SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
O que é ISO ISO é a sigla da entidade  International Organization for Standardization , com sede em Genebra, Suíça. Sua função é elaborar padrões ou normas internacionais, de modo a facilitar as relações comerciais entre os diferentes países.  A ISO congrega mais de 150 nações, no Brasil ela é representada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).
Dúvidas freqüentes > O que é a ISO 9000? A ISO 9000 é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da Qualidade.  As normas ISO 9000 foram publicadas pela primeira vez em 1987 com o objetivo de estabelecer um conjunto padronizado de requisitos para o desenvolvimento de sistemas de qualidade para empresas.
> A ISO 9000 certifica produtos? Não, a ISO 9000 é uma norma que tem por objetivo a certificação de processos, tendo em vista a garantia da qualidade dos produtos e serviços destinados aos clientes. > A ISO 9000 “burocratiza” minha empresa?   Não. A Norma ISO não especifica como uma atividade deve ser feita, apenas define um conjunto de requisitos, todos de bom senso. A burocratização que ocorre em algumas empresas deve-se a maneira errada de como o uso da norma foi interpretado e aplicado.
> Quais os benefícios para a minha empresa com a certificação ISO 9000? A certificação de processos segundo a Norma ISO 9000 proporciona maior credibilidade quanto a qualidade dos produtos e serviços da organização. É uma forma de garantir o atendimento às necessidades dos clientes e a continuidade na execução dos processos internos, bem como uma gestão mais efetiva destes processos baseado em indicadores.
> Por que obter a certificação ISO-9000? Nem todas organizações exigem a certificação dos sistemas de qualidade de seus fornecedores. Caso seu cliente não exija a certificação, é preciso questionar se existem razões válidas que justifiquem o investimento necessário, em tempo e dinheiro.  Os melhores motivos para buscar a certificação dos sistemas de qualidade são: padronizar as práticas para a qualidade e comprometer-se formalmente a adotar uma cultura de melhoria contínua.
> Como obter um certificado de ISO 9000? Quando a organização julgar que ela tem um Sistema de Gestão da Qualidade alinhado as diretrizes da ISO 9000, deve-se selecionar uma empresa certificadora. Esta empresa irá realizar uma avaliação deste sistema e com base no resultado poderá, ou não, certificar.  O tempo necessário para implantação é função de uma série de fatores: grau de maturidade dos processos atuais, grau de complexidade dos processos integrantes do escopo, disponibilidade de recursos e priorização para o desenvolvimento do projeto. Pode-se considerar como tempo médio um período de 9 a 11 meses.
> Por quanto tempo vale um certificado de ISO 9000? Os certificados segundo a ISO 9000, no Brasil, valem por um período de 3 anos a partir da data da auditoria de certificação. Ao longo destes três anos as empresas serão reavaliadas pelas suas certificadoras em um prazo não superior a 12 meses.   > Uma empresa pode perder o certificado ISO 9000? Sim, é só não manter o sistema de gestão da qualidade conforme as diretrizes da ISO 9000, durante o prazo de validade do certificado.
> Quantos certificados existem no Brasil e no Mundo de ISO 9000?  Até final de 2002 haviam sido emitidos cerca de 400 mil certificados no mundo, sendo aproximadamente 6800 no Brasil.
Hierarquia de Documentos Os documentos de um sistema de gestão da qualidade obedecem a seguinte hierarquia: > Manual da Qualidade: sintetiza toda a organização em relação aos itens da norma. > Procedimentos do sistema: descrevem o que é feito para atender a cada item da norma. > Padrões operacionais: descrevem como são feitas as operações nos processos.
> Registros: referem-se aos cumprimentos dos padrões por aqueles que executam a tarefa. > Documentos diversos: referem-se aos documentos externos que devem ser controlados, necessários ao sistema da gestão da qualidade.
> Modelo da Hierarquia de Documentos Manual da Qualidade Procedimentos  do Sistema Padrões Operacionais Registros e Documentos diversos
NORMA ISO 9000:2000 a) Definição b) As principais mudanças c) Norma NBR ISO 9001:2000 d) Norma NBR ISO 9004:2000 e) Certificação
Definição É a série de normas da família 9000, publicadas em Dezembro de 2000, substituindo a versão anterior de 1994. As normas que fazem parte são: ISO 9000  - Sistema de Gestão da Qualidade: Fundamentos e vocabulário ISO 9001  - Sistema de Gestão da Qualidade: Requisitos (norma utilizada para fins de certificação) ISO 9004  - Sistema de Gestão da Qualidade: Diretrizes para melhoria do desempenho
A Norma ISO-9000:2000 foi reescrita com base em 8  princípios da gestão da qualidade, detalhados  na Norma ISO 9004, que fornece as diretrizes para implementar os requisitos da ISO 9001.  Como em muitas outras atividades, as práticas foram desenvolvidas primeiro e os princípios determinados depois. A norma comunica uma filosofia sintetizada  das experiências bem sucedidas de muitas empresas.
Abaixo estão descritos os 8 princípios: 1.   Foco no cliente  2.   Liderança  3.   Envolvimento das pessoas  4.   Abordagem de Processo  5.   Abordagem sistêmica à administração  6.   Melhoria contínua  7.   Decisões tomadas em base a fatos  8.  Relacionamentos de mútuo benefício com    fornecedores
As principais mudanças As 20 cláusulas da versão de 1994 foram reduzidas para 5 com muitos menos preceitos. A versão de 1994 era fundamentada em um modelo de manufatura e incluía requisitos específicos para projetos, produção e gestão de fornecedores.   Isso resultou em uma abordagem do tipo “caixa preta”, onde algumas consultorias escreviam procedimentos genéricos de qualidade para seus clientes.  A atual versão de 2000 engoblou as normas ISO 9002 e ISO 9003.
A versão de 2000 exige a implantação de sistemas de qualidade e, também, a melhoria continua de processos de trabalho. Isso estimula os trabalhadores a entender melhor os requisitos dos clientes, para assim fornecer o que eles desejam.  Tendo em vista que as novas normas contêm menos preceitos, possibilita uma maior probabilidade de que  as empresas documentem suas práticas reais em vez de, simplesmente, reescrever os requisitos da norma.   Embora a versão 2000 ainda tende a alinhar-se mais com indústrias de manufatura, a norma tornou-se mais fácil de ser aplicada no setor de serviços.
As normas ISO 9000:2000 têm os seguintes propósitos: > Resolver as dificuldades encontradas pelas pequenas organizações, que não dispõem de especialistas ou de departamentos de gestão da qualidade com capacidade para interpretar os requisitos da norma e implantá-los adequadamente. > Adequar as normas às necessidades dos setores emergentes, mais especificamente os segmentos de serviços, uma vez que a versão anterior alinhava-se mais para a indústria.
