O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Formação analista de logística - Perfil, responsabilidades e oportunidades profissionais

1.649 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Formação analista de logística - Perfil, responsabilidades e oportunidades profissionais

  1. 1. MÓDULO 1 PERFIL DO PROFISSIONAL, RESPONSABILIDADES E OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS FORMAÇÃO ANALISTA DE LOGÍSTICA EM COMÉRCIO EXTERIOR
  2. 2. Apresentação do Professor José Fernando Rosa .  Mestre em Administração – Dissertação em Logística  Experiência profissional desenvolvida em empresas de grande porte; Ambev, Sadia, Coca Cola, Acesita, Alcan, Samarco, Jaguar Mininng, Algar, Supporte Logística, Cocal Transportes, ...  Experiência em processos logísticos; recebimento, estocagem e movimentação de materiais, racionalização de estoques, negociação de fretes, roteirização, distribuição de produtos, processos de importação via operações portuárias (descarga e transporte de granéis) e desembaraço alfandegário.  Professor Universitário; ESAMC, PITÁGORAS, UNITRI, PUC, FUCAMP, CESUC.  Consultor Administrativo nas áreas de Logística e Supply Chain Mangement; Selecta, Icasu, PDCA Eng., Aura Hospitalar, H. S Genoveva, H. S. Clara, ...
  3. 3. FASE 1
  4. 4.  O Papel do Profissional de Logística no Comércio Exterior  Os Desafios e Oportunidades  Projetos na área de petróleo, Copa do Mundo e Olimpíadas.  Desafio: custo x tempo no Brasil. PERFIL DO PROFISSIONAL, RESPONSABILIDADES E OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS SUMÁRIO
  5. 5.  Os Principais Atores Privados, de Governo e suas Funções na Área de Transporte  Analise e Desafios para a Logística na Importação e Exportação  Importância da logística para as empresas - fatores de competitividade. PERFIL DO PROFISSIONAL, RESPONSABILIDADES E OPORTUNIDADES PROFISSIONAIS
  6. 6.  Mudanças tecnológicas e ambientais – adaptações do profissional de logística a este novo perfil (resiliência).  Poder de desenvolver e trabalhar em atividades simultâneas, visão de novas tendências e adaptação a mudanças. Papel do profissional de logística no comércio exterior
  7. 7.  Gestor multidisciplinar; recursos materiais e humanos, manutenção, processos, fiscais e financeiros) - mão-de-obra escassa  Língua estrangeira – Inglês, espanhol, mandarim, japonês, ... Papel do profissional de logística no comércio exterior
  8. 8.  Sistemas eletrônicos - (ERP, WMS e TMS, internet, redes sociais, office ...),  Interação com as áreas internas,  Foco nos Clientes e Fornecedores,  Visão de processos, Papel do profissional de logística no comércio exterior Conhecimento técnicos de logística tornou-se algo obrigatório;
  9. 9.  Prestação de serviços com maior qualidade e segurança.  Conhecimentos de matemática financeira, custos, estatística, e ferramentas de gestão da qualidade (Paretto, Ishikawa, MASP, PDCA, CCQ, 5S, ...)  Legislação tributária – ICMS, IPI, II, PIS, COFINS, ISS,... Conhecimento técnicos de logística tornou-se algo obrigatório; Papel do profissional de logística no comércio exterior
  10. 10.  Treinamento/reciclagem - Conceitos e técnicas do dia a dia expostos e teorizados em sala de aula.  Demanda para os cursos tecnológicos aumentando para atender necessidades do mercado  Visão globalizada - não restrita a Supply Chain. Papel do profissional de logística no comércio exterior
  11. 11.  Contatos externos – percepção das dificuldades; delivery, pós venda. (Melhoria contínua)  Profissional precisa entender seu papel nos negócios da empresa, sua capacidade de gerar soluções e trazer lucro. Papel do profissional de logística no comércio exterior
  12. 12. RESUMO  Sumário dos tópicos do módulo  Perfil dos profissionais logísticos  Conhecimentos técnicos obrigatórios  Papel do profissional logístico nas empresas Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] O papel do profissional de logística está basicamente voltado para o conhecimentos técnico das atribuições da área. B [ ] O profissional logístico tem que entender seu papel nos negócios da empresa, além de usar toda a sua capacidade de buscar soluções, tendo com meta a geração de lucro.
