SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
O DINAMISMO
ECONÓMICO DO MUNDO
CAPITALISTA
O MUNDO BIPOLARO MUNDO BIPOLAR
O MUNDO BIPOLARO MUNDO CAPITALISTA
O MUNDO CAPITALISTAO MUNDO CAPITALISTA
OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
O país atravessa uma era de prosperidade e o conforto é tanto que me deixou
impressionado. Há milhares de pequenas invenções, de verdadeiros
achados, que simplificam a vida quotidiana. (…) A dona de casa americana
perde muito pouco tempo com os trabalhos domésticos. O fogão de cozinha é
elétrico, assim como o frigorífico, o aspirador e a máquina de lavar. (…) Os
aviões são confortáveis e transportam passageiros noite e dia.
Ilya Ehrenburg, Regresso aos Estados Unidos (1947)
OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
Grande prosperidade económica
“Os Trinta Gloriosos”
- Enorme mercado
de consumo
- Grande
desenvolvimento
tecnológico
Posse de recursos naturais
A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
Multinacionais
americanas
1ª posição na
produção
industrial
+
Elevada
tecnologia
A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
Principal centro financeiro do
mundo
+
Moeda forte
A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
Grande potência
militar
+
Investimentos
+
Domínio do
comércio
internacional
+
Influência cultural
A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
Influência cultural no mundo
Mundialização da cultura americana
JAPÃO
O JAPÃO EM 1945
A PRESENÇA AMERICANA NO JAPÃO
1945-1952
Douglas MacArthur e Imperador Hirohito
Modernização
- Implantação de um
regime democrático
através da elaboração
de uma constituição
- Reforma do ensino
- Reforma agrária
- Ajuda económico-
financeira:
capitais, matérias
primas, má-quinas e
tecnologia
A ECONOMIA JAPONESA
A ECONOMIA JAPONESA
O “MILAGRE JAPONÊS”
A 3ª potência económica
Sistema capitalista
A ECONOMIA JAPONESA
O “MILAGRE JAPONÊS”
Rua de Nova Iorque
A ECONOMIA JAPONESA
O “MILAGRE JAPONÊS”
Rua de Nova Iorque
CONQUISTA DOS MERCADOS
INTERNACIONAIS
A ECONOMIA JAPONESA
Grandes multinacionais
A ECONOMIA JAPONESA
A ECONOMIA JAPONESA
2º exportador
de produtos
industriais
OS JAPONESES E O TRABALHO
Utilização de tecnologias avançadas:
Automação + robotização
OS JAPONESES E O TRABALHO
OS JAPONESES E A EDUCAÇÃO
Emprego do tempo da jovem
Nakamura, de 16 anos: levanta-se às 6
horas, começa as aulas duas horas
depois, sai da escola às 17, trabalha em
casa até às 19, interrompe por duas
horas para jantar e descansar um pouco
e, das 21 até à meia-noite, mergulha de
novo nos livros e nos cadernos.
Em todos os alunos se incutem ideais virtuosos e patrióticos, com frases como:
“Estais agora a entrar na verdadeira vida, a que fará de vós Japoneses e vos
porá ao serviço do Japão”. E com promessas também: “Se continuardes na vida
que vos é ensinada na nossa escola, não tereis preocupações no futuro e
esperar-vos-á a segurança”. Assim se resumem as duas noções-
chave, essenciais, do Japão: por um lado, o sentido do grupo, do dever
coletivo, por outro, como recompensa, a segurança de ser protegido.
Jornal Libération, 20 de Junho de 1985
OS JAPONESES E A EDUCAÇÃO
Elevado nível de educação do povo japonês
+
Trabalhadores qualificados
OS JAPONESES E O TRABALHO
No começo de um dia numa fábrica japonesa, os trabalhadores, de
uniforme e perfilados, cantam o hino da empresa antes de iniciarem o
trabalho
Aprender a descansar e a relaxar representa uma verdadeira revolução para os
Japoneses, que trabalham em média 2168 horas por ano (1924 horas nos EUA
e 1643 em França). (…) Os Japoneses têm direito em média a 15 dias de férias
pagas por ano e apenas tiram metade das férias. (…) No Verão de 1986 uma
campanha incentiva-os a gozarem mais de uma semana de férias. A
campanha foi renovada este Verão sem resultados. «É uma crueldade» –
comenta o Dr. Azura Shibata, psiquiatra – «obrigar um japonês a divertir-se. É
o mesmo que pedir que mude de personalidade.». No entanto, mais que
ninguém, os Japoneses necessitam de repouso (…) «As pessoas morrem sem
dar conta de que vivem tensas toda a vida.»
Diário de Notícias, 7 de Dezembro de 1987
