Jornal do Meio Ambiente - Matéria Abraps Grupo Sul

1.508 visualizações

Publicada em

Fortalecer a atuação dos profissionais de sustentabilidade
é fortalecer o desenvolvimento sustentável do Brasil artigo de Daniella Mac Dowell é representante da ABRAPS - Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade,
Grupo Sul e vice-coordenadora do GT (Grupo de Trabalho) de Expansão da ABRAPS.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal do Meio Ambiente - Matéria Abraps Grupo Sul

  1. 1. 2 outubro 2011 educação Pedagoga Formada pela Faculdade JK (Anhanguera de Águas Claras), Pós-graduada em Orientação e Gestãoe d i t o r i a l LUCIANA RIBEIRO Educacional na IECO/Cursos de Extensão na Escola da Natureza e na UNB;Realizando trabalhos ecopedagógicos com o apoio da ONG Círculo de GIZ/ UNB. Autora do livro ANA FOLHA E A TURMA DO LIXÃO: "Vamos preservar nossas florestas" e também autora do blog "Ecopedagogia". Futuro O crescimento populacional exi- Analfabetismo Ambiental ege uma demanda cada vez maior dosrecursos naturais e, neste mês em quesimbolicamente se contabiliza 7 bi-lhões de habitantes, ficamos a imagi- Ações Ecopolíticas Sustentáveisnar como será o mundo daqui a 50, Tratar de questões relacionadas às fícios para o meio ambiente. clagem e conservação, a serem di-60 anos que, como nos filmes de fic- cidades brasileiras e aos problemas so- Segundo Berna, 2010, o indivíduo vulgadas pela mídia televisiva.ção, batalhas serão travadas entreos povos motivados por disputas pela cioambientais (desmatamentos de áre- tem o direito de ser educado por meio - Convidarem os educadores paraágua e pelos alimentos que hoje já as verdes, consumo exagerado de bens de uma educação democratizada e de disseminarem informações ambi-são escassos em diversas regiões da materiais, despejo inadequado de li- qualidade, garantida pela Política Na- entais nos teatros, mutirões de lim-Terra. Afinal, o atual modelo de desen- xos, poluições de gases produzidos cional de Educação Ambiental peza, cinemas, bate-papos, poisvolvimento vem colocando em ris- por indústrias e carros etc) tornou-se (PNEA) – Lei n° 9.795 de 27 de abril educação é um processo de apren-co o equilíbrio do nosso planeta e um desafio grandioso e preocupante de 1999, art. 5°, inciso II. dizagem duradouro e contínuo.esse é o desafio para a atual e para As instituições responsáveis peloas próximas gerações. As previsões para especialistas e sociedade no ge- Respaldada pelos direitos dos ci-não são nada animadoras e isso mos- ral. dadãos de terem o meio ambiente meio ambiente (Instituto Brasileiro detra a necessidade de mudanças de Neste sentido, vislumbra-se a edu- ecologicamente equilibrado (Artigo Meio Ambiente e Recursos Renová-hábitos de produção e consumo. Esse é um dos principais assun- cação ambiental como educação po- veis (IBAMA)/ Secretaria de Meiotos desta edição que trás ainda, arti- lítica que inseri o sujeito e sua vivência Ambiente (SEMA)/Ministério dogo sobre alimentação saudável, a im- histórica, social, econômica e cultural. Meio Ambiente (MMA) e outros) pre-portação de lixo hospitalar, as ações cisam mobilizar-se para educar os ci-sustentáveis das empresas pelo Bra- Assim, propõe-se a problematizaçãosil, dicas literárias, a presença dos dessas vivências junto aos aconteci- dadãos de modo mais acessível, res-brilhantes profissionais que mensal- mentos cotidianos que geram conse- peitando as linguagens e problemasmente brindam nossos leitores com qüências para o meio ambiente, mas sociais enfrentados pelo povo brasi-seus artigos e muito mais. Importante lembrar que o con- conscientizando o indivíduo como leiro. Os conhecimentos e ações am-curso para eleger as Cataratas como agente socialecológico que pode mu- bientais precisam ser divulgados, am-uma das 7 Maravilhas da Natureza dar a si mesmo, o outro e o mundo. parados e acessados para sanar o anal-está em sua fase final e não deixemde votar. As discussões ambientais, media- fabetismo ambiental que existe e re- Uma ótima leitura à todos. das por estudiosos, pesquisadores e força o descaso e o desconhecimento ambientalistas, precisam ser conheci- 225 da Constituição Brasileira/Políti- de informações locais, regionais, na- das e compreendidas pelos cidadãos ca Nacional dos Resíduos Sólidos , cionais e globais. Assim, a comunida-n o s s a c a p a como espaços ecopedagógicos. A co- regulamentada por decreto presiden- de e sua participação efetiva perante municação ambiental por meio de re- cial no dia 23 de dezembro de 2010), os problemas e situações de degrada- cursos materiais como folder, pan- reivindico aos governantes propostas ção do meio ambiente podem ser fleto, placa e outras fontes áudio- que envolvem políticas públicas com motivadas de forma vivencial, ecope- visuais, deve ser apropriada à con- a inserção de atividades e projetos que dagógica e desafiadora. Entretanto, vivência social das pessoas em es- viabilizam a proteção da natureza, su- esse trabalho educativo, que permite colas, empresas, hospitais, igrejas giro alguns: focalizar a educação sociambiental, faz etc. Além disso, é importante re- - Modificar as lixeiras públicas, seus parte dos projetos que estão sendo conhecerem a origem histórica de suas formatos e nomeá-las por “reci- debatidos por especialistas na Tv, rá- cidades, das áreas verdes que a com- cladoras de resíduos sólidos”. dio, internet etc. Debater e vigorar tais põem, das pessoas e suas diversida- - Divulgar faixas, panfletos, jornais, exigências é imprescindível para o des culturais, incluindo conquistas que revistas e placas compostas por cumprimento das leis que regem a le- se dinamizam entre prejuízos e male- imagens ou propagandas de reci- gislação ambiental no Brasil. Acesse para saber mais: http://www.escritorvilmarberna.com.br/ - http://www.paulofreire.org/ http://bela-ecopedagogia.blogspot.com/ - http://patriciaguarnieri.blogspot.com/ http://revistaescola.abril.com.br/meio-ambiente/ - http://www.apoema.com.br/geral.htm Criação: Orgânicacw&d Comunicaçãoe x p e d i e n t eJ O R N A L M E I O A M B I E N T E E D I Ç Õ E S L T D ADiretores Responsáveis: José Leonardo de Oliveira - e-mail: leonardo@jornalmeioambiente.com.br e Gilberto Costa - e-mail: gilberto@jornalmeioambiente.com.br | Endereço: Praça Ozório, 351 -2o andar - conjunto 25 | Telefone: 3024-8369 | Site: jornalmeioambiente.com.br | E mail: jornalmeioambiente@gmail.com | Jornalistas: Gilberto Costa - DRT 3951-PR - Casemiro Eugênio Linarth -DRT 1137-PR - E-mail: hotmailcelinarth@hotmail.com | Articulista: Paulo Peixoto | Estagiário: Osvaldo Soares | Colaborador: Renato Soika | Instituto Ambiental, Cultural e Turístico CARIJÓ:Nelson Edison de Moura Rosa e Graça Santiago de Moura Rosa | Correspondentes: Minas Gerais - João Carlos Martins Júnior - e-mail: martinsjcmj@yahoo.com.br / Ceará - Professor: Carlos MagnoMelo Braga - Projeto de Educação Ambiental.SGA - http://projetoprofessorcarlosmagno.blogspot.com/ carlos_bragaeduc@hotmail.com / Nossos colaboradores pelo país: Brasília: Luciana Ribeiro- anafolha1@gmail.com | Rio de Janeiro: Thiago Marques Cardoso - tiago.marques@cncenpes.com.br | Diagramação, Arte e Produção: Editora Exceuni - Aldemir Batista: (41) 3657-2864 / 9983-3933- exceuni@uol.com.br| Colaboraram com esta edição: Hugo Weber Jr. - consultor em marketing ambiental | Robinson Rolim RessettI - engenheiro agrônomo | Luciana Ribeiro - Pedagogae Escritora | Danilo OLiveira da Silva - Administrador Hospitalar e Diretor Geral do Hospital Municipal de Araucária |Odair Sanches - Advogado, engenheiro agrônomo | Eloy Fasse CasagrandeJr - Professor, PhD em Recursos Minerais e Meio Ambiente, Pós-doutor em Inovação Tecnológica e Sustentabilidade, Coordenador do Escritório Verde e Professor da Universidade Tecnológica Federaldo Paraná-UTFPR. Assessoria de Imprensa: Binômio Comunicação Corporativa - Adriana Taques Mussi Endres - 41 3521-7981 - e-mail: adriana@binomio.com.br - . Os artigos assinadosnão correspondem necessariamente a opinião deste jornal. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo do Jornal Meio Ambiente, sem a prévia autorização.