  13. 13. FASE 2 Os desafios e oportunidades
  14. 14. Os Desafios e Oportunidades  Investimentos e projetos (pré-sal)  Plataformas de perfuração e exploração,  Embarcações e unidades de produção em todo o litoral  Grande volume de aquisições  Enorme contratação de equipamentos/ferramenta Projetos na área de petróleo e gás
  15. 15.  Muita contratação de transporte  Gigantesca movimentação de materiais  Grande necessidade de planejamento e controle  Volume considerável de importações  Grande demanda por profissionais qualificados. Os Desafios e Oportunidades Projetos na área de petróleo e gás
  16. 16. Os Desafios e Oportunidades  Brasil e a Copa do Mundo de Futebol de 2.014. (Penta campeões, Pelé).  Após euforia – reflexão sobre requisitos logísticos para o evento.  Necessidade de investimentos em construção/modernização;  Estádios,  Aeroportos,  Hotéis/restaurantes/fastfood  Rodovias,  Ferrovias  Segurança Copa do Mundo e Olimpíadas
  17. 17.  Logística das pessoas e o evento.  Mais de 500 mil turistas estrangeiros  Delegações estrangeiras (jogadores e comissão técnica),  Profissionais de imprensa, médicos e outros profissionais  Movimentação interna de brasileiros.  Comércio varejista/atacadista  Entretenimento Os Desafios e Oportunidades Copa do Mundo e Olimpíadas
  18. 18.  Meios de comunicação  Cobertura televisiva  Internet  Telefonia internacional  Informações turísticas (em mais de um idioma) em pontos estratégicos; local, dias e horários de jogos, pontos turísticos próximos, hotéis, restaurantes e rotas para os eventos, inclusive GPS. Os Desafios e Oportunidades Copa do Mundo e Olimpíadas
  19. 19.  Integração perfeita de todos os meios de transporte; conexões entre estações de ônibus, metrô, trem, barco, avião.  Acessibilidade aos idosos e portadores de necessidades especiais.  Incentivo à aquisição antecipada dos bilhetes para evitar grandes filas tanto nos estádios como nos pontos turísticos, meios de transporte...  Meios de comunicação Os Desafios e Oportunidades Copa do Mundo e Olimpíadas
  20. 20. RESUMO  Desafios e oportunidades na área de logística  Projeto petróleo e gás  Copa das Confederações 2013  Copa do Mundo 2014  Olimpíadas 2016 Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] As perspectivas de emprego e renda para os profissionais de logística para a próxima década são muito promissoras, visto a necessidade latente de investimentos em infra estrutura, incremento do parque industrial, do aumento PIB e do volume de transações internacionais. B [ ] Os projetos da Petrobrás na exploração de petróleo e gás e os eventos relativos à Copa das confederações, Copa do Mundo e Jogos Olímpicos vão gerar excelentes oportunidades para as operações logísticas no Brasil, gerando emprego e renda para os profissionais da área.
