140634871 erwin-pptx

536 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
536
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

140634871 erwin-pptx

  1. 1. ErwinPanofsky
  2. 2. Erwin Panofsky ou simplesmente Panofsky, foium historiador da arte que desenvolveu a teoria daiconografia e da iconologia, como introdução ao estudo daarte da Renascença. Ele nasceu em Hannover, Alemanhaem 1892.Graduou-se em 1914 na Universidade deFriburgo, com uma tese sobre o pintor alemão AlbrechtDürer, depois de estudar em várias universidades alemãs.Em 1916 casou-se com Dora Morre, tambémhistoriadora da arte. Em 1924 aparece a primeira de suasgrandes obras: Idea: uma contribuição para a história dasidéias na história da arte, em que examina a história dateoria neo-platônica na arte.Entre 1926 e 1933 foi professor naUniversidade de Hamburgo, onde havia começado alecionar em 1921. Abandonou a Alemanha quando osnazistas tomaram o poder em 1933 (era de ascendênciajudia) e instalou-se nos Estados Unidos, para onde haviaviajado como professor convidado em 1931. Foi professorno Instituto para Estudos Avançados da Universidade dePrinceton (1935-1962), mas também trabalhou nasuniversidades de Harvard (1947-1948) e Nova Iorque(1963-1968).
  3. 3. Iconografia e iconologiaICONOGRAFIA: tem seu sufixo vindo doverbo grego graphein, “escrever”. Assimsendo, implica um método de procederpuramente descritivo, ou até mesmoestatístico. A iconografia é, portanto, adescrição e classificação das imagens. É umestudo que nos informa, porexemplo, quando e onde temas específicosforam visualizados por quais motivosespecíficos. Diz-no quando e onde o Cristocrucificado usava uma tanga ou uma vestecomprida; quando e onde ele foi pregado àcruz, e com quantos cravos; como vício evirtude foram representados nos diferentesséculos e ambientes. Ao fazer estetrabalho, a iconografia torna-se uminstrumento fundamental para oestabelecimento de datas, origens e, àsvezes, autenticidade, além de fornecer asbases necessárias para interpretaçõesposteriores.
  4. 4. Se o sufixo “grafia” denota algo descritivo, o sufixo“logia” – derivado de logos, quer dizer “pensamento” – denotaalgo interpretativo. Assim, iconologia é, portanto, um métodode interpretação, advindo da síntese mais do que da análise.A análise iconológica, segundo Panofsky, é constituída de trêsetapas, a saber:1 – Primeiro momento, denominado pré-iconográfico oufenomenológico, que tem como função a identificação eenumeração das formas puras reconhecidas como portadorasde significados, ou seja, o mundo dos motivos artísticos.Iconografia e iconologia
  5. 5. 2 – Segundo momento, chamado deiconográfico, diz respeito ao estatuto, ou seja, aodomínio daquilo que identificamos comoimagens, histórias e alegorias.Ex: um grupo de figuras sentadas a uma mesa dejantar numa certa disposição e pose representa aÚltima Ceia.Iconografia e iconologia
  6. 6. 3 – Terceiro momento, identificado como camada da essência, ousignificado intrínseco ou conteúdo, é dado pela determinação dosprincípios subjacentes que revelam a atitude básica de umanação, de um período, classe social, crença religiosa ou filosófica– qualificados por uma personalidade e condensados numa obra. Opesquisador, para tanto, deverá investigar outros documentos quetestemunhem as tendênciaspolíticas, poéticas, religiosas, filosóficas e sociais dapersonalidade, período ou país sob investigação.Ao conceber assim as formas puras, osmotivos, imagens, histórias e alegorias como manifestações deprincípios básicos e gerais, Panofsky propõe a interpretação detodos esses elementos como sendo o que Ernst Cassirer chamoude valores simbólicos. A descoberta e interpretação dessesvalores simbólicos é objeto da iconologia.Iconografia e iconologia
