O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Plataformas de música online. Compós 2009

829 visualizações

Publicada em

Apresentação cujo objetivo é analisar as práticas de consumo e conteúdo
musical gerado nas plataformas sociais de distribuição, classificação,
recomendação e divulgação de música online. Num primeiro momento, levantamos
um histórico conceitual no qual discutimos as definições e características desses
sites de redes sociais. Posteriormente descrevemos essas características e fluxos
comunicacionais nas práticas dos usuários, em uma observação inicial
comparativa entre três plataformas (Last.fm, MySpace, Blip.fm). Consideramos a
emergência de algumas categorias de análise: o papel das recomendações e das
classificações dos gêneros musicais no Last.fm; o caráter de consciência sobre a
audiência segmentada no MySpace; e a constituição de uma reputação por microconteúdos
musicais no Blip.fm.

Publicada em: Tecnologia, Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Plataformas de música online. Compós 2009

  1. 1. PLATAFORMAS DE MÚSICA ONLINE Práticas de comunicação e consumo nos perfis GT Cibercultura XVIII COMPÓS
  2. 2. Introdução Estilos de vida – bens simbólicos – cultura material e imaterial Estetização da vida cotiana Padrões identitários através dos perfis de consumo Perfil enquanto “performance de gosto” (Liu, 2007) Práticas subculturais No contexto da cibercultura, uma faceta desses fenômenos acontece nos processos de subjetivação e consumo de perfis online em redes de relacionamento.
  3. 3. Prestígio (Reputação) Diferenciação Autenticidade Persona Teatral
  4. 4. MySpace Perfil de Bat for Lashes (Artista)
  5. 5. Blip.fm FeBr (Pessoal)
  6. 6. Last.fm Perfil de Daniel HDR (pessoal/artista)
  7. 7. Histórico, estudos e definições Segmentação em nichos de “gosto” e estilos de vida. MyStrands, Pandora,Ilike, Spotify, Imeen, o Musicovery . Last.fm e o MySpace – 1os. (2002/2003)
  8. 8. Boyd & Ellison (2007)
  9. 9. Pesquisas sobre plataformas de música Sistematização em artigos Comunicação e Computação Social Amaral (2007a, 2007b e 2009), Amaral e Aquino (2008), Leão e Prado (2007), Accoutier & Pachet (2007), Baym & Ledbetter (2008) e Schäefer (2008).
  10. 10. DEFINIÇÕES Accoutier & Pachet (2007): banco de dados de música compartilhada ou mesmo mecanismos de dados musicais Turbnull, Barrignton e Lanckriet (2008): sites de descoberta de música ou enquanto sistemas híbridos de descoberta, recomendação e visualização musical. Leão & Prado (2007): “programas que simulam estações de rádios”.
  11. 11. Visualização de Dados e Monitoramento O projeto de Nepusz (2008) Reconstructing the structure of the world-wide musical scene with last.fm é um mapa das relações de similaridade entre os artistas. O mapa foi gerado a partir da API aberta do Last.fm http://sixdegrees.hu/last.fm/index.html
  12. 12. Mapa dos gêneros musicais com base nos dados do usuário adriamaral
  13. 13. Monitoring and visualizing Last.fm (Adjei & Holland-Cun, 2008) - monitorar e visualizar o consumo musical. Projeto relacionado à análise da audiência enquanto uma cultura fandom (Jenkins, 2006, Hills, 2002) Quatro Questões centrais: 1. Comparação de grupos de fãs 2. Flutuação de grupos de fãs 3.Lançamento de albuns 4. Cumulação de gêneros http://visualizinglastfm.de/
  14. 14. Mapa relativo à acumulação de gêneros J
  15. 15. Classificação de gêneros musicais Enfoques da literatura - classificações dos gêneros musicais. Usos e formas de colecionismo de música online através do social tagging. Efeito de quot;bias de popularidadequot; -Lamere (2008) e Turnbull, Barrington e Lanckriet (2008) Hibridizações inter-gêneros, Práticas dimensionadas pela organização das buscas e informação sobre um núcleo de estilos musicais
  16. 16. disputas simbólicas de capital subcultural e de DIY entre os fãs (Jenkins, 2006) enquanto curadores desse acervo de memória informativa (Jennings, 2008)
  17. 17. Last.Fm Recomendação Folksonomia Estreita (Quintarelli, 2005) e Social tagging Engajamento a partir da afinidade musical dos perfis (aplicativos de aferimento de gosto) Audiência de nicho – músicos, produtores, fãs de música Design fixo Laços complementados em outras plataformas – Integração e convergência a partir das playlists disponibilizadas em blogs, etc.
  18. 18. My Space Disponibilização e compartilhamento de músicas Interação fãs-artistas Design customizável Engajamento a partir da construção visual-sonora e dos amigos Gêneros e tags previamente definidos pelo sistema
  19. 19. Blip.Fm Informações subjetivas sobre a música Não possui sistema de tagging Hashtags com o símbolo # Aspectos conversacionais O engajamento pode ser feito na localização de outros usuários e das “props”(que são bônus e congratulações pela música postada) Design fixo
  20. 20. Considerações Finais Papel das recomendações e categorizações dos gêneros musicais Disputa de Conhecimento Musical (Capital Subcultural) Consciência da Audiência Segmentada >>>>> Construção de Reputação Consumo se dá através de práticas subjetivas a partir do gosto e da identidade musical
  21. 21. Obrigada!

×