Educação para o Profissional de Sustentabilidade, por Rachel Cavalcanti

1.119 visualizações

Publicada em

Apresentação de Rachel Cavalcanti na mesa de debate "Educação para o Profissional de Sustentabilidade" no 1º Encontro Nacional de Profissionais de Sustentabilidade.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.119
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação para o Profissional de Sustentabilidade, por Rachel Cavalcanti

  1. 1. EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE desenvolvendo novas competências Rachel Cavalcanti
  2. 2. QUE PROFISSIONAIS ESTAMOS FORMANDO? - Competentes tecnicamente - Com capacidade de decisão e ação - Com capacidade de gestão eficiente que gera resultados positivos Rachel Cavalcanti
  3. 3. Que mundo nosso modelo de educação construiu? um mundo insustentável e injusto crescimento econômico ilimitado desigualdade e injustiça social gritantes degradação dos ecossistemas ambientais em geral Rachel Cavalcanti
  4. 4. INsustentabilidade A ESCALADA DAS MANIFESTAÇÕES DA INSUSTENTABILIDADE É MUITO MAIOR DO QUE OS RESULTADOS DAS AÇÕES DAS EMPRESAS, DOS GOVERNOS E DA SOCIEDADE CIVIL Rachel Cavalcanti
  5. 5. PARA A REVERSÃO DESSE QUADRO É PRECISO FORMAR NOVOS SERES HUMANOS NOVOS PROFISSIONAIS COM NOVAS COMPETÊNCIASProfissionais responsáveis e comprometidos com a vida de todos no planeta Rachel Cavalcanti
  6. 6. REFERENCIAL TEÓRICO IMPORTANTE: educação para a sustentabilidade A NOVA EDUCAÇÃO TEM ANTIGOS REFERENCIAIS TEÓRICOS PAULO FREIRE A EDUCAÇÃO NÃO TRANSFORMA O MUNDO A EDUCAÇÃO TRANSFORMA PESSOAS PESSOAS TRANSFORMAM O MUNDO Rachel Cavalcanti
  7. 7. QUE PERGUNTAS SEJAM FEITASMAS O QUE É QUE NÃO DEU CERTO?QUAIS SÃO AS CAUSAS DESSA SITUAÇÃO DEAGRAVAMENTO DE UMA CRISE QUE EXISTE HÁALGUMAS DÉCADAS? Rachel Cavalcanti
  8. 8. SEI QUAL MUNDO EU QUERO?CONSIGO IMAGINAR OUTRO MUNDO?QUAL É A MINHA VISÃO DE FUTURO?COMO TOMO MINHAS DECISÕES?SEI QUAL DIREÇÃO QUERO SEGUIR?QUE VALORES ORIENTAM AS MINHASESCOLHAS?FAÇO ESCOLHAS CONSCIENTES?O QUE É FELICIDADE?O QUE É LIBERDADE? Rachel Cavalcanti
  9. 9.  SIGNIFICADOS SABER O QUE FAZER IDÉIAS FUNDAMENTAIS COM AS QUAIS POSSAMOS PREENCHER NOSSAS MENTES E TERMOS NOSSAS PRÓPRIAS IDÉIASIDÉIAS COM AS QUAIS POSSAMOS PENSAR O MUNDO, COMPREENDER O MUNDO, A SOCIEDADE E O PRÓPRIO MUNDO COMPREENDER O MUNDO QUE POSSA GERAR UM SENTIMENTO DE PERTENCIMENTO, PARTICIPAÇÃO (isso tudo que a educação convencional não produziu) Rachel Cavalcanti Rachel Cavalcanti
  10. 10. PARA FORMAR NOVOS PROFISSIONAIS É PRECISO UMA NOVA EDUCAÇÃO• vai além de treinamentos tecnicistas que buscam ampliar know how • busca a compreensão do significado da vida • desenvolve capacidade criativa • desperta valores éticos• estimula o envolvimento e comprometimento com a realidade e com sua transformação, uma vez que o mundo não está pronto, não é imutável e é dependente da nossa ação Rachel Cavalcanti
  11. 11. mudar nosso modelo mentaltransformar a nossa percepçãodesenvolver um novo pensar e um olhar novo que é abrangenteensinar a interdependência de todas as coisaspermitir a redescoberta das relações que unem todas as coisas, aparentementeintegrar os fatos da realidade que nos cerca, realidade que nós mesmos estamosensinar que TODOS OS SISTEMAS (ECONÔMICOS, SOCIAIS E NATURAIS) Rachel Cavalcanti
