CENTRO ITELECTUALCENTRO ITELECTUAL
O Quarto Caminho torna possível a lembrança de si mesmo, direta ouO Quarto Caminho torna possível a lembrança de si mesmo,...
ATITUDESATITUDES
Neste trabalho, começamos rapidamente a ver que as nossasNeste trabalho, começamos rapidamente a ver que ...
Essas opiniões protegem o nosso sono e, com freqüência, disfarçamEssas opiniões protegem o nosso sono e, com freqüência, d...
As nossa atitudes tem menos importância do que aprender a usa-As nossa atitudes tem menos importância do que aprender a us...
Tratando esse aspecto do nosso trabalho como um experimento,Tratando esse aspecto do nosso trabalho como um experimento,
j...
Isso pode ou não ser verdade, mas nos ajuda a diminuir a nossaIsso pode ou não ser verdade, mas nos ajuda a diminuir a nos...
Para isso é necessário observar como nos comportamos emPara isso é necessário observar como nos comportamos em
momentos de...
Tal esforço tem o benefício adicional de estarmos mais sob aTal esforço tem o benefício adicional de estarmos mais sob a
i...
Podemos ver esses esforços como contraditórios, por exemplo, comoPodemos ver esses esforços como contraditórios, por exemp...
Em vez de aceitar a oportunidade para mudar, muitos dos nossosEm vez de aceitar a oportunidade para mudar, muitos dos noss...
À medida que principiamos a ver o que é possível quandoÀ medida que principiamos a ver o que é possível quando
eliminamos ...
BE HOLDBE HOLD
Encontro de 06/04/2005 – Centro de Porto AlegreEncontro de 06/04/2005 – Centro de Porto Alegre
Texto base e...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Centro Intelectual e Atitudes

344 visualizações

Publicada em

Quarto Caminho - Centro Intelectual e Atitudes

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Centro Intelectual e Atitudes

  1. 1. CENTRO ITELECTUALCENTRO ITELECTUAL
  2. 2. O Quarto Caminho torna possível a lembrança de si mesmo, direta ouO Quarto Caminho torna possível a lembrança de si mesmo, direta ou indiretamente, de muitos modos, em particular nos “Centros”indiretamente, de muitos modos, em particular nos “Centros” emocional e intelectual.emocional e intelectual. Os principais métodos para trabalharmos no centro emocional são aOs principais métodos para trabalharmos no centro emocional são a não expressão da negatividade e a transformação do sofrimento. Emnão expressão da negatividade e a transformação do sofrimento. Em relação ao centro intelectual, a técnica básica é o trabalho de mudançarelação ao centro intelectual, a técnica básica é o trabalho de mudança de atitudes.de atitudes.
  3. 3. ATITUDESATITUDES Neste trabalho, começamos rapidamente a ver que as nossasNeste trabalho, começamos rapidamente a ver que as nossas atitudes não são reflexos inalteráveis da realidade. São,atitudes não são reflexos inalteráveis da realidade. São, simplesmente, opiniões que colocam um anteparo entre o nosso sersimplesmente, opiniões que colocam um anteparo entre o nosso ser e o nosso sono. Temos atitudes indistintas sobre quase tudo. Folheiee o nosso sono. Temos atitudes indistintas sobre quase tudo. Folheie qualquer revista e observe o fluxo de opiniões interiores que surgemqualquer revista e observe o fluxo de opiniões interiores que surgem a cada artigo, a cada propaganda, a cada título; atitudes a respeitoa cada artigo, a cada propaganda, a cada título; atitudes a respeito dos produtos anunciados, dos acontecimentos descritos, das pessoasdos produtos anunciados, dos acontecimentos descritos, das pessoas em destaque, das suas roupas, de como deveriam ser, de comoem destaque, das suas roupas, de como deveriam ser, de como governar o mundo, de como deveria ser o comportamento dosgovernar o mundo, de como deveria ser o comportamento dos políticos, etc...políticos, etc...
