SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ –UESPI
FACULCADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS – FACIME
DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER I – BLOCO VI
PROFESSORA: ROSIANE DOS SANTOS
8ª Turma de Enfermagem
Os métodos naturais de contracepção, ou de abstinência periódica, são processos que exigem que a
mulher aprenda quando o período fértil do seu ciclo menstrual começa e termina. Sabendo como
identificar o período fértil, o casal pode aprender a evitar a gravidez. São métodos que requerem a
cooperação de ambos os parceiros.
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
NATURAIS
• Abstinência das relações
sexuais nos períodos férteis;
• Se baseiam no
autoconhecimento da mulher.
• Não são muito seguros;
• Não protegem contra DST’s.
Maior insucesso desses
métodos é registrado no
primeiro ano em que são
utilizados.
• O método de Ogino-Knaus, calendário,
ritmo ou tabela como é mais conhecido;
• Busca encontrar, através de cálculos, o
início e o fim do período fértil;
• O método é indicado para mulheres que
têm o ciclo menstrual absolutamente
regular, pois os espermatozóides
chegam a sobreviver três dias no
aparelho genital da mulher e os óvulos
ficam ali por um dia;
• O método atua como contraceptivo,
assim como pode ajudar a mulher a
engravidar quando desejar.
• O ciclo pode se alterar dependendo de fatores
externos, como alimentação, estresse, atividade
física, doenças e até mudanças de fuso horário;
• Antes de usar esse método com segurança, a
mulher deve registrar o número de dias de cada
ciclo menstrual durante, pelo menos, seis meses;
• Em seguida deve calcular quando ocorrem os dias
férteis.
• Do número total de dias no seu ciclo mais curto, subtraia 18 - Isto identifica o primeiro dia fértil do seu
ciclo.
• Do número total de dias no seu ciclo mais longo, subtraia 11 - Isto identifica o último dia fértil do seu ciclo.
Exemplo: Se o ciclo menstrual variou entre 26 e 32 dias durante o registro:
26 - 18 = 8. A mulher deve evitar relações sexuais sem proteção a partir do dia número 8 de cada ciclo.
32 - 11 = 21. Ela pode ter relações sexuais sem proteção a partir do dia número 21 de cada ciclo.
Vantagens: pode ser usado para evitar ou alcançar
uma gravidez; não apresenta efeitos colaterais
físicos; grátis; aumenta o conhecimento da mulher
sobre o seu sistema reprodutivo; retorno imediato
da fertilidade.
Desvantagens: alta incidência de falha (de 14 a
47%); difícil para algumas mulheres detectar o
período fértil; não protege contra AIDS e doenças
sexualmente transmissíveis (DSTs).
A tabelinha pode requerer, em um ciclo, 16 ou mais dias de abstinência sexual ou o uso de métodos de
barreira, especialmente se a mulher tem ciclos irregulares, isso pode trazer problemas ao casal.
MÉTODO DA TEMPERATURA BASAL
VERIFICAR A TEMPERATURA AO
ACORDAR
Registrar os
resultados num gráfico
Boca
Reto
Vagina
A temperatura da mulher sobe 0,2° a 0,5°C no
período após a ovulação (aproximadamente no
meio do ciclo menstrual, para muitas mulheres).
Sempre verificar essa temperatura com o mesmo
termômetro, na mesma hora, antes de se alimentar e
de fazer algum esforço físico
• O casal deve evitar relações sexuais com
penetração vaginal desde o primeiro dia da
menstruação até depois de três dias que a
temperatura basal tenha subido;
• O casal pode ter relações sexuais (durante
os próximos 10 a 12 dias) até o início da
próxima menstruação.
MUCO CERVICAL
• O muco cervical é um líquido produzido pelo
colo do útero que impede que as bactérias da
região íntima da mulher consigam entrar no
útero, mantendo-o saudável;
• Ajuda o espermatozoide a alcançar o útero
durante o período fértil da mulher.
• Também conhecido como método de Billings;
• Baseia-se na ocorrência de modificações
cíclicas no muco cervical, através das quais as
mulheres podem observar se estão no período
fértil;
• Pesquisar a presença do muco diariamente.
É importante interromper a atividade sexual ao
menor sinal da presença do muco, após o
período de secura vaginal que normalmente
sucede à menstruação
É necessário observar o aumento progressivo do
muco que atinge o pico durante a ovulação,
passando a regredir a partir dela, por ação da
progesterona
• A regra é permanecer em abstinência por no
mínimo três dias a partir do pico;
• Reiniciar a atividade sexual no quarto dia;
• Por ser um método pouco eficiente ele não é
recomendado para mulheres que não tem um
parceiro fixo, ou para aquelas que não querem
engravidar de maneira alguma
Consiste em retirar o pênis da vagina antes da ejaculação
VANTAGENS
Grátis
Não apresenta efeitos
secundários, físicos
ou hormonais
Não são
utilizadas
substancias
químicas
Ajuda a mulher
a conhecer seu
período fértil
DESVANTAGENS
Não protege
contra DSTs
Pode haver presença de
espermatozoides no líquido
pré-ejaculatório (lubrificante)
Insucesso
elevado
Pode funcionar apenas
se a mulher for saudável
O casal identifica os dias férteis e inférteis através de uma combinação dos três métodos: calendário,
monitorização da temperatura corporal basal e exame do muco cervical e outro sintomas
Consistência do
colo do útero
Ingurgitamento
mamário
Dor pélvica
Mudanças de
humor
• A mulher deve manter o registro diário das secreções vaginais, da temperatura basal, e de outros
sintomas, além das datas das menstruações;
• Isso permitirá a ela adquirir experiência na detecção dos sinais da ovulação, tornando o método mais
confiável;
• Além disso, o método do calendário pode ajudar a identificar o início do período fértil. O uso
combinado de todos os sinais pode aumentar a precisão da detecção da ovulação, permitindo
períodos mais curtos de abstinência.
Apesar de serem naturais, não evolverem uso de substancias químicas, hormônios, e serem de
baixo custo, são muito inseguros, não possuem eficácia elevada, requerem um grande
autoconhecimento aliado a regularidade dos ciclos menstruais das mulheres e não garantem
segurança contra a aquisição de DSTs durante as relações sexuais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Planeamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivosPlaneamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivosBESL
 
