Cabra de leite

21.889 visualizações

Publicada em

0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.889
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
154
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
610
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cabra de leite

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIAESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE Adelmo Ferreira de Santana Salvador – 2005
  2. 2. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 2 APRESENTAÇÃO A caprinocultura leiteira vem se destacando como uma dasmelhores e mais promissoras fontes de proteína animal para atenderas necessidades nutricionais das populações, em especial, nas áreassemi-áridas do Nordeste brasileiro. As técnicas de manejo têm sido desenvolvidas pelospesquisadores, visando uma reflexo social. Este conjunto de recomendações técnicas para a produção decaprinos leiteiros demonstra o esforço e o empenho dospesquisadores em aperfeiçoar e descrever técnicas de manejo,reprodução, sanidade, nutrição e tecnologia de queijos e outrossubprodutos, visando a melhoria do nível de conhecimento técnicosdos produtores. Sendo atividade de fácil condução, a pecuária caprina leiteirapoderá torna-se uma fonte expressiva de divisas para o país, sendotambém uma forma econômica de suprir economicidade na produçãode alimentos, com conseqüente as necessidades nutricionais daspopulações carentes. Adelmo Ferreira de Santana
  3. 3. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 3 SUMÁRIOINTRODUÇÃO 4IMPORTÃNCIA DA CABRA 51. MANEJO DOS ANIMAIS 71.1 Escolha das matrizes e reprodutores 71.2 Uso das matrizes e reprodutores 81.3 Cuidados com os reprodutores 101.4 Cuidados com as gestantes 111.5 Cuidados com os recém-nascidos 122. MANEJO SANITÁRIO 132.1 Higiene das instalações 142.2 Separação dos animais jovens dos adultos 142.3 Vermifugação 142.4 Vacinação 152.5 Controle dos parasitos externos 152.6 Controle das diarréias 152.7 Isolamento dos animais doentes 153. MANEJO REPRODUTIVO 163.1 Puberdade 163.2 Ciclo estral 173.3 Monta ou cobertura 173.4 Gestação 183.5 .Parto 193.6 Lactação 204. MANEJO ALIMEMTAR 204.1 Hábito alimentar 214.2 Consumo de matéria seca 234.3 Distribuição de concentrados e volumosos 244.4 Emprego da uréia 264.5 Sistemas de criação 274.6 Aleitamento de cabritos e cabritas 294.7 Requisitos nutricionais 324.8 Alimentação por categoria 364.9 Tipos de alimentos 395. INSTALAÇÕES 415.1 Instalação de contenção 415.2 Instalação de apoio 446. RAÇAS INDICADAS 496.1 Raças leiteiras 496.2 Raças mistas 517. MELHORAMENTO 547.1 Seleção de reprodutores 547.2 Seleção de matrizes 547.3 Consangünidade 557.4 Seleção do rebanho 557.5 Métodos de seleção 567.6 Cruzamento 577.7 Mestiçagem 598. PRINCIPAIS DOENÇAS 598.1 Bacterioses 598.2 Viroses 618.3 Protozooses 628.4 Artropodoses 638.4 Verminose 648.5 Doenças metabólicas 659. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 66 Adelmo Ferreira de Santana
  4. 4. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 4INTRODUÇÃO A produção pecuária consiste em fatos básicos para o desenvolvimento dosetor primário nos países em via de desenvolvimento. O incremento desta produçãoestá intrinsecamente relacionado com a disponibilidade de tecnologias geradas pelapesquisa. A caprinocultura, dentro do contexto pecuário, poderá constituir-se numa fontealternativa de proteína para alimentação de populações carentes. Todavia, o aumentoda produtividade destes pequenos ruminantes depende das informações e do nível deadoção de técnicas racionais de criação, destacando-se o manejo reprodutivo e ainseminação artificial como método eficaz de promover, de forma mais rápida e global,o melhoramento genético. A nutrição é o fator básico do processo produtivo já que aalimentação do rebanho determinará o sucesso ou insucesso das demais técnicas demanejo, principalmente o melhoramento genético. Pouco adiantará a introdução de raças exóticas altamente produtivas emcondições impróprias de meio, pois elas entrarão em degenerescência genética com odecorrer do tempo. A racionalização do pastoreio, mediante o emprego e seleção deespécies forrageiras resistentes às adversidades climáticas e que se destaquem pelaaceitabilidade, teor protéico e produtividade, devem merecer grande importância noprocesso criatório. Uma outra maneira de suprir a carência alimentar nas épocascríticas é a conservação de forragens durante a época de abundância das mesmas,utilizando-se a fenação. O feno de leguminosas nativas ou exóticas constitui-se umaimportante fonte alternativa de suplementação alimentar para manutenção e produçãode cabras. As técnicas de sanidade, bem como o emprego de medidas profiláticas, taiscomo: controle das endo e ectoparasitoses, vacinações, cuidados com as cabrasgestantes e recém-nascidos, possibilitarão ao rebanho uma significativa produtividade,diminuindo, ainda, os riscos de perdas dos animais. A exploração de um sistema de produção de caprinos com aptidão leiteiradeverá visar essencialmente melhores níveis produtivos das matrizes, objetivando,assim, uma maior produção de leite. Adelmo Ferreira de Santana
  5. 5. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 5IMPORTÂNCIA DA CABRA Aspectos gerais O Brasil é um dos países que menos produz leite de cabra na América Latina(FAO, 1976). Esta baixa produção deve-se, basicamente, à degeneração genética queocorreu nas raças Saanen, Parda e Alpina, introduzidas pelos portugueses após odescobrimento e que por terem sido submetidas, no decorrer deste longo período, adeficientes técnicas de manejo (nutrição, sanidade, reprodução e melhoramentogenético), geraram as raças nativas hoje existentes, respectivamente, Marota, Moxotó,Canindé e Repartida de baixa produtividade, as quais não fornecem leite suficientepara a alimentação da população do semi-árido, embora apresentem alta rusticidade esão adaptáveis às condições climáticas do Nordeste. Atualmente vem crescendo o interesse na exploração de caprinos com aptidõesde leite, devido à facilidade de condução do rebanho e da produtividade elevada dealgumas raças. No entanto, a atividade tem apresentado problemas relacionados aosanimais, pois as raças nativas, apesar de adaptadas ao ambiente, são poucoprodutivas, ocorrendo o contrário com as raças exóticas. Deste modo, para que hajaanimais produtivos e adaptados às condições climáticas no Nordeste é necessário queseja estabelecido um programa de melhoramento e de manejo com o objetivo de elevaro potencial de produção de leite nas raças nativas existentes através de cruzamentoscom raças ou tipos locais com aptidão leiteira.Valor alimentício do leite de cabra O leite de cabra é considerado um alimento quase completo quando comparadoao da vaca, da ovelha e da mulher (Tabela 1), sendo atualmente muito utilizado emhospitais de pediatria e geriatria de países desenvolvidos. Como produto dietético,sendo também ministrado no tratamento da arteriosclerose e até mesmo do câncer,pois uma coenzima “Q”, nele presente, teria atividade anticancerígena.. A excelente digestibilidade do leite da cabra, em decorrência do pequenotamanho dos glóbulos de gordura, propicia um melhor aproveitamento do produto pelo Adelmo Ferreira de Santana
  6. 6. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 6organismo e, como os ácidos graxos, aparecem em maior proporção, seu consumofavorece o controle de triglicerídeos na alimentação humana. Com base no valor protéico do leite e da carne de caprinos, sabe-se que ocaprino leiteiro é muito mais eficiente na conversão de proteínas do que o de corte,tendo sido observada uma eficiência 39 vezes maior na conversão de proteínas emcabras para produção de leite em relação àquelas para produção de carne.Comparações produtivas entre a cabra e a vaca em zonas áridas Considerando-se uma vaca de 450 kg de peso vivo e 450 kg de peso vivode cabra ( 9 cabras de 50 kg ), a vaca produziria 2.560 kg de leite em um período delactação, enquanto que as cabras produziram 4.230 kg. Vale salientar, ainda, que nos2.560 kg de leite de vaca existirão 84kg de proteínas, enquanto que nos 4.230 kg deleite de cabra haverá 142 kg de proteínas. A quantidade de alimentos e espaço requerido pelas nove cabras é o mesmorequerido pela vaca. Seria importante ressaltar, no entanto, que a vaca não aceitaqualquer tipo de alimentação grosseira, ao passo que as cabras já não apresentamtantas exigências neste aspecto. Em caso de perda dos animais, lembre-se que a morte da vaca representará 100% de perda do capital investido, enquanto que com a morte de uma cabra esta cifraatingirá somente 12,5 %. A vaca tem um período de gestação de nove meses, enquanto que na cabraeste período é de apenas cinco meses. Raramente a vaca irá produzir fetos duplos,enquanto as cabras atingem normalmente 40 % de partos gemelares. Por ocasião daparição, a vaca produzirá leite durante um determinado período de lactação,geralmente de oito a nove meses e quando deixa de produzir, isto significará uma faltatotal de leite para o produtor, enquanto que as nove cabras poderão ser manejadas deforma que se consiga uma produção de leite homogênea durante todo o tempo.1. MANEJO DOS ANIMAIS O manejo correto dos animais é de grande importância em todo processo deexploração produtiva do rebanho, tornando a atividade mais lucrativa e permanente. Adelmo Ferreira de Santana
  7. 7. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 71.1 Escolha das matrizes e reprodutores Deve-se considerar alguns aspectos, tais como: idade, características raciais,integridade dos órgãos genitais e produção, pois são de fundamental importância doponto de vista produtivo. Idade Embora a cabrita possa entrar em puberdade aos seis meses de idade, elaapenas deverá ser usada como reprodutora quando atingir um peso corporalequivalente de 60 a 70 % do peso de uma fêmea adulta da mesma raça e podepermanecer no plantel entre oito a nove anos. O macho caprino é um animal precoce que pode atingir a maturidade sexualentre seis a sete meses, o que significa que a partir dessa idade ele pode ser usadocomo reprodutor, porém servindo a um pequeno número de cabras, pois, emborasexualmente maduro, sua produção de sêmen é inferior à do bode adulto, sendoconsiderado adulto ao atingir o peso, desenvolvimento corporal e produçãoespermática, de acordo com a raça, que geralmente ocorre entre 18 a 24 meses deidade.Características raciais Ao escolher as matrizes e os reprodutores, deve ser levado em consideração otipo racial da preferência de cada criador, produção de leite e adaptação do animal aomeio ambiente.Integridade dos órgãos genitais Os órgãos genitais das fêmeas e dos machos são de importância vital durantetodo processo produtivo e reprodutivo. Na fêmea, a conformação e volume do úbereindicam a capacidade de produção de leite, enquanto que o tamanho e posicionamentodas tetas traduz a facilidade oferecida para ordenha e acesso por parte das crias. A Adelmo Ferreira de Santana
