SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
CAPITAL DE GIRO
Introdução

      administraç
    A administração do capital de giro envolve basicamente as
    decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim
    como suas atividades operacionais e financeiras


                             consecuç       polí
    Deve garantir a adequada consecução da política de
                                    produç
    estocagem, compra de materiais, produção, venda de
    produtos e mercadorias e prazo de recebimento



       A importância do capital de giro varia em função das
                                                 funç
       caracterí
       características da empresa, do desempenho da economia
            relaç
       e da relação risco/rentabilidade desejada
Vários Conceitos



 Capital de Giro (CG) ou Capital Circulante (CC)


    Representa o valor total dos recursos demandados pela
    empresa para financiar seu ciclo operacional


    O fluxo do ativo circulante ocorre de maneira ininterrupta
    na atividade operacional de uma empresa


    Uma importante característica do capital de giro é seu grau
    de volatilidade explicado pela curta duração de seus
       volatilidade,
    elementos e constante mutação dos itens circulantes
O fluxo   Recursos
             aplicados                                               Estoque de
  do ativo                Disponível
              no ativo                                               materiais
circulante   circulante




                                                        Realizável




                                       Vendas a          Vendas a
                                         vista              prazo


                                                 Estoque de
                                                 produtos
                                                 acabados




                                                 Produção
Vários Conceitos



                Lí                                  Lí
Capital de Giro Líquido (CGL) ou Capital Circulante Líquido (CCL)

   Representa o valor líquido das aplicações (deduzidas das
   dívidas a curto prazo) processadas no ativo circulante


       CGL (CCL) = Ativo Circulante – Passivo Circulante


    Evidencia a parcela do financiamento total de longo prazo
    que excede as aplicações também de longo prazo


             CGL (CCL) = (PL + ELP) – (AP + RLP)
Identificação do Capital do CGL (CCL)




                   Ativo Circulante Passivo Circulante
                         (AC)              (PC)

CCL (1ºconceito)                                           CCL (2ºconceito)



                      Ativos Não         Recursos de
                      Circulantes        Longo Prazo

                       (AP+RLP)            (PL+ELP)
Vários Conceitos


 Capital de giro                               Capital de giro
            lí
 circulante líquido nulo                    lí
                                 circulante líquido negativo

                                    Ativo
      Ativo         Passivo                      Passivo
                                 Circulante
   Circulante      Circulante                   Circulante
                                Realizável a
 Realizável a                   Longo Prazo
                 Exigível a                     Exigível a
 Longo Prazo
                Longo Prazo                    Longo Prazo

     Ativo                         Ativo
  Permanente       Patrimônio   Permanente      Patrimônio
                    Líquido                      Líquido
Vários Conceitos


                 Pró
 Capital de Giro Próprio (CGP)

   É interpretado como o volume de recursos próprios que a
   empresa tem aplicado em seu ativo circulante


                Patrimônio Líquido         XXX
            (–) Aplicações Permanentes:
                Ativo Permanente           XXX
                Realizável a Longo Prazo   XXX
                            Pró
            Capital de Giro Próprio        XXX


reflete mais adequadamente recursos do passivo de longo
prazo alocados em itens ativos não permanentes
Vários Conceitos


 Ciclos Operacionais


    São as atividades de produção de bens e serviços e a
    realização de vendas e respectivos recebimentos realizadas
    de forma seqüencial e repetitiva


   Nessas operações, a empresa busca obter lucro, de forma a
 remunerar seus credores e proprietários


    Inicia-se com a aquisição das matérias-primas, passa pela
    armazenagem, produção e venda e desemboca no efetivo
    recebimento das vendas realizadas
O ciclo operacional

 Compra (Pedido)




                        Armazenagem




                                                                     Armazenagem
                        (Recebimento)



                                                 Fabricação




                                                                     (início de)
                                                 (início de)




                                                                                                          Cobrança
                                                                                            Venda
                                                                                   PMEP T
                                                                                   ou
                   Espera               PMEM P                 PMF                 PMV              PMC


                                                        Ciclo Operacional Total


                                                  Ciclo Econômico

                                        PMPF
                                                           Ciclo de Caixa (Financeiro)
Vários Conceitos




    Ciclo Operacional Total = PMEmp + PMF + PMV + PMC
     É composto de todas as fases operacionais da empresa



        Ciclo Econômico = PMEmp + PMF + PMV
  Engloba toda a base de produção da empresa



   Ciclo Financeiro = (PMEmp + PMF + PMV + PMC) – PMPF

     Identifica a necessidade de recursos da empresa
Vários Conceitos


                                            Prazo médio (em dias) em que
                                                  mé
           Saldo médio de materiais         os materiais permanecem
PME MP   =                          × 360   estocados à espera de
               Consumo anual
                                                           produç
                                            ingressarem na produção


      Valor médio dos produtos                    mé
                                            Prazo médio (em dias) que a
            em elaboração                   empresa despende em
PMF =                          × 360
       Custo de produção anual              fabricar o produto final



       Valor médio dos                            mé
                                            Prazo médio (em dias) que o
       produtos acabados                    produto acabado permanece
PMAT =                    × 360
       Custo dos produtos                   estocado à espera de ser
             vendidos                       vendido
Vários Conceitos


                                  Prazo médio (em dias) em que os
                                        mé
 PME MP + PMF + PMV               estoques totais permanecem
                                  armazenados à espera de serem
                                  consumidos, produzidos e vendidos