  2. 2. 4 outubro 2011 destaque Desmatamento: DANILO OLIVEIRA DA SILVA Administrador Hospitalar e Diretor Geral do Hospital Municipal de Araucária quem é o culpado? Claudia Cataldi Resíduo Hospitalar: Jornalista e presidente do Instituto Responsa Habilidade claudiacataldi@responsahabilidade.org.br / twitter:@claudiacataldi um desafio para as Os maiores acusados dodesmatamento são os agricul- da, as vinículas que já existem lá há mais de 200 anos, os ca- um ponto de partida importan- te. Quando Lacerda removeu instituições de saúdetores. Esse é o discurso rei- fezais há mais de 300..., então, as favelas no passado, foi cha- No início de outubro, todos nós fomos surpreendidosnante no mundo urbano. Na tem que se fazer um grande mado de reacionário, nazista. com a notícia de que resíduos hospitalares dos Estados Uni-verdade nossos antepassados acordo nacional, não acham? É Na verdade ele foi peitudo e dos estavam sendo vendidos para o Brasil. Este fato, quedesmataram tanto pra agricul- o que está sendo proposto. corajoso. gerou grande repercussão na mídia nacional, demonstra umtura quanto para a construção Se já há uma área desmata- O que nós precisamos da- grande problema ambiental existente e que deve servir comodas cidades. da, com qualquer dessas ocu- qui pra frente é parar de fazer um alerta para as instituições de saúde: o que estamos fazen- Ou você acha que nossa pações que mencionei, há que demagogia com pobre, e agir- do com o resíduo produzido em nossos hospitais?belíssima Copacabana ou a in- se preservar outras, como me- mos, porque se um filho de 5 Para quem é da área da saúde, o termo PGRSS (Planoternacionalmente famosa Ipa- dida compensatória, mas não anos, não quer ir a escola, o de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde) énema não eram uma grande declarar o Cristo como um que faz o pai omisso? algo comum. Este documento, que é obrigatório e valida-floresta quando as caravelas fora da lei!!! Deixa-o brincando? do pela vigilância sanitária local, descreve o que aquela insti-primeiro chegaram aqui? Esta Lei trata de um mun- Ora, os governantes, neste tuição de saúde faz em relação à separação, descarte e des- Essa consciencia é muito do real, e esse mundo tem pro- momento precisam compor- tinação de todos os resíduos gerados.recente: não poder construir blemas. Normalmente quando tar-se como pais responsáveis Em tese, a aplicação do PGRSS resolveria o problemaem declividade acima de 45 chega um jornalista e olha uma que fazem o que tem que ser do lixo hospitalar, mas na prática não é bem assim. Se ima-graus, nem no minimo de 30 catástrofe e aparece uma au- feito. ginarmos uma agulha contaminada com material biológico,metros das margens dos rios, toridade, ele atribui a ele a cul- Em Piraí no sul fluminen- após a sua utilização, deverá ser devidamente descartada emnem na cota de 1800 metros pa. É a tese do atropelado. se, já estão ocupando o mes- algum recipiente de estrutura resistente, como uma caixa,acima do nivel do mar etc. Ele responsabiliza o cara ao lado mo lugar onde morreram cen- Ou seja, com a proposição pelo ocorrido. Corre-se o risco tenas de pessoas em 1967. O por exemplo, para evitar que alguém possa se perfurar.do novo código florestal, tería- de amedrontar os bem intenci- ser humano é o único animal Depois disso, alguma empresa especializada na coleta destemos que acabar com as viní- onados socorristas! capaz de insistir num compor- tipo de resíduo deverá fazer a coleta e levar para um localcolas todas do Rio Grande do Não adianta você chegar tamento mesmo sabendo que adequado, devendo incinerar todo o material recolhido. OSul, com a cafeicultura do sul agora que está vendo essa ou tem altos riscos. papel do Hospital entra exatamente aí: averiguar o destinode Minas, também as do Espi- aquela autoridade na cena do Não vemos por exemplo deste material da porta da instituição para fora.rito Santo, sem falar na recem crime e culpá-la. Tem que co- leões fumando, se drogando O resíduo ou lixo hospitalar é de responsabilidade daeleita sétima maravilha do mun- brar futuras soluções. ou ingerindo bebidas alcóo- instituição até o seu destino final. Se uma empresa recolhedo, no alto do Corcovado que Este é o momento para licas, ou ainda uma zebra todo o resíduo do Hospital e o joga em algum rio ou terre-terá que ser demolida, porque que nós, que temos capacida- praticando sexo sem camisi- no inapropriado é de inteira responsabilidade do Hospital,não podemos ocupar o topo de de formulação, contribua- nha, ou um tamanduá dirigir que não se certificou de que aquele fornecedor realizava odos morros... mos com idéias. À imprensa, embriagado, todos comporta- trabalho da maneira correta. Por isso na nova lei há a cabe fazer alertas e fiscalizar. mentos em áreas de risco. Mas esta não é a única solução. Temos que ter a consci-parte em que se chama o "fato Não culpar os bem intenciona- Sigamos então os animais ência de que precisamos repensar o modo como estamosconsumado", que tipifica ca- dos, os que dão as caras no no que eles têm a nos ensinar, produzindo esse resíduo. É necessário reduzir o consumo,sos como o do Sumaré, que já socorro das vítimas para não mas sem culpar quem não tem além de reciclar e reutilizar materiais quando possível. Nofoi usado, o do próprio Cristo correr o risco de numa próxi- culpa, para não corrermos o Hospital Municipal de Araucária há um grande esforço naque já ocupa o alto de um ma vez, não haver socorro. risco de sermos classificados conscientização dos colaboradores para reduzir a produ-morro que foi desmatado para Há dez anos não havia essa como da forma como os clas- ção de resíduos e todo papel e plástico é enviado para em-que a estátua fosse implanta- consciência, hoje a temos e é sificamos: de irracionais! presas de reciclagem. Outra ação realizada, e que serve com um bom exem-Desmatamento na Amazônia cai 43% em setembro plo, foi a utilização de vidros de algumas medicações (devi- O desmatamento na Ama- 2010. nia foram os únicos Estados damente higienizados) como matéria prima para artesanato.zônia caiu 43% em setembro "É o menor [desmate em] que mostraram uma eleva- Através da parceria com uma empresa de design, estes vi-comparado com o mesmo mês setembro da história", disse a ção no período -- no caso dros se transformaram em peças de decoração. Este é umdo ano passado. Os dados são ministra, em alusão ao início da matogrossense, de expressi- pequeno exemplo de que há possibilidades para dar umdo Inpe (Instituto Nacional de série de dados do Deter, em vos 72%. destino ambientalmente correto para alguns resíduos gera-Pesquisas Espaciais) e foram 2004. "Não tivemos um setem- A alta reflete a disparada no dos dentro do Hospital e assim contribuir com esta ques-divulgados nesta segunda-feira bro negro, tivemos um setem- período de abril a maio, quan- tão.pela ministra do Meio Ambi- bro verde." do a perspectiva de uma anis-ente, Izabella Teixeira. No acumulado de janeiro a tia induzida pelo debate do Segundo o sistema Deter, setembro, o Deter viu empate Código Florestal na Câmaraque detecta desmatamento em técnico em relação ao mesmo dos Deputados, aliada a umatempo real usando satélites, a período do ano anterior: 1.835 lei de zoneamento benevo-devastação na região amazôni- km2 em 2011 contra 1.862 lente em Mato Grosso, ani-ca em setembro foi de 254 hec- km2 em 2010, uma queda de mou o setor produtivo a des-tares, contra 448 hectares em 1,5%. Mato Grosso e Rondô- florestar.