  8. 8. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 8matriz deve apresentar úbere bem inserido, com apenas duas tetas e que não sejamexcessivamente grandes ou grossas. No macho, a conformação e tamanho dos testículos indicam uma maiorprodução espermática e ausência de defeitos genéticos. O reprodutor deve apresentartestículos simétricos e presentes na bolsa escrotal, ausência de alterações penianas eprepuciais bem como lesões escrotais.Saúde A fêmea não deve ter sido acometida por nenhuma doença infecciosa,principalmente aquelas relacionadas com o aparelho reprodutivo e com a glândulamamária. O macho deve apresentar bolsa escrotal com simetria, sem lesões nostestículos, pênis e prepúcio e membros locomotores perfeitos.Produção Sendo possível, é importante que ao adquirir ou escolher uma matriz sejanecessária uma avaliação da produção de leite da lactação anterior, no caso de cabrasadultas, e informações da produção leiteira das gerações ascendentes, em se tratandode fêmeas jovens. Quanto ao macho, as informações dos pais e avós são fundamentais quandopossível em animais jovens. No caso de reprodutores adultos é necessário que se façauma avaliação da produção de leite das filhas do reprodutor a ser adquirido.1.2 Uso das matrizes e reprodutores O tempo de permanência das matrizes no rebanho depende da capacidade deprodução de leite, da habilidade materna e gestação não problemática, enquanto queo macho está relacionado com o interesse pela fêmea e capacidade de realizar amonta.Idade Adelmo Ferreira de Santana
  9. 9. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 9 A cabra pode ser economicamente viável a sua exploração até os nove anos deidade. Em relação ao reprodutor, idade de utilização não deve ultrapassar aos seteanos, não no mesmo rebanho, sendo necessária a troca de reprodutores a cada doisanos, para evitar problemas de consangüinidade.Proporção macho/fêmea No sistema de criação extensiva é necessário um reprodutor para cada 25fêmeas, ao passo que no sistema intensivo esta proporção pode ser de um macho paracada 50 fêmeas.Vida útil A vida útil ou período produtivo é considerado como a fase em que as matrizesou reprodutores apresentam uma produtividade econômica dentro do sistemaprodutivo.Descarte O descarte corresponde à retirada dos animais com idade avançada ou queforam acometidos por doenças que influenciam na produtividade.1.3 Cuidados com os reprodutores Para conseguir melhor desempenho e aproveitamento dos reprodutores énecessário que se controle o número de saltos, alimentação e que sejam mantidosseparados da fêmeas.Números de saltos diários Adelmo Ferreira de Santana
  10. 10. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 10 Quando se trata de animais jovens, o número de saltos diários não devemultrapassar de seis a sete, enquanto que nos adultos este número pode ser entre 12 a14 saltos por dia.Alimentação Fora da estação de cobertura o reprodutor deve receber uma alimentação demantença para que não haja perda de peso corporal. No período da estação decobertura deve ser oferecida uma alimentação energética, como por exemplo: milhotriturado. Vale salientar que reprodutores superalimentados tornam-se pesados,podendo causar acidentes nas fêmeas durante a monta.Separação do reprodutor das fêmeas É conveniente manter sempre o reprodutor em local separado das fêmeasgestantes para evitar acidentes, dos lactantes para que se obtenha um leite sem odorcaracterístico do macho, das fêmeas jovens para evitar coberturas indesejáveis.1.4 Cuidados com as gestantes Dois meses antes da parição deve-se proceder à secagem do úbere para quehaja recuperação do organismo para a próxima lactação e formação do colostro para acria.Formação de lotes Para facilitar o manejo das cabras é necessário que se coloque as gestantes emgrupos homogêneos.Maternidade Duas semanas antes do parto as cabras gestantes devem ser separadas dorebanho e colocadas em maternidade para facilitar o acompanhamento e intervençõesnecessárias nesta fase. Adelmo Ferreira de Santana
  11. 11. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 11Proteção As fêmeas no final da gestação devem ser mantidas isoladas das outrascategorias e de espécies diferentes, para evitar acidentes e prováveis abortos.Alimentação No terço final da gestação é importante fornecer uma alimentação de melhorqualidade, pois as cabras diminuem a sua capacidade de ingestão devido ao aumentodo volume do útero que comprime o estômago, reforçando a necessidade de melhorara alimentação em termos quantitativos, visto que as exigências nutricionais são maiselevadas, devido ao crescimento rápido e acentuado dos fetos.1.5 Cuidados com os recém-nascidos As fêmeas recém-nascidas serão as futuras matrizes, enquanto que os machosserão utilizados como reprodutores ou para produção de carne, aumentando, assim, arentabilidade da exploração, o que vem justificar os cuidados com as crias jovens.Colostro Após o nascimento as crias deverão receber o colostro até as primeiras 12 horasde vida para que haja a absorção dos anticorpos protetores contra doenças presentesneste primeiro leite. Caso o aleitamento seja feito em balde as crias devem serseparadas da mãe ao nascer, não se permitindo que mame. A cabra deve serordenhada e o colostro fornecido à cria em mamadeira, passando-se posteriormentepara o balde.Tratamento do umbigo Adelmo Ferreira de Santana
  12. 12. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 12 O umbigo, após o nascimento, constitui uma porta de entrada para diversasdoenças. Logo depois do parto deve-se cortar o umbigo da cria, usando uma tesouradesinfetada, deixando um pedaço de mais ou menos dois centímetros e queimar comtintura de iodo. Este procedimento consiste em mergulhar o umbigo em vidro de bocalarga contendo tintura de iodo, favorecendo, assim, a desinfeção e a rápidacicatrização.Identificação A identificação pode ser feita com brincos ou tatuagem nas orelhas e tem comoobjetivo facilitar o controle zootécnico dos animais.Descorna Deve ser realizada a fogo com descornador próprio para caprino até o 10o diaapós o nascimento. A finalidade da descorna é para evitar acidentes entre os animais ediminuir a área de instalação ocupada. As raças mochas dispensam esta operaçãoembora estejam sujeitas a problemas de hermafroditismoCastração Os machos que não se enquadram dentro dos padrões raciais e que não serãousados como reprodutores deverão ser castrados 30 a 90 dias de idade. Pode serutilizado o método de castração com Burdizzo ou com anel de borracha de acordo coma idade e tamanho dos testículos.Desmama Na exploração de caprino leiteiro, a desmama é realizada logo após o períodocolostral ou até mesmo depois do nascimento, onde o colostro será oferecido emmamadeira. Adelmo Ferreira de Santana
  13. 13. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 132. . MANEJO SANITÁRIO A importância da saúde do rebanho pode ser enfocada sob dois aspectos emespecial. O primeiro diz respeito às zoonoses, como por exemplo a Toxoplasmose. Osegundo aspecto se relaciona à produção, pois é preciso que os animais estejamsadios para que possam expressar todo seu potencial genético e responder às técnicasde manejo utilizadas, e neste caso, na espécie caprina, as doenças parasitáriasassumem especial destaque.2.1 Higiene das instalações A higiene das instalações é importante sob o ponto de vista sanitário, pois evitaa disseminação de doenças no rebanho. Não se aconselha lavar, mas apenas raspar evarrer os dejetos diariamente. Convém-se prestar atenção para limpeza decomedouros e bebedouros.2.2 Separação dos animais jovens Os animais jovens devem ser mantidos separados dos animais adultos,considerando-se que os primeiros são mais sensíveis às doenças, enquanto os últimossão mais resistentes, e pode ocorrer caso em que os adultos, aparentemente sadios,funcionem como agentes disseminadores das doenças, como acontece com aEimeriose.2.3 Vermifugação A incidência de verminose é comum em caprinos. Os animais doentes ficamfracos, apresentam diarréia, perdem o apetite e ficam com os pêlos arrepiados e sembrilho. Os prejuízos observados são: diminuição de fertilidade, crescimento retardado,queda da produção de leite e aumento da mortalidade, especialmente em animaisjovens. Adelmo Ferreira de Santana
  14. 14. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 14 O controle das verminoses deverá ser feito através de vermifugação a cada trêsmeses, iniciando-se com cabritos aos 28 dias de nascidos. Para uma melhor eficiênciado controle recomenda-se, além de levantamentos parasitológicos através de exameslaboratoriais, também a prática de rotagem de pastagens e a troca do princípio ativo dovermífugo a cada três aplicações, podendo ser usado os seguintes produtos com baseno princípio ativo:a) Tiabendazole - 50mg/kg P.V. por via oral;b) Tetramizole - Levamizole - 10mg/kg P.V. por via subcutânea;c) Parbendazole - 15 a 25mg/kg P.V. por via oral;d) Fenbendazole - 10mg/kg P.V. por via oral;e) Albendazole - 10mg/kg P.V. por via oral.2.4 Vacinação Poucas são as doenças que acometem os caprinos que podem ser controladascom o uso de vacinas, entre elas a Raiva, Linfadenite Caseosa e a Enterotoxemia sãoas que merecem ser destacadas. A prevenção de raiva é através de vacina aplicadaanualmente, sendo usada no caso de ocorrência na região. A linfadenite deve serutilizada a cada seis meses, podendo ser vacinados animais a partir de dois meses deidade. A vacina contra a enterotoxemia é usada anualmente.2.5 Controle dos parasitos externos No controle dos parasitos externos deve-se fazer inspeções freqüentes nosanimais para detectar casos de sarnas e piolhos. O controle é feito com pulverizaçõese polverizações com sarnicidas e inseticidas. Em relação às miíases deve-se trataradequadamente as feridas. Depois de instalados deve-se retirar as luvas, limpar o locale aplicar inseticidas, repelentes e cicatrizantes.2.6 Controle das diarréias Várias doenças que acometem os caprinos, principalmente os jovens, emdecorrência de práticas de manejo inadequadas, as quais podem ser citadas: Adelmo Ferreira de Santana