    Valor médio dos
                                        mé
                                  Prazo médio (em dias) em que as
 estoques de mercadorias
                          × 360   mercadorias ficam armazenadas à
     Custo total da               espera de serem vendidas
mercadoria vendida no ano


    Valor médio das                      mé
                                  Prazo médio (em dias) em que
   duplicatas a receber           a empresa recebe as vendas
                        × 360
  Vendas anuais a prazo           realizadas a prazo
Características do Capital
de Giro em Economias com Inflação


   Economias estáveis:


   A manutenção do nível ideal de capital de giro para sustentar
   as operações pode ser efetuada mediante transferências de
   receitas de um ciclo operacional para outro



   Economias Inflacionárias:


   As variações desproporcionais nos preços dos fatores de
   produção determinam necessidades geometricamente
   crescentes de investimentos em capital de giro
Investimento em Capital de Giro



    A manutenção de recursos aplicado em giro
    visa a sustentação da atividade operacional da empresa



    O capital de giro é composto por valores depreciáveis
    perante a inflação e constitui-se no grupo patrimonial
    menos rentável



    Assim, o ativo circulante deve conter valores mínimos ou
    exatamente iguais às necessidades operacionais da empresa
Investimento em Capital de Giro


 Dilema risco-retorno
    Baixos níveis de ativo circulante determinam aumento de
    rentabilidade e elevação nos riscos de solvência da empresa


    Conservadora:
  A empresa diminui seu risco mediante aplicações em capital
  de giro maiores para um mesmo nível de produção e vendas


     Média e agressiva:
  Prevêem progressivas reduções no circulante, o que eleva o
  risco e também incrementa sua rentabilidade por adotar
  menor participação relativa de itens menos rentáveis
Investimento em Capital de Giro


 Exemplo ilustrativo
    Considerando três níveis de aplicações em capital de giro:


                                 BAIXO         MÉDIO          ALTO

    Ativo circulante         $   800.000   $ 1.100.000    $ 1.400.000
    Ativo permanente         $ 1.200.000   $ 1.200.000    $ 1.200.000
    Total                    $ 2.000.000   $ 2.300.000    $ 2.600.000
    Passivo circulante       $   400.000   $    460.000   $   520.000
    Exigível a longo prazo   $   600.000   $    690.000   $   780.000
    Patrimônio líquido       $ 1.000.000   $ 1.150.000    $ 1.300.000
Investimento em Capital de Giro

 Supondo-
 Supondo-se um custo nominal de crédito de 15% para curto prazo e
                                 cré
 de 20% no longo prazo e um lucro operacional de $ 1.000.000,
 temos:
                          BAIXA            MÉDIA            ALTA
Lucro Operacional        $ 1.000,00      $ 1.000,000     $ 1.000.000
Desp.
Desp. Financeiras:
 Passivo Circulante    15% x 400,00    15% x 460,00     15% x 520,00
                           = (60,00)       = (69,00)        = (78,00)
  ELP                  20% x 600,00    20% x 690,00     20% x 780,00
                         = (120,00)      = (138,00)       = (156,00)
Lucro antes do IR          $ 820,00         $ 793,00        $ 766,00
IR (40%)                    (328,00)        (317,20)         (306,40)
      Lí
Lucro Líquido              $ 492,00         $ 475,80        $ 459,60
ROE(retorno s/ o PL)          49,2%            41,4%           35,4%
Investimento em Capital de Giro



                     participaç
    Quanto maior a participação do capital de giro sobre o
                       será
    ativo total, menor será a rentabilidade da empresa.



                                      risco,
    Ao adotar uma postura de maior risco, com menores
    aplicaç                  giro,
    aplicações no capital de giro, a empresa consegue
    auferir retorno maior.



             risco-            administraç
    O dilema risco-retorno da administração do capital de
                                funç      participaç
    giro pode ser enfocado em função da participação dos
    investimentos circulantes em relação ao ativo total.
                                  relaç
Financiamento do Capital de Giro



    O custo de um crédito a longo prazo é mais caro que o
    de curto prazo devido ao risco na duração do empréstimo.



    O tomador de recursos de longo prazo obriga-se também a
    remunerar expectativas de flutuações nas taxas de juros por
    um tempo maior.



    Aspectos de pós-fixação dos juros e políticas mais
    rigorosas de exigências de garantias visam minimizar o
    risco da definição da taxa de juros a longo prazo.
Financiamento do Capital de Giro



  Em economias atípicas pode-se observar um custo mais alto
  para o crédito de curto prazo.