  3. 3. opinião 5
  4. 4. 6 outubro 2011 tecnologia Sistema de Tratamento de Água Residual Biolac® Sistema Biológico com alta idade de lodo Sistema Biolac® é um pro- O cesso inovador de lodo ati- vado que usa a retenção pro-longada de sólidos biológicos paracriar um sistema extremamente está-vel, de fácil operação. As capacidadesdesta tecnologia singular vão muitoalém do tratamento de aeração pro-longada comum. O processo Biolac®maximiza a estabilidade do ambienteoperacional e proporciona um trata-mento altamente eficiente. O design garante a construção como custo mais baixo e a simplicidadeoperacional. Existem mais de 800 Sis-temas Biolac® instalados em todo omundo, tratando as águas residuaismunicipais e diferentes águas residu-ais industriais. O sistema Biolac® utiliza uma ida-de de lodo mais longa que outros sis-temas aeróbicos. A idade do lodo,define as características operacionais dequalquer sistema de tratamento bio-lógico aeróbico. Uma idade de lodo A grande quantidade de biomassamais longa diminui dramaticamente os pode absorver cargas de pico, semníveis de DBO [Demanda Bioquími- afetar a qualidade de água tratada. Aca de Oxigênio] e de amônia. O pro- extrema estabilidade do lodo permite quecesso de longa idade de lodo Biolac® ele seja depositados em lagoas de sedi-produz níveis de DBO abaixo de 10 mentação ou bacias de lodo não aera-mg/l e nitrificação completa (abaixo das, com longos tempos de armazena-de 1 mg/l de amônia) quando solici- mento, bem como leitos de secagem.tado. Pequenas modificações no siste-ma também permitem a desnitrifica- COMPONENTES DOção simultânea no mesmo tanque e SISTEMA DE AERAÇÃOremoção de fósforo. A capacidade de misturar grandes Enquanto a maioria dos sistemas volumes em bacia usando um míni-de aeração prolongada atinge sua ca- mo de energia é uma função das ca- rência de oxigênio e a energia de mis- Biolac é o seu baixo custo de instala-pacidade máxima de mistura nas ida- deias móveis de aeração BioFlex® e tura de maneira uniforme pela área da ção. A maioria dos sistemas de lododes de lodo de aproximadamente 15- dos conjuntos de difusor de bolhas bacia. Não é necessário mais nenhum ativado, requerem bacias de concreto.25 dias, o Sistema Biolac® mistura de finas BioFuser® que fazem parte do fluxo de ar adicional para manter o O sistema Biolac pode ser instaladomaneira eficiente e uniforme os volu- equipamento. O movimento suave e processo de mistura. Sistemas estaci- em bacias de terra, revestidas ou não.mes de aeração associados ao trata- controlado, para trás e para frente, das onários de aeração de bolhas finas de- Os difusores de bolhas finas BioFu-mento de 30-70 dias de idade de lodo. cadeias e difusores distribui a transfe- mandam 450 a 600m3/h de ar por ser não são fixados no piso da bacia, 1000m3 de volume de bacia de aera- dispensando as tradicionais ancoragens ção. O Sistema Biolac mantém a mis- no fundo do tanque, assim como ni- tura necessária do lodo ativado e a sus- velamentos. As únicas obras estrutu- pensão dos sólidos com apenas 40% rais de concreto necessária são as cons- desta vazão. O processo de mistura truções simples do(s) clarificador(es) de uma bacia Biolac requer tipicamen- interno(s) e do sopradores/controle. te de 35 a 50% da demanda de ener- Toda a manutenção é realizada pela gia projetada para o consumo de oxi- superfície, removendo apenas o con- gênio para a remoção de carga bioló- junto difusor necessário, sem esvazia- gica. O fornecimento de ar para a bacia mento do tanque de aeração e sem a pode ser drasticamente reduzido du- necessidade de parar o sistema. rante os períodos de baixa carga, sem O processo Biolac apresenta alta que ocorra risco de anaerobiose. estabilidade de processo, alta qualida- de de água tratada, remoção de nutri- CONSTRUÇÃO E entes, facilidade de manutenção, lon- INSTALAÇÃO SIMPLES ga vida útil dos difusores de ar e gran- Uma grande vantagem do sistema de redução do consumo energético.
  5. 5. 7
  6. 6. 8 outubro 2011 ciência Oficinas práticas de elaboração e uso de preparados biodinâmicos no CPRA Robinson Rolim Ressetti ver e cooperar com ações de capaci- tação, pesquisa, extensão e ensino nas Johann Gottlieb Fichte (1762- áreas de Agroecologia, Agricultura1814), filósofo alemão, manifestou o Orgânica e Educação Sócioambien-seguinte enunciado: "Figurai-vos um tal. A fim de adaptar as práticas bio-mundo de cegos natos que, portanto, dinâmicas às condições locais e torná-só conheçam objetos e correlações las acessíveis aos agricultores familia-existentes através do sentido do tato. res, o CPRA vem realizando oficinasIde a esses indivíduos e falai-lhes de práticas de elaboração e uso dos pre-cores e de outras realidades existentes parados biodinâmicos. As oficinas vi-apenas mediante a luz e para a visão. sam capacitar agricultores, técnicos,Ou não lhes estareis falando de coisa professores, estudantes e demais inte-alguma - caso em que será melhor que ressados, divulgando os resultadoso manifestem, pois, desse modo, logo obtidos com o manejo biodinâmicodareis conta do erro e, a menos que em culturas anuais, perenes e criaçõespossais dotá-los do sentido da vista, animais. Desde a criação do CPRA,interrompereis tão inútil discurso...". em 2006, as oficinas práticas são reali-Porém, Rudolf Steiner (1861-1925), zadas anualmente nas épocas de en-Doutor em Filosofia (Ph.D.), nos aler- terrar e desenterrar os preparadostou que "nunca se deve nutrir dúvidas (solstício de verão e equinócio de pri-quanto à possibilidade de abrir os neros alimentícios que nutrem o ser lacionada com a renovação da terra, mavera, respectivamente). Os prepa-olhos a qualquer homem acessível". humano a partir de forças impregna- água, ar e calor, tendo papel insubsti- rados biodinâmicos elaborados sãoÉ partindo dessa premissa que o pre- das na matéria. tuível na gênese, preservação e con- P500 (chifre-esterco), P501 (chifre-sí-sente texto é apresentado. A base da Agricultura Biodinâmi- servação dos ecossistemas. As intera- lica), P502 (milfolhas), P503 (camomi- A ciência materialista não possui ca é a Antroposofia (ou Ciência Espi- ções ecológicas entre animais e vege- la), P504 (urtiga), P505 (casca de car-conceitos capazes de fundamentar ritual Antroposófica), introduzida no tais são a base para a contínua recons- valho), P506 (dente de leão), P507 (va-uma consciência ética. Forças foram início do século XX pelo filósofo aus- trução da Natureza, da vida. O prin- leriana) e Fladen (esterco, pó de basal-isoladas e tornadas úteis. Com elas, se tríaco Rudolf Steiner, Ph.D.. Na An- cípio do preparo consiste em que os to e casca de ovos). Em função deproduz uma Natureza inferior. Essa troposofia temos, entre outros temas, três reinos naturais (mineral, vegetal e uma demanda específica, podem serciência não conhece a essência das for- a descrição do desenvolvimento do animal) entrem em contato no ritmo realizadas capacitações em outros pe-ças da Natureza, mas seus efeitos. A planeta e do ser humano de um pon- de tempo de um ano solar. A criação, ríodos.agricultura moderna, com toda tecno- to de vista não materialista reducio- a partir de uma síntese dos três reinos As oficinas práticas constituem umlogia e inovação (ex. transgênicos), nista. Com suas colocações, a moti- naturais, é um produto do espírito processo rítmico de troca de experi-rompeu os laços com suas origens e vação primária dominante para o su- humano. ências e conhecimentos, estimulandoas consequências de suas práticas agrí- cesso financeiro torna-se relativa, sen- De