  21. 21. FASE 3 Os desafio e oportunidades (continuação)
  22. 22. Desafio: custo x tempo no Brasil INFRA ESTRUTURA MALHA LOGÍSTICA; erro estratégico (Getúlio, JK) Os Desafios e Oportunidades
  23. 23. Malha Rodoviária  2 milhões km – 100 mil km (asfalto)  Custo de construção elevado (super faturamento)  Manutenção cara  Investimento alto  Custo operacional (km rodado/ton.) alto Malha Ferroviária  29 mil km (Maioria - Centro Sul)  Dois tipos de bitola  Investimento alto  Manutenção barata  Custo operacional (km rodado/ton.) baixo Desafio: custo x tempo no Brasil INFRA ESTRUTURA Os Desafios e Oportunidades
  24. 24. Desafio: custo x tempo no Brasil INFRA ESTRUTURA Sistema Aero Portuário  4.000 aeroportos  721 pavimentados  34 internacionais  Investimento alto (super faturamento)  Manutenção alta  Custo operacional (km rodado/ton) alto  Participação no sistema de transporte; 0,10 % Sistema Portuário Marítimo  8 mil km de litoral, 37 portos (11 grandes)  Custo de construção elevado (super faturamento)  Manutenção baixa  Custo operacional (km rodado/ton) baixo Os Desafios e Oportunidades
  25. 25. Desafio: custo x tempo no Brasil INFRA ESTRUTURA Malha fluvial  23.000 km rios navegáveis  Investimento baixo  Manutenção baixa  Custo operacional (km rodado/ton) baixo;  1 lt diesel – 23 km; Caminhão (1 ton)  Trem (90 ton)  Barcaças (250 ton) Malha dutoviária  15.000 km de oleodutos e gasodutos  1.200 km de minerodutos  Investimento alto  Manutenção baixa  Custo operacional (km rodado/ton) baixo Os Desafios e Oportunidades
  26. 26. RESUMO  Malha portuária marítima  Malha aeroportuária  Malha dutoviária  Malha fluvial Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] O Brasil tem uma malha rodoviária de 2 milhões de km e sua utilização representa 62,7% da Matriz Logística do país e a malha ferroviária tem 29.000 km, representando 21,7% da Matriz Logística, o que é um contrassenso face às necessidades do país. B [ ] O País precisa trabalhar no sentido de incrementar a malha ferroviária, principalmente nos grandes corredores de movimentação de grãos, minérios e produtos siderúrgicos, visando agilizar estes processos e reduzir custos logísticos. Uma locomotiva arrasta 3.500 ton. de carga ao mesmo custo de um cavalo mecânico que arrasta 60 ton. de carga.
  27. 27. FASE 4 Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  28. 28.  AGENTE DE CARGA  Prestador de serviços logísticos para Embarcadores e Transportadores no comércio internacional aeroviário.  Atuam focados em definir rotas e frequências balanceando oferta e procura.  Atuam no varejo captando carga e oferecendo serviços diferenciados.  Atribuições; contratação de transporte de carga, consolidação de carga, unitização de cargas, controle de embarque de pedidos, visibilidade de informação, armazenagem e operações de contingência. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  29. 29.  O agente de carga é registrado nos órgãos reguladores governamentais e internacionais nos países em que opera.  Agentes de carga marítimos também são chamados de NVOCC (Non-Vessel – Owning Common Carrier)” Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  30. 30.  Funções do agente de carga  Trabalha para encontrar a melhor solução para o transporte da carga de seu cliente, estudando a melhor logística;  Emissão do Conhecimento de Embarque e entrega ao usuário.  Consolidação de cargas e desconsolidação.  Reserva de espaço no veículo transportador  Obtenção dos documentos necessários  Formulação do despacho junto a autoridade competente  Pagamento das taxas envolvidas. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  31. 31.  EMPRESA DE TRANSPORTE EXPRESSO INTERNACIONAL  Pessoa jurídica estabelecida no País que presta serviços de transporte internacional, porta a porta (via aérea);  Remessas expressas destinadas a terceiros,  Fluxo regular e contínuo, tanto na importação como na exportação,  Veículo próprio ou contratado Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  32. 32.  DESPACHANTE ADUANEIRO  Formulação da declaração de importação ou de exportação  Proposição da destinação dos bens submetidos ao controle aduaneiro,  Indicar o regime aduaneiro a aplicar às mercadorias  Comunicar os elementos exigidos para aplicação do regime aduaneiro. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  33. 33.  Praticar em nome dos representados os atos relativos ao despacho aduaneiro  Verificação da mercadoria, para sua identificação ou quantificação,  Recebimento do produto da importação após o desembaraço.  Para atuar como despachante tem que ser credenciado no Siscomex Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte  DESPACHANTE ADUANEIRO
