SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
FACULDADE INTEGRAL DIFERENCIAL- FACID – DeVry
BACHARELADO EM MEDICINA- BLOCO I
DISCIPLINA: NEUROANATOMIA
PROFESSOR: MONTE FILHO
Adhonias Moura
Núcleos da Base
T
E
R
E
S
I
N
A
2
0
1
7
.
2
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
CLAUSTRUM
CORPO AMIGDALÓIDE
(AMÍGDALA)
NÚCLEO CAUDADO
PUTÂMEN
GLOBO PÁLIDO
NÚCLEO ACCUMBENS
CORPO ESTRIADO
DORSAL
CORPO ESTRIADO
VENTRAL
NÚCLEO DE MEYNERT
(NUCLEUS BASALIS)
Núcleos da base são massas de
substância cinzenta situadas na base do
telencéfalo.
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Núcleos da base são massas de substância cinzenta
situadas na base do telencéfalo.
CLAUSTRUM
CORPO AMIGDALÓIDE
(AMÍGDALA)
NÚCLEO CAUDADO
PUTÂMEN
GLOBO PÁLIDO
NÚCLEO ACCUMBENS
CORPO ESTRIADO
DORSAL
CORPO ESTRIADO
VENTRAL
NÚCLEO DE MEYNERT
(NUCLEUS BASALIS)
Núcleo Lentiforme: (Putâmen e Globo Pálido).
Regulação de movimentos enviando mensagens
motoras vindas do Núcleo Caudado ao Tálamo.
Núcleo Caudado: Processo de memória e
aprendizagem.
Amígdala: Alarme cerebral. “Luta ou Fuga”.
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Núcleos da base são massas de substância cinzenta
situadas na base do telencéfalo.
CLAUSTRUM
CORPO AMIGDALÓIDE
(AMÍGDALA)
NÚCLEO CAUDADO
PUTÂMEN
GLOBO PÁLIDO
NÚCLEO ACCUMBENS
CORPO ESTRIADO
DORSAL
CORPO ESTRIADO
VENTRAL
NÚCLEO DE MEYNERT
(NUCLEUS BASALIS)
Claustrum: sem função definida.
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Núcleos da base são massas de substância cinzenta
situadas na base do telencéfalo.
CLAUSTRUM
CORPO AMIGDALÓIDE
(AMÍGDALA)
NÚCLEO CAUDADO
PUTÂMEN
GLOBO PÁLIDO
NÚCLEO ACCUMBENS
CORPO ESTRIADO
DORSAL
CORPO ESTRIADO
VENTRAL
NÚCLEO DE MEYNERT
(NUCLEUS BASALIS)
Núcleo Basal de Meynert: Mecanismo de vigília e
de atenção.
Núcleo Accumbens: Via de recompensa, prazer,
instinto maternal. Anterior ao Putâmen, na cabeça do
Núcleo Caudado.
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
2.1 Organização Geral
• Dorsal: Putâmen, Núcleo Caudado e Globo
Pálido.
 Parte neoestriada: Putâmen e Núcleo
Caudado.
 Parte paleoestriada: Globo Pálido.
 Globo Pálido: Fibras vindas do Putâmen e
do Núcleo Caudado.
 Função predominantemente motora.
• Ventral: Núcleo de Meynert e Núcleo
Accumbens.
 Sistema Límbico.
 Regulação do comportamento emocional.
CLAUSTRUM
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
• Circuito Motor: Motricidade Voluntária.
• Circuito Oculomotor: Motricidade Ocular.
• Circuito Pré-frontal Dorsolateral: Controle
cognitivo, memória, planejamento, inibição,
processamento de ideias abstratas.
• Circuito Pré-frontal Orbitofrontal lateral:
Comportamento social, controle inibitório,
empatia e cumprimento de regras sociais.
• Límbico: Controle emocional, aprendizagem e
memória.
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
VIA DIRETA
VIA INDIRETA
A conexão do putâmen se faz diretamente
com o pálido medial e descendente para os
núcleos ventral anterior e ventral lateral do
tálamo de onde se projetam para as
mesmas áreas motoras de origem.
Conexão com o pálido lateral, que, por
sua vez, projeta-se para o núcleo
subtalâmico e deste para o pálido medial.
• Origina-se nas áreas motoras do
córtex e na área somestésica;
• Projeta-se para o putâmen de
maneira somatotópica, ou seja, para
cada região do córtex a uma região
correspondente no poutâmen;
• A partir do putâmen, o circuito
motor pode seguir por duas vias:
direta e indireta.
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Ligado ao circuito motor há um
circuito subsidiário, no qual o
putâmen mantem conexões
recíprocas com a substância
negra.
CIRCUITO SUBSIDIÁRIO
AÇÕES
Importante: As fibras nigroestriatais são
dopaminérgicas e exercem função
modulatória sobre o circuito motor.
Excitatória: via direta
Inibitória: via indireta
Explicação: o fato da dopamina ter duas
ações diferetes é devido existir no putamen
dois tipos de receptores de dopamina: D1
(excitatório) D2 (inibitório).
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
• O papel do corpo estriado no
controle motor pode ser inferido
por meio do estudo de pacientes
com lesões no circuito motor.
• A atividade tônica inibitória das
eferências do pálido medial é um
freio permanente para
movimentos indesejados.
• Núcleos da base têm um papel
na perfuração de programas
motores e execução automática
de programas motores já