> Reduzir o número de diretrizes que foram surgindo, com o objetivo de esclarecer sua aplicação, quer para setores específicos, quer para diferentes portes de organizações ou para categorias de produtos.   > Contemplar   a evolução das necessidades dos usuários e clientes, as quais sofreram profundas mudanças nas duas últimas décadas. > Adequar a estrutura da norma e o conteúdo dos requisitos à gestão orientada para processos, que modernamente orienta a estrutura da maioria das organizações.
> Orientar a gestão das organizações na direção da melhoria de desempenho, ou seja, além da certificação ou do registro de seus sistemas da qualidade. > Possibilitar a implementação integrada de múltiplos sistemas gerenciais, notadamente dos sistemas de gestão ambiental.
Norma NBR ISO 9001:2000   A ISO 9001:2000, empregada para fins de certificação contempla as seguintes seções: > Seção 0: Introdução > Seção 1: Objetivo > Seção 2: Referências Normativas > Seção 3: Termos e Definições > Seção 4:  Sistema de gestão da qualidade > Seção 5:  Responsabilidade da administração  > Seção 6:  Gestão de Recursos  > Seção 7:  Realização do Produto  > Seção 8:  Medição, Análise e Melhoria   
> Seção 0: Introdução Nesta seção é tratada a importância de uma decisão estratégica para mostrar a adoção de um sistema de gestão. Destaca também a possibilidade da organização utilizar a norma para avaliar sua capacidade de atender aos requisitos do cliente, tanto os regulamentares como os da própria organização. É importante destacar que a abordagem de processo e  a compatibilidade com outras normas são os pontos fortes da versão 2000.
> Seção 1: Objetivo O Objetivo desta seção é a especificação dos requisitos de um sistema de gestão da qualidade. Tais requisitos são utilizados para que uma organização demonstre sua capacidade de fornecer produtos ou serviços de acordo com os requisitos do cliente e quanto pretende aumentar a satisfação do cliente.
> Seção 2: Referências Normativas A seção destaca os fundamentos e o vocabulário de um sistema de gestão da qualidade.
> Seção 3: Termos e Definições Esta seção define que a Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes que satisfaz os requisitos.
> Seção 4: Sistema de gestão da qualidade Esta seção apresenta os requisitos gerais de um sistema de gestão da qualidade. Também, determina que as  organizações devem possuir uma política da qualidade  e objetivos documentados. Os principais elementos que fazem parte desta seção  são: manual da qualidade, controle de documentos e controle de registros da qualidade.
> Seção 5: Responsabilidade da Administração   Nesta seção estão todas as ferramentas que permitem garantir a capacidade de análise da funcionalidade do sistema, sua melhoria contínua, além de promover as necessárias modificações no sistema da qualidade, na política da qualidade e nos objetivos e metas da qualidade.  A seção é subdivida em compromisso da administração, foco no cliente, política da qualidade, planejamento, responsabilidade, autoridade e comunicação, e analise crítica pela administração.
> Seção 6: Gestão de Recursos A seção focaliza a disponibilização de recursos, onde a organização deve fornecer pessoal, treinamento, infra-estrutura, instalações e ambiente de trabalho, que são necessários para implantar o sistema da qualidade e alcançar os objetivos da qualidade.   Os principais elementos desta seção são provisão de recursos, recursos humanos, infraestrutura, ambiente de trabalho, e competência e treinamento.
> Seção 7: Realização do Produto A seção estabelece que a organização deve desenvolver os processos necessários para identificar os requisitos dos clientes, projetar e desenvolver produtos que atendem esses requisitos, gerenciar seus fornecedores e produzir e entregar produtos que cumpram com esses requisitos.   A seção é subdividida em realização do planejamento, processos relacionados com clientes, aquisição, projeto  e desenvolvimento, produção e fornecimento de serviço, e controle de dispositivos de medição e monitoramento.
> Seção 8: Medição, Análise e Melhoria   Esta seção determina que a organização deve planejar  e monitorar o cumprimento dos requisitos e a satisfação do cliente. O objetivo desta seção engloba auditorias internas, medição e acompanhamento dos processos, produtos e serviços, controle das não-conformidades, análise de indicadores e planejamento da melhoria contínua.  Os elementos principais: medição e monitoramento, controle de produtos não-conformes, análise de dados e melhorias – melhoria contínua, ações corretivas e ações preventivas.
> Resumo e síntese As normas ISO-9000:2000 incorporam as condutas essenciais, identificadas por  Crosby  nas organizações confiáveis. A revisão das práticas de qualidade englobando os 8 princípios incluídos na ISO 9004 pode ser alinhada com as condutas das organizações confiáveis. Essas condutas são: >  Desenvolver pessoas > Criar novos produtos e serviços > Melhorar e otimizar processos > A busca do êxito para clientes e empresa
NORMA NBR ISO 9004:2000 A norma NBR ISO 9001:2000 forma com a NBR ISO 9004:2000 um par coerente de normas de gestão da qualidade, elaboradas para se complementarem. Se a organização desejar, pode utilizar estas normas de modo independente A ISO 9004:2000 fornece orientação para um sistema de gestão da qualidade com objetivos mais amplos, principalmente, em relação à melhoria contínua do desempenho global da organização e sua efetividade.
Esta norma não tem propósitos de certificação ou fins contratuais, apresentado apenas o caminho indicado pela ISO para a gestão da qualidade total.  Quando combinada com a ISO 9001:2000, os objetivos de satisfação do cliente e qualidade do produto são ampliados para considerar a satisfação das partes interessadas, como clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e sociedade, e também o desempenho da organização.
Certificação A necessidade das empresas comunicarem aos clientes e ao mercado a adequação de seu sistema da qualidade às normas de referência originou a atividade certificadora. Certificação  é um conjunto de atividades desenvolvidas por um organismo independente, sem relação comercial, com o objetivo de atestar publicamente, por escrito, que determinado produto ou processo está conforme com os requisitos especificados.
As atividades de certificação podem envolver análise de documentação; auditorias e inspeções; coleta e ensaios de produtos, no mercado ou na fábrica, com o objetivo avaliar a referida conformidade e sua manutenção. A certificação é feita por um organismo certificador que, no âmbito do modelo do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade (SBAC) determinado por resolução do Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro), que deve estar credenciado no Instituo Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) para exercer tal atividade.
