primeira túnica que ainda está guardada
em seu quarto desde a antiguidade, e coloque todos os seus
adornos escolhidos também sobre você, e adorne-se como uma
boa noiva e faça-se pronto para conhecê-lo; para eis! ele
mesmo vem a ti hoje e te verá e se alegrará." E, quando o anjo
do Senhor na forma de um homem terminou de falar essas
palavras para Asenath, ela se alegrou com grande alegria por
todas as coisas que foram ditas por ele. , e caiu com o rosto no
chão, e fez reverência diante de seus pés e disse-lhe: "Bendito
é o Senhor teu Deus que te enviou para me livrar das trevas e
para me trazer dos fundamentos do próprio abismo para o luz,
e bendito seja o teu nome para sempre. Se encontrei graça,
meu senhor, aos teus olhos e sei que cumprirás todas as
palavras que me disseste para que se cumpram, que a tua serva
fale contigo." E o anjo disse-lhe: " Diga." E ela disse: "Peço-
te, Senhor, sente-se um pouco nesta cama, porque esta cama é
pura e imaculada, pois outro homem ou outra mulher nunca se
sentou nela, e eu colocarei diante de ti uma mesa e pão, e
comerás, e eu também te trarei vinho velho e bom, cujo odor
chegará ao céu, e dele beberás e depois seguirás o teu
caminho." E ele disse a ela: " Apresse-se e traga-o
rapidamente."
Asenath encontra um favo de mel em seu armazém.
16. E Asenath apressou-se e colocou uma mesa vazia diante
dele; e, quando ela ia buscar o pão, o anjo divino lhe disse:
“Traga-me também um favo de mel”. E ela ficou parada e
ficou perplexa e triste por não ter um favo de abelha em seu
armazém. E o anjo divino lhe disse: “Por que você está
parada?” E ela disse: “Meu senhor, enviarei um menino ao
subúrbio, porque a posse de nossa herança está próxima, e ele
virá e trará uma rapidamente de lá, e eu a colocarei diante de
ti”. O anjo divino lhe disse: "Entre no seu armazém e você
encontrará um favo de abelha sobre a mesa; pegue-o e traga-o
aqui." E ela disse: “Senhor, não há favo de abelha no meu
armazém”. E ele disse: “Vá e você encontrará”. E Asenath
entrou em seu armazém e encontrou um favo de mel sobre a
mesa; e o favo era grande e branco como a neve e cheio de
mel, e aquele mel era como o orvalho do céu, e seu odor como
o odor da vida. Então Asenath se perguntou e disse consigo
mesma: “Este pente saiu da boca deste próprio homem?” E
Asenath pegou aquele favo e o trouxe e o colocou sobre a
mesa, e o anjo disse a ela: “Por que é que você disse: ‘Não há
favo de mel em minha casa’, e eis que você o trouxe para mim?
" E ela disse: “Senhor, nunca coloquei um favo de mel em
minha casa, mas como disseste, foi feito. Saiu isto da tua boca?
E o homem sorriu com a compreensão da mulher. Então ele a
chamou para si e, quando ela chegou, ele estendeu a mão
direita e segurou a cabeça dela, e, quando ele balançou a
cabeça dela com a mão direita, Asenath temeu muito a mão do
anjo, pois aquelas faíscas procediam de suas mãos pareciam
ferro em brasa e, portanto, ela ficava o tempo todo olhando
com muito medo e tremor para a mão do anjo. E ele sorriu e
disse: "Bem-aventurado és tu, Asenath, porque os mistérios
inefáveis de Deus foram revelados a ti; e bem-aventurados são
todos os que se apegam ao Senhor Deus em penitência, porque
comerão deste favo, porque este favo é o espírito da vida, e
isto as abelhas do paraíso do deleite fizeram do orvalho das
rosas da vida que estão no paraíso de Deus e em cada flor, e
dele comem os anjos e todos os eleitos de Deus e todos os
filhos do Altíssimo, e qualquer que dele comer não morrerá
para sempre”. Então o anjo divino estendeu a mão direita e
pegou um pedacinho do pente e comeu, e com a própria mão
colocou o que sobrou na boca de Asenath e disse-lhe: “Coma”,
e ela comeu. E o anjo disse a ela: "Eis que agora você comeu
o pão da vida e bebeu o cálice da imortalidade e foi ungida
com a unção da incorrupção; eis que agora hoje sua carne
produz flores de vida da fonte do Altíssimo Alto, e teus ossos
serão engordados como os cedros do paraíso do deleite de
Deus e poderes incansáveis te manterão; conseqüentemente,
tua juventude não verá a velhice, nem tua beleza falhará para
sempre, mas tu serás como um muro murado. cidade-mãe de
todos." E o anjo incitou o favo, e muitas abelhas surgiram das
células daquele favo, e as células eram incontáveis, dezenas de
milhares de dezenas de milhares e milhares de milhares. E as
abelhas também eram brancas como a neve, e as suas asas
como matéria púrpura, carmesim e escarlate; e também
tiveram ferroadas agudas e não feriram ninguém. Então todas
aquelas abelhas cercaram Asenath dos pés à cabeça, e outras
grandes abelhas como suas rainhas surgiram das celas, e
circularam em torno de seu rosto e lábios, e fizeram um pente
em sua boca e em seus lábios como o pente que deite-se diante
do anjo; e todas aquelas abelhas comeram do favo que estava
na boca de Asenath. E o anjo disse às abelhas: “Vão agora para
o seu lugar”. Então todas as abelhas levantaram-se e voaram e
partiram para o céu; mas todos os que desejaram ferir Asenath
caíram no chão e morreram. E então o anjo estendeu seu
cajado sobre as abelhas mortas e disse-lhes: "Levantem-se e
partam também para o seu lugar." Então todas as abelhas
mortas se levantaram e partiram para o pátio adjacente à casa
de Asenath e se alojaram nas árvores frutíferas.
Miguel parte.
17. E o anjo disse a Asenath: “Você viu isso?” E ela disse:
“Sim, meu senhor, eu vi todas essas coisas”. O anjo divino lhe
disse: “Assim serão todas as minhas palavras e o linho fino
entrelaçado com ouro, e havia uma coroa de ouro na cabeça de
cada uma delas; Então o anjo do Senhor pela terceira vez
estendeu a mão direita e tocou a lateral do favo, e
Anúncio

Recomendados

004 lendo biblia sagrada em 1 ano - 04-01-2015
004  lendo biblia sagrada em 1 ano  - 04-01-2015004  lendo biblia sagrada em 1 ano  - 04-01-2015
004 lendo biblia sagrada em 1 ano - 04-01-2015Rachel V.
 
Pequeno excerto do conto - As viagens do ka
Pequeno excerto do conto -  As viagens do kaPequeno excerto do conto -  As viagens do ka
Pequeno excerto do conto - As viagens do kaJosé Movilha
 
Pequeno excerto do conto AS VIAGENS DO Ka
Pequeno excerto do conto  AS VIAGENS DO KaPequeno excerto do conto  AS VIAGENS DO Ka
Pequeno excerto do conto AS VIAGENS DO KaJosé Movilha
 
Manuscrito Hebraico Shem tov traduzido Português.
Manuscrito Hebraico Shem tov traduzido Português.Manuscrito Hebraico Shem tov traduzido Português.
Manuscrito Hebraico Shem tov traduzido Português.ASD Remanescentes
 
005 lendo biblia sagrada em 1 ano - 05-01-2015
005  lendo biblia sagrada em 1 ano  - 05-01-2015005  lendo biblia sagrada em 1 ano  - 05-01-2015
005 lendo biblia sagrada em 1 ano - 05-01-2015Rachel V.
 

Mais conteúdo relacionado

Mais de Filipino Tracts and Literature Society Inc.

Mais de Filipino Tracts and Literature Society Inc. (20)

ZULU - The Book of the Prophet Nahum.pdf
ZULU - The Book of the Prophet Nahum.pdfZULU - The Book of the Prophet Nahum.pdf
ZULU - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
YUCATEC MAYA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
YUCATEC MAYA - The Book of the Prophet Nahum.pdfYUCATEC MAYA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
YUCATEC MAYA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
Yoruba - The Book of the Prophet Nahum.pdf
Yoruba - The Book of the Prophet Nahum.pdfYoruba - The Book of the Prophet Nahum.pdf
Yoruba - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
YIDDISH - The Book of the Prophet Nahum.pdf
YIDDISH - The Book of the Prophet Nahum.pdfYIDDISH - The Book of the Prophet Nahum.pdf
YIDDISH - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
XHOSA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
XHOSA - The Book of the Prophet Nahum.pdfXHOSA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
XHOSA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
Western Frisian - The Book of the Prophet Nahum.pdf
Western Frisian - The Book of the Prophet Nahum.pdfWestern Frisian - The Book of the Prophet Nahum.pdf
Western Frisian - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
WELSH - The Book of the Prophet Nahum.pdf
WELSH - The Book of the Prophet Nahum.pdfWELSH - The Book of the Prophet Nahum.pdf
WELSH - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
VIETNAMESE - The Book of the Prophet Nahum.pdf
VIETNAMESE - The Book of the Prophet Nahum.pdfVIETNAMESE - The Book of the Prophet Nahum.pdf
VIETNAMESE - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
UZBEK - The Book of the Prophet Nahum.pdf
UZBEK - The Book of the Prophet Nahum.pdfUZBEK - The Book of the Prophet Nahum.pdf
UZBEK - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
UYGHUR - The Book of the Prophet Nahum.pdf
UYGHUR - The Book of the Prophet Nahum.pdfUYGHUR - The Book of the Prophet Nahum.pdf
UYGHUR - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
URDU - The Book of the Prophet Nahum.pdf
URDU - The Book of the Prophet Nahum.pdfURDU - The Book of the Prophet Nahum.pdf
URDU - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
UPPER SORBIAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
UPPER SORBIAN - The Book of the Prophet Nahum.pdfUPPER SORBIAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
UPPER SORBIAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
UKRAINIAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
UKRAINIAN - The Book of the Prophet Nahum.pdfUKRAINIAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
UKRAINIAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
TWI - The Book of the OT Prophet Nahum.pdf
TWI - The Book of the OT Prophet Nahum.pdfTWI - The Book of the OT Prophet Nahum.pdf
TWI - The Book of the OT Prophet Nahum.pdf
 
TURKMEN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TURKMEN - The Book of the Prophet Nahum.pdfTURKMEN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TURKMEN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
TURKISH - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TURKISH - The Book of the Prophet Nahum.pdfTURKISH - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TURKISH - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
TSONGA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TSONGA - The Book of the Prophet Nahum.pdfTSONGA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TSONGA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
TONGAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TONGAN - The Book of the Prophet Nahum.pdfTONGAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TONGAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
TIGRINYA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TIGRINYA - The Book of the Prophet Nahum.pdfTIGRINYA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TIGRINYA - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 
TIBETAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TIBETAN - The Book of the Prophet Nahum.pdfTIBETAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
TIBETAN - The Book of the Prophet Nahum.pdf
 

