SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 65
SHIFTING BUSINESSES INTO SOCIAL MACHINES
SOBRE A SODETSODET nasceu como um spinf-off do C.E.S.A.R. – Centro de
Estudos Avançados do Recife. Foi originalmente idealizada
por um grupo de empreendedores das áreas de tecnologia,
internet e design, com extensa experiência na lideraça de
projetos interdisciplinares e na criação de links entre
comportamento humano, uso de tecnologia e negócios.
Oficialmente lançada há menos de um ano, a SODET ainda está
comunicando sua existência para o mundo. Por conta da grande demanda
pelas soluções que entregamos, os projetos aconteceram antes mesmo de
termos uma logo ou um site. Em menos de um ano, a SODET já trabalhou
com algumas das marcas mais conhecidas do Brasil – Natura, FIAT,
Magazine Luiza, e TOTVS são algumas das empresas onde já facilitamos o
desenvolvimento de ambientes e plataformas colaborativas.
SILVIO MEIRA ANA BARROSO FERNANDO TECO SODRÉ BRUNO ENCARNAÇÃO
ONDE
ESTAMOS
OUR CLIENTS
SÃO PAULO, SP
4 PEOPLE + CLIENTS
DESIGN
THINKING +
PLANNING
BELO HORIZONTE, MG
11 PEOPLE + FIAT
In Belo Horizonte, SODET is the result of the
merge of the capabilities of two companies:
Mapa Digital – specialized in interaction
design, usability research, netnography –
and Ologia – specilized in design thinking.
+
SOCIAL
TECHNOLOGY
RECIFE, PE
10 PEOPLE
The biggest brands in Brazil and worldwide have
their HQ in Sao Paulo, so SODET integrates itself
into the client’s structure for duration on a project.
That way we can stay closer and build a stronger
relationship to our network.
C.E.S.A.R is one of the most impactful private
initiatives in Brazil. It transformed Recife, where it now
forms part of an important tech cluster called Porto
Digital, but it also changed its region and even the
whole country.
Porto Digital is the best Brazilian cluster by several
different entities, including A.T. Kearney. It welcomes
173 entities, 143 of which are companies, and 6,500 IT
professionals. It has an annual turnover of R$700
millions, around US$431 million.
+
1
2
3
COM QUEM JÁ
TRABALHAMOS
CLIENTES
Onde já começamos a criar ambientes e plataformas colaborativas.
http://www.youtube.com/watch?v=ZQzsQkMFgHE
O QUE
FAZEMOSNosso negócio é a geração, transformação,
agregação e captura de valor em comunidades on
e offline, a serviço das estratégias de empresas e
instituições. Acreditamos no envolvimento efetivo
das empresas, marcas e produtos com suas
comunidades de uso e defendemos princípios de
abertura, transparência, engajamento, inter
ação e consistência nas ações em todas as redes.
A SODET é social por definição, dentro e fora do
negócio.
TECNOLOGIA
SOCIAL
Desenvolvendo as
ferramentas apropriadas.
NEGÓCIOS
Entendendo o que é
desejável para a organização
+ ajustando a cultura para que
a colaboração seja possível.
DESIGN THINKING
Entendendo o que é
desejável para as pessoas
SOCIAL
DESIGN
THINKING
MAS POR QUE SOCIAL
DESIGN THINKING?
A base do Design Thinking é inovação multidisciplinar, impulsionada
por pessoas. Nos últimos seis anos, profissionais dedicados da área de
inovação têm feito experimentos com ferramentas e métodos que
possam ajudar as pessoas dar voz às suas ideias, expor seu
conhecimento específico e complementar as ideas de outros. Porém, a
grande parte dessas ferramentas demandam presença física dos
participantes e grande investimento de tempo.
Apesar desses métodos serem extremamente valiosos, o uso da
tecnologia elimina do processo fatores como espaço geográfico e
sincronia de tempo. Além disso, diminui a dependência da figura do
facilitador, um profissional treinado para facilitar discussões e
sintetizar a massa de informações em soluções de fato.
CONTEXTO
PROBLEMAS COMPLEXOS,
SOLUÇÕES COMPLEXAS
Empresas estão navegando no cenário turbulento entre suas
estruturas complexas e as pessoas a quem devem servir – não só
externamente com internamente.
Elas enfrentam uma série de dificuldades gerenciando e sintetizando o
que sabem como uma organização – aproximadamente 80% de seu
conhecimento é tácito, ou seja, originado de interações humanas e
experiências do dia-a-dia.
As pessoas frequentemente não tem consciência sobre esse tipo de
conhecimento, não sabem que o possuem e o quanto pode ser valioso
para outros. A transferência efetiva de conhecimento tácito geralmente
requer contato pessoal extenso, confiança e a oportunidade
apropriada para compartilhar.
Missão: ajudar as pessoas a dividir esse conhecimento e experiências
para as empresas consigam desenvolver soluções interdisciplinares
robustas e que possam reter de forma permanente a inteligência da
uma organização dentro de sua estrutura. Isso pode ser alcançado
através de plataformas que explicitem, estruturem e organizem
conhecimento dentro das empresas.
1. Indivíduos se tornaram produtores de conteúdo
2. As pessoas querem ser vistas em sua individualidade
3. Aumento do desejo de se tornar parte de uma comunidade
4. Desejo por conversas e diálogos reais
5. Busca por informação e descobertas
CONTEXTO / UM NOVO INDIVÍDUO
Utiliza canais
online e novas
ferramentas de
comunicação.
NOVO
CONSUMIDOR
SOCIAL
Espera um novo
tipo de experiência
com as marcas
tanto offline
quanto online.
Confia em
recomendações
feitas online por
amigos reais,
virtuais ou de
estranhos.
Tende a comprar
mais online do
que offline.
Quer dar opinião
sobre como um
produto deveria ser
ou reclama sobre o
suporte online ao
cliente.
Lê e cria críticas a
produtos e publica
opiniões sobre
eles nas redes
sociais.
Procura suporte
para se conectar a
pessoas parecidas
ou que têm as
mesmas ideias.
O novo consumidor social é digital, multicanal e global.
Utiliza ferramentas como a internet, o celular e a
televisão interativa no processo de decisão de compra.
Compara produtos, preços e marcas, fazendo com que a
compra seja mais racional e pragmática, buscando
benefícios além do preço.
TRABALHO SOCIEDADE
TECNOLOGIA
MUDANÇAS QUE
ESTÃO LEVANDO
OS NEGÓCIOS A
SEREM MAIS
“SOCIAIS”
PROCESSOS
COLABORATIVOS
NEGÓCIOS SOCIAIS
Não sei nem se deveríamos começar com
o conceito de design de mídias sociais.
O comportamento social nos humanos é
tão antigo quanto nossa espécie, por isso
o surgimento de uma Internet e de sistemas
baseados em comportamento social é
apenas nossa tecnologia rudimentar
tentando alcançar nossa vida offline.
O pensar em “design social” deveria ser parte
de tudo o que fazemos, e não ser abordado
de forma isolada. Nós deveríamos pensar
nisso da mesma forma que os designers de
aparelhos eletrônicos pensam em
eletricidade – apenas está ali, é o ponto
central, o eixo, fazendo todas as outras coisas
funcionarem.
PAUL ADAMS,
GERENTE DE EXPERIÊNCIA DE MARCA GLOBAL DO FACEBOOK
Um grupo de pessoas não é necessariamente social. SOCIAL é o que acontece entre elas e
a forma como interagem. O novo papel do líder é criar uma cultura onde boas ideias
emergem, selecionar os conceitos mais fortes que merecem apoio da organização e dar às
equipes o sentimento de pertencimento e accountability para a execução.
???
E SE ISSO FOR COLABORAÇÃO?
Ana Barroso
Ana Barroso
As pessoas já incorporaram seus hábitos sociais digitais em suas rotinas e se acostumaram a confiar e compartilhar com aqueles com os
quais são conectadas. Pense no Facebook, comentários de blogs e messengers! Esse tipo de familiaridade diminui a curva de aprendizado e
torna a adoção de tocnologia social no ambiente de trabalho consideravelmente menos disruptiva e mais permanente – em forma de cultura.
http://www.youtube.com/watch?v=AVrhLvdWQ3s
O ser humano é, essencialmente, criativo e tem a capacidade
de colaborar e co-criar soluções se for exposto a um ambiente
que encorage essa prática e a ferramentas corretas.
Designers e desenvolvedores já se acostumaram à idéia de
serem responsável pela criação de mecanismos e dispositivos
prontos para que outras pessoas usem ou consumam.
Precisamos nos acostumar à ideia de criar coisas das quais
outras pessoas irão participar.
Missão: criar estruturas apropriadas e customizadas através
das quais as pessoas possam, em um contexto profissional,
criar soluções de valor e inovadoras, contribuindo com suas
habilidades específicas, métodos e mindsets.
DESENVOLVENDO
AS FERRAMENTAS
APROPRIADAS
FERRAMENTAS
WHAT WE DO
“Challenges and collaboration killers that must be
addressed while promoting a collaborative culture:
silos with different cultures, strong egos, messenger
killers, pontificators, hidden agendas, cynicism,
groupthinking, diverse levels of understanding, biases.” 
COLABORAÇÃO EM UM
AMBIENTE CORPORATIVO NÃO
SIGNIFICA SOFTWARE
