Abd agudo

1.541 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.541
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Abd agudo

  1. 1. Abdome agudo obstrutivo / Francisco MC et al. Ensaio IconográficoAbdome agudo obstrutivo: revisando pontosfundamentaisMarina Celli Francisco1, Felipe Trentin Neves2, Thiago Giansante Abud3, Ramiro Colleone Neto4,Samuel Reibscheid5, Jacob Szejnfeld6, Henrique Manoel Lederman7 Resumo O abdome agudo obstrutivo é uma doença comum, cujo manejo seguro e efetivo depende do diag- nóstico rápido e preciso. A radiografia simples permanece a primeira escolha dentre os exames de imagem, por possuir fácil acesso, baixo custo e poder ser realizada seriada conforme a evolução clínica do paciente. A ultra-sonografia não possui radiação ionizante, é um exame dinâmico e em tempo real. A tomografia computadorizada fornece informações adicionais não aparentes nas radio- grafias, como confirmação da obstrução, grau e local de uma oclusão, presença de isquemia e causasDescritores: de obstrução. A ressonância magnética tem apresentado grandes avanços tecnológicos e, futura-Dor abdominal; Abdome agudo; Radio-grafia convencional; Tomografia compu- mente, pode ser uma opção viável. O objetivo deste ensaio pictórico é revisar os diferentes méto-tadorizada; Ressonância magnética. dos de imagem usados no diagnóstico de abdome agudo obstrutivo. O abdome agudo obstrutivo representa uma síndrome de obstrução intestinal causada pela presença de um obstáculo mecânico ou alteração da motilidade intes- tinal que impede a progressão normal do bolo alimentício[1]. Aproximadamente 20% das internações hospitalares são decorrentes de obstru- ção intestinal, sendo que 80% delas ocorrem no intestino delgado e 20%, no intes- tino grosso[2]. Classicamente, a literatura oferece seis categorias que possibilitam a classifica- ção do abdome agudo obstrutivo[2]: • Quanto à altura: alta (obstáculo situado no delgado proximal) ou baixa (del-Recebido para publicação em 25/4/2007. Aceito, gado distal ou colo);após revisão, em 18/12/2008. • Em relação à luz intestinal: oclusão por fatores intraluminários ou extralumi-Trabalho realizado no Departamento de Diagnós-tico por Imagem da Universidade Federal de São nários;Paulo/Escola Paulista de Medicina (Unifesp/EPM),São Paulo, SP . • Quanto ao grau de oclusão: parcial ou completa;1 Médica Residente do Departamento de Diagnós- • Quanto ao tempo de instalação: aguda ou crônica;tico por Imagem da Unifesp/EPM.2 Médico Residente de Cirurgia Geral do Hospital • Quanto à integridade do suprimento sanguíneo e vitalidade das alças intesti-Ipiranga, São Paulo, SP. nais: simples ou estrangulada;3 Médico Pós-Graduando do Setor Corpo/Abdomedo Departamento de Diagnóstico por Imagem da • Quanto à forma da obstrução: alça fechada ou aberta. Em alça fechada éUnifesp/EPM.4 Professor Afiliado da Disciplina de Gastroentero- quando existe obstáculo em dois níveis, impedindo tanto a progressão quanto ologia Cirúrgica da Unifesp/EPM. refluxo do conteúdo da alça; em alça aberta é quando a obstrução é apenas distal.5 Professor Afiliado do Departamento de Diagnós-tico por Imagem da Unifesp/EPM. O exame clínico continua sendo o primeiro passo a ser tomado na avaliação do6 Professor Livre-Docente, Chefe do Grupo de Ab- abdome agudo. Atrasos no diagnóstico correto aumentam consideravelmente adome do Departamento de Diagnóstico por Ima-gem da Unifesp/EPM. morbi-mortalidade desses pacientes[3]. Com os recursos atuais de tratamento, a7 Professor Livre-Docente do Departamento de mortalidade dos doentes portadores de obstrução intestinal é menor do que 10%[2].Diagnóstico por Imagem da Unifesp/EPM.Correspondência: Dra. Marina Celli Francisco. Rua São causas de obstrução do intestino delgado: aderências (Fig. 1), hérnias in-Pedro de Toledo, 544, ap. 509, Vila Clementino. guinais, íleo biliar (Fig. 2), bezoar (Fig. 3), infecções (bolo de áscaris (Fig. 4), estron-São Paulo, SP 04039-001. E-mail: nana_celli@ ,hotmail.com giloidíase (Fig. 5), tuberculose), massas abdominais tumorais (linfoma, adenocarci-Rev Imagem 2008;30(2):51–60 51
