SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Engenharia de
Software II
MEDIÇÃO DA QUALIDADE DE APLICAÇÕES WEB NA FASE DE
REQUISITOS
Resumo
• O artigo estudado tem como objetivo propor uma metodologia de
avaliação de qualidade de aplicações Web ainda na fase de
desenvolvimento.
• Tendo em vista o conhecimento do domínio da aplicação, algumas
funcionalidades e atributos ausentes no projeto inicial podem ser
recomendados, contribuindo para a melhoria do produto.
Introdução
• Desenvolvimento web difundido
• Aplicações variadas
• Níveis de complexidade distintos
• Modelos de desenvolvimento ( não são seguidos )
• A Metodologia foi desenvolvida com o propósito de ser uma
estratégia eficaz para avaliar e analisar a qualidade de sites e
aplicaçõesWeb em geral.
Requisitos Iniciais
• Deve-se ter um documento de requisitos bem elaborado para que se
possa ser aplicado.
• “Definir a qualidade de um software para um sistema é equivalente a
definir uma lista e atributos de qualidade de software requeridos por
este sistema”
• “Para medir atributos de qualidade de software se deve identificar um
conjunto apropriado de métricas” .
Metodologia
• A metodologia proposta recebe como entrada um documento de
requisitos e produz como saída a avaliação do futuro produto,
espelho daquele documento.
• Esta metodologia antecipa a avaliação da qualidade de um projeto
Web para a sua fase de requisitos. Logo, com o seu uso, temos o
benefício de descobrir erros numa fase inicial do processo de
desenvolvimento.
Metodologia
• Para sua aplicação, é necessário seguir cinco passos: representação
das características e atributos de qualidade; especificação descritiva
da árvore de características e atributos de qualidade; associação de
pesos aos atributos; associação de notas aos atributos; cálculo geral
(média ponderada).
Desenvolvimento
Layout do passos a serem seguidos
PASSO 1
• Representação das
características e
atributos de
qualidade: modelos
de qualidade
PASSO 2
• Especificação
descritiva da
árvore de
características
e atributos de
qualidade
PASSO 3
• Associar pesos
aos atributos
PASSO 4
• Associar notas
aos atributos
PASSO 5
• Cálculo geral
(média
ponderada)
Passo (1)
• É preciso confeccionar a árvore de características e atributos de
qualidade conforme o domínio e o perfil do usuário selecionado.
Passo (2)
• A título de documentação, para cada característica, sub-característica
ou atributo, deve ser preenchida planilhas de informações
Passo (3)
• Obviamente que os atributos possuem importâncias variadas, onde
uns são mais relevantes do que outros. Deve-se associar a cada
atributo um peso entre 0(zero) e 10(dez).Quanto mais importante for
o atributo para a qualidade do sistema, maior deverá ser seu peso. Se
uma característica é decomposta em sub-características, a soma de
todos os pesos dessas subcaracterísticas deve ser 10(dez). Da mesma
forma, se uma sub-característica é decomposta em atributos, o
somatório dos pesos desses atributos deve ser igual a 10(dez).
Passo (4)
• Associar nota 0 (zero), 5 (cinco) ou 10 (dez) a cada folha da árvore,
dependendo do seu grau de cumprimento com o documento de
requisitos. Caso não esteja previsto deverá ser atribuída nota zero.
Neste caso, o atributo ausente deverá ser anotado na seção de
recomendações, para que seja analisado posteriormente o por quê da
sua falta. Se o documento de requisitos abordar de forma parcial a
nota daquele atributo deverá ser cinco, e se estiver completamente
especificado dez.
Passo (5)
• Após o cálculo da nota de cada atributo, esta deve ser multiplicada
pelo seu peso e adicionada entre os atributos do mesmo nível que
resultará na nota da sub-característica. Essa por sua vez deverá ser
multiplica pelo seu peso e adicionada com o resultado das sub-
características do mesmo nível, resultando na nota da característica
em questão
Conclusões
Útil para empresas de desenvolvimento web
Permite analise da relação custo-benefício
Maior qualidade de documentação
Melhor avaliação dos requisito
Deve-se criar ferramentas capazes de fazer essas
métricas a partir da documentação.
Engenharia de
Software II
UMA ABORDAGEM DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE
APLICAÇÕES WEB
Introdução
• Qualidade é definida pela norma NBR ISO 8402 como a totalidade
das características de uma entidade que lhe confere a capacidade de
satisfazer às necessidades explícitas e implícitas.
• Este artigo descreve as normas de avaliação de qualidade de software
para produto e pacotes de software, apresenta algumas propostas na
literatura para avaliação de aplicaçõesWeb
Introdução
• Web é um ambiente complexo e, consequentemente, a avaliação de
produtos de software Web é uma tarefa difícil dado o conjunto de
características e particularidades envolvidas. Essa dificuldade se deve
também, em parte, ao fato de que Web deixou de ser ‘orientada a
documentos’ para ser ‘orientada a aplicações’, podendo ter diferentes
objetivos
Desenvolvimento
• Podemos fazer uma avaliação, baseando-se num produto de software
pronto, usando as características acima para avaliá-lo e pontuá-lo.
Mas também podemos avaliar as fases de desenvolvimento de um
site Web e assim apoiar o processo de desenvolvimento.
Definir o Produto a
ser avaliado
Identificar os
atributos relevantes
dentro da lista
proposta no item
anterior e incorporar
ao formulário de
identificação dos
Requisitos de
Qualidade.
Definir a relevância.
Os atributos
relacionados à
qualidade externa do
produto são
apresentados
aos usuários ou
clientes que
identificarão o grau
de importância desses
para o siteWeb.
A avaliação é feita
pela aplicação de um
formulário
Desenvolvimento
Um teste ou demonstração do SiteWeb que pode ser realizado com ou sem a
Participação dos Desenvolvedores do mesmo. Sendo o formulário preenchido por
usuários ou gerentes do siteWeb.
Uma visita informal ao site Web feita pelo público alvo munido do formulário de
avaliação. Neste caso é importante que o formulário seja bem explícito em relação
às características que o usuário terá que pontuar, ou seja, ele terá mais explicações à
cerca das características que o usuário estará pontuando.
Conclusões
• Bastante útil para retratar a realidade da aplicação avaliada necessita
de correções, e deve ser aprimorada, principalmente, em relação ao
conjunto de atributos e o aprimoramento do questionário.
• Possibilita correções de usabilidade colaborando com a manutenção
dos sistemas web.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06   qs - garantia da qualidade de swAula 06   qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06 qs - garantia da qualidade de swJunior Gomes
 