  34. 34.  PORTOS SECOS - EADI  Recintos alfandegados de uso público, situados em zona secundária,  São executadas operações de movimentação, armazenagem e despacho aduaneiro de mercadorias e de bagagem, sob controle aduaneiro.  Prestação de serviços conexos sujeitos ao regime de concessão ou de permissão.  Instalado, preferencialmente, adjacente às regiões produtoras e consumidoras.  Executados todos os serviços aduaneiros a cargo da Secretaria da Receita Federal, inclusive os de processamento de despacho aduaneiro de importação e de exportação (conferência e desembaraço aduaneiros), permitindo a interiorização desses serviços no País. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  35. 35.  ZONA FRANCA  Região onde entram mercadorias nacionais ou estrangeiras sem se sujeitar às tarifas alfandegárias normais.  Ficam isoladas e geralmente são situadas em um porto ou em seus arredores.  Lugares onde o governo estimula a criação de empresas e indústrias com os impostos abaixo dos valores normais, além de ajudar com o capital financeiro. Os Principais Atores Privados e de Governo Funções na Área de Transporte
  36. 36. RESUMO  Os Principais Atores Privados e de Governo  Funções na Área de Transporte  Agentes de carga  Empresas de transporte expresso internacional  Despachantes aduaneiros  Portos Secos – EADI  Zonas FrancasQuestão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] As Zonas Francas são lugares onde o governo estimula a criação de empresas e indústrias com os impostos abaixo dos valores normais, além de ajudar com o capital financeiro. B [ ] As Zonas Francas deveriam ser áreas de estimulo à ocupação de regiões remotas com baixo nível populacional e consideradas estratégicas em termos de segurança nacional. Nelas seriam implantadas indústrias com as características atuais como forma de incentivo ao investimento pela iniciativa privada.
  37. 37. FASE 5 Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  38. 38. LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA  Brasil tem +/- 80 tributos  Principais; ICMS, IPI, IRF, PIS, COFINS  Mão de obra especializada  Atualização constante  Softwares específicos  Perda de competitividade internacional Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  39. 39. LEGISLAÇÃO TRABALHISTA  CLT – 1943 – Carta del lavoro – Itália Brasil agrícola e analfabeto  Casuísmo legislativo; horas intinere, jornada dos caminhoneiros, empregadas domésticas, relógio eletrônico. Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  40. 40.  Contribuições, impostos e encargos; INSS, FGTS, Vale Transporte, Vale Refeição, Cesta básica, Férias, Adicional Férias, 13º salário, hora noturna, periculosidade, insalubridade, Ausência remunerada, Licenças, Repouso remunerado (DSR), Feriado, Rescisão contratual, Contribuição sindical, ...  Salário mínimo; R$ 719,48 + encargos/benefícios = R$ 2.000 LEGISLAÇÃO TRABALHISTA Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  41. 41. DESAFIOS ADUANEIROS  Retenção de mercadorias – compliance – divergência documental e informações.  Burocracia e morosidade. Elevação dos custos em 10% do valor dos materiais.  Sindicatos portuários; pressão, greves e salários elevados.  Liberação aduaneira no Brasil - 8 assinaturas Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  42. 42.  Liberação aduaneira no USA - 3 assinaturas  Ministério Indústria e Comércio exterior – Missão sem poder  Receita federal – Poder sem missão  Redesenho regulatório e infraestrutura (longo prazo)  Dever de casa – Competência dos profissionais – oportunidades!!! (curto prazo) DESAFIOS ADUANEIROS Análise e Desafios para Logística Importação e Exportação
  43. 43. RESUMO  Análise e desafios para a logística de importação / exportação  Legislação tributária  Legislação trabalhista  Desafios aduaneiros Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] O país carece de uma reforma tributária e trabalhista que desonere o custo dos produtos finais, alivie o peso dos encargos sociais e gere mais emprego e renda para os trabalhadores. Uma reforma nestes moldes aumentaria o nível de emprego, aumentaria a competitividade dos produtos brasileiros e o principal beneficiado seria o próprio governo com o aumento em escala dos tributos. B [ ] A legislação tributária conta com mais de 80 tributos e absorve mais de 40% do PIB sem o retorno proporcional e a legislação tributária é pesada para os empregadores e pouca satisfatória para os empregados. As duas legislações elevam os preços finais dos produtos e geram perda de competitividade no mercado internacional.