Brasil nas décadas de 80 e 90



   Escassez de poupança livre e conseqüentemente de fundos
 para empréstimos;

    Subsídio ao crédito a longo prazo e a reciprocidade exigida
 pelos bancos em suas operações de curto prazo.
Financiamento do Capital de Giro


Dilema risco-retorno na composição de financiamento



    RETORNO



    Utilizando-se mais de créditos de curto prazo, a empresa
    poderá obter, sempre que seus custos forem inferiores aos
    de longo prazo, melhores resultados operacionais.
PL
Se o PC passasse a representar 40% do ativo total (ELP 10% e o PL
inalterado em 50%), o lucro da empresa cresceria 3,4% e a
                              pró
rentabilidade sobre o capital próprio, de 35,4% seria elevada para
36,6%.
                                             ALTA

                Lucro Operacional        $ 1.000.000
                Desp.
                Desp. Financeiras:
                 Passivo Circulante    15% x 1040,00
                                          = (156,00)
                  ELP                   20% x 260,00
                                            = (52,00)
                Lucro antes do IR            $ 792,00
                IR (40%)                     (316,80)
                      Lí
                Lucro Líquido                $ 475,20
                ROE(retorno s/ o PL)            36,6%
         Evolução do LL ($475,20/$459,60) -1 = 3,4%
Financiamento do Capital de Giro


Dilema risco-retorno na composição de financiamento


    RISCO



    Maior sensibilidade dos juros de curto prazo às alterações
    conjunturais



    Maior dependência da empresa às disponibilidades de
    crédito no mercado
Financiamento do Capital de Giro


Classificação do Capital de Giro


    Permanente (fixo)


   Investimento cíclico de recursos em giro que se repete
   periodicamente, assumindo caráter de permanente


   É determinado pela atividade normal da empresa


   Seu montante é definido pelo nível mínimo de necessidades
   de recursos demandados pelo ciclo operacional
Financiamento do Capital de Giro


Classificação do Capital de Giro


    Sazonal (variável)



   É determinado pelas variações temporárias que ocorrem
   normalmente nos negócios de uma empresa



   Exemplo: maiores vendas em determinados períodos do ano,
   ou grandes aquisições de estoques na entressafra
Financiamento do Capital de Giro


 Capitais de giro permanente e sazonal

Investimentos
necessários                              Capital de giro
($)                                      sazonal (variável)


                                         Capital de giro
                                         permanente (fixo)


                                                   Tempo
Financiamento do Capital de Giro


 Abordagem pelo equilíbrio financeiro tradicional
                equilí

     Investimentos
     necessários            Capital de
     ($)                    giro sazonal         Financiamento
                                                 a curto prazo
                                         ir o
                          Cap it al de g
                                       e
                          p erman ent            Financiamento
                          Ativo                  a longo prazo
                          permanente
                                                            Tempo

O ativo permanente e o capital de giro permanente são financiados
por recursos de longo prazo (próprios ou de terceiros)
Financiamento do Capital de Giro

                   mí
Abordagem de risco mínimo

    Investimentos
    necessários              Capital de
                             giro sazonal
    ($)

                                         ir o
                          Cap it al de g
                                       e          Financiamento
                          p erman ent
                                                  a longo prazo
                          Ativo
                          permanente

                                                            Tempo
 A empresa encontra-se totalmente financiada por recursos permanentes
 (longo prazo), inclusive em suas necessidades sazonais de fundos.
Necessidade de Investimento em Capital de Giro



Reflete o volume de recursos demandado pelo ciclo
operacional da empresa, determinado em função
de suas políticas de compras, vendas e estocagem



   É uma necessidade de capital de longo prazo, que deve
   lastrear os investimentos cíclicos em cada capital de giro



       O CCL adequado deve cobrir as necessidades mínimas de
       ativos circulantes de uma empresa, e as necessidades
       sazonais de recursos são supridas por passivos circulantes
Necessidade de Investimento em Capital de Giro


Exemplo ilustrativo

   Ativo circulante      $ 20.000   Passivo circulante   $ 10.000
     Caixa               $ 2.000    ELP                  $ 20.000
     Valores a receber   $ 10.000   Patrimônio líquido
                                                lí       $ 20.000
     Estoques            $ 8.000
   Ativo permanente      $ 30.000
       Total:            $ 50.000        Total:          $ 50.000


           volume de vendas: $ 40.000/mês, sendo $ 10.000 a prazo
                 mé       cobranç
           prazo médio de cobrança: 18 dias
                   mí                           preç
           estoque mínimo: 15 dias de vendas (a preço de custo)
                                    produç           preç
           porcentagem do custo de produção: 40% do preço de venda
                  mí
           volume mínimo de caixa : $ 1.500 para 10 dias
Necessidade de Investimento em Capital de Giro


Podemos apurar o seguinte montante de capital de giro
sazonal e permanente:



                                       Permanente   Sazonal   Total
        ATIVO CIRCULANTE
                                           ($)        ($)      ($)
Caixa                                    1.500        500      2.000
Valores a receber ($ 10.000 x 18/30)     6.000      4.000     10.000
Estoques (40% x $ 40.000) x 15/30        8.000          –      8.000
    Total                               15.500      4.500     20.000
Necessidade de Investimento em Capital de Giro

                                                            AC Sazonal $ 4.500       PC
                                                                                  $ 10.000
                                           participaç
                            Existência de participação de recursos
                            de curto prazo no financiamento do       AC Cíclico
                            capital de giro                          $ 15.500       ELP
Investimentos necessários




                                                                                  $ 20.000
                               Capital de giro
                                                                        Ativo
                               sazonal         Financiamento         Permanente
                                      de giro
                                               a curto prazo
           ($)




                                      l                                              PL
                               C apita nte                            $ 30.000
                                       ne
                               per ma
                                                 Financiamento                    $ 20.000
                                Ativo
                                                 a longo prazo
                                permanente

                                                    Tempo
Necessidade de Investimento em Capital de Giro


CCL e NIG

   O ativo de giro cíclico tem caráter essencialmente operacional

   O ativo de giro sazonal pode conter valores de caráter
   não operacional


Os passivos podem ser

• operacionais que renovam-se periodicamente, tornando uma
  fonte permanente de recursos para financiamento do giro