Introdução a Qualidade de Software
Introdução a Qualidade de SoftwareIntrodução a Qualidade de Software
Introdução a Qualidade de SoftwareIgor Takenami
 
Roteiro proposta do projeto
Roteiro proposta do projetoRoteiro proposta do projeto
Roteiro proposta do projetoCVSSILVA
 
Livro curso de hacker para iniciantes cap 2
Livro curso de hacker para iniciantes cap 2Livro curso de hacker para iniciantes cap 2
Livro curso de hacker para iniciantes cap 2Alax Ricard
 
Definição do Projeto de Implantação do QSB
Definição do Projeto de Implantação do QSBDefinição do Projeto de Implantação do QSB
Definição do Projeto de Implantação do QSBRogério Souza
 
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville minastestingconference
 
Prodemge gts - implantação de fábrica de testes - conip 2012 - apresentação...
Prodemge   gts - implantação de fábrica de testes - conip 2012 - apresentação...Prodemge   gts - implantação de fábrica de testes - conip 2012 - apresentação...
Prodemge gts - implantação de fábrica de testes - conip 2012 - apresentação...Welington Monteiro
 
Técnicas de modelagem de teste (parte 2)
Técnicas de modelagem de teste (parte 2)Técnicas de modelagem de teste (parte 2)
Técnicas de modelagem de teste (parte 2)Fabrício Campos
 
Planejamento Avançado da Qualidade do Produto Item 7.3 e
Planejamento Avançado da Qualidade do Produto Item 7.3 ePlanejamento Avançado da Qualidade do Produto Item 7.3 e
Planejamento Avançado da Qualidade do Produto Item 7.3 eRogério Souza
 
Cronograma de Atividades para Implantação do QSB
Cronograma de Atividades para Implantação do QSBCronograma de Atividades para Implantação do QSB
Cronograma de Atividades para Implantação do QSBRogério Souza
 
Template para plano de gerenciamento da qualidade
Template para plano de gerenciamento da qualidadeTemplate para plano de gerenciamento da qualidade
Template para plano de gerenciamento da qualidadeDiego Minho
 
Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCI
Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCIIndicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCI
Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCIAbilio Cardoso Teixeira
 
Como integrar um Agile Tester no seu time
Como integrar um Agile Tester no seu timeComo integrar um Agile Tester no seu time
Como integrar um Agile Tester no seu timeElias Nogueira
 
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa CertificadaQualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa CertificadaVinicius_Nunes
 

Destaque (20)

Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 
Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06   qs - garantia da qualidade de swAula 06   qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
 
Introdução a Qualidade de Software
Introdução a Qualidade de SoftwareIntrodução a Qualidade de Software
Introdução a Qualidade de Software
 
Roteiro proposta do projeto
Roteiro proposta do projetoRoteiro proposta do projeto
Roteiro proposta do projeto
 
Livro curso de hacker para iniciantes cap 2
Livro curso de hacker para iniciantes cap 2Livro curso de hacker para iniciantes cap 2
Livro curso de hacker para iniciantes cap 2
 
Definição do Projeto de Implantação do QSB
Definição do Projeto de Implantação do QSBDefinição do Projeto de Implantação do QSB
Definição do Projeto de Implantação do QSB
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
 
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
A Importância dos Sistemas de Qualidade para o Desenvolvimento de Software da...
 
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
Implantação de um Processo de Teste de Software - Randerson Melville
 
01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade
 
Prodemge gts - implantação de fábrica de testes - conip 2012 - apresentação...
Prodemge   gts - implantação de fábrica de testes - conip 2012 - apresentação...Prodemge   gts - implantação de fábrica de testes - conip 2012 - apresentação...
Prodemge gts - implantação de fábrica de testes - conip 2012 - apresentação...
 
Técnicas de modelagem de teste (parte 2)
Técnicas de modelagem de teste (parte 2)Técnicas de modelagem de teste (parte 2)
Técnicas de modelagem de teste (parte 2)
 
Planejamento Avançado da Qualidade do Produto Item 7.3 e
Planejamento Avançado da Qualidade do Produto Item 7.3 ePlanejamento Avançado da Qualidade do Produto Item 7.3 e
Planejamento Avançado da Qualidade do Produto Item 7.3 e
 
Cronograma de Atividades para Implantação do QSB
Cronograma de Atividades para Implantação do QSBCronograma de Atividades para Implantação do QSB
Cronograma de Atividades para Implantação do QSB
 
Template para plano de gerenciamento da qualidade
Template para plano de gerenciamento da qualidadeTemplate para plano de gerenciamento da qualidade
Template para plano de gerenciamento da qualidade
 
Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCI
Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCIIndicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCI
Indicadores de Qualidade, a Segurança do Doente na UCI
 
Como integrar um Agile Tester no seu time
Como integrar um Agile Tester no seu timeComo integrar um Agile Tester no seu time
Como integrar um Agile Tester no seu time
 
CTFL - BSTQB
CTFL - BSTQBCTFL - BSTQB
CTFL - BSTQB
 
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa CertificadaQualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
 
TCC Com os gráficos
TCC Com os gráficosTCC Com os gráficos
TCC Com os gráficos
 

Semelhante a Qualidade de Software Web

Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile AppAula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile AppCloves da Rocha
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processoPatrícia Melo
 
Pessoas, Processos e Ferramentas para o sucesso da Avaliação de Governança
Pessoas, Processos e Ferramentas para o sucesso da Avaliação de GovernançaPessoas, Processos e Ferramentas para o sucesso da Avaliação de Governança
Pessoas, Processos e Ferramentas para o sucesso da Avaliação de GovernançaBlue Hawk - B&IT Management
 
Projeto de pesquisa apresentação
Projeto de pesquisa   apresentaçãoProjeto de pesquisa   apresentação
Projeto de pesquisa apresentaçãoEduardo Rodriguez
 
Administração mercadológica análise matriz qfd simplificada
Administração mercadológica   análise matriz qfd simplificadaAdministração mercadológica   análise matriz qfd simplificada
Administração mercadológica análise matriz qfd simplificadaivanjacomassi
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducaolicardino
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxRoberto Nunes
 
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software Cloves da Rocha
 
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...Marcelo Schumacher
 
Análise e Design Orientado a Objetos.ppt
Análise e Design Orientado a Objetos.pptAnálise e Design Orientado a Objetos.ppt
Análise e Design Orientado a Objetos.pptTzveDyor
 