  12. 12. É A EDUCAÇÃO QUE EQUILIBRAO LADO ESQUERDO E O LADO DIREITO DO CÉREBRO Rachel Cavalcanti
  13. 13. INTERDEPENDÊNCIA produtividade criatividade RESTRIÇÕES REGRAS REGULAMENTOS •CONVIVÊNCIA•INDIVÍDUOS •INTERAÇÕES•SOCIEDADE •PRODUÇÃO•MERCADO VIDA competição qualidade LEGISLAÇÃO de vidacooperação IMPOSTOS competência Rachel Cavalcanti
  14. 14. A NOVA EDUCAÇÃO TEM NOVOS REFERENCIAIS TEÓRICOS PENSAMENTO SISTÊMICO PENSAMENTO INTEGRAL Peter Senge Ken Wilber COMPLEXIDADE Edgar Morin Humberto Maturana Rachel Cavalcanti
  15. 15. REFERENCIAIS TEÓRICOS E CONCEITUAIS O que é desenvolvimento ? O que é crescimento ? O que é desenvolvimento sustentável ? E sustentabilidade ? O que é economia ecológica? E economia ambiental? O que é Responsabilidade Social Corporativa ? Rachel Cavalcanti
  16. 16. ELE SABE A DIFERENÇA ENTREVIABILIDADE ECONÔMICAGarantir os lucros e/ou valorizar as ações das empresasSUSTENTABILIDADE NOS NEGÓCIOStranscende o imediatismo do curto prazoamplia o olhar para alcançar o longo prazo, e toda a cadeia produtiva naavaliação das consequências de qualquer decisão Rachel Cavalcanti
  17. 17. SOLO, SUBSOLO, FAUNA, FLORA, AR, ÁGUA, CLIMA, CICLO HIDROLÓGICO, QUALIDADE FOTOSSÍNTESE AMBIENTAL manutenção de todos subsistemas ecológicos e fontes de recursos e AMBIENTE serviços da natureza, necessárias à manutenção e melhoria do bem-estar humano. SUSTENTA- MÍDIA PROSPERIDADE BILIDADE E EFICIÊNCIA SOCIEDADE ECONÔMICA JUSTIÇA ECONOMIA CAPITAL CONSTRUÍDO SOCIAL CAPITAL HUMANO SERES HUMANOS CAPITAL NATURALredução da pobreza maximização do bem-estar maior eqüidade conservação e melhoria mais justiça do estoque de capital mais bem-estar existente Rachel Cavalcanti
  18. 18. AMBIENTE SUSTENTA- MÍDIA BILIDADESOCIEDADE ECONOMIA ÉTICA Rachel Cavalcanti
  19. 19. FERRAMENTAS DE GESTÃO PARA A SUSTENTABILIDADE -Planejamento estratégico -Política e gestão ambiental -Gestão da diversidade -Gestão da cadeia produtiva -Engajamento de stakeholders -Relações com a comunidade -Gestão de RH -Certificações e auditorias -Relatórios de sustentabilidade Rachel Cavalcanti
  20. 20. A NOVA EDUCAÇÃO TEM NOVAS PRÁTICAS, MÉTODOS E FORMATOS ELEMENTOS COMUNS acontece na cooperação, na diversidade e na troca no desenvolvimento de processos colaborativos seu propósito é coletivo e seu fundamento é emocional Rachel Cavalcanti
  21. 21. REFERENCIAIS IMPORTANTES: formatos O CÍRCULO  o círculo honra todas as vozes  é um espaço que propicia o diálogo e amplia o potencial de troca entre seus integrantes  é a interação do falar e do ouvir, ou seja, propõe-se falar com intenção e ouvir com atenção  os princípios do círculo e os acordos estabelecidos entre seus membros permitem ter uma troca profunda e livre, onde respeita-se a diversidade, a rotatividade da liderança, e o compartilhamento das responsabilidades relativos ao bem-estar do grupo Rachel Cavalcanti
  22. 22. DIÁLOGO - David Bohm a prática do diálogo é o que potencializa a construção coletiva é um método de interações que melhora comunicação e entendimento; estimula o compartilhamento democrático das experiências de cada um eassim, a produção de idéias novas. no diálogo não há competição, nem a necessidade de convencer ninguém denada, e a mente deve estar sempre aberta a novas possibilidades e desafios Rachel Cavalcanti