Colaboração real demanda mais do que
aplicações – que podem de fato dificultar
ou destruir o processo colaborativo, pela
dificuldade de gerenciamento. É essencial
entender elementos sutis e complexos
como inteligência emocional e
conhecimento tácito.
SHARING KNOWLDGE
& CO-CREATING
BEHAVIORS THAT SHOULD
BE ENCOURAGED
SPEED OF ADOPTION
SHARED CONTENT
CULTURE, CORPORATE
RULES & EXPECTATIONS
MOTIVATION
TO SHARE
RECOGNITION
TOOLS, SOFTWARE,
WEB 2.0 MECHANISMS
DESENHO DE CULTURA E NEGÓCIOS DESENHO DE SISTEMAS
TECNOLOGIA
Não é só sobre TI. O “core” dos projetos de tecnologia social são
pessoas e comportamento humano. É essencial criar ambientes que
encorajam as pessoas a compartilhar e co-criar.
PESQUISAEntender os valores e os princípios pelos quais as pessoas
navegam cenários complexos é essencial no ajuste ideal do
design da interface dessa nova ferramenta digital. A primeira
fase de nosso trabalho é a Etnografia, ou pesquisa presencial
dentro da empresa. À partir de um período de imersão,
observando as interações e fluxos de trabalho no dia-a-dia,
como acontece o relacionamento com o cliente e como são
desenvolvidas as entregas dentro da empresa, conseguimos
identificar:
‣ PARTICULARIDADES DA CULTURA
‣ O QUE MOTIVA AS PESSOAS
‣ O QUE É RECONHECIMENTO PARA ELAS
‣ LÍDERES INFORMAIS
‣ OPORTUNIDADES DE OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS
‣ RISCOS e PONTOS SENSÍVEIS
‣ DEMANDAS DO DIA-A-DIA
‣ GARGALOS E PONTOS SENSÍVEIS
ETNOGRAFIA
TECNOLOGIA
CULTURA
TECNOLOGIA
CULTURA
CENÁRIO TRADICIONAL
A tecnologia é sub-utilizada e existe de forma desatrelada da
cultura e fluxos de trabalho. Por não serem guiados pelos mesmos
princípios, cultura e tecnologia existem de forma paralela,
desalinhada e não-complementar. O conhecimento individual não
compartilhado de funcionários (desde analistas até diretores)
acaba tornando-se um empecilho à produtividade e à experiência
das pessoas dentro da empresa.
CENÁRIO IDEAL
A tecnologia é a tradução digital da cultura da empresa e da
essência da empresa. Os princípios de ambas são alinhados e se
complementam, aumentando a produtividade interna e a
satisfação do cliente, tornando os relacionamentos mais plenos
e duradouros, e criando uma experiência interna de trabalho
mais fluida, transparente e completa.
Uma árvore bem
gorjeada, com
poucos segundos,
passa a fazer parte
dos pássaros que
a gorjeiam.”
MANOEL DE BARROS
EXPERIÊNCIA SOCIAL
PARTICIPAÇÃO EXTERNA / CONSUMIDORES
COLABORAÇÃO INTERNA / COLABORADORES
OTIMIZAÇÃO DO NEGÓCIO
serve um propósito
supre uma demanda
prático
funcional
eficaz
ÚTIL UTILISÁVEL DESEJÁVEL SUSTENTÁVEL SOCIAL
intuitivo
fácil
fluido
acessível
eficiente
prazeroso
desfrutável
memorável
divertido
diferenciado
escalável
adaptável
flexível
maleável
aberto
distribuído
compartilhável
dinâmico
coletivo
BÁSICO PROGRESSÃO
NATURAL
Visual Thinking by
David Armano
ETAPAS DE UM PROJETO
As etapas para construção de projeto seguem a metologia de Social
Design Thinking proposta pela Sodet, incluindo entregas iterativas e
incrementais de desenvolvimento, associada a uma parte de pesquisa e
testes intensiva com os usuários (design centrado no ser humano).
BRIEFING
INICIAL
IMERSÃO E ETNOGRAFIA
DESENHO DO
CENÁRIO ATUAL +
PLANEJAMENTO DA
FERRAMENTA
DESENVOLVIMENTO
DA ARQUITETURA
DE INFORMACÃO
DESENVOLVIMENTO
DO LAYOUT E HTML
PROGRAMAÇÃO
E TECNOLOGIA
+ TESTES DA
VERSÃO ALFA
PÓS-ALFA:
MANUTENÇÃO
E EVOLUÇÕES
BENEFÍCIOS
COMPARTILHAMENTO E
RETENÇÃO DE CONHECIMENTO
Grande parte das empresas que navegam pelas
complexidades do universo de negócios atual
encontra dificuldades em gerir (e digerir) tudo o
que sabe. Cerca de 80% de todo o conhecimento
de uma empresa é tácito, ou seja, deriva-se das
interações entre as pessoas e das capacidades
intelectuais e de trabalho de cada um. Empresas
sociais utilizam-se de ferramentas e interfaces
que explicitam, estruturam e organizam este
conhecimento.
BENEFÍCIOS PARA QUEM PARTICIPA
‣ Maior autonomia
‣ Maior reconhecimento às iniciativas individuais
‣ Aumento do potencial de inovação
‣ Maior integração entre as equipes
‣ Descentralização do poder e das iniciativas
‣ Horizontalização da comunicação
‣ Melhoria do clima interno
BENEFÍCIOS PARA A EMPRESA
‣ Diminuição de custos
‣ Maior produtividade dos profissionais
‣ Maior agilidade de processos
‣ Menos erros
‣ Retenção do conhecimento adquirido pelos
profissionais através das experiências do dia-a-dia
‣ Identificação de talentos
INFRAESTRUTURA
NEGÓCIO SOCIAL
(Interno)
Treinamento
Processos
Engajamento Interno
Políticas e Guidelines
Gestão do Conhecimento
Cultura
AÇÕES
Gestão de Comunidades
Marketing
Atendimento ao Consumidor
Comunicação
Eventos
Campanhas
MARCA SOCIAL
(Externa)
EXTERNO
INTERNO
+
CASES
Wikinomy ou Wikinomia: a fusão de “wiki” com
“economia”. É o princípio da Wikipédia aplicado à
economia. A wikinomia é a arte, a ciência da
inovação colaborativa. Será a mudança mais
profunda na estrutura das corporações em um
século. Vai mudar o modo como inovamos, o
modo como criamos bens e serviços. Como a
internet reduz brutalmente custo da colaboração,
as pessoas podem se juntar e criar valor, sem o
sistema tradicional de hierarquias.
WIKINOMIA
Don Tapscott / @dtapscott
http://www.youtube.com/watch?v=AVrhLvdWQ3s
CASE: GOLDCORP
Goldcorp, empresa do setor de mineração, é exemplar. A companhia
estava insegura sobre onde tentar explorar ouro e tomou uma atitude
inédita: divulgou seus dados geológicos, que normalmente são o
grande segredo desse setor, e ofereceu um prêmio a quem tivesse a
melhor análise que indicasse onde fazer uma exploração. A empresa
pagou 500.000 dólares em prêmio e encontrou 3,4 bilhões de dólares
em ouro. O valor de mercado da Goldcorp pulou de 90 milhões para
10 bilhões de dólares.
http://www.fastcompany.com/magazine/59/mcewen.html
http://www.ideaconnection.com/open-innovation-success/Open-
Innovation-Goldcorp-Challenge-00031.html
http://www.bullnotbull.com/archive/wikinomics.html
WIKINOMIA
WIKINOMIA
CASE: SCRIBD.COM
“This document was uploaded by
someone just like you and is now part of
The Scribd Archive. Give back to the
community and gain 24 hours of
download access by uploading
something of your own.”
PAYMENTO OPTIONS:
Plataforma inovadora de social commerce lançada em
agosto de 2011. Possibilita que pessoas vendam os
produtos do Magazine Luiza para sua rede de
relacionamentos, utilizando lojas virtuais
personalizáveis com nome, produtos e forma de
divulgação escolhidos pelo próprio dono.
CASE STUDY
MAGAZINE
VOCÊ
http://www.youtube.com/watch?v=enlMrBlmpeE
CASE STUDY
MAGAZINE
VOCÊ
Aqui tem Natura é o principal canal de
comunicação, através das redes sociais,
com os Consultores da segunda maior rede
direta de vendas do Brasil que hoje contam
com 1,2 milhão de consultores.
CASE STUDY
AQUI TEM
NATURA
CASE STUDY
As redes sociais já estão
sendo ocupadas.
Já existe um enorme espaço de atenção em
redes sociais dedicado à Natura ocupado por
iniciativas pessoais das consultoras.
Comunidades no Orkut, perfis no Facebook,
blogs e fóruns de discussão públicos são
exemplos de ocupações desse espaço.
Bruna, amiga da Cris Rita, mãe da Bruna
Joana, amiga e consultora
Carol, amiga da Bruna
João, conhece Cris Maria, amiga do João
Cris, consultora Natura
Os usuários são identificados em
seus círculos sociais através da
aplicação de Badges em suas
fotos de perfil e a publicação de 
uma série de anúncios pré
formatados em seus murais.
Criação de uma central de
buscas por Consultoras Natura.
É através do aplicativo que os
clientes interessados em comprar a
marca Natura, e que não possuem
consultores em seu círculo social,
têm a oportunidade de pesquisar os
consultores que atendem sua região.
http://www.youtube.com/watch?v=eUApgJBZU8M
REGRAS E
PARÂMETROS
DE CRIAÇÃO
Starbucks colocou uma equipe de
aproximandamente 40 pessoas
chamada “Idea Partners” para se
dedicar a análise das idéias. São
funcionários de diversas áreas da
empresa (incluindo Brad Stevens,
vice-presidente de marketing) que
decidem, comentam e respondem
individualmente cada proposta no
blog do projeto.
Além de compartilhar suas
corridas e conquistas com a
comunidade Nike+, você
pode compartilhar com
outras redes sociais.
A cada desafio
conquistado ou recorde
superado o sistema vai
te premiando, e te
dando novos símbolos
de status.
Mapeamento e arquivo de todas as corridas realizadas com o
Nike+, com gráficos e informações detalhadas para análise.
Mais do que ajudar a ver sua performance e compartilhar
sua atividade, a Nike te ajuda a treinar.
E te insere em uma comunidade de pessoas
com interesse mútuo.
OBRIGADA.
ana@sodet.biz