Último

Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptxRodrigoTavares484059
 
Apresentação Programação Agenda Semanal Igreja Moderno Branco Verde Roxo ...
Apresentação Programação Agenda Semanal Igreja Moderno Branco Verde Roxo ...Apresentação Programação Agenda Semanal Igreja Moderno Branco Verde Roxo ...
Apresentação Programação Agenda Semanal Igreja Moderno Branco Verde Roxo ...advbrunomoretti
 
Novena Da Imaculada Conceição
Novena Da Imaculada ConceiçãoNovena Da Imaculada Conceição
Novena Da Imaculada ConceiçãoNilson Almeida
 
Orações Cristãs Diárias
Orações Cristãs DiáriasOrações Cristãs Diárias
Orações Cristãs DiáriasNilson Almeida
 
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo MiguelLimpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo MiguelNilson Almeida
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptxjoseciceroroberto197
 
Novena Do Seguimento De Cristo
Novena Do Seguimento De CristoNovena Do Seguimento De Cristo
Novena Do Seguimento De CristoNilson Almeida
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS - PDF.pdf
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS - PDF.pdfSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS - PDF.pdf
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS - PDF.pdfjoseciceroroberto197
 
DIZIMOS - Também é para nós cristãos?.docx
DIZIMOS  - Também é  para nós cristãos?.docxDIZIMOS  - Também é  para nós cristãos?.docx
DIZIMOS - Também é para nós cristãos?.docxJose Moraes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptxMarta Gomes
 
Novena A Santo Inácio De Loyola
Novena A Santo Inácio De Loyola Novena A Santo Inácio De Loyola
Novena A Santo Inácio De Loyola Nilson Almeida
 
ordem nova ordem irmandade e fraternidade
ordem nova ordem irmandade e fraternidadeordem nova ordem irmandade e fraternidade
ordem nova ordem irmandade e fraternidadececilcavalcanti
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxjoseciceroroberto197
 
Novena De Santo Onofre
Novena De Santo OnofreNovena De Santo Onofre
Novena De Santo OnofreNilson Almeida
 
Oração Pedindo Sabedoria E Discernimento
Oração Pedindo Sabedoria E DiscernimentoOração Pedindo Sabedoria E Discernimento
Oração Pedindo Sabedoria E DiscernimentoNilson Almeida
 

Último (20)

Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
 
Apresentação Programação Agenda Semanal Igreja Moderno Branco Verde Roxo ...
Apresentação Programação Agenda Semanal Igreja Moderno Branco Verde Roxo ...Apresentação Programação Agenda Semanal Igreja Moderno Branco Verde Roxo ...
Apresentação Programação Agenda Semanal Igreja Moderno Branco Verde Roxo ...
 
Novena Da Imaculada Conceição
Novena Da Imaculada ConceiçãoNovena Da Imaculada Conceição
Novena Da Imaculada Conceição
 
Novena De Santa Marta
Novena De Santa MartaNovena De Santa Marta
Novena De Santa Marta
 
Carta de Cuaresma 2024 reflexion grupo 3 PT.pdf
Carta de Cuaresma 2024 reflexion grupo 3 PT.pdfCarta de Cuaresma 2024 reflexion grupo 3 PT.pdf
Carta de Cuaresma 2024 reflexion grupo 3 PT.pdf
 
Orações Cristãs Diárias
Orações Cristãs DiáriasOrações Cristãs Diárias
Orações Cristãs Diárias
 
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo MiguelLimpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
Limpeza Espiritual 21 Dias Arcanjo Miguel
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS.pptx
 
Novena Do Seguimento De Cristo
Novena Do Seguimento De CristoNovena Do Seguimento De Cristo
Novena Do Seguimento De Cristo
 
Reflexão para grupos sobre a carta de Quaresma 2024 Parte 1
Reflexão para grupos sobre a carta de Quaresma 2024 Parte 1Reflexão para grupos sobre a carta de Quaresma 2024 Parte 1
Reflexão para grupos sobre a carta de Quaresma 2024 Parte 1
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS - PDF.pdf
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS - PDF.pdfSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS - PDF.pdf
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD JOVENS - PDF.pdf
 
DIZIMOS - Também é para nós cristãos?.docx
DIZIMOS  - Também é  para nós cristãos?.docxDIZIMOS  - Também é  para nós cristãos?.docx
DIZIMOS - Também é para nós cristãos?.docx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
Novena A Santo Inácio De Loyola
Novena A Santo Inácio De Loyola Novena A Santo Inácio De Loyola
Novena A Santo Inácio De Loyola
 
ordem nova ordem irmandade e fraternidade
ordem nova ordem irmandade e fraternidadeordem nova ordem irmandade e fraternidade
ordem nova ordem irmandade e fraternidade
 
Invocação À Luz
Invocação À LuzInvocação À Luz
Invocação À Luz
 
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 7 - 1T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Orações Vocacionais
Orações VocacionaisOrações Vocacionais
Orações Vocacionais
 
Novena De Santo Onofre
Novena De Santo OnofreNovena De Santo Onofre
Novena De Santo Onofre
 
Oração Pedindo Sabedoria E Discernimento
Oração Pedindo Sabedoria E DiscernimentoOração Pedindo Sabedoria E Discernimento
Oração Pedindo Sabedoria E Discernimento
 