  15. 15. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 15Verminose, Eimeriose, Colibacilose e Salmonelose que podem ser controladas atravésda melhoria dos manejo dos animais e higienização das instalações.2.7 Isolamento dos animais doentes Em caso de animais acometidos por doenças infecto-contagiosas deve-se fazero isolamento dos animais. Para isto é conveniente ter uma instalação apropriada paracolocar os animais doentes durante o processo de tratamento até a cura total dosmesmos.3. MANEJO REPRODUTIVO O manejo reprodutivo do rebanho envolve a escolha dos reprodutores, o controlede doenças que afetam a capacidade reprodutiva de machos e fêmeas, a alimentaçãoespecífica segundo a categoria animal (cabritos, cabras ou bodes), o sistema deacasalamento adequado, o tipo de criação (extensivo ou intensivo), os cuidados com acria e com a cabra gestante além de técnicas avançadas como a sincronização do cio einseminação artificial.3.1 Puberdade Em termos fisiológicos é a idade em que os animais se tornam aptos para areprodução, ou seja, quando da primeira ovulação nas fêmeas e presença deespermatozóides no ejaculado dos machos.Em caprinos, a puberdade ocorre, aproximadamente, aos quatro meses, quandomachos e fêmeas atingem 40 a 50 % de seu peso adulto. Mas, em termos práticos,nessa idade, não devem iniciar a vida reprodutiva, pois não têm desenvolvimentocorporal suficiente. Recomenda-se que o acasalamento seja iniciado quando osanimais atingirem 65 a 70 % do peso adulto para a raça. Essa idade é chamadapuberdade zootécnica e ocorre aos 7-8 meses, desde que os animais sejam criados deforma satisfatória. Fêmeas acasaladas tardiamente podem apresentar sensíveis reduções naprodução de leite, e, em alguns casos, chegam à esterilidade. Mais importante do queesperar maior idade ou peso, para cobrir, é mantê-las sob níveis de nutrição Adelmo Ferreira de Santana
  16. 16. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 16adequados. No caso em estudo, o criador precisa conhecer bem as necessidadesnutricionais das cabritas, nos aspectos relacionados com o crescimento,desenvolvimento do feto e, após a parição, os da própria lactação. A gestação,normalmente, não afeta o crescimento das cabras jovens; pelo contrário, estimula seudesenvolvimento mas a lactação é extremamente esgotante. Nessa fase, as cabrasprecisam estar sob níveis de nutrição adequados. Assim, se o criador adota normas dealimentação rigorosa, nenhum inconveniente existe ao se permitir a reprodução, naépoca recomendada, evitando, inclusive, a presença de fêmeas ocasionais, por muitotempo no rebanho e afetando também, a rentabilidade dos criatórios.3.2 Ciclo estral É o período compreendido entre dois cios, durante o qual ocorrem profundasmodificações hormonais atuando em todo o organismo, particularmente sobre oaparelho genital e comportamento da fêmea. Caracteriza-se pela atividade cíclica dosovários, com duração normal de 20 a 21 dias, por ciclo, para a espécie caprina,podendo variar de 15 a 40 dias. Divide-se nas seguintes fases:- Proestro: período em que a cabra se mostra agitada, mas ainda não aceita a monta.Antecede o cio e tem duração média de 24 horas;- Cio ou estro: período em que a fêmea aceita o macho e se deixa montar. Temduração aproximada de 12 a 24 horas;- Metaestro: segue-se ao cio, tendo início no momento em que a fêmea passa arecusar a monta; nessa fase ocorre a ovulação, de 12 a 36 horas após o início do cio.O final do metaestro corresponde à formação de um ou mais corpos lúteos nos ovários;- Diestro: nessa fase a fêmea recusa a monta e corresponde ao período em que oscorpos lúteos permanecem funcionais, sendo a fase mais longa do ciclo estral (17 a 18dias). Após esse período, os corpos lúteos normalmente regridem, os ovários sofremnovo estímulo e se reinicia o ciclo com o proestro.3.3 Monta ou cobertura É importante para os produtores que fornecem o leite para consumo “in natura”,ou para os que se dedicam à fabricação de produtos lácteos, manter um fluxo uniformedo leite ao longo do ano. A não observância dessa premissa cria problemas na Adelmo Ferreira de Santana
  17. 17. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 17comercialização dos produtos, por irregularidade no sistema de abastecimento. Paratanto, é necessária a presença constante de cabras recém - paridas durante todos osmeses do ano. Surge, daí, a necessidade de um rigoroso esquema de acasalamentos.Nos sistemas de criação confinado e semi - confinado, que permite uma constantevigilância sobre o rebanho, o problema é facilitado e possibilita o equacionamento doassunto. Resta, ao criador, programar os acasalamentos, para que, a cada trimestre,25 % das cabras, em média, estejam paridas, ou, no mínimo, 50 % em cada semestre.É bem verdade que os cios podem não suceder com a regularidade desejada, mas épossível, nas condições tropicais e com tipos e raças ajustados ao meio, obter-se umarazoável distribuição dos partos ao longo do ano. Entretanto, é oportuno lembrar que amaioria dos produtores de leite utiliza raças oriundas de clima frio e com ajustesfisiológicos distintos das raças tropicais. Quanto aos métodos de cobrição, em sistema intensivo ou semi - intensivo, deveser usado o da monta controlada ou o da inseminação artificial. No primeiro caso, osbodes são mantidos separados das cabras e todas as cobrições, vigiadas, ou seja, napresença de um responsável. Em ambos os métodos, observar a programação, a partirdo que foi discutido, nesta parte deste capítulo. Essa orientação tem duas vantagens: aidentificação correta da paternidade das crias e, concomitantemente, uma razoáveldistribuição dos partos ao longo do ano. como o cio das cabras, em geral, tem duraçãoprolongada, é recomendável que o acasalamento, ou a inseminação artificial, sejaefetuado 12 a 24 horas após o seu aparecimento.3.4 Gestação Entende-se por gestação ou prenhez o período compreendido entre afecundação - formação do zigoto ou ovo - e a expulsão do feto. Nesse período, a cabraapresenta sensíveis modificações de comportamento: ausência do cio e, porconseguinte, total desinteresse pelo macho; torna-se tranqüila; engorda facilmente;diminui a produção de leite, a partir da segunda metade da gestação; também, a partirdesse período, há crescimento do ventre; próximo ao parto, o úbere aumenta devolume, as tetas de dilatam e a garupa apresenta-se descarnada e caída. Em cabras a ovulação ocorre normalmente 12 a 36 horas após o início do cio oulogo após o término deste, tendo o óvulo um período de vida médio de dez a 25 horas.A cópula ocorre, normalmente, antes da ovulação, sendo o período de vida dos Adelmo Ferreira de Santana
  18. 18. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 18espermatozóides de aproximadamente 30 horas no útero. Parte do ejaculadopermanece na cérvix, onde, devido a condições favoráveis, tem maior sobrevida (atétrês dias) e, continuamente, cai no útero, aumentando as chances defecundação. Os óvulos fertilizados (ovos) chegam ao útero três a cinco dias após oinício do cio. Nos três primeiros meses, a gestação depende da presença efuncionamento de um ou mais corpos lúteos. O período de gestação varia em número de dias, por interferência da raça,idade, estado de nutrição e número de crias por parto. A revisão da literatura permitemencionar, com alguma margem de segurança, que ela se processa entre os extremosde 136 a 164 dias. As raças de maior porte e mais especializadas têm períodos degestação mais prolongados, enquanto as nativas e de porte reduzido têm o tempo deprenhez abreviado. um dos autores consultados encontrou os seguintes períodos degestação para raças alienígenas e nativas, aqui no Brasil: Saanen, 152 dias;Toggenburg, 151 dias; Anglonubiana, 146 dias; e, para cabras nacionais, 145 dias. Aidade também interfere no período de prenhez e as primíparas, normalmente, têm partoantecipado em relação às secundíparas e pluríparas. O estado de nutrição é outravariável a considerar, pois as cabras sob níveis deficientes de alimentação têmperíodos de gestação mais curtos. Igual comportamento sucede quando o número decrias aumenta, ou seja, nos partos duplos ou triplos.3.5 Parto Terminado o período de gestação, dá-se o parto, que deve ser interpretado pelocriador como um ato fisiológico normal e, portanto, deve se processar sem a sua ajuda.A parição se inicia após uma a dez horas de contrações uterinas. A bolsa das águasaparece um pouco antes ou juntamente com as patas dianteiras da cria. O parto érápido e num período máximo de três horas todas as crias devem estar nascidas. Apóso nascimento, a cabra – mãe faz a limpeza das mesmas as quais normalmente sepõem de pé, inclusive, buscando as tetas num período aproximado de 30 minutos. Atéduas horas depois do parto, dá-se a expulsão das placentas. Se o parto não seprocessar no período previsto de três horas, após intenso trabalho uterino, a cérvixcomeça a se fechar novamente e a dilatação manual não deve ser tentada, havendonecessidade de interferência de um veterinário. Adelmo Ferreira de Santana
  19. 19. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 193.6 Lactação Durante a lactação, a alimentação deve ser oferecida individualmente, para queas cabras sejam suplementadas segundo sua produção. Isso é feito durante a ordenha,ou no cocho coletivo que disponha de divisórias.O volumoso fornecido deve ser de boa qualidade diminuindo, assim, a quantidade deconcentrado, que não deve exceder 50 % da ração; o concentrado ingerido emexcesso diminui a ingestão de forrageiras, diminui a produção de leite e propicia aformação de cálculo. Uma dieta total à base de 16 % de PB é suficiente para amantença de fêmeas de alta produção, e de 14 % de PB, para aqueles de baixaprodução. Além do volumoso eles devem receber 500 gramas de concentrado para amantença e 200 a 300 gramas por quilo de leite produzido. Devido à alta exigência decálculo e outros minerais, é aconselhável adicionar ao concentrado, 3 % de umamistura mineral completa.4. MANEJO ALIMENTAR A larga distribuição da cabra no mundo, ocupando, desde as áreas mais frias doHimalaia até os desertos africanos, juntamente com a habilidade da espécie desobreviver em áreas inóspitas para outros animais, deu origem a mitos e crençaspopulares que prejudicam o criatório caprino. É crença difundida no Brasil de que a cabra seria ideal para o aproveitamentode forragens grosseiras e áreas pobres, muitas vezes inaproveitáveis para bovinos eovinos. A criação se faz então em regime extensivo, sendo relegadas a segundo planopráticas alimentares e de manejo, deixando que os animais sobrevivam e produzampor si mesmos. Essa crença é, em parte, justificada pela maior eficiência digestiva dacabra e seus hábitos alimentares, mas não em seus requisitos nutricionais, em algunsaspectos superiores aos de outros ruminantes. Assim, não se justificam as péssimascondições alimentares encontradas em diversos criatórios, pois, conseqüentemente, aprodução e produtividade obtidas são baixas, tornando a criação antieconômica. Éimportante lembrar que rusticidade e elevada produtividade dificilmente andam juntasem um mesmo animal. Adelmo Ferreira de Santana