As normas da família ISO 9000, por também serem utilizadas em situações comerciais, pressupõem a realização de auditorias por parte do cliente. Em face da multiplicação dessas exigências, tornou-se natural admitir a situação em que um organismo independente (terceira parte), reconhecido por todos, efetuasse essas auditorias, que seriam assim aceitas, facilitando e simplificando as relações comerciais.  As auditorias realizadas por parte do cliente, são empregadas na situação em que os fornecedores ainda não estejam certificados.
A atividade de auditoria na verificação da conformidade da documentação da organização à norma denomina-se  auditoria de adequação . Por sua vez, a verificação da efetiva implementação dos procedimentos que compõem o sistema da qualidade de uma empresa é conhecida como  auditoria de conformidade .  As auditorias são ainda classificadas em  auditoria de primeira parte  (auditoria interna),  auditoria de segunda parte  (cliente-fornecedor) e  auditoria de terceira parte  (sem relação comercial, feita por um organismo independente).
> As instituições certificadoras São 35 as instituições credenciadas pelo SBAC (Sistema Brasileiro de Certificação - do Inmetro) a fornecerem certificados ISO 9000 no Brasil:  > ABNT – Assoc. Brasileira de Normas Técnicas  > ABS Quality Evaluations Inc.  (Brasil) > ABS Quality Evaluations Inc.  (EUA) > UCIEE - União Certificadora > BRTÜV- Avaliações da Qualidade Ltda (RJ) > BRTÜV- Avaliações da Qualidade Ltda (SP) > BSI Americas, Inc (Brasil)  > BSI Americas, Inc (Estados Unidos)
> Bureau Colombo - ACTA QS  > BVQI do Brasil Sociedade Certificadora Ltda > CCB - Centro Cerâmico do Brasil  > CTA/IFI - Centro Téc. Aeroespacial > DNV - Det Norske Veritas Certificadora Ltda  > DQS do Brasil Ltda  > FCAV - Fundação Carlos Alberto Vanzolini  > FONDONORMA - Fondo para la Normaliz. y la Certificación de la Calidad  > GLC - Germanischer Lloyd Certification > ICQ - Instituto de Certificação Qualidade  > IQA - Instituto da Qualidade Automotiva > IRAM - Instituto Argentino de Normalizatición  > Lloyd´s Register do Brasil Ltda (RJ)
> Lloyd´s Register do Brasil Ltda (SP)  > SAS - Sociedade dos Auditores de Sistema  > SGS ICS Certificadora Ltda  > TECPAR - Instituto de Tecnologia do Paraná > TÜV Rheinland Brasil  > UCIEE - União Certificadora  > LATU Sistemas S/A > MIC do Brasil  > Perry Johnson Registers, Inc. > RINA - S.p.A. (Itália) > RINA - S.p.A. (Brasil) > UL Underwriters Laboratories Inc. (EUA) > UL Underwriters Laboratories Inc. (Brasil) > UNIT - Instituto Uruguaio de Normas Técnicas
OUTROS SISTEMAS a) Sistemas da Indústria Automotiva b) ISO 14000 c) OHSAS 18000 d) SGI e) SA 8000
Sistemas da Indústria Automotiva Com o advento das normas da série ISO 9000, em 1987, as montadoras começaram a estudar o desenvolvimento de seus próprios critérios. Assim, as empresas americanas, principalmente, Ford, General Motors e Chrysler, estruturaram em comum o referencial denominado QS 9000, baseado nas normas ISO 9000, porém, com acréscimo de aspectos próprios do setor.   As empresas francesas (Renault, Peugeot e Citroën), por outro lado, emitiram o referencial EAQF.
A Indústria italiana, predominantemente Fiat, emitiu o referencial AVSQ. Já a indústria alemã (Mercedes-Bens, BMW, Volkswagen) emitiu o referencial VDA-6. As normas apresentadas foram convergidas em uma norma única, a  ISO TS 16949 , que é uma especificação técnica desenvolvida pelo  International Automotive Task Force (IATF) em conjunto com membros do Comitê Técnico da Qualidade da ISO. Incorpora os requisitos de Sistemas da Qualidade das montadoras americanas, alemãs, italianas e francesas.
ISO 14000:2000 A fusão de conhecimento da ciência administrativa, da economia e do meio ambiente, criaram novos modelos gerenciais, pautados em princípios que consideram os recursos naturais como um capital. Vale lembrar que a preocupação com o meio ambiente tomou intenso vulto nos últimos anos. A norma NBR ISO 9000:2000 visa conjugar objetivos convergentes no tripé da da gestão ambiental, como: preservação ambiental, desenvolvimento sustentável e benefícios organizacionais.
A ISO 14000 contempla  um grupo de normas técnicas, com base referencial em métodos e análises, capazes de garantir que um determinado agente produtor de bens ou serviços, utiliza-se de processos gerenciais que visam a redução das possibilidades de ocorrência de danos ambientais. O foco da norma está na ação e no pensamento proativo e não em reação a comandos e em políticas de controle do passado. Esta é uma norma de sistema e reforça a melhoria da proteção ambiental pelo uso de um único sistema de gerenciamento, que deve permear todas as funções da organização.
OHSAS 18001  A OHSAS 18001 é a norma voltada para Segurança e Saúde no Trabalho.   Ressalta-se que a legislação está a cada dia mais exigente no que diz respeito à segurança do trabalho. É necessário o comprometimento de todos na organização para que os resultados sejam gerados.  Os benefícios da norma: eliminar ou minimizar os riscos associados às atividades da empresa para os trabalhadores; assegurar o cumprimento da política de segurança e saúde da empresa; melhorar o desempenho dos negócios; estabelecer uma imagem responsável da organização perante o mercado.
SGI - Sistema de Gestão Integrado  O objetivo do SGI é estabelecer um conjunto de elementos, interagindo com a força de trabalho, por meio de diretrizes e padrões, para promover a melhoria da qualidade dos serviços e a aumentar postura preventiva com relação às questões de segurança, meio ambiente e saúde. O SGI integra os princípios da ISO 9000, ISO 14000, BS 8800   e OHSAS 18000 dentro de uma organização.
SA 8000 A SA 8000 é a norma de Responsabilidade Social baseada em convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e em outras convenções das Nações Unidas. Esta norma vem atender a uma necessidade de consumidores mais esclarecidos que preocupam-se com a forma como os produtos são produzidos. Os requisitos da norma envolvem os seguintes aspectos: trabalho infantil; trabalho forçado; segurança e saúde no trabalho; liberdade de associação e direitos coletivos; discriminação (sexual, raça, nacionalidade); práticas disciplinares; carga horária de trabalho; remuneração.
REFERÊNCIAS   > MARSHALL JR., Isnard. et al.  Gestão da Qualidade . Rio de Janeiro: FGV, 2.004.  > SHIGUNOV NETO, Alexandre; CAMPOS, Letícia.  Manual de Gestão da Qualidade aplicado aos cursos de graduação . Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 2004. > VIEIRA FILHO, Geraldo.  Gestão da Qualidade Total – Uma Abordagem Prática . Campinas: Alínea, 2.003.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
Aula 01 Introdução – SGQ ISO 9001:2015
 
