SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE
                                                 Curso de Línguas e Humanidades

              Duração da Prova: 90 minutos                                                        Ano Lectivo de 2011/12

                                       TESTE ESCRITO DE HISTÓRIA A – 12º Ano


                                                          GRUPO I


TEMA: O TEMPO DA GUERRA FRIA – A CONSOLIDAÇÃO DE UM MUNDO BIPOLAR.
Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos:

Doc. 1 – Política de alianças entre a Europa e os EUA, segundo a perspectiva britânica (The Guardian, 15 de Janeiro de 1963)
Doc. 2 – Política de alianças entre a Europa e os EUA, segundo o presidente da França, general De Gaulle (23 de Julho de 1964)
________________________________________________________________________________

Doc. 1

Política de alianças entre a Europa e os EUA, segundo a perspectiva britânica

(The Guardian, 15 de Janeiro de 1963)

É impensável que o Reino Unido se integre numa Europa tal como o presidente De Gaulle
a concebe. O Reino Unido é, em última análise, uma potência atlântica antes de ser
europeia, e os seus laços com os EUA têm, pelo menos, tanto valor como os seus laços
com a Europa Ocidental.
É por estas razões que as condições postas pelo general De Gaulle são inaceitáveis.

Doc.2

Política de alianças entre a Europa e os EUA,
segundo o presidente da França, general De Gaulle (23 de Julho de 1964)

No final da última guerra mundial […] só os EUA e a URSS eram grandes potências […].
É evidente que as coisas mudaram. Os estados ocidentais do nosso Velho Continente
refizerama sua economia. Restabeleceram as suas forças militares. […] Sobretudo,
tomaram consciência dos seus vínculos naturais. Numa palavra, a Europa Ocidental
aparece como susceptível de constituir uma entidade capital, repleta de valores e de
meios, capaz de viver a sua vida, não seguramente em oposição ao Novo Mundo, mas
sim a seu lado. […]
Convém, sem dúvida, que mantenha com a América uma aliança que, no Atlântico Norte,
interesse a uma e a outra, enquanto dure a ameaça soviética. Mas as razões que, para a
Europa, faziam da aliança uma subordinação deixam cada vez mais de ter sentido.

1. Compare, relativamente à afirmação política e militar da Europa Ocidental face à
liderança dos EUA, a perspectiva expressa no documento 1 com a perspectiva expressa
no documento 2.

2. Recorrendo aos seus conhecimentos, explicite dois dos momentos de maior tensão que
aconteceram durante a Guerra Fria.
GRUPO II


 TEMA: PORTUGAL – IMOBILISMO POLÍTICO E CRESCIMENTO ECONÓMICO DO
                         PÓS-GUERRA A 1974
Doc. 1




1. Demonstre, com alguns exemplos práticos, a alteração da política económica reflectida no
documento.

                                                   GRUPO III

TEMA: PORTUGAL, DO AUTORITARISMO À DEMOCRACIA




Doc. 2

                         Proclamação do General Humberto Delgado (Maio de 1958)

                                A todos os Portugueses da Metrópole e do Ultramar
        Cidadãos de todas as idades e de todas as correntes liberais antitotalitárias, não só da Oposição declarada,
como também dos próprios sectores da Situação [...].
        Se é perigoso para alguém candidatar-se e se os portugueses têm medo de votar ou não crêem na validade
do voto – graves acontecimentos estão subvertendo o nosso querido Portugal e imperioso é que se tomem medidas
salvadoras. [...]
        Creio estar no espírito de todos que as responsabilidades internacionais assumidas por Portugal, a sua
presença nos organismos de carácter democrático e a unidade que temos de defender em territórios portugueses
espalhados por quatro continentes, não podem nem devem ser perturbadas por mudanças bruscas e violentas de
regime ou de política.
        Como candidato independente proponho ao País, sem dúvida mal preparado para súbitas mudanças, a
adopção progressiva e tão rápida quanto possível dos hábitos políticos correntes nos países democráticos. De resto,
aderindo à ONU e ao Pacto do Atlântico, Portugal tomou o compromisso de reger-se por instituições democráticas,
conforme o preâmbulo dos mesmos documentos. [...]
          O abismo trágico só se constituirá se a Situação teimar em impedir que o Povo eleja livremente os seus
representantes e decida por si os seus destinos.
          Na dignidade e na seriedade das eleições [...] os soberanos direitos e anseios do Povo [...] exigem que o Poder
se legitime e consagre por métodos análogos aos usados nas nações livres do Mundo [...].
          Um poder que assente no uso imoderado da força e não no respeito dos direitos humanos desperta paixões e
violências, que ao explodir tudo subvertem e nada constroem.
                                                     Programa mínimo
                                                             [...]
                                                     Na ordem interna
1.º – cumprir e fazer cumprir, sem esquivas e sem sofismas, na pureza do juramento a prestar, a actual Constituição
Política da República, nomeadamente o art.º 8.º, que garante a todos os cidadãos os direitos fundamentais [...];
2.º – garantir [...] que a Nação possa organizar-se politicamente em regime de pacífica convivência, eleger livremente
os seus representantes e decidir dos seus destinos [...].
                                                    Na ordem externa
1.º – manter e consolidar os nossos compromissos e direitos internacionais de potência ocidental, geograficamente
dispersa, mas política e moralmente unida e indissociável; [...]
3.º – defender e prestigiar a todo o transe os direitos da nossa Soberania.