  20. 20. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 20 Esses aspectos se agravam com a introdução, no Brasil, de raças leiteirasespecializadas, mais exigentes e menos resistentes do que as nacionais, trazendo oinsucesso a vários criatórios. Essas raças, mesmo em confinamento total, têmfreqüentemente fracassado em conseqüência das alterações climáticas e alimentares aque são submetidas, sem a observância de práticas corretas de manejo. Salienta-se que a literatura é deficiente, no que se refere à alimentação decaprinos. As condições e objetivos diversos da exploração, nas mais variadas regiõesdo mundo, explicam os resultados diferentes, muitas vezes conflitantes, dos trabalhosdesenvolvidos por diversos autores. Mas a cabra, independente do meio ou objetivo docriatório, possui características fisiológicas e nutricionais próprias, as quais servem debase para se estabelecer um manejo alimentar condizente com um criatório econômicoe produtivo.4.1 Hábito alimentar O caprino tem hábitos alimentares bem diferentes das outras espécies deruminantes domésticos, sendo essa uma das principais razões de sua capacidade desobreviver e produzir em áreas de pobre cobertura vegetal. Devido à sua presençanestas áreas, as cabras têm sido consideradas prejudiciais, contribuindo para adestruição das pastagens e erosão do solo. Trabalhos recentes sobre utilização davegetação nativa e pastagens formadas provam que o caprino é apenas agentecomplementar à destruição iniciada por outros animais domésticos ou mesmo pelohomem, sendo de grande utilidade no combate às pragas arbustivas, pois a sua açãoaumenta e preserva a cobertura herbácea do solo. A literatura revisada mostra a espécie como um animal altamente seletivoquanto à escolha das forrageiras, preferindo as arbustivas e, destas, as folhas e brotos.Este tipo de alimento constitui porção bem maior da dieta do caprino (60 %), quandocomparada à de bovinos e ovinos (10 %) mantidos em uma mesma pastagem. Assim,as folhas caídas de árvores e as ramas de arbustos constituem, em certas épocas doano, a maior parte de sua dieta, chegando a 83 %. Considerando todo o ano,constituem de 38 a 50 % de dieta, e em zonas semi-áridas, praticamente 100 %.Através da fístula esofagiana, constatou-se que, tanto em pastejo leve quanto pesado,as preferências são estacionais, dependendo da disponibilidade e estágio decrescimento da forrageira. Em certas estações do ano, ervas e gramíneas chegam a Adelmo Ferreira de Santana
  21. 21. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 21constituir parte importante da alimentação. Em outras, principalmente no inverno einício da primavera, os arbustos têm novamente a preferência. Mas, se a lotação é alta,os últimos são consumidos em maior percentagem. As gramíneas mais consumidassão as de porte alto. A grande agilidade deste pequeno ruminante, associada àmobilidade acentuada de seu lábio superior, o que lhe permite alcançar áreas nasplantas inacessíveis para outros animais, e selecionar as partes mais nutritivas daforrageira. Pelo visto, os caprinos têm preferência por uma dieta variada. em pastejo,andam suas vezes mais que os bovinos e ovinos, escolhendo as espécies a seremconsumidas. Comparados com outros ruminantes, ingerem um maior número deespécies vegetais, mostrando grande adaptação às variações na alimentação. Todas essas características alimentares, benéficas em criatórios extensivos,tornam-se empecilhos ao aproveitamento racional de pastagens formadas, pois, nocaso em apreço, os hábitos seletivos dos caprinos provocam grandes desperdícios nasforrageiras. Em criatórios confinados, torna-se também difícil a sua adaptação amonodietas que contrariam seus hábitos naturais de ingerir alimentos variados. A maioria dos trabalhos comparativos da digestibilidade de uma mesmaforrageira, por caprinos, ovinos e bovinos, considera os primeiros mais eficientes emalguns aspectos da digestão, principalmente com relação à fibra bruta. Esse aspecto setorna evidente quando três forrageiras de alta, média e baixa qualidade são oferecidaspara as três espécies de ruminantes. Com uma forrageira de boa qualidade, pobre emfibra bruta e rica em proteína, a digestibilidade da Matéria Seca ( MS ) é semelhante ouligeiramente superior para os bovinos. Já com as forrageiras de média e baixaqualidade, ricas em fibra bruta e pobres em proteína, a cabra digere melhor a MatériaSeca (MS), com maiores diferenças na digestibilidade da fibra e proteína bruta. Essa maior eficiência da digestão torna os caprinos adaptados para oaproveitamento das forragens e mais ricas em fibra como as dos trópicos, onde seconcentra a maior parte do rebanho mundial. As causas da maior eficiência digestiva dos caprinos são as seguintes:a) taxa de fermentação do rúmen - o líquido ruminal caprino é mais rico em bactériascelulolíticas, sendo a fermentação e a produção de ácidos graxos ( AG ) maiores.Assim, a fibra é digerida mais eficientemente; Adelmo Ferreira de Santana
  22. 22. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 22b) ciclo de ruminação - é mais longo nos caprinos do que nos bovinos e ovinos, sendorealizado um maior número de mastigações. O alimento melhor triturado mistura-semais facilmente ao líquido ruminal, sendo assim digerido mais eficientemente;c) taxa de movimento do alimento no trato gastrintestinal e permanência no rúmen - aliteratura revisada mostra resultados bastantes conflitantes quanto a este aspecto. Namaioria dos trabalhos consultados, comparando com bovinos e ovinos, o alimentopermanece menos tempo no rúmen dos caprinos. Era de se esperar que adigestibilidade, particularmente da fibra, fosse mais baixa nos caprinos. Mas a pequenapermanência no rúmen, associada à maior taxa de fermentação, promove uma rápidadigestão da forrageira, fazendo com que passe às partes posteriores do estômago,possibilitando a ingestão de mais alimento. De acordo com suas característicasfisiológicas, a dieta da cabra se constitui de um maior número de refeições diárias, commenores quantidades;d) natureza da dieta - é um dos fatores que mais influenciam a digestibilidade. Emtrabalhos realizados em confinamento, usando fenos das mesmas forrageiras ingeridasem pastejo natural, os animais permaneceram com um balanço negativo de nitrogênio,evidenciando deficiência nutricional (deficiência de proteína). Em condições naturais,estas mesmas forrageiras são suficientes para atender aos requisitos de mantença eprodução dos caprinos. Os autores explicam estes resultados baseando-se nos hábitosalimentares seletivos da cabra, que, em pastoreio, seleciona as partes de melhor valornutritivo das forragens. No confinamento, o fornecimento da forrageira picada nãopossibilita ou prejudica a seleção, fazendo com que seja ingerida uma dieta de piorqualidade.4.2 Consumo de matéria seca Para os trópicos, pode-se considerar um consumo de Matéria Seca na base de 3a 5 % do peso vivo, conforme o estado fisiológico do animal (Devendra, 1978). Paracálculos aproximados, usa-se para mantença um nível de 3 a 4 % do peso vivo e paraas oito últimas semanas de gestação, 2,2 a 2,8 % do peso vivo (SENGAR, 1980). Paraa lactação, os níveis variam muito com o estádio de produção, ficando entre 3 e 5 % dopeso vivo (MORAND-FEHR et al, 1981).4.3 Distribuição de concentrados e volumosos Adelmo Ferreira de Santana
  23. 23. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 23 Os programas de alimentação para cabras se baseiam no tipo e qualidade dosvolumosos disponíveis, que determinam a composição em nutrientes e as quantidadesde concentrados a serem oferecidas de acordo com as necessidades de mantença eprodução dos indivíduos. Os volumosos, conforme sua composição em nutrientes, são classificados emquatro tipos:. tipo rico - pasto verde em crescimento, silagem ou feno muito bons com grandepercentagem de leguminosas (teor de PB acima de 14 % na MS). Com esse tipo devolumoso, apenas cabras em lactação e cabritos em crescimento necessitamsuplementação concentrada;. tipo médio - pasto maduro, silagem ou feno bons, com alguma leguminosa (teor de PBde 10 a 14 % na MS). Apenas cabras em lactação, final de gestação e cabritos emcrescimento necessitam de suplementação concentrada;. tipo pobre - pasto em início de maturação, silagem ou feno de gramíneas medíocres(teor de PB de 5 a 10 % na MS). Esse tipo de volumoso exige suplementaçãoconcentrada para todas as categorias animais;. tipo muito pobre - pasto maduro, cana picada, silagem ou feno de baixa qualidade(teor de PB inferior a 5 % na MS). A suplementação concentrada é necessária até paramanter o peso vivo das cabras. São requeridas grandes quantidades de concentrados,para que haja produção de leite e, mesmo assim, as cabras grandes produtoras nãoexprimem todo seu potencial genético de produção. Infelizmente, a maioria das pastagens e forrageiras brasileiras se enquadramnesse grupo, principalmente na época da seca. Conforme o tipo de volumoso disponível, uma mistura de concentrado mais ricaou mais pobre será fornecida aos animais. TEOR DE PB DO CONCENTRADO (%) TIPO DE VOLUMOSO Rico 12 a 16 Médio 16 a 18 Pobre 18 a 22 Muito pobre 22 a 24 Adelmo Ferreira de Santana
  24. 24. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 24 Assim, para diminuir o custo de produção, as leguminosas para pastejo direto ouoferecidas em cocho, como verde picado ou feno, são importantes atendendo-se,dessa maneira, a preferência dos caprinos por uma dieta variada. Das formas de conservação, a fenação deve se preferida à ensilagem, pois assilagens, por seu alto teor de umidade, diminuem a ingestão de Matéria Seca,reduzindo a produção de leite em até 15%. Caso seja oferecida aos animais, nuncadeverá constituir-se na única fonte de volumoso, sendo distribuída juntamente comfenos, o que diminui seus efeitos prejudiciais. Não deve ser oferecida a cabritinhos.Quanto às quantidades distribuídas, salienta-se que os volumosos devem estar sempreà vontade. Uma boa maneira de controle é distribuir uma quantidade que possibilite asobra de 30 a 35 % do oferecido. Nunca oferecê-los finamente moídos e sim picadosem partículas maiores, possibilitando a seleção por parte dos animais. Os concentrados preferivelmente não devem ultrapassar 30 % da Matéria Secatotal ingerida. isto só é conseguido quando o volumoso é do tipo rico ou médio. Com ostipos pobre ou muito pobre, maiores percentagens de concentrados são requeridaspara atender as exigências nutricionais, não devendo ultrapassar 50 % da MatériaSeca total ingerida. Um bom esquema a ser adotado no manejo em confinamento é distribuir metadedos volumosos pela manhã, limpar o cocho ao meio dia, oferecendo os concentradosem seguida. Espera-se que os animais consumam o concentrado e distribui-se orestante do volumoso. Em semiconfinamento, os caprinos devem ser soltos para ospastos quando estes já estiverem mais secos pelo sol, visando, dessa maneira, ocontrole da verminose. Quando os pastos amadurecem, torna-se necessária asuplementação volumosa em cochos, assim que as cabras voltam de seu pastejo. Osconcentrados são distribuídos à tarde, fazendo com que os animais se condicionem avoltar ao capril nesse horário. Em qualquer sistema de criação, uma mistura mineralcompleta deve ficar durante todo o tempo à disposição dos animais.4.4 Emprego da uréia Pode ser utilizada para caprinos adultos e constituir até 30 % do nitrogênio totalda dieta. Em percentagens maiores, corre-se o risco de intoxicar os animais. Emtermos práticos, a uréia deve constituir até 1 % da Matéria Seca total da dieta ou 3 %da mistura de concentrado. Adelmo Ferreira de Santana