Portuguese - Joseph and Asenath by E.W. Brooks.pdf

  • 1. JOSÉ E ASENATE Asenath é procurada em casamento pelo filho do rei e muitos outros. 1. No primeiro ano de fartura, no segundo mês, no quinto dia do mês, Faraó enviou José para percorrer toda a terra do Egito; e no quarto mês do primeiro ano, no décimo oitavo dia do mês, José chegou às fronteiras de Heliópolis, e estava colhendo o milho daquele país como a areia do mar. E havia naquela cidade um certo homem chamado Pentefres, que era sacerdote de Heliópolis e sátrapa de Faraó, e chefe de todos os sátrapas e príncipes de Faraó; e este homem era extremamente rico e muito sábio e gentil, e ele também era conselheiro de Faraó, porque era mais prudente do que todos os príncipes de Faraó. E ele tinha uma filha virgem, chamada Asenath, de dezoito anos, alta e atraente, e bela de se ver muito além de qualquer virgem na terra. Ora, a própria Asenath não tinha nenhuma semelhança com as virgens, as filhas dos egípcios, mas era em todas as coisas como as filhas dos hebreus, sendo alta como Sara e graciosa como Rebeca e bela como Raquel; e a fama de sua beleza se espalhou por toda aquela terra e até os confins do mundo, de modo que por causa disso todos os filhos dos príncipes e dos sátrapas desejaram cortejá-la, ou melhor, e os filhos dos reis também, todos jovens e poderosos, e houve grande conflito entre eles por causa dela, e eles tentaram lutar uns contra os outros. E o filho primogênito de Faraó também ouviu falar dela, e continuou suplicando a seu pai que lhe desse como esposa e dizendo-lhe: Dê-me, pai, Asenath, filha de Pentephres, o primeiro homem de Heliópolis, como esposa. E Faraó, seu pai, disse-lhe: “Por que procuras uma esposa inferior a ti, quando és rei de toda esta terra? Não, mas eis! a filha de Joacim, rei de Moabe, está desposada contigo, e ela mesma é uma rainha e muito bela de se ver. Leve então esta para você como esposa. A torre em que Asenath mora é descrita. 2. Mas Asenath desprezou e desprezou todos os homens, sendo arrogante e arrogante, e nunca um homem a viu, visto que Pentephres tinha em sua casa uma torre adjacente, grande e extremamente alta, e acima da torre havia um sótão contendo dez câmaras. E a primeira câmara era grande e muito bonita e pavimentada com pedras roxas, e as paredes dela eram revestidas com pedras preciosas e multicoloridas, e o telhado também daquela câmara era de ouro. E dentro daquela câmara deuses dos egípcios, dos quais não havia número, ouro e prata, foram fixados, e todos aqueles Asenath adoravam, e ela os temia, e ela realizava sacrifícios para eles todos os dias. E a segunda câmara também continha todos os adornos e baús de Asenath, e havia ouro nela, e muita prata e roupas tecidas em ouro ilimitadas, e pedras escolhidas e de grande preço, e roupas finas de linho, e todos os adornos de sua virgindade. estava lá. E a terceira câmara era o armazém de Asenath, contendo todas as coisas boas da terra. E as sete câmaras restantes foram ocupadas pelas sete virgens que ministravam a Asenath, cada uma tendo uma câmara, pois eram da mesma idade, nascidas na mesma noite com Asenath, e ela as amava muito; e eles também eram extremamente lindos como as estrelas do céu, e nunca um homem conversou com eles ou com uma criança do sexo masculino. Agora, a grande câmara de Asenath, onde sua virgindade foi cultivada, tinha três janelas; e a primeira janela era muito grande, dando para o pátio a leste; e o segundo olhou para o sul, e o terceiro olhou para a rua. E uma cama dourada ficava na câmara voltada para o leste; e a cama estava posta de tecido púrpura entrelaçado de ouro, sendo a cama tecida de tecido escarlate e carmesim e de linho fino. Nesta cama dormia apenas Asenath, e nunca um homem ou outra mulher sentou-se nela. E havia também um grande pátio adjacente à casa em todo o redor, e um muro muito alto ao redor do pátio, construído com grandes pedras retangulares; e havia também quatro portões no pátio revestidos de ferro, e cada um deles era guardado por dezoito jovens fortes armados; e também foram plantadas ao longo do muro belas árvores de todos os tipos e todas dando frutos, com seus frutos maduros, pois era a época da colheita; e havia também uma rica fonte de água brotando à direita do mesmo pátio; e abaixo da fonte havia uma grande cisterna que recebia a água daquela fonte, de onde corria, por assim dizer, um rio que atravessava o pátio e regava todas as árvores daquele pátio. José anuncia sua vinda a Pentefres. 3. E aconteceu no primeiro ano dos sete anos de fartura, no quarto mês, o vigésimo oitavo do mês, que José chegou às fronteiras de Heliópolis coletando o milho daquele distrito. E quando José se aproximou daquela cidade, ele enviou doze homens adiante dele a Pentefres, sacerdote de Heliópolis, dizendo: "Eu irei ter contigo hoje, porque é a hora do meio-dia e da refeição do meio-dia, e há grande calor do sol, e para que eu possa me refrescar sob o telhado de tua casa." E Pentephres, quando ouviu essas coisas, regozijou-se com grande alegria e disse: "Bendito seja o Senhor Deus de José, porque meu senhor José me considerou digno." E Pentefres chamou o superintendente de sua casa e disse-lhe: “Apresse-se e prepare minha casa, e prepare um grande jantar, porque José, o poderoso de Deus, vem hoje até nós”. E quando Asenath ouviu que seu pai e sua mãe tinham vindo da posse de sua herança, ela se alegrou muito e disse: "Eu irei ver meu pai e minha mãe, porque eles vieram da posse de nossa herança" (por isso é era a época da colheita). E Asenath apressou-se em seu quarto onde estavam suas vestes e vestiu uma túnica de linho fino feita de tecido carmesim e entrelaçada com ouro, e cingiu-se com um cinto de ouro e pulseiras em volta de suas mãos; e nos pés ela colocou coturnos de ouro, e em volta do pescoço ela lançou um ornamento de grande valor e pedras preciosas, que foram embelezados por todos os lados, tendo também os nomes dos deuses dos egípcios gravados em todos os lugares, ambos nas pulseiras e as pedras; e ela também colocou uma tiara na cabeça e amarrou um diadema em volta das têmporas e cobriu a cabeça com um manto. Pentephres propõe dar Asenath a Joseph em casamento. 4. E então ela se apressou e desceu as escadas de seu sótão e foi até seu pai e sua mãe e os beijou. E Pentephres e sua esposa regozijaram-se com sua filha Asenath com grande alegria, pois a viram adornada e embelezada como a noiva de Deus; e
  • 2. trouxeram todas as coisas boas que haviam trazido da posse de sua herança e as deram a sua filha; e Asenath regozijou-se com todas as coisas boas, com as frutas do final do verão e as uvas e as tâmaras e com as pombas, e com as amoras e os figos, porque eram todos belos e agradáveis ao paladar. E Pentephres disse a sua filha Asenath: “Criança”. E ela disse: “Aqui estou, meu senhor”. E ele lhe disse: “Sente-se entre nós, e eu te direi as minhas palavras”. "Eis! José, o poderoso de Deus, vem até nós hoje, e este homem é governante de toda a terra do Egito; e o rei Faraó o nomeou governante de toda a nossa terra e rei, e ele mesmo dá milho a todo este país , e o salva da fome vindoura; e este José é um homem que adora a Deus, e discreto e virgem como tu és hoje, e um homem poderoso em sabedoria e conhecimento, e o espírito de Deus está sobre ele e a graça de o Senhor está nele. Venha, querido filho, e eu te entregarei a ele por esposa, e você será para ele por noiva, e ele mesmo será seu noivo para sempre. E, quando Asenath ouviu essas palavras de seu pai, um grande suor foi derramado sobre seu rosto, e ela ficou furiosa com grande raiva, e olhou de soslaio para seu pai e disse: "Portanto, meu senhor pai , dizes estas palavras? Queres entregar-me como cativo a um estrangeiro, a um fugitivo e a um que foi vendido? Não é este o filho do pastor da terra de Canaã? E ele mesmo foi deixado para trás por Ele. Não é este aquele que se deitou com sua amante, e seu senhor o lançou na prisão das trevas, e Faraó o tirou da prisão, na medida em que ele interpretou seu sonho, como as mulheres mais velhas dos egípcios também interpretam? mas eu me casarei com o filho primogênito do rei, porque ele mesmo é rei de toda a terra”. Quando ele ouviu essas coisas, Pentefres ficou com vergonha de falar mais com sua filha Asenath sobre José, pois ela lhe respondeu com arrogância e raiva. Joseph chega à casa de Pentephres. 5. E eis! um jovem dos servos de Pentephres apareceu e disse- lhe: "Eis! José está diante das portas de nossa corte." E quando Asenath ouviu essas palavras, ela fugiu da presença de seu pai e de sua mãe e subiu para o sótão, e entrou em seu quarto e ficou na grande janela voltada para o leste para ver José entrando na casa de seu pai. E Pentefres saiu e sua esposa e todos os seus parentes e seus servos para encontrar José; e, quando os portões do átrio que dava para o leste foram abertos, José entrou sentado na segunda carruagem de Faraó; e havia quatro cavalos atrelados, brancos como a neve, com pontas de ouro, e a carruagem era feita toda de ouro puro. E José estava vestido com uma túnica branca e rara, e o manto que foi jogado em volta dele era roxo, feito de linho fino entrelaçado com ouro, e uma coroa de ouro estava sobre sua cabeça, e ao redor de sua coroa havia doze pedras escolhidas, e acima as pedras doze raios dourados, e na mão direita um bastão real, que tinha um ramo de oliveira estendido, e nele havia abundância de frutos. Quando, então, José entrou no pátio e as portas foram fechadas, e todos os homens e mulheres estranhos permaneceram fora do pátio, pois os guardas dos portões se aproximaram e fecharam as portas, Pentephres veio e sua esposa e todos seus parentes, exceto sua filha Asenath, e eles prestaram homenagem a José em suas faces na terra; e José desceu do seu carro e cumprimentou-os com a mão. Asenath vê Joseph pela janela. 6. E quando Asenath viu Joseph, ela sentiu uma pontada na alma e seu coração foi esmagado, e seus joelhos foram frouxos e todo o seu corpo tremeu e ela temeu com grande medo, e então ela gemeu e disse em seu coração: "Ai de mim miserável! para onde irei agora eu, o miserável, ou onde me esconderei de sua face? ou como me verá José, o filho de Deus, pois da minha parte falei coisas más sobre ele? Ai de mim miserável! para onde irei e me esconderei, porque ele mesmo vê todos os esconderijos e conhece todas as coisas, e nenhuma coisa escondida lhe escapa por causa da grande luz que há nele? E agora que o Deus de José tenha misericórdia para mim, porque em ignorância falei palavras perversas contra ele. O que devo seguir agora, o miserável? Não disse eu: José, filho do pastor, vem da terra de Canaã? Agora, pois, ele veio até nós em sua carruagem como o sol do céu, e ele entrou em nossa casa hoje e brilha nela como luz sobre a terra. Mas sou tolo e ousado, porque o desprezei e falei mal dele e não sabia que José era filho de Deus. Pois quem entre os homens gerará tal beleza, ou que ventre de mulher dará à luz tal luz? Miserável e tolo sou eu, porque falei palavras maldosas a meu pai. Agora, portanto, que meu pai me dê a José como serva e escrava, e serei escrava dele para sempre”. Joseph vê Asenath na janela. 7. E José entrou na casa de Pentefres e sentou-se numa cadeira. E lavaram-lhe os pés, e puseram-lhe uma mesa separada diante dele, porque José não comia com os egípcios, visto que isto lhe era abominável. E José olhou para cima e viu Asenath espiando, e disse a Pentephres: "Quem é aquela mulher que está parada no sótão perto da janela? Deixe-a sair desta casa." Pois José temia, dizendo: "Para que ela mesma também não me aborreça." Pois todas as esposas e filhas dos príncipes e os sátrapas de toda a terra do Egito costumavam incomodá-lo para que pudessem deitar-se com ele; mas também muitas esposas e filhas dos egípcios, todas as que viram José, ficaram angustiadas por causa de sua beleza; e os enviados que as mulheres lhe enviaram com ouro, prata e presentes preciosos, José enviou de volta com ameaças e insultos, dizendo: "Não pecarei diante do Senhor Deus e diante de meu pai Israel". Pois José tinha Deus sempre diante de seus olhos e sempre se lembrava das injunções de seu pai; pois Jacó frequentemente falava e admoestava seu filho José e todos os seus filhos: "Mantenham-se, filhos, longe de uma mulher estranha, para não terem comunhão com ela, pois a comunhão com ela é ruína e destruição." Portanto José disse: “Deixa essa mulher sair desta casa”. E Pentefres disse-lhe: “Meu senhor, aquela mulher que você viu parada no sótão não é uma estranha, mas é nossa filha, alguém que odeia todos os homens, e nenhum outro homem jamais a viu, exceto você apenas hoje; e , se desejar, senhor, ela virá e falará contigo, pois nossa filha é como sua irmã. E José regozijou-se com grande alegria, pois Pentefres disse: “Ela é uma virgem que odeia todos os homens”. E José disse a Pentefres e sua esposa: “Se ela é sua filha, e é virgem, deixe-a vir, pois ela é minha irmã, e eu a amo desde hoje como minha irmã”.