Doc. 3
 Angola, Moçambique e Guiné são províncias de Portugal. Os seus habitantes, pretos ou brancos, são
portugueses. As perturbações de ordem interna, as violências lá produzidas, as agressões por guerrilhas vindas
do exterior têm de ser reprimidas e repelidas pelos portugueses. É um dever e uma responsabilidade nossas.
(…).
  De vez em quando, amigos estrangeiros aconselham-nos a negociar. E já cá dentro se escutaram vozes nesse
sentido. Tive ensejo de examinar publicamente tal sugestão. (…).
  Uma tal negociação equivaleria à capitulação. (…).

                                               Discurso de Marcello Caetano na rádio e na televisão em 3 de Julho de 1972



1. Justifique a seguinte afirmação de Humberto Delgado: «(...) os portugueses (...) não crêem na validade
do voto (...)».


2. Analise a evolução política do Estado Novo, de 1945 a inícios dos anos 70.

A sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, os seguintes tópicos de desenvolvimento:
- a “democratização” do regime após a 2ª guerra.
- os momentos de oposição - os vários episódios.
– o impacto político das eleições de 1958.
- a justificação para a manutenção do império e o isolamento internacional de Portugal.

Deve integrar na resposta, para além dos seus conhecimentos, os dados disponíveis nos documentos.

Identificação das fontes:
Doc1 – Discurso de Salazar a 7/10/1945
Doc 2.: Proclamação do General Humberto Delgado (Maio de 1958), in Arquivo Histórico da Força Aérea,
http://www.humbertodelgado.pt
Doc. 3 –Discurso de Marcelo        Caetano, 197


Cotações
Grupo I - 20+20 = 40
Grupo II - 30
Grupo III - 25 +105
Total: 200 pontos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
Carlos Vieira
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
BarbaraSilveira9
 
12º ano lh1 2ºt 2º p
12º ano lh1 2ºt 2º p12º ano lh1 2ºt 2º p
12º ano lh1 2ºt 2º p
Ana Cristina F
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
Teresa Maia
 

Mais procurados (20)

A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
Geografia c 12
Geografia c 12Geografia c 12
Geografia c 12
 
Mundo comunista
Mundo comunistaMundo comunista
Mundo comunista
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à Democracia
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano Resumos Exame Nacional Português 12º ano
Resumos Exame Nacional Português 12º ano
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
 
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9  Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
12º ano lh1 2ºt 2º p
12º ano lh1 2ºt 2º p12º ano lh1 2ºt 2º p
12º ano lh1 2ºt 2º p
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
 
9 02 a viragem para uma nova era
9 02 a viragem para uma nova era9 02 a viragem para uma nova era
9 02 a viragem para uma nova era
 
Ano da morte
Ano da morteAno da morte
Ano da morte
 

Destaque

Apresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismosApresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismos
Escoladocs
 
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Laboratório de História
 
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaApresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Laboratório de História
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Escoladocs
 
Propostas de resolução teste 12º
Propostas de resolução teste 12ºPropostas de resolução teste 12º
Propostas de resolução teste 12º
Escoladocs
 
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto socialApresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
Escoladocs
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Ana Cristina F
 
Orações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasOrações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativas
Margarida Tomaz
 
Funções sintáticas da frase
Funções sintáticas da fraseFunções sintáticas da frase
Funções sintáticas da frase
Vanda Marques
 

Destaque (9)

Apresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismosApresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismos
 
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
 
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaApresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democracia
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
 
Propostas de resolução teste 12º
Propostas de resolução teste 12ºPropostas de resolução teste 12º
Propostas de resolução teste 12º
 
