Tolerância oral

1.908 visualizações

Publicada em

Aula Tolerância Oral

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.908
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tolerância oral

  1. 1. Tolerância Oral
  2. 2. Mucosa: Epitélio que reveste as cavidades do corpo que estão em contato com o exterior, tais como o do trato-gastrointestinal, respiratório e urogenital Figura 12.1 Immunobiology, 7ed. (©Garland Science 2008)
  3. 3. Mucosa: Epitélio que reveste as cavidades do corpo que estão em contato com o exterior, tais como o do trato-gastrointestinal, respiratório e urogenital - Área superior a 300m2; - Aproximadamente 30 kg de proteínas alimentares alcançam o intestino humano durante o ano, sendo 130-190g são absorvidos diariamente.
  4. 4. - Digestão ótima do alimento; - Manutenção da homeostasia epitelial; - Modulação do metabolismo lipídico; - Promoção da angiogênese local e a função dos nervos entéricos; - Auxiliam na resistência à infecção; - Promovem o desenvolvimento normal e a regulação da homeostasia do sistema imunológico associado à mucosa. Trato-gastrointestinal: maior reservatório de microrganismos, com 1014 indivíduos. Presença de proteínas alimentares + Microbiota Necessidade de baixa reatividade imunológica! Nature Immunology 14, 660–667 (2013)
  5. 5. Figura 12.5 Immunobiology, 7ed. (©Garland Science 2008)
  6. 6. Nature Reviews Microbiology 10, 66-78 (2012) DC CD103+
  7. 7. Nature Immunology 14, 660–667 (2013) Ambiente tolerogênico Indução da tolerância oral
  8. 8. Tolerância oral: estado de baixa reatividade imunológica sistêmica e específica a um determinado antígeno após a administração do mesmo por via oral (Vaz, Maia, Hanson & Lynch, 1977). Figura 12.22 Immunobiology, 7ed. (©Garland Science 2008) - Não é programada nas linhagens germinativas, mas adquirida durante a maturação do sistema imune; - Envolve 3 principais mecanismos: 1. Supressão ativa (células T reguladoras); 2. Deleção clonal; 3. Anergia clonal.
  9. 9. - Dose do Antígeno: Tolerância oral: Quais os fatores que a modulam? Immunological Reviews 241, 241–259 (2011)
  10. 10. - Dose do Antígeno: Tolerância oral: Quais os fatores que a modulam? Immunological Reviews 241, 241–259 (2011)
  11. 11. - Dose do Antígeno: Tolerância oral: Quais os fatores que a modulam? Immunological Reviews 241, 241–259 (2011)
  12. 12. - Microbiota: - Indução de tolerância a inúmeros antígenos; - Tolerância de longo prazo. -Indução de tolerância a poucos antígenos; - Tolerância de curto prazo. Microbiota normal Germ-free Tolerância oral: Quais os fatores que a modulam?
  13. 13. - Defeitos no epitélio intestinal; - Desorganização estrutural das Placas de Peyer e linfonodo mesentérico; - Menor número de linfócitos totais nos tecidos linfáticos associados à mucosa intestinal. - Indução de tolerância a inúmeros antígenos; - Tolerância de longo prazo. -Indução de tolerância a poucos antígenos; - Tolerância de curto prazo. Microbiota normal Germ-free - Microbiota: Tolerância oral: Quais os fatores que a modulam?
  14. 14. - Indução de citocinas anti-inflamatórias e diferenciação de células T reguladoras (ex.: B. fragilis); - Supressão de citocinas e quimiocinas pró- inflamatórias (ex.: Lactobacillus spp e Bacteroides spp). - Indução de tolerância a inúmeros antígenos; - Tolerância de longo prazo. -Indução de tolerância a poucos antígenos; - Tolerância de curto prazo. Microbiota normal Germ-free Potencializam a tolerância oral - Microbiota: Tolerância oral: Quais os fatores que a modulam?
  15. 15. Tolerância oral: Quais os fatores que a modulam?
  16. 16. ? Tolerância oral: da mucosa intestinal para a periferia... Adaptado de Figura 11.11 Immunobiology, 7ed. (©Garland Science 2008)
  17. 17. Tolerância oral: da mucosa intestinal para a periferia... 1. Apresentação de antígenos por: - Células endoteliais sinusóides; - Células dendríticas tolerogênicas; - Células dendríticas plasmocitóides; 2. Apresentação dos antígenos livres por células dendríticas, sem o coestímulo necessário, nos linfonodos periféricos. ? Adaptado de Figura 11.11 Immunobiology, 7ed. (©Garland Science 2008)
  18. 18. Tolerância oral: da mucosa intestinal para a periferia... Discov Med. 2004 Oct;4(23):338-43. “Hierarquia” de inibição: Reações de hipersensibilidade tardia e respostas Th1 >Th2.
  19. 19. Na mucosa intestinal e nas demais mucosas só ocorrem respostas tolerantes/reguladoras?
  20. 20. Patógenos intestinais e doenças associadas: Figura 12.18 Immunobiology, 7ed. (©Garland Science 2008)
  21. 21. Grande desafio do sistema imune de mucosas: Distinguir entre o que deve (organismos patogênicos) e o que não deve (proteínas alimentares) responder. Figura 12.2 Immunobiology, 7ed. (©Garland Science 2008)
  22. 22. Nature Reviews Immunology 3, 331-341 (2003)
  23. 23. Nature Immunology 14, 660–667 (2013)
  24. 24. Resumindo... Figura 12.22 Immunobiology, 7ed. (©Garland Science 2008)
  25. 25. Resumindo... Indução de tolerância oral para o tratamento de doenças autoimunes/inflamatórias.
  26. 26. Resumindo... Indução de tolerância oral para o tratamento de doenças autoimunes/inflamatórias. Vacinação via mucosa.
  27. 27. Fim!

×