  25. 25. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 25 Para que possam aproveitar a uréia, os caprinos devem ser gradativamenteadaptados à sua ingestão. 1ª semana - 0,5 % no concentrado 4ª semana - 2,0 % no concentrado 2ª semana - 1,0 % no concentrado 5ª semana - 2,5 % no concentrado 3ª semana - 1,5 % no concentrado 6ª semana - 3,0 % no concentradoObs.: A introdução brusca do nitrogênio não protéico na alimentação leva à intoxicaçãoe muitas vezes à morte dos animais. Em casos de intoxicação, suspender o uso dauréia, aplicando por via oral soluções ácidas, como ácido acético (vinagre comercial),nos animais afetados. Segundo trabalhos experimentais, cabras em lactação, ingerindo uma dieta emtorno de 15 % de PB, uma contendo fontes de nitrogênio, exclusivamente protéicas, eoutra onde a uréia constituía 25 % do nitrogênio total, produziram quantidadessemelhantes de leite (Chenost & Bousque, 1974). assim, não se pode descartar a uréiacomo uma fonte barata de proteína (equivalente protéico), reduzindo-se os custos deprodução. Outras maneiras de fornecimento da uréia são em misturas com o melaço e osal. No primeiro caso, a uréia deve entrar na proporção de 5 % da mistura, diferindodas soluções tradicionais para bovinos, que contêm 10 % de uréia. Salienta-se que oscaprinos ficam com o corpo sujo pela mistura, podendo ocorrer queda de pêlos noslocais atingidos. no segundo caso, misturado ao sal, somente se obtêm bonsresultados quando existe uma fonte disponível de carboidratos facilmente solúveis,como os do milho, melaço ou da raspa de mandioca.4.5 Sistemas de criação São três os sistemas de criação: extensivo; intensivo ou confinado e semi-intensivo ou semiconfinado.Sistema extensivo Adelmo Ferreira de Santana
  26. 26. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 26 Consiste na criação a pasto, com baixa lotação, onde a alimentação é obtidaexclusivamente no pastoreio direto, onde os animais ficam expostos às variações dedisponibilidade de alimentos. Neste sistema, a produtividade é baixa, a taxa de mortalidade é alta, devida àalimentação irregular, e um controle sanitário eficiente torna-se difícil. Embora a maiorparte do rebanho brasileiro seja criado desta maneira, esta modalidade não se adaptaa cabras leiteiras, pois a baixa produção do leite não justifica a comercialização.Sistema intensivo Nesse sistema os animais permanecem confinados durante todo o tempo.Utilizam-se pequenas áreas, apenas o suficiente para construção do cabril, solários,capineiras, área de beneficiamento de leite e depósito de alimentos. Os investimentosiniciais, embora inferiores aos do semiconfinado, pela não-utilização de piquetes -cercas, ainda são elevados pela necessidade da construção de um cabril que ofereçaexcelente condições de acomodação. Comparando-se os três sistemas, o confinado apresenta o custo de produçãomais elevado, já que toda alimentação é fornecida em cochos, aumentando a mão-de-obra. Assim, com este esquema, um criatório somente se torna economicamente viávelse sua receita for elevada, possível apenas com raças altamente produtivas,especializadas para a produção leiteira, que se adaptam muito bem ao confinamento.Uma grande vantagem desse sistema é proporcionar um melhor controle nofornecimento de alimento, para atender às variações nos requisitos nutricionais deacordo com a produção ou estado fisiológico dos animais. Evita-se também odesperdício de forrageiras. Quanto ao aspecto sanitário, o controle de doenças,principalmente a verminose, torna-se mais eficiente, dependendo do tipo de instalaçãoutilizada.Sistema misto ou semi - intensivo Neste sistema, os animais obtêm parte da alimentação no pastoreio direto e orestante em cochos. Os caprinos passam o período da noite e parte do dia eminstalações onde recebem alimentação suplementar, fazendo com que fiquem menossujeitos às influências do clima na produção de forragens. Adelmo Ferreira de Santana
  27. 27. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 27 Os investimentos iniciais são menores do que sistema anterior, sendoindispensável um cabril que ofereça boas condições de acomodação e a divisão dapastagem em piquetes que possibilitem a rotação, para melhor aproveitamento dasforrageiras disponíveis e controle de verminose, tendo em vista uma maior lotaçãoanimal. A construção de cercas provoca um grande aumento no custo dosinvestimentos iniciais. Este é o inconveniente do sistema pois, para conter os caprinos,são necessários no mínimo nove fios de arame ou a instalação de piquetes a partir detela. Com a alimentação mais regular, esse sistema se adapta muito bem à produçãoleiteira, principalmente quando a raça escolhida é mais resistente. As raças maisindicadas para a criação semi - intensiva são originárias de climas tropicais, como aAnglonubiana. Animais puros, de raças originárias de climas temperados, tambémpodem ser criados semi-confinados, principalmente nas áreas mais frias do país. Emregiões mais quentes, o criador deve dar preferência aos cruzamentos dessas raçascom cabras nacionais, aumentando a resistência dos produtos.4.6 Aleitamento de cabritos e cabritas. Os diversos esquemas de aleitamento são discutidos a seguir, devendo o criadorescolher aquele que mais lhe convier. Seja qual for o esquema adotado, umconcentrado com 12 a 18 % de PB e uma mistura mineral completa devem sercolocados à disposição dos animais a partir dos três dias de idade, assim como umvolumoso do tipo rico, de preferência feno de leguminosa, a partir de oito dias. Cabritoscriados em confinamento, que não recebem sol diretamente, devem receber a vitaminaD, por via intramuscular.Colostro Para prevenção de futuras doenças, é importante assegurar a ingestão docolostro nas seis primeiras horas de vida, possibilitando a absorção de anticorpos pelocabrito, que ocorre mais intensamente neste período inicial. Em caso de morte damatriz. logo após o parto, o colostro proveniente de outras cabras ou substitutivospoderão ser utilizados: a) colostro fresco - nem sempre há outras fêmeas recém-paridas no criatório, mas esta é a maneira mais eficiente de suprir a cria; b) colostrocongelado - fêmeas com grande produção de colostro podem fornecer excesso para Adelmo Ferreira de Santana
  28. 28. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 28congelamento e uso posterior. No momento de ser administrado, é descongelado eaquecido à temperatura de 37o C. Fornecer 500 ml por dia divididos em quatro a cincoaleitamentos, durante os cinco primeiros dias. Caso não se disponha de quantidadessuficientes, fornecer o colostro apenas no primeiro dia; c) substitutos - uma mistura desoro sangüíneo e leite constitui um bom sucedâneo para o colostro. Pode-se utilizá-lofresco ou congelado.Soro fresco - coletar 600 ml de sangue de uma cabra adulta, deixar coagular àtemperatura ambiente por duas horas e separar o coágulo. Obtém-se assimaproximadamente 299 ml de soro, que são misturados a 300 ml de leite. fornecendo-sea mistura ao cabrito no esquema para o colostro. a temperatura deve ser de 35 a37o C.Soro congelado - o sangue pode ser obtido de uma cabra adulta abatida. Após acoagulação por duas horas à temperatura ambiente, colocar na geladeira por 12 horas.Retirar o coágulo e acrescentar, a cada litro de soro, 10 ml de merthiolate. Conservarem geladeira ou congelar. Na hora de administrar, descongelar e aquecer a 35 - 37ºC,misturando e distribuindo como o soro fresco.Idade à Desmama Fisiologicamente seria possível a desmama a partir de três semanas, quandonormalmente o caprino já está ruminando. Na prática, a desmama precoce é feita apartir de cinco semanas para as raças européias, tomando-se como base a época emque os cabritos têm o dobro do peso que tiveram ao nascer. Para raças menosprecoces, pode-se tomar o mesmo parâmetro de peso, para determinação da idade àdesmama. A desmama precoce causa inicialmente um menos desenvolvimento, quandocomparada à desmama tardia (três meses), mas se os animais estão comendoquantidades adequadas de concentrados e volumosos, geralmente alcançarão o pesonormal na puberdade. Para animais de alto valor, aconselha-se a desmama tardia, oque lhes garante realmente um desenvolvimento normal. Outro aspecto importante a ser observado é a relação cálcio e fósforo na ração.A urolitíase (cálculo urinário) aparece em machos, mesmo lactantes, que estejamconsumindo rações não balanceadas. Uma boa prevenção é fornecer uma mistura quecontenha cálcio e fósforo dentro de uma relação 2:1 ou 1,5:1. Adelmo Ferreira de Santana
  29. 29. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 29Esquemas de Aleitamento 1) Aleitamento natural - é a maneira mais prática de aleitamento, mas não amais econômica, devido aos altos preços do leite de cabra.Durante os cinco primeiros dias, a cabra e a cria permanecem juntas, mas isoladas dorestante do rebanho. Após este tempo, o cabrito é apartado, sendo levado à mães duasou três vezes ao dia, apenas para o aleitamento. Em alguns criatórios, o cabrito édeixado com a mãe após a ordenha da manhã, sendo apartado à tarde. Esteprocedimento, embora retarde o consumo de concentrados e volumosos pelos cabritos,exige menos mão-de-obra, sendo muitas vezes o único esquema possível. 2) Aleitamento artificial - neste sistema o cabrito é separado da mãe desde oprimeiro dia, recebendo o colostro e leite primeiramente em mamadeira ou caixa dealeitamento e depois no balde. Esta técnica, embora possibilite o uso de sucedâneosmais baratos que o leite de cabra, pode trazer diversos problemas sanitários e tambémaumenta a mão-de-obra. Os recipientes ou mamadeiras utilizadas devem ser rigorosamente limpos todosos dias. Pelo menos no primeiro mês, oferecer o leite ou sucedâneo aquecido a 35 –37o C, passando-se gradativamente a oferecê-los à temperatura ambiente no segundomês. Tomando-se estas providências evitam-se surtos de diarréia.Leite de vaca - é mais indicado do que o leite de soja para substituir o leite de cabra.Pode ser utilizado a partir de seis dias, em mistura gradual com leite de cabra.6 o ao 8 odia - 1 parte de leite de vaca / 2 partes leite de cabra9 o ao 11o dia - mistura em partes iguais12 o dia - leite de vaca puro4.7 Requisitos nutricionais Mantença As necessidades de energia para mantença variam de 125 a 163 kcal de energiadigestível (ED) por kg de peso metabólico (SENGAR, 1980). Para cabras criadas em Adelmo Ferreira de Santana