  2. 2. Francisco MC et al. / Abdome agudo obstrutivo Fig. 1 – Oclusão intestinal por bridas. (A) Radiografia em ântero-posterior, decúbito dorsal. Observam-se alças de delgado muito distendidas, com as válvulas coniventes contrastadas pelo gás intraluminar (setas). Há pequena quantidade de ar no sigmóide (ca- beça de seta). (B) Radiografia em ân- tero-posterior, ortostática. Há níveis de líquido em alças distendidas do delgado (setas brancas). O hemi-ab- dome inferior tem elevada densidade radiológica devido ao conteúdo líqui- do dentro das alças ocluídas. Rotinei- ramente chamado de “abdome vazio” (seta preta tortuosa). O estômago com nível de líquido é demonstrado (seta preta reta). Há gás no colo trans- verso. Radiologicamente, o quadro é sugestivo de uma semi-oclusão ou A B oclusão recente do intestino delgado. A BFig. 2 – Íleo biliar. Fístula colecisto-entérica. Oclusão intestinal do delgado. (A) Tomografia computadorizada com contraste intravenoso. A áreacirculada representa o duodeno e o estômago em íntimo contato. Há densificação da gordura adjacente e gás dentro da vesícula. Há alças dodelgado muito dilatadas, por vezes com válvulas coniventes individualizadas. (B) Tomografia computadorizada com contraste intravenoso. Nota-se, no íleo terminal, imagem arredondada com calcificação periférica representando cálculo biliar (cabeça de seta). As setas tortuosas demons-tram alças do delgado dilatadas, por vezes com níveis de líquido.noma (Fig. 6), metástases peritoneais, tumores mesen- Quando longos segmentos intestinais estão acome-teriais) e massas abdominais não-tumorais (apendicite tidos, deve-se ter três causas em mente: carcinoma, di-(Fig. 7), diverticulite, invaginação, doença de Crohn verticulite e volvo (Fig. 10)[5].(Fig. 8), endometriose, pólipos (Fig. 9), hematomas in- A idade do paciente é um dado importante, pois cer-tramurais)[4]. Compressões extrínsecas também podem tas causas têm sua maior freqüência em determinadaslevar a obstruções, causadas por abscessos, pseudocis- faixas etárias. No neonato devem ser lembrados volvo,tos, aneurismas e pseudo-aneurismas. íleo meconeal, má-rotação (Fig. 11), imperfuração anal A principal causa de obstrução colônica são os ade- (Fig. 12), atresia duodenal (Fig. 13) e doença de Hirsch-nocarcinomas primários do cólon, responsáveis por 55% sprung. Nos lactentes devem ser consideradas invagina-dos casos, seguidos por torção ou volvo em 12% dos ção intestinal (Fig. 14), hérnias complicadas e obstruçõescasos e diverticulite em cerca de 10%[2]. por divertículo de Meckel (Fig. 15)[6]. No adulto jovem e52 Rev Imagem 2008;30(2):51–60