aprendidos.
• Não se sabem exatamente
como as vias diretas e indiretas
do circuito motor atuam para o
controle motor.
• Ideia mais aceita: Sinais para
um dado movimento sejam
direcionados por ambas as vias
para a mesma população de
neurônios palidais.
• O comportamento motor normal
depende do equilíbrio entre a
atividade das vias diretas e
indireta.
• Diversas síndromes clínicas
que acometem o corpo estriado
são devidas a alterações desse
equilíbrio.
• Hemibalismo
-Lesão do núcleo subtalâmico
diminui a atividade excitatória
sobre o pálido medial
Diminui o efeito inibidor
sobre os núcleos talâmicos e
as áreas motoras do córtex
Áreas motoras respondem
exageradamente aos comandos
MOVIMENTOS INVOLUNTÁRIOS, DE GRANDE AMPLITUDE E FORTE INTENSIDADE
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Dopamina nas fibras nigroestriatais Cessa a atividade moduladora
sobre as vias motoras direta e
indireta
Inibição dos núcleos talâmicos
• TREMOR de repouso
• RIGIDEZ: hipertonia dos mm.
esqueléticos
• BRADICINESIA: lentidão e
diminuição da atividade motora
espontânea
Atividade do pálido medial
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
• TRATAMENTO:
Diidroxifenilalanina (L-Dopa) Atravessa a barreira hematoencefálica
Se converte em dopamina
Aumento na concentração
de dopamina melhora os
sintomas
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
• Doença autoimune em que há lesão dos núcleos da base:
Comprometimento do circuito
motor
Comprometimento de circuitos
pré-frontais
Movimentos involuntários rápidos
que lembram uma dança Distúrbios neuropsiquiátricos
Hipotonia
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
• Comprometimento dos circuitos pré-frontais
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
SUBSTÂNCIA BRANCA DO CÉREBRO
• Branco medular ou centro semioval
Fibras de
associação
Fibras de
projeção
Ligam o córtex à centros
subcorticais
Intra-
hemisféricas
Inter-
hemisféricas
Ligam áreas corticais
de um mesmo
hemisférios
Ligam áreas corticais
de hemisférios
diferentes
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
CURTAS Fibras arqueadas ou em U
LONGAS
• Fascículo do cíngulo
• Fascículo longitudinal superior
• Fascículo longitudinal inferior
• Fascículo unciforne
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Fascículo do cíngulo: une o
lobo frontal ao temporal
Fascículo longitudinal
inferior: une o lobo occipital
ao temporal
Importante na linguagem
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Fascículo unciforme: liga o
lobo frontal ao temporal
Fascículo longitudinal
superior: liga os lobos
frontal, parietal e occipital
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Comissura do fórnix
Comissura do anterior
Corpo Caloso
Pouco desenvolvida no homem;
Formada por fibras que se dispõem entre as duas
pernas do fórnix;
Fibras estabelecem conexões entre os 2
hipocampos;
Porção olfatória:liga bulbos e tratos olfatórios;
Porção não olfatória: estabelece união entre os
lobos temporais;
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
A maior das comissuras telencefálicas
e,também,o maior feixe de fibras do sistema
nervoso;
Estabelece conexão entre áreas corticais
simétricas dos dois hemisférios,com exceção
daquelas do lobo temporal;
Permite a transferência de conhecimentos e
informações de um hemisfério para
outro,fazendo com que eles funcionem
harmonicamente;
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Liga o hipocampo aos núcleos mamilares do hipotálamo;
Relacionado com a memória;
Grande feixe de fibras que separa o tálamo,medialmente, do núcleo
lentiforme,lateralmete;
Acima do núcleo lentiforme,ela continua com a coroa radiada, abaixo, com
a base do pedúnculo cerebral;
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Por ela passam a maioria das fibras que
entram ou saem do córtex cerebral;
Lesões: AVC(Acidente Vascular Cerebral);
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Perna anterior
Entre a cabeça do núcleo caudado e
do núcleo lentiforme;
Perna posterior
Entre o tálamo e o núcleo lentiforme;
Perna posterior
Ângulo entre essas 2 partes
Divide-se em 3 partes
É a fina camada de substância cinzenta que reveste o
centro branco medular do cérebro;
Ao Córtex chegam impulsos provenientes de todas as
vias de sensibilidade;
Dele, saem os impulsos
nervosos que iniciam e
comandam os movimentos
voluntários e que estão