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DaVinci-Case_Isvor_Fiat
DaVinci-Case_Isvor_FiatDaVinci-Case_Isvor_Fiat
DaVinci-Case_Isvor_FiatDenise Eler
 
Ideas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castro
Ideas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castroIdeas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castro
Ideas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castroFrancisco Gómez Castro
 
Artefato organizador para um espaço de trabalho.- projeto 21
Artefato organizador  para um espaço de trabalho.- projeto 21Artefato organizador  para um espaço de trabalho.- projeto 21
Artefato organizador para um espaço de trabalho.- projeto 21Francisco Gómez Castro
 
Design Thinking e Educação Corporativa
Design Thinking e Educação CorporativaDesign Thinking e Educação Corporativa
Design Thinking e Educação CorporativaDenise Eler
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeLevi Tancredo
 
Ambiente de negócios, inovação e estrategias de produção
Ambiente de negócios, inovação e estrategias de produção Ambiente de negócios, inovação e estrategias de produção
Ambiente de negócios, inovação e estrategias de produção Daniel de Carvalho Luz
 
Design Thinking - Desing and Business
Design Thinking - Desing and BusinessDesign Thinking - Desing and Business
Design Thinking - Desing and BusinessDenise Eler
 
Processos de geração de ideias (ideação) v9 @daniel_egger
Processos de geração de ideias (ideação) v9 @daniel_eggerProcessos de geração de ideias (ideação) v9 @daniel_egger
Processos de geração de ideias (ideação) v9 @daniel_eggerDaniel Egger
 
MANUFATURA 4.0 | disciplina do pós graduação FACENS - Sorocaba -SP
MANUFATURA 4.0  |  disciplina do pós graduação FACENS - Sorocaba -SPMANUFATURA 4.0  |  disciplina do pós graduação FACENS - Sorocaba -SP
MANUFATURA 4.0 | disciplina do pós graduação FACENS - Sorocaba -SPDaniel de Carvalho Luz
 
Gestão da Criatividade e Inovação
Gestão da Criatividade e InovaçãoGestão da Criatividade e Inovação
Gestão da Criatividade e InovaçãoRoberto Moschetta
 
Como melhorar a produtividade e capacidade criativa em diversos tipos de proj...
Como melhorar a produtividade e capacidade criativa em diversos tipos de proj...Como melhorar a produtividade e capacidade criativa em diversos tipos de proj...
Como melhorar a produtividade e capacidade criativa em diversos tipos de proj...Melina Alves
 
Design Thinking na Indústria
Design Thinking na IndústriaDesign Thinking na Indústria
Design Thinking na IndústriaDenise Eler
 
Natheia Coworking , Zona Sul de SP
Natheia Coworking , Zona Sul de SP Natheia Coworking , Zona Sul de SP
Natheia Coworking , Zona Sul de SP ANA FONTES
 
Planejamento para Competitividade - parte 1
Planejamento para Competitividade - parte 1Planejamento para Competitividade - parte 1
Planejamento para Competitividade - parte 1Daniel de Carvalho Luz
 
O que a Escola de Criatividade já fez.
O que a Escola de Criatividade já fez.O que a Escola de Criatividade já fez.
O que a Escola de Criatividade já fez.EscolaDeCriatividade
 
Criatividade, Inovação e Modelos de Negócios - EACH-USP Marketing 2013
Criatividade, Inovação e Modelos de Negócios - EACH-USP Marketing 2013Criatividade, Inovação e Modelos de Negócios - EACH-USP Marketing 2013
Criatividade, Inovação e Modelos de Negócios - EACH-USP Marketing 2013Nei Grando
 

Mais procurados (20)

DaVinci-Case_Isvor_Fiat
DaVinci-Case_Isvor_FiatDaVinci-Case_Isvor_Fiat
DaVinci-Case_Isvor_Fiat
 
Ideas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castro
Ideas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castroIdeas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castro
Ideas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castro
 
Artefato organizador para um espaço de trabalho.- projeto 21
Artefato organizador  para um espaço de trabalho.- projeto 21Artefato organizador  para um espaço de trabalho.- projeto 21
Artefato organizador para um espaço de trabalho.- projeto 21
 
New design knowlege - Manzini
New design knowlege -  ManziniNew design knowlege -  Manzini
New design knowlege - Manzini
 