  3. 3. Abdome agudo obstrutivo / Francisco MC et al.Fig. 3 – Oclusão intestinal por be-zoar causado por velas ingeridas.(A) Radiografia em ântero-poste-rior, ortostática. Observam-se alçasde delgado muito distendidas ocu-pando principalmente o hemi-ab-dome superior, com inúmeros ní-veis de líquido (setas retas). A cavi-dade pélvica (seta tortuosa) temelevada densidade radiológica pelogrande conteúdo líquido dentrodas alças (“alças vazias”). (B) Radio-grafia do estomago e duodenoapós ingestão de bário. Observam-se duas falhas lacunares de enchi-mento (cabeças de setas) de gran-des dimensões, móveis, localizadas A Bno interior do estômago.Fig. 4 – Bolo de áscaris. Enterite.Semi-oclusão intestinal. (A) Radio-grafia em ântero-posterior, decú-bito dorsal. As setas curvas apon-tam o colo dilatado. As setas retasapontam grande numero de for-mações esféricas, com densidade delíquido, projetando-se em meio aoconteúdo gasoso do colo e do reto.(B) Radiografia em perfil do abdo-me. Observam-se formações alon-gadas, características da presençade grande quantidade de vermesem alça do intestino grosso disten- A Bdida (seta).de meia-idade devem ser lembradas aderências, hérnias DIAGNÓSTICO POR IMAGEMinternas e doença de Crohn. Quanto mais idoso o pa-ciente, maior a possibilidade de neoplasias, seguidas por Os exames de imagem exercem importante papeladerências, hérnias, diverticulites e fecalomas[2]. como métodos de auxílio na elucidação diagnóstica. As obstruções em alça fechada, embora infreqüen- Em pacientes com suspeita de abdome agudo obs-tes, merecem destaque, visto seu alto risco de compres- trutivo, quatro perguntas devem ser respondidas:são vascular e, com isso, caso o seu diagnóstico não seja 1. Existe obstrução?realizado precocemente, sua mortalidade aumenta ex- 2. Qual o nível da obstrução?ponencialmente, chegando a 35% em 36 horas de de- 3. Qual a causa da obstrução?mora diagnóstica[7]. 4. Existem sinais de estrangulamento ou isquemia?Rev Imagem 2008;30(2):51–60 53
  4. 4. Francisco MC et al. / Abdome agudo obstrutivo A B Fig. 5 – Estrongiloidíase maciça do intestino delgado. Hiper-infestação. (A) Radiografia do epigástrio em ântero-posterior, decúbito dorsal. Observa- se o estômago (Est) com discreto aumento das dimensões. Alças jejunais (J) e jejuno-ileais (J/I) são bem demonstradas, com aumento do calibre. A seta aponta o bulbo duodenal. (B) Tomografia computadorizada com con- traste intravenoso e por via oral. Corte efetuado no nível do pâncreas. Demonstra-se a cabeça do pâncreas (seta), bem como o corpo e a cauda (cabeça de seta) com aspecto normal. (C) Tomografia computadorizada com contraste intravenoso e por via oral. Corte realizado no pólo inferior dos rins. Espessamento regular, concêntrico e difuso de alças do delgado (ca- beças de setas). O colo tem aspecto normal (seta curva). C Fig. 6 – Adenocarcinoma anular e este- nosante do colo sigmóide. Oclusão semi- total. (A) Radiografia em ântero-poste- rior, decúbito dorsal. O colo transver- so, com as haustrações e válvulas semi- lunares características (cabeça de seta), apresenta-se dilatado. Também o ceco e o ascendente mostram significativo grau de dilatação. Existe gás no reto e no sigmóide, lembrando oclusão in- completa. (B) Enema baritado. Radio- grafia em ântero-posterior, decúbito dorsal. A seta aponta estenose tipo maçã mordida na porção distal do sig- móide. O sigmóide está dilatado na porção proximal a lesão. Observa-se o A B reto (R) sem alterações.54 Rev Imagem 2008;30(2):51–60