relacionados, também,com os
fenômenos psíquicos;
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
 Neurônios, células neuroglias
e fibras;
 Complexo e heterogêneo;
 Isocórtex e Alocórtex
 Camadas do Isocórtex
 Tipos de neurônios:
Células granulares
Células piramidais
Células Fusiformes
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
 Células Granulares:
 Dendritos se ramificam próximo
ao corpo celular;
 Principais por serem
interneurônios;
 Recebem as informações que
chegam ao córtex;
 Células Piramidais:
 Cél. de Betz (área motora perto
do giro pré-central);
 Dendrito apical ;
 Dendrito basal;
 Células Fusiformes
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
 As fibras se classificam em:
 Fibras de projeção:
Aferentes:
Origem extratalâmica
(monoaminérgica e colinérgicas)
Origem talâmica
Eferentes:
Camada V
 Fibras de associação:
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
O córtex cerebral não é homogêneo em toda sua extensão
Permite individualização de áreas
Divididas seguindo critérios
Anatômicos
Citoarquiteturais
Filogenéticos
Funcionais
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
• Baseada na divisão do cérebro em sulcos,
giros e lobos;
• A fragmentação em lobos não corresponde
a uma divisão funcional ou estrutural;
• Em um mesmo lobo temos áreas corticais
de função e estruturas distintas;
• Com exceção do lobo occipital que é
considerada uma das principais áreas
corticais da visão;
• A divisão anatômica é mais usual na
prática medica
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
• A divisão mais aceita é a de Brodmann;
• Segundo Brodmann, existem 52 áreas
designadas por números;
• As áreas de Brodmann são amplamente
utilizadas na clínica e na pesquisa médica;
• Atualmente, algumas dessas áreas foram
subdivididas;
• As diversas áreas corticais podem ser
classificadas em grupos maiores com suas
características comuns ;
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
ISOCÓRTEX
• É o córtex que contém seis camadas nítidas;
• Pelo menos na fase embrionária;
• Neocórtex – 90% do córtex;
Isocórtex Homotípico
• Seis camadas corticais individualizadas;
Isocórtex Heterotípico
• Camadas não são facilmente individualizadas no adulto;
• Estrutura laminar típica, é mascarada pela grande quantidade de células granulares ou piramidais
que invadem II a VI;
Isocórtex Heterotípico Granular
• Áreas sensitivas;
• Enorme quantidade de células granulares;
• Invadem camada de células piramidais III e V
Isocórtex Heterotípico Agranular
• Áreas motoras;
• Diminuição de células granulares;
• Enorme quantidade de células piramidais;
• Invadem áreas II e IV
ALOCÓRTEX
• É o córtex que nunca contém seis camadas;
• Pelo menos na fase embrionária;
• Corresponde áreas antigas:
• Representado por arqui e paleocortex ;
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Arquicortéx
• Hipocampo (memória)
Paleocortéx
• Ocupa o úncus e parte do giro para-hipocampal;
• O sulco rinal separa o Peleocórtex do Neocórtex
Neocortéx
• Todo o resto é neocórtex;
• Arqui e Paleo ocupam áreas antigas do cérebro;
• Neocórtex ocupa áreas recentes do cérebro.
Rinencéfalo (olfação)
Sistema límbico
(emoções)
Hipocampo
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Paul Broca (cirurgião francês)
Fritsch e Hitzig
Áreas
corticais
Projeção
Sensibilidade
Motricidade
Associação
• As áreas corticais não são homogêneas;
• Mapeamento da área motora do córtex – somatotopia das
áreas corticais;
• Localizações funcionais do córtex – entendidas como
especializações funcionais de determinadas áreas;
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
Áreas
corticais
Projeção
Sensibilidade
Motricidade
Associação
• Isocórtex heterotípico do tipo granular
ou agranular;
• Áreas primárias;
• Isocórtex homotípico, sem predominância de
células granulares ou piramidais;
• Fácil individualização das seis camadas
corticais;
• Áreas secundárias – unimodais (relacionado
com as áreas primárias);
• Áreas terciárias – supramodais (atividades
psiquicas superiores);
• Ocupam uma área maior do que as áreas de
projeção no córtex humano.
N
Ú
C
L
E
O
S
D
A
B
A
S
E
MACHADO, A. B.M.; HAERTEL, L. M. Neuroanatomia funcional. 3.ed. São Paulo: Atheneu, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Cleanto Santos Vieira
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesJucie Vasconcelos
 