  • 3. José abençoa Asenath. 8. Então sua mãe subiu ao sótão e trouxe Asenath para José, e Pentephres disse a ela: "Beije seu irmão, porque ele também é virgem como você hoje, e odeia toda mulher estranha, assim como você odeia todo homem estranho. ." E Asenath disse a Joseph: "Salve, senhor, bendito do Deus Altíssimo." E José disse a ela: ''Deus que vivifica todas as coisas te abençoará, donzela." Pentephres disse então a sua filha Asenath: "Venha e beije seu irmão." Quando Asenath então se aproximou para beijar Joseph, Joseph estendeu a mão direita mão, e colocou-o em seu peito entre seus dois peitos (pois seus peitos já estavam salientes como lindas maçãs), e José disse: "Não é adequado ao homem que adora a Deus, que abençoa com a boca o Deus vivo, e come o bendito pão da vida, e bebe o bendito cálice da imortalidade, e é ungido com a bendita unção da incorrupção, para beijar uma mulher estranha, que abençoa com a boca ídolos mortos e surdos e come de sua mesa o pão do estrangulamento e bebe de sua libação o cálice do engano e é ungido com a unção da destruição; mas o homem que adora a Deus beijará sua mãe e a irmã que nasce de sua mãe e a irmã que nasce de sua tribo e a esposa que compartilha seu leito, que abençoam com a boca o Deus vivo. Da mesma forma, também não é adequado para uma mulher que adora a Deus beijar um homem estranho, pois isso é uma abominação aos olhos do Senhor Deus." E, quando Asenath ouviu essas palavras de José, ela ficou muito angustiada e gemeu ; e, enquanto ela olhava fixamente para José com os olhos abertos, eles se encheram de lágrimas. E José, quando a viu chorando, teve muita pena dela, pois ele era brando e misericordioso e alguém que temia ao Senhor. Então ele levantou a mão direita acima da cabeça dela e disse: "Senhor Deus de meu pai Israel, o Altíssimo e o Deus poderoso, que vivifica todas as coisas e chama das trevas para a luz e do erro para a verdade e da morte para a vida, abençoa tu também esta virgem, e vivifica-a, e renova-a com o teu espírito santo, e deixa-a comer o pão da tua vida e beber o cálice da tua bênção, e conta-la com o teu povo que escolheste antes de todas as coisas serem feitas, e deixe-a entrar no teu descanso que preparaste para os teus eleitos, e deixe-a viver na tua vida eterna para sempre. Asenath se retira e Joseph se prepara para partir. 9. E Asenath regozijou-se com a bênção de Joseph com grande alegria. Então ela se apressou e subiu sozinha para seu sótão, e caiu na cama enferma, pois isso havia em sua alegria, tristeza e grande medo; e um suor contínuo foi derramado sobre ela quando ela ouviu essas palavras de José, e quando ele falou com ela em nome do Deus Altíssimo. Então ela chorou com grande e amargo choro, e se arrependeu de seus deuses que ela costumava adorar, e dos ídolos, que ela desprezava, e esperou que a noite chegasse. Mas José comeu e bebeu; e ele ordenou aos seus servos que atrelassem os cavalos aos seus carros e rodeassem toda a terra. E Pentefres disse a José: "Deixe meu senhor ficar aqui hoje, e pela manhã você irá embora." E José disse: “Não, mas irei embora hoje, pois este é o dia em que Deus começou a fazer todas as Suas coisas criadas, e no oitavo dia também retornarei para você e me hospedarei aqui”. Asenath rejeita os deuses egípcios e se humilha. 10. E, quando José deixou a casa, Pentephres também e todos os seus parentes partiram para sua herança, e Asenath foi deixada sozinha com as sete virgens, apática e chorando até o pôr do sol; e ela não comeu pão nem bebeu água, mas enquanto todos dormiam, só ela estava acordada e chorando e batendo frequentemente no peito com a mão. E depois dessas coisas, Asenath levantou-se da cama e desceu silenciosamente as escadas do sótão, e ao chegar ao portão encontrou a porteira dormindo com seus filhos; e ela se apressou e tirou da porta a cobertura de couro da cortina e encheu-a de cinzas e levou-a até o sótão e colocou-a no chão. E então ela fechou a porta com segurança e prendeu-a com o ferrolho lateral e gemeu com grande gemido junto com muito, muito grande choro. Mas a virgem a quem Asenath amava acima de todas as virgens, tendo ouvido seu gemido, apressou-se e veio até a porta depois de acordar também as outras virgens e encontrou- a fechada. E, depois de ouvir os gemidos e o choro de Asenath, ela disse-lhe, ficando do lado de fora: "O que é isso, minha senhora, e por que você está triste? E o que é que te incomoda? Abra para nós e deixe nós te vemos." E Asenath disse a ela, sendo trancada lá dentro: “Uma dor grande e dolorosa atacou minha cabeça, e estou descansando em minha cama, e não sou capaz de me levantar e me abrir para você, por isso estou enfermo em todos os meus membros. Vá, portanto, cada um de vocês para o seu quarto e durma, e deixe-me ficar quieto." E, quando as virgens partiram, cada uma para seu próprio quarto, Asenath levantou-se e abriu a porta de seu quarto silenciosamente, e foi para seu segundo quarto, onde estavam os baús de seu adorno, e ela abriu seu cofre e pegou uma bolsa preta e preta. túnica sombria que ela vestiu e chorou quando seu irmão primogênito morreu. Tendo tomado, então, esta túnica, ela a levou para seu quarto, e novamente fechou a porta com segurança, e colocou o ferrolho lateralmente. Então, portanto, Asenath tirou seu manto real, e vestiu a túnica de luto, e desatou seu cinto de ouro e cingiu-se com uma corda e tirou a tiara, que é a mitra, de sua cabeça, da mesma forma também o diadema, e as correntes de suas mãos e pés também foram colocadas no chão. Então ela pegou seu manto escolhido e o cinto de ouro e a mitra e seu diadema, e os lançou pela janela que dava para o norte, para os pobres. E então ela pegou todos os seus deuses que estavam em sua câmara, os deuses de ouro e de prata dos quais não havia número, e os quebrou em fragmentos, e os jogou pela janela para homens pobres e mendigos. E novamente, Asenath pegou seu jantar real e os animais cevados e os peixes e a carne de novilha, e todos os sacrifícios de seus deuses, e os vasos do vinho de libação, e jogou tudo pela janela que dava para o norte como alimento para os cães. . 2 E depois destas coisas ela pegou a capa de couro contendo as cinzas e despejou-as no chão; e então ela pegou um saco e cingiu os lombos; e ela também soltou a rede do cabelo da sua cabeça e espalhou cinza sobre a sua cabeça. E ela espalhou cinzas também no chão, e caiu sobre as cinzas e continuou batendo no peito constantemente com as mãos e chorando a noite toda com gemidos até de manhã. E, quando Asenath se levantou pela manhã e viu, e eis! as cinzas estavam embaixo dela como o barro de suas lágrimas, ela novamente caiu com o rosto sobre as cinzas até
  • 4. o pôr do sol. Assim, Asenath fez isso por sete dias, sem provar absolutamente nada. Asenath resolve orar ao Deus dos hebreus. 11. E no oitavo dia, quando chegou o amanhecer e os pássaros já estavam cantando e os cães latindo para os transeuntes, Asenath levantou um pouco a cabeça do chão e das cinzas sobre as quais ela estava sentada, pois estava extremamente cansada. e havia perdido o poder de seus membros devido à grande humilhação; pois Asenath estava cansada e desmaiada e suas forças estavam diminuindo, e então ela se virou em direção à parede, sentando-se sob a janela que dava para o leste; e ela deitou a cabeça sobre o peito, entrelaçando os dedos das mãos sobre o joelho direito; e a sua boca estava fechada, e ela não a abriu durante os sete dias e durante as sete noites da sua humilhação. E ela disse em seu coração, sem abrir a boca: "O que devo fazer, eu a humilde, ou para onde irei? E com quem novamente encontrarei refúgio daqui em diante? Ou com quem falarei, a virgem que é órfão e desolado e abandonado por todos e odiado? Todos agora passaram a me odiar, e entre estes até mesmo meu pai e minha mãe, por que rejeitei os deuses com aversão e acabei com eles e os dei aos pobres para ser destruída pelos homens. Pois meu pai e minha mãe disseram: "Asenath não é nossa filha." Mas todos os meus parentes também passaram a me odiar, e a todos os homens, por ter entregado seus deuses à destruição. E eu odiei todos os homens e todos os que me cortejaram, e agora nesta minha humilhação fui odiado por todos e eles se regozijam com a minha tribulação. Mas o Senhor e Deus do poderoso José odeia todos os que adoram os ídolos, pois ele é um Deus zeloso e terrível, como ouvi, contra todos os que adoram deuses estranhos; por isso ele também me odiou, porque adorei ídolos mortos e surdos e os abençoei. Mas agora evitei seu sacrifício, e minha boca se afastou de sua mesa, e não tenho coragem de invocar o Senhor Deus do céu, o Altíssimo e poderoso do poderoso José, pois minha boca está poluída de os sacrifícios dos ídolos. Mas tenho ouvido muitos dizerem que o Deus dos hebreus é um Deus verdadeiro, e um Deus vivo, e um Deus misericordioso, e misericordioso, e longânimo, e cheio de misericórdia e manso, e aquele que não considera o pecado de um homem que é humilde, especialmente aquele que peca por ignorância e não condena as iniqüidades no momento da aflição de um homem que está aflito; conseqüentemente, eu também, o humilde, serei ousado e me voltarei para ele e buscarei refúgio nele e confessarei todos os meus pecados a ele e derramarei minha petição diante dele, e ele terá misericórdia de minha miséria. Pois quem sabe se ele verá esta minha humilhação e a desolação da minha alma e terá pena de mim, e verá também a orfandade da minha miséria e virgindade e me defenderá? pois, pelo que ouvi, ele próprio é pai de órfãos, consolador dos aflitos e ajudador dos perseguidos. Mas de qualquer forma, eu também, o humilde, serei ousado e clamarei a ele. Então Asenath levantou-se da parede onde estava sentada, e levantou-se sobre os joelhos em direção ao leste e dirigiu os olhos para o céu e abriu a boca e disse a Deus: Oração de Asenath 12. A oração e confissão de Asenath: "Senhor