  23. 23. QUAL A DIFERENÇA QUE ESSE NOVO PROFISSIONAL FAZ? Rachel Cavalcanti
  24. 24. ESSE NOVO PROFISSIONAL •motiva decisões responsáveis•Inspirar e propor práticas que tenham como consequências: - PROMOÇÃO DO BEM-ESTAR DE FORMA GENERALIZADA - REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES SOCIAIS - MINIMIZAÇÃO DOS IMPACTOS AO MEIO AMBIENTE NATURAL Rachel Cavalcanti
  25. 25. ESSE NOVO PROFISSIONAL•Sabe que a realidade resulta de um processo dinâmico de mudanças e trocas, que tende sempre ao equilíbro, e que nutrem a rede da vida •Sabe que a vida é o resultado resultado das nossas próprias ações Daí resulta a sua percepção de sustentabilidade Rachel Cavalcanti
  26. 26. AGE EM REDES Porque percebe as redes como padrão de organização da vidaTrabalha em redes como espaços de partilhas, de propósitos compartilhados,compromissos assumidos, tarefas claras e compatíveis com as compatências e habilidades do grupo.Reconhece a importância da comunicação clara e do fluxo de informações para a retroalimentação da dinâmica das redes Rachel Cavalcanti
  27. 27. USA AS REDES COMO•COMUNIDADES DE PRÁTICAS•CONEXÃO DE PESSOAS PARAAPRENDIZAGEM COLETIVA•PRODUÇÃO COLABORATIVAATRAVES DE TROCAS DEINFORMAÇÕES VIACOMUNICAÇÃO Rachel Cavalcanti
  28. 28. O PROFISSIONAL APTO A CONTRIBUIR EFETIVAMENTE COM ASUSTENTABILIDADE EMERGE DESSE PROCESSO DE EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA Rachel Cavalcanti
  29. 29. ALGUNS SERES HUMANOS QUE NOS INSPIRAM Rachel Cavalcanti
  30. 30. Rachel Cavalcanti
  31. 31. John Milton The Way of NaturePassamos a ver a natureza como um objeto à parte de nós mesmos , a manipulá-la em favor de nossos propósitos. Dessa forma, perdemos a conexão profunda com o Planeta e aexperiência natural de unidade que nos levava a uma vida equilibrada. Rachel Cavalcanti
  32. 32. JOHN ELKINGTONSe as empresas desejarem satisfazer a crescente demanda detodos os grupos de stakeholders a fim de aprimorar os padrões e o desempenho no triple bottom line, deverão aprender a conduzir o diálogo de forma radicalmente nova. 2000 Rachel Cavalcanti
  33. 33. Ray Anderson Interface Podemos fabricar minas terrestres de forma sustentável? • Era proprietário da maior empresa de carpetes do mundo• Promoveu mudanças relativas às matérias primas após (pouca mais de 50% recicláveis) ao auto identificar-se como alguém que superexplorava indevidamente os recursos naturais • Passou a produzir carpetes em módulos (para não estimular substituição de grandes quantidades quando não houver necessidade) • Passou a vender serviços de manutenção de carpetes (com o objetivo de prolongar a durabilidade em lugar de substituir); Rachel Cavalcanti
  34. 34. Dee Hock Diretor e CEO Emérito da Visa Por que as instituições, em toda parte, sejam elas políticas,comerciais ou sociais, são cada vez mais incapazes de administrar as próprias questões? Por que as pessoas,em toda parte, estão cada vez mais em conflito com as instituições de que fazem parte e alienadas delas? Por que aumenta cada vez mais o desequilíbrio na sociedade e na biosfera? Rachel Cavalcanti