Projeto de Gerenciamento De Qualidade.pdf
Projeto de Gerenciamento De Qualidade.pdfProjeto de Gerenciamento De Qualidade.pdf
Projeto de Gerenciamento De Qualidade.pdfRicardo44612
 
Engenharia Requisitos - Aula4 06 03 2006
Engenharia Requisitos - Aula4 06 03 2006Engenharia Requisitos - Aula4 06 03 2006
Engenharia Requisitos - Aula4 06 03 2006Luís Fernando Richter
 
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
Metodologia  de desenvolvimento de sistemasMetodologia  de desenvolvimento de sistemas
Metodologia de desenvolvimento de sistemasPriscila Stuani
 
Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: In...
Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: In...Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: In...
Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: In...Rio Info
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptxRoberto Nunes
 

Semelhante a Qualidade de Software Web (20)

Aula Gestão de Projetos
Aula Gestão de ProjetosAula Gestão de Projetos
Aula Gestão de Projetos
 
Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile AppAula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
 
Ciclo de vida processo
Ciclo de vida processoCiclo de vida processo
Ciclo de vida processo
 
Qualidade do Software
Qualidade do SoftwareQualidade do Software
Qualidade do Software
 
Pessoas, Processos e Ferramentas para o sucesso da Avaliação de Governança
Pessoas, Processos e Ferramentas para o sucesso da Avaliação de GovernançaPessoas, Processos e Ferramentas para o sucesso da Avaliação de Governança
Pessoas, Processos e Ferramentas para o sucesso da Avaliação de Governança
 
Projeto de pesquisa apresentação
Projeto de pesquisa   apresentaçãoProjeto de pesquisa   apresentação
Projeto de pesquisa apresentação
 
Administração mercadológica análise matriz qfd simplificada
Administração mercadológica   análise matriz qfd simplificadaAdministração mercadológica   análise matriz qfd simplificada
Administração mercadológica análise matriz qfd simplificada
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
 
Apresentação RUP
Apresentação RUPApresentação RUP
Apresentação RUP
 
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
 
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
Gerenciamento de Requisitos como Alternativa de Otimização na Manutenção de S...
 
Rastreabilidade de Requisitos
Rastreabilidade de RequisitosRastreabilidade de Requisitos
Rastreabilidade de Requisitos
 
Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
 
Análise e Design Orientado a Objetos.ppt
Análise e Design Orientado a Objetos.pptAnálise e Design Orientado a Objetos.ppt
Análise e Design Orientado a Objetos.ppt
 
Projeto de Gerenciamento De Qualidade.pdf
Projeto de Gerenciamento De Qualidade.pdfProjeto de Gerenciamento De Qualidade.pdf
Projeto de Gerenciamento De Qualidade.pdf
 
Engenharia Requisitos - Aula4 06 03 2006
Engenharia Requisitos - Aula4 06 03 2006Engenharia Requisitos - Aula4 06 03 2006
Engenharia Requisitos - Aula4 06 03 2006
 
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
Metodologia  de desenvolvimento de sistemasMetodologia  de desenvolvimento de sistemas
Metodologia de desenvolvimento de sistemas
 
Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: In...
Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: In...Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: In...
Encontro sobre Produtividade, inovação e qualidade - Iso 29110 x iso 9001: In...
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
 

Mais de Adilmar Dantas

APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...Adilmar Dantas
 
Programação Android Phonegap 1
Programação Android Phonegap 1Programação Android Phonegap 1
Programação Android Phonegap 1Adilmar Dantas
 
Potenciação Divide and Conquer
Potenciação Divide and ConquerPotenciação Divide and Conquer
Potenciação Divide and ConquerAdilmar Dantas
 
Cinta de expansão torácica utilizando Arduino aplicado na fisioterapia respir...
Cinta de expansão torácica utilizando Arduino aplicado na fisioterapia respir...Cinta de expansão torácica utilizando Arduino aplicado na fisioterapia respir...
Cinta de expansão torácica utilizando Arduino aplicado na fisioterapia respir...Adilmar Dantas
 
Análise de Técnicas Computacionais para Classificação de Emoções
Análise de Técnicas Computacionais para Classificação de EmoçõesAnálise de Técnicas Computacionais para Classificação de Emoções
Análise de Técnicas Computacionais para Classificação de EmoçõesAdilmar Dantas
 