Deus dos justos, que cria os tempos e dá vida a todas as coisas, que deu o fôlego de vida a toda a tua criação, que trouxe as coisas invisíveis para a luz, que fez todas as coisas e manifestaste as coisas que não apareciam, que elevaste o céu e fundaste a terra sobre as águas, que fixaste as grandes pedras sobre o abismo da água, que não serão submersas, mas estão até o fim fazendo a tua vontade, porque tu, Senhor, disseste a palavra e todas as coisas vieram a existir, e a tua palavra, Senhor, é a vida de todas as tuas criaturas, para ti eu fujo em busca de refúgio, Senhor meu Deus, de agora em diante, a ti clamarei, Senhor , e a ti confessarei meus pecados, a ti derramarei minha petição, Mestre, e a ti revelarei minhas iniqüidades. Poupe-me, Senhor, poupe-me, pois cometi muitos pecados contra ti, cometi iniqüidade e impiedade, falei coisas que não devem ser proferidas, e que são más aos teus olhos; a minha boca, Senhor, está contaminada pelos sacrifícios dos ídolos dos egípcios, e pela mesa dos seus deuses: pequei, Senhor, pequei em à tua vista, tanto com conhecimento como por ignorância pratiquei impiedade, adorando ídolos mortos e surdos, e não sou digno de abrir minha boca para ti, Senhor, eu, a miserável Asenath, filha de Pentephres, o sacerdote, a virgem e rainha, que já foi orgulhoso e arrogante e que prosperou com as riquezas de meu pai acima de todos os homens, mas agora é órfão, desolado e abandonado por todos os homens. Para ti fujo, Senhor, e a ti ofereço a minha petição, e a ti clamarei. Livra-me daqueles que me perseguem. Mestre, antes que eu seja levado por eles; pois, como uma criança com medo de alguém foge para seu pai e sua mãe, e seu pai estende as mãos e o pega contra o peito, assim faça você. Senhor, estenda sobre mim tuas mãos imaculadas e terríveis, como um pai que ama os filhos, e afaste-me das mãos do inimigo supersensual. Pois eis! o leão antigo, selvagem e cruel me persegue, pois ele é o pai dos deuses dos egípcios, e os deuses dos ídolos maníacos são seus filhos, e eu passei a odiá-los e acabei com eles, porque eles são filhos de um leão, e eu expulsei de mim todos os deuses dos egípcios e os eliminei, e o leão, ou seu pai, o diabo, em ira contra mim está tentando me engolir. Mas tu, Senhor, livra-me das suas mãos, e eu serei resgatado da sua boca, para que ele não me despedace e me lance na chama do fogo, e o fogo me lance na tempestade, e a tempestade prevaleça sobre mim nas trevas e lançou-me nas profundezas do mar, e a grande besta que existe desde a eternidade me engoliu, e eu pereci para sempre. Livra-me, Senhor, antes que todas estas coisas aconteçam sobre mim; livra-me, Mestre, o desolado e indefeso, pois meu pai e minha mãe me negaram e disseram: 'Asenath não é nossa filha', porque eu quebrei seus deuses em pedaços e acabei com eles, por tê-los odiado completamente. E agora sou órfão e desolado, e não tenho outra esperança além de você. Senhor, nem outro refúgio senão a tua misericórdia, amigo dos homens, porque só és pai dos órfãos e defensor dos perseguidos e ajudador dos aflitos. Tem piedade de mim, Senhor, e mantém-me puro e virgem, o abandonado e o órfão, pois só tu, Senhor, és um pai doce, bom e gentil. Pois que pai é doce e bom como tu, Senhor? Pois eis! todas as casas de meu pai Pentephres, que ele me deu como herança, estão por um
  • 5. tempo e desaparecendo; mas as casas da tua herança, Senhor, são incorruptíveis e eternas." Oração de Asenath (continuação) 13. "Visite, Senhor, minha humilhação e tenha piedade de minha orfandade e tenha piedade de mim, o aflito. Pois eis! Eu, Mestre, fugi de tudo e busquei refúgio em ti, o único amigo dos homens. Eis! Deixei todo o bem coisas da terra e busquei refúgio em ti. Senhor, em saco e cinzas, nu e solitário. Eis que agora tirei meu manto real de linho fino e de tecido carmesim entrelaçado com ouro e vesti uma túnica preta de luto. Eis! Soltei meu cinto de ouro e lancei-o para longe de mim e cingi- me com corda e saco. Eis! meu diadema e minha mitra tirei de minha cabeça e me borrifei com cinzas. Eis! o chão de meu quarto que foi pavimentado com pedras multicoloridas e roxas, que antes era umedecido com unguentos e enxugado com panos de linho brilhante, agora está umedecido com minhas lágrimas e foi desonrado por estar coberto de cinzas. Eis! meu Senhor, das cinzas e minhas lágrimas formaram muito barro em meu quarto como numa estrada larga. Eis, meu Senhor, meu jantar real e as carnes que dei aos cães. Veja! Eu também, Mestre, estive jejuando sete dias e sete noites e não comi pão nem bebi água, e minha boca está seca como uma roda e minha língua como chifre e meus lábios como um caco de cerâmica, e meu rosto encolheu e meus olhos falharam em derramar lágrimas. Mas tu, Senhor meu Deus, livra-me das minhas muitas ignorâncias, e perdoa-me por isso, sendo virgem e sem saber, me extraviei. Veja! agora sei que todos os deuses que antes adorava na ignorância eram ídolos surdos e mortos, e quebrei-os em pedaços e entreguei-os para serem pisoteados por todos os homens, e os ladrões os saquearam, que eram ouro e prata , e contigo busquei refúgio, Senhor Deus, o único compassivo e amigo dos homens. Perdoe-me, Senhor, por ter cometido muitos pecados contra ti por ignorância e por ter falado palavras blasfemas contra meu senhor José, e não sabia, eu o miserável, que ele é teu filho. Senhor, já que os homens ímpios, incitados pela inveja, me disseram: 'José é filho de um pastor da terra de Canaã', e eu, o miserável, acreditei neles e me desviei, e o desprezei e falei coisas más sobre ele, sem saber que ele é teu filho. Pois quem entre os homens gerou ou gerará tal beleza? ou quem mais é como ele, sábio e poderoso como o todo-belo José? Mas a ti, Senhor, eu o entrego, porque de minha parte o amo mais do que a minha alma. Mantenha-o seguro na sabedoria da tua graça e confie-me a ele como serva e escrava, para que eu possa lavar seus pés e fazer sua cama e servi-lo e servi-lo, e serei uma escrava dele para o momentos da minha vida." O Arcanjo Miguel visita Asenath. 14. E, quando Asenath parou de fazer confissão ao Senhor, eis! a estrela da manhã também surgiu do céu no leste; e Asenath viu isso e se alegrou e disse: "O Senhor Deus então ouviu minha oração? Pois esta estrela é uma mensageira e arauto do auge do grande dia." E eis! bem perto da estrela da manhã o céu foi rasgado e uma luz grande e inefável apareceu. E quando ela viu isso, Asenath caiu com o rosto sobre as cinzas, e imediatamente veio até ela um homem do céu, emitindo raios de luz, e ficou acima de sua cabeça. E, enquanto ela estava deitada de bruços, o anjo divino disse-lhe: "Asenath, levante- se." E ela disse: “Quem é aquele que me chamou porque a porta do meu quarto está fechada e a torre é alta, e como então ele entrou no meu quarto?” E ele ligou para ela novamente pela segunda vez, dizendo: “Asenath, Asenath”. E ela disse: “Aqui estou, senhor, diga-me quem és”. E ele disse: “Eu sou o capitão-mor do Senhor Deus e comandante de todo o exército do Altíssimo: levanta-te e põe-te de pé, para que eu te fale as minhas palavras”. E ela levantou o rosto e viu, e eis! um homem em todas as coisas semelhante a José, com manto, coroa de flores e cajado real, exceto que seu rosto era como um relâmpago, e seus olhos como a luz do sol, e os cabelos de sua cabeça como a chama de fogo de uma tocha acesa , e suas mãos e seus pés brilhavam como ferro do fogo, pois, por assim dizer, saíam faíscas tanto de suas mãos como de seus pés. Vendo essas coisas, Asenath temeu e caiu de cara no chão, incapaz até mesmo de ficar de pé, pois ficou com muito medo e todos os seus membros tremeram. E o homem disse a ela: "Tenha bom ânimo, Asenath, e não tema; mas levante-se e fique de pé, para que eu possa falar-lhe minhas palavras." Então Asenath levantou-se e ficou de pé, e o anjo disse-lhe: "Vá sem impedimento para o seu segundo quarto e deixe de lado a túnica preta com a qual você está vestida, e tire o pano de saco dos seus lombos, e sacuda as cinzas da tua cabeça, e lava o teu rosto e as tuas mãos com água pura e veste um manto branco intocado e cinge os teus lombos com o cinturão brilhante da virgindade, o duplo, e volta para mim, e eu te direi as palavras que te são enviados pelo Senhor." Então Asenath se apressou e entrou em seu segundo quarto, onde estavam os baús de seu adorno, e abriu seu cofre e pegou um manto branco, fino e intocado e o vestiu, tendo primeiro tirado o manto preto, e desabotoado também a corda e tirou o saco de seus lombos e cingiu-se com um cinto duplo e brilhante de sua virgindade, um cinto em volta de seus lombos e outro cinto em volta de seu peito. E ela sacudiu também as cinzas de sua cabeça e lavou as mãos e o rosto com água pura, e pegou um manto muito lindo e fino e cobriu sua cabeça com um véu. Michael diz a Asenath que ela será a esposa de Joseph. 15. E então ela veio até o capitão-chefe divino e ficou diante dele, e o anjo do Senhor disse a ela: "Tire agora o manto de sua cabeça, pois hoje você é uma virgem pura, e sua cabeça é como de um jovem homem." E Asenath tirou isso da cabeça. E novamente, o anjo divino disse a ela: "Tem bom ânimo, Asenath, a virgem e pura, pois eis que o Senhor Deus ouviu todas as palavras da tua confissão e da tua oração, e ele viu também a humilhação e a aflição de os sete dias de tua abstinência, pois de tuas lágrimas muito barro se formou diante de tua face sobre estas cinzas. Portanto, tenha bom ânimo, Asenath, a virgem e pura, pois eis que teu nome foi escrito no livro de vida e não será apagado para sempre; mas a partir de hoje serás renovado, remodelado e vivificado, e comerás o abençoado pão da vida e beberás um cálice cheio de imortalidade e serás ungido com a bendita unção da incorrupção. de bom ânimo, Asenath, a virgem e pura, eis que o Senhor Deus te deu hoje a José como noiva, e ele mesmo será teu noivo para sempre. E daqui em diante não serás mais chamada Asenath, mas teu nome será sê Cidade de Refúgio, pois em ti muitas nações buscarão refúgio e se alojarão sob