Tronco encéfalico
Tronco encéfalicoTronco encéfalico
Tronco encéfalicoMariaheht
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularMedresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularJucie Vasconcelos
 
Fisiologia do sistema nervoso organização funcional
Fisiologia do sistema nervoso   organização funcionalFisiologia do sistema nervoso   organização funcional
Fisiologia do sistema nervoso organização funcionalRaul Tomé
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentesJucie Vasconcelos
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARESJanderson Physios
 
Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesFabiano Reis
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoMauro Cunha Xavier Pinto
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloCaio Maximino
 
Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foaSilvyo Giffoni
 
Introdução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaIntrodução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaCaio Maximino
 
Revisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomia Revisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomia pauloalambert
 

Mais procurados (20)

Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
 
Síndromes medulares
Síndromes medularesSíndromes medulares
Síndromes medulares
 
Tronco encéfalico
Tronco encéfalicoTronco encéfalico
Tronco encéfalico
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularMedresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
 
Fisiologia do sistema nervoso organização funcional
Fisiologia do sistema nervoso   organização funcionalFisiologia do sistema nervoso   organização funcional
Fisiologia do sistema nervoso organização funcional
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
 
Neuroanatomia 20
Neuroanatomia 20Neuroanatomia 20
Neuroanatomia 20
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
 
Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slides
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfalo
 
Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foa
 
Introdução a dor
Introdução a dorIntrodução a dor
Introdução a dor
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Introdução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaIntrodução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomia
 
Revisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomia Revisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomia
 

Semelhante a Núcleos da base

Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerMauro Cunha Xavier Pinto
 
slide anatomia do sistema nervoso pdf para alunos de cursos superiores da ar...
slide anatomia do sistema nervoso pdf  para alunos de cursos superiores da ar...slide anatomia do sistema nervoso pdf  para alunos de cursos superiores da ar...
slide anatomia do sistema nervoso pdf para alunos de cursos superiores da ar...MatsonGomes
 
Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson SaJaMa Jacob
 
Terminacões nervosas not.
Terminacões nervosas not.Terminacões nervosas not.
Terminacões nervosas not.otineto
 
APG 11 - Parkinson e Alzheimer.pdf
APG 11 - Parkinson e Alzheimer.pdfAPG 11 - Parkinson e Alzheimer.pdf
APG 11 - Parkinson e Alzheimer.pdfPedroHenrique720460
 
Noções básicas de psicofarmacologia i
Noções básicas de psicofarmacologia iNoções básicas de psicofarmacologia i
Noções básicas de psicofarmacologia iEducação Ucpel
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema NervosoLuís Rita
 

Semelhante a Núcleos da base (20)

Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Filogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema NervosoFilogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema Nervoso
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
 
slide anatomia do sistema nervoso pdf para alunos de cursos superiores da ar...
slide anatomia do sistema nervoso pdf  para alunos de cursos superiores da ar...slide anatomia do sistema nervoso pdf  para alunos de cursos superiores da ar...
slide anatomia do sistema nervoso pdf para alunos de cursos superiores da ar...
 
Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892
Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892
Tecidonervoso 151025142143-lva1-app6892
 
Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson Movimentos corporais e Doença de parkinson
Movimentos corporais e Doença de parkinson
 
Terminacões nervosas not.
Terminacões nervosas not.Terminacões nervosas not.
Terminacões nervosas not.
 