modo geral, a quantidade de os participantes a buscar crescimentocolas (ambientais, na saúde e socioe- do o foco principal o resultado alia- substância ativa utilizada corresponde por meio de um maior autoconheci-conômicas) estão sendo sentidas ao do ao cuidado e estímulo das condi- a uma dosagem homeopática. Os pre- mento e de ações não egoístas. Dessalongo do tempo (ex. redução na bio- ções regionais e o desenvolvimento da parados biodinâmicos tornam o solo maneira, ocorre uma valorização na-diversidade, aumento de doenças de- fraternidade dentro dos domínios eco- receptivo às forças da Natureza supe- tural do esforço dos agricultores bio-generativas e na pobreza). As grandes nômicos. rior suprassensível (forças vitais, aní- dinâmicos, que produzem alimen-monoculturas (ex. milho e soja), com Os preparados biodinâmicos são micas e espirituais). Vida é uma força tos que, além de saudáveis, ambien-manejo intensivo e produtividades parte integrante do manejo biodinâ- e ela está ligada à substância apenas talmente corretos, socialmente justossurpreendentes, estão separadas do mico do solo. Uma de suas funções é temporariamente. Os elementos mi- e economicamente viáveis, tambémconjunto da Natureza. harmonizar o meio onde atuam, por nerais são instrumentos para a planta são espiritualmente superiores. Assim sendo, de forma a oferecer meio de um equilíbrio dinâmico entre formar vida a partir da luz. A totali- Maiores informações sobre as ati-uma alternativa à visão materialista os constituintes do organismo agríco- dade nutre e não a singularidade dos vidades no CPRA podem ser obtidasdominante, onde produtos agrícolas la (solo, planta, animal e ser humano). componentes materiais. em <cpra.pr.gov.br/>.grandes e abalofados apresentam Os preparados fazem a mediação de O Centro Paranaense de Referên-qualidade nutricional e são oferecidos forças construtivas e sanantes direta- cia em Agroecologia (CPRA), locali- AGRADECIMENTOSà população, temos a Agricultura Bi- mente em conexão com os processos zado no Município de Pinhais (PR), À Eng. Agr. Ana Simone Richter,odinâmica. Nela são produzidos gê- biológicos. A biodiversidade está re- foi criado com a missão de promo- do CPRA, pela colaboração.REFERÊNCIAS:Jovchelevich, P.; Vidal, A. Calendário Astronômico/Agrícola: ritmos astronômicos na Agricultura Biodinâmica. v.08. Botucatu: Associação Brasileira de Agricultura Biodinâmica, 2011. 64p.Coelho, S.M.R.; Richter, A.S.; Ressetti, R.R. Oficinas Práticas de Elaboração e Uso de Preparados Biodinâmicos: um espaço de construção coletiva do conhecimento. Revista Brasileira deAgroecologia, v.04, n.02, p.1248-1250, 2009. Disponível em: <aba-agroecologia.org.br/ojs2/index.php/rbagroecologia/article/view/8199>. Acesso em: 07 out 2011.Miklós, A.A.W. Preparados biodinâmicos e nutrição humana. 2002. p.10-36.Sixel, B.T. A Agricultura Biodinâmica como órgão da Antroposofia (2006). Disponível em: <biodinamica.org.br/artigos%20revista%20biodinamica.htm>. Acesso em: 07 out 2011.Steiner, R. Teosofia: introdução ao conhecimento supra-sensível do mundo e do destino humano. São Paulo: Antroposófica, 1983. 106p.Steiner, R. Fundamentos da Agricultura Biodinâmica - vida nova para a terra. 2ª. São Paulo: Antroposófica, 2000. 235p.Thun, M. O Trabalho na Terra e as Constelações. Botucatu: Centro Deméter, 1986. 56p. Robinson Rolim Ressetti, M.S., Eng. Agr. <robinsonrr@bol.com.br>
  7. 7. saúde 9 Produtos Orgânicos: base para uma alimentação saudável Enquanto discutimos se é correto MEIO AMBIENTEcomercializar alimentos geneticamen- Os alimentos orgânicos agridemte modificados, existe uma realidade muito menos o meio ambiente. Porna mesa do consumidor e uma unani- não utilizarem produtos tóxicos, o ris-midade quanto aos benefícios à saú- co de contaminação do solo e dos len-de: o alimento orgânico. Uma série de çóis freáticos é reduzido. Além disso,ideias e pensamentos fazem parte deste os alimentos orgânicos preservam aramo da agroecologia, entre eles o fertilidade do solo, a qualidade dacrescimento natural do alimento sem água, a vida silvestre, assim como osagrotóxicos, o respeito à vida animal demais recursos naturais. A saúde dase vegetal e a limpeza da terra e das plantas, o bem-estar animal e a biodi-águas. versidade nas propriedades rurais tam- Qualidade de vida é um assunto bém são valorizados.que vem cada vez mais despertandoo interesse e influenciando muita gen- INCENTIVO SOCIALte a adotar hábitos mais saudáveis. química no processo. do problemas hepáticos e gastrointes- A produção orgânica valoriza e in-Como o consumidor brasileiro, há Além de verduras, legumes e fru- tinais contidas nos alimentos normais. centiva o trabalho da agricultura fa-mais de duas décadas conta com o tas, o modelo orgânico também pode Os males para a saúde causados miliar. Isso contribui para melhorar acódigo de defesa para conter os abu- ser encontrado em carnes e laticínios. pela artificialização da alimentação já qualidade de vida dessas famílias e pre-sos, vem criando outra consciência na A diferença está na maneira como se são motivos de protestos e mudanças vine o êxodo rural. Ela também au-sua relação com o mercado e as em- cria o animal (rações adequadas e na- de atitudes principalmente em países menta os postos de trabalho, permi-presas que produzem para atender as turais, tratamentos a base de homeo- da Europa. tindo uma melhor geração e distribui-suas necessidades. Esse cuidado au- patia, não confinamentos, etc.), possi- No Brasil, a produção de or- ção de renda, e respeita as normasmenta quando a saúde está em ques- bilitando um cardápio diário total- gânicos, que começou com coo- sociais baseadas nos acordos interna-tão. mente orgânico. Entre os inúmeros perativas de consumidores em cionais de trabalho. Propriedades que Consumindo produtos orgânicos, benefícios da alimentação orgânica está 1978, está crescendo. Atualmente exploram os trabalhadores ou usamvocê exercita seu papel social, contri- o processo de purificação do orga- os orgânicos são cultivados em 100 mão-de-obra infantil não recebem obuindo para a conservação e preser- nismo que ela proporciona, melhoran- mil hectares no país. certificado de Produto Orgânico.vação do meio ambiente, além de apoi-ar causas sociais, relacionadas com a Principais características dos alimentos orgânicos:proteção do trabalhador e a elimina-ção da mão-de-obra infantil. - O solo é considerado um organismo vivo e deve ser - É realizado um rodízio de animais de exigências Uma dieta rica em verduras, legu- modificado o mínimo possível; e hábitos alimentares diferenciados, como bovinos,mes e frutas é quase sempre a garantia - Uso de adubos orgânicos de baixa solubilidade; eqüinos, ovinos, caprinos e aves;de uma boa qualidade de vida, por - Controle de pragas e doenças com medidas preventi- - Uso de instalações adequadas que proporcio-isso os alimentos orgânicos, cultivados vas e produtos naturais; nem conforto e saúde aos animais, com fácilsem fertilizantes químicos ou agrotó- - Os efeitos das ações no meio ambiente são conside- acesso à água, alimentos e pastagens e que pos-xicos, possuem uma grande vantagem rados, por isso são realizadas ações de preservação sua espaço suficiente para a movimentação dosobre os alimentos convencionais por do solo e das fontes de água; rebanho;serem enriquecidos de nutrientes, uma - Os animais se alimentam de produtos orgânicos e na- - A reprodução e o desmame são feitos de formavez que a terra utilizada no seu culti-vo é fértil e natural sem interferência turais; natural.