• Financeiros que não apresentam uma relação direta
  e proporcional com o ciclo operacional da empresa
Necessidade de Investimento em Capital de Giro


Financiamento do giro em situação de expansão

        condiç
    Em condições de expansão da atividade operacional, é
                   presenç
    fundamental a presença de um lastro financeiro direcionado
    a suportar as necessidades crescentes de recursos


    Um overtrading ocorre quando o CCL existente não é
    suficiente para cobrir os investimentos adicionais
    necessá
    necessários em giro


        condiç
    Em condições de crescimento sem o adequado suporte
    financeiro, a empresa é levada a se financiar com créditos
                                                      cré
    onerosos de curto prazo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04Rafael Gonçalves
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosadmcontabil
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeiocustos contabil
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à ContabilidadeAna Paula Bevilacqua
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasbelyalmeida
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do ExercícioWandick Rocha de Aquino
 
Aula 1 - Sistema Financeiro e Instituições do Mercado Financeiro e de Capitais
Aula 1 - Sistema Financeiro e Instituições do Mercado Financeiro e de CapitaisAula 1 - Sistema Financeiro e Instituições do Mercado Financeiro e de Capitais
Aula 1 - Sistema Financeiro e Instituições do Mercado Financeiro e de CapitaisProf. Paulo Marques
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasLeandro Trelesse Vieira
 
Palestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preçosPalestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preçosSamuel Gonsales
 
Aula Capital de Giro usp.pptx
Aula Capital de Giro usp.pptxAula Capital de Giro usp.pptx
Aula Capital de Giro usp.pptxPedro Luis Moraes
 
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giroadrielmfbranco
 
Mercado Financeiro Professor Danilo Pires
Mercado Financeiro Professor Danilo PiresMercado Financeiro Professor Danilo Pires
Mercado Financeiro Professor Danilo PiresDanilo Pires
 

Mais procurados (20)

Apostila vii eva e mva
Apostila vii   eva e mvaApostila vii   eva e mva
Apostila vii eva e mva
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
 
Capital de giro exercicios
Capital de giro exerciciosCapital de giro exercicios
Capital de giro exercicios
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09Gabaritos exercicios aula_09
Gabaritos exercicios aula_09
 
Capital De Giro
Capital De GiroCapital De Giro
Capital De Giro
 
Analise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeirasAnalise das demonstrações financeiras
Analise das demonstrações financeiras
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
 
Aula 1 - Sistema Financeiro e Instituições do Mercado Financeiro e de Capitais
Aula 1 - Sistema Financeiro e Instituições do Mercado Financeiro e de CapitaisAula 1 - Sistema Financeiro e Instituições do Mercado Financeiro e de Capitais
Aula 1 - Sistema Financeiro e Instituições do Mercado Financeiro e de Capitais
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
 
Palestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preçosPalestra Gestão de custos e formação de preços
Palestra Gestão de custos e formação de preços
 
Análise de investimentos
Análise de investimentosAnálise de investimentos
Análise de investimentos
 
Aula Capital de Giro usp.pptx
Aula Capital de Giro usp.pptxAula Capital de Giro usp.pptx
Aula Capital de Giro usp.pptx
 
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
 
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixaPalestra: Gestão do fluxo de caixa
Palestra: Gestão do fluxo de caixa
 
Mercado Financeiro Professor Danilo Pires
Mercado Financeiro Professor Danilo PiresMercado Financeiro Professor Danilo Pires
Mercado Financeiro Professor Danilo Pires
 
Ciclo operacional exercícios
Ciclo operacional exercícios Ciclo operacional exercícios
Ciclo operacional exercícios
 

Semelhante a Gestão do capital de giro

Calculo do capital de giro
Calculo do capital de giroCalculo do capital de giro
Calculo do capital de giroJoão Nascimento
 
Fundamentos da Gestão do Capital de Giro
Fundamentos da Gestão do Capital de GiroFundamentos da Gestão do Capital de Giro
Fundamentos da Gestão do Capital de GiroXVI Finance
 
Gestão de capital de giro e custos
Gestão de capital de giro e custosGestão de capital de giro e custos
Gestão de capital de giro e custosvanneto
 
capital de giro de finanças e controladoria
capital de giro de finanças e controladoriacapital de giro de finanças e controladoria
capital de giro de finanças e controladoriaemersons6
 
Indices de liquidez analise
Indices de liquidez analiseIndices de liquidez analise
Indices de liquidez analiseGleidbraga
 
Unidade iii contabilidade de custos
Unidade iii   contabilidade de custosUnidade iii   contabilidade de custos
Unidade iii contabilidade de custoscustos contabil
 
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giroJaques Rodrigues Silva
 
Siglas contabeis e índices
Siglas contabeis e índicesSiglas contabeis e índices
Siglas contabeis e índicessimuladocontabil
 
Balanço patrimonial 2
Balanço patrimonial 2Balanço patrimonial 2
Balanço patrimonial 2aalpere
 
Aula 1 - Capital de Giro
Aula 1 - Capital de GiroAula 1 - Capital de Giro
Aula 1 - Capital de GiroVictor Biaggi
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000albumina
 
Administração financeira e orçamentária ii aula 03
Administração financeira e orçamentária ii aula 03Administração financeira e orçamentária ii aula 03
Administração financeira e orçamentária ii aula 03Cristiano Ferreira Cesarino
 