Reconhecimento Automático de Emoções
Reconhecimento Automático de EmoçõesReconhecimento Automático de Emoções
Reconhecimento Automático de EmoçõesAdilmar Dantas
 
Reconhecimento automático de emoções
Reconhecimento automático de emoçõesReconhecimento automático de emoções
Reconhecimento automático de emoçõesAdilmar Dantas
 
Detecção de Faces - Redes Neurais *MLP
Detecção de Faces - Redes Neurais *MLPDetecção de Faces - Redes Neurais *MLP
Detecção de Faces - Redes Neurais *MLPAdilmar Dantas
 
Rede Neural MLP para reconhecimento de Faces
Rede Neural MLP para reconhecimento de FacesRede Neural MLP para reconhecimento de Faces
Rede Neural MLP para reconhecimento de FacesAdilmar Dantas
 
ALgoritmo Genético - Escalonamento
ALgoritmo Genético - EscalonamentoALgoritmo Genético - Escalonamento
ALgoritmo Genético - EscalonamentoAdilmar Dantas
 
BIODATA: SOFTWARE WEB PARA GERENCIAMENTO DE COLETA DE DADOS BIOMÉDICOS
BIODATA: SOFTWARE WEB PARA GERENCIAMENTO DE COLETA DE DADOS BIOMÉDICOSBIODATA: SOFTWARE WEB PARA GERENCIAMENTO DE COLETA DE DADOS BIOMÉDICOS
BIODATA: SOFTWARE WEB PARA GERENCIAMENTO DE COLETA DE DADOS BIOMÉDICOSAdilmar Dantas
 
Alinhamento de Sequencia DNA
Alinhamento de Sequencia DNAAlinhamento de Sequencia DNA
Alinhamento de Sequencia DNAAdilmar Dantas
 
3ª maratona de games – facom ufu
3ª maratona de games – facom  ufu3ª maratona de games – facom  ufu
3ª maratona de games – facom ufuAdilmar Dantas
 
Monitor Cardíaco usando Arduino
Monitor Cardíaco usando Arduino Monitor Cardíaco usando Arduino
Monitor Cardíaco usando Arduino Adilmar Dantas
 
Algoritmo clique maximo - Analise de Algoritmos
Algoritmo clique maximo  - Analise de AlgoritmosAlgoritmo clique maximo  - Analise de Algoritmos
Algoritmo clique maximo - Analise de AlgoritmosAdilmar Dantas
 
TCC: WebLab Laboratório de Experimentação Remota
TCC: WebLab Laboratório de Experimentação RemotaTCC: WebLab Laboratório de Experimentação Remota
TCC: WebLab Laboratório de Experimentação RemotaAdilmar Dantas
 
Engenharia de software testes
Engenharia de software  testesEngenharia de software  testes
Engenharia de software testesAdilmar Dantas
 

Mais de Adilmar Dantas (20)

Querying nosql stores
Querying nosql storesQuerying nosql stores
Querying nosql stores
 
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
 
Programação Android Phonegap 1
Programação Android Phonegap 1Programação Android Phonegap 1
Programação Android Phonegap 1
 
Potenciação Divide and Conquer
Potenciação Divide and ConquerPotenciação Divide and Conquer
Potenciação Divide and Conquer
 
Cinta de expansão torácica utilizando Arduino aplicado na fisioterapia respir...
Cinta de expansão torácica utilizando Arduino aplicado na fisioterapia respir...Cinta de expansão torácica utilizando Arduino aplicado na fisioterapia respir...
Cinta de expansão torácica utilizando Arduino aplicado na fisioterapia respir...
 
Análise de Técnicas Computacionais para Classificação de Emoções
Análise de Técnicas Computacionais para Classificação de EmoçõesAnálise de Técnicas Computacionais para Classificação de Emoções
Análise de Técnicas Computacionais para Classificação de Emoções
 
Reconhecimento Automático de Emoções
Reconhecimento Automático de EmoçõesReconhecimento Automático de Emoções
Reconhecimento Automático de Emoções
 
Reconhecimento automático de emoções
Reconhecimento automático de emoçõesReconhecimento automático de emoções
Reconhecimento automático de emoções
 
Detecção de Faces - Redes Neurais *MLP
Detecção de Faces - Redes Neurais *MLPDetecção de Faces - Redes Neurais *MLP
Detecção de Faces - Redes Neurais *MLP
 