APG 11 - Parkinson e Alzheimer.pdf
APG 11 - Parkinson e Alzheimer.pdfAPG 11 - Parkinson e Alzheimer.pdf
APG 11 - Parkinson e Alzheimer.pdf
 
CóPia De Sn Central MóDulo 8
CóPia De Sn Central  MóDulo 8CóPia De Sn Central  MóDulo 8
CóPia De Sn Central MóDulo 8
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Noções básicas de psicofarmacologia i
Noções básicas de psicofarmacologia iNoções básicas de psicofarmacologia i
Noções básicas de psicofarmacologia i
 
06 sistema nervoso central-snc
06 sistema nervoso central-snc06 sistema nervoso central-snc
06 sistema nervoso central-snc
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 
Estrutura..
Estrutura..Estrutura..
Estrutura..
 
Aula 4 nervoso.pptx
Aula 4 nervoso.pptxAula 4 nervoso.pptx
Aula 4 nervoso.pptx
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 

Mais de Adhonias Moura

Músculos da face, couro cabeludo e mastigação
Músculos da face, couro cabeludo e mastigaçãoMúsculos da face, couro cabeludo e mastigação
Músculos da face, couro cabeludo e mastigaçãoAdhonias Moura
 
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República VelhaSaúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República VelhaAdhonias Moura
 
Fissura lábio palatina
Fissura lábio palatina Fissura lábio palatina
Fissura lábio palatina Adhonias Moura
 
Métodos Naturais de Contracepção
Métodos Naturais de ContracepçãoMétodos Naturais de Contracepção
Métodos Naturais de ContracepçãoAdhonias Moura
 
Procedimentos de ensino
Procedimentos de ensinoProcedimentos de ensino
Procedimentos de ensinoAdhonias Moura
 
Histéria da enfemagem
Histéria da enfemagemHistéria da enfemagem
Histéria da enfemagemAdhonias Moura
 

Mais de Adhonias Moura (7)

Esteatose Hepática
Esteatose HepáticaEsteatose Hepática
Esteatose Hepática
 
Músculos da face, couro cabeludo e mastigação
Músculos da face, couro cabeludo e mastigaçãoMúsculos da face, couro cabeludo e mastigação
Músculos da face, couro cabeludo e mastigação
 
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República VelhaSaúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
 
Fissura lábio palatina
Fissura lábio palatina Fissura lábio palatina
Fissura lábio palatina
 
Métodos Naturais de Contracepção
Métodos Naturais de ContracepçãoMétodos Naturais de Contracepção
Métodos Naturais de Contracepção
 
Procedimentos de ensino
Procedimentos de ensinoProcedimentos de ensino
Procedimentos de ensino
 
Histéria da enfemagem
Histéria da enfemagemHistéria da enfemagem
Histéria da enfemagem
 

