A criação do Museu da República
O sucessor de Getúlio Vargas, o mineiro Juscelino Kubitschek de Oliveira, foi
o primeiro p...
O parque, hoje aberto a todo o público, estende-se da rua do Catete à praia do
Flamengo, paralelamente à rua Silveira Mart...
A nobreza dos materiais se associa à elegância das grandes esculturas
brasileiras - "Ubirajara" e "Perseu libertando Andrô...
sugerem-nos que sua utilização original estava ligada ao estar informal e ao
prazer do chá, dos refrescos e do vinho do po...
exotismo árabe encontram-se e dividem o espaço no palácio, casa de senhores
que o regime republicano não desfaz. O baile c...
está presente nos ornatos do teto, nas molduras dos grandes espelhos e nas
sanefas, no aparador que faz conjunto com a mes...
independente, a função do salão pompeano era a de apoio aos salões de baile e
veneziano. Este espaço pode ser definido com...
em madeira, marfim e palhinha, as pequenas esculturas dos "Musicistas
árabes", o cinzeiro em forma de crocodilo compõem es...
Terceiro pavimento
Refúgio da representação constante a que se impunham as classes altas, o
último andar do palácio era re...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Criação do Museu da República

779 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A Criação do Museu da República

  1. 1. A criação do Museu da República O sucessor de Getúlio Vargas, o mineiro Juscelino Kubitschek de Oliveira, foi o primeiro presidente a residir no palácio Laranjeiras, localizado no Parque Guinle, no bairro carioca das Laranjeiras. Dinâmico e empreendedor, JK, como ficou conhecido, elegeu como lema de seu governo "50 anos em 5", prometendo realizar durante seu mandato tudo que a república deixara para trás em seus setenta anos de existência. A construção de Brasília foi o símbolo da obstinação do "presidente bossa-nova". Ao instalar em pleno planalto central uma cidade que se tornaria um marco arquitetônico mundial, JK inaugurou um movimento irreversível em direção ao interior do país, com o deslocamento do centro do poder federal para Brasília. Retrato de Afonso Pena pintado por Rodolfo Amoedo, pertencente ao acervo do Museu da República, antigo palácio do Catete No dia 8 de março de 1960, o presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira assinou o Decreto 47.883, criando no palácio do Catete - que por 63 anos sediara a presidência da República - o Museu da República, inaugurado em 15 de novembro daquele mesmo ano. A partir daí, o Museu da República vem se dedicando a rememorar junto ao público visitante um período de grande importância para a história de nosso país. Apesar de não mais abrigar o poder, o Museu da República apresenta-se ao seu público como um espaço permanente de reflexão em torno da nossa história política, social, econômica e cultural, com vistas à formação do verdadeiro cidadão, consciente e engajado nas principais questões nacionais e nos destinos do nosso país. Visitando o Museu Com suas paredes revestidas de granito e mármore rosa e as portadas em mármore branco, o prédio do Palácio do Catete tem uma posição inusitada em relação às grandes residências burguesas da época, visto a sua colocação na rua, integrado no burburinho urbano, fazendo, assim, do parque não um espaço de acesso, mas um ambiente de tranqüilidade e. As águias de bronze que guarnecem a frontaria da cimalha e as faces laterais do prédio - e que o alcunharam como palácio das Águias - foram ali colocadas em 1910. No seu interior, todas as salas têm assoalhos em marchetaria. A decoração "especializada" de seus salões faz do palácio do Catete um prédio singular e o acervo mais importante do Museu da República.