  44. 44. FASE 6 A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  45. 45. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade  Preocupação com os custos organizacionais e/ou industriais.  Acirrada competição, buscando posicionamento frente aos consumidores.  Necessidade de garantir prazos de distribuição e oferta de um nível satisfatório de serviço.
  46. 46.  Preocupação com a absorção das crescentes oportunidades de operações econômicas no mercado internacional.  Personalização e diversificação de produtos, tecnologias, exportações e investimentos em P&D.  Desenvolvimento de estratégias para promover a modernização e a eficácia das operações de logística nas empresas brasileiras. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  47. 47.  Busca constante da reciclagem ( práticas e aplicações logística); congressos, fóruns, cursos, treinamentos e benchmarking.  Relevância logística - investimentos em CDs, equipamentos de movimentação, operação, armazenagem, softwares de gestão, roteirização e consultoria especializada. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  48. 48.  Os investimentos objetivam tornar as empresas mais competitivas e com uma performance de custo baixo e disponibilizar produtos e materiais nos mercados e pontos de consumo com a máxima eficiência, rapidez e qualidade.  Ações e decisões dos gestores logísticos têm que ser deliberadas e planejadas. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  49. 49.  Planejamento da cadeia logística e conhecimento dos gargalos, gerando eficácia na gestão dos processos:  Níveis de serviços aos clientes  Localização das instalações;  Decisões sobre estoques  Decisões sobre transporte  Planejamento fomenta crescimento e prospecta oportunidades para obter maior participação no mercado A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  50. 50.  Distribuição assertiva nos pontos de vendas garante a compra (visibilidade e disponibilidade)  Logística é um fator de competitividade, sendo necessário unir esforços no desenvolvimento dos profissionais da área, adotando um planejamento de longo prazo para o crescimento de mercado e do atendimento. A importância da logística para as organizações
 Fatores de competitividade
  51. 51. RESUMO A importância da logística para as organizações. Fatores de competitividade; Custos organizacionais Competição Prazos e demandas Crescimento internacional e avanço tecnológico Estratégias para a eficácia Investimentos Planejamento logístico Distribuição Fatores competitivos Questão central – Marque a alternativa mais coerente: A [ ] Logística é um fator de competitividade, sendo necessário unir esforços no desenvolvimento dos profissionais da área, adotando um planejamento de longo prazo para o crescimento de mercado e do atendimento. B [ ] O planejamento das ações logísticas, atuando de maneira firme e assertiva no nível de serviços ao cliente, na correta localização e estruturação das instalações na definição ideal dos níveis de estoque e na gestão eficaz da movimentação dos materiais determinam os fatores de competição.
  52. 52. www.facebook.com/AbracomexADM E receberá nossas dicas, promoções e notícias sobre comércio exterior e logística.
  53. 53. Contatos: www.abracomex.org | atendimento@abracomex.org http://twitter.com/abracomex | Skype: abracomex Portal de ensino: www.abracomexonline.org Facebook: www.fb.com/abracomexadm Telefone: 4062-0660 Ramal:0405

×