OS JAPONESES E O TRABALHO
OS JAPONESES E O TRABALHO
Mentalidade tradicional: valores da
disciplina, obediência aos chefes, sacrifício pessoal
em favor dos interesses do grupo
UNIÃO EUROPEIA
A EUROPA EM 1945
Para conseguir a paz foi preciso
estabelecer a igualdade entre a França
e a Alemanha. Como conseguir essa
igualdade? Decidimos começar pelo
carvão e pelo aço, que são o grande
triunfo da economia alemã.
O problema técnico consistiu em
estabelecer um mercado amplo que
apoiasse o seu desenvolvimento. Por
isso, a França criou com a Itália, a
Alemanha e os seus vizinhos novos
laços de entendimento para resolver
os problemas que lhes eram comuns.
Jean Monnet, La République des
Ilusions, 1953
1951 - A CRIAÇÃO DA CECA
Página 163, Documento 3
A CRIAÇÃO DA CECA
O objetivo era
estabelecer um
espaço económico
comum para
promover o
desenvolvimento
Livre circulação do carvão
e do aço
1957 - O TRATADO DE ROMA
Art. 3º - A ação da Comunidade comporta:
a) A eliminação, entre os Estados-membros, dos direitos aduaneiros;
b) O estabelecimento (…) duma política comercial comum em
relação a Estados terceiros;
c) A abolição entre os Estados-membros, dos obstáculos à livre
circulação de pessoas, serviços e capitais;
d) A instauração duma política comum no domínio da agricultura.
Tratado de Roma, 25 de Maio de 1957
Página 163, Documento 5
1957 - O TRATADO DE ROMA
Art. 3º - A ação da Comunidade comporta:
a) A eliminação, entre os Estados-membros, dos direitos aduaneiros;
b) O estabelecimento (…) duma política comercial comum em
relação a Estados terceiros;
c) A abolição entre os Estados-membros, dos obstáculos à livre
circulação de pessoas, serviços e capitais;
d) A instauração duma política comum no domínio da agricultura.
Tratado de Roma, 25 de Maio de 1957
Criação da Comunidade Económica Europeia
Página 163, Documento 5
1986
Criação de um mercado
interno
livre circulação de
produtos, pessoas e bens
1992
- Moeda única (2002)
- Banco central
europeu (1998)
A CAMINHO DA UNIÃO EUROPEIA
1951
1973
1981
1986
1995
2004
2007
CRONOLOGIA DA ADESÃO
TOP TEN DAS POTÊNCIAS
ECONÓMICAS EM 2012
1. As três grandes potências económicas do mundo
capitalista são:
PARA RELEMBRAR …
1. As três grandes potências económicas do mundo
capitalista são:
Os EUA, o Japão e a Europa Ocidental.
PARA RELEMBRAR …
2. Quais os aspetos que demonstram a hegemonia económica dos
EUA no mundo?
PARA RELEMBRAR …
1. As três grandes potências económicas do mundo capitalista são os
EUA, o Japão e a Europa Ocidental.
2. Os aspetos que demonstram a hegemonia económica dos EUA no
mundo são:
- Primeira posição na economia mundial
- Elevada tecnologia
- Afirmação das multinacionais americanas
- Principal centro financeiro
- Dólar como moeda de referência
- Amplos investimentos de capitais
- Domínio do comércio internacional
- Grande potência militar
- Influência cultural no mundo
PARA RELEMBRAR …
3. Quais foram os fatores
que levaram o Japão a
tornar-se na 3ª potência
mundial?
PARA RELEMBRAR …
3. Os fatores que levaram o Japão a tornar-se na 3ª potência mundial
foram:
- modernização e democratização do país durante a ocupação
americana
- utilização de tecnologias avançadas na indústria
- elevado de nível de educação do povo japonês
- existência de trabalhadores qualificados e disciplinados
PARA RELEMBRAR …
4. Descreve as principais
razões da afirmação
económica da Europa
Ocidental.
PARA RELEMBRAR …
4. A Europa Ocidental afirmou-se economicamente devido a:
- Plano Marshall
- criação da CECA
- O Tratado de Roma, ao criar a CEE, estabeleceu a livre circulação
de mercadorias, pessoas e capitais
- O Tratado de Maastricht estabeleceu a União Europeia, a criação
do Banco Central Europeu e da moeda única
- Devido ao sucesso do mercado único europeu, houve sucessivos
alargamentos
PARA RELEMBRAR …
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Regresso ao Demoliberalismo
Regresso ao DemoliberalismoRegresso ao Demoliberalismo
Regresso ao DemoliberalismoRui Nobre
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929Rui Neto
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30Vítor Santos
 