Semelhante a Gestão do capital de giro (20)

Calculo do capital de giro
Calculo do capital de giroCalculo do capital de giro
Calculo do capital de giro
 
Fundamentos da Gestão do Capital de Giro
Fundamentos da Gestão do Capital de GiroFundamentos da Gestão do Capital de Giro
Fundamentos da Gestão do Capital de Giro
 
Plano de finanças 2012_01
Plano de finanças 2012_01Plano de finanças 2012_01
Plano de finanças 2012_01
 
Gestão de capital de giro e custos
Gestão de capital de giro e custosGestão de capital de giro e custos
Gestão de capital de giro e custos
 
capital de giro de finanças e controladoria
capital de giro de finanças e controladoriacapital de giro de finanças e controladoria
capital de giro de finanças e controladoria
 
SLIDES_AULA_02.pptx
SLIDES_AULA_02.pptxSLIDES_AULA_02.pptx
SLIDES_AULA_02.pptx
 
Giro apresentação 2016
Giro apresentação 2016Giro apresentação 2016
Giro apresentação 2016
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
 
Indices de liquidez analise
Indices de liquidez analiseIndices de liquidez analise
Indices de liquidez analise
 
Unidade iii contabilidade de custos
Unidade iii   contabilidade de custosUnidade iii   contabilidade de custos
Unidade iii contabilidade de custos
 
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 fundamentos da gestao do capital de giro
 
Adm financ pratica
Adm financ praticaAdm financ pratica
Adm financ pratica
 
Siglas contabeis e índices
Siglas contabeis e índicesSiglas contabeis e índices
Siglas contabeis e índices
 
Financas
FinancasFinancas
Financas
 
Afo 1
Afo 1Afo 1
Afo 1
 
Balanço patrimonial 2
Balanço patrimonial 2Balanço patrimonial 2
Balanço patrimonial 2
 
Aula 1 - Capital de Giro
Aula 1 - Capital de GiroAula 1 - Capital de Giro
Aula 1 - Capital de Giro
 
Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000Fluxo de caixa 0000
Fluxo de caixa 0000
 
Palestra capital de giro
Palestra capital de giroPalestra capital de giro
Palestra capital de giro
 
Administração financeira e orçamentária ii aula 03
Administração financeira e orçamentária ii aula 03Administração financeira e orçamentária ii aula 03
Administração financeira e orçamentária ii aula 03
 

Mais de admcontabil

Folha de pagamento
Folha de pagamentoFolha de pagamento
Folha de pagamentoadmcontabil
 
Apostila rotinas dpto pessoal e trabalhista
Apostila rotinas dpto pessoal e trabalhistaApostila rotinas dpto pessoal e trabalhista
Apostila rotinas dpto pessoal e trabalhistaadmcontabil
 
Apostila dpto pessoal e trabalhista
Apostila dpto pessoal e trabalhistaApostila dpto pessoal e trabalhista
Apostila dpto pessoal e trabalhistaadmcontabil
 
Termos tecnicos logistica
Termos tecnicos logisticaTermos tecnicos logistica
Termos tecnicos logisticaadmcontabil
 
Tabela contas esaf
Tabela contas esafTabela contas esaf
Tabela contas esafadmcontabil
 
Seguridade social
Seguridade socialSeguridade social
Seguridade socialadmcontabil
 
Rh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecaoRh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecaoadmcontabil
 
Rh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saudeRh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saudeadmcontabil
 
Rh nocoes de adm rh aula
Rh nocoes de adm rh aulaRh nocoes de adm rh aula
Rh nocoes de adm rh aulaadmcontabil
 
Rh nocoes de adm rh
Rh nocoes de adm rhRh nocoes de adm rh
Rh nocoes de adm rhadmcontabil
 
Rh gestao de pessoas organizacional
Rh gestao de pessoas organizacionalRh gestao de pessoas organizacional
Rh gestao de pessoas organizacionaladmcontabil
 
Rh contabil contrato social
Rh contabil   contrato socialRh contabil   contrato social
Rh contabil contrato socialadmcontabil
 
Rh contabil admissão empregado
Rh contabil   admissão empregadoRh contabil   admissão empregado
Rh contabil admissão empregadoadmcontabil
 
Resumo previdenciario
Resumo previdenciarioResumo previdenciario
Resumo previdenciarioadmcontabil
 
Processo de análise de balanço
Processo de análise de balançoProcesso de análise de balanço
Processo de análise de balançoadmcontabil
 
Padronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeisPadronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeisadmcontabil
 
Empresas novo codigo civil
Empresas novo codigo civilEmpresas novo codigo civil
Empresas novo codigo civiladmcontabil
 

Mais de admcontabil (20)

Pe em rh
Pe em rhPe em rh
Pe em rh
 
Folha de pagamento
Folha de pagamentoFolha de pagamento
Folha de pagamento
 
Apostila rotinas dpto pessoal e trabalhista
Apostila rotinas dpto pessoal e trabalhistaApostila rotinas dpto pessoal e trabalhista
Apostila rotinas dpto pessoal e trabalhista
 
Apostila dpto pessoal e trabalhista
Apostila dpto pessoal e trabalhistaApostila dpto pessoal e trabalhista
Apostila dpto pessoal e trabalhista
 