  5. 5. Abdome agudo obstrutivo / Francisco MC et al. A BFig. 7 – Apendicite aguda com quadro de oclusão intestinal. (A) Tomografia computadorizada sem contraste. Corte realizado na altura da pelve.Observa-se grande apendicólito (seta grossa) na fossa ilíaca direita com densidade cálcica. Alças do delgado ocluídas, com aumento do calibre,conteúdo líquido (seta fina). Há níveis de líquido (seta tortuosa). (B) Tomografia computadorizada sem contraste, corte realizado logo abaixoda figura anterior. O delgado (del) está dilatado, com nível de líquido (seta tortuosa). O apêndice cecal apresenta-se espessado, com borramentoda gordura vizinha (cabeças de setas).Fig. 8 – Doença de Crohn. (A) Radiogra-fia em ântero-posterior, ortostática.Observam-se alças intestinais muitodistendidas, formando nível líquido (se-tas brancas). O hemiabdome inferiortem elevada densidade radiológica de-vido ao conteúdo líquido dentro dasalças distendidas. (B) Trânsito intestinal.Radiografia de 240 minutos. Obser-vam-se alças muito dilatadas e com as-pecto de continuidade (setas brancas),porém com esvaziamento semitotal. Hácontrastação do colo transverso do sig- A Bmóide e reto (setas pretas). Há controvérsias sobre a melhor abordagem para ção do grau e fator obstrutivo. Os autores referem quea avaliação das obstruções intestinais[8]. Recentemente, a ultra-sonografia e a ressonância magnética são opçõesforam publicadas diretrizes sobre a conduta que os ci- diagnósticas, com sensibilidade similar à tomografia, erurgiões devem tomar na suspeita de abdome agudo acrescentam que, caso os sintomas persistam por tempoobstrutivo, e a radiografia simples é apontada como o superior a 48 horas com tratamento conservador, radio-primeiro exame de imagem a ser solicitado, visto que, grafias contrastadas auxiliam no diagnóstico[9].ao ser comparada à tomografia computadorizada, apre-senta sensibilidade semelhante na diferenciação de qua- RADIOGRAFIA SIMPLES DO ABDOMEdro obstrutivo e não-obstrutivo. Caso a radiografia sejainconclusiva, sugere-se prosseguir a investigação diag- A radiografia simples do abdome continua sendo anóstica com tomografia computadorizada para elucida- principal ferramenta para o diagnóstico de abdomeRev Imagem 2008;30(2):51–60 55
  6. 6. Francisco MC et al. / Abdome agudo obstrutivo A B Fig. 9 – Síndrome de Peutz-Jegher. Invaginação intestinal do delgado. (A) Tomografia computadorizada com contraste. Alças de delgado dilatadas (setas grossas) com conteúdo líquido no seu interior. Evidenciam-se as val- vas coniventes (setas finas) atravessando as alças de parede a parede. O colo aparece em vários segmentos com aspecto colabado, caracterizando status pós-obstrutivo (cabeças de setas). (B) Tomografia computadorizada com contraste. Corte realizado abaixo da figura anterior. Em meio às al- ças de delgado distendidas evidenciam-se duas imagens de pólipos pro- jetando-se para dentro da luz da alça (cabeças de setas). (C) Tomografia computadorizada com contraste. Corte realizado alguns centímetros abai- xo da figura anterior. Em meio à cavidade pélvica observa-se grupo de alças de delgado formando figura circular (seta) em torno de pedículo vascular. Demonstram-se alças de intestino grosso com aspecto normal (cabeças de setas). C A BFig. 10 – Volvo de sigmóide. Doente com megacolo chagásico. (A) Radiografia em ântero-posterior, decúbito dorsal. Observa-se alça colônicadilatada apresentando clássico aspecto em “grão de café”. O íntimo contato das paredes da alça em volvo forma a imagem da prega medial(seta) e as pregas convergentes formam um “Y” (cabeças de setas). O colo proximal ao volvo tem discreta dilatação (seta tortuosa). (B) Enemabaritado. Radiografia em ântero-posterior, decúbito dorsal. Reto dilatado (R) em razão da pressão exercida para introduzir o contraste. O sig-móide está dilatado, apresentando a clássica imagem em “grão de café”. A prega medial (seta) e as convergentes (cabeças de setas) compõem o“Y”. Há pequena quantidade de contraste no interior das alças torcidas, pois o contraste ultrapassava o reto com dificuldade.56 Rev Imagem 2008;30(2):51–60