  • 6. tuas asas, e muitas nações encontrarão abrigo por teu meio, e em teus muros aqueles que se apegarem ao Deus Altíssimo por meio da penitência serão mantidos seguros; pois essa Penitência é filha do Altíssimo, e ela mesma implora ao Deus Altíssimo por ti a cada hora e por todos os que se arrependem, visto que ele é o pai da Penitência, e ela mesma é a conclusão e superintendente de todas as virgens, amando-te excessivamente e suplicando ao Altíssimo por você a cada hora, e para todos os que se arrependem, ela fornecerá um lugar de descanso nos céus e renova todos os que se arrependeram. E a penitência é extremamente bela, uma virgem pura, gentil e branda; e, portanto, o Deus Altíssimo a ama, e todos os anjos a reverenciam, e eu a amo excessivamente, pois ela também é minha irmã, e como ela ama vocês, virgens, eu também amo vocês. E eis! de minha parte, vou até José e direi a ele todas estas palavras a respeito de ti, e ele virá até ti hoje e te verá e se regozijará por ti e te amará e será teu noivo, e tu serás sua amada noiva para sempre. Portanto, ouça-me, Asenath, e vista uma túnica de casamento, a antiga e primeira túnica que ainda está guardada em seu quarto desde a antiguidade, e coloque todos os seus adornos escolhidos também sobre você, e adorne-se como uma boa noiva e faça-se pronto para conhecê-lo; para eis! ele mesmo vem a ti hoje e te verá e se alegrará." E, quando o anjo do Senhor na forma de um homem terminou de falar essas palavras para Asenath, ela se alegrou com grande alegria por todas as coisas que foram ditas por ele. , e caiu com o rosto no chão, e fez reverência diante de seus pés e disse-lhe: "Bendito é o Senhor teu Deus que te enviou para me livrar das trevas e para me trazer dos fundamentos do próprio abismo para o luz, e bendito seja o teu nome para sempre. Se encontrei graça, meu senhor, aos teus olhos e sei que cumprirás todas as palavras que me disseste para que se cumpram, que a tua serva fale contigo." E o anjo disse-lhe: " Diga." E ela disse: "Peço- te, Senhor, sente-se um pouco nesta cama, porque esta cama é pura e imaculada, pois outro homem ou outra mulher nunca se sentou nela, e eu colocarei diante de ti uma mesa e pão, e comerás, e eu também te trarei vinho velho e bom, cujo odor chegará ao céu, e dele beberás e depois seguirás o teu caminho." E ele disse a ela: " Apresse-se e traga-o rapidamente." Asenath encontra um favo de mel em seu armazém. 16. E Asenath apressou-se e colocou uma mesa vazia diante dele; e, quando ela ia buscar o pão, o anjo divino lhe disse: “Traga-me também um favo de mel”. E ela ficou parada e ficou perplexa e triste por não ter um favo de abelha em seu armazém. E o anjo divino lhe disse: “Por que você está parada?” E ela disse: “Meu senhor, enviarei um menino ao subúrbio, porque a posse de nossa herança está próxima, e ele virá e trará uma rapidamente de lá, e eu a colocarei diante de ti”. O anjo divino lhe disse: "Entre no seu armazém e você encontrará um favo de abelha sobre a mesa; pegue-o e traga-o aqui." E ela disse: “Senhor, não há favo de abelha no meu armazém”. E ele disse: “Vá e você encontrará”. E Asenath entrou em seu armazém e encontrou um favo de mel sobre a mesa; e o favo era grande e branco como a neve e cheio de mel, e aquele mel era como o orvalho do céu, e seu odor como o odor da vida. Então Asenath se perguntou e disse consigo mesma: “Este pente saiu da boca deste próprio homem?” E Asenath pegou aquele favo e o trouxe e o colocou sobre a mesa, e o anjo disse a ela: “Por que é que você disse: ‘Não há favo de mel em minha casa’, e eis que você o trouxe para mim? " E ela disse: “Senhor, nunca coloquei um favo de mel em minha casa, mas como disseste, foi feito. Saiu isto da tua boca? E o homem sorriu com a compreensão da mulher. Então ele a chamou para si e, quando ela chegou, ele estendeu a mão direita e segurou a cabeça dela, e, quando ele balançou a cabeça dela com a mão direita, Asenath temeu muito a mão do anjo, pois aquelas faíscas procediam de suas mãos pareciam ferro em brasa e, portanto, ela ficava o tempo todo olhando com muito medo e tremor para a mão do anjo. E ele sorriu e disse: "Bem-aventurado és tu, Asenath, porque os mistérios inefáveis de Deus foram revelados a ti; e bem-aventurados são todos os que se apegam ao Senhor Deus em penitência, porque comerão deste favo, porque este favo é o espírito da vida, e isto as abelhas do paraíso do deleite fizeram do orvalho das rosas da vida que estão no paraíso de Deus e em cada flor, e dele comem os anjos e todos os eleitos de Deus e todos os filhos do Altíssimo, e qualquer que dele comer não morrerá para sempre”. Então o anjo divino estendeu a mão direita e pegou um pedacinho do pente e comeu, e com a própria mão colocou o que sobrou na boca de Asenath e disse-lhe: “Coma”, e ela comeu. E o anjo disse a ela: "Eis que agora você comeu o pão da vida e bebeu o cálice da imortalidade e foi ungida com a unção da incorrupção; eis que agora hoje sua carne produz flores de vida da fonte do Altíssimo Alto, e teus ossos serão engordados como os cedros do paraíso do deleite de Deus e poderes incansáveis te manterão; conseqüentemente, tua juventude não verá a velhice, nem tua beleza falhará para sempre, mas tu serás como um muro murado. cidade-mãe de todos." E o anjo incitou o favo, e muitas abelhas surgiram das células daquele favo, e as células eram incontáveis, dezenas de milhares de dezenas de milhares e milhares de milhares. E as abelhas também eram brancas como a neve, e as suas asas como matéria púrpura, carmesim e escarlate; e também tiveram ferroadas agudas e não feriram ninguém. Então todas aquelas abelhas cercaram Asenath dos pés à cabeça, e outras grandes abelhas como suas rainhas surgiram das celas, e circularam em torno de seu rosto e lábios, e fizeram um pente em sua boca e em seus lábios como o pente que deite-se diante do anjo; e todas aquelas abelhas comeram do favo que estava na boca de Asenath. E o anjo disse às abelhas: “Vão agora para o seu lugar”. Então todas as abelhas levantaram-se e voaram e partiram para o céu; mas todos os que desejaram ferir Asenath caíram no chão e morreram. E então o anjo estendeu seu cajado sobre as abelhas mortas e disse-lhes: "Levantem-se e partam também para o seu lugar." Então todas as abelhas mortas se levantaram e partiram para o pátio adjacente à casa de Asenath e se alojaram nas árvores frutíferas. Miguel parte. 17. E o anjo disse a Asenath: “Você viu isso?” E ela disse: “Sim, meu senhor, eu vi todas essas coisas”. O anjo divino lhe disse: “Assim serão todas as minhas palavras e o linho fino entrelaçado com ouro, e havia uma coroa de ouro na cabeça de cada uma delas; Então o anjo do Senhor pela terceira vez estendeu a mão direita e tocou a lateral do favo, e
  • 7. imediatamente o fogo subiu da mesa e devorou o favo, mas a mesa não feriu nem um pouco. E, quando muita fragrância saiu da queima do favo e encheu a câmara, Asenath disse ao anjo divino: "Senhor, eu tenho sete virgens que foram criadas comigo desde a minha juventude e nasceram em uma noite comigo , que esperam por mim, e eu amo todas elas como minhas irmãs. Vou chamá-las e você as abençoará também, assim como você me abençoa. E o anjo lhe disse: “Chame-os”. Então Asenath chamou as sete virgens e as colocou diante do anjo, e o anjo lhes disse: "O Senhor Deus Altíssimo vos abençoará, e vós sereis colunas de refúgio de sete cidades, e de todos os eleitos daquela cidade que habitam. juntos descansarão sobre você para sempre." E depois destas coisas o anjo divino disse a Asenath: “Tire esta mesa”. E, quando Asenath se virou para remover a mesa, imediatamente ele se afastou de seus olhos, e Asenath viu como se fosse uma carruagem com quatro cavalos que estavam indo para o leste em direção ao céu, e a carruagem era como uma chama de fogo, e os cavalos como relâmpagos. , e o anjo estava acima daquela carruagem. Então Asenath disse: “Tolo e tolo sou eu, o humilde, por ter falado como se um homem do céu entrasse em meu quarto! seu lugar." E ela disse consigo mesma: "Tem misericórdia, Senhor, da tua serva, e poupa a tua serva, porque, da minha parte, por ignorância falei coisas precipitadas diante de ti." O rosto de Asenath está transformado. 18. E, enquanto Asenath ainda falava essas palavras para si mesma, eis! um jovem, um dos servos de José, dizendo: “José, o poderoso homem de Deus, vem até você hoje”. E imediatamente Asenath chamou o superintendente de sua casa e disse-lhe: "Apresse-se e prepare minha casa e prepare um bom jantar, para que José, o poderoso homem de Deus, venha até nós hoje." E o superintendente da casa quando a viu (pois seu rosto havia encolhido devido aos sete dias de aflição, choro e abstinência) ficou triste e chorou; e ele pegou a mão direita dela e beijou-a com ternura e disse: "O que há com você, minha senhora, para que seu rosto esteja tão encolhido?" E ela disse: “Senti muitas dores na cabeça e o sono desapareceu dos meus olhos”. Então o superintendente da casa foi embora e preparou a casa e o jantar. E Asenath lembrou-se das palavras do anjo e de suas injunções, e apressou-se e entrou em sua segunda câmara, onde estavam os baús de seu adorno, e abriu seu grande cofre e tirou seu primeiro manto como um relâmpago para vê-lo e vesti-lo; e ela cingiu-se também com um cinto brilhante e real que era de ouro e pedras preciosas, e nas mãos ela colocou pulseiras de ouro, e nos pés coturnos de ouro, e um ornamento precioso em volta do pescoço, e uma coroa de ouro ela colocou sobre cabeça dela; e na coroa, como em sua frente, havia uma grande pedra de safira, e ao redor da grande pedra seis pedras de grande valor, e com um manto maravilhoso ela cobriu a cabeça. E, quando Asenath se lembrou das palavras do superintendente de sua casa, por ele ter dito a ela que seu rosto havia encolhido, ela lamentou muito, e gemeu e disse: “Ai de mim, o humilde, já que meu rosto está encolhido. José me verá assim e eu serei desprezado por ele." E ela disse à sua serva: “Traga-me água pura da fonte”. E, depois de trazê-lo, despejou-o na bacia e, curvando-se para lavar o rosto, viu seu próprio rosto brilhando como o sol, e seus olhos como a estrela da manhã quando nasce, e suas bochechas como uma estrela do céu, e seus lábios como rosas vermelhas, os cabelos de sua cabeça eram como a videira que floresce entre seus frutos no paraíso de Deus, seu pescoço como um cipreste todo variegado. E Asenath, quando ela viu essas coisas, maravilhou-se com a visão e regozijou-se com grande alegria e não lavou o rosto, pois ela disse: "Para que eu não lave esta grande e atraente beleza." O superintendente de sua casa então voltou para lhe dizer: “Tudo o que ordenaste foi feito”; e, quando ele a viu, ele teve muito medo e foi tomado de tremores por um longo tempo, e ele caiu aos pés dela e começou a dizer: "O que é isso, minha senhora? Que beleza é essa que te rodeia, que é grande e maravilhoso? O Senhor Deus do Céu te escolheu como noiva para seu filho José? Joseph retorna e é recebido por Asenath. 19. E, enquanto eles ainda falavam essas coisas, um menino veio dizendo a Asenath: "Eis! José está diante das portas de nossa corte." Então Asenath se apressou e desceu as escadas de seu sótão com as sete virgens para encontrar José e parou na varanda de sua casa. E, tendo José entrado no pátio, os portões foram fechados e todos os estranhos permaneceram do lado de fora. E Asenath saiu da varanda para encontrar Joseph, e quando a viu ficou maravilhado com sua beleza, e disse-lhe: "Quem é você, donzela? Diga-me rapidamente." E ela disse a ele: "Eu, senhor, sou tua serva Asenath; todos os ídolos eu lancei fora de mim e eles pereceram. E um homem veio a mim hoje do céu e me deu o pão da vida e eu comi, e Bebi uma taça abençoada e ele me disse: 'Eu te dei como noiva a José, e ele mesmo será teu noivo para sempre; e teu nome não será chamado Asenath, mas será chamada "Cidade de Refúgio", e o Senhor Deus reinará sobre muitas nações, e através de ti eles buscarão refúgio no Deus Altíssimo.' E o homem disse: 'Irei também a José para dizer-lhe aos ouvidos estas palavras a teu respeito.' E agora você sabe, senhor, se esse homem veio até você e se ele falou com você sobre mim. Então José disse a Asenath: “Bendita és tu, mulher, do Deus Altíssimo, e bendito é o teu nome para sempre, porque o Senhor Deus lançou os alicerces dos teus muros, e os filhos do Deus vivo habitarão neles. tua cidade de refúgio, e o Senhor Deus reinará sobre eles para sempre. Pois aquele homem veio hoje do céu até mim e me disse estas palavras a respeito de ti. E agora venha até mim, virgem e pura, e por que você está tão longe? "Então Joseph estendeu as mãos e abraçou Asenath, e Asenath Joseph, e eles se beijaram por um longo tempo, e ambos viveram novamente em seu espírito. E Joseph beijou Asenath e deu-lhe o espírito de vida, então pela segunda vez ele deu-lhe o espírito de sabedoria e, pela terceira vez, beijou-a com ternura e deu-lhe o espírito da verdade. Pentephres retorna e deseja desposar Asenath com Joseph, mas Joseph resolve pedir a mão dela ao Faraó. 20. E, quando eles se abraçaram por um longo tempo e entrelaçaram as correntes de suas mãos, Asenath disse a Joseph: "Venha aqui, senhor, e entre em nossa casa, pois da minha parte eu preparei nossa casa e um ótimo jantar." E ela pegou a mão direita dele e o levou para sua casa e o fez sentar