Metodos contraceptivos naturais
Metodos contraceptivos naturaisMetodos contraceptivos naturais
Metodos contraceptivos naturaiszeopas
 
Métodos contracetivos (espermicidas, DIU e SIU)
Métodos contracetivos (espermicidas, DIU e SIU)Métodos contracetivos (espermicidas, DIU e SIU)
Métodos contracetivos (espermicidas, DIU e SIU)Jessibela
 
Métodos naturais de contracepção
Métodos naturais de contracepçãoMétodos naturais de contracepção
Métodos naturais de contracepçãoluzienne moraes
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivosveronicasilva
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos  ContraceptivosMéTodos  Contraceptivos
MéTodos Contraceptivostiafer96
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivosIsabel Lopes
 
Métodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturaisMétodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturaisP3droLima_
 
Métodos contraceptivos trabalho internato
Métodos contraceptivos   trabalho internatoMétodos contraceptivos   trabalho internato
Métodos contraceptivos trabalho internatoThiago Henrique
 
Sexualidade Humana - palestra
Sexualidade Humana - palestraSexualidade Humana - palestra
Sexualidade Humana - palestraJosy Farias
 
Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério Laís Lucas
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherTania Fonseca
 

Mais procurados (20)

Preservativo
PreservativoPreservativo
Preservativo
 
Planeamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivosPlaneamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivos
 
Metodos contraceptivos naturais
Metodos contraceptivos naturaisMetodos contraceptivos naturais
Metodos contraceptivos naturais
 