  7. 7. Abdome agudo obstrutivo / Francisco MC et al.agudo obstrutivo. Freqüentemente, é o primeiro, senão Dependendo da causa da obstrução, existem sinaiso único método utilizado. Pode indicar o ponto da obs- que podem sugerir sua etiologia[1,2,10]. A obstrução dotrução em até 80% dos casos e, em exames seriados, a intestino delgado pode apresentar distensão do delgadoeficácia do método pode se tornar ainda maior[8,10]. A superior com calibre maior que 3 cm, colo colapsado,presença de sonda nasogástrica diminui a sensibilidade nível de líquido e espessamento de parede. O sinal dodo exame, por esse motivo, a radiografia deve ser obtida empilhamento de moedas também pode ser observadoantes da sua introdução[2]. e é causado por uma lentificação na reabsorção do ar intraluminar, ficando acumulado entre as válvulas co- niventes. Sinais de estrangulamento incluem edema das válvulas, pneumatose intestinal e gás na veia porta[2,10]. RADIOGRAFIA CONTRASTADA O trânsito intestinal e o enema opaco são exames que podem ser utilizados na investigação diagnóstica do abdome agudo obstrutivo. A radiografia simples pode sugerir o nível da obstrução e, com isso, iniciar-se com enema opaco, caso a obstrução seja baixa, ou trânsito intestinal, caso seja alta[2,4]. É possível a identificação de alças intestinais dilata- das, com diluição e lentificação da progressão do meio de contraste, mudança abrupta de calibre e espessamento do relevo mucoso, além de definir, não só o nível da obstrução, mas também, em muitos casos, sua causa[2,4]. ULTRA-SONOGRAFIAFig. 11 – Má rotação intestinal. Radiografia do estômago e duodenocom meio de contraste. Evidenciam-se o estômago (Est) com volume A ultra-sonografia pode ser utilizada com a finali-um pouco aumentado e o arco duodenal (D.II) dilatado até o local dade de distinguir íleo paralítico de um quadro obstru-apontado pela seta. Após este ponto, o intestino situa-se do lado di-reito, de calibre normal. O ângulo duodenojejunal está deslocado para tivo; mediante identificação das válvulas coniventes,a direita. pode-se diferenciar alças de delgado das alças de intes-Fig. 12 – Imperfuração anal. (A)Radiografia em ântero-posterior,decúbito dorsal, realizada 20 ho-ras após o nascimento da crian-ça. Observam-se alças intestinaismuito dilatadas. O hemicolo es-querdo (cabeças de setas) estádistendido, bem como alças lon-gas e contínuas do delgado (seta).(B) Radiografia em perfil doreto. O doente está em decúbitoventral, com as nádegas elevadas.Nesta posição o gás tende a seacumular na ampola retal. Aampola real está dilatada (setareta). A porção ocluída estáapontada pela seta tortuosa. Foicolocado reparo metálico na fos-seta anal (seta curva) e é possívelmedir a distância da fosseta até a A Bporção distal do reto.Rev Imagem 2008;30(2):51–60 57
  8. 8. Francisco MC et al. / Abdome agudo obstrutivotino grosso[2,11]. A combinação de peristalse, distensão gravidade, compressão, mobilidade e flexibilidade, via-com conteúdo líquido e espessamento de parede sugere bilizando a realização no exame no leito, que são vanta-o diagnóstico de infarto de parede intestinal[10]. gens que devem ser somadas[10,11]. O exame apresenta grande valor em condições gi- Sugere-se que, por ser um exame não-invasivo enecológicas e obstétricas, além de poder ser utilizado com boa sensibilidade, a ultra-sonografia seja realizada,com segurança em pacientes gestantes[11,12]. A ultra-so- em crianças, logo após a radiografia simples[6].nografia transvaginal oferece vantagens sobre a abdo-minal na visualização de