  8. 8. 10 outubro 2011 destaque ONU aponta Curitiba como exemplo de gestão urbana Curitiba é referência mundial em boas práticas de planejamento, gestão, transporte público e qualidade ambiental, segundo o Relatório de Desenvolvimento Humano 2011 divulgado nesta semana pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). "A cidade de Curitiba, no Bra-sil, implementou com êxito abor-dagens inovadoras ao planejamen-to urbano, a gestão da cidade e aostransportes para enfrentar o desa-fio do crescimento demográficorápido. A cidade tem agora a maiselevada taxa de utilização de trans-portes públicos do Brasil (45% detodas as viagens) e uma das maisbaixas taxas de poluição do ar dopaís", aponta o documento daONU, apresentado em Copenha-gue, Dinamarca. O relatório indi-ca os desafios para que o mundoalcance um progresso sustentávele equitativo, aponta ainda o Índi-ce de Desenvolvimento Humanode 187 países, no qual o Brasilavançou de 0,715 em 2010 para0,718 em 2011, subindo uma po-sição no ranking global, de 85ª paraa 84ª posição. O país, conforme odocumento, faz parte do seleto gru-po de apenas 36 que subiram noranking. Os outros 151 permane- Curitiba é referência em gestão urbana, na foto o bairro Santa Felicidadeceram na mesma posição ou caí- ção de energia renovável. A cida- Atualmente, três mil crianças Linha Verde - um projeto da Pre-ram. A evolução do IDH brasilei- de possui ainda um bom programa da rede pública da cidade jogam o feitura de Curitiba para estender oro contou com um impulso maior de conservação da biodiversidade programa. Destinado inicialmente alcance do sistema de transporteda dimensão saúde - medida pela e de reflorestamento de espécies para crianças e adolescentes, o pro- integrado da cidade. Em abril doexpectativa de vida -, responsável nativas e tem uma área verde de jeto utiliza um jogo de computa- ano passado, durante cerimônia napor 40% da alta. As outras duas 51 metros quadrados por habitan- dor, em formato de história em cidade de Estocolmo, recebeu odimensões que compõem o IDH, te", definiu o portal de meio am- quadrinhos, que discute e promo- "Globe Award Sustainable City",educação e renda, responderam, biente. Também neste ano, a ONU ve a reflexão de valores universais que elege anualmente a cidade comcada uma, por cerca de 30% desta em documento compilado junto e permite ao jogador definir o des- destaque em excelência de desen-evolução. com o Banco Mundial e a Organi- tino de seu personagem de acordo volvimento urbano sustentável. zação Mundial da Saúde (OMS), com suas escolhas. A capital paranaense foi a úni- REFERÊNCIA citaram a acessibilidade do siste- ca cidade brasileira a entrar no sé- A eficiência de Curitiba no ma de transporte público de Curi- PRÊMIOS culo XXI como referência nacio-transporte público e meio ambien- tiba como exemplar. A referência Na década de 90, Curitiba re- nal e internacional de planejamen-te, destacada no relatório, foi tam- foi feira no primeiro Relatório cebeu da ONU o prêmio "United to urbano e qualidade de vida.bém, neste ano de 2011, as refe- Mundial sobre Deficiência, divul- Nations Environment Program", Numa pesquisa feita pela revistarências que colocaram a capital do gado no mês de junho, pela OMS. mundialmente considerado o prê- americana Readers Digest, Curi-Paraná entre as 10 cidades mais Na área da Educação, Curitiba mio máximo do meio ambiente. Em tiba foi o município brasileiro maissustentáveis do mundo no levan- também é destacada pela ONU. O 2006, Curitiba sediou o evento bem colocado no ranking das me-tamento do site ambiental ECO game para computador "Turma de COP8/COP-MOP3 da ONU. Em lhores cidades do mundo para vi-Cidades. Valor", desenvolvido na cidade, foi 2010, Curitiba recebeu dois prêmi- ver. Em março de 2001, outra pes- "Curitiba só perde para Copen- indicado para fazer parte do cader- os mundiais de sustentabilidade. quisa da ONU apontou Curitibahague no índice de menor emissão no de "Boas práticas e recomen- Em janeiro, ganhou o "Sustaina- como a melhor capital do Brasilde dióxido de carbono per capita e dações" do 21º Relatório de De- ble Transport Award", em Wa- pelo Índice de Condições de Vidapara Vancouver no quesito produ- senvolvimento Humano da ONU. shington, devido à implantação da (ICV).
  9. 9. lixo hospitalar 11 Empresa comprava lixo hospitalar dos Estados Unidos para revender no Brasil o início de outubro a Receita outubro, com cerca de 15 toneladas N Federal apreendeu dois con- têineres com 46 toneladas de lençóis sujos, com manchas. O dono da empresa, Altair Teixeira dede "tecido de algodão com defeito". Moura, alega inocência.Em um deles havia também seringas, No último dia 24, O Ibama deter-catéteres e luvas usadas. Todos saíram minou que o empresário devolva asdo porto de Charleston, na Carolina 46 toneladas de lixo classificado comodo Sul, para a empresa Na intimidade hospitalar. Altair deve arcar com osLtda, com sede em Santa Cruz do custos da devolução. Além disso, oCapibaribe (PE). Os tecidos impor- Ibama autuou a empresa dele em R$tados de hospitais norte-americanos 6 milhões por danos causados ao meiocom manchas similares às de sangue e ambiente.O governador de Pernam-secreções humanas eram vendidos a qui- buco, Eduardo Campos (PSB), disselo no Brasil. não ser justo que todo um polo de A loja e um galpão da empresa - confecções que emprega 150 mil pes-cujo nome de fantasia é Império do soas seja prejudicado pela ação de "umForro de Bolso - em Toritama foram bandido dos Estados Unidos e uminterditados. Um outro galpão, em bandido daqui". "São 22 mil empre-Caruaru, com o mesmo nome, foi sas no polo de confecção e uma sóarrombado pela polícia civil em 17 de Foram apreendidas 15 toneladas de tecido provenientes de hospitais norte-americanos cometeu este delito", afirmou ele. Importadora de lixo hospitalar dos EUA é multada em R$ 6 milhões O Instituto Brasileiro do Meio Süd, será multada em R$ 2 milhões. cialmente infectante pela legislação sa- loja e nos galpões da empresa têxtil Ambiente e dos Recursos Naturais O órgão ambiental aplicou multa nitária brasileira. não podem, segundo o Ibama, ser Renováveis (Ibama) multou em R$ de R$ 2 milhões a cada um dos três Ainda de acordo com o texto, o devolvidos e, portanto, devem ser 6 milhões a Império do Forro de estabelecimentos da Império do For- órgão defende que os dois contêine- incinerados por uma empresa espe- Bolso, empresa têxtil pernambucana ro de Bolso interditados nas últimas res, com cerca de 46 toneladas de te- cializada. O material encontrado nos responsável por importar toneladas semanas: dois galpões e uma loja lo- cido com a logomarca de hospitais estabelecimentos é, provavelmente, de lixo hospitalar dos Estados Uni- calizados nas cidades de Santa Cruz norte-americanos e manchas que o proveniente de seis contêineres que dos. do Capibaribe, Caruaru e Toritama. Instituto de Criminalística de Pernam- a Império do Forro recebeu este ano A companhia proprietária do na- Segundo nota divulgada pelo Iba- buco analisa para saber se são de san- da mesma exportadora norte-ame- vio que trouxe os dois contêineres ma, as multas se devem a danos cau- gue, devem ser devolvidos aos Esta- ricana e que não foram inspeciona- apreendidos no Porto de Suape, nos sados ao meio ambiente pelo materi- dos Unidos. dos pela alfândega. Procurada, a dias 11 e 13 de outubro, a Hamburg al irregular, classificado como poten- Já as 25 toneladas encontradas na Hamburg Süd não se pronunciou. Ministro da Saúde diz que Brasil não permitirá importação de lixo hospitalar Foto: Vitor Abdala, da Antônio Cruz/ ABr RIO DE JANEIRO - O minis- forçou a fiscalização nos pontos de DONO DA