  30. 30. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 30sistemas semi-intensivo, os requerimentos são 33 % mais elevados, em decorrência damaior atividade (LINDAHL, 1974). Quanto aos requisitos protéicos, são necessários 3,13 a 3,83 g de proteínadigestível (PD) (SENGAR, 1980) ou 5,7 g de proteína bruta (PB) (BROWN, 1980) porkg de peso metabólico.Crescimento A taxa de crescimento dos caprinos segue uma curva normal típica de cadaraça, variando com o clima e região. Na porção inicial da curva, antes do seu ponto deinflexão, o ganho de peso é mais fácil, sendo necessárias menores quantidades deproteína e energia por kg ganho. Após o ponto de inflexão, a conversão pioraprogressivamente, não se conseguindo acelerar o ganho de peso através da melhoriada ração.Gestação As exigências de energia aumentam nas oito últimas semanas de gestação.Nesse período, as necessidades são de 221,79 kcal de ED/kg de peso metabólico.Verificar o ganho de peso durante a gestação para o reajuste periódico de requisito(SENGAR, 1980). Com os requisitos energéticos, as exigências de proteína aumentam nesta fase,sendo necessários 5,55 g de PD/kg de peso metabólico para atender a mantença egestação (Sengar, 1980). Em proteína bruta, adicionar aos requisitos de mantença 30 ge mais 20 g por kg de peso ganho (Brown, 1980).Produção de leite Para a mantença de cabras em lactação, são necessárias a 98 kcal de ED/kg depeso metabólico e 1.520 kcal de ED/kg de leite produzido, corrigido para 4 % degordura (SENGAR, 1980). Adelmo Ferreira de Santana
  31. 31. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 31Vitaminas e minerais As deficiências de minerais e vitaminas podem ter conseqüências graves emcabras altas produtoras. Para dar uma noção das necessidades de minerais, pode-seobservar que uma cabra produzindo 600 kg de leite por ano excreta mais do dobro dasmatérias minerais contidas em seu corpo. Aquelas que produzem 1.200 kg por anoexcretam, pelo leite, nos primeiros 50 dias de lactação, uma quantidade de mineraisequivalente à contida em seu esqueleto. Assim, os riscos de deficiência, principalmentede Ca e P, são sérios, devendo a alimentação ser ajustada aos requisitos de produção. A carência de microelementos também traz conseqüências, sendo a cabra maissensível que outros ruminantes . Os sintomas de deficiência mineral são encontradosno capítulo referente à sanidade do rebanho. Água A ingestão de água varia com a temperatura ambiente e os níveis de produção.Para os trópicos estima-se em 4,0 - 4,5 por kg de MS ingerida (DEVENDRA, 1978). Emtemperaturas médias de 12 a 18o C, cabras secas ingerem 2 kg/kg de MS e; quandoem lactação, 3,5 a 3,8 por kg de MS (MORAND-FEHR et al. 1981). É importante que a água seja oferecida à vontade, pois a restrição causadiminuição no consumo de MS e na produção de leite. Deve ser potável epreferivelmente “morna”, pois a temperatura tem grande influência no consumo.4.8 Alimentação por categoriaCabritos em crescimento Nesta fase, a partir do quarto mês, os concentrados são fornecidos emquantidades restritas. É importante oferecer volumosos tipo rico ou médio, para que osanimais atinjam mais cedo o peso mínimo para reprodução. Uma mistura deconcentrados com 14 a 16 % de PB, fornecida nas quantidades de 300 a 400 g/dia. Ésuficiente para cobrir requisitos de mantença e crescimento. Quando o volumoso é depior qualidade, concentrados com maiores teores de PB são requeridos. Adelmo Ferreira de Santana
  32. 32. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 32Uma mistura mineral completa, disponível sem restrições, complementa os requisitosde cálcio, fósforo e demais elementos. Recomenda-se ajustar a relação cálcio/fósforo da ração para 2:1 ou 1,5:1 comoprevenção à urolitíase. No confinamento, quando os animais não têm acesso asolários, administrar vitamina D por via parenteral.Cabras no final de gestação Nas últimas oito semanas que antecedem o parto, as cabras reduzem em tornode 20 % a ingestão de Matéria Seca, devido ao aumento de volume do útero, quecomprime o rúmen. Neste período, exigências nutricionais são mais elevadas, já queatendem aos requisitos da mãe e do feto em formação. Se os nutrientes não sãosuficientes, a concorrência entre mãe e feto poderá levar ao aborto. Geralmente 500 a600 g de concentrado com 20 a 24 % de PB são suficientes para atender aosrequisitos, juntamente com volumosos de boa qualidade e uma mistura mineral. Nesta fase, é recomendável verificar os níveis de vitamina A da dieta. Noperíodo de seca, quando as forragens verdes - principal fonte de vitamina A - sãoescassas, não é raro o aborto por sua deficiência. A via mais eficiente desuplementação é a parenteral.Cabras em lactação Para fêmeas de alta produção, uma dieta total à base de 16 % de PB atende aosrequisitos conjuntos de mantença e produção. Para cabras de baixa produção, sempotencial genético, teores de 14 % de PB são suficientes. os concentrados devem sercompostos de maneira que, juntamente com os volumosos, dêem uma dieta final comestes teores, sendo fornecidos nas quantidades de 500 g para a mantença e 200 a 300g/kg de leite produzido. Assim, quando o volumoso é do tipo rico ou médio,concentrados com 16 a 20 % de PB são suficientes para atender aos requisitos. Jácom os tipos pobre ou muito pobre, os concentrados devem ter de 22 a 24 % de PB.Existem outros fatores limitantes a serem observados na formulação da dieta. Deve-severificar sempre se os níveis de energia, cálcio e fósforo atendem aos requisitos,principalmente de cabras altas produtoras. Mesmo tendo à disposição uma misturamineral, os altos requisitos de produção não são cobertos, pois as cabras não Adelmo Ferreira de Santana
  33. 33. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 33conseguem ingeri-las em quantidades suficientes. É recomendável incorporar aoconcentrado 3 % de uma mistura mineral completa ou 1,5 % de ortofosfato bicálcico oufarinha de ossos calcinada e 1,5 % de sal traço mineralizado. Caso os volumososcontenham teores baixos de cálcio, incorporar também aos concentrados 1 % decalcário ou farinha de ostras. Durante a lactação, é importante que a alimentação seja oferecidaindividualmente, para que as cabras sejam suplementadas segundo sua produção.Deve-se fornecer concentrados durante a ordenha, ou fora deste período, quando ococho coletivo disponha de canzis para contenção dos animais.Alimentação dos reprodutores Devido à alta incidência de cálculos urinários em machos, faz-se necessário obalanceamento da dieta total, para que contenha cálcio e fósforo nas proporções2,0:1,0 ou 1,5:1. Para animais adultos (idade acima de dois anos), concentrados com16 a 18 % de PB oferecidos nas quantidades de 500 a 700 g/dia, juntamente comvolumosos de média qualidade, atendem aos requisitos de mantença. Durante aestação de monta, principalmente se o bode servir a um número excessivo de cabras,estas quantidades podem ser aumentadas. O que não se deve permitir é o desgasteexcessivo do reprodutor ou sua engorda, pois ambos prejudicam o desempenhosexual.Suplementação mineral Diversos fatores dificultam a suplementação mineral dos caprinos. Dentre eles,as poucas pesquisas referentes ao assunto e a inexistência no mercado de misturascomerciais prontas. A melhor mistura mineral para um criatório é aquela baseada na análise do solo,forrageiras e água da região. Quando for impossível fazer estas análises, as misturascomerciais para bovinos podem ser utilizadas, dando-se preferência às que contenhamníveis altos de ortofosfato bicálcico ou farinha de ossos (acima de 40 % na misturafinal) e que sejam fabricadas por firmas idôneas. Para a escolha, verificar os requisitosde cabras leiteiras, citados na Tabela 7. Caprinos adultos ingerem aproximadamente15 g de uma mistura mineral completa por dia. Adelmo Ferreira de Santana
  34. 34. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 34 Embora os minerais que compõem a mistura devem estar de acordo com acomposição das forrageiras, dá-se a seguir uma fórmula, esclarecendo que não éadequada para todas as regiões do Brasil. Existem diversos sinergismos eantagonismos entre elementos, como o cobre e molibdênio, magnésio e cálcio, a seremconsiderados.Mistura mineralOrtofosfato bicálcico....................................................50,000Sulfato de cobre............................................................ 0,300Sulfato de cobalto......................................................... 0,050Sulfato de zinco............................................................ 0,120Iodato de potássio......................................................... 0,015Cloreto de sódio...........................................................49,5154.9 Tipos de alimentos Conforme já citado neste capítulo, a cabra tem preferência por forrageiras deporte alto, que estejam à altura de sua cabeça, ingerindo principalmente as de folhaslargas, como leguminosas e arbustos. Embora tenha preferência, a cabra se adaptafacilmente a vários tipos de alimentos, ingerindo um número muito maior de espéciesforrageiras quando comparada a outros ruminantes domésticos. Assim, em pastagensbem formadas, sua dieta pode se compor em grande parte de gramíneas. Na formação de pastagens, os hábitos alimentares dos caprinos devem serlevados em consideração. Seja qual for a forrageira escolhida para plantio,leguminosas nativas, rasteiras ou arbustivas, podem ser preservadas juntamente comoutros arbustos e plantas herbáceas. Para decidir sobre a preservação ou erradicaçãode determinada espécie, deve-se observar os caprinos em pastoreio, verificando se épor ele ingerida ou recusada. Para a escolha da forrageira, as condições climáticas e do solo de cada regiãodevem ser apreciadas pelo criador. Numerosas gramíneas e leguminosas são bemaceitas pelos caprinos, cada uma delas com vantagens e desvantagens.Gramíneas Adelmo Ferreira de Santana