  2. 2. O parque, hoje aberto a todo o público, estende-se da rua do Catete à praia do Flamengo, paralelamente à rua Silveira Martins, ocupando uma área de 24.000m2. Enquanto o palácio pertenceu a particulares, esse jardim foi bastante movimentado pelos parentes e amigos dos proprietários, especialmente à época do conselheiro Mayrink que, em 1890, construiu em frente ao portão dos fundos um embarcadouro. O jardim, no seu traçado inicial, era todo plantado com árvores de grande altura, sendo que a aléia de palmeiras já existia neste terreno, anteriormente ocupado por outra edificação. Hoje, o parque tem basicamente o mesmo desenho que foi concebido pelo arquiteto Paul Villon, contratado quando das reformas que prepararam o palácio do Catete para a instalação da presidência da república, em 1896. Nessa ocasião, os jardins receberam canteiros altos, um rio artificial com capacidade para 2.000m3 de água, três pontes rústicas, uma grande cascata com lago, um quiosque para apresentações musicais, bancos sobre rochedos artificiais e luz elétrica, cinco estatuetas de bronze, vindas da França, uma estátua de Cristóvão Colombo. Ainda hoje podemos ver, adornando o jardim, duas estátuas de terracota, das quais não se conhece a origem. O grande chafariz, acrescido da estátua do "Nascimento de Vênus", foi transferido do antigo largo do Valdetaro, à frente do palácio, onde estava desde 1854. Enriquecem o jardim árvores frutíferas como mangueiras, jambeiros, caramboleiras, tamarineiras, abacateiros, cajazeiros, goiabeiras, coqueiros, além de várias espécies ornamentais como palmeiras imperiais, e um exemplar de pau-brasil, árvore símbolo da nossa terra. Primeiro pavimento O requinte das pinturas e ornatos e a distribuição e localização dos cômodos sugerem ter sido este pavimento inicialmente destinado às salas de visita e de estar, como era o costume à época. A decoração dos tetos afasta a hipótese de utilização deste piso como área de trabalho, ao tempo do barão de Nova Friburgo. Com a instalação da presidência da república, este espaço foi redefinido, passando a abrigar funções burocráticas como secretaria, biblioteca, gabinetes de assessores, salas de despachos e de audiências. Hall principal Quando os portões alemães em ferro e as imponentes portas se abriam para a rua do Catete, era dia especial no palácio das Águias. Nas ocasiões solenes e festivas, o hall principal podia ser apreciado - majestoso com suas colunas de mármore, sua escada modular em ferro, moldada na Alemanha, e sua intensa iluminação.
  3. 3. A nobreza dos materiais se associa à elegância das grandes esculturas brasileiras - "Ubirajara" e "Perseu libertando Andrômeda", de autoria de Francisco Manuel Chaves Pinheiro - e alemãs - "O Pudor", "A Glória", "O caçador de leões" e "Amazona em luta com um tigre", executadas na segunda metade do século XIX. Esses e outros elementos de decoração recebiam os visitantes, para logo os orientarem à grande e imponente escadaria pela qual subiriam os convidados para festas memoráveis da sociedade imperial. Conferiam, contudo, simbolismo às solenidades republicanas como as de posse presidencial, recepções a líderes estrangeiros e ao corpo diplomático, assinaturas de importantes tratados. Hall da carruagem O acesso ao palácio - desde, inclusive, o curto período em que foi habitado pelo barão de Nova Friburgo - se fazia pela parte lateral, onde os carros paravam, permitindo, assim, a entrada direta ao prédio, livre das intempéries. O carro à Daumont, atualmente em exposição neste hall, é um exemplo das verdadeiras preciosidades produzidas pela indústria de meios de transporte da época, que eram utilizadas nas cerimônias oficiais. Cerimônia de posse do presidente Juscelino Kubitschek, criador do Museu da República no antigo palácio presidencial. Movidos por duas parelhas de cavalos e conduzidos por um cocheiro auxiliado por dois lacaios soberbamente uniformizados, carros como este transportavam autoridades e celebridades que visitavam a então capital da república - entre as quais os presidentes argentinos Julio Roca e Saenz Peña, o secretário de estado americano Elihu Root e os soberanos da Bélgica, Alberto e Isabel. Durante o período em que foi prefeito da então capital, o engenheiro Pereira Passos - conhecido pela grande remodelação urbanística que empreendeu na cidade do Rio de Janeiro -, os carros à Daumont provocaram verdadeira sensação nos cortejos e desfiles, como o de inauguração da avenida Central, em 1905, ou em eventos como as batalhas de flores organizadas pela prefeitura nos principais parques da cidade. Salão ministerial A pintura mitológica presente no teto desta sala, representando Baco, o deus do vinho, e uma bacante, assim como os estuques de frutos e o festão que circunda todo o teto, datam da construção do palácio pelo barão de Nova Friburgo. As portas do salão estabelecem contato com o jardim e o parque, através de uma varanda. A localização deste cômodo e a decoração do teto