LOJA DIZtro da Saúde, Alexandre Padilha, dis- entrada de mercadorias no país. Se- QUE CAIU NUM GOLPE - Ose hoje que o governo não vai permi- gundo ele, a agência também está tra- dono da Império do Forro de Bol-tir que outros países enviem lixo hos- balhando para informar às vigilâncias so, Altair Moura, afirmou que foipitalar ao Brasil. sanitárias estaduais e autoridades poli- vítima de um golpe da empresa americana que fornecia retalhos. Nas últimas semanas, foram apre- ciais sobre o que é considerado lixo Afirmou ainda que sabia que com-endidos em Pernambuco contêineres hospitalar e que tipo de material pode prava tecidos descartados por hos-com toneladas de lençóis, fronhas, ingressar no Brasil. pitais, mas disse que o material che-toalhas de banho, pijamas e outros te- "É importante não misturar o que gava limpo. Fronhas, lençóis e pija- Alexandre Padilha, Ministro da Saúde,cidos sujos provenientes de hospitais reclamou da ação e garantiu que o governo ocorreu, de lixo hospitalar vindo de mas usados em hospitais america-dos Estados Unidos. Segundo Padi- ficará atento para punir os responsáveis fora do Brasil, com outras situações nos - inclusive com secreções - ser-lha, a prática é ilegal e a Agência Naci- Polícia Federal estão agindo sobre isso. que não são lixo hospitalar. Hospitais, viam de matéria prima na fábrica Império do Forro de Bolso. Mui-onal de Vigilância Sanitária (Anvisa) Responsáveis que possam ter compra- às vezes, doam lençóis limpos, que não tas peças tinham a advertência: "notteve uma postura correta ao detectar do esses lençóis (usados em hospitais são lixo hospitalar, para instituições. A for sale" (venda proibida). A Agên-a importação desse material e infor- americanos) para reciclar ou fazer te- Anvisa está esclarecendo muito bem cia Pernambucana de Vigilância Sa-mar à Polícia Federal. cidos serão severamente punidos, por- quais são as regras que caracterizam nitária (APEVISA) interditou gal- "Nós não vamos permitir que qual- que isso é uma prática ilegal", assegu- lixo hospitalar, para que as polícias pões e uma fábrica da empresa nasquer país venha mandar lixo hospita- rou Padilha. proíbam a comercialização desses cidades de Santa Cruz do Capiba-lar para o nosso Brasil. A Anvisa e a O ministro disse que a Anvisa re- produtos", disse ele. ribe e Toritama.
  10. 10. 12 outubro 2011 especial População mundial chega a 7 bilhões de pessoas Em 2050, número deve alcançar 9,3 bilhões, e acordo com a Organiza- A população mundial cresce D ção das Nações Unidas em uma velocidade jamais vista e,(ONU), que usou estimativas de de acordo com a ONU, em 2050,demografia e selecionou a data de esse número deve alcançar 9,3 bi-forma simbólica para debater o lhões. Alguns fatores como a altatema e discutir ideias de cresci- taxa de natalidade em alguns paí-mento e sustentabilidade, a popu- ses e a maior longevidade da po-lação mundial atingiu no dia 31, a pulação contribuem para o rápidomarca de 7 bilhões de pessoas. aumento populacional. O número foi alcançado apenas Segundo estimativas da ONU,12 anos depois de um bebê nascido cerca de dois bebês nascem a cadaem Sarajevo ter sido nomeado pela segundo e, permanecendo esse rit-ONU como o 6ª bilionésima pes- mo, em 2100 chegaremos a 10 bi-soa a nascer, e 24 anos depois de lhões de pessoas. Dos dez paíseso 5º bilionésimo ter nascido na que sozinhos serão responsáveisBósnia. por mais da metade disso, oito são africanos e o caso mais extremo é A China, o país mais populoso do mundo, com o tempo sofrerá com a superpopulação o da Zâmbia, onde a expectativa pulação da ONU (UNFPA), des- de vida hoje é de apenas 49 anos- 9,3 bilhões taca que o mundo enfrentará cres- a média mundial é de 69. As Na- população mundial centes obstáculos para criar em- ções Unidas preveem que a Índia prevista para 2050 pregos para as novas gerações, se converta no país mais povoado carte, considera que, mantendo-se especialmente nos países pobres, do mundo em 2025, quando seus o ritmo atual, a humanidade pre- e que a mudança climática e a ex- habitantes somarem 1,5 bilhão, cisará em 2030 de uma segunda plosão demográfica vão agravar as superando a China. Terra para atender seu apetite e crises de fome e de seca. Também absorver seus rejeitos. o envelhecimento da população se Serão sete bilhões de CONSUMO Nos últimos sessenta anos, ape- tornará um problema para muitos pessoas que vão precisar Especialistas afirmam que so- sar do aumento populacional - de países como a China, com o seu de alimentos em mente uma revolução no uso dos 2,5 para 7 bilhões - a expectativa rigoroso planejamento familiar e quantidade suficiente, de vida aumentou em mais de vin- recursos naturais pode evitar um os países europeus com suas polí- assim como energia, cataclisma ambiental. A Global te anos, passando de 48 para 69 ticas de migração, saúde e empre- além de boas Footprint Network (GFN), orga- ao nascer. Hoje, 893 milhões de go, adverte o documento. oportunidades de nização que calcula a "pegada eco- pessoas têm mais de 60 anos. Até emprego e educação... lógica", ou seja, a quantidade de a metade deste século, segundo a CRESCIMENTO recursos usados pelas pessoas ou ONU, esse número praticamente O crescimento da população organizações para atender suas triplicará, chegando a 2,4 bilhões. mundial nas últimas décadas foi Ban-Ki-moon, secretário-geral da ONU necessidades de consumo e des- Um relatório do Fundo de Po- rápido, impulsionado especial- ALGUNS DOS RECÉM-NASCIDOS NO MUNDO, HIPOTETICAMENTE O "BEBÊ 7 BILHÕES" Nas Filipinas, Danica Camacho com a mãe Camille O menino palestino Zaid Na Turquia, mãe Gamze, filho Yusuf Efe e o pai Mustafa
  11. 11. 13s com crescente desigualdade econômica e socialdos quais 2,4 bilhões terão mais de 60 anos até 2025 ce, e a população mundial é de "apenas" 6,97 bilhões no final de PAÍSES MAIS POPULOSOS (EM MILHÕES) a Índia vai se tornar o país outubro. A marca de 7 bilhões, EM 2011 EM 2100 mais populoso do mundo China................................. 1.348 Índia ..................................1.551 segundo o dado dos demógrafos mente por uma maior expectativa americanos, chegaria apenas em Índia ..................................1.242 China.................................... 941 de vida. A velocidade de aumen- abril do próximo ano. EUA ............................... .....313 Nigéria ................................. 730 to populacional começa a dimi- A variação entre os números de Indonésia ............................. 242 EUA ............................... .....478 nuir de ritmo, entretanto, graças a diferentes fontes é algo normal, Brasil .............................. 197 Tanzânia .............................. 316 taxas de natalidade cada vez me- segundo pesquisadores de demo- Paquistão ............................ 177 Paquistão ............................ 261 nores. Depois de a população cres- grafia. O número de 7 bilhões não Nigéria ................................. 163 Indonésia ............................. 254 cer até 2% ao ano na década de é um valor exato, porém a maior Bangladesh .......................... 151 República do Congo .......... 212 1960, a taxa de aumento do nú- parte dos dados usados na estima- Rússia .................................. 143 Filipinas ............................... 178 mero de pessoas no mundo está tiva da ONU tem relevância e a se estabilizando em metade disso. Japão .................................... 127 Brasil .............................. 