Como Lidar Com os Alunos Desmotivados

589 visualizações

Publicada em

Como Lidar Com os Alunos Desmotivados

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
589
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como Lidar Com os Alunos Desmotivados

  1. 1. COMO LIDAR COM OS ALUNOS DESMOTIVADOS
  2. 2. Este é um problema realmente difícil de resolver e você não está sozinha diante do dilema. Colegas de todas as áreas e de todos os níveis de ensino se defrontam com ele. Antes de conhecer alguns de conhecer alguns de conhecer alguns procedimentos, é importante compreender o que é motivação e como e como ela se constrói. Alguns alunos não se envolvem em uma ou outra atividade. Outros fecham-se completamente ao saber, não querem participar e nada fazem para apreender . O psicólogo José Bzunek, da Universidade Estadual de Londrina, afirma que esses casos extremos se desenvolvem a partir de situações aparentemente sem importância (um jovem desligou ou inquieto, por exemplo). Por isso o professor deve observar atentamente o aluno e fazer intervenções sempre que qualquer tipo de desinteresse aparecer, recomenda Bzunek, da Universidade Estadual de Londrina, afirma que esses casos extremos se desenvolvem a partir de situações aparentemente sem importância (um jovem desligado ou inquieto, por exemplo). “Por isso o professor deve observar atentamente o aluno e fazer intervenções sempre que qualquer tipo de desinteresse aparecer” , recomenda Bzunek.
  3. 3. • Principais Causas • A falta de motivação é causada por características do aluno e o contexto da escola. O medo do fracasso e a forma de encará-lo; a falta de clareza sobre os objetivos da aprendizagem; e a não satisfação das expectativas são alguns dos motivos de ordem pessoal. Além delas, existem as influências de pais, colegas e grupos sociais, mais as experiências anteriores de cada um. Junte-se a isso o ambiente da escola e da sala de aula para o desenvolvimento das atividades, como a organização, a interação com o professor e a avaliação. É aí que o educador pode intervir.
  4. 4. • Tipo de Motivações • As motivações intrínsecas vêm do próprio aluno: a vontade de aprender e de buscar soluções para os problemas, a escolha e a realização de tarefas que sejam atraentes e desafiadoras para ele. O estudante pode também senti uma necessidade pessoal de reconhecimento ou de aprovação do grupo. As extrínsecas vêm de fora: notas, aprovação no final do ano, estimulo familiar por médias elevadas. Esses elementos não podem ser um fim em si mesmos, mas se utilizados com critério e bom senso, fazem muito bem.
  5. 5. • Dicas Práticas • Independentemente da disciplina ou série, é possível mantes alto nível de motivação adotando as posturas a seguir:  Mostre-se entusiasmado com os conteúdos e as competências que está ensinando.  Desperte a curiosidade destacando a relação do conteúdo com fatos corriqueiros.  Oriente a aprendizagem para a compreensão dos fenômenos, não para a memorização.  Elabore atividades que mostrem como o aluno evolui.  Mude as estratégias ao perceber que os alunos não aprenderam.  Dê pistas de como superar as dificuldades sem revelar de imediato a solução.  Evite avaliações negativas, comparativas e ameaçadoras. Revista Nova Escola, Janeiro/fevereiro de 20013

×