ISO9001
ISO9001ISO9001
ISO9001
 
Ciclo pdca
Ciclo pdcaCiclo pdca
Ciclo pdca
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula 1 sistema de gestão integrada
Aula 1 sistema de gestão integradaAula 1 sistema de gestão integrada
Aula 1 sistema de gestão integrada
 
InterpretaçãO Iso 9001 2008
InterpretaçãO Iso 9001 2008InterpretaçãO Iso 9001 2008
InterpretaçãO Iso 9001 2008
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Apresentação qualidade
Apresentação qualidadeApresentação qualidade
Apresentação qualidade
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
 
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
 
Iso9000..
Iso9000..Iso9000..
Iso9000..
 

Destaque

ISO 9000
ISO 9000ISO 9000
ISO 900017somya
 
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da QualidadeConceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da QualidadeRogério Souza
 
Introdução à norma iso 9001 estrategica
Introdução à norma iso 9001   estrategicaIntrodução à norma iso 9001   estrategica
Introdução à norma iso 9001 estrategicaMeire Yumi Yamada
 
Iso 9001 palestra power point
Iso  9001 palestra   power pointIso  9001 palestra   power point
Iso 9001 palestra power pointFabiano Mesquita
 
ISO 14000 Apresentação Dos Requisitos
ISO 14000 Apresentação Dos RequisitosISO 14000 Apresentação Dos Requisitos
ISO 14000 Apresentação Dos RequisitosRogério Souza
 
Workshop ATSG Versões 2015 da ISO 9001 e ISO 14001
Workshop ATSG Versões 2015 da ISO 9001 e ISO 14001Workshop ATSG Versões 2015 da ISO 9001 e ISO 14001
Workshop ATSG Versões 2015 da ISO 9001 e ISO 14001Rogério Campos Meira
 
Memória 3º evento apicultura agreste 9.4.15
Memória 3º evento apicultura agreste 9.4.15Memória 3º evento apicultura agreste 9.4.15
Memória 3º evento apicultura agreste 9.4.15Lenildo Araujo
 
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software BrasileiroMERKADO DELIVERY
 
Exercício gestão da qualidade pdca
Exercício gestão da qualidade   pdcaExercício gestão da qualidade   pdca
Exercício gestão da qualidade pdcaJoice Fuzari
 

Destaque (20)

Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000
 
ISO 9000
ISO 9000ISO 9000
ISO 9000
 
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da QualidadeConceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
 
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
 
Iso14001
Iso14001Iso14001
Iso14001
 
Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)
 
Introdução à norma iso 9001 estrategica
Introdução à norma iso 9001   estrategicaIntrodução à norma iso 9001   estrategica
Introdução à norma iso 9001 estrategica
 
Ebook 9001 2015
Ebook 9001 2015Ebook 9001 2015
Ebook 9001 2015
 
Iso 9001 palestra power point
Iso  9001 palestra   power pointIso  9001 palestra   power point
Iso 9001 palestra power point
 
ISO 14000 Apresentação Dos Requisitos
ISO 14000 Apresentação Dos RequisitosISO 14000 Apresentação Dos Requisitos
ISO 14000 Apresentação Dos Requisitos
 
Workshop ATSG Versões 2015 da ISO 9001 e ISO 14001
Workshop ATSG Versões 2015 da ISO 9001 e ISO 14001Workshop ATSG Versões 2015 da ISO 9001 e ISO 14001
Workshop ATSG Versões 2015 da ISO 9001 e ISO 14001
 
Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015
 
Iso14001
Iso14001Iso14001
Iso14001
 
ISO 9000
ISO 9000ISO 9000
ISO 9000
 
Fo gm-01 outubro
Fo gm-01 outubroFo gm-01 outubro
Fo gm-01 outubro
 
Memória 3º evento apicultura agreste 9.4.15
Memória 3º evento apicultura agreste 9.4.15Memória 3º evento apicultura agreste 9.4.15
Memória 3º evento apicultura agreste 9.4.15
 
Bs 8800 norma
Bs 8800 normaBs 8800 norma
Bs 8800 norma
 
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro
 
Exercício gestão da qualidade pdca
Exercício gestão da qualidade   pdcaExercício gestão da qualidade   pdca
Exercício gestão da qualidade pdca
 
MPS.BR
MPS.BRMPS.BR
MPS.BR
 

Semelhante a O que é ISO

ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para ManufaturaISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para ManufaturaRogério Souza
 
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdfAula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdfJulio Iacia
 
Normas iso de qualidade laboratório
Normas iso de qualidade   laboratórioNormas iso de qualidade   laboratório
Normas iso de qualidade laboratórioLuiz Messano
 
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1Tatiana Santos
 
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01Leidiane Amaral
 
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01Márcio Oliveira
 
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2Mauro Sobrenome
 
ISO TS16949 2002 Apresentação dos Requisitos
ISO TS16949 2002 Apresentação dos RequisitosISO TS16949 2002 Apresentação dos Requisitos
ISO TS16949 2002 Apresentação dos RequisitosRogério Souza
 
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01Vanessa Cristina Dos Santos
 
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01SERGIO DE MELLO QUEIROZ
 
Nbr 9001 sist gestao qualidade
Nbr 9001 sist gestao qualidadeNbr 9001 sist gestao qualidade
Nbr 9001 sist gestao qualidadeaparadoxo
 
Nbr 9001 sist gestao qualidade
Nbr 9001 sist gestao qualidadeNbr 9001 sist gestao qualidade
Nbr 9001 sist gestao qualidadeaparadoxo
 
ISO 9001 Modelo de Diagnóstico
ISO 9001 Modelo de DiagnósticoISO 9001 Modelo de Diagnóstico
ISO 9001 Modelo de DiagnósticoFernanda Marinho
 
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidadeManual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidadeCristina Fernandes
 
Copia di iso 9001 2000 - slides - curso
Copia di iso 9001   2000 - slides - cursoCopia di iso 9001   2000 - slides - curso
Copia di iso 9001 2000 - slides - cursopaolo grosso
 
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001Fernando Palma
 
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001Fernando Palma
 

Semelhante a O que é ISO (20)

ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para ManufaturaISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
ISO 9001 2000 Apresentação dos Requisitos para Manufatura
 
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdfAula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
Aula 02 - Qualidade e as Iso.pdf
 
Normas iso de qualidade laboratório
Normas iso de qualidade   laboratórioNormas iso de qualidade   laboratório
Normas iso de qualidade laboratório
 
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
 
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
 
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01
 
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
 
ISO TS16949 2002 Apresentação dos Requisitos
ISO TS16949 2002 Apresentação dos RequisitosISO TS16949 2002 Apresentação dos Requisitos
ISO TS16949 2002 Apresentação dos Requisitos
 
A iso 9001 para iniciantes formatado
A iso 9001 para iniciantes formatadoA iso 9001 para iniciantes formatado
A iso 9001 para iniciantes formatado
 
01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade
 
Bíblia ISO - 9001
Bíblia   ISO - 9001Bíblia   ISO - 9001
Bíblia ISO - 9001
 
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
Interpretaoiso90012008 12619284536064-phpapp01-130205044752-phpapp01
 