177 data escolhida como marco está Fonte: AFP Segundo a previsão mais atual bem próxima da realidade da po- da ONU, vão ser necessários 14 pulação mundial. estimativa do número médio de fi- anos para que surja mais um bi- lhos que uma mulher teria até o lhão de pessoas no mundo, e a po- MUNDO HETEROGÊNEO fim de seu período reprodutivo, o pulação mundial só deve chegar a Apesar de ser apresentada que indica envelhecimento e di- dez bilhões de pessoas no fim do como um único bloco, a popula- minuição da população - na Áfri- século. A mudança na tendência ção mundial vive momentos mui- ca a taxa de fertilidade chega a não só vai fazer com que o ritmo to heterogêneos em relação a seu 4,64. Na América Latina a taxa é de crescimento seja mais lento, tamanho e sua taxa de crescimen- de 2,3, Na América do Norte e na mas como vai gerar um envelhe- to. Cerca de 60% da população Ásia de 2,03 e na Oceania de cimento da população, criando mundial vive na Ásia. Somente na 2,49. Segundo dados divulgados sociedades com mais pessoas ido- China e na Índia, juntas, há mais pela rede britânica BBC, enquan- "Da carestia dos sas do que jovens. de 2,5 bilhões de pessoas. A Áfri- to a fertilidade global caiu de cin- alimentos aos efeitos Segundo o relatório da ONU, ca tem 15% das pessoas do mun- co para 2,5 crianças desde 1950, perversos das mudanças em 2011 há no mundo 893 mi- do atual, enquanto um quarto da as mulheres de Zâmbia têm seis lhões de pessoas com mais de 60 climáticas, nossas população vive no resto do mun- filhos, em média. anos, mas no meio do século este do (Américas, Oceania e Europa). economias enfrentam Segundo a ONU, um quinto da número passará de 2,4 bilhões. No Brasil, a população não chega hoje a realidade de anos população mundial vive em paí- a 200 milhões. ses com alta fertilidade. É ali que gastos, além das VARIAÇÃO O quadro futuro vai mudar bas- a população mais cresce, e que nossas possibilidades" O Departamento do Censo dos tante, entretanto. Enquanto a po- pode chegar a 2 bilhões de pesso- Estados Unidos, afirma que o pulação da Europa tem uma taxa as em 2050. dado das Nações Unidas é preco- de fecundidade de apenas 1,53 - Fonte: G1 Mathis Wackenargel, presidente da GFN No Sudão, mãe Buthaina admira seu filho recém-nascido Bebê nascido no Sri Lanka Enfermeiras seguram recém-nascidos no Líbano
  12. 12. 14 outubro 2011 população Dez bilhões é o limite a que devemos nos ater Consumo crescente é principal ameaça do crescimento da população É absolutamente crucial agora cie e nos ajustamos antes de destruirmonitorar de perto o crescimento da toda a Terra.população humana. De fato, estamosacelerando, com a estimativa de 9 bi- OPÇÕES PARA Olhões em 2043, acima do que se espe- PRÓXIMO SÉCULOrava anteriormente a partir de análises Ou sairemos deste século e entra-de população feitas pelas Nações remos no século XXII com um pla-Unidas. Dez bilhões é o limite a que neta em condições muito ruins e comdeveríamos nos ater. Podemos fazer muito menos condições de abrigarisso, e pelo menos as tendências apon- vida ou sairemos dele com a maiortam na direção certa, com quedas nos parte das outras formas de vida pre-índices de natalidade em todos os con- servada e com o potencial para re-tinentes. Mas deveríamos nos esfor- construir a natureza de forma a dar àçar mais para ao mesmo tempo nos Humanidade uma chance real de vi-afastarmos da opressão às mulheres e ver no paraíso, com níveis de vidade gestações indesejadas. Ainda mais decentes para todos.importante que isso, deveríamos estar Não podemos esperar que os pa-pensando de forma mais criativa so- íses em desenvolvimento criem pro-bre a questão do crescimento do con- gramas de produção e consumo sus-sumo per capita no futuro em todo consiste de ecossistemas e das espéci- biente - os ecossistemas que sobrevi- tentáveis enquanto os países desenvol-mundo. Este aumento vai ser devas- es que os habitam. vem e a grande maioria das espécies, vidos não larguem na frente e mos-tador e certamente será necessário tra- que têm milhões de anos e estão em trem o caminho. No momento, os ri-tar disso de forma a se alcançar sus- O PERIGO DE SERMOS pleno processo de erosão. Gostaria cos têm padrões absurdos de consu-tentabilidade na alimentação e provi- MAIS OU MENOS VERDES que déssemos mais atenção à criação mo, e as diferenças entre os setoressão de níveis decentes de moradia ao Parte do nosso problema é que ao de reservas e parques naturais em todo mais ricos e os mais pobres estão cadaredor do globo. Isso não parece real- se tornar "mais ou menos verde", a mundo. vez maiores mesmo nos países emmente estar na agenda mundial de for- população mundial tem se concentra- Em alguns lugares isso vem acon- desenvolvimento.ma a causar impacto nos países e nas do nas partes não vivas do meio am- tecendo, aleatoriamente, mas não da Essa é uma tendência muito peri-pessoas mais atingidas pelo problema. biente, nos recursos naturais, na quali- forma necessária. Realmente precisa- gosa. Precisamos dar o exemplo nos Estou particularmente preocupa- dade da água, na atmosfera, mudança mos separar mais regiões em que a países desenvolvidos adotando, nodo com o que estamos fazendo com climática e outros. Até aí tudo bem, natureza, o resto dos seres vivos pos- mínimo, medidas de limitação do con-outras formas de vida. Estamos des- mas agora, deveríamos estar dando sam ser protegidos, enquanto resol- sumo e uma distribuição mais inteli-truindo a diversidade biológica, que igual atenção à parte viva do meio am- vemos os problemas da nossa espé- gente da riqueza. O biólogo Edward O. Wilson é professor da universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e atua como pesquisador, naturalista e escritor. Ele ganhou duas vezes o prêmio Pulitzer para não-ficção e trabalha no museu de Zoologia Comparativa de Harvard. China enfrenta problema do envelhecimento Política chinesa de planejamento familiar impediu o nascimento de quase 500 milhões de chineses Se não tivesse aplicado a limitação beldes podem ser multados com vá-de nascimentos, medida que não foi rios anos de salários, com a anulação China vai manteradotada em nenhum lugar do mundo do acesso aos serviços sociais e por a política docom tal rigor, a China teria hoje cerca vezes podem ser presos. A China é o "filho único"de 1,9 bilhão de habitantes e não teria único país em desenvolvimento que A China vai manter a sua políti-capacidade para alimentar tanta gen- enfrenta o paradoxo de ser um país ca de permitir apenas um filho porte. Atualmente o país tem 1,34 bilhão com população majoritariamente ido- casal, apesar dos pedidos para re-de pessoas. sa antes de ser um país rico. Nos pró- laxar a legislação. Desde 1979, a política do filho ximos cinco anos, os que têm mais de Essa medida, segundo especia-único fez a taxa de fecundidade cair 60 anos passarão de 170 milhões e listas, já evitou o nascimento depara cerca de um filho e meio por podem chegar a 221 milhões. Os ido- quase 500 milhões de bebês, desdemulher chinesa, mas, da metrópole aos sos vão representar 16% da popula- a sua introdução, em 1979.povos isolados, essa queda ocorreu de ção (contra 13,3%). Em meados do Os críticos acusam a política domaneira acelerada, com esterilizações século, os habitantes com mais de 65 "filho único" de criar um desequilí-em massa, abortos até os oito meses anos representarão 2 5% da popula- brio entre os sexos, medida quede gravidez, “feminicídios” (assassina- ção chinesa, considera a Comissão da também coloca uma enorme pres-tos de meninas para priorizar o filho 20,2% População e Planejamento familiar, são sobre os filhos, que terão que sustentar os pais e avós depois dehomem) e grande abandono de be- Em 2025, esse será o percentual contra apenas 9% atualmente.bês do sexo feminino. Os casais re- de velhos no país Fonte: AFP crescer.
