Fogo

4.394 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.394
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
236
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fogo

  1. 1. Fogo
  2. 2. O que é FOGO?Desenvolvimento simultâneo de calor e luz, que é produto dacombustão de materiais inflamáveis.É a reação química entre o combustível e oxigênio do ar(comburente), face a uma fonte de calor.Triângulo da Combustão“- para que haja fogo é necessário queexistam três elementos essenciais da combustão,-  Combustível-  Calor-  Oxigênio comburenteSe suprimirmos desse triângulo, um dos seus lados, eliminaremoso fogo. Três formas de eliminar o fogo: De 0 a 8% de O2 não ocorrea) Resfriamento: Quando se retira o calor; De 8 a 13% de O2 lentab) Abafamento: Quando se retira o comburente; De 13 a 21% de O2 vivac) Isolamento: Quando se retira o combustível.
  3. 3. Classes de IncêndioClasse A Compreende os incêndios em corpos de fácil combustão, com a propriedade de queimarem em sua superfície e profundidade, e que deixam resíduos, como: tecidos, papel, madeira, fibras, etc. Necessitam para a sua extinção, o efeito de resfriamento: a água ou solução que a contenha em grande porcentagem.
  4. 4. Classes de IncêndioClasse B São os incêndios em materiais inflamáveis, ou seja, produtos que queimam somente em sua superfície, não deixando resíduos, como os líquidos petrolíferos e outros líquidos inflamáveis (óleo, graxas, tintas, vernizes, etc.). Para sua extinção, usa-se o sistema de abafamento (extintor de espuma).
  5. 5. Classes de IncêndioClasse C Compreende os incêndios em equipamentos elétricos que oferecem riscos ao operador, como motores, transformadores, quadros de distribuição, fios, etc. Exige-se, para a sua extinção, um meio não condutor de energia elétrica (extintor de CO2).
  6. 6. Classes de IncêndioClasse D Compreende os incêndios ocasionados por elementos pirofosfóricos, como magnésio, zircônio, titânio, dentre outros.
  7. 7. EQUIPAMENTO PARA CONTROLAR INCÊNDIO•Ter a disposição extintores de incêndio para produtos químicos(extintores PQS de pó), eletricidade (extintores a gás CO2) e parapapéis (extintores de água comprimida).•Instituições que utilizam muito equipamento elétrico deve-se ter maiornúmero de extintores para eletricidade enquanto em instituições quecontenham muitos produtos químicos deve haver muitos extintoresPQS. Os dois podem ser utilizado em ambos os casos mas com menoseficiência.•Os extintores com a carga válida e a disposição no corredor acessívela todos. Em locais com maior periculosidade que haja uma extintor acada 10m, e dentro de laboratórios que contenham muitos solventes ouequipamentos elétricos.•Deve haver a disposição mangueiras com seus respectivos engates,testadas periodicamente.•Brigada de incêndio.
  8. 8. Mangueiras Abra a "caixa de incêndio".• • Segure o "bico" (esguicho) da mangueira retirando-o da "caixa de incêndio". Abra então o registro. Após esticar bem a mangueira, dirija o jato de água para a base do fogo.
  9. 9. Extintor de Água (H2O) A água é o agente extintor de uso mais comum e é um extintor muito usado por ser encontrado em abundância. Age por resfriamento, quando aplicada sob a forma de jato sólido, neblina nos incêndios de Classe A ou vapor, é difícil extinguir o fogo em líquidos inflamáveis com água por ser ela mais pesada que eles. É boa condutora de energia elétrica, o que a torna extremamente perigosa nos incêndios de Classe C. Tem capacidade variável entre 10 e 18 litros.