Design Thinking e Educação Corporativa
Design Thinking e Educação CorporativaDesign Thinking e Educação Corporativa
Design Thinking e Educação Corporativa
 
Método Mind Lab
Método Mind LabMétodo Mind Lab
Método Mind Lab
 
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da CriatividadeApresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
Apresentação sobre Gestão da Inovação e da Criatividade
 
Ambiente de negócios, inovação e estrategias de produção
Ambiente de negócios, inovação e estrategias de produção Ambiente de negócios, inovação e estrategias de produção
Ambiente de negócios, inovação e estrategias de produção
 
Design Thinking - Desing and Business
Design Thinking - Desing and BusinessDesign Thinking - Desing and Business
Design Thinking - Desing and Business
 
Processos de geração de ideias (ideação) v9 @daniel_egger
Processos de geração de ideias (ideação) v9 @daniel_eggerProcessos de geração de ideias (ideação) v9 @daniel_egger
Processos de geração de ideias (ideação) v9 @daniel_egger
 
MANUFATURA 4.0 | disciplina do pós graduação FACENS - Sorocaba -SP
MANUFATURA 4.0  |  disciplina do pós graduação FACENS - Sorocaba -SPMANUFATURA 4.0  |  disciplina do pós graduação FACENS - Sorocaba -SP
MANUFATURA 4.0 | disciplina do pós graduação FACENS - Sorocaba -SP
 
Gestão da Criatividade e Inovação
Gestão da Criatividade e InovaçãoGestão da Criatividade e Inovação
Gestão da Criatividade e Inovação
 
Como melhorar a produtividade e capacidade criativa em diversos tipos de proj...
Como melhorar a produtividade e capacidade criativa em diversos tipos de proj...Como melhorar a produtividade e capacidade criativa em diversos tipos de proj...
Como melhorar a produtividade e capacidade criativa em diversos tipos de proj...
 
Design Thinking na Indústria
Design Thinking na IndústriaDesign Thinking na Indústria
Design Thinking na Indústria
 
hsm_intoactions_108
hsm_intoactions_108hsm_intoactions_108
hsm_intoactions_108
 
Natheia Coworking , Zona Sul de SP
Natheia Coworking , Zona Sul de SP Natheia Coworking , Zona Sul de SP
Natheia Coworking , Zona Sul de SP
 
Coworking
CoworkingCoworking
Coworking
 
Planejamento para Competitividade - parte 1
Planejamento para Competitividade - parte 1Planejamento para Competitividade - parte 1
Planejamento para Competitividade - parte 1
 
O que a Escola de Criatividade já fez.
O que a Escola de Criatividade já fez.O que a Escola de Criatividade já fez.
O que a Escola de Criatividade já fez.
 
Criatividade, Inovação e Modelos de Negócios - EACH-USP Marketing 2013
Criatividade, Inovação e Modelos de Negócios - EACH-USP Marketing 2013Criatividade, Inovação e Modelos de Negócios - EACH-USP Marketing 2013
Criatividade, Inovação e Modelos de Negócios - EACH-USP Marketing 2013
 

Destaque

Paid, Owned & Earned Media Seminar - Tenk som en publisher! SpareBank 1, Chri...
Paid, Owned & Earned Media Seminar - Tenk som en publisher! SpareBank 1, Chri...Paid, Owned & Earned Media Seminar - Tenk som en publisher! SpareBank 1, Chri...
Paid, Owned & Earned Media Seminar - Tenk som en publisher! SpareBank 1, Chri...Christian Brosstad
 
1.arquitectura de la web social
1.arquitectura de la web social1.arquitectura de la web social
1.arquitectura de la web socialJavier Godoy
 
European Planners Conference 2014: Building Social Currency requires Agile Th...
European Planners Conference 2014: Building Social Currency requires Agile Th...European Planners Conference 2014: Building Social Currency requires Agile Th...
European Planners Conference 2014: Building Social Currency requires Agile Th...Kris Hoet
 
Få mere gjort BIF Netværk hold 2
Få mere gjort BIF Netværk hold 2Få mere gjort BIF Netværk hold 2
Få mere gjort BIF Netværk hold 2Thomas Stack
 
What's Next for the Events Industry 2011
What's Next for the Events Industry 2011What's Next for the Events Industry 2011
What's Next for the Events Industry 2011Lara McCulloch-Carter
 
The Downturn + Culture + Leadership Theory = LEADERSHIFT
The Downturn + Culture + Leadership Theory = LEADERSHIFTThe Downturn + Culture + Leadership Theory = LEADERSHIFT
The Downturn + Culture + Leadership Theory = LEADERSHIFTDonny Jensen
 
Mentor Me: How Mentorships Make Us Better and Happy
Mentor Me: How Mentorships Make Us Better and HappyMentor Me: How Mentorships Make Us Better and Happy
Mentor Me: How Mentorships Make Us Better and HappyDavid Avalon
 
CIO Leadership Summit Keynote: From know-how to know-why
CIO Leadership Summit Keynote: From know-how to know-whyCIO Leadership Summit Keynote: From know-how to know-why
CIO Leadership Summit Keynote: From know-how to know-whyKris Hoet
 
Visual Sensemaking | Ana Barroso
Visual Sensemaking | Ana BarrosoVisual Sensemaking | Ana Barroso
Visual Sensemaking | Ana BarrosoAna Barroso
 
How do we design for the everyware
How do we design for the everywareHow do we design for the everyware
How do we design for the everywareHelge Tennø
 
Real-time marketing: latest ad gimmick?
Real-time marketing: latest ad gimmick?Real-time marketing: latest ad gimmick?
Real-time marketing: latest ad gimmick?Nguyen Duong
 
Building brands through social currency // Dani Komunikacija
Building brands through social currency // Dani KomunikacijaBuilding brands through social currency // Dani Komunikacija
Building brands through social currency // Dani KomunikacijaKris Hoet
 
Burn, Hollywood, Burn
Burn, Hollywood, BurnBurn, Hollywood, Burn
Burn, Hollywood, BurnMatt Hanson
 
DI FinTech Conference - Mastering Open banking in the emerging experience eco...
DI FinTech Conference - Mastering Open banking in the emerging experience eco...DI FinTech Conference - Mastering Open banking in the emerging experience eco...
DI FinTech Conference - Mastering Open banking in the emerging experience eco...Johan Löfmark
 
Using Social to help Employee Engagement
Using Social to help Employee EngagementUsing Social to help Employee Engagement
Using Social to help Employee EngagementMichael Batistich
 
Marin Civic Center - In Words and Pictures
Marin Civic Center - In Words and PicturesMarin Civic Center - In Words and Pictures
Marin Civic Center - In Words and PicturesTodd Fong
 
40 (ux)ting vi ELSKER! - Yggdrasilkonferansen 2016 Keynote
40 (ux)ting vi ELSKER! - Yggdrasilkonferansen 2016 Keynote40 (ux)ting vi ELSKER! - Yggdrasilkonferansen 2016 Keynote
40 (ux)ting vi ELSKER! - Yggdrasilkonferansen 2016 KeynoteChristian Brosstad
 
New indian news channel programming presentation
New indian news channel programming presentationNew indian news channel programming presentation
New indian news channel programming presentationvirdhi joshi
 

Destaque (20)

Paid, Owned & Earned Media Seminar - Tenk som en publisher! SpareBank 1, Chri...
Paid, Owned & Earned Media Seminar - Tenk som en publisher! SpareBank 1, Chri...Paid, Owned & Earned Media Seminar - Tenk som en publisher! SpareBank 1, Chri...
Paid, Owned & Earned Media Seminar - Tenk som en publisher! SpareBank 1, Chri...
 
1.arquitectura de la web social
1.arquitectura de la web social1.arquitectura de la web social
1.arquitectura de la web social
 
European Planners Conference 2014: Building Social Currency requires Agile Th...
European Planners Conference 2014: Building Social Currency requires Agile Th...European Planners Conference 2014: Building Social Currency requires Agile Th...
European Planners Conference 2014: Building Social Currency requires Agile Th...
 