Núcleos da base

  • 1. FACULDADE INTEGRAL DIFERENCIAL- FACID – DeVry BACHARELADO EM MEDICINA- BLOCO I DISCIPLINA: NEUROANATOMIA PROFESSOR: MONTE FILHO Adhonias Moura Núcleos da Base T E R E S I N A 2 0 1 7 . 2
  • 2. N Ú C L E O S D A B A S E CLAUSTRUM CORPO AMIGDALÓIDE (AMÍGDALA) NÚCLEO CAUDADO PUTÂMEN GLOBO PÁLIDO NÚCLEO ACCUMBENS CORPO ESTRIADO DORSAL CORPO ESTRIADO VENTRAL NÚCLEO DE MEYNERT (NUCLEUS BASALIS) Núcleos da base são massas de substância cinzenta situadas na base do telencéfalo.
  • 3. N Ú C L E O S D A B A S E Núcleos da base são massas de substância cinzenta situadas na base do telencéfalo. CLAUSTRUM CORPO AMIGDALÓIDE (AMÍGDALA) NÚCLEO CAUDADO PUTÂMEN GLOBO PÁLIDO NÚCLEO ACCUMBENS CORPO ESTRIADO DORSAL CORPO ESTRIADO VENTRAL NÚCLEO DE MEYNERT (NUCLEUS BASALIS) Núcleo Lentiforme: (Putâmen e Globo Pálido). Regulação de movimentos enviando mensagens motoras vindas do Núcleo Caudado ao Tálamo. Núcleo Caudado: Processo de memória e aprendizagem. Amígdala: Alarme cerebral. “Luta ou Fuga”.
  • 4. N Ú C L E O S D A B A S E Núcleos da base são massas de substância cinzenta situadas na base do telencéfalo. CLAUSTRUM CORPO AMIGDALÓIDE (AMÍGDALA) NÚCLEO CAUDADO PUTÂMEN GLOBO PÁLIDO NÚCLEO ACCUMBENS CORPO ESTRIADO DORSAL CORPO ESTRIADO VENTRAL NÚCLEO DE MEYNERT (NUCLEUS BASALIS) Claustrum: sem função definida.
  • 5. N Ú C L E O S D A B A S E Núcleos da base são massas de substância cinzenta situadas na base do telencéfalo. CLAUSTRUM CORPO AMIGDALÓIDE (AMÍGDALA) NÚCLEO CAUDADO PUTÂMEN GLOBO PÁLIDO NÚCLEO ACCUMBENS CORPO ESTRIADO DORSAL CORPO ESTRIADO VENTRAL NÚCLEO DE MEYNERT (NUCLEUS BASALIS) Núcleo Basal de Meynert: Mecanismo de vigília e de atenção. Núcleo Accumbens: Via de recompensa, prazer, instinto maternal. Anterior ao Putâmen, na cabeça do Núcleo Caudado.
  • 6. N Ú C L E O S D A B A S E 2.1 Organização Geral • Dorsal: Putâmen, Núcleo Caudado e Globo Pálido.  Parte neoestriada: Putâmen e Núcleo Caudado.  Parte paleoestriada: Globo Pálido.  Globo Pálido: Fibras vindas do Putâmen e do Núcleo Caudado.  Função predominantemente motora. • Ventral: Núcleo de Meynert e Núcleo Accumbens.  Sistema Límbico.  Regulação do comportamento emocional. CLAUSTRUM
  • 8. N Ú C L E O S D A B A S E • Circuito Motor: Motricidade Voluntária. • Circuito Oculomotor: Motricidade Ocular. • Circuito Pré-frontal Dorsolateral: Controle cognitivo, memória, planejamento, inibição, processamento de ideias abstratas. • Circuito Pré-frontal Orbitofrontal lateral: Comportamento social, controle inibitório, empatia e cumprimento de regras sociais. • Límbico: Controle emocional, aprendizagem e memória.
  • 9. N Ú C L E O S D A B A S E VIA DIRETA VIA INDIRETA A conexão do putâmen se faz diretamente com o pálido medial e descendente para os núcleos ventral anterior e ventral lateral do tálamo de onde se projetam para as mesmas áreas motoras de origem. Conexão com o pálido lateral, que, por sua vez, projeta-se para o núcleo subtalâmico e deste para o pálido medial. • Origina-se nas áreas motoras do córtex e na área somestésica; • Projeta-se para o putâmen de maneira somatotópica, ou seja, para cada região do córtex a uma região correspondente no poutâmen; • A partir do putâmen, o circuito motor pode seguir por duas vias: direta e indireta.
  • 10. N Ú C L E O S D A B A S E Ligado ao circuito motor há um circuito subsidiário, no qual o putâmen mantem conexões recíprocas com a substância negra. CIRCUITO SUBSIDIÁRIO AÇÕES Importante: As fibras nigroestriatais são dopaminérgicas e exercem função modulatória sobre o circuito motor. Excitatória: via direta Inibitória: via indireta Explicação: o fato da dopamina ter duas ações diferetes é devido existir no putamen dois tipos de receptores de dopamina: D1 (excitatório) D2 (inibitório).