  10. 10.  Retirar o pino de segurança. Empurrar a mangueira e apertar o gatilho, dirigindo o jato para a base do fogo. Só usar em madeira, papel, fibras, plásticos e similares. Não usar em equipamento elétrico
  11. 11. Extintor de Espuma (ES)Existem dois tipos:.• Espuma química (formada por bolhas e CO2)é produzida juntando-se soluções aquosas de sulfato de alumínio e bicarbonato de sódio (com alcaçuz, como estabilizador). Sua razão média de expansão é de 1:10.• Espuma mecânica (formada por bolhas de ar) é produzida pelo batimento mecânico de água com extrato proteínico. Sua razão de expansão é de 1:6. A espuma mecânica de alta expansão chega a 1:1000. Agente extintor empregado no combate a incêndio da classe "B" (líquidos inflamáveis). Deve ser aplicada contra um anteparo - cobrir lentamente a superfície da área incendiada.Tanto a espuma química como a mecânica têm dupla ação. Agem por resfriamento, devido a água e por abafamento, devido a própria espuma. Portanto, são úteis nos incêndios de Classe A e B. A espuma é condutora de eletricidade. Também não é considerada agente adequado para incêndios que envolvam gases de petróleo.
  12. 12. Inverter o aparelho; o jatodisparará automaticamente esó cessará quando a cargaestiver esgotada.Não usar em equipamentoselétricos.
  13. 13. Extintor de Gás (CO2) Gás insípido, inodoro, incolor, inerte e não condutor de eletricidade. Pesa cerca de 1,5 vezes mais do que o ar atmosférico e é armazenado, sob a pressão de 850 libras, em tubos de aço. As unidades de tipo maior de 60 a 150 Kg devem ser montadas sobre rodas. É o agente extintor mais indicado para dar combate a incêndio em equipamentos elétricos energizados. Sendo um gás inerte, não é inflamável, nem bom condutor de eletricidade. É eficiente também nos incêndios de Classes B. Não dá bons resultados nos de Classe A. O gás carbônico, como agente extintor, tem, poucas restrições, não devendo ser utilizado sobre superfícies quentes e brasas, materiais contendo oxigênio e metais pirofosfóricos. Quando aplicado sobre os incêndios, age por abafamento, suprimindo e isolando o oxigênio do ar.
  14. 14. Retirar o pino de segurançaquebrando o lacre. Acionar aválvula dirigindo o jato para abase do fogo. Pode ser usadoem qualquer tipo de incêndio.
  15. 15. Extintor de Pó Químico Seco (Pó)O pó químico comum é fabricado com 95% de bicarbonato de sódio, micropulverizado e 5% de estearato de potássio, de magnésio e outros, para melhorar sua fluidez e torná-lo repelente à umidade e ao empedramento. Age por abafamento e, segundo teorias mais modernas, age por interrupção da reação em cadeia de combustão, motivo pelo qual é o agente mais eficiente para incêndios de Classe B.Os produtos químicos secos são agentes extintores indicados para dar combate eficiente a incêndios que envolvam líquidos inflamáveis. Podem ser utilizados naqueles ocorridos em equipamentos elétricos energizados (fogo de Classe C), pois são maus condutores de eletricidade. Contudo, deve-se evitá-lo em equipamentos eletrônicos onde, aliás, o CO2 é mais indicado. Não dá bons resultados nos incêndios de Classe A.O efeito do agente químico seco não é prolongado, caso exista no local fonte de reignição, como, por exemplo, superfícies metálicas aquecidas, o incêndio poderá ser reativado.Não deve ser usado em painéis de relés e contatos elétricos, como centrais telefônicas, computadores, etc.
  16. 16. -  Retiraro pino de segurança.-  Empunhar a pistola difusora.-  Atacar o fogo acionando ogatilho.-  Pode ser usado em qualquer tipode incêndio.  *Utilizar o pó químico emmateriais eletrônicos, somente emúltimo caso
  17. 17.   Só devem ser utilizados extintores de incêndio que obedeçam às normas brasileiras ou regulamentos técnicos do Instituto Nacional de Metrologia, Normatização e Qualidade Industrial - INMETRO.  Cada extintor deve ser inspecionado visualmente a cada mês, examinando-se o aspecto externo, lacres, manômetros quando for do tipo pressurizado e verificando se o bico e as válvulas de alívio não estão entupidos.  Devem possuir uma etiqueta de identificação presa ao seu corpo, com data em que foi carregado, data para recarga e número de identificação. Esta etiqueta deve ser protegida a fim de evitar que seus dados se danifiquem. Os cilindros dos extintores de pressão injetada devem ser pesados semestralmente. Se a perda de peso for além de 10% do peso original, deverá ser providenciada a sua recarga. O extintor de espuma deve ser recarregado anualmente.