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
Gestodaqualidadeiso9001 140212102456-phpapp01
 
Nbr 9001 sist gestao qualidade
Nbr 9001 sist gestao qualidadeNbr 9001 sist gestao qualidade
Nbr 9001 sist gestao qualidade
 
Nbr 9001 sist gestao qualidade
Nbr 9001 sist gestao qualidadeNbr 9001 sist gestao qualidade
Nbr 9001 sist gestao qualidade
 
ISO 9001 Modelo de Diagnóstico
ISO 9001 Modelo de DiagnósticoISO 9001 Modelo de Diagnóstico
ISO 9001 Modelo de Diagnóstico
 
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidadeManual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
Manual ufcd-1122-nocoes-e-normas-da-qualidade
 
Copia di iso 9001 2000 - slides - curso
Copia di iso 9001   2000 - slides - cursoCopia di iso 9001   2000 - slides - curso
Copia di iso 9001 2000 - slides - curso
 
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
 
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
 

Mais de elliando dias

Clojurescript slides
Clojurescript slidesClojurescript slides
Clojurescript slideselliando dias
 
Why you should be excited about ClojureScript
Why you should be excited about ClojureScriptWhy you should be excited about ClojureScript
Why you should be excited about ClojureScriptelliando dias
 
Functional Programming with Immutable Data Structures
Functional Programming with Immutable Data StructuresFunctional Programming with Immutable Data Structures
Functional Programming with Immutable Data Structureselliando dias
 
Nomenclatura e peças de container
Nomenclatura  e peças de containerNomenclatura  e peças de container
Nomenclatura e peças de containerelliando dias
 
Polyglot and Poly-paradigm Programming for Better Agility
Polyglot and Poly-paradigm Programming for Better AgilityPolyglot and Poly-paradigm Programming for Better Agility
Polyglot and Poly-paradigm Programming for Better Agilityelliando dias
 
Javascript Libraries
Javascript LibrariesJavascript Libraries
Javascript Librarieselliando dias
 
How to Make an Eight Bit Computer and Save the World!
How to Make an Eight Bit Computer and Save the World!How to Make an Eight Bit Computer and Save the World!
How to Make an Eight Bit Computer and Save the World!elliando dias
 
A Practical Guide to Connecting Hardware to the Web
A Practical Guide to Connecting Hardware to the WebA Practical Guide to Connecting Hardware to the Web
A Practical Guide to Connecting Hardware to the Webelliando dias
 
Introdução ao Arduino
Introdução ao ArduinoIntrodução ao Arduino
Introdução ao Arduinoelliando dias
 
Incanter Data Sorcery
Incanter Data SorceryIncanter Data Sorcery
Incanter Data Sorceryelliando dias
 
Fab.in.a.box - Fab Academy: Machine Design
Fab.in.a.box - Fab Academy: Machine DesignFab.in.a.box - Fab Academy: Machine Design
Fab.in.a.box - Fab Academy: Machine Designelliando dias
 
The Digital Revolution: Machines that makes
The Digital Revolution: Machines that makesThe Digital Revolution: Machines that makes
The Digital Revolution: Machines that makeselliando dias
 
Hadoop - Simple. Scalable.
Hadoop - Simple. Scalable.Hadoop - Simple. Scalable.
Hadoop - Simple. Scalable.elliando dias
 
Hadoop and Hive Development at Facebook
Hadoop and Hive Development at FacebookHadoop and Hive Development at Facebook
Hadoop and Hive Development at Facebookelliando dias
 
Multi-core Parallelization in Clojure - a Case Study
Multi-core Parallelization in Clojure - a Case StudyMulti-core Parallelization in Clojure - a Case Study
Multi-core Parallelization in Clojure - a Case Studyelliando dias
 

Mais de elliando dias (20)

Clojurescript slides
Clojurescript slidesClojurescript slides
Clojurescript slides
 
Why you should be excited about ClojureScript
Why you should be excited about ClojureScriptWhy you should be excited about ClojureScript
Why you should be excited about ClojureScript
 
Functional Programming with Immutable Data Structures
Functional Programming with Immutable Data StructuresFunctional Programming with Immutable Data Structures
Functional Programming with Immutable Data Structures
 
Nomenclatura e peças de container
Nomenclatura  e peças de containerNomenclatura  e peças de container
Nomenclatura e peças de container
 
Geometria Projetiva
Geometria ProjetivaGeometria Projetiva
Geometria Projetiva
 
Polyglot and Poly-paradigm Programming for Better Agility
Polyglot and Poly-paradigm Programming for Better AgilityPolyglot and Poly-paradigm Programming for Better Agility
Polyglot and Poly-paradigm Programming for Better Agility
 
Javascript Libraries
Javascript LibrariesJavascript Libraries
Javascript Libraries
 
How to Make an Eight Bit Computer and Save the World!
How to Make an Eight Bit Computer and Save the World!How to Make an Eight Bit Computer and Save the World!
How to Make an Eight Bit Computer and Save the World!
 
Ragel talk
Ragel talkRagel talk
Ragel talk
 
A Practical Guide to Connecting Hardware to the Web
A Practical Guide to Connecting Hardware to the WebA Practical Guide to Connecting Hardware to the Web
A Practical Guide to Connecting Hardware to the Web
 
Introdução ao Arduino
Introdução ao ArduinoIntrodução ao Arduino
Introdução ao Arduino
 
Minicurso arduino
Minicurso arduinoMinicurso arduino
Minicurso arduino
 
Incanter Data Sorcery
Incanter Data SorceryIncanter Data Sorcery
Incanter Data Sorcery
 
Rango
RangoRango
Rango
 
Fab.in.a.box - Fab Academy: Machine Design
Fab.in.a.box - Fab Academy: Machine DesignFab.in.a.box - Fab Academy: Machine Design
Fab.in.a.box - Fab Academy: Machine Design
 
The Digital Revolution: Machines that makes
The Digital Revolution: Machines that makesThe Digital Revolution: Machines that makes
The Digital Revolution: Machines that makes
 
Hadoop + Clojure
Hadoop + ClojureHadoop + Clojure
Hadoop + Clojure
 
Hadoop - Simple. Scalable.
Hadoop - Simple. Scalable.Hadoop - Simple. Scalable.
Hadoop - Simple. Scalable.
 