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto socialApresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
 
Orações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativasOrações subordinadas relativas
Orações subordinadas relativas
 
Funções sintáticas da frase
Funções sintáticas da fraseFunções sintáticas da frase
Funções sintáticas da frase
 

Semelhante a (12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)

Hist a623 p1_2011-2
Hist a623 p1_2011-2Hist a623 p1_2011-2
Hist a623 p1_2011-2
Escoladocs
 
Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011
Escoladocs
 
H9 4 bim_aluno_2013
H9 4 bim_aluno_2013H9 4 bim_aluno_2013
H9 4 bim_aluno_2013
Icobash
 
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaprova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
adriani23
 

Semelhante a (12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12) (20)

Hist a623 p1_2011-2
Hist a623 p1_2011-2Hist a623 p1_2011-2
Hist a623 p1_2011-2
 
12 f
12 f12 f
12 f
 
Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011
 
um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...
um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...
um-mundo-policentrico-antecedentes-geopoliticos-e-geoestrategicos-papel-da-on...
 
H9 4 bim_aluno_2013
H9 4 bim_aluno_2013H9 4 bim_aluno_2013
H9 4 bim_aluno_2013
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
 
Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976Constituição da República Portuguesa 1976
Constituição da República Portuguesa 1976
 
Era prosperidade (guardado automaticamente)
Era prosperidade (guardado automaticamente)Era prosperidade (guardado automaticamente)
Era prosperidade (guardado automaticamente)
 
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaprova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
prova de historiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
 
Mihaela e bernardo
Mihaela e bernardoMihaela e bernardo
Mihaela e bernardo
 
Exame 2014 1
Exame 2014 1Exame 2014 1
Exame 2014 1
 
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
 
Processos identitários
Processos identitáriosProcessos identitários
Processos identitários
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
Colocar algumas peças questão palestiniana
Colocar algumas peças questão palestinianaColocar algumas peças questão palestiniana
Colocar algumas peças questão palestiniana
 
CHSA 3ª SÉRIE- 3º BIM Professor.pdf
CHSA 3ª SÉRIE- 3º BIM Professor.pdfCHSA 3ª SÉRIE- 3º BIM Professor.pdf
CHSA 3ª SÉRIE- 3º BIM Professor.pdf
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
 
Hh8 fichaavaliacao diagnostica
Hh8 fichaavaliacao diagnosticaHh8 fichaavaliacao diagnostica
Hh8 fichaavaliacao diagnostica
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 

Mais de Ana Cristina F

Endereço de blog pessoal
Endereço de blog pessoalEndereço de blog pessoal
Endereço de blog pessoal
Ana Cristina F
 
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv aPrincipais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Ana Cristina F
 
Os orgãos políticos em atenas
Os orgãos políticos em atenasOs orgãos políticos em atenas
Os orgãos políticos em atenas
Ana Cristina F
 
Democracia em atenas leitura suplementar
Democracia em atenas   leitura suplementarDemocracia em atenas   leitura suplementar
Democracia em atenas leitura suplementar
Ana Cristina F
 
Conteúdos e aprendizagens relevantes teste
Conteúdos e aprendizagens relevantes testeConteúdos e aprendizagens relevantes teste
Conteúdos e aprendizagens relevantes teste
Ana Cristina F
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividadesProposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Ana Cristina F
 
Absolutismo regio -_leitura_suplementar
Absolutismo regio -_leitura_suplementarAbsolutismo regio -_leitura_suplementar
Absolutismo regio -_leitura_suplementar
Ana Cristina F
 
População no séc. xviii
População no séc. xviiiPopulação no séc. xviii
População no séc. xviii
Ana Cristina F
 
Populacaodaeuropa -esquema
Populacaodaeuropa  -esquemaPopulacaodaeuropa  -esquema
Populacaodaeuropa -esquema
Ana Cristina F
 
Portugal verão quente
Portugal   verão quentePortugal   verão quente
Portugal verão quente
Ana Cristina F
 
Do czarismo à rússia soviética esquema
Do czarismo à rússia soviética   esquemaDo czarismo à rússia soviética   esquema
Do czarismo à rússia soviética esquema
Ana Cristina F
 
Portugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacionalPortugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacional
Ana Cristina F
 
Temas saídos em exame 2008
Temas saídos em exame 2008Temas saídos em exame 2008
Temas saídos em exame 2008
Ana Cristina F
 

Mais de Ana Cristina F (20)