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...Susana Cardoso Simões
 
A grande depressão
A grande depressãoA grande depressão
A grande depressãocattonia
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era EstalinistaRainha Maga
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTeresa Maia
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IACarlos Vieira
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929rafaforte
 
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e RupturasO Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e RupturasRuben Fonseca
 

Mais procurados (20)

Regresso ao Demoliberalismo
Regresso ao DemoliberalismoRegresso ao Demoliberalismo
Regresso ao Demoliberalismo
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Apresentação As opções totalitárias
Apresentação As opções totalitáriasApresentação As opções totalitárias
Apresentação As opções totalitárias
 
Mundo Bipolar
Mundo BipolarMundo Bipolar
Mundo Bipolar
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
 
Grande depressão
Grande depressãoGrande depressão
Grande depressão
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
A grande depressão
A grande depressãoA grande depressão
A grande depressão
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
 
Crash 29 - Completo
Crash 29 - CompletoCrash 29 - Completo
Crash 29 - Completo
 
Apresentação A questão colonial
Apresentação A questão colonialApresentação A questão colonial
Apresentação A questão colonial
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
 
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e RupturasO Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
O Mundo Comunista: Desenvolvimento, Bloqueios e Rupturas
 
New deal
New dealNew deal
New deal
 
Descolonização
DescolonizaçãoDescolonização
Descolonização
 
O Fascismo
O FascismoO Fascismo
O Fascismo
 
Propaganda Nazi
Propaganda NaziPropaganda Nazi
Propaganda Nazi
 

Destaque

O dinamismo económico do países capitalistas 9ºf juliana, sara e marta
O dinamismo económico do países capitalistas 9ºf   juliana, sara e martaO dinamismo económico do países capitalistas 9ºf   juliana, sara e marta
O dinamismo económico do países capitalistas 9ºf juliana, sara e martaCarla Teixeira
 
O milagre japonês
O milagre japonêsO milagre japonês
O milagre japonêsguestfe54e6
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoAna Barreiros
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoAna Barreiros
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAna Barreiros
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraAna Barreiros
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Ana Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxAna Barreiros
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalistahome
 
Portugal arte em redor de 1900
Portugal   arte em redor de 1900Portugal   arte em redor de 1900
Portugal arte em redor de 1900Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaAna Barreiros
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalAna Barreiros
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixAna Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaAna Barreiros
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Ana Barreiros
 

Destaque (20)

O dinamismo económico do países capitalistas 9ºf juliana, sara e marta
O dinamismo económico do países capitalistas 9ºf   juliana, sara e martaO dinamismo económico do países capitalistas 9ºf   juliana, sara e marta
O dinamismo económico do países capitalistas 9ºf juliana, sara e marta
 
O milagre japonês
O milagre japonêsO milagre japonês
O milagre japonês
 
O milagre japones
O milagre japonesO milagre japones
O milagre japones
 
Milagre japones
Milagre japonesMilagre japones
Milagre japones
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 
Soutode moura
Soutode mouraSoutode moura
Soutode moura
 
A historia da_arte
A historia da_arteA historia da_arte
A historia da_arte
 
Portugal arte em redor de 1900
Portugal   arte em redor de 1900Portugal   arte em redor de 1900
Portugal arte em redor de 1900
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xix
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 

Semelhante a Dinamismo económico do mundo capitalista

Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerraAilusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerraEvanilde Chuva
 
Apresentação de sistemas de produção industrial
Apresentação de sistemas de produção industrialApresentação de sistemas de produção industrial
Apresentação de sistemas de produção industrialMarcelo Pinto da Rocha
 