Termos tecnicos logistica
Termos tecnicos logisticaTermos tecnicos logistica
Termos tecnicos logistica
 
Tabela contas esaf
Tabela contas esafTabela contas esaf
Tabela contas esaf
 
Simples
SimplesSimples
Simples
 
Seguridade social
Seguridade socialSeguridade social
Seguridade social
 
Rh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecaoRh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecao
 
Rh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saudeRh nocoes de adm rh saude
Rh nocoes de adm rh saude
 
Rh nocoes de adm rh aula
Rh nocoes de adm rh aulaRh nocoes de adm rh aula
Rh nocoes de adm rh aula
 
Rh nocoes de adm rh
Rh nocoes de adm rhRh nocoes de adm rh
Rh nocoes de adm rh
 
Rh gestao de pessoas organizacional
Rh gestao de pessoas organizacionalRh gestao de pessoas organizacional
Rh gestao de pessoas organizacional
 
Rh contabil contrato social
Rh contabil   contrato socialRh contabil   contrato social
Rh contabil contrato social
 
Rh contabil admissão empregado
Rh contabil   admissão empregadoRh contabil   admissão empregado
Rh contabil admissão empregado
 
Resumo previdenciario
Resumo previdenciarioResumo previdenciario
Resumo previdenciario
 
Processo de análise de balanço
Processo de análise de balançoProcesso de análise de balanço
Processo de análise de balanço
 
Padronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeisPadronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeis
 
Estatistica
EstatisticaEstatistica
Estatistica
 
Empresas novo codigo civil
Empresas novo codigo civilEmpresas novo codigo civil
Empresas novo codigo civil
 