  4. 4. sugerem-nos que sua utilização original estava ligada ao estar informal e ao prazer do chá, dos refrescos e do vinho do porto, durante as conversas amenas de fim de tarde. Com a transferência da presidência da república para o palácio do Catete, foi providenciado para o recinto mobiliário novo. Os lustres franceses a gás foram adaptados para a iluminação elétrica. Mais tarde, a forração com papel de parede foi substituída pelos lambris e pinturas de paredes. Destinado então a salão de despachos e conferências, nele se realizaram reuniões de diversos gabinetes. Neste salão, Venceslau Brás subscreveu a declaração de guerra à Alemanha, em 1917; Getúlio Vargas assinou seu primeiro decreto, em 1930; e Eurico Gaspar Dutra tomou posse como presidente, em 1946. Caixa da escada O arquiteto Gustav Waehneldt, ao projetar o palácio para o barão de Nova Friburgo, fez da grande escadaria o eixo da construção. A suntuosidade transmitida pela caixa da escada se deve ao espaço por ela ocupado - central e de grandes proporções - e à sua decoração. Ladeando a escada, ainda no piso, encontram-se duas esculturas em bronze de autor ignorado, que datam do século XIX: "A Leitura" e "A Escrita". Homenageando a própria concepção do palácio - baseada na integração das diversas artes -encontram-se quatro painéis murais representando quatro alegorias: a Pintura, o Desenho, a Arquitetura e a Escultura. Às cenas mitológicas das pinturas do painel central e dos arcos - cópias dos afrescos pintados pelo artista renascentista Rafael Sanzio (1483-1520) na Villa Farnesina, em Roma - somam-se as dos vitrais laterais. A luz elétrica, instalada no palácio quando da transferência da sede da presidência da república, em 1897, era um fenômeno recente do progresso. Esse recurso conferiu novo aspecto à caixa da escada, impressionante para a época, principalmente pelo efeito obtido pelas 32 lâmpadas colocadas na clarabóia "que despejam jarros de luzes variadas, dando à noite um aspecto deslumbrante, que surpreende e emociona", segundo jornal da época. Segundo pavimento O segundo pavimento - destinado à representação maior do poderio econômico e político - é chamado piso nobre. A especialidade dos salões, por funções e esquemas decorativos, reflete o aparato da grande burguesia, sua necessidade de demonstração de um poder social que ia se consolidando. O sagrado da capela e o profano do baile; o espírito, nas conversas e na música no salão veneziano; o corpo alimentado, no salão de banquete; o vício, estimulado no salão mourisco; o Ocidente, na tradição de Grécia e Roma e o
  5. 5. exotismo árabe encontram-se e dividem o espaço no palácio, casa de senhores que o regime republicano não desfaz. O baile cede lugar aos passos ensaiados do protocolo consular; a liturgia deixa o altar e se expressa na ritualística da recepção ao visitante ilustre; o banquete que recende a dinheiro passa a ser saboreado através das articulações políticas. A essência permanece. Galeria dos vitrais O programa arquitetônico original da residência do barão de Nova Friburgo dispensou o corredor de qualquer outra função. Antecâmara da Capela e espaço de ligação com as então existentes escadas íntima e de serviço, a galeria não foi desprovida de interesse decorativo. Os vitrais, executados na Alemanha em 1863, apresentam musas e outras figuras mitológicas relacionadas com as ciências e as artes. A pintura das paredes, acima da linha das portas e dos vitrais, empresta leveza ao ambiente, pela temática e pelas cores suaves. Enquanto palácio presidencial, nenhum espaço podia ser subaproveitado. O programa palaciano de 1897 transformou a galeria em sala de visitas, preenchendo-a, na época, com sofás e cadeiras de balanço. Sala da capela O estado imperial brasileiro era indissociado da Igreja Católica. O barão de Nova Friburgo instalou, como era hábito entre a burguesia da época, uma capela para recolhimento e oração dos moradores do palácio. No teto, rodeadas por painéis reproduzindo alguns apóstolos, duas telas reproduzem a obra "A transfiguração", do artista renascentista italiano Rafael