  18. 18.  Os extintores devem ser colocados em locais de fácil visualização, de fácil acesso e onde haja menos probabilidade do fogo bloquear o seu acesso. Os locais destinados aos extintores devem ser assinalados por um círculo vermelho ou por uma seta larga, vermelha com bordas amarelas. O local no piso onde está localizado o extintor deve ser pintado de vermelho, não podendo ser obstruído de forma nenhuma. Esta área deve ter no mínimo 1,0 metro x 1,0 metro. Não devem ter sua parte superior a mais de 1,60 metros acima do piso e nem podem estar localizados nas paredes de escadas. Iremos lhe fornecer informações de como utilizar corretamente os extintores de incêndio e em quais "tipos" de incêndio determinado extintor poderá ser utilizado.
  19. 19. CUIDADOS PARA EVITAR INCÊNDIOS•Bom estado dos quadros e da rede elétrica•Uso adequado das tomadas conforme recomendações•Bujões de gás devem ser armazenados em local bem ventilado fora do prédio.Tolera-se o uso de bujões de até 13 kg no prédio em áreas seguras.•Cuidado em não armazenar solventes químicos próximos a fornos, estufas elocais aquecidos.•Presença de vigilantes, câmeras de vigilância ou preferencialmente sensoresde incêndio e/ou instalações de “sprinkler” em todos os corredores.•Os laboratórios devem ser fechados adequadamente, porém, permitindo oacesso em casos de emergência, visto que o incêndio se alastra e podeameaçar a Instituição.
  20. 20. COMO PROCEDER EM CASO DE INCÊNDIO1)Informar os laboratórios vizinhos que, por sua vez, devem chamar a brigadade incêndio.2) Desligar as chaves elétricas do laboratório. É da responsabilidade de cadachefe de laboratório conhecer o armário e os disjuntores de suasinstalações.3) Procure controlar as chamas com o extintor de incêndio adequado:pressão de água --papelCO2 ----------------- eletricidade ( pode ser utilizado c/ menor eficiência paramaterial químico).PQS ------------ material inflamável (pode ser utilizado c/ eficiênciap/eletricidade).Lembramos que :4) Fechar e remover o bujão de gás, quando possível.5) Remover todos os produtos inflamáveis, quando possível.6) Fechar janelas e portas, quando possível.ATENÇÃO : Vapores podem ser a fonte de explosões e incêndios. Porexemplo, éter, utilizado para anestesiar e sacrificar animais, liberam vaporespotencialmente explosivos. Em laboratórios que costumam guardar carcaças deanimais em formol na geladeira, muitas explosões ocorrem por faíscas geradasdentro da geladeira fechada :
  21. 21. Manual de Normas e Condutas em Bio-Segurança a) A fumaça inalada pode causar problemas graves e até fatais. b)Produtos de laboratório são em muitos casos, inflamáveis e/ou explosivos.Eles podem agravar um incêndio de origem elétrica, tanto ao espalhar aschamas quanto ao provocar ferimentos por estilhaços. c)Incêndios podem ser gerados através de uso inadequado de produtosquímicos. Por exemplo, o calor quando em certas reações químicas(neutralização de ácidos fortes X bases fortes) pode ser suficiente paraprovocar incêndio ou explosão num estoque de inflamáveis. Isto podeacontecer, por exemplo, quando um só incêndio poderá provocar muitosincêndios, com produtos inflamáveis , onde frascos se quebram acidentalmente.Recomenda-se que sejam separados na estocagem.

×