  4. 4. Essas opiniões protegem o nosso sono e, com freqüência, disfarçamEssas opiniões protegem o nosso sono e, com freqüência, disfarçam atitudes profundamente enraizadas. Por exemplo, uma atitudeatitudes profundamente enraizadas. Por exemplo, uma atitude subjacente e comum e que estamos “certos”. Portanto, na nossasubjacente e comum e que estamos “certos”. Portanto, na nossa mente defenderemos o nosso ponto de vista contra agressoresmente defenderemos o nosso ponto de vista contra agressores imaginários; numa conversa, esperaremos pela oportunidade deimaginários; numa conversa, esperaremos pela oportunidade de colocar nossas certezas e debateremos com os amigos quecolocar nossas certezas e debateremos com os amigos que questionarem nossas predisposições. Desta forma, não estamosquestionarem nossas predisposições. Desta forma, não estamos presentes às outras possibilidades do momento – a música, apresentes às outras possibilidades do momento – a música, a comida, o vinho, o riso e até mesmo a reiterada evidencia de que ocomida, o vinho, o riso e até mesmo a reiterada evidencia de que o nosso ponto de vista é limitado e subjetivo e que estamos, de fato,nosso ponto de vista é limitado e subjetivo e que estamos, de fato, adormecidos. Mais importante ainda: não veremos que o nossoadormecidos. Mais importante ainda: não veremos que o nosso pontos de vista é totalmente sem importância, em qualquerpontos de vista é totalmente sem importância, em qualquer avaliação mais verdadeira; em outras palavras, é simplesmente umavaliação mais verdadeira; em outras palavras, é simplesmente um outro “eu” entre tantos. Assim, essas atitudes habituaisoutro “eu” entre tantos. Assim, essas atitudes habituais aprofundarão o nosso sono.aprofundarão o nosso sono.
  5. 5. As nossa atitudes tem menos importância do que aprender a usa-As nossa atitudes tem menos importância do que aprender a usa- las para nos tornarmos mais conscientes, e não mais subjetivos elas para nos tornarmos mais conscientes, e não mais subjetivos e cheios de opiniões. Nossa capacidade de modificar eventoscheios de opiniões. Nossa capacidade de modificar eventos externos é muito limitada, porém temos um controle muito maiorexternos é muito limitada, porém temos um controle muito maior sobre os nossos pensamentos; por conseguinte, achamos que ossobre os nossos pensamentos; por conseguinte, achamos que os eventos externos são mais facilmente “modificados” pela nossaeventos externos são mais facilmente “modificados” pela nossa atitude do que por qualquer outra coisa. Como Shakespeareatitude do que por qualquer outra coisa. Como Shakespeare escreveu há séculos: “as coisas não são nem boas nem más, é oescreveu há séculos: “as coisas não são nem boas nem más, é o pensamento que as torna boas ou más”.pensamento que as torna boas ou más”. Esse esforço significa, em primeiro lugar, modificar nossasEsse esforço significa, em primeiro lugar, modificar nossas atitudes a respeito das próprias atitudes. Podemos até mesmoatitudes a respeito das próprias atitudes. Podemos até mesmo considerar a seleção das nossas atitudes como um exercício, umconsiderar a seleção das nossas atitudes como um exercício, um exercício que podemos utilizar para adquirir mais consciência.exercício que podemos utilizar para adquirir mais consciência. Desenvolver atitudes pode ser visto como um desafio, umDesenvolver atitudes pode ser visto como um desafio, um método pelo qual manipulamos a máquina para simular o modométodo pelo qual manipulamos a máquina para simular o modo que seríamos se fôssemos mais conscientes e menos “grudados”que seríamos se fôssemos mais conscientes e menos “grudados” num certo modo de ver as coisas.num certo modo de ver as coisas.