  • 8. na cadeira de Pentephres, seu pai; e ela trouxe água para lavar seus pés. E José disse: “Que venha uma das virgens e lave meus pés”. E Asenath disse-lhe: Não, senhor, pois doravante tu és meu senhor e eu sou tua serva. E por que procuras isto, que outra virgem lave os teus pés? porque os teus pés são os meus pés, e as tuas mãos, as minhas mãos, e a tua alma, a minha alma, e outro não lavará os teus pés. e Asenath beijou sua cabeça com ternura, e então ele a sentou à sua direita. Seu pai e sua mãe e todos os seus parentes vieram da posse de sua herança, e eles a viram sentada com José e vestida com uma veste nupcial. E eles maravilhou-se com sua beleza e se alegrou e glorificou a Deus que vivifica os mortos. E depois dessas coisas eles comeram e beberam; e, todos alegres, Pentefres disse a José: "Amanhã chamarei todos os príncipes e sátrapas de toda a terra de Egito, e farei um casamento para você, e você tomará minha filha Asenath como esposa. "Mas José disse:" Amanhã irei ao rei Faraó, pois ele mesmo é meu pai e me nomeou governante sobre toda esta terra, e falarei com ele sobre Asenath, e ele a dará para mim como esposa." E Pentephres disse-lhe: "Vá em paz." José se casa com Asenath. 21. E José ficou naquele dia com Pentephres, e ele não foi para Asenath, por isso ele costumava dizer: "Não é adequado para um homem que adora a Deus dormir com sua esposa antes de seu casamento." E José levantou-se cedo e partiu para Faraó e disse-lhe: "Dê-me Asenath, filha de Pentephres, sacerdote de Heliópolis, como esposa." E Faraó regozijou-se com grande alegria e disse a José: “Eis que esta não te está desposada como esposa desde a eternidade? Então Faraó enviou e chamou Pentephres, e Pentephres trouxe Asenath e a apresentou diante de Faraó; e o Faraó ao vê-la maravilhou-se com sua beleza e disse: ''O Senhor Deus de José te abençoará, criança, e esta tua beleza permanecerá para a eternidade, pois o Senhor Deus de José te escolheu como noiva para ele: pois José é como o filho do Altíssimo, e tu serás chamada sua noiva de agora em diante e para sempre." E depois dessas coisas Faraó tomou José e Asenath e colocou coroas de ouro sobre suas cabeças, que estavam em sua casa desde os tempos antigos e desde tempos antigos, e Faraó colocou Asenath à direita de José. E Faraó colocou as mãos sobre suas cabeças e disse: "O Senhor Deus Altíssimo vos abençoará e multiplicará e engrandecerá e glorificar-vos-á para o tempo eterno." Então Faraó os virou. para se enfrentarem e os levaram boca a boca, e eles se beijaram. E Faraó fez um casamento para José e um grande jantar e muita bebida durante sete dias, e ele convocou todos os governantes do Egito e todos os reis do nações, tendo feito proclamação na terra do Egito, dizendo: “Todo homem que trabalhar durante os sete dias do casamento de José e Asenath certamente morrerá”. Quando terminou, José foi para Asenate, e Asenate concebeu de José e deu à luz Manassés e Efraim, seu irmão, na casa de José. Asenath é apresentada a Jacob. 22. E, passados os sete anos de fartura, começaram a chegar os sete anos de fome. E, quando Jacó ouviu falar de José, seu filho, ele veio ao Egito com todos os seus parentes no segundo ano da fome, no segundo mês, no vigésimo primeiro dia do mês, e se estabeleceu em Gósen. E Asenath disse a José: “Eu irei ver teu pai, pois teu pai Israel é como meu pai e Deus. E José disse-lhe: “Irás comigo e verás meu pai.” E José e Asenath vieram a Jacó na terra de Gósen, e os irmãos de José os encontraram e prestaram homenagem a eles em seus rostos na terra. ambos foram até Jacó; e Jacó estava sentado em sua cama, e ele próprio era um homem velho em uma velhice vigorosa. E, quando Asenath o viu, ela se maravilhou com sua beleza, pois Jacó era extremamente lindo de se ver e seu velhice como a juventude de um homem atraente, e toda a sua cabeça era branca como a neve, e os cabelos de sua cabeça eram todos curtos e excessivamente grossos, e sua barba branca alcançava o peito, seus olhos alegres e brilhantes, seus tendões e seus ombros e braços como os de um anjo, suas coxas e panturrilhas e seus pés como os de um gigante. Então Asenath, quando o viu assim, maravilhou-se e caiu e fez reverência com o rosto no chão. E Jacó disse a José: “Esta é minha nora, tua esposa? Bendita seja ela pelo Deus Altíssimo." Então Jacó chamou Asenath para si e abençoou-a e beijou-a ternamente; e Asenath estendeu as mãos e segurou o pescoço de Jacó e pendurou-se em seu pescoço e beijou-o ternamente. E depois disso coisas que comeram e beberam. E então José e Asenath foram para sua casa; e Simeão e Levi, os filhos de Lia, sozinhos os conduziram, mas os filhos de Bila e Zilpa, as servas de Lia e Raquel, não se juntaram em conduzi- los, pois eles os invejavam e os detestavam. E Levi estava à direita de Asenath e Simeão à sua esquerda. E Asenath segurou a mão de Levi, porque ela o amava muito acima de todos os irmãos de José e como um profeta e um adorador de Deus e alguém que temia ao Senhor. Pois ele era um homem entendido e um profeta do Altíssimo, e ele mesmo viu cartas escritas no céu e as leu e as revelou a Asenath em segredo; pois o próprio Levi também amava muito Asenath e viu o lugar do seu descanso nas alturas. O filho do Faraó tenta induzir Simeão e Levi a matar José. 23. E aconteceu que quando José e Asenath estavam passando, quando eles estavam indo para Jacó, o filho primogênito do Faraó os viu da parede, e, quando ele viu Asenath, ficou furioso com ela por causa de sua beleza incomparável. Então o filho de Faraó enviou mensageiros e chamou Simeão e Levi; e, quando eles chegaram e ficaram diante dele, o filho primogênito do Faraó disse-lhes: "Eu, de minha parte, sei que hoje sois homens poderosos acima de todos os homens na terra, e com estas vossas mãos direitas a cidade dos Siquemitas foi derrubada , e com suas duas espadas 30.000 guerreiros foram mortos. E hoje eu os levarei para mim como companheiros e lhes darei muito ouro e prata e servos e servas e casas e grandes heranças, e contenderão ao meu lado e me farão bondade ; por isso recebi grande desprezo de seu irmão José, já que ele próprio tomou Asenath como esposa, e esta mulher estava prometida a mim desde a antiguidade. E agora venha comigo, e eu lutarei contra José para matá-lo com minha espada, e tomarei Asenath como esposa, e vocês serão para mim como irmãos e amigos fiéis. Mas, se vocês não derem ouvidos às minhas palavras, eu os matarei com minha espada. E, tendo dito estas coisas, desembainhou a espada e mostrou- lha. E Simeão era um homem ousado e ousado, e ele pensou em colocar a mão direita sobre o punho de sua espada e retirá-
  • 9. la da bainha e ferir o filho de Faraó por ele ter falado palavras duras para eles. Levi então viu o pensamento de seu coração, porque ele era profeta e pisou com o pé direito de Simeão e apertou-o, fazendo-lhe sinal para que cessasse sua ira. E Levi dizia baixinho a Simeão: “Por que estás irado contra este homem? Somos homens que adoramos a Deus e não nos convém retribuir o mal com o mal”. Então Levi disse abertamente ao filho do Faraó com mansidão de coração: “Por que fala nosso senhor estas palavras? Somos homens que adoram a Deus, e nosso pai é amigo do Deus Altíssimo, e nosso irmão é como filho de Deus. Faremos esta coisa perversa, pecando aos olhos de nosso Deus e de nosso pai Israel e aos olhos de nosso irmão José? E agora ouça minhas palavras. Não é adequado para um homem que adora a Deus ferir alguém em qualquer sábio; e, se alguém quiser ferir um homem que adora a Deus, esse homem que adora a Deus não se vinga dele, pois não há espada em suas mãos. E tome cuidado para não falar mais essas palavras sobre nosso irmão José. Mas, se você continuar em seu mau conselho, eis que nossas espadas estão desembainhadas contra você. Então Simeão e Levi tiraram as espadas das bainhas e disseram: "Vês agora estas espadas? Com estas duas espadas o Senhor puniu o desprezo dos Siquemitas, com o que eles desprezaram os filhos de Israel através de nossa irmã Diná, a quem Siquém, o filho de Hamor contaminado." E o filho de Faraó, quando viu as espadas desembainhadas, teve muito medo e estremeceu por todo o seu corpo, pois elas brilhavam como uma chama de fogo, e seus olhos ficaram turvos, e ele caiu com o rosto no chão sob seus pés. Então Levi estendeu a mão direita e segurou-o, dizendo: “Levante-se e não tema, apenas tome cuidado para não falar mais nenhuma palavra maldosa a respeito de nosso irmão José”. E assim, Simeão e Levi saíram de diante dele. O filho do Faraó conspira com Dan e Gad para matar José e capturar Asenath. 24. O filho do Faraó então continuou cheio de medo e tristeza por temer os irmãos de José, e novamente ele ficou extremamente louco por causa da beleza de Asenath, e sofreu muito. Então seus servos dizem em seu ouvido: "Eis que os filhos de Bila e os filhos de Zilpa, as servas de Lia e Raquel, esposas de Jacó, estão em grande inimizade contra José e Asenate e os odeiam; estes serão para ti em todas as coisas de acordo com a tua vontade." Imediatamente, portanto, o filho do Faraó enviou mensageiros e os chamou, e eles vieram até ele na primeira hora da noite, e ficaram em sua presença, e ele lhes disse: “Aprendi por muitos que sois homens poderosos”. E Dã e Gade, os irmãos mais velhos, disseram-lhe: “Que meu senhor fale agora aos seus servos o que ele deseja, para que os teus servos possam ouvir e possamos fazer de acordo com a tua vontade.” Então o filho do Faraó se alegrou com grande alegria. alegria e disse aos seus servos: "Afastem-se agora de mim por um curto espaço de tempo, pois tenho uma conversa secreta para manter com estes homens." E todos eles se retiraram. Então o filho do Faraó mentiu e disse-lhes: "Vejam! agora a bênção e a morte estão diante de seus rostos; aceitai, portanto, a bênção em vez da morte, porque sois homens poderosos e não morrereis como mulheres; mas sejam corajosos e vinguem-se de seus inimigos. Pois ouvi José, teu irmão, dizer a Faraó, meu pai: Dã, Gade, Naftali e Aser não são meus irmãos, mas filhos das servas de meu pai; espero, portanto, a morte de meu pai, e os apagarei da terra e todos os seus descendentes, para que não herdem conosco, porque são filhos de servas. Pois estes também me venderam aos ismaelitas, e eu lhes retribuirei novamente de acordo com o que eles cometeram iniquamente contra mim; somente meu pai morrerá ." E meu pai, Faraó, elogiou-o por essas coisas e disse-lhe: “Tu falaste bem, filho. Portanto, tira de mim homens poderosos e procede contra eles de acordo com o que eles fizeram contra ti, e eu serei um ajudante para ti. " E quando Dã e Gade ouviram essas coisas do filho de Faraó, eles ficaram muito perturbados e profundamente entristecidos, e disseram- lhe: "Rogamos-te, Senhor, ajuda-nos; pois de agora em diante seremos teus escravos e servos e morreremos contigo. ." E o filho do Faraó disse: “Eu serei um ajudante para vocês, se vocês também