Hadoop and Hive Development at Facebook
Hadoop and Hive Development at FacebookHadoop and Hive Development at Facebook
Hadoop and Hive Development at Facebook
 
Multi-core Parallelization in Clojure - a Case Study
Multi-core Parallelization in Clojure - a Case StudyMulti-core Parallelization in Clojure - a Case Study
Multi-core Parallelization in Clojure - a Case Study
 

Último

Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfInocencioHoracio3
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 

Último (8)

Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 

O que é ISO

  • 1. O que é ISO ISO é a sigla da entidade International Organization for Standardization , com sede em Genebra, Suíça. Sua função é elaborar padrões ou normas internacionais, de modo a facilitar as relações comerciais entre os diferentes países. A ISO congrega mais de 150 nações, no Brasil ela é representada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).
  • 2. Dúvidas freqüentes > O que é a ISO 9000? A ISO 9000 é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da Qualidade. As normas ISO 9000 foram publicadas pela primeira vez em 1987 com o objetivo de estabelecer um conjunto padronizado de requisitos para o desenvolvimento de sistemas de qualidade para empresas.
  • 3. > A ISO 9000 certifica produtos? Não, a ISO 9000 é uma norma que tem por objetivo a certificação de processos, tendo em vista a garantia da qualidade dos produtos e serviços destinados aos clientes. > A ISO 9000 “burocratiza” minha empresa? Não. A Norma ISO não especifica como uma atividade deve ser feita, apenas define um conjunto de requisitos, todos de bom senso. A burocratização que ocorre em algumas empresas deve-se a maneira errada de como o uso da norma foi interpretado e aplicado.
  • 4. > Quais os benefícios para a minha empresa com a certificação ISO 9000? A certificação de processos segundo a Norma ISO 9000 proporciona maior credibilidade quanto a qualidade dos produtos e serviços da organização. É uma forma de garantir o atendimento às necessidades dos clientes e a continuidade na execução dos processos internos, bem como uma gestão mais efetiva destes processos baseado em indicadores.
  • 5. > Por que obter a certificação ISO-9000? Nem todas organizações exigem a certificação dos sistemas de qualidade de seus fornecedores. Caso seu cliente não exija a certificação, é preciso questionar se existem razões válidas que justifiquem o investimento necessário, em tempo e dinheiro. Os melhores motivos para buscar a certificação dos sistemas de qualidade são: padronizar as práticas para a qualidade e comprometer-se formalmente a adotar uma cultura de melhoria contínua.
  • 6. > Como obter um certificado de ISO 9000? Quando a organização julgar que ela tem um Sistema de Gestão da Qualidade alinhado as diretrizes da ISO 9000, deve-se selecionar uma empresa certificadora. Esta empresa irá realizar uma avaliação deste sistema e com base no resultado poderá, ou não, certificar. O tempo necessário para implantação é função de uma série de fatores: grau de maturidade dos processos atuais, grau de complexidade dos processos integrantes do escopo, disponibilidade de recursos e priorização para o desenvolvimento do projeto. Pode-se considerar como tempo médio um período de 9 a 11 meses.
  • 7. > Por quanto tempo vale um certificado de ISO 9000? Os certificados segundo a ISO 9000, no Brasil, valem por um período de 3 anos a partir da data da auditoria de certificação. Ao longo destes três anos as empresas serão reavaliadas pelas suas certificadoras em um prazo não superior a 12 meses. > Uma empresa pode perder o certificado ISO 9000? Sim, é só não manter o sistema de gestão da qualidade conforme as diretrizes da ISO 9000, durante o prazo de validade do certificado.
  • 8. > Quantos certificados existem no Brasil e no Mundo de ISO 9000? Até final de 2002 haviam sido emitidos cerca de 400 mil certificados no mundo, sendo aproximadamente 6800 no Brasil.
  • 9. Hierarquia de Documentos Os documentos de um sistema de gestão da qualidade obedecem a seguinte hierarquia: > Manual da Qualidade: sintetiza toda a organização em relação aos itens da norma. > Procedimentos do sistema: descrevem o que é feito para atender a cada item da norma. > Padrões operacionais: descrevem como são feitas as operações nos processos.
  • 10. > Registros: referem-se aos cumprimentos dos padrões por aqueles que executam a tarefa. > Documentos diversos: referem-se aos documentos externos que devem ser controlados, necessários ao sistema da gestão da qualidade.
  • 11. > Modelo da Hierarquia de Documentos Manual da Qualidade Procedimentos do Sistema Padrões Operacionais Registros e Documentos diversos
  • 12. NORMA ISO 9000:2000 a) Definição b) As principais mudanças c) Norma NBR ISO 9001:2000 d) Norma NBR ISO 9004:2000 e) Certificação
  • 13. Definição É a série de normas da família 9000, publicadas em Dezembro de 2000, substituindo a versão anterior de 1994. As normas que fazem parte são: ISO 9000 - Sistema de Gestão da Qualidade: Fundamentos e vocabulário ISO 9001 - Sistema de Gestão da Qualidade: Requisitos (norma utilizada para fins de certificação) ISO 9004 - Sistema de Gestão da Qualidade: Diretrizes para melhoria do desempenho
  • 14. A Norma ISO-9000:2000 foi reescrita com base em 8 princípios da gestão da qualidade, detalhados na Norma ISO 9004, que fornece as diretrizes para implementar os requisitos da ISO 9001. Como em muitas outras atividades, as práticas foram desenvolvidas primeiro e os princípios determinados depois. A norma comunica uma filosofia sintetizada das experiências bem sucedidas de muitas empresas.
  • 15. Abaixo estão descritos os 8 princípios: 1. Foco no cliente 2.   Liderança 3.   Envolvimento das pessoas 4.   Abordagem de Processo 5.   Abordagem sistêmica à administração 6.   Melhoria contínua 7.   Decisões tomadas em base a fatos 8. Relacionamentos de mútuo benefício com fornecedores
  • 16. As principais mudanças As 20 cláusulas da versão de 1994 foram reduzidas para 5 com muitos menos preceitos. A versão de 1994 era fundamentada em um modelo de manufatura e incluía requisitos específicos para projetos, produção e gestão de fornecedores.  Isso resultou em uma abordagem do tipo “caixa preta”, onde algumas consultorias escreviam procedimentos genéricos de qualidade para seus clientes. A atual versão de 2000 engoblou as normas ISO 9002 e ISO 9003.
  • 17. A versão de 2000 exige a implantação de sistemas de qualidade e, também, a melhoria continua de processos de trabalho. Isso estimula os trabalhadores a entender melhor os requisitos dos clientes, para assim fornecer o que eles desejam.  Tendo em vista que as novas normas contêm menos preceitos, possibilita uma maior probabilidade de que as empresas documentem suas práticas reais em vez de, simplesmente, reescrever os requisitos da norma. Embora a versão 2000 ainda tende a alinhar-se mais com indústrias de manufatura, a norma tornou-se mais fácil de ser aplicada no setor de serviços.