  6. 6. Tratando esse aspecto do nosso trabalho como um experimento,Tratando esse aspecto do nosso trabalho como um experimento, já estamos dando um passo atrás, trabalhando para estar menosjá estamos dando um passo atrás, trabalhando para estar menos identificados com a nossa mecanicidade, menos preocupadosidentificados com a nossa mecanicidade, menos preocupados com a “correção” dos nossos pensamentos, cuidando mais docom a “correção” dos nossos pensamentos, cuidando mais do próprio processo de pensar.próprio processo de pensar. Por exemplo, uma atitude comum na “Fraternidade dePor exemplo, uma atitude comum na “Fraternidade de Amigos” é ver nossa vida como uma peça de teatro, uma peça naAmigos” é ver nossa vida como uma peça de teatro, uma peça na qual não temos o papel principal, mas apoiamos muitos outrosqual não temos o papel principal, mas apoiamos muitos outros atores, em várias cenas cujo “final” é conhecida apenas peloatores, em várias cenas cujo “final” é conhecida apenas pelo “autor”. Então, nossos esforços devem ser direcionados para“autor”. Então, nossos esforços devem ser direcionados para representar bem o nosso papel, sem questionar o autor da peçarepresentar bem o nosso papel, sem questionar o autor da peça sobre o texto, nem corrigir a interpretação dos outros (papel quesobre o texto, nem corrigir a interpretação dos outros (papel que cabe ao diretor), ou tentar antecipar o que acontecerá em seguida.cabe ao diretor), ou tentar antecipar o que acontecerá em seguida. Nem é preciso dizer que, inerente a essa atitude, está aNem é preciso dizer que, inerente a essa atitude, está a compreensão de que a peça foi escrita bem antes da suacompreensão de que a peça foi escrita bem antes da sua apresentação, e com mais talento do que possuímos.apresentação, e com mais talento do que possuímos.
  7. 7. Isso pode ou não ser verdade, mas nos ajuda a diminuir a nossaIsso pode ou não ser verdade, mas nos ajuda a diminuir a nossa subjetividade e nos dá uma abertura para níveis mais elevados desubjetividade e nos dá uma abertura para níveis mais elevados de atenção, ajudando-nos a centrar-nos mais em nosso estado interioratenção, ajudando-nos a centrar-nos mais em nosso estado interior e menos em “consertar” eventos e pessoas, o que em geral está forae menos em “consertar” eventos e pessoas, o que em geral está fora do nosso alcance. Por outro lado, isso poderia tornar-se um mododo nosso alcance. Por outro lado, isso poderia tornar-se um modo de não fazermos esforços. Afinal de contas, se a peça já estáde não fazermos esforços. Afinal de contas, se a peça já está escrita, então “eu” não tenho nada que fazer. È nesse aspecto queescrita, então “eu” não tenho nada que fazer. È nesse aspecto que poderíamos adotar outra atitude, como por exemplo a de que “ospoderíamos adotar outra atitude, como por exemplo a de que “os resultados são proporcionais aos esforços”. Essa compreensãoresultados são proporcionais aos esforços”. Essa compreensão ilustra novamente que as atitudes não são objetivas, mas podemosilustra novamente que as atitudes não são objetivas, mas podemos escolhe-las da melhor maneira possível para fortalecer o nossoescolhe-las da melhor maneira possível para fortalecer o nosso trabalho no presente.trabalho no presente. São um tipo de caixa de ferramentas para o nosso trabalho.São um tipo de caixa de ferramentas para o nosso trabalho. Além de trabalhar com atitudes, existem outros meios de usarAlém de trabalhar com atitudes, existem outros meios de usar nosso pensamento para auxiliar na criação da consciência. Pode-senosso pensamento para auxiliar na criação da consciência. Pode-se induzir a lembrança de si, reconstruindo nossos pensamentos einduzir a lembrança de si, reconstruindo nossos pensamentos e comportamento á imitação da consciência.comportamento á imitação da consciência.