Gestão do capital de giro

  • 1. CAPITAL DE GIRO Introdução administraç A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades operacionais e financeiras consecuç polí Deve garantir a adequada consecução da política de produç estocagem, compra de materiais, produção, venda de produtos e mercadorias e prazo de recebimento A importância do capital de giro varia em função das funç caracterí características da empresa, do desempenho da economia relaç e da relação risco/rentabilidade desejada
  • 2. Vários Conceitos Capital de Giro (CG) ou Capital Circulante (CC) Representa o valor total dos recursos demandados pela empresa para financiar seu ciclo operacional O fluxo do ativo circulante ocorre de maneira ininterrupta na atividade operacional de uma empresa Uma importante característica do capital de giro é seu grau de volatilidade explicado pela curta duração de seus volatilidade, elementos e constante mutação dos itens circulantes
  • 3. O fluxo Recursos aplicados Estoque de do ativo Disponível no ativo materiais circulante circulante Realizável Vendas a Vendas a vista prazo Estoque de produtos acabados Produção
  • 4. Vários Conceitos Lí Lí Capital de Giro Líquido (CGL) ou Capital Circulante Líquido (CCL) Representa o valor líquido das aplicações (deduzidas das dívidas a curto prazo) processadas no ativo circulante CGL (CCL) = Ativo Circulante – Passivo Circulante Evidencia a parcela do financiamento total de longo prazo que excede as aplicações também de longo prazo CGL (CCL) = (PL + ELP) – (AP + RLP)
  • 5. Identificação do Capital do CGL (CCL) Ativo Circulante Passivo Circulante (AC) (PC) CCL (1ºconceito) CCL (2ºconceito) Ativos Não Recursos de Circulantes Longo Prazo (AP+RLP) (PL+ELP)
  • 6. Vários Conceitos Capital de giro Capital de giro lí circulante líquido nulo lí circulante líquido negativo Ativo Ativo Passivo Passivo Circulante Circulante Circulante Circulante Realizável a Realizável a Longo Prazo Exigível a Exigível a Longo Prazo Longo Prazo Longo Prazo Ativo Ativo Permanente Patrimônio Permanente Patrimônio Líquido Líquido
  • 7. Vários Conceitos Pró Capital de Giro Próprio (CGP) É interpretado como o volume de recursos próprios que a empresa tem aplicado em seu ativo circulante Patrimônio Líquido XXX (–) Aplicações Permanentes: Ativo Permanente XXX Realizável a Longo Prazo XXX Pró Capital de Giro Próprio XXX reflete mais adequadamente recursos do passivo de longo prazo alocados em itens ativos não permanentes
  • 8. Vários Conceitos Ciclos Operacionais São as atividades de produção de bens e serviços e a realização de vendas e respectivos recebimentos realizadas de forma seqüencial e repetitiva Nessas operações, a empresa busca obter lucro, de forma a remunerar seus credores e proprietários Inicia-se com a aquisição das matérias-primas, passa pela armazenagem, produção e venda e desemboca no efetivo recebimento das vendas realizadas
  • 9. O ciclo operacional Compra (Pedido) Armazenagem Armazenagem (Recebimento) Fabricação (início de) (início de) Cobrança Venda PMEP T ou Espera PMEM P PMF PMV PMC Ciclo Operacional Total Ciclo Econômico PMPF Ciclo de Caixa (Financeiro)
  • 10. Vários Conceitos Ciclo Operacional Total = PMEmp + PMF + PMV + PMC É composto de todas as fases operacionais da empresa Ciclo Econômico = PMEmp + PMF + PMV Engloba toda a base de produção da empresa Ciclo Financeiro = (PMEmp + PMF + PMV + PMC) – PMPF Identifica a necessidade de recursos da empresa
  • 11. Vários Conceitos Prazo médio (em dias) em que mé Saldo médio de materiais os materiais permanecem PME MP = × 360 estocados à espera de Consumo anual produç ingressarem na produção Valor médio dos produtos mé Prazo médio (em dias) que a em elaboração empresa despende em PMF = × 360 Custo de produção anual fabricar o produto final Valor médio dos mé Prazo médio (em dias) que o produtos acabados produto acabado permanece PMAT = × 360 Custo dos produtos estocado à espera de ser vendidos vendido
  • 12. Vários Conceitos Prazo médio (em dias) em que os mé PME MP + PMF + PMV estoques totais permanecem armazenados à espera de serem consumidos, produzidos e vendidos Valor médio dos mé Prazo médio (em dias) em que as estoques de mercadorias × 360 mercadorias ficam armazenadas à Custo total da espera de serem vendidas mercadoria vendida no ano Valor médio das mé Prazo médio (em dias) em que duplicatas a receber a empresa recebe as vendas × 360 Vendas anuais a prazo realizadas a prazo
  • 13. Características do Capital de Giro em Economias com Inflação Economias estáveis: A manutenção do nível ideal de capital de giro para sustentar as operações pode ser efetuada mediante transferências de receitas de um ciclo operacional para outro Economias Inflacionárias: As variações desproporcionais nos preços dos fatores de produção determinam necessidades geometricamente crescentes de investimentos em capital de giro
  • 14. Investimento em Capital de Giro A manutenção de recursos aplicado em giro visa a sustentação da atividade operacional da empresa O capital de giro é composto por valores depreciáveis perante a inflação e constitui-se no grupo patrimonial menos rentável Assim, o ativo circulante deve conter valores mínimos ou exatamente iguais às necessidades operacionais da empresa
  • 15. Investimento em Capital de Giro Dilema risco-retorno Baixos níveis de ativo circulante determinam aumento de rentabilidade e elevação nos riscos de solvência da empresa Conservadora: A empresa diminui seu risco mediante aplicações em capital de giro maiores para um mesmo nível de produção e vendas Média e agressiva: Prevêem progressivas reduções no circulante, o que eleva o risco e também incrementa sua rentabilidade por adotar menor participação relativa de itens menos rentáveis
  • 16. Investimento em Capital de Giro Exemplo ilustrativo Considerando três níveis de aplicações em capital de giro: BAIXO MÉDIO ALTO Ativo circulante $ 800.000 $ 1.100.000 $ 1.400.000 Ativo permanente $ 1.200.000 $ 1.200.000 $ 1.200.000 Total $ 2.000.000 $ 2.300.000 $ 2.600.000 Passivo circulante $ 400.000 $ 460.000 $ 520.000 Exigível a longo prazo $ 600.000 $ 690.000 $ 780.000 Patrimônio líquido $ 1.000.000 $ 1.150.000 $ 1.300.000
  • 17. Investimento em Capital de Giro Supondo- Supondo-se um custo nominal de crédito de 15% para curto prazo e cré de 20% no longo prazo e um lucro operacional de $ 1.000.000, temos: BAIXA MÉDIA ALTA Lucro Operacional $ 1.000,00 $ 1.000,000 $ 1.000.000 Desp. Desp. Financeiras: Passivo Circulante 15% x 400,00 15% x 460,00 15% x 520,00 = (60,00) = (69,00) = (78,00) ELP 20% x 600,00 20% x 690,00 20% x 780,00 = (120,00) = (138,00) = (156,00) Lucro antes do IR $ 820,00 $ 793,00 $ 766,00 IR (40%) (328,00) (317,20) (306,40) Lí Lucro Líquido $ 492,00 $ 475,80 $ 459,60 ROE(retorno s/ o PL) 49,2% 41,4% 35,4%