Sanzio, e a "Imaculada Conceição", do artista espanhol barroco Bartolomé Esteban Murillo (1618-1682). Em 1883, aqui foi celebrado o casamento da filha do conde São Clemente, que residiu no palácio após a morte de seu pai, o barão de Nova Friburgo. Na reforma para a instalação da presidência da república, a decoração das paredes e do teto não foi modificada, mas a função desta sala alterou-se, pois passou a ser utilizada como sala de visitas. Isto não impediu que, por vezes, o cômodo retornasse a sua função primeira como, em 1904, para o casamento da filha do presidente Rodrigues Alves e, em 1909, para o velório do presidente Afonso Pena. Salão azul A posição deste salão, encravado entre a capela e o salão de baile, parece representar a transição entre o sagrado e o profano, espaço intermediário de refúgio e apoio às recepções e festas realizadas no palácio. O estilo Luís XVI
  6. 6. está presente nos ornatos do teto, nas molduras dos grandes espelhos e nas sanefas, no aparador que faz conjunto com a mesa de centro, na mesa de encostar sob o espelho estreito e no relógio parisiense de Victor Paillard. Com a instalação da presidência da república, as paredes deste salão receberam novas pinturas sob a supervisão de Antônio Parreiras (1860-1937), renomado paisagista e pintor. O toque art-nouveau dessa nova decoração adaptou-se bem à coloração pastel, cujo predomínio do azul originou o nome dado à sala. Ao final do século XIX era designada como sala da Liberdade, com um grande L sobre uma das portas. Era no salão azul que os embaixadores estrangeiros costumavam aguardar a entrega de suas credenciais ao presidente, cerimônia normalmente realizada no cômodo contíguo, o salão nobre. Salão nobre O salão nobre documenta a vida social e o luxo que cercavam o palácio de Nova Friburgo desde a época de sua construção. As pinturas na parte superior das paredes - acima das portas e espelhos, em formato de semicírculo referem-se à vida de Apolo, deus da música e da As demais pinturas verticais, sobre fundo dourado, também representam cenas mitológicas, muitas das quais associadas à música e às artes, marcando a função do cômodo como salão de baile. Nos ornatos das portas figura a águia, timbre do baronato de Nova Friburgo. O conjunto de sofás e banquetas e as jardineiras, adquiridos pelo barão na França, ajustam-se perfeitamente aos vãos em que se encontram, indicando cuidado na composição deste espaço. A instalação da presidência da república no palácio do Catete reafirmou a vocação nobre deste espaço, Fachada do palácio do com a colocação, sobre as portas, das armas da Catete, atual Museu da república. A iluminação elétrica aumentou o brilho República. das festividades, fazendo refletir nos espelhos bisotados em cristal, emoldurados em dourado, a luz das 192 lâmpadas em forma de vela. O painel do teto foi substituído em 1938, reproduzindo o motivo mitológico original - os deuses do Olimpo - e é de autoria de Armando Viana (1897-1992), pintor acadêmico brasileiro. Salão pompeano As muitas salas de um palácio da segunda metade do século XIX superavam suas necessidades específicas. A exemplo do salão azul, sem acesso
  7. 7. independente, a função do salão pompeano era a de apoio aos salões de baile e veneziano. Este espaço pode ser definido como uma grande moldura estilística da concepção decorativa de Gustav Waehneldt, elaborada a partir da alusão às descobertas artísticas das escavações da cidade de Pompéia. Nas paredes, o intenso vermelho - representativo do vulcão Vesúvio que soterrou Pompéia - cobrindo grandes vazios, intercalado com figuras e alegorias sobre fundo branco, além da pintura com temática arquitetural acima do nível das portas, enquadra o mobiliário aparatoso, composto de sofás e tamboretes em couro pirografado, também vermelhos, além da jardineira, encomendados pelo barão de Nova Friburgo em Paris, no ano de 1863. Adaptado à representação do estado brasileiro republicano o teto foi a única superfície alterada neste salão. A inclusão das armas nacionais e das datas históricas - descobrimento, independência, abolição e proclamação da república - qualifica a nacionalidade e coroa o ambiente. A jardineira foi coberta por mármore vermelho. O "Crepúsculo", escultura em mármore branco de autor não identificado, passou a incorporar este espaço nessa ocasião. Salão veneziano O programa arquitetônico do palácio do barão de Nova Friburgo destinava todo o segundo pavimento às grandes ocasiões sociais. Ligando o salão de baile ao salão de banquete, o salão veneziano