Proc formacao capitalismo
Proc formacao capitalismoProc formacao capitalismo
Proc formacao capitalismoFilipe Carvalho
 
Modulo 10 contexto
Modulo 10   contextoModulo 10   contexto
Modulo 10 contextocattonia
 
1.3.imperialismo e neocolonialismo
1.3.imperialismo e neocolonialismo1.3.imperialismo e neocolonialismo
1.3.imperialismo e neocolonialismovaldeck1
 
2 industrialização dos eua e do japão
2   industrialização dos eua e do japão2   industrialização dos eua e do japão
2 industrialização dos eua e do japãosofiasimao
 
Conferência de berlim final de verdade
Conferência de berlim final de verdadeConferência de berlim final de verdade
Conferência de berlim final de verdadeDéborah Guedes
 
Geo h e_9o_cap11_ok
Geo h e_9o_cap11_okGeo h e_9o_cap11_ok
Geo h e_9o_cap11_okrdbtava
 
As cidades se c xix final
As cidades se c xix finalAs cidades se c xix final
As cidades se c xix finalJosé Palma
 
Crise de 1929.pptx
 Crise de 1929.pptx Crise de 1929.pptx
Crise de 1929.pptxAndrea Silva
 
Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013Déborah Guedes
 
Exercícios integrado aula 1
Exercícios integrado   aula 1Exercícios integrado   aula 1
Exercícios integrado aula 1Janaína Kaecke
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
 Imperialismo e neocolonialismo no século xix Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xixProfessor de História
 

Semelhante a Dinamismo económico do mundo capitalista (20)

Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerraAilusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
Ailusodeumabelepoca 130501081430-phpapp01primeira guerra
 
Apresentação de sistemas de produção industrial
Apresentação de sistemas de produção industrialApresentação de sistemas de produção industrial
Apresentação de sistemas de produção industrial
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Insdustrialização do japão
Insdustrialização do japãoInsdustrialização do japão
Insdustrialização do japão
 
Proc formacao capitalismo
Proc formacao capitalismoProc formacao capitalismo
Proc formacao capitalismo
 
Modulo 10 contexto
Modulo 10   contextoModulo 10   contexto
Modulo 10 contexto
 
1.3.imperialismo e neocolonialismo
1.3.imperialismo e neocolonialismo1.3.imperialismo e neocolonialismo
1.3.imperialismo e neocolonialismo
 
Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2Neocolonialismo geral2
Neocolonialismo geral2
 
2 industrialização dos eua e do japão
2   industrialização dos eua e do japão2   industrialização dos eua e do japão
2 industrialização dos eua e do japão
 
Conferência de berlim final de verdade
Conferência de berlim final de verdadeConferência de berlim final de verdade
Conferência de berlim final de verdade
 
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritadaAtividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
 
China slides
China   slidesChina   slides
China slides
 
Geo h e_9o_cap11_ok
Geo h e_9o_cap11_okGeo h e_9o_cap11_ok
Geo h e_9o_cap11_ok
 
China
ChinaChina
China
 
China slides
China slidesChina slides
China slides
 
As cidades se c xix final
As cidades se c xix finalAs cidades se c xix final
As cidades se c xix final
 
Crise de 1929.pptx
 Crise de 1929.pptx Crise de 1929.pptx
Crise de 1929.pptx
 
Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013
 
Exercícios integrado aula 1
Exercícios integrado   aula 1Exercícios integrado   aula 1
Exercícios integrado aula 1
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
 Imperialismo e neocolonialismo no século xix Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaAna Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Ana Barreiros
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaAna Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGAna Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesAna Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoAna Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoAna Barreiros
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidadeAna Barreiros
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaAna Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (19)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
 

Último

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 

Último (20)

Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 

Dinamismo económico do mundo capitalista

  • 1. O DINAMISMO ECONÓMICO DO MUNDO CAPITALISTA
  • 2. O MUNDO BIPOLARO MUNDO BIPOLAR
  • 3. O MUNDO BIPOLARO MUNDO CAPITALISTA
  • 4. O MUNDO CAPITALISTAO MUNDO CAPITALISTA
  • 5. OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
  • 6. O país atravessa uma era de prosperidade e o conforto é tanto que me deixou impressionado. Há milhares de pequenas invenções, de verdadeiros achados, que simplificam a vida quotidiana. (…) A dona de casa americana perde muito pouco tempo com os trabalhos domésticos. O fogão de cozinha é elétrico, assim como o frigorífico, o aspirador e a máquina de lavar. (…) Os aviões são confortáveis e transportam passageiros noite e dia. Ilya Ehrenburg, Regresso aos Estados Unidos (1947) OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
  • 7. OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Grande prosperidade económica “Os Trinta Gloriosos” - Enorme mercado de consumo - Grande desenvolvimento tecnológico
  • 8.
  • 9. Posse de recursos naturais
  • 10. A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
  • 11. A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO Multinacionais americanas 1ª posição na produção industrial + Elevada tecnologia
  • 12. A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
  • 13. A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO Principal centro financeiro do mundo + Moeda forte
  • 14. A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
  • 15. A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO Grande potência militar + Investimentos + Domínio do comércio internacional + Influência cultural
  • 16. A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO
  • 17. A IMPORTÂNCIA DOS EUA NO MUNDO Influência cultural no mundo Mundialização da cultura americana
  • 19. O JAPÃO EM 1945
  • 20. A PRESENÇA AMERICANA NO JAPÃO 1945-1952 Douglas MacArthur e Imperador Hirohito Modernização - Implantação de um regime democrático através da elaboração de uma constituição - Reforma do ensino - Reforma agrária - Ajuda económico- financeira: capitais, matérias primas, má-quinas e tecnologia
  • 22. A ECONOMIA JAPONESA O “MILAGRE JAPONÊS” A 3ª potência económica Sistema capitalista
  • 23. A ECONOMIA JAPONESA O “MILAGRE JAPONÊS” Rua de Nova Iorque
  • 24. A ECONOMIA JAPONESA O “MILAGRE JAPONÊS” Rua de Nova Iorque CONQUISTA DOS MERCADOS INTERNACIONAIS
  • 25. A ECONOMIA JAPONESA Grandes multinacionais
  • 27. A ECONOMIA JAPONESA 2º exportador de produtos industriais
  • 28. OS JAPONESES E O TRABALHO
  • 29. Utilização de tecnologias avançadas: Automação + robotização OS JAPONESES E O TRABALHO
  • 30. OS JAPONESES E A EDUCAÇÃO Emprego do tempo da jovem Nakamura, de 16 anos: levanta-se às 6 horas, começa as aulas duas horas depois, sai da escola às 17, trabalha em casa até às 19, interrompe por duas horas para jantar e descansar um pouco e, das 21 até à meia-noite, mergulha de novo nos livros e nos cadernos. Em todos os alunos se incutem ideais virtuosos e patrióticos, com frases como: “Estais agora a entrar na verdadeira vida, a que fará de vós Japoneses e vos porá ao serviço do Japão”. E com promessas também: “Se continuardes na vida que vos é ensinada na nossa escola, não tereis preocupações no futuro e esperar-vos-á a segurança”. Assim se resumem as duas noções- chave, essenciais, do Japão: por um lado, o sentido do grupo, do dever coletivo, por outro, como recompensa, a segurança de ser protegido. Jornal Libération, 20 de Junho de 1985
  • 31. OS JAPONESES E A EDUCAÇÃO Elevado nível de educação do povo japonês + Trabalhadores qualificados
  • 32. OS JAPONESES E O TRABALHO No começo de um dia numa fábrica japonesa, os trabalhadores, de uniforme e perfilados, cantam o hino da empresa antes de iniciarem o trabalho