Få mere gjort BIF Netværk hold 2
Få mere gjort BIF Netværk hold 2Få mere gjort BIF Netværk hold 2
Få mere gjort BIF Netværk hold 2
 
What's Next for the Events Industry 2011
What's Next for the Events Industry 2011What's Next for the Events Industry 2011
What's Next for the Events Industry 2011
 
Sportsality - Case Study
Sportsality - Case StudySportsality - Case Study
Sportsality - Case Study
 
Marketers See Think Wonder
Marketers See Think WonderMarketers See Think Wonder
Marketers See Think Wonder
 
The Downturn + Culture + Leadership Theory = LEADERSHIFT
The Downturn + Culture + Leadership Theory = LEADERSHIFTThe Downturn + Culture + Leadership Theory = LEADERSHIFT
The Downturn + Culture + Leadership Theory = LEADERSHIFT
 
Mentor Me: How Mentorships Make Us Better and Happy
Mentor Me: How Mentorships Make Us Better and HappyMentor Me: How Mentorships Make Us Better and Happy
Mentor Me: How Mentorships Make Us Better and Happy
 
CIO Leadership Summit Keynote: From know-how to know-why
CIO Leadership Summit Keynote: From know-how to know-whyCIO Leadership Summit Keynote: From know-how to know-why
CIO Leadership Summit Keynote: From know-how to know-why
 
Visual Sensemaking | Ana Barroso
Visual Sensemaking | Ana BarrosoVisual Sensemaking | Ana Barroso
Visual Sensemaking | Ana Barroso
 
How do we design for the everyware
How do we design for the everywareHow do we design for the everyware
How do we design for the everyware
 
Real-time marketing: latest ad gimmick?
Real-time marketing: latest ad gimmick?Real-time marketing: latest ad gimmick?
Real-time marketing: latest ad gimmick?
 
Building brands through social currency // Dani Komunikacija
Building brands through social currency // Dani KomunikacijaBuilding brands through social currency // Dani Komunikacija
Building brands through social currency // Dani Komunikacija
 
Burn, Hollywood, Burn
Burn, Hollywood, BurnBurn, Hollywood, Burn
Burn, Hollywood, Burn
 
DI FinTech Conference - Mastering Open banking in the emerging experience eco...
DI FinTech Conference - Mastering Open banking in the emerging experience eco...DI FinTech Conference - Mastering Open banking in the emerging experience eco...
DI FinTech Conference - Mastering Open banking in the emerging experience eco...
 
Using Social to help Employee Engagement
Using Social to help Employee EngagementUsing Social to help Employee Engagement
Using Social to help Employee Engagement
 
Marin Civic Center - In Words and Pictures
Marin Civic Center - In Words and PicturesMarin Civic Center - In Words and Pictures
Marin Civic Center - In Words and Pictures
 
40 (ux)ting vi ELSKER! - Yggdrasilkonferansen 2016 Keynote
40 (ux)ting vi ELSKER! - Yggdrasilkonferansen 2016 Keynote40 (ux)ting vi ELSKER! - Yggdrasilkonferansen 2016 Keynote
40 (ux)ting vi ELSKER! - Yggdrasilkonferansen 2016 Keynote
 
New indian news channel programming presentation
New indian news channel programming presentationNew indian news channel programming presentation
New indian news channel programming presentation
 

Semelhante a Sobre Social Business Design

O Desenho de Negócios Sociais
O Desenho de Negócios SociaisO Desenho de Negócios Sociais
O Desenho de Negócios SociaisSODET
 
SODET | Shifting businesses into social machines
SODET | Shifting businesses into social machinesSODET | Shifting businesses into social machines
SODET | Shifting businesses into social machinesAna Barroso
 
Sobre a SODET
Sobre a SODETSobre a SODET
Sobre a SODETSODET
 
O que já aprendi sobre o design e implementação de redes sociais corporativas
O que já aprendi sobre o design e implementação de redes sociais corporativasO que já aprendi sobre o design e implementação de redes sociais corporativas
O que já aprendi sobre o design e implementação de redes sociais corporativasAna Barroso
 
Visão - rede para transformação social
Visão - rede para transformação socialVisão - rede para transformação social
Visão - rede para transformação socialfernandacmo
 
Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)
Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)
Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)Vinícius Sarti
 
Rede De Propósito
Rede De PropósitoRede De Propósito
Rede De Propósitofernandacmo
 
InPulso Comunicação Colaborativa
InPulso Comunicação ColaborativaInPulso Comunicação Colaborativa
InPulso Comunicação ColaborativaGPA
 
As TIC nas Organizações da Sociedade Civil em Angola Oportunidades e Desafios
As TIC nas Organizações da Sociedade Civil em Angola Oportunidades e DesafiosAs TIC nas Organizações da Sociedade Civil em Angola Oportunidades e Desafios
As TIC nas Organizações da Sociedade Civil em Angola Oportunidades e DesafiosAmarildo Will Bento Tonet
 
Conhecimento e inovação - O poder das ideias simples
Conhecimento e inovação - O poder das ideias simplesConhecimento e inovação - O poder das ideias simples
Conhecimento e inovação - O poder das ideias simplesPublica e Inovadora
 
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docxSociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docxssuser1198af
 
Curso Gestão de Rede Sociais - Introdução e tendências das Redes Sociais
Curso Gestão de Rede Sociais - Introdução e tendências das Redes Sociais Curso Gestão de Rede Sociais - Introdução e tendências das Redes Sociais
Curso Gestão de Rede Sociais - Introdução e tendências das Redes Sociais Fernando Souza
 
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"Graziela Dias
 
Gestão de Rede Sociais
Gestão de Rede SociaisGestão de Rede Sociais
Gestão de Rede SociaisFernando Souza
 
Mídias Sociais - CoreMarketing
Mídias Sociais - CoreMarketingMídias Sociais - CoreMarketing
Mídias Sociais - CoreMarketingCarolina Teixeira
 
Co-criacão, Crowdsourcing e Social Commerce
Co-criacão, Crowdsourcing e Social CommerceCo-criacão, Crowdsourcing e Social Commerce
Co-criacão, Crowdsourcing e Social CommercePaperCliQ Comunicação
 
Transformação Digital: e o que você tem a ver com isso | Tatti Maeda
Transformação Digital: e o que você tem a ver com isso | Tatti Maeda Transformação Digital: e o que você tem a ver com isso | Tatti Maeda
Transformação Digital: e o que você tem a ver com isso | Tatti Maeda Tatti Maeda
 
Gestão de Rede Sociais - Introdução as Redes Sociais
Gestão de Rede Sociais - Introdução as Redes SociaisGestão de Rede Sociais - Introdução as Redes Sociais
Gestão de Rede Sociais - Introdução as Redes SociaisFernando Souza
 
Gestão de conhecimento nas Organizações da Sociedade Civil
Gestão de conhecimento nas Organizações da Sociedade CivilGestão de conhecimento nas Organizações da Sociedade Civil
Gestão de conhecimento nas Organizações da Sociedade CivilAmarildo Will Bento Tonet
 

Semelhante a Sobre Social Business Design (20)

O Desenho de Negócios Sociais
O Desenho de Negócios SociaisO Desenho de Negócios Sociais
O Desenho de Negócios Sociais
 
SODET | Shifting businesses into social machines
SODET | Shifting businesses into social machinesSODET | Shifting businesses into social machines
SODET | Shifting businesses into social machines
 
Sobre a SODET
Sobre a SODETSobre a SODET
Sobre a SODET
 
O que já aprendi sobre o design e implementação de redes sociais corporativas
O que já aprendi sobre o design e implementação de redes sociais corporativasO que já aprendi sobre o design e implementação de redes sociais corporativas
O que já aprendi sobre o design e implementação de redes sociais corporativas
 
Visão - rede para transformação social
Visão - rede para transformação socialVisão - rede para transformação social
Visão - rede para transformação social
 
Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)
Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)
Gestão do Conhecimento - Sistemas de Informação (FEI - 1º sem/2013)
 