  8. 8. Para isso é necessário observar como nos comportamos emPara isso é necessário observar como nos comportamos em momentos de consciência mais ampla e, então, reproduzirmomentos de consciência mais ampla e, então, reproduzir intencionalmente este comportamento quando estivermos maisintencionalmente este comportamento quando estivermos mais adormecidos. Por exemplo, podemos descobrir que quandoadormecidos. Por exemplo, podemos descobrir que quando estamos mais despertos, ouvimos mais e falamos menos. Portanto,estamos mais despertos, ouvimos mais e falamos menos. Portanto, quando quisermos estar mais conscientes, mais presentes, podemosquando quisermos estar mais conscientes, mais presentes, podemos tentar ouvir mais como um meio para nos conectarmos com atentar ouvir mais como um meio para nos conectarmos com a lembrança de nós mesmos. E isto combina muito bem com o nossolembrança de nós mesmos. E isto combina muito bem com o nosso trabalho sobre a negatividade: podemos dar-nos conta de quandotrabalho sobre a negatividade: podemos dar-nos conta de quando estamos deprimidos tomamos sopa diretamente da panela, nãoestamos deprimidos tomamos sopa diretamente da panela, não atendemos ao telefone e deixamos de lavar a cabeça. Começar aatendemos ao telefone e deixamos de lavar a cabeça. Começar a “afastar-se “ da negatividade pode significar lavar a cabeça, atender“afastar-se “ da negatividade pode significar lavar a cabeça, atender ao telefone com a voz mais gentil possível e tomar a sopa depois deao telefone com a voz mais gentil possível e tomar a sopa depois de coloca-la em um prato.coloca-la em um prato. Por outro lado, podemos observar o comportamento de alguémPor outro lado, podemos observar o comportamento de alguém mais consciente e, intencionalmente, imitar aspectos dele. Isso,mais consciente e, intencionalmente, imitar aspectos dele. Isso, naturalmente requer um professor consciente.naturalmente requer um professor consciente.
  9. 9. Tal esforço tem o benefício adicional de estarmos mais sob aTal esforço tem o benefício adicional de estarmos mais sob a influência do professor, que sob as influências aleatórias que nosinfluência do professor, que sob as influências aleatórias que nos alcançam diariamente e de forma espontânea, vindas de nosso localalcançam diariamente e de forma espontânea, vindas de nosso local de trabalho, dos nossos amigos, da televisão, dos jornais ou ainda,de trabalho, dos nossos amigos, da televisão, dos jornais ou ainda, insidiosamente, das fortuitas associações da nossa fértil imaginação.insidiosamente, das fortuitas associações da nossa fértil imaginação. Como disse Robert Burton, fundador da “Fraternidade de Amigos”:Como disse Robert Burton, fundador da “Fraternidade de Amigos”: “Embora na nossa escola não meditemos, tratamos de controlar de“Embora na nossa escola não meditemos, tratamos de controlar de fato a nossa mente, não em circunstâncias especiais, mas em todasfato a nossa mente, não em circunstâncias especiais, mas em todas as circunstâncias e em cada momento desperto. A maioria dasas circunstâncias e em cada momento desperto. A maioria das pessoas está satisfeita com o fascínio, e uma dimensão desse fascíniopessoas está satisfeita com o fascínio, e uma dimensão desse fascínio é pensar que o controle da mente requer circunstâncias especiais,é pensar que o controle da mente requer circunstâncias especiais, uma vez por semana, ou durante seis horas diárias. Não é suficiente.uma vez por semana, ou durante seis horas diárias. Não é suficiente. Quando meditamos, tentamos controlar a nossa mente. Por que nãoQuando meditamos, tentamos controlar a nossa mente. Por que não deveríamos tentar faze-lo o tempo todo?”deveríamos tentar faze-lo o tempo todo?”
  10. 10. Podemos ver esses esforços como contraditórios, por exemplo, comoPodemos ver esses esforços como contraditórios, por exemplo, como podemos ter a atitude de que estamos em uma “peça”, se tudopodemos ter a atitude de que estamos em uma “peça”, se tudo depende de fazer esforços? Neste ponto, devemos novamentedepende de fazer esforços? Neste ponto, devemos novamente observar as nossas atitudes: se nos surpreendermos com idéiasobservar as nossas atitudes: se nos surpreendermos com idéias subjetivos do que é a “verdade”, de que podemos e de que talvezsubjetivos do que é a “verdade”, de que podemos e de que talvez saibamos o que é a “verdade” no nosso nível, o experimento torna-saibamos o que é a “verdade” no nosso nível, o experimento torna- se impossível, deixando-nos lutando desamparados com a bagagemse impossível, deixando-nos lutando desamparados com a bagagem psicológica acumulada durante anos. Em outras palavras, sem apsicológica acumulada durante anos. Em outras palavras, sem a disposição de mudar algo em nós mesmos, algo tão pequeno comodisposição de mudar algo em nós mesmos, algo tão pequeno como as nossas atitudes, permaneceremos exatamente como somos.as nossas atitudes, permaneceremos exatamente como somos. Contudo, é um grande alívio, à medida que prosseguimos, perceberContudo, é um grande alívio, à medida que prosseguimos, perceber que esse “eu” não tem nada a perder!que esse “eu” não tem nada a perder! Trabalhar com esses princípios também revela a resistência da nossaTrabalhar com esses princípios também revela a resistência da nossa psicologia à transformação.psicologia à transformação.