  • 18. As normas ISO 9000:2000 têm os seguintes propósitos: > Resolver as dificuldades encontradas pelas pequenas organizações, que não dispõem de especialistas ou de departamentos de gestão da qualidade com capacidade para interpretar os requisitos da norma e implantá-los adequadamente. > Adequar as normas às necessidades dos setores emergentes, mais especificamente os segmentos de serviços, uma vez que a versão anterior alinhava-se mais para a indústria.
  • 19. > Reduzir o número de diretrizes que foram surgindo, com o objetivo de esclarecer sua aplicação, quer para setores específicos, quer para diferentes portes de organizações ou para categorias de produtos. > Contemplar a evolução das necessidades dos usuários e clientes, as quais sofreram profundas mudanças nas duas últimas décadas. > Adequar a estrutura da norma e o conteúdo dos requisitos à gestão orientada para processos, que modernamente orienta a estrutura da maioria das organizações.
  • 20. > Orientar a gestão das organizações na direção da melhoria de desempenho, ou seja, além da certificação ou do registro de seus sistemas da qualidade. > Possibilitar a implementação integrada de múltiplos sistemas gerenciais, notadamente dos sistemas de gestão ambiental.
  • 21. Norma NBR ISO 9001:2000 A ISO 9001:2000, empregada para fins de certificação contempla as seguintes seções: > Seção 0: Introdução > Seção 1: Objetivo > Seção 2: Referências Normativas > Seção 3: Termos e Definições > Seção 4: Sistema de gestão da qualidade > Seção 5: Responsabilidade da administração  > Seção 6: Gestão de Recursos > Seção 7: Realização do Produto  > Seção 8: Medição, Análise e Melhoria  
  • 22. > Seção 0: Introdução Nesta seção é tratada a importância de uma decisão estratégica para mostrar a adoção de um sistema de gestão. Destaca também a possibilidade da organização utilizar a norma para avaliar sua capacidade de atender aos requisitos do cliente, tanto os regulamentares como os da própria organização. É importante destacar que a abordagem de processo e a compatibilidade com outras normas são os pontos fortes da versão 2000.
  • 23. > Seção 1: Objetivo O Objetivo desta seção é a especificação dos requisitos de um sistema de gestão da qualidade. Tais requisitos são utilizados para que uma organização demonstre sua capacidade de fornecer produtos ou serviços de acordo com os requisitos do cliente e quanto pretende aumentar a satisfação do cliente.
  • 24. > Seção 2: Referências Normativas A seção destaca os fundamentos e o vocabulário de um sistema de gestão da qualidade.
  • 25. > Seção 3: Termos e Definições Esta seção define que a Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes que satisfaz os requisitos.
  • 26. > Seção 4: Sistema de gestão da qualidade Esta seção apresenta os requisitos gerais de um sistema de gestão da qualidade. Também, determina que as organizações devem possuir uma política da qualidade e objetivos documentados. Os principais elementos que fazem parte desta seção são: manual da qualidade, controle de documentos e controle de registros da qualidade.
  • 27. > Seção 5: Responsabilidade da Administração Nesta seção estão todas as ferramentas que permitem garantir a capacidade de análise da funcionalidade do sistema, sua melhoria contínua, além de promover as necessárias modificações no sistema da qualidade, na política da qualidade e nos objetivos e metas da qualidade. A seção é subdivida em compromisso da administração, foco no cliente, política da qualidade, planejamento, responsabilidade, autoridade e comunicação, e analise crítica pela administração.
  • 28. > Seção 6: Gestão de Recursos A seção focaliza a disponibilização de recursos, onde a organização deve fornecer pessoal, treinamento, infra-estrutura, instalações e ambiente de trabalho, que são necessários para implantar o sistema da qualidade e alcançar os objetivos da qualidade. Os principais elementos desta seção são provisão de recursos, recursos humanos, infraestrutura, ambiente de trabalho, e competência e treinamento.
  • 29. > Seção 7: Realização do Produto A seção estabelece que a organização deve desenvolver os processos necessários para identificar os requisitos dos clientes, projetar e desenvolver produtos que atendem esses requisitos, gerenciar seus fornecedores e produzir e entregar produtos que cumpram com esses requisitos. A seção é subdividida em realização do planejamento, processos relacionados com clientes, aquisição, projeto e desenvolvimento, produção e fornecimento de serviço, e controle de dispositivos de medição e monitoramento.
  • 30. > Seção 8: Medição, Análise e Melhoria Esta seção determina que a organização deve planejar e monitorar o cumprimento dos requisitos e a satisfação do cliente. O objetivo desta seção engloba auditorias internas, medição e acompanhamento dos processos, produtos e serviços, controle das não-conformidades, análise de indicadores e planejamento da melhoria contínua. Os elementos principais: medição e monitoramento, controle de produtos não-conformes, análise de dados e melhorias – melhoria contínua, ações corretivas e ações preventivas.
  • 31. > Resumo e síntese As normas ISO-9000:2000 incorporam as condutas essenciais, identificadas por Crosby nas organizações confiáveis. A revisão das práticas de qualidade englobando os 8 princípios incluídos na ISO 9004 pode ser alinhada com as condutas das organizações confiáveis. Essas condutas são: > Desenvolver pessoas > Criar novos produtos e serviços > Melhorar e otimizar processos > A busca do êxito para clientes e empresa
  • 32. NORMA NBR ISO 9004:2000 A norma NBR ISO 9001:2000 forma com a NBR ISO 9004:2000 um par coerente de normas de gestão da qualidade, elaboradas para se complementarem. Se a organização desejar, pode utilizar estas normas de modo independente A ISO 9004:2000 fornece orientação para um sistema de gestão da qualidade com objetivos mais amplos, principalmente, em relação à melhoria contínua do desempenho global da organização e sua efetividade.
  • 33. Esta norma não tem propósitos de certificação ou fins contratuais, apresentado apenas o caminho indicado pela ISO para a gestão da qualidade total. Quando combinada com a ISO 9001:2000, os objetivos de satisfação do cliente e qualidade do produto são ampliados para considerar a satisfação das partes interessadas, como clientes, acionistas, colaboradores, fornecedores e sociedade, e também o desempenho da organização.
  • 34. Certificação A necessidade das empresas comunicarem aos clientes e ao mercado a adequação de seu sistema da qualidade às normas de referência originou a atividade certificadora. Certificação é um conjunto de atividades desenvolvidas por um organismo independente, sem relação comercial, com o objetivo de atestar publicamente, por escrito, que determinado produto ou processo está conforme com os requisitos especificados.
