Professor Pesquisador
Profº Adilson Motta, 14/07/2009
Fazer pesquisa é defender uma idéia, fundamentando-a com bibliografi...
A pesquisa pode ser um grande instrumento na construção do conhecimento do aluno e um
despertar para a formação do aluno l...
Crônicas
Brasil em Chamas
Há pouco, o crepúsculo havia baixado seu manto escuro sobre a relva, selva... enfim, sobre
toda ...
Fotos retiradas de internet em 2007.
*Sanção: alusão ao Povoado Vila Sanção, interior de Parauapebas.
Autor: Adilson Motta...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Professor Pesquisador

161 visualizações

Publicada em

Professor Pesquisador

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
161
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Professor Pesquisador

  1. 1. Professor Pesquisador Profº Adilson Motta, 14/07/2009 Fazer pesquisa é defender uma idéia, fundamentando-a com bibliografias e dados extraídos do mundo real e, ou das páginas que são espelhos de mundo. É também fazer consultas através de questionários, é fazer deduções, implicações, comprovações, pessoas relacionadas ao mesmo tempo para mostrar através de gráficos as análises e interpretações dos resultados obtidos com a pesquisa. É buscar novas informações a partir das já existentes e cruzar conhecimentos. É olhar para o mundo e perceber o “novo”. Não devemos nos silenciar porque outros criam, mas averiguar se o que está posto corresponde com nossos anseios, ou com o que deve ser no que toca a objetividade – sem véu, máscara ou camuflagem ideológica, principalmente quando o assunto em questão é polêmico e de caráter social. Apesar do contentamento de muitos por ter outras pessoas para falar, escrever, produzir... Pessoas com importantes perspectivas e interesses e algumas vezes preciosas informações sob diferentes pontos de vista, estas relações parecem ter um sabor colonial... é como se outros estivessem fazendo as discussões que necessitamos fazer, dando sentido ao nosso trabalho enquanto educadores. Há professores que tem medo de externar o que pensa, o que sabe, o que escreve no véu da insegurança e da falta de apoio. Os professores enquanto pesquisadores encontram-se em posição privilegiada, pois são os únicos que podem fornecer uma visão de dentro da escola e transformá-la num espaço de descobertas. Esta visão não é possível de ser obtida por outro de fora do ambiente. Valorizando a pesquisa a partir dos espaços acadêmicos e na escola via-professor, o autor Kenneth (1998), ao fazer uma abordagem sobre o acadêmico universitário e o professor pesquisador ressalta a importância da pesquisa em ambos os segmentos a partir de um espaço comum: a escola como laboratório. A partir do exposto, percebe-se a necessidade de valorização da pesquisa no espaço escolar, assim como subsídio com recursos públicos na escola, o que, consequentemente irá despontar em qualidade da educação e suas descobertas. No caso das escolas brasileiras, trabalha-se muito projetos relacionados a questão curricular e bem pouco a questão educacional em torno de pesquisas voltadas para o resgate, seja da realidade que se deseja conhecer, ou técnicas e fórmulas que possibilite a fomentação de uma educação que se ajuste e eleve seu padrão qualidade dentro dos moldes das novas descobertas resultantes de experiências vivenciadas no espaço escolar. Há, no entanto, a necessidade de transformar a escola num espaço de construção de conhecimento, não apenas reproduzir o que outros escrevem e pensam, mas interagir tornar-se co-autor e criador. Os alunos, em sua maioria, não buscam respostas para suas dúvidas e questionamentos acerca de diversos assuntos, quando estão resolvendo exercícios que necessitam de uma pesquisa dentro do texto ficam desanimados e muitas vezes desistem.
  2. 2. A pesquisa pode ser um grande instrumento na construção do conhecimento do aluno e um despertar para a formação do aluno leitor, e ou, futuro pesquisador. Por isso se faz necessário, sempre que possível, que o professor mande algum tema para pesquisa relacionado com o conteúdo, a fim de contribuir na construção da aprendizagem e da autonomia do educando. Por meio da pesquisa o aluno tem possibilidade de descobrir um mundo diferente, coisas novas, curiosidades e o despertar para a leitura. Cabendo ao professor, a incumbência de gerenciar e orientar os seus alunos na busca de informações. Sendo assim, sua função é disponibilizar referências bibliográficas, temáticas, enfim, oferecer melhores condições de desenvolvimento da pesquisa. Além de atuar na orientação da construção de textos a partir do material pesquisado, o professor deve não só ensinar como retirar as partes mais importantes do conteúdo pesquisado, como também despertá-lo para uma visão crítica, esstabelecendo uma relação texto-mundo, ou texto contexto. Outro ponto de grande relevância que o educador deve abordar é a conscientização de que uma pesquisa não é uma mera cópia e sim uma síntese de um conjunto de informações, que deverá ser em outro momento: objeto de debate comentários, discussão, socialização e exposição. E como fontes, podem ser usados: livros, revistas, artigos científicos, enciclopédias, documentários, entrevistas, internet entre outras. A pesquisa na escola não deve ter apenas o objetivo de ocupar o aluno, de modo que o mesmo não fique sem fazer nada em casa, sua finalidade vai além, formar pessoas curiosas acerca do que se passa no mundo. Assim, por meio dessa busca, o conhecimento será construído pelo próprio educando, levando-o aos caminhos da autonomia.
  3. 3. Crônicas Brasil em Chamas Há pouco, o crepúsculo havia baixado seu manto escuro sobre a relva, selva... enfim, sobre toda forma vivente que ali existia. Inclusive nós, que dentro de um ônibus, rasgávamos a noite escura, rumo a Sanção*... Apesar da escuridão, ao longo do pano da noite que corria por entre as janelas, todos assistíamos aquele crime... Pelo qual, criminosos e inocentes irão pagar... Ao dia, as luzes se ofuscam, se invisibilizam. Na escuridão, nada se esconde, tudo se mostra nos clarões. Os criminosos? Ninguém os viu ou conhece. Apenas o crime, que em cada lareira se revelava... E castanheiras abrasadas, verdadeiras tochas empinadas para o céu sendo consumidas como uma tocha olímpica em dias cinzentos. O que parece ser um encanto, é um desencanto; O que parece vislumbrar e alegrar, consterna.... Eram pedaços da floresta que diziam adeus. Eram centenárias, que em horas se despediam nas cinzas. No dia anterior, as televisões haviam anunciado: “vinte mil focos em todo Brasil...”. Estávamos ali testemunhando apenas sete casos. Eram tantos! No momento, o Brasil estava em chamas! O fogo lambia, comendo grandes áreas com seus seres bióticos. Não é só a floresta que está em chamas... Longe das florestas, nos bastidores do poder, um imenso incêndio incontrolável também consome... ... Consome os bens do país ferindo as leis morais e éticas... ... O fogo da corrupção que assola a nação...
  4. 4. Fotos retiradas de internet em 2007. *Sanção: alusão ao Povoado Vila Sanção, interior de Parauapebas. Autor: Adilson Motta, Do livro Sintonia: Poemas, crônicas e contos. (que será publicado).

×