Métodos contracetivos (espermicidas, DIU e SIU)
Métodos contracetivos (espermicidas, DIU e SIU)Métodos contracetivos (espermicidas, DIU e SIU)
Métodos contracetivos (espermicidas, DIU e SIU)
 
Métodos naturais de contracepção
Métodos naturais de contracepçãoMétodos naturais de contracepção
Métodos naturais de contracepção
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
 
Clamídia
ClamídiaClamídia
Clamídia
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos  ContraceptivosMéTodos  Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
 
Métodos Contracetivos Naturais
Métodos Contracetivos NaturaisMétodos Contracetivos Naturais
Métodos Contracetivos Naturais
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Contraceptivos
ContraceptivosContraceptivos
Contraceptivos
 
ContracepçãO Geral
ContracepçãO   GeralContracepçãO   Geral
ContracepçãO Geral
 
Dst’s
Dst’sDst’s
Dst’s
 
Métodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturaisMétodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturais
 
Métodos contraceptivos trabalho internato
Métodos contraceptivos   trabalho internatoMétodos contraceptivos   trabalho internato
Métodos contraceptivos trabalho internato
 
Sexualidade Humana - palestra
Sexualidade Humana - palestraSexualidade Humana - palestra
Sexualidade Humana - palestra
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
 

Semelhante a Métodos Naturais de Contracepção

Métodos contraceptivos 9º ano
Métodos contraceptivos 9º anoMétodos contraceptivos 9º ano
Métodos contraceptivos 9º anoSofia Ribeiro
 
Rita silva metodos_contraceptivos_naturais
Rita silva metodos_contraceptivos_naturaisRita silva metodos_contraceptivos_naturais
Rita silva metodos_contraceptivos_naturaisCláudia Bonifácio
 
C.. m+®todos contraceptivos naturais.
C.. m+®todos contraceptivos naturais.C.. m+®todos contraceptivos naturais.
C.. m+®todos contraceptivos naturais.Cláudia Bonifácio
 
Contracepção e métodos contraceptivos
Contracepção e métodos contraceptivosContracepção e métodos contraceptivos
Contracepção e métodos contraceptivosAna Duarte
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaAna Paula Silva
 
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos Sofia Ribeiro
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoNTE RJ14/SEEDUC RJ
 
56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt
56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt
56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.pptenferikarodrigues
 
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitorjluis505
 
Métodos contraceptivos naturais
Métodos contraceptivos naturaisMétodos contraceptivos naturais
Métodos contraceptivos naturaisap3bmachado
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidaderimagz21
 
biologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivosbiologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivosDaniela Filipa Sousa
 

Semelhante a Métodos Naturais de Contracepção (20)

ApresentaçãO2
ApresentaçãO2ApresentaçãO2
ApresentaçãO2
 
Métodos Naturais
Métodos NaturaisMétodos Naturais
Métodos Naturais
 
Métodos contraceptivos 9º ano
Métodos contraceptivos 9º anoMétodos contraceptivos 9º ano
Métodos contraceptivos 9º ano
 
Rita silva metodos_contraceptivos_naturais
Rita silva metodos_contraceptivos_naturaisRita silva metodos_contraceptivos_naturais
Rita silva metodos_contraceptivos_naturais
 
C.. m+®todos contraceptivos naturais.
C.. m+®todos contraceptivos naturais.C.. m+®todos contraceptivos naturais.
C.. m+®todos contraceptivos naturais.
 
Contracepção e métodos contraceptivos
Contracepção e métodos contraceptivosContracepção e métodos contraceptivos
Contracepção e métodos contraceptivos
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
Métodos contracetivos; trabalhos de alunos
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt
56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt
56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt
 
SAUDE DA MULHER.pptx
SAUDE DA MULHER.pptxSAUDE DA MULHER.pptx
SAUDE DA MULHER.pptx
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
 
Métodos contraceptivos naturais
Métodos contraceptivos naturaisMétodos contraceptivos naturais
Métodos contraceptivos naturais
 