  • 35. As atividades de certificação podem envolver análise de documentação; auditorias e inspeções; coleta e ensaios de produtos, no mercado ou na fábrica, com o objetivo avaliar a referida conformidade e sua manutenção. A certificação é feita por um organismo certificador que, no âmbito do modelo do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade (SBAC) determinado por resolução do Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro), que deve estar credenciado no Instituo Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) para exercer tal atividade.
  • 36. As normas da família ISO 9000, por também serem utilizadas em situações comerciais, pressupõem a realização de auditorias por parte do cliente. Em face da multiplicação dessas exigências, tornou-se natural admitir a situação em que um organismo independente (terceira parte), reconhecido por todos, efetuasse essas auditorias, que seriam assim aceitas, facilitando e simplificando as relações comerciais. As auditorias realizadas por parte do cliente, são empregadas na situação em que os fornecedores ainda não estejam certificados.
  • 37. A atividade de auditoria na verificação da conformidade da documentação da organização à norma denomina-se auditoria de adequação . Por sua vez, a verificação da efetiva implementação dos procedimentos que compõem o sistema da qualidade de uma empresa é conhecida como auditoria de conformidade . As auditorias são ainda classificadas em auditoria de primeira parte (auditoria interna), auditoria de segunda parte (cliente-fornecedor) e auditoria de terceira parte (sem relação comercial, feita por um organismo independente).
  • 38. > As instituições certificadoras São 35 as instituições credenciadas pelo SBAC (Sistema Brasileiro de Certificação - do Inmetro) a fornecerem certificados ISO 9000 no Brasil: > ABNT – Assoc. Brasileira de Normas Técnicas > ABS Quality Evaluations Inc. (Brasil) > ABS Quality Evaluations Inc. (EUA) > UCIEE - União Certificadora > BRTÜV- Avaliações da Qualidade Ltda (RJ) > BRTÜV- Avaliações da Qualidade Ltda (SP) > BSI Americas, Inc (Brasil) > BSI Americas, Inc (Estados Unidos)
  • 39. > Bureau Colombo - ACTA QS > BVQI do Brasil Sociedade Certificadora Ltda > CCB - Centro Cerâmico do Brasil > CTA/IFI - Centro Téc. Aeroespacial > DNV - Det Norske Veritas Certificadora Ltda > DQS do Brasil Ltda > FCAV - Fundação Carlos Alberto Vanzolini > FONDONORMA - Fondo para la Normaliz. y la Certificación de la Calidad > GLC - Germanischer Lloyd Certification > ICQ - Instituto de Certificação Qualidade > IQA - Instituto da Qualidade Automotiva > IRAM - Instituto Argentino de Normalizatición > Lloyd´s Register do Brasil Ltda (RJ)
  • 40. > Lloyd´s Register do Brasil Ltda (SP) > SAS - Sociedade dos Auditores de Sistema > SGS ICS Certificadora Ltda > TECPAR - Instituto de Tecnologia do Paraná > TÜV Rheinland Brasil > UCIEE - União Certificadora > LATU Sistemas S/A > MIC do Brasil > Perry Johnson Registers, Inc. > RINA - S.p.A. (Itália) > RINA - S.p.A. (Brasil) > UL Underwriters Laboratories Inc. (EUA) > UL Underwriters Laboratories Inc. (Brasil) > UNIT - Instituto Uruguaio de Normas Técnicas
  • 41. OUTROS SISTEMAS a) Sistemas da Indústria Automotiva b) ISO 14000 c) OHSAS 18000 d) SGI e) SA 8000
  • 42. Sistemas da Indústria Automotiva Com o advento das normas da série ISO 9000, em 1987, as montadoras começaram a estudar o desenvolvimento de seus próprios critérios. Assim, as empresas americanas, principalmente, Ford, General Motors e Chrysler, estruturaram em comum o referencial denominado QS 9000, baseado nas normas ISO 9000, porém, com acréscimo de aspectos próprios do setor. As empresas francesas (Renault, Peugeot e Citroën), por outro lado, emitiram o referencial EAQF.
  • 43. A Indústria italiana, predominantemente Fiat, emitiu o referencial AVSQ. Já a indústria alemã (Mercedes-Bens, BMW, Volkswagen) emitiu o referencial VDA-6. As normas apresentadas foram convergidas em uma norma única, a ISO TS 16949 , que é uma especificação técnica desenvolvida pelo International Automotive Task Force (IATF) em conjunto com membros do Comitê Técnico da Qualidade da ISO. Incorpora os requisitos de Sistemas da Qualidade das montadoras americanas, alemãs, italianas e francesas.
  • 44. ISO 14000:2000 A fusão de conhecimento da ciência administrativa, da economia e do meio ambiente, criaram novos modelos gerenciais, pautados em princípios que consideram os recursos naturais como um capital. Vale lembrar que a preocupação com o meio ambiente tomou intenso vulto nos últimos anos. A norma NBR ISO 9000:2000 visa conjugar objetivos convergentes no tripé da da gestão ambiental, como: preservação ambiental, desenvolvimento sustentável e benefícios organizacionais.
  • 45. A ISO 14000 contempla um grupo de normas técnicas, com base referencial em métodos e análises, capazes de garantir que um determinado agente produtor de bens ou serviços, utiliza-se de processos gerenciais que visam a redução das possibilidades de ocorrência de danos ambientais. O foco da norma está na ação e no pensamento proativo e não em reação a comandos e em políticas de controle do passado. Esta é uma norma de sistema e reforça a melhoria da proteção ambiental pelo uso de um único sistema de gerenciamento, que deve permear todas as funções da organização.
  • 46. OHSAS 18001 A OHSAS 18001 é a norma voltada para Segurança e Saúde no Trabalho. Ressalta-se que a legislação está a cada dia mais exigente no que diz respeito à segurança do trabalho. É necessário o comprometimento de todos na organização para que os resultados sejam gerados. Os benefícios da norma: eliminar ou minimizar os riscos associados às atividades da empresa para os trabalhadores; assegurar o cumprimento da política de segurança e saúde da empresa; melhorar o desempenho dos negócios; estabelecer uma imagem responsável da organização perante o mercado.
  • 47. SGI - Sistema de Gestão Integrado O objetivo do SGI é estabelecer um conjunto de elementos, interagindo com a força de trabalho, por meio de diretrizes e padrões, para promover a melhoria da qualidade dos serviços e a aumentar postura preventiva com relação às questões de segurança, meio ambiente e saúde. O SGI integra os princípios da ISO 9000, ISO 14000, BS 8800 e OHSAS 18000 dentro de uma organização.
  • 48. SA 8000 A SA 8000 é a norma de Responsabilidade Social baseada em convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e em outras convenções das Nações Unidas. Esta norma vem atender a uma necessidade de consumidores mais esclarecidos que preocupam-se com a forma como os produtos são produzidos. Os requisitos da norma envolvem os seguintes aspectos: trabalho infantil; trabalho forçado; segurança e saúde no trabalho; liberdade de associação e direitos coletivos; discriminação (sexual, raça, nacionalidade); práticas disciplinares; carga horária de trabalho; remuneração.
  • 49. REFERÊNCIAS > MARSHALL JR., Isnard. et al. Gestão da Qualidade . Rio de Janeiro: FGV, 2.004. > SHIGUNOV NETO, Alexandre; CAMPOS, Letícia. Manual de Gestão da Qualidade aplicado aos cursos de graduação . Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 2004. > VIEIRA FILHO, Geraldo. Gestão da Qualidade Total – Uma Abordagem Prática . Campinas: Alínea, 2.003.