  • 11. N Ú C L E O S D A B A S E • O papel do corpo estriado no controle motor pode ser inferido por meio do estudo de pacientes com lesões no circuito motor. • A atividade tônica inibitória das eferências do pálido medial é um freio permanente para movimentos indesejados. • Núcleos da base têm um papel na perfuração de programas motores e execução automática de programas motores já aprendidos. • Não se sabem exatamente como as vias diretas e indiretas do circuito motor atuam para o controle motor. • Ideia mais aceita: Sinais para um dado movimento sejam direcionados por ambas as vias para a mesma população de neurônios palidais. • O comportamento motor normal depende do equilíbrio entre a atividade das vias diretas e indireta. • Diversas síndromes clínicas que acometem o corpo estriado são devidas a alterações desse equilíbrio.
  • 12. • Hemibalismo -Lesão do núcleo subtalâmico diminui a atividade excitatória sobre o pálido medial Diminui o efeito inibidor sobre os núcleos talâmicos e as áreas motoras do córtex Áreas motoras respondem exageradamente aos comandos MOVIMENTOS INVOLUNTÁRIOS, DE GRANDE AMPLITUDE E FORTE INTENSIDADE N Ú C L E O S D A B A S E
  • 14. Dopamina nas fibras nigroestriatais Cessa a atividade moduladora sobre as vias motoras direta e indireta Inibição dos núcleos talâmicos • TREMOR de repouso • RIGIDEZ: hipertonia dos mm. esqueléticos • BRADICINESIA: lentidão e diminuição da atividade motora espontânea Atividade do pálido medial N Ú C L E O S D A B A S E
  • 15. • TRATAMENTO: Diidroxifenilalanina (L-Dopa) Atravessa a barreira hematoencefálica Se converte em dopamina Aumento na concentração de dopamina melhora os sintomas N Ú C L E O S D A B A S E
  • 16. • Doença autoimune em que há lesão dos núcleos da base: Comprometimento do circuito motor Comprometimento de circuitos pré-frontais Movimentos involuntários rápidos que lembram uma dança Distúrbios neuropsiquiátricos Hipotonia N Ú C L E O S D A B A S E
  • 17. • Comprometimento dos circuitos pré-frontais N Ú C L E O S D A B A S E
  • 18. SUBSTÂNCIA BRANCA DO CÉREBRO • Branco medular ou centro semioval Fibras de associação Fibras de projeção Ligam o córtex à centros subcorticais Intra- hemisféricas Inter- hemisféricas Ligam áreas corticais de um mesmo hemisférios Ligam áreas corticais de hemisférios diferentes N Ú C L E O S D A B A S E
  • 19. CURTAS Fibras arqueadas ou em U LONGAS • Fascículo do cíngulo • Fascículo longitudinal superior • Fascículo longitudinal inferior • Fascículo unciforne N Ú C L E O S D A B A S E
  • 20. Fascículo do cíngulo: une o lobo frontal ao temporal Fascículo longitudinal inferior: une o lobo occipital ao temporal Importante na linguagem N Ú C L E O S D A B A S E
  • 21. Fascículo unciforme: liga o lobo frontal ao temporal Fascículo longitudinal superior: liga os lobos frontal, parietal e occipital N Ú C L E O S D A B A S E
  • 23. Pouco desenvolvida no homem; Formada por fibras que se dispõem entre as duas pernas do fórnix; Fibras estabelecem conexões entre os 2 hipocampos; Porção olfatória:liga bulbos e tratos olfatórios; Porção não olfatória: estabelece união entre os lobos temporais; N Ú C L E O S D A B A S E
  • 24. A maior das comissuras telencefálicas e,também,o maior feixe de fibras do sistema nervoso; Estabelece conexão entre áreas corticais simétricas dos dois hemisférios,com exceção daquelas do lobo temporal; Permite a transferência de conhecimentos e informações de um hemisfério para outro,fazendo com que eles funcionem harmonicamente; N Ú C L E O S D A B A S E
  • 25. Liga o hipocampo aos núcleos mamilares do hipotálamo; Relacionado com a memória; Grande feixe de fibras que separa o tálamo,medialmente, do núcleo lentiforme,lateralmete; Acima do núcleo lentiforme,ela continua com a coroa radiada, abaixo, com a base do pedúnculo cerebral; N Ú C L E O S D A B A S E
  • 26. Por ela passam a maioria das fibras que entram ou saem do córtex cerebral; Lesões: AVC(Acidente Vascular Cerebral); N Ú C L E O S D A B A S E Perna anterior Entre a cabeça do núcleo caudado e do núcleo lentiforme; Perna posterior Entre o tálamo e o núcleo lentiforme; Perna posterior Ângulo entre essas 2 partes Divide-se em 3 partes
  • 27. É a fina camada de substância cinzenta que reveste o centro branco medular do cérebro; Ao Córtex chegam impulsos provenientes de todas as vias de sensibilidade; Dele, saem os impulsos nervosos que iniciam e comandam os movimentos voluntários e que estão relacionados, também,com os fenômenos psíquicos; N Ú C L E O S D A B A S E