  • 18. Investimento em Capital de Giro participaç Quanto maior a participação do capital de giro sobre o será ativo total, menor será a rentabilidade da empresa. risco, Ao adotar uma postura de maior risco, com menores aplicaç giro, aplicações no capital de giro, a empresa consegue auferir retorno maior. risco- administraç O dilema risco-retorno da administração do capital de funç participaç giro pode ser enfocado em função da participação dos investimentos circulantes em relação ao ativo total. relaç
  • 19. Financiamento do Capital de Giro O custo de um crédito a longo prazo é mais caro que o de curto prazo devido ao risco na duração do empréstimo. O tomador de recursos de longo prazo obriga-se também a remunerar expectativas de flutuações nas taxas de juros por um tempo maior. Aspectos de pós-fixação dos juros e políticas mais rigorosas de exigências de garantias visam minimizar o risco da definição da taxa de juros a longo prazo.
  • 20. Financiamento do Capital de Giro Em economias atípicas pode-se observar um custo mais alto para o crédito de curto prazo. Brasil nas décadas de 80 e 90 Escassez de poupança livre e conseqüentemente de fundos para empréstimos; Subsídio ao crédito a longo prazo e a reciprocidade exigida pelos bancos em suas operações de curto prazo.
  • 21. Financiamento do Capital de Giro Dilema risco-retorno na composição de financiamento RETORNO Utilizando-se mais de créditos de curto prazo, a empresa poderá obter, sempre que seus custos forem inferiores aos de longo prazo, melhores resultados operacionais.
  • 22. PL Se o PC passasse a representar 40% do ativo total (ELP 10% e o PL inalterado em 50%), o lucro da empresa cresceria 3,4% e a pró rentabilidade sobre o capital próprio, de 35,4% seria elevada para 36,6%. ALTA Lucro Operacional $ 1.000.000 Desp. Desp. Financeiras: Passivo Circulante 15% x 1040,00 = (156,00) ELP 20% x 260,00 = (52,00) Lucro antes do IR $ 792,00 IR (40%) (316,80) Lí Lucro Líquido $ 475,20 ROE(retorno s/ o PL) 36,6% Evolução do LL ($475,20/$459,60) -1 = 3,4%
  • 23. Financiamento do Capital de Giro Dilema risco-retorno na composição de financiamento RISCO Maior sensibilidade dos juros de curto prazo às alterações conjunturais Maior dependência da empresa às disponibilidades de crédito no mercado
  • 24. Financiamento do Capital de Giro Classificação do Capital de Giro Permanente (fixo) Investimento cíclico de recursos em giro que se repete periodicamente, assumindo caráter de permanente É determinado pela atividade normal da empresa Seu montante é definido pelo nível mínimo de necessidades de recursos demandados pelo ciclo operacional
  • 25. Financiamento do Capital de Giro Classificação do Capital de Giro Sazonal (variável) É determinado pelas variações temporárias que ocorrem normalmente nos negócios de uma empresa Exemplo: maiores vendas em determinados períodos do ano, ou grandes aquisições de estoques na entressafra
  • 26. Financiamento do Capital de Giro Capitais de giro permanente e sazonal Investimentos necessários Capital de giro ($) sazonal (variável) Capital de giro permanente (fixo) Tempo
  • 27. Financiamento do Capital de Giro Abordagem pelo equilíbrio financeiro tradicional equilí Investimentos necessários Capital de ($) giro sazonal Financiamento a curto prazo ir o Cap it al de g e p erman ent Financiamento Ativo a longo prazo permanente Tempo O ativo permanente e o capital de giro permanente são financiados por recursos de longo prazo (próprios ou de terceiros)
  • 28. Financiamento do Capital de Giro mí Abordagem de risco mínimo Investimentos necessários Capital de giro sazonal ($) ir o Cap it al de g e Financiamento p erman ent a longo prazo Ativo permanente Tempo A empresa encontra-se totalmente financiada por recursos permanentes (longo prazo), inclusive em suas necessidades sazonais de fundos.
  • 29. Necessidade de Investimento em Capital de Giro Reflete o volume de recursos demandado pelo ciclo operacional da empresa, determinado em função de suas políticas de compras, vendas e estocagem É uma necessidade de capital de longo prazo, que deve lastrear os investimentos cíclicos em cada capital de giro O CCL adequado deve cobrir as necessidades mínimas de ativos circulantes de uma empresa, e as necessidades sazonais de recursos são supridas por passivos circulantes
  • 30. Necessidade de Investimento em Capital de Giro Exemplo ilustrativo Ativo circulante $ 20.000 Passivo circulante $ 10.000 Caixa $ 2.000 ELP $ 20.000 Valores a receber $ 10.000 Patrimônio líquido lí $ 20.000 Estoques $ 8.000 Ativo permanente $ 30.000 Total: $ 50.000 Total: $ 50.000 volume de vendas: $ 40.000/mês, sendo $ 10.000 a prazo mé cobranç prazo médio de cobrança: 18 dias mí preç estoque mínimo: 15 dias de vendas (a preço de custo) produç preç porcentagem do custo de produção: 40% do preço de venda mí volume mínimo de caixa : $ 1.500 para 10 dias
  • 31. Necessidade de Investimento em Capital de Giro Podemos apurar o seguinte montante de capital de giro sazonal e permanente: Permanente Sazonal Total ATIVO CIRCULANTE ($) ($) ($) Caixa 1.500 500 2.000 Valores a receber ($ 10.000 x 18/30) 6.000 4.000 10.000 Estoques (40% x $ 40.000) x 15/30 8.000 – 8.000 Total 15.500 4.500 20.000
  • 32. Necessidade de Investimento em Capital de Giro AC Sazonal $ 4.500 PC $ 10.000 participaç Existência de participação de recursos de curto prazo no financiamento do AC Cíclico capital de giro $ 15.500 ELP Investimentos necessários $ 20.000 Capital de giro Ativo sazonal Financiamento Permanente de giro a curto prazo ($) l PL C apita nte $ 30.000 ne per ma Financiamento $ 20.000 Ativo a longo prazo permanente Tempo
  • 33. Necessidade de Investimento em Capital de Giro CCL e NIG O ativo de giro cíclico tem caráter essencialmente operacional O ativo de giro sazonal pode conter valores de caráter não operacional Os passivos podem ser • operacionais que renovam-se periodicamente, tornando uma fonte permanente de recursos para financiamento do giro • Financeiros que não apresentam uma relação direta e proporcional com o ciclo operacional da empresa
  • 34. Necessidade de Investimento em Capital de Giro Financiamento do giro em situação de expansão condiç Em condições de expansão da atividade operacional, é presenç fundamental a presença de um lastro financeiro direcionado a suportar as necessidades crescentes de recursos Um overtrading ocorre quando o CCL existente não é suficiente para cobrir os investimentos adicionais necessá necessários em giro condiç Em condições de crescimento sem o adequado suporte financeiro, a empresa é levada a se financiar com créditos cré onerosos de curto prazo