  • 33. Aprender a descansar e a relaxar representa uma verdadeira revolução para os Japoneses, que trabalham em média 2168 horas por ano (1924 horas nos EUA e 1643 em França). (…) Os Japoneses têm direito em média a 15 dias de férias pagas por ano e apenas tiram metade das férias. (…) No Verão de 1986 uma campanha incentiva-os a gozarem mais de uma semana de férias. A campanha foi renovada este Verão sem resultados. «É uma crueldade» – comenta o Dr. Azura Shibata, psiquiatra – «obrigar um japonês a divertir-se. É o mesmo que pedir que mude de personalidade.». No entanto, mais que ninguém, os Japoneses necessitam de repouso (…) «As pessoas morrem sem dar conta de que vivem tensas toda a vida.» Diário de Notícias, 7 de Dezembro de 1987 OS JAPONESES E O TRABALHO
  • 34. OS JAPONESES E O TRABALHO Mentalidade tradicional: valores da disciplina, obediência aos chefes, sacrifício pessoal em favor dos interesses do grupo
  • 36. A EUROPA EM 1945
  • 37. Para conseguir a paz foi preciso estabelecer a igualdade entre a França e a Alemanha. Como conseguir essa igualdade? Decidimos começar pelo carvão e pelo aço, que são o grande triunfo da economia alemã. O problema técnico consistiu em estabelecer um mercado amplo que apoiasse o seu desenvolvimento. Por isso, a França criou com a Itália, a Alemanha e os seus vizinhos novos laços de entendimento para resolver os problemas que lhes eram comuns. Jean Monnet, La République des Ilusions, 1953 1951 - A CRIAÇÃO DA CECA Página 163, Documento 3
  • 38. A CRIAÇÃO DA CECA O objetivo era estabelecer um espaço económico comum para promover o desenvolvimento Livre circulação do carvão e do aço
  • 39. 1957 - O TRATADO DE ROMA Art. 3º - A ação da Comunidade comporta: a) A eliminação, entre os Estados-membros, dos direitos aduaneiros; b) O estabelecimento (…) duma política comercial comum em relação a Estados terceiros; c) A abolição entre os Estados-membros, dos obstáculos à livre circulação de pessoas, serviços e capitais; d) A instauração duma política comum no domínio da agricultura. Tratado de Roma, 25 de Maio de 1957 Página 163, Documento 5
  • 40. 1957 - O TRATADO DE ROMA Art. 3º - A ação da Comunidade comporta: a) A eliminação, entre os Estados-membros, dos direitos aduaneiros; b) O estabelecimento (…) duma política comercial comum em relação a Estados terceiros; c) A abolição entre os Estados-membros, dos obstáculos à livre circulação de pessoas, serviços e capitais; d) A instauração duma política comum no domínio da agricultura. Tratado de Roma, 25 de Maio de 1957 Criação da Comunidade Económica Europeia Página 163, Documento 5
  • 41. 1986 Criação de um mercado interno livre circulação de produtos, pessoas e bens 1992 - Moeda única (2002) - Banco central europeu (1998) A CAMINHO DA UNIÃO EUROPEIA
  • 43. TOP TEN DAS POTÊNCIAS ECONÓMICAS EM 2012
  • 44.
  • 45. 1. As três grandes potências económicas do mundo capitalista são: PARA RELEMBRAR …
  • 46. 1. As três grandes potências económicas do mundo capitalista são: Os EUA, o Japão e a Europa Ocidental. PARA RELEMBRAR …
  • 47. 2. Quais os aspetos que demonstram a hegemonia económica dos EUA no mundo? PARA RELEMBRAR …
  • 48. 1. As três grandes potências económicas do mundo capitalista são os EUA, o Japão e a Europa Ocidental. 2. Os aspetos que demonstram a hegemonia económica dos EUA no mundo são: - Primeira posição na economia mundial - Elevada tecnologia - Afirmação das multinacionais americanas - Principal centro financeiro - Dólar como moeda de referência - Amplos investimentos de capitais - Domínio do comércio internacional - Grande potência militar - Influência cultural no mundo PARA RELEMBRAR …
  • 49. 3. Quais foram os fatores que levaram o Japão a tornar-se na 3ª potência mundial? PARA RELEMBRAR …
  • 50. 3. Os fatores que levaram o Japão a tornar-se na 3ª potência mundial foram: - modernização e democratização do país durante a ocupação americana - utilização de tecnologias avançadas na indústria - elevado de nível de educação do povo japonês - existência de trabalhadores qualificados e disciplinados PARA RELEMBRAR …
  • 51. 4. Descreve as principais razões da afirmação económica da Europa Ocidental. PARA RELEMBRAR …
  • 52. 4. A Europa Ocidental afirmou-se economicamente devido a: - Plano Marshall - criação da CECA - O Tratado de Roma, ao criar a CEE, estabeleceu a livre circulação de mercadorias, pessoas e capitais - O Tratado de Maastricht estabeleceu a União Europeia, a criação do Banco Central Europeu e da moeda única - Devido ao sucesso do mercado único europeu, houve sucessivos alargamentos PARA RELEMBRAR …
  • 53. FIM