  35. 35. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 35 Capim-elefante (Penisetum purpureum Schum) As variedades Napier e Camerum vêm sendo usadas em piquetes parapastoreio direto. Apenas suas folhas são ingeridas pelos caprinos, sendo necessário ocorte periódico dos talos. Para bom aproveitamento, manejar os piquetes de maneiraque sua altura se mantenha em torno de 80 cm. Apresentam vantagens no controle deverminose quando comparadas a gramíneas de porte baixo, mais sujeitas àcontaminação pelas fezes.Gramínea de porte baixo ou médio Estão sendo utilizadas, com destaque, o Brachiaria decumbens, Setaria anceps(var. Kazungula), Cenchrus ciliaris (capim buffel), Hyparrhenia ruffa (capim-jaraguá),Mellinis minutiflora (capim-gordura), entre outros.Leguminosas A consorciação com leguminosas rasteiras ou arbustivas é de grande utilidadepara melhorar o valor nutritivo das pastagens. Podem ser citados a Leucaenaleucocephala (leucaena), Glycine wightii (soja perene e variedades), Galactia striata,Centrosema pubescens (centrosema), Cajanus cajan (feijão-guandu) e a Prosopisjuliflora (algarobeira).O uso das pastagens mistas é particularmente aconselhável para caprinos quemostrem menores produtividades e até distúrbios reprodutivos, quando recebem pormuito tempo uma única espécie de forrageira como volumoso. A caatinga do Nordeste,constituída basicamente por árvores e arbusto, vem sendo usada a longo tempo.Devido à preferência da espécie por vegetação arbustiva, esta pastagem seria idealpara o caprino se não fosse a variação estacional na produtividade; o semeio degramíneas nativas e exóticas tem sido praticado, visando aumentar a capacidade desuporte da caatinga. Mais pesquisas são necessárias para se determinar os reaisefeitos destas técnicas.5. INSTALAÇÕES Adelmo Ferreira de Santana
  36. 36. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 36 Desde o início da exploração dos animais domésticos, o homem sentiu anecessidade de utilizar meios que facilitassem as operações de manejo e, ao mesmotempo, propiciassem conforto e segurança aos mesmos. Daí surgiu a idéia de edificarinstalações as quais, aos poucos, foram-se adequando às exigências de cada tipo defunção desempenhada.5.1 Instalações de contençãoCercas Pode representar cerca de 10 % do custo total da exploração caprina, uma vezque exige uma grande quantidade de material (arame, madeira, grampo etc.), bemcomo mão-de-obra para sua preparação e manutenção. A cerca desempenha funçõesimportantíssimas na criação, como por exemplo:- divisão e manejo das pastagens;- isolamento dos animais (doentes, recém-nascidos, recém adquiridos, gestantes etc.)- separação dos animais (jovens e adultos);- alimentação diferencial, de acordo com a categoria ou estado fisiológico dos animais(gestantes, lactantes, em aleitamento, desmame, engorda, parto etc.);- proteção dos animais (evitando perdas por evasão, roubo etc.);- proteção das pastagens novas (evitando degradação das mesmas e permitindo suarecuperação);- restrição à promiscuidade entre os animais, evitando focos de infestação.Condições importantes da cerca: atingir o propósito a que se destina; ter longaduração; reduzir mão-de-obra e seu custo de manutenção.Tipos de cercas:- arame farpado - com 9 fios e estaca de metro em metro;- madeira: - vara; pau a pique; cama e tesoura;- pedra;- elétrica;- cerca viva;- mista;- tela. Adelmo Ferreira de Santana
  37. 37. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 37Altura mínima: 1,5 mAprisco A natureza e o tipo de instalação dependem do fim que se tenha em vista naexploração, e do sistema de produção adotado. Assim, no sistema extensivo, há umanecessidade mínima de instalações. Já o sistema semi-extensivo ou misto requer maisinstalações e, no intensivo, a exigência de instalações e equipamentos é a maior detodas, face ao seu grau de sofisticação técnica. Nas criações extensivas do Nordeste do Brasil, há um tipo de instalaçãobastante conhecido, o chiqueiro, que consiste em uma pequena área, com ou semsombras, cercada de pau-a-pique.Os chiqueiros são usados mais como proteção contra predadores. Suas condiçõeshigiênicas são precárias e eles se destinam a animais produtores de pele e carne. János sistemas mistos e intensivo de exploração do Nordeste, adotam-se os apriscos,que podem ser:a) de chão batido - constituídos por uma área aberta, cercada de madeira, com umaparte coberta de telhas, palha etc.;b) de pino suspenso - formado por ripado de madeira, a uma altura de 80 cm do solo, 2separações entre si de 1 cm e com área de 1,0 a 1,5 m por animal.Maternidade A maternidade é composta de baias especiais num mesmo galpão, ou emgalpões separadas para cabras em adiantado estado de gestação. Essasacomodações podem ser individual ou coletivas. Também podem existir maternidadescoletivas, com divisões móveis, para serem utilizadas quando necessário. Amaternidade tem grande importância na assistência ao parto, na garantia de condiçõeshigiênicas para o recém-nascido e na própria preservação da cria contra predadores.Na falta da maternidade, pode ser usado o chamado piquete maternidade, que consisteem uma pequena área desmatada, plantada com capim de pisoteio, onde as matrizespoderão realizar seus partos. Nas baias-maternidade, deve existir uma área coberta de 21,5 a 2,0 m por animal, com um pé direito de 2,5 m de altura..Cabriteiro Adelmo Ferreira de Santana
  38. 38. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 38 É um local destinado ao alojamento das crias, situado no interior do galpão eprotegido contra vento, umidade, sol e chuva. O cabriteiro precisa ter as melhorescondições higiênicas possíveis. O piso pode ser construído de ripado; é possíveltambém utilizar cama de capim seco, palha ou areia grossa, para evitar a umidade, aqual deve ser removida semanalmente.Brete O brete é uma instalação muito útil a execução de certas práticas com osanimais, principalmente aquelas relacionadas com vacinação, vermifugação, marcação,pesagem etc. Permite um trabalho rápido, eficiente, evitando acidentes e “stress” dosanimais. Deve ser localizado na intercomunicação entre 2 currais de manejo; naentrada, deve ser construída uma seringa (forma de funil) para facilitar a chegada dosanimais no brete. Na saída do brete, pode ser localizada uma balança, protegida poruma coberta. O tamanho do brete varia de acordo com o número de animais dorebanho5.2 Instalações de apoioComedouros Os comedouros são utilizados para administração de ração balanceada e outrosconcentrados, bem como capim picado.Podem ser de vários tipos, modelos e tamanhos, adequando-se às necessidades e aonúmero dos animais. A sua distribuição se dá nas instalações ou no campo, podendo ser fixos oumóveis. nas instalações do lado de fora, para evitar desperdício e contaminação porfezes e urina; além do mais isso facilita o abastecimento. Os comedouros são construídos, em geral, de madeira (tábua, bambu etc.).Bebedouros Adelmo Ferreira de Santana
  39. 39. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 39 A distribuição da água poderá ser feita através de bebedouros localizados naparte externa das baias, para evitar contaminação com urina ou fezes, facilitar alimpeza e evitar umidade nas instalações. Os bebedouros podem ser dos tipos:-baldes plásticos ou de metal (limpeza trabalhosa ou pouco funcional);-bebedouros automáticos (sistema de válvula acionado pelo focinho dos animais,permitindo a saída da água);-bebedouros de nível constante (vasos comunicantes), que apresentam a vantagem deserem funcionais, de fácil execução e limpeza e de baixo custo;-cochos de alvenaria ou tanques com caneletas laterais.Saleiros Os saleiros exercem um papel importante na mineralização dos animais. Porisso, devem ser colocados nas clareiras da mata, em local plano e de fácil acesso, paracriações extensivas, e nos centros de manejo ou piquetes, para os sistemas de criaçãointensivo e misto. Para a mineralização, constroem-se cochos de madeira com 50 cm decomprimento por 15 cm de altura e 20 cm de largura, suspensos do chão a 40 cm, eprotegidos do sol e chuva por uma coberta de telha, palha ou outro material disponívelna região. Os saleiros devem ser distribuídos em todas as áreas de pastejo dos animais.Em geral, evitando-se que fiquem próximos das aguadas, como também o uso dematerial corrosivo na sua construção. Nos saleiros rústicos, tem-se lançado mão depneus velhos.Plataforma de ordenha Pode ser: - individual; - coletiva. A plataforma individual é mais usada onde o número de animais a seremordenhados seja inferior a 20. Nela, o ordenhador trabalha sentado, a cabra é contidapor um canzil e recebe concentrado durante a ordenha. Acima de 20 cabras emlactação, recomenda-se o uso de plataformas coletivas, que podem ser construídas de Adelmo Ferreira de Santana
  40. 40. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 40madeira (ripado) ou cimento, sendo que o segundo tipo é de mais fácil limpeza. Asplataformas coletivas podem ser construídas em linha reta, em ângulo, em paralelo ouem forma de U. Em qualquer dos casos, devem ser considerados: a) uma largura de 60cm; b) um comprimento, para cada animal, de 1,0 m; e c) uma altura do solo de 80cm,com rampa de subida e descida. O comprimento varia em função do número deanimais a serem ordenhados. O material para a construção de qualquer tipo deplataforma deve ser resistente e deve facilitar a higiene das instalações após aordenha. As sala de ordenha podem ser dos tipos: em túnel; em forma de espinha depeixe E em sistema rotativo. As salas de ordenha em túnel são fáceis de se utilizar por até 2 ordenhadores.Aquelas construídas em forma de espinha facilitam a colocação da máquina efavorecem a vigilância do ordenhador, sendo recomendadas para rebanhos médios, de30 a 80 animais. O sistema rotativo é rápido e eficiente, porém a operação torna-se cara; suautilização é recomendada para rebanhos grandes, acima de 80 animais. Quanto à capacidade, as salas de ordenha podem ser:. pequenas - destinadas a ordenha simultânea de 4 a 5 cabras;. médias - com capacidade para ordenhar 10 a 25 cabras simultaneamente;. grandes - oferecendo condições de ordenha acima de 25 cabras simultaneamente. O uso de máquinas só se justifica quando se possui rebanho acima de 40animais. Cada cabra requer cerca de 2 a 2,5 minutos para ser ordenhada e,dependendo de sua produção, poderá ser ordenhada 2 vezes por dia. O local dasedificações das salas de ordenha é de fundamental importância. Deve ser tranqüilo,sem odores ativos, portanto, distante dos reprodutores, e com bastante água parahigienização.Anexo para manipulação do leite A sala de ordenha apresenta uma série de vantagens:. permite a obtenção de leite mais higiênico;. proporciona maior conforto às cabras;. facilita a ordenha e oferece melhores condições de trabalho ao ordenhador;. apresenta menor custo de construção em relação a um estábulo; Adelmo Ferreira de Santana