Ponte
PontePonte
Ponte
 
Rede De Propósito
Rede De PropósitoRede De Propósito
Rede De Propósito
 
InPulso Comunicação Colaborativa
InPulso Comunicação ColaborativaInPulso Comunicação Colaborativa
InPulso Comunicação Colaborativa
 
As TIC nas Organizações da Sociedade Civil em Angola Oportunidades e Desafios
As TIC nas Organizações da Sociedade Civil em Angola Oportunidades e DesafiosAs TIC nas Organizações da Sociedade Civil em Angola Oportunidades e Desafios
As TIC nas Organizações da Sociedade Civil em Angola Oportunidades e Desafios
 
Conhecimento e inovação - O poder das ideias simples
Conhecimento e inovação - O poder das ideias simplesConhecimento e inovação - O poder das ideias simples
Conhecimento e inovação - O poder das ideias simples
 
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docxSociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
 
Curso Gestão de Rede Sociais - Introdução e tendências das Redes Sociais
Curso Gestão de Rede Sociais - Introdução e tendências das Redes Sociais Curso Gestão de Rede Sociais - Introdução e tendências das Redes Sociais
Curso Gestão de Rede Sociais - Introdução e tendências das Redes Sociais
 
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
Trabalho sobre o Artigo "Dez Razões para ter uma Rede Social em sua Empresa"
 
Gestão de Rede Sociais
Gestão de Rede SociaisGestão de Rede Sociais
Gestão de Rede Sociais
 
Mídias Sociais - CoreMarketing
Mídias Sociais - CoreMarketingMídias Sociais - CoreMarketing
Mídias Sociais - CoreMarketing
 
Co-criacão, Crowdsourcing e Social Commerce
Co-criacão, Crowdsourcing e Social CommerceCo-criacão, Crowdsourcing e Social Commerce
Co-criacão, Crowdsourcing e Social Commerce
 
Transformação Digital: e o que você tem a ver com isso | Tatti Maeda
Transformação Digital: e o que você tem a ver com isso | Tatti Maeda Transformação Digital: e o que você tem a ver com isso | Tatti Maeda
Transformação Digital: e o que você tem a ver com isso | Tatti Maeda
 
Gestão de Rede Sociais - Introdução as Redes Sociais
Gestão de Rede Sociais - Introdução as Redes SociaisGestão de Rede Sociais - Introdução as Redes Sociais
Gestão de Rede Sociais - Introdução as Redes Sociais
 
Gestão de conhecimento nas Organizações da Sociedade Civil
Gestão de conhecimento nas Organizações da Sociedade CivilGestão de conhecimento nas Organizações da Sociedade Civil
Gestão de conhecimento nas Organizações da Sociedade Civil
 

Mais de Ana Barroso

Os 4 tipos de Visualização
Os 4 tipos de VisualizaçãoOs 4 tipos de Visualização
Os 4 tipos de VisualizaçãoAna Barroso
 
Visual Sensemaking e os tipos de visualização
Visual Sensemaking e os tipos de visualizaçãoVisual Sensemaking e os tipos de visualização
Visual Sensemaking e os tipos de visualizaçãoAna Barroso
 
Entendendo Visual Sensemaking • anabarroso.com
Entendendo Visual Sensemaking • anabarroso.comEntendendo Visual Sensemaking • anabarroso.com
Entendendo Visual Sensemaking • anabarroso.comAna Barroso
 
Talking up Sensemaking
Talking up SensemakingTalking up Sensemaking
Talking up SensemakingAna Barroso
 
Tecnologia Social e Conectividade no setor cultural
Tecnologia Social e Conectividade no setor culturalTecnologia Social e Conectividade no setor cultural
Tecnologia Social e Conectividade no setor culturalAna Barroso
 
A Design Thinking Intro: Ologia
A Design Thinking Intro: OlogiaA Design Thinking Intro: Ologia
A Design Thinking Intro: OlogiaAna Barroso
 
ABC Design Brazil Design Week
ABC Design Brazil Design WeekABC Design Brazil Design Week
ABC Design Brazil Design WeekAna Barroso
 

Mais de Ana Barroso (8)

Os 4 tipos de Visualização
Os 4 tipos de VisualizaçãoOs 4 tipos de Visualização
Os 4 tipos de Visualização
 
Visual Sensemaking e os tipos de visualização
Visual Sensemaking e os tipos de visualizaçãoVisual Sensemaking e os tipos de visualização
Visual Sensemaking e os tipos de visualização
 
Entendendo Visual Sensemaking • anabarroso.com
Entendendo Visual Sensemaking • anabarroso.comEntendendo Visual Sensemaking • anabarroso.com
Entendendo Visual Sensemaking • anabarroso.com
 
Talking up Sensemaking
Talking up SensemakingTalking up Sensemaking
Talking up Sensemaking
 
Tecnologia Social e Conectividade no setor cultural
Tecnologia Social e Conectividade no setor culturalTecnologia Social e Conectividade no setor cultural
Tecnologia Social e Conectividade no setor cultural
 
Ana Barroso Bio
Ana Barroso BioAna Barroso Bio
Ana Barroso Bio
 
A Design Thinking Intro: Ologia
A Design Thinking Intro: OlogiaA Design Thinking Intro: Ologia
A Design Thinking Intro: Ologia
 
ABC Design Brazil Design Week
ABC Design Brazil Design WeekABC Design Brazil Design Week
ABC Design Brazil Design Week
 