Endereço de blog pessoal
Endereço de blog pessoalEndereço de blog pessoal
Endereço de blog pessoal
 
Correcção marina
Correcção marinaCorrecção marina
Correcção marina
 
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv aPrincipais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
Principais instituições democráticas de atenas nos séculos v e iv a
 
Os orgãos políticos em atenas
Os orgãos políticos em atenasOs orgãos políticos em atenas
Os orgãos políticos em atenas
 
Democracia em atenas leitura suplementar
Democracia em atenas   leitura suplementarDemocracia em atenas   leitura suplementar
Democracia em atenas leitura suplementar
 
Conteúdos e aprendizagens relevantes teste
Conteúdos e aprendizagens relevantes testeConteúdos e aprendizagens relevantes teste
Conteúdos e aprendizagens relevantes teste
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividadesProposta de resolução do questionário do caderno de actividades
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades
 
Absolutismo regio -_leitura_suplementar
Absolutismo regio -_leitura_suplementarAbsolutismo regio -_leitura_suplementar
Absolutismo regio -_leitura_suplementar
 
População no séc. xviii
População no séc. xviiiPopulação no séc. xviii
População no séc. xviii
 
Populacaodaeuropa -esquema
Populacaodaeuropa  -esquemaPopulacaodaeuropa  -esquema
Populacaodaeuropa -esquema
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
O que e_a_historia
O que e_a_historiaO que e_a_historia
O que e_a_historia
 
Portugal verão quente
Portugal   verão quentePortugal   verão quente
Portugal verão quente
 
Fascismos
FascismosFascismos
Fascismos
 
Do czarismo à rússia soviética esquema
Do czarismo à rússia soviética   esquemaDo czarismo à rússia soviética   esquema
Do czarismo à rússia soviética esquema
 
Portugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacionalPortugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacional
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Estado novo esquema
Estado novo esquemaEstado novo esquema
Estado novo esquema
 
Doc1
Doc1Doc1
Doc1
 
Temas saídos em exame 2008
Temas saídos em exame 2008Temas saídos em exame 2008
Temas saídos em exame 2008
 

(12º ano lh2 3 1º t 2º p 2011-12)