derem ouvidos às minhas palavras”. E eles lhe disseram: “Comande-nos o que você deseja e faremos de acordo com a sua vontade”. E o filho do Faraó disse-lhes: “Eu matarei meu pai, Faraó, esta noite, pois esse Faraó é como o pai de José e disse-lhe que ajudaria contra vocês; e vocês matarão José, e eu tomarei Asenath para mim como esposa. , e vós sereis meus irmãos e co-herdeiros de todos os meus bens. Apenas faça isto. E Dan e Gad disseram-lhe: "Somos teus servos hoje e faremos todas as coisas que nos ordenaste. E ouvimos José dizendo a Asenath: 'Vá amanhã para a posse de nossa herança, pois é o época da vindima '; e ele enviou seiscentos homens poderosos para a guerra com ela e cinquenta precursores. Agora, portanto, ouça-nos e falaremos com nosso senhor. E eles lhe contaram todas as suas palavras secretas. Então o filho do Faraó deu aos quatro irmãos quinhentos homens para cada um e nomeou-lhes chefes e líderes. E Dan e Gad disseram-lhe: "Nós somos teus servos hoje e faremos todas as coisas que nos ordenaste, e partiremos à noite e ficaremos à espreita na ravina e nos esconderemos no matagal dos juncos ; e leve consigo cinquenta arqueiros montados em cavalos e siga um longo caminho diante de nós, e Asenath virá e cairá em nossas mãos, e nós mataremos os homens que estão com ela, e ela mesma fugirá diante com sua carruagem. e caia em tuas mãos e farás com ela como tua alma deseja; e depois dessas coisas mataremos José também enquanto ele está de luto por Asenath; da mesma forma também mataremos seus filhos diante de seus olhos. O filho primogênito de Faraó, então, quando ouviu essas coisas, alegrou-se muito e enviou-os e dois mil guerreiros com eles. E quando chegaram à ravina, eles se esconderam no matagal dos juncos, e se dividiram em quatro companhias, e tomaram posição no outro lado da ravina, como na parte da frente, quinhentos homens deste lado da estrada e ali e no lado mais próximo da ravina também o resto permaneceu, e eles próprios também se posicionaram no matagal dos juncos, quinhentos homens deste lado e daquele da estrada; e entre eles havia uma estrada larga e larga. O filho do Faraó vai matar o pai, mas não é admitido. Naftali e Aser protestam junto a Dan e Gad contra a conspiração. 25. Então o filho do Faraó levantou-se naquela mesma noite e foi ao quarto de seu pai para matá-lo à espada. Os guardas de
  • 10. seu pai então o impediram de ir até seu pai e lhe disseram: "O que você ordena, senhor?" E o filho do Faraó disse-lhes: “Desejo ver meu pai, para isso vou colher a colheita da minha vinha recém-plantada”. E os guardas lhe disseram: “Teu pai sofre dores e ficou acordado a noite toda e agora descansa, e ele nos disse que ninguém deveria entrar nele, mesmo que fosse meu filho primogênito”. E ele, ao ouvir essas coisas, foi embora furioso e imediatamente tomou arqueiros montados em número de cinqüenta e foi adiante deles como Dã e Gade lhe haviam dito. E os irmãos mais novos, Naftali e Aser, falaram aos seus irmãos mais velhos, Dã e Gade, dizendo: "Por que vós, da vossa parte, novamente praticais o mal contra vosso pai Israel e contra vosso irmão José? E Deus o preserva como a menina dos olhos. Eis que ! vocês não venderam José uma vez? e ele é hoje rei de toda a terra do Egito e doador de alimentos. Agora, portanto, se vocês novamente quiserem praticar o mal contra ele, ele clamará ao Altíssimo e enviará fogo de céu e ele te devorará, e os anjos de Deus lutarão contra você”. Então os irmãos mais velhos ficaram furiosos contra eles e disseram: "E morreremos como mulheres? Longe disso." E eles saíram ao encontro de José e Asenath. Os conspiradores matam os guardas de Asenath e ela foge. 26. E Asenath levantou-se pela manhã e disse a Joseph: "Estou indo para a posse de nossa herança como você disse; mas minha alma teme muito por você estar se separando de mim." E José disse-lhe: "Tende bom ânimo e não tenhas medo, mas antes vai embora regozijante, sem temor de ninguém, pois o Senhor está contigo e ele mesmo te preservará como a menina dos olhos de todo mal. E partirei para a minha dádiva de alimentos e darei a todos os homens da cidade, e ninguém perecerá de fome na terra do Egito. Então Asenath partiu e José para dar comida. E, quando Asenath chegou ao lugar da ravina com os seiscentos homens, de repente aqueles que estavam com o filho do Faraó saíram de sua emboscada e se juntaram à batalha com aqueles que estavam com Asenath, e mataram todos eles com suas espadas, e todos os seus precursores eles mataram, mas Asenath fugiu com sua carruagem. Então Levi, filho de Lia, soube de todas essas coisas como profeta e contou a seus irmãos sobre o perigo de Asenath, e imediatamente cada um deles colocou sua espada em sua coxa e seus escudos em seus braços e as lanças em suas mãos direitas e perseguiram. Asenath com grande velocidade. E, como Asenath estava fugindo antes, eis! O filho do Faraó encontrou-a e cinquenta cavaleiros com ele: e Asenath, quando o viu, foi tomada por um grande medo e tremia, e invocou o nome do Senhor seu Deus. Os homens que estavam com o filho de Faraó e os que estavam com Dã e Gade foram mortos; e os quatro irmãos fogem para a ravina e suas espadas são arrancadas de suas mãos. 27. E Benjamim estava sentado com ela no carro, à direita; e Benjamim era um rapaz forte de cerca de dezenove anos, e sobre ele havia uma beleza e um poder inefáveis como os de um filhote de leão, e ele também era alguém que temia excessivamente a Deus. Então Benjamim saltou da carruagem e pegou uma pedra redonda da ravina e encheu sua mão e atirou no filho do Faraó e feriu sua têmpora esquerda e feriu- o com um ferimento grave, e ele caiu de seu cavalo no chão pela metade. morto. E então Benjamim, tendo corrido para uma rocha, disse ao cocheiro de Asenath: “Dê-me pedras da ravina”. E ele deu-lhe cinquenta pedras. filho, todas as pedras afundando em seus templos. Então os filhos de Lia, Rúben e Simeão, Levi e Judá, Issacar e Zebulon, perseguiram os homens que estavam à espreita contra Asenath e caíram sobre eles de surpresa e cortaram todos eles ; e os seis homens mataram dois mil e setenta e seis homens. E os filhos de Bila e Zilpa fugiram de sua face e disseram: "Perecemos nas mãos de nossos irmãos, e o filho de Faraó também morreu pelas mãos de Benjamim. o rapaz e todos os que estavam com ele morreram pela mão do menino Benjamim. Portanto, venhamos, vamos matar Asenath e Benjamin e fugir para o matagal desses juncos. "E eles vieram contra Asenath segurando suas espadas desembainhadas e cobertas de sangue. E Asenath, quando os viu, temeu muito e disse:" Senhor Deus, que vivificaste-me e livraste-me dos ídolos e da corrupção da morte, assim como me disseste que a minha alma viverá para sempre, livra-me agora também destes homens ímpios." E o Senhor Deus ouviu a voz de Asenath, e imediatamente as espadas dos adversários caíram de suas mãos sobre a terra e foram transformados em cinzas. Dan e Gad são poupados pelo pedido de Asenath. 28. E os filhos de Bilhah e Zilpa, quando viram o estranho milagre que havia sido realizado, temeram e disseram: "O Senhor luta contra nós em nome de Asenath." Então eles caíram com o rosto no chão e prestaram homenagem a Asenath e disseram: "Tem piedade de nós, teus servos, pois tu és nossa senhora e rainha. Cometemos más ações contra ti e contra nosso irmão José, mas o Senhor nos retribuiu de acordo com nossas obras. Portanto, nós, teus servos, rogamos-te, tem misericórdia de nós, os humildes e miseráveis, e livra-nos das mãos de nossos irmãos, para que eles se tornem vingadores do desprezo feito a ti e suas espadas são contra nós. Conseqüentemente, seja gentil com seus servos, senhora, diante deles. E Asenath disse-lhes: "Tende bom ânimo e não tenhais medo de vossos irmãos, pois eles próprios são homens que adoram a Deus e temem ao Senhor; mas vão para o matagal desses juncos até que eu os apazigue em seu nome. e detenha a ira deles por causa dos grandes crimes que vocês ousaram cometer contra eles. Mas o Senhor veja e julgue entre mim e você. Então Dã e Gade fugiram para o matagal dos juncos; e seus irmãos, filhos de Lia, vieram correndo como veados e com grande pressa contra eles. E Asenath desceu da carruagem que era seu abrigo e deu-lhes a mão direita com lágrimas, e eles próprios caíram e prestaram homenagem a ela na terra e choraram em alta voz; e continuaram a pedir a seus irmãos, os filhos das servas, que os matassem. E Asenath disse-lhes: "Peço-vos que poupem seus irmãos e não lhes paguem mal com mal. Pois o Senhor me salvou deles e quebrou suas adagas e espadas de suas mãos, e eis que eles derreteram e foram queimado em cinzas sobre a terra como cera diante do fogo, e isso é suficiente para nós que o Senhor
  • 11. lute por nós contra eles. Portanto, poupem seus irmãos, pois eles são seus irmãos e o sangue de seu pai Israel. E Simeão disse-lhe: "Por que fala nossa senhora boas palavras em favor de seus inimigos? Não, antes, nós os cortaremos membro por membro com nossas espadas, porque eles planejaram coisas más contra nosso irmão José e nosso pai Israel e contra você, nossa senhora, hoje." Então Asenath estendeu a mão direita e tocou a barba de Simeão e beijou-o ternamente e disse: “De maneira alguma, irmão, pague mal por mal ao seu próximo, para que o Senhor vingará esse despeito. irmãos e a descendência de teu pai Israel, e eles fugiram de longe de tua face. Portanto, concede-lhes perdão. Então Levi se aproximou dela e beijou sua mão direita com ternura, pois sabia que ela estava disposta a salvar os homens da ira de seus irmãos para que não os matassem. E eles mesmos estavam perto, no matagal do canavial; e Levi, seu irmão, sabendo disso, não o contou a seus irmãos, pois temia que, em sua ira, eles matassem seus irmãos. O filho do Faraó morre. Faraó também morre e José o sucede. 29. E o filho de Faraó levantou-se da terra e sentou-se e cuspiu sangue da sua boca; pois o sangue escorria da têmpora para a boca. E Benjamim correu até ele e pegou sua espada e tirou-a da bainha do filho de Faraó (pois Benjamim não estava usando uma espada na coxa) e desejou ferir o filho de Faraó no peito. Então Levi correu até ele e segurou sua mão e disse: “De maneira alguma, irmão, faça isso, pois somos homens que adoram a Deus, e não é adequado para um homem que adora a Deus retribuir o mal a si mesmo. mal, nem pisotear alguém que caiu, nem esmagar totalmente seu inimigo até a morte. E agora coloque de volta a espada em seu lugar, e venha e me ajude, e vamos curá-lo desta ferida; e, se ele viver, ele será nosso amigo e seu pai, Faraó, será nosso pai”. Então Levi levantou da terra o filho de Faraó e lavou o sangue de seu rosto e amarrou uma bandagem sobre sua ferida e o colocou em seu cavalo e o levou ao Faraó seu pai, contando-lhe todas as coisas que haviam acontecido e acontecido. E Faraó levantou-se do seu trono e prestou homenagem a Levi na terra e o abençoou. Então, passado o terceiro dia, o filho do Faraó morreu devido à pedra com que foi ferido por Benjamim. E Faraó lamentou muito por seu filho primogênito, de modo que, devido à tristeza, Faraó adoeceu e morreu aos 109 anos, e deixou seu diadema para o todo-belo José. E José reinou sozinho no Egito 48 anos; e depois dessas coisas José devolveu o diadema ao filho mais novo do Faraó, que estava amamentando quando o velho Faraó morreu. E José foi daí em diante pai do filho mais novo de Faraó no Egito até sua morte, glorificando e louvando a Deus.