Meio ambiente atuação da ONU

317 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
317
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Meio ambiente atuação da ONU

  1. 1. Meio ambiente: atuação da ONU No ano de 1997, durante as celebrações do Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho), dois acontecimentos ganham especial destaque: o aniversário do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), que completou 25 anos, e a realização da Cúpula da Terra, sessão especial da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a Agenda 21. A sessão especial, realizada entre os dias 23 e 27 de junho de 1997, teve por principal tema a avaliação da situação do planeta cinco anos depois da realização da Rio-92, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Os debates foram abertos pelo Brasil. Segundo a ONU, o mundo apresenta atualmente uma série de tendências positivas em comparação a cinco anos atrás. Para começar, o crescimento populacional diminuiu, enquanto a produção de alimentos continua crescendo. A maioria dos habitantes do planeta está vivendo mais e de forma mais saudável, ao mesmo tempo em que melhora a qualidade ambiental de algumas regiões. Mas é impossível negar outras tendências que podem provocar verdadeiras catástrofes mundiais: a escassez de água potável, a perda de terras cultiváveis e a pobreza crescente que afeta uma parte da população mundial (minoritária, é verdade) são alguns exemplos. Por tudo isso, a ONU decidiu fazer uma avaliação dos progressos obtidos até agora na implementação da Agenda 21, o mais importante documento aprovado durante a Rio- 92. A Agenda 21, aprovada pelos 172 governos que participaram da Conferência no Brasil, é um amplo programa de ação, abrangendo todas as áreas do desenvolvimento sustentável. PNUMA completa um quarto de século Em 1997, o Dia Mundial do Meio Ambiente marca também o 25º aniversário do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). Esse programa foi criado em 1972 pela Assembléia Geral que, através de sua resolução de número 2.996, conclamou governos do mundo inteiro a melhorar o meio ambiente e preservar melhor o planeta. Ainda em 1972 foi realizada em Estocolmo, na Suécia, a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente Humano, a primeira promovida pela ONU sobre a questão ambiental. Ao completar 25 anos, o PNUMA escolheu para o Dia Mundial do Meio Ambiente o tema "Pela vida na Terra", ressaltando a preocupação com a preservação do planeta para as futuras gerações. OMM lança relatório sobre o clima mundial O ano de 1996 ficou em oitavo lugar entre os mais quentes desde 1860, e foi o 18º ano consecutivo a apresentar anomalias na temperatura, segundo o relatório anual da Organização Meteorológica Mundial. Embora 1996 tenha sido para algumas regiões o ano mais frio das últimas décadas, a temperatura média global esteve 22 graus acima da média registrada entre 1961 e 1990. O ano mais quente da história foi 1995. O fenômeno climatológico mais marcante de 1996 foi a abundância de chuvas fortes, afetando diversas regiões do planeta, principalmente o sul da Europa, o nordeste da
  2. 2. África e o Oriente Médio. O Brasil também foi citado como um dos países afetados por fortes enchentes. No mesmo documento, a OMM revelou que o buraco na camada de ozônio apresentou condição semelhante à dos anos anteriores, com um desgaste maior no hemisfério norte. Biodiversidade Realizou-se na sede da ONU em Nova York um encontro internacional sobre biodiversidade e espécies ameaçadas. O Fórum Global da Biodiversidade contou com a participação de cem representantes de trinta países, incluindo governos, organizações não-governamentais e instituições científicas, que discutiram maneiras de deter as perdas na diversidade biológica do planeta. Campanha brasileira recebe prêmio da ONU Campanhas publicitárias do Brasil, da Eslovênia e do Reino Unido receberam em 1997 um prêmio da ONU dedicado anualmente a campanhas que focalizem questões ligadas ao trabalho da Organização. O prêmio, Golden World Awards, foi criado em 1990 e tem o apoio da Associação Internacional de Relações Públicas e da Empresa NEC, do Japão. O prêmio principal ficou com a organização Fundo de Desenvolvimento Ambiental (Eco-Fund), da Eslovênia, instituição não-lucrativa da área de meio ambiente. A fábrica Guiness PLC, do Reino Unido, recebeu menção honrosa por sua campanha "Água para a vida", focalizando projetos ambientais. A outra menção honrosa foi concedida ao projeto Unibanco Ecologia, pela campanha "Cinco anos, 200 projetos", focalizando questões como reciclagem, educação ambiental e recuperação de áreas degradadas. O Unibanco financiou pelo menos uma entidade ambiental em cada município