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA DE PENICHE Curso de Línguas e Humanidades Duração da Prova: 90 minutos Ano Lectivo de 2011/12 TESTE ESCRITO DE HISTÓRIA A – 12º Ano GRUPO I TEMA: O TEMPO DA GUERRA FRIA – A CONSOLIDAÇÃO DE UM MUNDO BIPOLAR. Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos: Doc. 1 – Política de alianças entre a Europa e os EUA, segundo a perspectiva britânica (The Guardian, 15 de Janeiro de 1963) Doc. 2 – Política de alianças entre a Europa e os EUA, segundo o presidente da França, general De Gaulle (23 de Julho de 1964) ________________________________________________________________________________ Doc. 1 Política de alianças entre a Europa e os EUA, segundo a perspectiva britânica (The Guardian, 15 de Janeiro de 1963) É impensável que o Reino Unido se integre numa Europa tal como o presidente De Gaulle a concebe. O Reino Unido é, em última análise, uma potência atlântica antes de ser europeia, e os seus laços com os EUA têm, pelo menos, tanto valor como os seus laços com a Europa Ocidental. É por estas razões que as condições postas pelo general De Gaulle são inaceitáveis. Doc.2 Política de alianças entre a Europa e os EUA, segundo o presidente da França, general De Gaulle (23 de Julho de 1964) No final da última guerra mundial […] só os EUA e a URSS eram grandes potências […]. É evidente que as coisas mudaram. Os estados ocidentais do nosso Velho Continente refizerama sua economia. Restabeleceram as suas forças militares. […] Sobretudo, tomaram consciência dos seus vínculos naturais. Numa palavra, a Europa Ocidental aparece como susceptível de constituir uma entidade capital, repleta de valores e de meios, capaz de viver a sua vida, não seguramente em oposição ao Novo Mundo, mas sim a seu lado. […] Convém, sem dúvida, que mantenha com a América uma aliança que, no Atlântico Norte, interesse a uma e a outra, enquanto dure a ameaça soviética. Mas as razões que, para a Europa, faziam da aliança uma subordinação deixam cada vez mais de ter sentido. 1. Compare, relativamente à afirmação política e militar da Europa Ocidental face à liderança dos EUA, a perspectiva expressa no documento 1 com a perspectiva expressa no documento 2. 2. Recorrendo aos seus conhecimentos, explicite dois dos momentos de maior tensão que aconteceram durante a Guerra Fria.
  • 2. GRUPO II TEMA: PORTUGAL – IMOBILISMO POLÍTICO E CRESCIMENTO ECONÓMICO DO PÓS-GUERRA A 1974 Doc. 1 1. Demonstre, com alguns exemplos práticos, a alteração da política económica reflectida no documento. GRUPO III TEMA: PORTUGAL, DO AUTORITARISMO À DEMOCRACIA Doc. 2 Proclamação do General Humberto Delgado (Maio de 1958) A todos os Portugueses da Metrópole e do Ultramar Cidadãos de todas as idades e de todas as correntes liberais antitotalitárias, não só da Oposição declarada, como também dos próprios sectores da Situação [...]. Se é perigoso para alguém candidatar-se e se os portugueses têm medo de votar ou não crêem na validade do voto – graves acontecimentos estão subvertendo o nosso querido Portugal e imperioso é que se tomem medidas salvadoras. [...] Creio estar no espírito de todos que as responsabilidades internacionais assumidas por Portugal, a sua presença nos organismos de carácter democrático e a unidade que temos de defender em territórios portugueses espalhados por quatro continentes, não podem nem devem ser perturbadas por mudanças bruscas e violentas de regime ou de política. Como candidato independente proponho ao País, sem dúvida mal preparado para súbitas mudanças, a adopção progressiva e tão rápida quanto possível dos hábitos políticos correntes nos países democráticos. De resto,
  • 3. aderindo à ONU e ao Pacto do Atlântico, Portugal tomou o compromisso de reger-se por instituições democráticas, conforme o preâmbulo dos mesmos documentos. [...] O abismo trágico só se constituirá se a Situação teimar em impedir que o Povo eleja livremente os seus representantes e decida por si os seus destinos. Na dignidade e na seriedade das eleições [...] os soberanos direitos e anseios do Povo [...] exigem que o Poder se legitime e consagre por métodos análogos aos usados nas nações livres do Mundo [...]. Um poder que assente no uso imoderado da força e não no respeito dos direitos humanos desperta paixões e violências, que ao explodir tudo subvertem e nada constroem. Programa mínimo [...] Na ordem interna 1.º – cumprir e fazer cumprir, sem esquivas e sem sofismas, na pureza do juramento a prestar, a actual Constituição Política da República, nomeadamente o art.º 8.º, que garante a todos os cidadãos os direitos fundamentais [...]; 2.º – garantir [...] que a Nação possa organizar-se politicamente em regime de pacífica convivência, eleger livremente os seus representantes e decidir dos seus destinos [...]. Na ordem externa 1.º – manter e consolidar os nossos compromissos e direitos internacionais de potência ocidental, geograficamente dispersa, mas política e moralmente unida e indissociável; [...] 3.º – defender e prestigiar a todo o transe os direitos da nossa Soberania. Doc. 3 Angola, Moçambique e Guiné são províncias de Portugal. Os seus habitantes, pretos ou brancos, são portugueses. As perturbações de ordem interna, as violências lá produzidas, as agressões por guerrilhas vindas do exterior têm de ser reprimidas e repelidas pelos portugueses. É um dever e uma responsabilidade nossas. (…). De vez em quando, amigos estrangeiros aconselham-nos a negociar. E já cá dentro se escutaram vozes nesse sentido. Tive ensejo de examinar publicamente tal sugestão. (…). Uma tal negociação equivaleria à capitulação. (…). Discurso de Marcello Caetano na rádio e na televisão em 3 de Julho de 1972 1. Justifique a seguinte afirmação de Humberto Delgado: «(...) os portugueses (...) não crêem na validade do voto (...)». 2. Analise a evolução política do Estado Novo, de 1945 a inícios dos anos 70. A sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, os seguintes tópicos de desenvolvimento: - a “democratização” do regime após a 2ª guerra. - os momentos de oposição - os vários episódios. – o impacto político das eleições de 1958. - a justificação para a manutenção do império e o isolamento internacional de Portugal. Deve integrar na resposta, para além dos seus conhecimentos, os dados disponíveis nos documentos. Identificação das fontes: Doc1 – Discurso de Salazar a 7/10/1945 Doc 2.: Proclamação do General Humberto Delgado (Maio de 1958), in Arquivo Histórico da Força Aérea, http://www.humbertodelgado.pt Doc. 3 –Discurso de Marcelo Caetano, 197 Cotações Grupo I - 20+20 = 40 Grupo II - 30 Grupo III - 25 +105 Total: 200 pontos