Sobre Social Business Design

  • 1. SHIFTING BUSINESSES INTO SOCIAL MACHINES
  • 2.
  • 3. SOBRE A SODETSODET nasceu como um spinf-off do C.E.S.A.R. – Centro de Estudos Avançados do Recife. Foi originalmente idealizada por um grupo de empreendedores das áreas de tecnologia, internet e design, com extensa experiência na lideraça de projetos interdisciplinares e na criação de links entre comportamento humano, uso de tecnologia e negócios. Oficialmente lançada há menos de um ano, a SODET ainda está comunicando sua existência para o mundo. Por conta da grande demanda pelas soluções que entregamos, os projetos aconteceram antes mesmo de termos uma logo ou um site. Em menos de um ano, a SODET já trabalhou com algumas das marcas mais conhecidas do Brasil – Natura, FIAT, Magazine Luiza, e TOTVS são algumas das empresas onde já facilitamos o desenvolvimento de ambientes e plataformas colaborativas. SILVIO MEIRA ANA BARROSO FERNANDO TECO SODRÉ BRUNO ENCARNAÇÃO
  • 4. ONDE ESTAMOS OUR CLIENTS SÃO PAULO, SP 4 PEOPLE + CLIENTS DESIGN THINKING + PLANNING BELO HORIZONTE, MG 11 PEOPLE + FIAT In Belo Horizonte, SODET is the result of the merge of the capabilities of two companies: Mapa Digital – specialized in interaction design, usability research, netnography – and Ologia – specilized in design thinking. + SOCIAL TECHNOLOGY RECIFE, PE 10 PEOPLE The biggest brands in Brazil and worldwide have their HQ in Sao Paulo, so SODET integrates itself into the client’s structure for duration on a project. That way we can stay closer and build a stronger relationship to our network. C.E.S.A.R is one of the most impactful private initiatives in Brazil. It transformed Recife, where it now forms part of an important tech cluster called Porto Digital, but it also changed its region and even the whole country. Porto Digital is the best Brazilian cluster by several different entities, including A.T. Kearney. It welcomes 173 entities, 143 of which are companies, and 6,500 IT professionals. It has an annual turnover of R$700 millions, around US$431 million. + 1 2 3
  • 5. COM QUEM JÁ TRABALHAMOS CLIENTES Onde já começamos a criar ambientes e plataformas colaborativas.
  • 7. O QUE FAZEMOSNosso negócio é a geração, transformação, agregação e captura de valor em comunidades on e offline, a serviço das estratégias de empresas e instituições. Acreditamos no envolvimento efetivo das empresas, marcas e produtos com suas comunidades de uso e defendemos princípios de abertura, transparência, engajamento, inter ação e consistência nas ações em todas as redes. A SODET é social por definição, dentro e fora do negócio.
  • 8. TECNOLOGIA SOCIAL Desenvolvendo as ferramentas apropriadas. NEGÓCIOS Entendendo o que é desejável para a organização + ajustando a cultura para que a colaboração seja possível. DESIGN THINKING Entendendo o que é desejável para as pessoas SOCIAL DESIGN THINKING
  • 9. MAS POR QUE SOCIAL DESIGN THINKING? A base do Design Thinking é inovação multidisciplinar, impulsionada por pessoas. Nos últimos seis anos, profissionais dedicados da área de inovação têm feito experimentos com ferramentas e métodos que possam ajudar as pessoas dar voz às suas ideias, expor seu conhecimento específico e complementar as ideas de outros. Porém, a grande parte dessas ferramentas demandam presença física dos participantes e grande investimento de tempo. Apesar desses métodos serem extremamente valiosos, o uso da tecnologia elimina do processo fatores como espaço geográfico e sincronia de tempo. Além disso, diminui a dependência da figura do facilitador, um profissional treinado para facilitar discussões e sintetizar a massa de informações em soluções de fato.
  • 10. CONTEXTO PROBLEMAS COMPLEXOS, SOLUÇÕES COMPLEXAS Empresas estão navegando no cenário turbulento entre suas estruturas complexas e as pessoas a quem devem servir – não só externamente com internamente. Elas enfrentam uma série de dificuldades gerenciando e sintetizando o que sabem como uma organização – aproximadamente 80% de seu conhecimento é tácito, ou seja, originado de interações humanas e experiências do dia-a-dia. As pessoas frequentemente não tem consciência sobre esse tipo de conhecimento, não sabem que o possuem e o quanto pode ser valioso para outros. A transferência efetiva de conhecimento tácito geralmente requer contato pessoal extenso, confiança e a oportunidade apropriada para compartilhar. Missão: ajudar as pessoas a dividir esse conhecimento e experiências para as empresas consigam desenvolver soluções interdisciplinares robustas e que possam reter de forma permanente a inteligência da uma organização dentro de sua estrutura. Isso pode ser alcançado através de plataformas que explicitem, estruturem e organizem conhecimento dentro das empresas.
  • 11. 1. Indivíduos se tornaram produtores de conteúdo 2. As pessoas querem ser vistas em sua individualidade 3. Aumento do desejo de se tornar parte de uma comunidade 4. Desejo por conversas e diálogos reais 5. Busca por informação e descobertas CONTEXTO / UM NOVO INDIVÍDUO
  • 12. Utiliza canais online e novas ferramentas de comunicação. NOVO CONSUMIDOR SOCIAL Espera um novo tipo de experiência com as marcas tanto offline quanto online. Confia em recomendações feitas online por amigos reais, virtuais ou de estranhos. Tende a comprar mais online do que offline. Quer dar opinião sobre como um produto deveria ser ou reclama sobre o suporte online ao cliente. Lê e cria críticas a produtos e publica opiniões sobre eles nas redes sociais. Procura suporte para se conectar a pessoas parecidas ou que têm as mesmas ideias. O novo consumidor social é digital, multicanal e global. Utiliza ferramentas como a internet, o celular e a televisão interativa no processo de decisão de compra. Compara produtos, preços e marcas, fazendo com que a compra seja mais racional e pragmática, buscando benefícios além do preço.
  • 13.
  • 14.
  • 15. TRABALHO SOCIEDADE TECNOLOGIA MUDANÇAS QUE ESTÃO LEVANDO OS NEGÓCIOS A SEREM MAIS “SOCIAIS” PROCESSOS COLABORATIVOS
  • 17. Não sei nem se deveríamos começar com o conceito de design de mídias sociais. O comportamento social nos humanos é tão antigo quanto nossa espécie, por isso o surgimento de uma Internet e de sistemas baseados em comportamento social é apenas nossa tecnologia rudimentar tentando alcançar nossa vida offline. O pensar em “design social” deveria ser parte de tudo o que fazemos, e não ser abordado de forma isolada. Nós deveríamos pensar nisso da mesma forma que os designers de aparelhos eletrônicos pensam em eletricidade – apenas está ali, é o ponto central, o eixo, fazendo todas as outras coisas funcionarem. PAUL ADAMS, GERENTE DE EXPERIÊNCIA DE MARCA GLOBAL DO FACEBOOK
  • 18. Um grupo de pessoas não é necessariamente social. SOCIAL é o que acontece entre elas e a forma como interagem. O novo papel do líder é criar uma cultura onde boas ideias emergem, selecionar os conceitos mais fortes que merecem apoio da organização e dar às equipes o sentimento de pertencimento e accountability para a execução.
  • 19. ???
  • 20. E SE ISSO FOR COLABORAÇÃO? Ana Barroso Ana Barroso As pessoas já incorporaram seus hábitos sociais digitais em suas rotinas e se acostumaram a confiar e compartilhar com aqueles com os quais são conectadas. Pense no Facebook, comentários de blogs e messengers! Esse tipo de familiaridade diminui a curva de aprendizado e torna a adoção de tocnologia social no ambiente de trabalho consideravelmente menos disruptiva e mais permanente – em forma de cultura.
  • 22. O ser humano é, essencialmente, criativo e tem a capacidade de colaborar e co-criar soluções se for exposto a um ambiente que encorage essa prática e a ferramentas corretas. Designers e desenvolvedores já se acostumaram à idéia de serem responsável pela criação de mecanismos e dispositivos prontos para que outras pessoas usem ou consumam. Precisamos nos acostumar à ideia de criar coisas das quais outras pessoas irão participar. Missão: criar estruturas apropriadas e customizadas através das quais as pessoas possam, em um contexto profissional, criar soluções de valor e inovadoras, contribuindo com suas habilidades específicas, métodos e mindsets. DESENVOLVENDO AS FERRAMENTAS APROPRIADAS FERRAMENTAS
  • 23. WHAT WE DO “Challenges and collaboration killers that must be addressed while promoting a collaborative culture: silos with different cultures, strong egos, messenger killers, pontificators, hidden agendas, cynicism, groupthinking, diverse levels of understanding, biases.”  COLABORAÇÃO EM UM AMBIENTE CORPORATIVO NÃO SIGNIFICA SOFTWARE Colaboração real demanda mais do que aplicações – que podem de fato dificultar ou destruir o processo colaborativo, pela dificuldade de gerenciamento. É essencial entender elementos sutis e complexos como inteligência emocional e conhecimento tácito.