Ciências
CiênciasCiências
Ciências
 
Método dos dias fixos
Método dos dias fixosMétodo dos dias fixos
Método dos dias fixos
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
biologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivosbiologia 12º - Metodos contracetivos
biologia 12º - Metodos contracetivos
 

Mais de Adhonias Moura

Músculos da face, couro cabeludo e mastigação
Músculos da face, couro cabeludo e mastigaçãoMúsculos da face, couro cabeludo e mastigação
Músculos da face, couro cabeludo e mastigaçãoAdhonias Moura
 
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República VelhaSaúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República VelhaAdhonias Moura
 
Fissura lábio palatina
Fissura lábio palatina Fissura lábio palatina
Fissura lábio palatina Adhonias Moura
 
Procedimentos de ensino
Procedimentos de ensinoProcedimentos de ensino
Procedimentos de ensinoAdhonias Moura
 
Histéria da enfemagem
Histéria da enfemagemHistéria da enfemagem
Histéria da enfemagemAdhonias Moura
 

Mais de Adhonias Moura (7)

Esteatose Hepática
Esteatose HepáticaEsteatose Hepática
Esteatose Hepática
 
Núcleos da base
Núcleos da baseNúcleos da base
Núcleos da base
 
Músculos da face, couro cabeludo e mastigação
Músculos da face, couro cabeludo e mastigaçãoMúsculos da face, couro cabeludo e mastigação
Músculos da face, couro cabeludo e mastigação
 
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República VelhaSaúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
Saúde Pública no Brasil Colonia, Império, República Velha
 
Fissura lábio palatina
Fissura lábio palatina Fissura lábio palatina
Fissura lábio palatina
 
Procedimentos de ensino
Procedimentos de ensinoProcedimentos de ensino
Procedimentos de ensino
 
Histéria da enfemagem
Histéria da enfemagemHistéria da enfemagem
Histéria da enfemagem
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 