  41. 41. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 41. redução de mão-de-obra, tempo de ordenha e prejuízos resultantes das variações donível profissional dos manejadores que, freqüentemente, entram e saem daexploração. Mas a sala de ordenha apresenta também seus inconvenientes:. custo adicional com instalações e equipamentos;. exigências de movimentações mais freqüentes dos animaisDepósito É o local destinado ao armazenamento de material, ração equipamentos etc.Local para preparar ração Área onde se instala o picador e o triturador de raçãoFonte de água A cabra gosta de água limpa e, por essa razão o melhor para o seuabastecimento seria a água corrente, proveniente de córregos ou conduzida em valasou calhas de cimento ou madeira, simplesmente bebedouros de qualquer tipo. Quandonão existe essa condição, pode-se sanar essa falta por meio de poços de onde a águaretirada, por meio de bomba e/ou moinho (catavento) para bebedouros. As fontes deabastecimento d’água podem ser : açudes, barreiros, cacimbas, rios, córregos enascentes.Baias para reprodutores As baias para reprodutores devem ser construídas o mais distante possível dascabras em lactação, para evitar que o leite fique impregnado com o cheiro ou odorhicino do reprodutor. 2 Nessas baias, deve existir uma área coberta de, no mínimo, 3m , com cocho deforragem, concentrado, sal mineral e água em anexo, faz-se um curral plano,descoberto, destinado ao exercício, à realização das coberturas e à exposição dosanimais ao sol. Adelmo Ferreira de Santana
  42. 42. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 42Local para isolamento A enfermaria é uma dependência essencial de um estábulo bem organizado.Tem por objetivo recolher os animais doentes ou suspeitos de portarem alguma doençacontagiosa. O seu tamanho varia com a dimensão do rebanho, porém ela deveráconter dependências individuais que abriguem pelo menos 5 % do efetivo total.Preferencialmente, esses locais individuais devem ter uma área de 4 a 5m2, incluindoabrigo e área de exercício.Pedilúvio Os pelúvios são pequenos quadrados de alvenaria ou concreto, feitosgeralmente na entrada das instalações, que contém solução desinfetante, com oobjetivo de promover a desinfecção dos cascos dos animais. Eles se revestem degrande importância na prevenção de frieiras ou podermatite dos caprinos. Geralmentesão usados nos pedilúvios o cal virgem 40 % iodophor de 100 a 200 mg/l, formol a 5 %etc. As soluções devem ser trocadas semelhantemente, e as dimensões ideais são: 1mde comprimento, por 10 cm de profundidade, e largura correspondente à da porteira.Solários Quando o sistema de criação usado é o intensivo (confinado), é aconselhável ouso do solário, que consiste em uma área aberta, anexa ao aprisco, e cuja finalidade épermitir que os animais recebem sol algumas horas do dia e se exercitam. Cabras quenão tomam sol nem realizam exercícios normalmente têm problemas de “stress”,traduzindo em anemia, raquitismo e diminuição da fertilidade.Esterqueira Adelmo Ferreira de Santana
  43. 43. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 43 A esterqueira tem por objetivo armazenar os excrementos e detritos retiradosdas instalações, os quais serão guardados nas melhores condições possíveis, para quefiquem bem curtidos e sirvam como bom adubo orgânico. Com esse tipo de instalação,escondem-se sujeiras, evita-se a proliferação de moscas e curte-se o material,diminuindo os riscos de contaminação da água e dos alimentos, e melhorando suascaracterísticas como adubo. Pode ser de vários tamanhos, tipos e materiais. Cadacabra produz em média 600 kg de esterco por ano.6. RAÇAS INDICADAS6.1 Raças leiteirasSaanen Cabeça - Média cônica, alongada e fina bem proporcionada e descarnada. Nomacho, barba longa e na fêmea pequeno focinho grande e largo. Perfil sub-côncavo ouretilíneo. Orelhas pequenas ou médias e eretas. Chifrudo ou mocho. Olhos grandes ecastanhos - claros. Pescoço - Nos machos, forte bem implantado. Proporcional ao corpo. Nasfêmeas delgado e harmonioso. Com ou sem brincos. Corpo - Bem conformado, longo e profundo saliente e amplo, bem largo nomacho. Linha dorso lombar retilínea. Tórax amplo e profundo, costelas bem arqueadase grande perímetro do tórax. Ventre amplo, profundo e de boa capacidade. Ancas bemseparadas. Garupa longa e larga, suavemente inclinada. Membros - Fortes, bem proporcionados e bem aprumados. Cascos fortes,amarelo claro e alongados. Órgãos genitais - Testículos normalmente desenvolvidos e móveis. Bolsaescrotal tamanho de médio, pele solta e flexível. Vulva rosada e normalmentedesenvolvida. Adelmo Ferreira de Santana
  44. 44. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 44 Glândula mamária - Com úbere globoso, volumoso, bem inserido, livre decarnosidade e simétrico. Veias mamárias longas, grossas e tortuosas. Tetas simétricasapontando para baixo e um pouco para frente. Pelagem - Branca, pelos curtos, finos, podendo ser um pouco mais longos nalinha dorso lombar e na partes baixa do corpo. Aptidão - Leiteira.Toggenburg Cabeça - Média, cônica e alongada, fronte larga, notadamente nos machos, combarba bem desenvolvida nos machos e pequena nas fêmeas. Perfil sub-côncavo.Orelhas pequenas ou médias, levantadas e dirigidas para frente. Com chifres oumochos. Olhos grandes castanhos claros e brilhantes. Pescoço - Nos machos, fortes bem implantado. Proporcional ao corpo. Nafêmea delgado e harmonioso, com ou sem brinco. Corpo - Bem conformado, longo e profundo. Peito largo, regulamente saliente eamplo. Linha dorso lombar retilínea. Tórax profundo e largo, amplo e com costelasbem arqueadas. Ventre amplo, profundo e de boa capacidade. Ancas bem separadas.Garupa longa, larga e suavemente inclinada. Membros - Fortes de comprimento médios e bem aprumados e proporcionaisao corpo. Orgãos genitais - Testículos normalmente desenvolvidos e móveis. Bolsaescrotal de tamanho médio, pele solta e flexível. Vulva normalmente desemvolvida ede cor rósea. Aparelho mamário - Úbere simétrico, bem desenvolvido, sem carnosidade, beminserido, veias mamárias volumosas, bem desenvolvidas e tortuosas. Tetas simétricas,tamanho médio ligeramente voltados para fora e para frente. Pelagem - Cor acinzentada, variando do claro ao escuro, com duas faixasbrancas, contínuas nas fêmeas que partindo da orelha e passando próximo aos olhosvão terminar ao lado da boca. Ponta do focinho e das bodas das orelhas brancas. Partedistral dos membros branca. Sendo que, na face interna, esta mancha continua até ainserção com o tronco. Triângulo branco na inserção da cauda. Nos machos, peloslongos ou curtos. Nas fêmeas pelos macios finos e brilhantes. Adelmo Ferreira de Santana
  45. 45. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 45Alpina Cabeça - Média, cônica, alongada e fina, testa bem proporcionada edescarnada. No macho barba longa e na fêmea ausente ou pouco desenvolvida.Focinho longo e largo. Perfil sub-côncavo. Com chifres ou mochos. Olhos grandes,claros, amarelo- pardo ou castanho-pardo. Orelhas finas, retas, estreitas, de tamanhosmédios, saindo para os lados e para cima, conchas auriculares alongadas e bemformadas. Pescoço - Nos machos forte e bem implantado. Corpo - Bem conformado, longo e profundo. Peito saliente e amplo, bem largonos machos. Linha dorso lombar retílinea. Torax profundo e costelas bem arqueadas.Ancas bem separadas. Garupa longa e suavemente inclinada. Ventre amplo e bemconformado. Membro - Bem conformados, forte e bem separados. Cascos pretos e fortes. Orgaõs genitais - Testiculos desenvolvidos, bem conformados e movediços.Bolsa escrotal. Tamanho médio, pele solta e flexível. Vulva bem conformada, comlábios delicados e de coloração rósea. Aparelho mamário- Úbere volumoso, bem inserido, livre de carnosidades esimetricos. Veias mamárias longas, grossas e tortuosas. Tetas de tamanho médio,bem distintas, apontando para baixo e ligeiramente para frente. Pelagem - Castanho - parda, apresentando listas preta da nuca até garupa,ventre preto ou creme, chanfro a parte distral dos membros pretos ou creme, com listaspretas. Pelagem preta uniforme. Pelagem castanho - parda, com manchas brancas(malhada). Pelagem repartida: a parte anterior do corpo castanho – claro. Pelagem:Repartida com a cabeça, pescoço, membros e parte ventral do corpo castanhos, dorso,lombo e francos castanhos-escuros ou pretos; parda, preta, malhada e suascombinações, pelos curtos e lisos. Aptidão - Leiteira6.2 Raças mistasAnglonubiana Adelmo Ferreira de Santana
  46. 46. PRODUÇÃO DE CABRA DE LEITE 46 Cabeça - Bem conformada, proporcional ao corpo. Perfil convexo. Orelhasimplantação alta, médias, longas espalmadas, pendentes, dirigidas para fora e voltadaspara frente nas extremidades ultrapassando a ponta do focinho até 3cm. Mocho ouchifrudo quando for de origem canadense. Olhos vivos, grandes e brilhantes. Pescoço - Bem implantado, musculoso, médio ou sem barbela nos machos.delicado, bem levantado nas fêmeas. Corpo - Longo, profundo e bem conformado. Peito amplo, musculoso eprofundo. Linha dorso lombar retilínea e larga. Tórax profundo costelas bemarqueadas. Ventre amplo, profundo e de boa capacidade. Ancas bem separadas.Garupa longa, larga, suavemente inclinada. Membros - Fortes, bem aprumados. Cascos fortes, coloração de acordo com apelagem. Órgãos genitais - Testículos normalmente desenvolvidos, médios e móveis.Bolsa escrotal normalmente desenvolvida, pele solta e flexível. Vulva normalmentedesenvolvida, pele solta e desenvolvida. Aparelho mamário - Úbere volumoso, macio e bem inserido. Tetas simétricas,dirigidos ligeiramente para frente. Pelagem - Qualquer pelagem, pelos curtos e brilhantes. Pele solta e média,predominantemente a cor escura. Mucosas predominantemente escura. Aptidão - Carne e leite Defeitos desclassificatórios - Cabeça grande, perfil reto ou côncavo, orelhaspequenas ou excessivamente longas, pescoço fino nos machos, corpo estreito ecurto, garupa curta e acentuadamente inclinada e pelos longos.Mambrina Cabeça - Grande, forte e larga. Perfil sub-convexo e ultra convexo. Orelhaslongas, largas e pendentes, ultrapassando o focinho e espalmadas, apresentando umacurva para dentro e para fora nas extremidades. Chifres nos machos: largos, saindopara os lados e espalmado para cima e para trás. Nas fêmeas: espalmado e para trás.Olhos cinzentos ou pretos. Pescoço - Nos machos: músculos, bem implantado, com ou sem barbela. Nas Adelmo Ferreira de Santana

×