doenças profundas na pelve, TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADAcomo divertículo localizado inferiormente, apendicite eabscesso no fundo de saco de Douglas[11]. A eficácia da tomografia no diagnóstico de abdome Por ser um exame dinâmico, também pode eviden- agudo obstrutivo de grau variado oscila entre 75% eciar o fluxo sanguíneo e a pulsatilidade por meio de es- 95%, altera a conduta que seria tomada sem a sua utili-tudo Doppler colorido, manobra de Valsalva, efeito da zação em 50% dos casos, evita internações e cirurgias desnecessárias, além de reduzir a morbi-mortalidade[3,12]. A tomografia é um método rápido e eficaz, todavia, apresenta queda de cerca de 30% na sua sensibilidade e 20% em sua especificidade nos casos de obstrução baixa ou intermitente[8,10]. O exame tomográfico sem contraste via oral pode ser realizado em grande parte dos pacientes com obs- trução intestinal, nos quais há acúmulo de líquido in- traluminal. A presença desse líquido funciona como um contraste natural e, assim, o exame pode ser realizado imediatamente, evitando o atraso do preparo via oral[8]. Os principais sinais tomográficos de obstrução in- testinal são distensão de alças de delgado (acima de 2,5 a 3 cm de diâmetro), presença de níveis líquidos e des- proporção do calibre da alça, identificando-se segmen- tos de fino calibre e, dessa forma, podendo-se estabele-Fig. 13 – Atresia duodenal. Radiografias em ântero-posterior, decúbito cer o diagnóstico. A utilização desses sinais prescinde dedorsal, ortostáticas, feitas poucas horas após o nascimento. Demons- contraste intravenoso e via oral[2,8,10].tra-se o estômago (Est) distendido com nível de líquido (cabeça deseta). O duodeno encontra-se distendido (seta branca) até o joelho in- Alguns sinais podem sugerir malignidade, comoferior, onde a coluna aérea interrompe-se bruscamente (seta preta). massa, linfadenopatia ou transição abrupta associada a Fig. 14 – Invaginação intestinal em criança. (A) Radiografia em ântero-posterior, ortostática. Ob- servam-se alças do delgado (cabe- ças de setas) dilatadas com nível de líquido. O colo transverso está apontado pela seta. (B) Ultra-so- nografia. Corte sagital do lobo hepático direito (F). Observa-se corte transversal do colo eviden- ciando imagem hiperecogênica contornada por halo hipoecóico A B (cabeças de setas).58 Rev Imagem 2008;30(2):51–60
  9. 9. Abdome agudo obstrutivo / Francisco MC et al. A B CFig. 15 – Divertículo de Meckel. Sétimo dia de pós-operatório de laparotomia branca por sus-peita de apendicite aguda, evoluiu com oclusão intestinal, devido a inflamação de divertículode Meckel. (A) Radiografia em ântero-posterior. Há alça jejunal dilatada de situação transversano hemiabdome superior (seta reta). Abaixo desta alça, todo o abdome tem aspecto homogê-neo, “vazio”, característico de grande quantidade de líquido nas alças (setas tortuosas). (B) Ra-diografia em ântero-posterior. Observam-se alças do delgado muito dilatadas no hemiabdomesuperior (setas). Há níveis de líquido (cabeça de seta). O nível mais baixo demonstrado corres-ponde a alça do delgado muito longa. (C) Trânsito intestinal. Radiografia de 30 minutos. O con-traste percorre o jejuno proximal com o calibre normal, à direita da coluna, a seta aponta alçado delgado muito dilatada com sinais de diluição do contraste. Desde que a progressão do con-traste era muito lenta, o exame foi suspenso neste momento. (D) Detalhe do hemiabdome su-perior direito. Observa-se alça de aspecto e calibres normais (seta preta). A seta branca apontaalça muito distendida, com