Construtivismo em Perspectiva

320 visualizações

Publicada em

Construtivismo em Perspectiva

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Construtivismo em Perspectiva

  1. 1. CONSTRUTIVISMO EM PERSPECTIVA Construtivismo é o nome pelo qual se tornou conhecida uma nova linha pedagógica que vem ganhando terreno nas salas de aula há pouco mais de uma década. ORIGEM Com base nos estudos do psicólogo suíço Jean Piaget, a maior autoridade do século sobre o processo de funcionamento da inteligência e de aquisição do conhecimento. Quem adotou e tornou conhecida a expressão foi uma aluna e colaboradora de Piaget, a psicóloga Emília Ferreiro, nascida na Argentina em 1936 e que atualmente mora no México. Partindo da teoria do mestre, ela pesquisou a fundo, e especificamente, o processo intelectual pelo qual as crianças aprendem a ler e a escrever, batizando de construtivismo sua própria teoria. No começo, o nome construtivismo se aplicava só à teoria de Emília Ferreiro. Com o tempo, passaram a ser chamadas de construtivistas as novas propostas pedagógicas inspiradas em sua própria teoria, a própria teoria de Piaget e até mesmo pedagogia anteriores, porem compatíveis, como a do educador Lev Vigotsky. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Construtivismo propõe que o aluno participe ativamente do próprio aprendizado. Rejeita a apresentação de conhecimentos prontos ao estudante: Utiliza de modo inovador técnicas tradicionais como, por exemplo a memorização; Indica que uma pessoa aprende melhor quando toma parte de forma direta na construção do conhecimento que adquire: Enfatiza a importância do erro não como um tropeço, mas como um trampolim na reta da aprendizagem; Condena a rigidez nos procedimentos de ensino, as avaliações padronizadas e a utilização de material didático demasiadamente estranho ao universo pessoal do aluno.
  2. 2. QUESTÕES O construtivismo se aplica somente à alfabetização? Não. Ainda se encontra muito vinculado à alfabetização, porque foi essa área que começou a ser desenvolvido, a partir da base teórica proporcionada por Emília Ferreiro. Por que o Construtivismo faz restrições à “ prontidão” na alfabetização? Com base nas teorias de Piaget e Emília Ferreiro, os construtivistas consideram inútil a prontidão, ou seja,o treinamento motor que habitualmente éaplicado na alfabetização, como preparação do aprendizado da escrita. Para eles, aprender a ler e escrever é algo mais amplo e complexo do que adquirir destreza como o lápis. O construtivismo requer mais atenção individual ao aluno do que outras linhas de ensino? Sim, mas não com a obsessão que às vezes se imagina. Se o construtivismo admite que cada aluno tem o seu processo particular de aprendizagem, a professora deve conhece- lo, acompanhá-lo e fazer as intervenções adequadas. Mas não quer dizer centralização total, ao contrário, o construtivismo valoriza muito o intercâmbio entre os alunos e o trabalho de grupo, em que a professora tem uma presença motivadora e menos impositiva. Como a professora pode dar atenção individualizada em classe de 30 ou 40 alunos? O ideal é que as classes não sejam tão numerosas. Mas, de qualquer modo, vale a alternativa trabalhar com duplas ou trio, agrupando as crianças por habilidades parecidas ou opostas,a critério daprofessora. No construtivismo, aprofessora aproveita a individualidade de cada aluno para o enriquecimento do grupo. Por que a alfabetização construtivista rejeita o uso da cartilha? Primeiro, porque a cartilha prevê etapas rígidas de aprendizagem, coisa que o construtivismo descarta. Segundo, porque os construtivistas acham que a linguagem geralmente usada nas cartilhas (“ba- bé-bi”. “ Ivo viu a uva “, etc ) é padronizada, artificial, distante do mundo conhecido pelo adulto. O que significa o erro do aluno? É tomado como um valioso indicador dos caminhos percorridos por ele para chegar até ali. A professora não está tão preocupada com o acerto da resposta apresentada pelo aluno, mas sobretudo com o caminho usado para chegar a ela. Em vez de ser um mero tropeço, o erro passa a ter um caráter construtivo, isto é, serve como propulsor para se buscar a conclusão correta. O construtivismo não corrige o erro do aluno? Corrige, mas sempre tomando o cuidado de que acorreção setransforme numa situação de aprendizagem, e não de censura. Por exemplo, no início do ano a professora pede
  3. 3. aos alunos que escrevam um texto e guardem o material corrigido. No fim do ano, pede uma nova redação sobre o mesmo tema. Então, junto com os alunos compara os dois trabalhos, ressaltando os progressos ocorridos. No ensino tradicional o erro deixa menos vestígios no caderno do aluno, pois é corrigido, apagado, à medida que aparece. Por falta de treinamento motor (prontidão), os alunos no construtivismo acabam fracos de caligrafia? O construtivismo sustenta que não, pois o treinamento delas se faz à medida que vão escrevendo. Algumas escolas chegamainda a lançar mão do velho caderno de caligrafia, como no ensino tradicional, quando a criança tem letra ruim. Como o construtivismo se espalhou? As bases teóricas foram estruturadas na primeira metade deste século. Com Piaget e os psicólogos soviéticos,entre os quais Lev Vygotsky é o mais divulgado no Brasil.As pontes para a prática pedagógica se consolidaram com Emília Ferreiro e seus colaboradores, a partir do final da década de 1970. Na década seguinte, o construtivismo se disseminou na América Latina, principalmente na Argentina e no Brasil. As experiências brasileiras mais expressivas foram registradas nas redes municipais de Porto Alegre e de São Paulo. A interdisciplinaridade tem alguma relação com o construtivismo? Sim, embora a interdisciplinaridade seja uma prática pedagógica autônoma e anterior ao construtivismo. Como nenhum professor, por mais ampla que seja a sua formação pode dominar todos os conhecimentos envolvidos na tarefa de lecionar, o trabalho interdisciplinar é recomendado para todo e qualquer nível. E a restrição ao ensino de regras gramaticais? O construtivismo contesta que o ensino da gramática seja o meio para se levar o aluno a entender e dominar o processo de escrever corretamente. Isso se adquire praticando a escrita, mesmo com erros gramaticais. A medida que o aluno vai dominando a escrita é que se passa a ensinar-lhe a gramática. As regras identificam certas regularidades da língua, mas para entendê-las é preciso tê-las percebido na prática. Qual o papel da professora no construtivismo? Em vez de dar a matéria, numa aula meramente expositiva, a professora, organiza o trabalho didático-pedagógico de modo que o aluno seja co-piloto de sua própria aprendizagem. A professora fica na posição de mediadora ou facilitadora desse processo. O que é necessário para ser uma boa professora construtivista?
  4. 4. Mentalidade aberta, atitude investigadora

×