  13. 13. atualidade 15 Problemas ambientais ELOY FASSI CASAGRANDE JR Professor, PhD em Recursos Minerais e Meio Ambiente, Pós-doutor em Inovação Tecnológica e Sustentabilidade, Coordenador do Escritório ameaçam avanços no Verde e Professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR desenvolvimento humano Sete bilhões de carnívoros. E agora? Chegamos a sete mil milhões de almas num Planeta cheio de contrastes. Avançamos em tecnologia somente imaginável em filmes de ficção científica há poucos anos e ao mesmo tempo não conseguimos alimentar o mundo. A discussão em torno da questão de aumento contínuo da população mun- dial é se teremos como alimentar tantas bocas? Afinal, temos somente 16% de área útil biológica para uso da espécie humana, que também necessita dividir com outras espécies este espaço, se quiser manter o equilíbrio natural que per- mite a vida na Terra. Apesar de que esta máxima nem sempre ser compreendi- da pela grande maioria dos sete bilhões! Em 2010, o relatório sobre a fome da FAO, demonstrou que 925 milhões de pessoas no mundo são subnutridas, sendo que em geral, são as mulheres e as crianças que mais sofrem de fome crônica. Em fato, mais de um terço da mortalidade infantil no mundo está relacionado à nutrição inadequada. O "Es- tado do Mundo de 2010", publicado pelo WorldWatch Institute, revela que são os altos preços dos alimentos e a baixa renda que colocam famílias pobres em maior risco de não conseguir receber alimentação adequada para gestantes, As ameaças ambientais podem cultura, o IDH global em 2050 seria bebês e crianças.comprometer avanços no desenvol- 8% menor do que no cenário-base. Em contraste ainda maior, um estudo da OCDE alerta para o crescentevimento humano nos próximos anos, Na hipótese de desastre ambiental, o fenômeno do excesso de peso entre as crianças de países ricos. Nos Estadose os principais prejudicados serão os IDH global seria 15% menor que o Unidos e na Escócia esse problema é mais grave - atinge 35% da populaçãopaíses mais pobres do mundo. O alerta projetado para 2050 no cenário bási- entre 6 e 17 anos e 12 e 15 anos, respectivamente. No Brasil, este índice podeé do Pnud (Programa das Nações co. alcançar 25% das crianças entre 7 e 10 que estão acima do peso ideal. EmUnidas para o Desenvolvimento), que "Sob um cenário de desastre am- relação aos adultos, o relatório aponta para mais de 50% acima do peso nosdivulgou nesta quarta-feira (2) o rela- biental, a maior parte dos ganhos do países ricos.tório Sustentabilidade e Equidade: início do século será perdida até 2050, Outra preocupação em relação a alimentação mundial diz respeito ao con-Um Futuro Melhor para Todos. com os sistemas biofísicos e huma- sumo da carne bovina, apontada como responsável por quase 20% do total das De acordo com o Pnud, os avan- nos sujeitos à pressão do uso excessi-ços em saúde e renda, que, junto com vo de combustíveis fósseis, da queda Em 2010, o relatório sobre a fome da FAO,educação, compõem o IDH (Índice dos lençóis freáticos, da desfloresta- demonstrou que 925 milhões de pessoasde Desenvolvimento Humano), po- ção e degradação da terra, dos declí-derão ser ameaçados pelas consequ- nios dramáticos da biodiversidade, da no mundo são subnutridas, sendo queências das mudanças climáticas e da maior frequência de eventos climáti- em geral, são as mulheres e as criançasdestruição ambiental. "Os resultados cos extremos", lista o relatório.alcançados nas últimas décadas pode- Os impactos serão maiores nos que mais sofrem de fome crônica.rão ser revertidos se não levarmos em países do Sul da Ásia e da África Sub-conta o desenvolvimento sustentável, saariana, mais vulneráveis, por exem- emissões de gases de efeito estufa, principalmente, na forma de metano. Secompreender que a desigualdade afe- plo, aos impactos das mudanças cli- considerarmos que pode haver um aumento de 40% em cima dos sete bilhõesta a degradação ambiental e vice-ver- máticas, tais como a alteração na ocor- até 2050, especialistas recomendam que haja uma redução significativa das emissões ligadas ao gado, devendo baixar o consumo até 90 gramas ao dia porsa", apontou o pesquisador do Rela- rência de chuvas e elevação do nível pessoa. Atualmente temos diferenças de consumo que podem chegar a 200 gtório de Desenvolvimento 2011, Alan do mar. por pessoa em países ricos e 20 g em países pobres!Fuchs. O Pnud sugere mudanças signifi- Sem falar que se necessita de 20.000 a 30.000 litros de água para produzir Pelas projeções do Pnud, se o rit- cativas na implementação de políticas um 1Kg de um filé mal passado, sendo que mais de 90% a soja cultivada no mundomo de evolução do IDH dos últimos públicas e investimentos em sustenta- serve para alimentar animais. Isto é que podemos chamar do "efeito cascata da degra-40 anos for mantido, em 2050 a gran- bilidade para reverter a situação. "É dação ambiental". Mais gado, mais pastagens, mais soja, mais uso de agrotóxico, maisde maioria dos países terá índices con- preciso haver uma mudança macro. contaminação do solo e do lençol freático, menos água para humanos, menossiderados muito elevados. No entan- Um ambiente limpo e seguro deve ser solo produtivo, menos florestas, menos vida!to, essa trajetória pode ser compro- um direito e não um privilégio", ava- Agora tente convencer americanos viciados em hambúrgueres, brasileirosmetida pelos riscos ambientais, que liou Fuchs. Entre as medidas, os auto- viciados em churrasco sobre isto e grande parte dos chineses que pela primeiraforam divididos pelo Pnud em dois res do relatório defendem a criação vez estão tendo poder aquisitivo, há reduzir o consumo de sua carne de cadacenários: desafio e desastre ambiental. de um imposto verde, para taxar as dia! Não se pede que as pessoas abandonem sua dieta carnívora, introduzida na humanidade desde os tempos das cavernas. O que se pede é a redução, a Até 2050, sem os novos desafios grandes transações financeiras interna- substituição da carne por outro alimento, ao menos duas vezes por se-ambientais, o IDH global seria 19% cionais e financiar o enfrentamento das mana! Nos Estados Unidos, há um movimento chamado Weekend Vegetarian,maior que o atual, com melhora prin- mudanças climáticas e da pobreza extre- convidando as pessoas comer carne somente nos finais de semana. Outro mo-cipalmente nos índices de países em ma. Segundo cálculos do Pnud, uma taxa vimento internacional que está ganhando força é o Segunda sem Carne! Que taldesenvolvimento. No cenário de de- de 0,005% sobre as negociações cam- usar o bom senso? Os sinais estão aí. Ou fazemos algo, ou não vamos precisarsafio ambiental, que considera a po- biais poderia gerar anualmente US$ 40 de churrasqueiras para assar aquela picanha ou maminha, o efeito estufa vailuição do ar e da água e os impactos bilhões para essas causas. fazer este serviço!das mudanças climáticas sobre a agri- Fonte: Agência Brasil

×