diluição do contraste, portanto, mais próxima do obstáculo.irregularidades na parede intestinal. Na ausência demassa ou outras anormalidades na área de obstrução,aderência constitui diagnóstico de exclusão na maioriados pacientes[5]. D A sensibilidade da tomografia com contraste intra-venoso para isquemia intestinal chega a 90%. A litera-tura relata a seguinte ordem dos sinais sugestivos deestrangulação, em ordem decrescente: espessamento de Autores afirmam que reformatações coronais, aoalça, ascite, aspecto trilaminar na parede do intestino serem analisadas em conjunto com os cortes axiais, au-(contrastação da mucosa e muscular associada a edema mentam a confiança do examinador, são preferidasda submucosa), contrastação da parede intestinal pobre pelos cirurgiões para planejamento cirúrgico, facilitamou ausente, pneumatose intestinal e gás nas veias porta o seguimento de alças intestinais, sem alterar o tempoe mesentéricas, torção nos vasos mesentéricos signifi- de realização do exame ou mesmo de avaliação dascando volvo, tortuosidade e ingurgitamento dos vasos imagens. Todavia, alertam que as reformatações coro-mesentéricos, hemorragia mesentérica e, por fim, au- nais não substituem a análise dos cortes axiais[14].mento da atenuação da parede intestinal em exames A tomografia multidetectores com imagens refor-sem contraste[10]. matadas também se mostra mais clara na identificação Com a utilização da tomografia multidetectores é de obstruções com alça fechada, podendo reconhecerpossível a realização de imagens multiplanares e refor- sinais característicos como o sinal do bico (transição emmatações volumétricas, oferecendo vantagens quando forma de bico de ave de alça dilatada através do pontocomparada à tomografia convencional no diagnóstico obstrutivo), arranjo radial de alças e vasos mesentéricosde obstruções intestinais[5,8,13]. e configuração anormal do intestino em U ou C[7].Rev Imagem 2008;30(2):51–60 59
  10. 10. Francisco MC et al. / Abdome agudo obstrutivoRESSONÂNCIA MAGNÉTICA of the CT scan in patients with acute abdomen. Colorectal Dis 2005;7:460–6. Algumas seqüências rápidas de ressonância magné- 4. Herlinger H, Rubisen SE. Obstruction. In: Gore RM, Levine MS, Laufer I, editors. Textbook of gastrointestinal radiology. 1st ed.tica associadas aos múltiplos planos de imagem conse- Philadelphia, PA: WB Saunders; 1994. p. 931–66.guem avaliar o abdome agudo obstrutivo com alta acu- 5. Leschka S, Alkadhi H, Wildermuth S, Marincek B. Multi-detec-rácia e rapidez. Podem utilizar o ar intraluminal como tor computed tomography of acute abdomen. Eur Radiol 2005; 15:2435–47.contraste natural e sem limitações ao estudo prévio com 6. Babcock DS. Sonography of the acute abdomen in the pediatricbário ou contrastes específicos. Os sinais que represen- patient. J Ultrasound Med 2002;21:887–99.tam oclusão são similares aos encontrados na tomogra- 7. Elsayes KM, Menias CO, Smullen TL, Platt JF. Closed-loop small-fia, com dilatação das alças proximais à obstrução, um bowel obstruction: diagnostic patterns by multidetector com- puted tomography. J Comput Assist Tomogr 2007;31:697–701.ponto de transição e alças distais com calibre variando 8. Freire Filho EO, Jesus PEM, D’Ippolito G, Szejnfeld J. Tomogra-de normal a colapsado[10]. fia computadorizada sem contraste intravenoso no abdome agu- Em gestantes em que a ultra-sonografia não estabe- do: quando e por que usar. Radiol Bras 2006;39:51–62.leceu o diagnóstico, a ressonância magnética é uma al- 9. Diaz JJ, Bokhari F, Mowery NT, et al. Guidelines for management of small bowel obstruction. J Trauma 2008;64:1651–64.ternativa viável[9,15]. 