  11. 11. Em vez de aceitar a oportunidade para mudar, muitos dos nossosEm vez de aceitar a oportunidade para mudar, muitos dos nossos “eus” estão procurando formas de anular essas idéias, gerando idéias“eus” estão procurando formas de anular essas idéias, gerando idéias opostas ou mesmo buscando partes do próprio texto que seopostas ou mesmo buscando partes do próprio texto que se contradigam. Com a observação, começamos a ver que a metadecontradigam. Com a observação, começamos a ver que a metade negativa do centro intelectual é um meio lento e inadequado denegativa do centro intelectual é um meio lento e inadequado de abordar o “pensamento” real, e menos ainda despertar.abordar o “pensamento” real, e menos ainda despertar. Por exemplo, da próxima vez que você falar com um amigo ou comPor exemplo, da próxima vez que você falar com um amigo ou com um membro da família, em lugar de ater-se ao que possa estar erradoum membro da família, em lugar de ater-se ao que possa estar errado com o ponto de vista da outra pessoa, ou de preparar a sua respostacom o ponto de vista da outra pessoa, ou de preparar a sua resposta em vez de escutar, você pode tentar entender porque alguém pensaem vez de escutar, você pode tentar entender porque alguém pensa ou sente desse modo, ampliando assim o seu ponto de vista eou sente desse modo, ampliando assim o seu ponto de vista e tornando-se menos subjetivo (sem necessariamente adotar a opiniãotornando-se menos subjetivo (sem necessariamente adotar a opinião particular da outra pessoa, ao menos que seja útil faze-lo).particular da outra pessoa, ao menos que seja útil faze-lo).
  12. 12. À medida que principiamos a ver o que é possível quandoÀ medida que principiamos a ver o que é possível quando eliminamos esse pensamento negativo e crítico, podemos começar aeliminamos esse pensamento negativo e crítico, podemos começar a explorar a metade positiva do centro intelectual, assim comoexplorar a metade positiva do centro intelectual, assim como descobrimos que ao minimizar as emoções negativas, poderemosdescobrimos que ao minimizar as emoções negativas, poderemos explorar o território emocional inexplorado. Trabalhar com a metadeexplorar o território emocional inexplorado. Trabalhar com a metade positiva do centro intelectual ajuda a tornar o nosso pensamento maispositiva do centro intelectual ajuda a tornar o nosso pensamento mais refinado, mais matizado, mais delicado. Isso inclui a capacidade derefinado, mais matizado, mais delicado. Isso inclui a capacidade de comparar diferentes perspectivas, em vez de usar as idéias paracomparar diferentes perspectivas, em vez de usar as idéias para anular o ponto de vista das outras pessoas, numa tentativa ilusória deanular o ponto de vista das outras pessoas, numa tentativa ilusória de encontrar a resposta “certa”. Requer também a capacidade deencontrar a resposta “certa”. Requer também a capacidade de começar a avaliar que técnica será, não aquela objetivamente corretacomeçar a avaliar que técnica será, não aquela objetivamente correta em qualquer circunstâncias, mas a mais apropriada para esseem qualquer circunstâncias, mas a mais apropriada para esse momento em particular. E isso também requer presença e lembrançamomento em particular. E isso também requer presença e lembrança de si mesmo.de si mesmo.
  13. 13. BE HOLDBE HOLD Encontro de 06/04/2005 – Centro de Porto AlegreEncontro de 06/04/2005 – Centro de Porto Alegre Texto base extraído do livro, Encontro Com O Milagroso,Texto base extraído do livro, Encontro Com O Milagroso, de Girard Haven – Editora Pensamentode Girard Haven – Editora Pensamento WWW.APOLO.ORGWWW.APOLO.ORG

×