Último (7)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 

Métodos Naturais de Contracepção

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ –UESPI FACULCADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS – FACIME DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER I – BLOCO VI PROFESSORA: ROSIANE DOS SANTOS 8ª Turma de Enfermagem
  • 2. Os métodos naturais de contracepção, ou de abstinência periódica, são processos que exigem que a mulher aprenda quando o período fértil do seu ciclo menstrual começa e termina. Sabendo como identificar o período fértil, o casal pode aprender a evitar a gravidez. São métodos que requerem a cooperação de ambos os parceiros. MÉTODOS CONTRACEPTIVOS NATURAIS • Abstinência das relações sexuais nos períodos férteis; • Se baseiam no autoconhecimento da mulher. • Não são muito seguros; • Não protegem contra DST’s. Maior insucesso desses métodos é registrado no primeiro ano em que são utilizados.
  • 3. • O método de Ogino-Knaus, calendário, ritmo ou tabela como é mais conhecido; • Busca encontrar, através de cálculos, o início e o fim do período fértil; • O método é indicado para mulheres que têm o ciclo menstrual absolutamente regular, pois os espermatozóides chegam a sobreviver três dias no aparelho genital da mulher e os óvulos ficam ali por um dia; • O método atua como contraceptivo, assim como pode ajudar a mulher a engravidar quando desejar. • O ciclo pode se alterar dependendo de fatores externos, como alimentação, estresse, atividade física, doenças e até mudanças de fuso horário; • Antes de usar esse método com segurança, a mulher deve registrar o número de dias de cada ciclo menstrual durante, pelo menos, seis meses; • Em seguida deve calcular quando ocorrem os dias férteis.
  • 4. • Do número total de dias no seu ciclo mais curto, subtraia 18 - Isto identifica o primeiro dia fértil do seu ciclo. • Do número total de dias no seu ciclo mais longo, subtraia 11 - Isto identifica o último dia fértil do seu ciclo. Exemplo: Se o ciclo menstrual variou entre 26 e 32 dias durante o registro: 26 - 18 = 8. A mulher deve evitar relações sexuais sem proteção a partir do dia número 8 de cada ciclo. 32 - 11 = 21. Ela pode ter relações sexuais sem proteção a partir do dia número 21 de cada ciclo. Vantagens: pode ser usado para evitar ou alcançar uma gravidez; não apresenta efeitos colaterais físicos; grátis; aumenta o conhecimento da mulher sobre o seu sistema reprodutivo; retorno imediato da fertilidade. Desvantagens: alta incidência de falha (de 14 a 47%); difícil para algumas mulheres detectar o período fértil; não protege contra AIDS e doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). A tabelinha pode requerer, em um ciclo, 16 ou mais dias de abstinência sexual ou o uso de métodos de barreira, especialmente se a mulher tem ciclos irregulares, isso pode trazer problemas ao casal.
  • 5. MÉTODO DA TEMPERATURA BASAL VERIFICAR A TEMPERATURA AO ACORDAR Registrar os resultados num gráfico Boca Reto Vagina A temperatura da mulher sobe 0,2° a 0,5°C no período após a ovulação (aproximadamente no meio do ciclo menstrual, para muitas mulheres). Sempre verificar essa temperatura com o mesmo termômetro, na mesma hora, antes de se alimentar e de fazer algum esforço físico • O casal deve evitar relações sexuais com penetração vaginal desde o primeiro dia da menstruação até depois de três dias que a temperatura basal tenha subido; • O casal pode ter relações sexuais (durante os próximos 10 a 12 dias) até o início da próxima menstruação.
  • 6.
  • 7. MUCO CERVICAL • O muco cervical é um líquido produzido pelo colo do útero que impede que as bactérias da região íntima da mulher consigam entrar no útero, mantendo-o saudável; • Ajuda o espermatozoide a alcançar o útero durante o período fértil da mulher. • Também conhecido como método de Billings; • Baseia-se na ocorrência de modificações cíclicas no muco cervical, através das quais as mulheres podem observar se estão no período fértil; • Pesquisar a presença do muco diariamente.
  • 8. É importante interromper a atividade sexual ao menor sinal da presença do muco, após o período de secura vaginal que normalmente sucede à menstruação É necessário observar o aumento progressivo do muco que atinge o pico durante a ovulação, passando a regredir a partir dela, por ação da progesterona • A regra é permanecer em abstinência por no mínimo três dias a partir do pico; • Reiniciar a atividade sexual no quarto dia; • Por ser um método pouco eficiente ele não é recomendado para mulheres que não tem um parceiro fixo, ou para aquelas que não querem engravidar de maneira alguma
  • 9. Consiste em retirar o pênis da vagina antes da ejaculação VANTAGENS Grátis Não apresenta efeitos secundários, físicos ou hormonais Não são utilizadas substancias químicas Ajuda a mulher a conhecer seu período fértil DESVANTAGENS Não protege contra DSTs Pode haver presença de espermatozoides no líquido pré-ejaculatório (lubrificante) Insucesso elevado Pode funcionar apenas se a mulher for saudável
  • 10. O casal identifica os dias férteis e inférteis através de uma combinação dos três métodos: calendário, monitorização da temperatura corporal basal e exame do muco cervical e outro sintomas Consistência do colo do útero Ingurgitamento mamário Dor pélvica Mudanças de humor • A mulher deve manter o registro diário das secreções vaginais, da temperatura basal, e de outros sintomas, além das datas das menstruações; • Isso permitirá a ela adquirir experiência na detecção dos sinais da ovulação, tornando o método mais confiável; • Além disso, o método do calendário pode ajudar a identificar o início do período fértil. O uso combinado de todos os sinais pode aumentar a precisão da detecção da ovulação, permitindo períodos mais curtos de abstinência.
  • 11. Apesar de serem naturais, não evolverem uso de substancias químicas, hormônios, e serem de baixo custo, são muito inseguros, não possuem eficácia elevada, requerem um grande autoconhecimento aliado a regularidade dos ciclos menstruais das mulheres e não garantem segurança contra a aquisição de DSTs durante as relações sexuais.