10. Nicolaou S, Kai B, Ho S, Su J, Ahamed K. Imaging of acute small- Embora ainda não seja um método acessível à tec- bowel obstruction. AJR Am J Roentgenol 2005;185:1036–44.nologia da ressonância magnética, continua a se apri- 11. Puylaert JBCM. Ultrasonography of the acute abdomen: lost artmorar e possui potencial para se tornar um excelente or future stethoscope? Eur Radiol 2003;13:1203–6.método diagnóstico na avaliação do abdome agudo 12. Federle MP. CT of the acute (emergency) abdomen. Eur Radiol 2005;15(Suppl 4):D100–4.obstrutivo. 13. Merlin A, Soyer P, Boudiaf M, Hamzi L, Rymer R. Chronic intes- tinal pseudo-obstruction in adult patients: multidetector row helical CT features. Eur Radiol 2008;18:1587–95.CONCLUSÃO 14. Shah ZK, Uppot RN, Wargo JA, Hahn PF, Sahani DV. Small bowel obstruction: the value of coronal reformatted images from 16- O abdome agudo obstrutivo é uma doença comum, multidetector computed tomography – a clinicoradiological per-cujo manejo seguro e efetivo depende do diagnóstico spective. J Comput Assist Tomogr 2008;32:23–31.rápido e efetivo. Os exames de imagem podem firmar 15. Birchard KR, Brown MA, Hyslop WB, Firat Z, Semelka RC. MRI of acute abdominal and pelvic pain in pregnant patients. AJR Amo diagnóstico e auxiliar na escolha do manejo mais apro- J Roentgenol 2005;184:452–8.priado. A radiografia simples permanece a primeira esco- Abstract. Obstructive acute abdomen: reviewing important points.lha dentre os exames de imagem, por possuir fácil aces- The obstructive acute abdomen is a common presentation, forso, baixo custo e poder ser feita seriada conforme a evo- which safe and effective management depends on a fast and ac-lução clínica do paciente. A ultra-sonografia apresenta curate diagnosis. Conventional radiograph remains the first choicea vantagem de não possuir radiação ionizante e ser um among the imaging exams because of its availability, low cost andmétodo dinâmico e de fácil mobilização. A tomografia the possibility to be done serially to follow the patient’s clinicalcomputadorizada fornece informações adicionais como progression. The ultrasonography does not require ionizing radia-confirmação da obstrução, grau e local de uma oclusão, tion. It is a dynamic and in realtime exam. Computed tomographypresença de isquemia e causas de obstrução. A ressonân- is used increasingly due to the provision of essential diagnosticcia magnética tem apresentado grandes avanços tecno- information not apparent from radiographs, such as the confirma-lógicos e, futuramente, pode ser uma opção viável. tion of the obstruction, degree and place of the occlusion, pres- ence of ischemia as well as the causes of the obstruction. Mag-REFERÊNCIAS netic resonance imaging has presented great technological ad- 1. Frimann-Dahl J. The acute abdomen. I. The value and limitations vances and it may play a role in the future of obstructive acute of radiology in acute abdominal conditions. Br J Radiol 1955; abdomen diagnosis. The objective of this pictorial essay is to re- 28:581–6. view the different imaging techniques used on diagnosing obstruc- 2. Lopes AC, Reibscheid S, Szejnfeld J. Abdome agudo vascular. In: Lopes AC, Reibscheid S, Szejnfeld J. Abdome agudo – clínica e tive acute abdomen. imagem. São Paulo, SP: Atheneu; 2005. p. 111–25. Keywords: Abdominal pain; Acute abdomen; Conventional radiography; 3. Salem TA, Molloy RG, O’Dwyer PJ. Prospective study on the role Computed tomography; Magnetic resonance imaging.60 Rev Imagem 2008;30(2):51–60

×