  • 24. SHARING KNOWLDGE & CO-CREATING BEHAVIORS THAT SHOULD BE ENCOURAGED SPEED OF ADOPTION SHARED CONTENT CULTURE, CORPORATE RULES & EXPECTATIONS MOTIVATION TO SHARE RECOGNITION TOOLS, SOFTWARE, WEB 2.0 MECHANISMS DESENHO DE CULTURA E NEGÓCIOS DESENHO DE SISTEMAS TECNOLOGIA Não é só sobre TI. O “core” dos projetos de tecnologia social são pessoas e comportamento humano. É essencial criar ambientes que encorajam as pessoas a compartilhar e co-criar.
  • 25. PESQUISAEntender os valores e os princípios pelos quais as pessoas navegam cenários complexos é essencial no ajuste ideal do design da interface dessa nova ferramenta digital. A primeira fase de nosso trabalho é a Etnografia, ou pesquisa presencial dentro da empresa. À partir de um período de imersão, observando as interações e fluxos de trabalho no dia-a-dia, como acontece o relacionamento com o cliente e como são desenvolvidas as entregas dentro da empresa, conseguimos identificar: ‣ PARTICULARIDADES DA CULTURA ‣ O QUE MOTIVA AS PESSOAS ‣ O QUE É RECONHECIMENTO PARA ELAS ‣ LÍDERES INFORMAIS ‣ OPORTUNIDADES DE OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ‣ RISCOS e PONTOS SENSÍVEIS ‣ DEMANDAS DO DIA-A-DIA ‣ GARGALOS E PONTOS SENSÍVEIS ETNOGRAFIA
  • 26. TECNOLOGIA CULTURA TECNOLOGIA CULTURA CENÁRIO TRADICIONAL A tecnologia é sub-utilizada e existe de forma desatrelada da cultura e fluxos de trabalho. Por não serem guiados pelos mesmos princípios, cultura e tecnologia existem de forma paralela, desalinhada e não-complementar. O conhecimento individual não compartilhado de funcionários (desde analistas até diretores) acaba tornando-se um empecilho à produtividade e à experiência das pessoas dentro da empresa. CENÁRIO IDEAL A tecnologia é a tradução digital da cultura da empresa e da essência da empresa. Os princípios de ambas são alinhados e se complementam, aumentando a produtividade interna e a satisfação do cliente, tornando os relacionamentos mais plenos e duradouros, e criando uma experiência interna de trabalho mais fluida, transparente e completa.
  • 27. Uma árvore bem gorjeada, com poucos segundos, passa a fazer parte dos pássaros que a gorjeiam.” MANOEL DE BARROS
  • 28. EXPERIÊNCIA SOCIAL PARTICIPAÇÃO EXTERNA / CONSUMIDORES COLABORAÇÃO INTERNA / COLABORADORES OTIMIZAÇÃO DO NEGÓCIO serve um propósito supre uma demanda prático funcional eficaz ÚTIL UTILISÁVEL DESEJÁVEL SUSTENTÁVEL SOCIAL intuitivo fácil fluido acessível eficiente prazeroso desfrutável memorável divertido diferenciado escalável adaptável flexível maleável aberto distribuído compartilhável dinâmico coletivo BÁSICO PROGRESSÃO NATURAL Visual Thinking by David Armano
  • 29. ETAPAS DE UM PROJETO As etapas para construção de projeto seguem a metologia de Social Design Thinking proposta pela Sodet, incluindo entregas iterativas e incrementais de desenvolvimento, associada a uma parte de pesquisa e testes intensiva com os usuários (design centrado no ser humano). BRIEFING INICIAL IMERSÃO E ETNOGRAFIA DESENHO DO CENÁRIO ATUAL + PLANEJAMENTO DA FERRAMENTA DESENVOLVIMENTO DA ARQUITETURA DE INFORMACÃO DESENVOLVIMENTO DO LAYOUT E HTML PROGRAMAÇÃO E TECNOLOGIA + TESTES DA VERSÃO ALFA PÓS-ALFA: MANUTENÇÃO E EVOLUÇÕES
  • 31. COMPARTILHAMENTO E RETENÇÃO DE CONHECIMENTO Grande parte das empresas que navegam pelas complexidades do universo de negócios atual encontra dificuldades em gerir (e digerir) tudo o que sabe. Cerca de 80% de todo o conhecimento de uma empresa é tácito, ou seja, deriva-se das interações entre as pessoas e das capacidades intelectuais e de trabalho de cada um. Empresas sociais utilizam-se de ferramentas e interfaces que explicitam, estruturam e organizam este conhecimento.
  • 32. BENEFÍCIOS PARA QUEM PARTICIPA ‣ Maior autonomia ‣ Maior reconhecimento às iniciativas individuais ‣ Aumento do potencial de inovação ‣ Maior integração entre as equipes ‣ Descentralização do poder e das iniciativas ‣ Horizontalização da comunicação ‣ Melhoria do clima interno BENEFÍCIOS PARA A EMPRESA ‣ Diminuição de custos ‣ Maior produtividade dos profissionais ‣ Maior agilidade de processos ‣ Menos erros ‣ Retenção do conhecimento adquirido pelos profissionais através das experiências do dia-a-dia ‣ Identificação de talentos
  • 33.
  • 34. INFRAESTRUTURA NEGÓCIO SOCIAL (Interno) Treinamento Processos Engajamento Interno Políticas e Guidelines Gestão do Conhecimento Cultura AÇÕES Gestão de Comunidades Marketing Atendimento ao Consumidor Comunicação Eventos Campanhas MARCA SOCIAL (Externa) EXTERNO INTERNO +
  • 35. CASES
  • 36. Wikinomy ou Wikinomia: a fusão de “wiki” com “economia”. É o princípio da Wikipédia aplicado à economia. A wikinomia é a arte, a ciência da inovação colaborativa. Será a mudança mais profunda na estrutura das corporações em um século. Vai mudar o modo como inovamos, o modo como criamos bens e serviços. Como a internet reduz brutalmente custo da colaboração, as pessoas podem se juntar e criar valor, sem o sistema tradicional de hierarquias. WIKINOMIA Don Tapscott / @dtapscott http://www.youtube.com/watch?v=AVrhLvdWQ3s
  • 37. CASE: GOLDCORP Goldcorp, empresa do setor de mineração, é exemplar. A companhia estava insegura sobre onde tentar explorar ouro e tomou uma atitude inédita: divulgou seus dados geológicos, que normalmente são o grande segredo desse setor, e ofereceu um prêmio a quem tivesse a melhor análise que indicasse onde fazer uma exploração. A empresa pagou 500.000 dólares em prêmio e encontrou 3,4 bilhões de dólares em ouro. O valor de mercado da Goldcorp pulou de 90 milhões para 10 bilhões de dólares. http://www.fastcompany.com/magazine/59/mcewen.html http://www.ideaconnection.com/open-innovation-success/Open- Innovation-Goldcorp-Challenge-00031.html http://www.bullnotbull.com/archive/wikinomics.html WIKINOMIA
  • 38. WIKINOMIA CASE: SCRIBD.COM “This document was uploaded by someone just like you and is now part of The Scribd Archive. Give back to the community and gain 24 hours of download access by uploading something of your own.” PAYMENTO OPTIONS:
  • 39. Plataforma inovadora de social commerce lançada em agosto de 2011. Possibilita que pessoas vendam os produtos do Magazine Luiza para sua rede de relacionamentos, utilizando lojas virtuais personalizáveis com nome, produtos e forma de divulgação escolhidos pelo próprio dono. CASE STUDY MAGAZINE VOCÊ http://www.youtube.com/watch?v=enlMrBlmpeE
  • 41. Aqui tem Natura é o principal canal de comunicação, através das redes sociais, com os Consultores da segunda maior rede direta de vendas do Brasil que hoje contam com 1,2 milhão de consultores. CASE STUDY AQUI TEM NATURA
  • 42. CASE STUDY As redes sociais já estão sendo ocupadas. Já existe um enorme espaço de atenção em redes sociais dedicado à Natura ocupado por iniciativas pessoais das consultoras. Comunidades no Orkut, perfis no Facebook, blogs e fóruns de discussão públicos são exemplos de ocupações desse espaço.
  • 43. Bruna, amiga da Cris Rita, mãe da Bruna Joana, amiga e consultora Carol, amiga da Bruna João, conhece Cris Maria, amiga do João Cris, consultora Natura
  • 44. Os usuários são identificados em seus círculos sociais através da aplicação de Badges em suas fotos de perfil e a publicação de  uma série de anúncios pré formatados em seus murais. Criação de uma central de buscas por Consultoras Natura. É através do aplicativo que os clientes interessados em comprar a marca Natura, e que não possuem consultores em seu círculo social, têm a oportunidade de pesquisar os consultores que atendem sua região.
  • 45.
  • 47.
  • 48.
  • 50.
  • 51. Starbucks colocou uma equipe de aproximandamente 40 pessoas chamada “Idea Partners” para se dedicar a análise das idéias. São funcionários de diversas áreas da empresa (incluindo Brad Stevens, vice-presidente de marketing) que decidem, comentam e respondem individualmente cada proposta no blog do projeto.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62. Além de compartilhar suas corridas e conquistas com a comunidade Nike+, você pode compartilhar com outras redes sociais. A cada desafio conquistado ou recorde superado o sistema vai te premiando, e te dando novos símbolos de status. Mapeamento e arquivo de todas as corridas realizadas com o Nike+, com gráficos e informações detalhadas para análise.
  • 63. Mais do que ajudar a ver sua performance e compartilhar sua atividade, a Nike te ajuda a treinar.
  • 64. E te insere em uma comunidade de pessoas com interesse mútuo.