  • 28. N Ú C L E O S D A B A S E  Neurônios, células neuroglias e fibras;  Complexo e heterogêneo;  Isocórtex e Alocórtex  Camadas do Isocórtex  Tipos de neurônios: Células granulares Células piramidais Células Fusiformes
  • 29. N Ú C L E O S D A B A S E  Células Granulares:  Dendritos se ramificam próximo ao corpo celular;  Principais por serem interneurônios;  Recebem as informações que chegam ao córtex;  Células Piramidais:  Cél. de Betz (área motora perto do giro pré-central);  Dendrito apical ;  Dendrito basal;  Células Fusiformes
  • 30. N Ú C L E O S D A B A S E  As fibras se classificam em:  Fibras de projeção: Aferentes: Origem extratalâmica (monoaminérgica e colinérgicas) Origem talâmica Eferentes: Camada V  Fibras de associação:
  • 31. N Ú C L E O S D A B A S E O córtex cerebral não é homogêneo em toda sua extensão Permite individualização de áreas Divididas seguindo critérios Anatômicos Citoarquiteturais Filogenéticos Funcionais
  • 32. N Ú C L E O S D A B A S E • Baseada na divisão do cérebro em sulcos, giros e lobos; • A fragmentação em lobos não corresponde a uma divisão funcional ou estrutural; • Em um mesmo lobo temos áreas corticais de função e estruturas distintas; • Com exceção do lobo occipital que é considerada uma das principais áreas corticais da visão; • A divisão anatômica é mais usual na prática medica
  • 33. N Ú C L E O S D A B A S E • A divisão mais aceita é a de Brodmann; • Segundo Brodmann, existem 52 áreas designadas por números; • As áreas de Brodmann são amplamente utilizadas na clínica e na pesquisa médica; • Atualmente, algumas dessas áreas foram subdivididas; • As diversas áreas corticais podem ser classificadas em grupos maiores com suas características comuns ;
  • 35. N Ú C L E O S D A B A S E ISOCÓRTEX • É o córtex que contém seis camadas nítidas; • Pelo menos na fase embrionária; • Neocórtex – 90% do córtex; Isocórtex Homotípico • Seis camadas corticais individualizadas; Isocórtex Heterotípico • Camadas não são facilmente individualizadas no adulto; • Estrutura laminar típica, é mascarada pela grande quantidade de células granulares ou piramidais que invadem II a VI; Isocórtex Heterotípico Granular • Áreas sensitivas; • Enorme quantidade de células granulares; • Invadem camada de células piramidais III e V Isocórtex Heterotípico Agranular • Áreas motoras; • Diminuição de células granulares; • Enorme quantidade de células piramidais; • Invadem áreas II e IV ALOCÓRTEX • É o córtex que nunca contém seis camadas; • Pelo menos na fase embrionária; • Corresponde áreas antigas: • Representado por arqui e paleocortex ;
  • 36. N Ú C L E O S D A B A S E Arquicortéx • Hipocampo (memória) Paleocortéx • Ocupa o úncus e parte do giro para-hipocampal; • O sulco rinal separa o Peleocórtex do Neocórtex Neocortéx • Todo o resto é neocórtex; • Arqui e Paleo ocupam áreas antigas do cérebro; • Neocórtex ocupa áreas recentes do cérebro. Rinencéfalo (olfação) Sistema límbico (emoções) Hipocampo
  • 38. N Ú C L E O S D A B A S E Paul Broca (cirurgião francês) Fritsch e Hitzig Áreas corticais Projeção Sensibilidade Motricidade Associação • As áreas corticais não são homogêneas; • Mapeamento da área motora do córtex – somatotopia das áreas corticais; • Localizações funcionais do córtex – entendidas como especializações funcionais de determinadas áreas;
  • 39. N Ú C L E O S D A B A S E Áreas corticais Projeção Sensibilidade Motricidade Associação • Isocórtex heterotípico do tipo granular ou agranular; • Áreas primárias; • Isocórtex homotípico, sem predominância de células granulares ou piramidais; • Fácil individualização das seis camadas corticais; • Áreas secundárias – unimodais (relacionado com as áreas primárias); • Áreas terciárias – supramodais (atividades psiquicas superiores); • Ocupam uma área maior do que as áreas de projeção no córtex humano.
  • 40.
  • 41. N Ú C L E O S D A B A S E MACHADO, A. B.M.; HAERTEL, L. M. Neuroanatomia funcional. 3.ed. São Paulo: Atheneu, 2006.