  35. 35. MUHAMMAD YUNUS ”O Banqueiro dos Pobres” Criou o Banco Grameen (O Banco dos Pobres)E as primeiras experiências de economia social Rachel Cavalcanti
  36. 36. YVON CHOUINARD Fundador e proprietário da Patagônia empresa de produtos esportivos -utiliza matérias primas renováveis -oferece serviço de reparo nos produtos (para não estimular a compra de outro) -horários flexíveis de trabalho (mesmo que seja para o funcionário surfar) -os funcionários são estimulados a não comparecer ao trabalho caso alguém da família esteja doente -a etiqueta das roupas incluem uma pergunta ao consumidor: você precisa mesmo disso? -as contas da empresa são abertasAtualmente a Patagônia destina 1% das vendas ou 10% do lucro líquido (qual for maior) parafinanciar organizações ambientalistas. Em 10 anos o montante supera U$ 15 milhões.Em 2001 fundou a 1% para o planeta, uma ONG para estimular outras empresas a fazer omesmo que a Patagônia. Rachel Cavalcanti
  37. 37. RICARDO YOUNG ODED GRAJEWPresidente do Conselho Deliberativo do Yázigi Fundador e coordenador-geral Rede Nossa São PauloDiretor na Instituto Democracia e Sustentabilidade Fundador e presidente emérito do Inst. Ethos.Conselheiro das organizações GRI (Amsterdan) Sócio-fundador do movimento Todos pela EducaçãoAccountability (Londres) Idealizador do Fórum Social MundialGrupo de Zurich (Suiça) Foi membro do Conselho Consultivo do Global Compact.Líder do Movimento por uma Nova Política Fundador e ex-presidente da Fundação AbrinqInstituto Marina Silva Membro-fundador do Pensamento Nacional das Bases Empresariais (PNBE). Rachel Cavalcanti
  38. 38. PAUL SINGER PAUL SINGER Secretaria especial de economia solidária do Governo Federal“A ECONOMIA SOLIDÁRIA É UM PROJETO REVOLUCIONÁRIO, É UM PROJETO PARA UMA OUTRA SOCIEDADE, E ISSO NOS PERMITE FOMULÁ-LA COMO NÓS DESEJAMOS. “ Rachel Cavalcanti
  39. 39. ROBERTO WAACK AMATA BRASIL A AMATA é uma empresa florestal que tem como principal produto a madeira certificada. A exploração florestal com uso múltiplo engloba também produtos não madeireiros e serviços ambientais alinhados à recente demanda por atividades com efeito redutor do aquecimento global. É um empreendimento florestal criado com o maior cuidado profissional e fundamentado nas melhores informações sobre florestas disponíveis no Brasil e no mundo. Uma aliança com profundas raízes na crença de que é possível gerir florestasnaturais e plantadas com tecnologias que garantam uma exploração econômica, social e ambientalmente consistente. Rachel Cavalcanti
  40. 40. ALESSANDRA FRANÇA Fundadora do Banco Pérola O objetivo do Banco Pérola é o desenvolvimento social, dando acesso a crédito ajovens empreendedores, de 18 a 35 anos, que não conseguiriam empréstimo devido à exigência de condições e de garantias dos bancos tradicionais.A empresa deu início a suas operações em 2009 mediante um contrato com a Caixa Econômica Federal, pelo qual obtém crédito e repassa a seus clientes.Recentemente firmou um acordo com o Bradesco, e com a ampliação das fontes de captação, sua meta é expandir. Rachel Cavalcanti
  41. 41. Rachel Cavalcanti Rachel Cavalcanti

×