servia como sala de visitas para tais ocasiões. Seu nome deve-se provavelmente ao estilo do mobiliário conjunto estofado, armários e mesa de centro. Ao interpretar os estilos franceses, marcadamente o Luís XIV e o Luís XV, os italianos carregavam nos ornamentos, produzindo móveis pesados e ricamente decorados. Os candelabros, o relógio francês Victor Paillard & Romain, o lustre central em bronze e cristal e os grandes espelhos compunham este ambiente. Na república, este salão transformou-se em sala de música, acrescentando à vida palaciana uma nota de descontração. O painel executado pelos pintores Antônio Parreiras e Décio Vilares, representando uma cena galante, substituiu o grande espelho existente à época do barão de Nova Friburgo. Salão mourisco O projeto arquitetônico de Gustav Waehneldt para o barão de Nova Friburgo registrava o fascínio do século XIX por estilos variados, entre os quais destacava-se o mourisco. Espaço essencialmente masculino, usado como sala de jogos e de fumar, o salão mourisco reúne duas características centrais da arquitetura oitocentista brasileira: a diversidade estilística e a especialização funcional dos espaços. O lustre de bronze dourado e cristal rubi, o mobiliário
  8. 8. em madeira, marfim e palhinha, as pequenas esculturas dos "Musicistas árabes", o cinzeiro em forma de crocodilo compõem este ambiente tão peculiar. Por ocasião da instalação da presidência da república no palácio, foi acrescentada ao salão mourisco a escultura "A africana", em bronze. Comprada pelo importador Carlos Leite Ribeiro, em Paris, foi oferecida em 1890 ao presidente Deodoro da Fonseca por ocasião das comemorações do 13 de maio. O ar pitoresco da sala limitava sua utilização em ocasiões solenes, embora ao fim da revolução de 1930, na posse da junta governativa liderada por Getúlio Vargas, tenha servido à reunião dos representantes da Polícia e do Corpo de Bombeiros. Salão de banquetes Coerente com a concepção arquitetônica que norteou a construção do palácio, o salão de banquetes traz também as marcas de sua função na própria decoração. No teto, destacam-se os estuques com frutos, as pinturas de naturezas-mortas nos arcos e o painel central - cópia adaptada da obra "Diana, a caçadora" do artista italiano Domenichino (1581-1641). Dois aparadores e o relógio-armário - encomendados em 1863 a uma firma parisiense acompanham o espírito da decoração deste salão. As pinturas das paredes datam da reforma executada no palácio para sediar a presidência - que manteve a temática original, fazendo figurar ali, em tons pastéis, pescados e caças. Nem sempre esse ambiente destinado aos prazeres do paladar assistiu a cenas saborosas. Foi neste salão que, em 1954, às vésperas de seu suicídio, Getúlio Vargas reuniu pela última vez o seu ministério. Hall do elevador À época da construção do palácio do barão de Nova Friburgo, existia neste local uma escada em caracol que, ligando os três pavimentos, permitia a circulação dos serviçais. Era também neste ponto que se fazia a passagem para o outro corpo da edificação, onde se localizavam os serviços, a copa, a cozinha, a cocheira, os quartos dos empregados. Com a transferência da presidência para o palácio, este espaço adquiriu novas funções, passando também a abrigar uma área íntima e privada para os presidentes, e permitindo o acesso aos aposentos e às salas reservadas às suas famílias. Com a instalação do elevador privativo, este ambiente transformouse em hall.
  9. 9. Terceiro pavimento Refúgio da representação constante a que se impunham as classes altas, o último andar do palácio era reservado ao espaço privado e íntimo da família, tanto no tempo do barão quanto no período em que abrigou a presidência da república. O mobiliário e a decoração desses aposentos foram sendo alterados de acordo com os desejos e necessidades de cada novo ocupante do palácio. Com a instalação da presidência, novos móveis e objetos funcionais e de decoração foram encomendados. Alguns exemplos deste mobiliário estão integrados ao circuito histórico, atualmente em exposição neste pavimento. Hoje, o terceiro andar do Museu mostra, em dez salas, objetos do acervo que evocam a história e a memória republicana desde os seus primórdios. Esta exposição culmina com o ascético quarto onde o presidente Getúlio Vargas suicidou-se, na madrugada de 24 de agosto de 1954, e que o vinculou definitivamente, no imaginário popular, ao antigo palácio do Catete. Museu da República: guia do visitante. Rio de Janeiro, Museu da República, 1994, pp.24-43.

×