em que opera, como parte do projeto premiado. Você sabia? Que até o fim do século XXI a temperatura média da Terra subirá entre 1 e 3,5 graus e que, depois disso, continuará subindo ainda mais? A previsão sobre a temperatura do planeta no ano de 2099 foi apresentada recentemente durante uma reunião ministerial sobre modificações no clima, com base em documento do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. O mesmo documento apresentou estimativas de que o nível dos mares subirá de 15 a 95cm até o ano 2100. Bandeira azul O PNUMA e a Organização Mundial de Turismo publicaram recentemente um documento sobre a campanha "Bandeira azul". O relatório descreve a importância do turismo ecológico e cita vários exemplos práticos da campanha, através da qual são delimitadas áreas costeiras (sinalizadas por uma bandeira azul, representando a ONU) para receber tratamento ambientalmente sustentável. Segundo o relatório, a campanha tem sido um sucesso em vários países, cujas costas estão sendo monitoradas. Os governos mais bem-sucedidos recebem prêmios do PNUMA.
  3. 3. Guerra da água "A água substituirá o petróleo como principal fonte de conflitos no mundo". A frase foi dita recentemente pelo vice-diretor geral da UNESCO, Adnan Badran, em seminário na sede desse organismo da ONU em Paris. O encontro, intitulado "Águas transfronteiriças: fonte de paz e guerra", focalizou os debates em águas disputadas como as do mar de Aral e dos rios Jordão e Nilo, entre outros. Protocolo de Montreal Até o ano de 2010, graças ao Protocolo de Montreal - documento da ONU com medidas para proteger a camada de ozônio da Terra - terá sido evitada a ocorrência de 1,5 milhão de casos de câncer de pele por ano somente nos Estados Unidos. A estimativa foi feita em relatório do Instituto de Saúde Pública e Meio Ambiente dos Países Baixos, segundo o qual outros 550.000 casos anuais na Europa também serão evitados. O verde encolhe Na década de 1980, 9,95 milhões de hectares de florestas - uma área do tamanho da República da Coréia - desapareceram por ano da face da Terra. Houve tempo em que as florestas cobriam 40% do planeta. Hoje, cobrem apenas 27%, isto é, 5,1 bilhões de hectares. A destruição das florestas do mundo se acelerou a partir de 1950. Como estão as florestas do mundo? Analisar a situação das florestas do mundo e traçar um plano de longo prazo para sua preservação foram os objetivos de uma reunião realizada no início de 1997 na sede da ONU em Nova York, cujas propostas foram posteriormente analisadas pela sessão especial da Assembléia Geral sobre a Agenda 21. O Painel sobre Florestas, como se chamou o encontro, apresentou uma série de propostas de longo alcance com o objetivo de melhorar a situação das áreas florestais, além de mostrar o que já foi feito até agora com relação ao assunto. "Os avanços foram enormes desde a Cúpula da Terra", garantiu Manuel Rodríguez- Becerra, da Colômbia, vice-presidente do encontro. "No encontro do Rio, os países estavam desconfiados e hesitantes. Agora, a atmosfera está bem mais positiva", acrescentou. Uma das questões mais importantes é a necessidade de se criar um mecanismo legal sobre a questão das florestas, provavelmente uma convenção. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), duzentos milhões de hectares de florestas foram destruídos entre 1980 e 1995. Embora, no mesmo período, vinte milhões de hectares tenham sido reflorestados, os debates do Painel ressaltaram que o reflorestamento é uma faca de dois gumes, pois pode causar danos à biodiversidade. Chattanooga A cidade de Chattanooga, nos Estados Unidos - que ficou famosa graças à música de Glenn Miller (Chattanooga choochoo) - já foi considerada a mais poluída do mundo.
  4. 4. Isto foi em 1969. Hoje em dia, essa cidade às margens do Rio Tennessee é apontada pelo PNUMA como um exemplo de transformação. Para melhor, é claro. O plano inicial traçado pelo governo de Chattanooga para acabar com a poluição do ar na cidade acabou obtendo um apoio maciço da população, o que a transformou numa "cidade ambiental", onde a defesa do meio ambiente está integrada ao progresso econômico. Chattanooga acabou se transformando em verdadeiro laboratório de desenvolvimento sustentável, com ampla participação de toda a sociedade. "Muita gente vem a Chattanooga para ver o sistema de limpeza do rio ou os ônibus elétricos", diz o vereador David Crockett, acrescentando: "A experiência de Chattannoga mostra que destruir o meio ambiente pode produzir progresso a curto prazo, mas a longo prazo os prejuízos serão enormes. Isso deve servir de exemplo para os países em desenvolvimento". ONU EM FOCO. Rio de Janeiro, Escritório das Nações Unidas no Rio de Janeiro, junho de 1997, nº 46

×