  7. 7. Quando descrevemos um grupo de treze homens sentadosnuma certa disposição e pose num ambienteespecífico, estamos localizando o que Panofsky chama delocalização dos motivos e composições (aspectos formais), oumomento pré-iconográfico.Iconografia e iconologia
  8. 8. Quando afirmamos que tal descrição representa a últimaceia, via conhecimento do texto do apóstolo João13:21, estamos abordando tal imagem do ponto de vistaiconográfico.Iconografia e iconologia
  9. 9. Nos dois primeirosmomentos, trabalhamossomente com as questõesintrínsecas da obra. Quandocompreendemos tal pinturacomo um documento dapersonalidade de Leonardo, ouda civilização da AltaRenascença italiana, ou de umaatitude religiosaparticular, tratamos a obra dearte como um sintoma de algomais que se Expressa numavariedade de outros sintomas.Iconografia e iconologia
  10. 10. Para Panofsky, estaríamosperdidos se dependêssemos somente defontes literárias.Passa-se a investigar a maneirapela qual, sob condições históricas,objetos e fatos eram expressos pelasformas, ou seja, a história dos estilos. Damesma maneira, investiga-se a maneirapelo qual, sob diferentes condiçõeshistóricas, temas específicos eramexpressos por objetos e fatos, ou seja, ahistória dos tipos.Iconografia e iconologia
  11. 11. LivrosObras traduzidas•A perspectiva como forma simbólica•Arquitetura Gótica e Escolástica: sobre a analogia entre arte, filosofia e teologia na Idade Média•Estudos de Iconologia - Temas Humanísticos na Arte do Renascimento•Idea: a evolução do conceito de belo•O desenvolvimento do discurso e dos conceitos científicos•Significado nas Artes Visuais.
  12. 12. Seleção Bibliográfica•Dürers Kunsttheorie, 1915•Dürers "Melencholia I", 1923 (with Fritz Saxl)•Deutsche Plastik des elften bis dreizehnten Jahrhunderts, 1924•A Late-Antique Religious Symbol in Works by Holbein and Titian, 1926 (with F. Saxl, Burlington Magazine)•Über die Reihenfolge der vier Meister von Reims, 1927 (Jahrbuch für Kunstwissenschaft, II)•Das erste Blatt aus dem Libro Giorgio Vasaris, 1930 (Städel-Jahrbuch, VI)•Hercules am Scheidewege und andere antike Bildstoffe in der neueren Kunst, 1930 (Studien der Bibliotek Warburg, XVIII)•Classical Mythology in Mediaeval Art, 1933 (with F. Saxl, Metropolitan Museum Studies, IV)•Codex Huygens and Leonardo da Vincis Art Theory, 1940•Albrecht Dürer, 1943 - The Life and Art of Albrecht Dürer (4th ed. 1955)•Abbot Suger on the Abbey Church of St. Denis and Its Art Treasures, 1946•Postlogium Sugerianum, 1947 (Art Bulletin, XXIX)•Style and Medium in the Motion Pictures, 1947 (Critique, Vol. 1 No 3)•Gothic Architecture and Scholasticism, 1951•Early Netherlandish Painting: Its Origins and Character, 1953•Meaning in the Visual Arts, 1955•The Life and Art of Albrecht Dürer, 1955•Gothic Architecture and Scholasticism, 1957•Renaissance and Renascences in Western Art, 1960•The Iconography of Correggios Camera di San Paolo, 1961•Studies in Iconology, 1962 (2nd ed.)•Tomb Sculpture, 1964 (ed. by H.W. Janson)•Problems in Titian, Mostly Iconographic, 1964•Dr. Panofsky and Mr. Tarkington, 1974 (ed. by Richard M. Ludwig)•Perspective as Symbolic Form, 1991 (first appeared in 1927)•Three Essays on Style, 1995
  13. 13. Acadêmicas: Flávia CarolinnyLarissa MourãoÚrsula Andrews

×