Rede Neural MLP para reconhecimento de Faces
Rede Neural MLP para reconhecimento de FacesRede Neural MLP para reconhecimento de Faces
Rede Neural MLP para reconhecimento de Faces
 
ALgoritmo Genético - Escalonamento
ALgoritmo Genético - EscalonamentoALgoritmo Genético - Escalonamento
ALgoritmo Genético - Escalonamento
 
BIODATA: SOFTWARE WEB PARA GERENCIAMENTO DE COLETA DE DADOS BIOMÉDICOS
BIODATA: SOFTWARE WEB PARA GERENCIAMENTO DE COLETA DE DADOS BIOMÉDICOSBIODATA: SOFTWARE WEB PARA GERENCIAMENTO DE COLETA DE DADOS BIOMÉDICOS
BIODATA: SOFTWARE WEB PARA GERENCIAMENTO DE COLETA DE DADOS BIOMÉDICOS
 
Alinhamento de Sequencia DNA
Alinhamento de Sequencia DNAAlinhamento de Sequencia DNA
Alinhamento de Sequencia DNA
 
3ª maratona de games – facom ufu
3ª maratona de games – facom  ufu3ª maratona de games – facom  ufu
3ª maratona de games – facom ufu
 
Monitor Cardíaco usando Arduino
Monitor Cardíaco usando Arduino Monitor Cardíaco usando Arduino
Monitor Cardíaco usando Arduino
 
Algoritmo clique maximo - Analise de Algoritmos
Algoritmo clique maximo  - Analise de AlgoritmosAlgoritmo clique maximo  - Analise de Algoritmos
Algoritmo clique maximo - Analise de Algoritmos
 
Servidores Web
Servidores WebServidores Web
Servidores Web
 
TCC: WebLab Laboratório de Experimentação Remota
TCC: WebLab Laboratório de Experimentação RemotaTCC: WebLab Laboratório de Experimentação Remota
TCC: WebLab Laboratório de Experimentação Remota
 
Weblab TCC
Weblab TCCWeblab TCC
Weblab TCC
 
Engenharia de software testes
Engenharia de software  testesEngenharia de software  testes
Engenharia de software testes
 

Último

ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfInocencioHoracio3
 

Último (8)

ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 

Qualidade de Software Web

  • 1. Engenharia de Software II MEDIÇÃO DA QUALIDADE DE APLICAÇÕES WEB NA FASE DE REQUISITOS
  • 2. Resumo • O artigo estudado tem como objetivo propor uma metodologia de avaliação de qualidade de aplicações Web ainda na fase de desenvolvimento. • Tendo em vista o conhecimento do domínio da aplicação, algumas funcionalidades e atributos ausentes no projeto inicial podem ser recomendados, contribuindo para a melhoria do produto.
  • 3. Introdução • Desenvolvimento web difundido • Aplicações variadas • Níveis de complexidade distintos • Modelos de desenvolvimento ( não são seguidos ) • A Metodologia foi desenvolvida com o propósito de ser uma estratégia eficaz para avaliar e analisar a qualidade de sites e aplicaçõesWeb em geral.
  • 4. Requisitos Iniciais • Deve-se ter um documento de requisitos bem elaborado para que se possa ser aplicado. • “Definir a qualidade de um software para um sistema é equivalente a definir uma lista e atributos de qualidade de software requeridos por este sistema” • “Para medir atributos de qualidade de software se deve identificar um conjunto apropriado de métricas” .
  • 5. Metodologia • A metodologia proposta recebe como entrada um documento de requisitos e produz como saída a avaliação do futuro produto, espelho daquele documento. • Esta metodologia antecipa a avaliação da qualidade de um projeto Web para a sua fase de requisitos. Logo, com o seu uso, temos o benefício de descobrir erros numa fase inicial do processo de desenvolvimento.
  • 6. Metodologia • Para sua aplicação, é necessário seguir cinco passos: representação das características e atributos de qualidade; especificação descritiva da árvore de características e atributos de qualidade; associação de pesos aos atributos; associação de notas aos atributos; cálculo geral (média ponderada).
  • 8. Layout do passos a serem seguidos PASSO 1 • Representação das características e atributos de qualidade: modelos de qualidade PASSO 2 • Especificação descritiva da árvore de características e atributos de qualidade PASSO 3 • Associar pesos aos atributos PASSO 4 • Associar notas aos atributos PASSO 5 • Cálculo geral (média ponderada)
  • 9. Passo (1) • É preciso confeccionar a árvore de características e atributos de qualidade conforme o domínio e o perfil do usuário selecionado.
  • 10. Passo (2) • A título de documentação, para cada característica, sub-característica ou atributo, deve ser preenchida planilhas de informações
  • 11. Passo (3) • Obviamente que os atributos possuem importâncias variadas, onde uns são mais relevantes do que outros. Deve-se associar a cada atributo um peso entre 0(zero) e 10(dez).Quanto mais importante for o atributo para a qualidade do sistema, maior deverá ser seu peso. Se uma característica é decomposta em sub-características, a soma de todos os pesos dessas subcaracterísticas deve ser 10(dez). Da mesma forma, se uma sub-característica é decomposta em atributos, o somatório dos pesos desses atributos deve ser igual a 10(dez).
  • 12. Passo (4) • Associar nota 0 (zero), 5 (cinco) ou 10 (dez) a cada folha da árvore, dependendo do seu grau de cumprimento com o documento de requisitos. Caso não esteja previsto deverá ser atribuída nota zero. Neste caso, o atributo ausente deverá ser anotado na seção de recomendações, para que seja analisado posteriormente o por quê da sua falta. Se o documento de requisitos abordar de forma parcial a nota daquele atributo deverá ser cinco, e se estiver completamente especificado dez.
  • 13. Passo (5) • Após o cálculo da nota de cada atributo, esta deve ser multiplicada pelo seu peso e adicionada entre os atributos do mesmo nível que resultará na nota da sub-característica. Essa por sua vez deverá ser multiplica pelo seu peso e adicionada com o resultado das sub- características do mesmo nível, resultando na nota da característica em questão
  • 15. Útil para empresas de desenvolvimento web Permite analise da relação custo-benefício Maior qualidade de documentação Melhor avaliação dos requisito Deve-se criar ferramentas capazes de fazer essas métricas a partir da documentação.
  • 16. Engenharia de Software II UMA ABORDAGEM DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE APLICAÇÕES WEB
  • 17. Introdução • Qualidade é definida pela norma NBR ISO 8402 como a totalidade das características de uma entidade que lhe confere a capacidade de satisfazer às necessidades explícitas e implícitas. • Este artigo descreve as normas de avaliação de qualidade de software para produto e pacotes de software, apresenta algumas propostas na literatura para avaliação de aplicaçõesWeb
  • 18. Introdução • Web é um ambiente complexo e, consequentemente, a avaliação de produtos de software Web é uma tarefa difícil dado o conjunto de características e particularidades envolvidas. Essa dificuldade se deve também, em parte, ao fato de que Web deixou de ser ‘orientada a documentos’ para ser ‘orientada a aplicações’, podendo ter diferentes objetivos
  • 19.
  • 20. Desenvolvimento • Podemos fazer uma avaliação, baseando-se num produto de software pronto, usando as características acima para avaliá-lo e pontuá-lo. Mas também podemos avaliar as fases de desenvolvimento de um site Web e assim apoiar o processo de desenvolvimento. Definir o Produto a ser avaliado Identificar os atributos relevantes dentro da lista proposta no item anterior e incorporar ao formulário de identificação dos Requisitos de Qualidade. Definir a relevância. Os atributos relacionados à qualidade externa do produto são apresentados aos usuários ou clientes que identificarão o grau de importância desses para o siteWeb. A avaliação é feita pela aplicação de um formulário
  • 21. Desenvolvimento Um teste ou demonstração do SiteWeb que pode ser realizado com ou sem a Participação dos Desenvolvedores do mesmo. Sendo o formulário preenchido por usuários ou gerentes do siteWeb. Uma visita informal ao site Web feita pelo público alvo munido do formulário de avaliação. Neste caso é importante que o formulário seja bem explícito em relação às características que o usuário terá que pontuar, ou seja, ele terá mais explicações à cerca das características que o usuário estará pontuando.
  • 22.
  • 24. • Bastante útil para retratar a realidade da aplicação avaliada necessita de correções, e deve ser aprimorada, principalmente, em relação ao conjunto de atributos e o aprimoramento do questionário. • Possibilita correções de usabilidade colaborando com a manutenção dos sistemas web.